Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica

397 visualizações

Publicada em

Encontro de casais realizado na Igreja Bíblica Luz do Mundo em Passo Fundo - RS, no dia 15 de fevereiro de 2016.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
397
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica

  1. 1. Encontro de Casais - IBLM Casamento, Duas Perspectivas: Mundo x Bíblica Estudo no Livro: O Significado do Casamento Timothy Keller com Kathy Keller Edições Vida Nova
  2. 2. 2 O Declínio do Casamento
  3. 3. 3 O Declínio do Casamento ✗ Idade média dos cônjuges solteiros homens, na data do casamento, passou de 27 para 30 anos, entre 1974 e 2014. ✗ Idade média entre as mulheres, passou de 23 para 27 anos. ✗ Houve uma grande redução nos casamentos nos grupos etários de 15 a 19 anos e 20 a 24 anos. ✗ Em contrapartida, os grupos de 30 a 34 anos, 35 a 39 anos e 45 a 49 anos apresentaram um grande crescimento da taxa de nupcialidade.
  4. 4. 4 O Declínio do Casamento ✗ Os números dos divórcios no Brasil: ✗ Em 1984 foram contabilizados 30,8 mil divórcios no país. ✗ Em 1994 foram registrados 94,1 mil casos. ✗ Em 2004 130,5 mil divórcios. ✗ Em 2014 o Brasil registrou 341,1 mil divórcios. ✗ Um crescimento de 1.007%
  5. 5. 5 O Declínio do Casamento ✗ A idade média do homem ao se divorciar, passou de 44 para 43 anos, entre 1984 e 2014, enquanto a das mulheres era de 40, nos dois casos. ✗ No período entre 1984 e 2014, constatou-se redução na duração dos casamentos, de 19 para 15 anos. ✗ Houve predominância das mulheres na responsabilidade pela guarda dos filhos menores de idade a partir do divórcio, passando de 78,9% dos casos, em 1984, para 85,1%, em 2014.
  6. 6. 6 O Declínio do Casamento ✗ Os números refletem a desconfiança e o pessimismo acerca do casamento em nossa cultura: ✗ A probabilidade de se ter um bom casamento não é grande. ✗ O casamento torna sua vida sexual tediosa. ✗ “Você quer ser solteiro e solitário ou casado e entendiado?” ✗ A maioria dos casamentos é infeliz. ✗ Morar junto vai aumentar sua chance de acertar na escolha do cônjuge. ✔ O problema com essas crenças e pressuposições é que todas elas estão redondamente equivocadas.
  7. 7. 7 A História do Casamento • Houve um tempo em que praticamente todos acreditavam que o casamento era bom e desejável, mas já não é o caso. • Um relatório recente divulgado pela Universidade de Virgínia EUA, chegou a seguinte conclusão: • “Menos de um terço das meninas e apenas pouco mais de um terço dos meninos parece considerar o casamento mais benéfico para o indivíduo do que as alternativas. Essa atitude negativa, porém, é contrária às evidências empíricas disponíveis que indicam, de modo uniforme que ser casado tem consideravelmente mais benefícios pessoais, bem como sociais, do que permanecer solteiro ou apenas viver junto com alguém”.
  8. 8. 8 A História do Casamento • De onde surgiu esse pessimismo sobre o casamento? • Esse é um pensamento resultante de uma mudança expresiva na visão de nossa cultura acerca da finalidade do casamento. • Na visão protestante, o casamento foi dado por Deus não apenas para os cristãos, mas para beneficiar toda a humanidade. O casamento formava o caráter ao unir homem e mulher numa relação de compromisso. O casamento indissolúvel cria a única forma de estabilidade social na qual os filhos podem crescer e se desenvolver devidamente. Nenhum outro tipo de ambiente permite que as crianças se desenvolvam tão bem.
  9. 9. 9 A História do Casamento • Contudo, o Iluminismo dos séculos 18 e 19 deu origem a um novo conceito de casamento. • O sentido de vida passou a ser considerado fruto da liberdade do indivíduo de escolher o tipo de vida que mais satisfazia à sua personalidade. • Em vez de abrir mão das liberdades individuais, no compromisso com os deveres do matrimônio e da família, o casamento foi redefinido como a forma de encontrar satisfação emocional e sexual e plena realização pessoal. • A essência do casamento não se encontra no simbolismo sacramental divino nem no vínculo social que visava ao bem mais amplo da humanidade. Antes, o casamento passou a ser considerado um contrato entre duas partes com o objetivo de promover ocrescimento e a satisfação individuais mútuas.
  10. 10. 10 A História do Casamento • Em resumo, o Iluminismo privatizou o casamento, removendo-o do âmbito público, e redefiniu seu propósito como sendo a gratificação individual, e não “um bem maior” como refletir a glória de Deus, formar caráter ou educar filhos. • O casamento costumava ser uma instituição pública que visava o bem comum. Agora é um acordo particular que visa à satisfação de indivíduos. O casamento costumava promover a ideia de “nós”, mas agora promove o “eu”.
  11. 11. 11 A Busca Pela “Alma Gêmea” ✗ Não é raro as mulheres acusarem os homens de terem fobia de compromisso, ou seja, medo do casamento. ✗ É impressionante o fato de muitos homens afirmarem que não pretendem se casar enquanto não encontrarem a “alma gêmea perfeita”, alguém extremamente “compatível”. Mas o que isso significa? ✗ Dois elementos chaves: ✗ Atração física e química sexual. ✗ Compatibilidade conjugal, ou seja, encontrar uma mulher que se “encaixe” em sua vida.
  12. 12. 12 A Verdadeira Masculinidade ✔ Essa nova forma de pensar representa um rompimento com o passado. Tradicionalmente, os homens casavam-se cientes de que haveria muitas mudanças pessoais. Fazia parte da visão tradicional do casamento o conceito de que ele “civilizava” os homens. ✔ O casamento era a situação em que os homens desenvolviam a verdadeira masculidade. Ao longo da maior parte da história, a característica principal e mais valorizada da masculidade foi o domínio próprio. O homem que comia, bebia, dormia ou tinha relações sexuais em excesso, ou seja, que “não se controlava” era considerado inadequado para liderar a própria casa e, mais ainda, uma comunidade...”.
  13. 13. 13 A Ironia do Casamento Moderno ✗ Em gerações passadas, falava-se muito menos de “compatibilidade” e de encontrar a alma gêmea ideal. Hoje em dia, procuramos alguém que nos aceite como somos e realize nossos desejos. O resultado é um conjunto irrealista de expectativas que frusta tanto os que estão à procura como os que estão sendo procurados. ✗ Hoje, tanto para homens como para mulheres, o casamento não é o modo de formar caráter e criar comunidade, mas de alcançar objetivos pessoais. Seja a busca masculina pela beleza física, quanto a feminina afetada pela cultura do consumo. Todos estão à procura de um parceiro que satisfaça seus desejos emocionais, sexuais e espirituais.
  14. 14. 14 A Ironia do Casamento Moderno ✗ O resultado é um profundo pessimismo de que será impossível encontrar o cônjuge certo. Esse é o motivo pelo qual muitos adiam se casar. ✗ É uma grande ironia. Os conceitos mais antigos de casamento são considerados tradicionais e opressores, enquanto a visão moderna do casamento centrado no ego parece libertadora. E, no entanto, foi essa nova visão que levou ao declínio vertiginoso do casamento e à sensação opressora de desilusão em relação à união conjugal. ✗Um casamento centrado no ego requer dois indivíduos perfeitamente equilibrados e felizes, com poucas carências emocionais e falhas de caráter que precisam ser trabalhadas. O problema é que não existe praticamente ninguém assim!
  15. 15. 15 Nunca Nos Casamos Com a Pessoa Certa ✗ Stanley Hauerwas, professor de ética da Universidade Duke, trata essa questão: ✗ “É destrutivo para o casamento adotar a ética da realização pessoal que pressupõe que casamento e família são, fundamentalmente, instituições que visam à satisfação individual, necessárias para sermos “plenos” e felizes. Tomamos por certo que existe uma pessoa ideal para ser nosso cônjuge e, se procurarmos bem, a encontraremos. Essa pressuposição moral desconsidera um aspecto crucial do casamento. Não leva em conta a possibilidade de nos casarmos com a pessoa errada. Nunca conhecemos a pessoa com quem nos casamos; apenas achamos que conhecemos. Ou, mesmo que, a princípio, tenhamos nos casado com a pessoa certa, com o passar do tempo ela mudará. Isso porque o casamento implica que já não somos mais a mesma pessoa que ingressou nesse relacionamento. O grande problema é como amar e cuidar do desconhecido com o qual você descobre que está casado.”
  16. 16. 16 Nunca Nos Casamos Com a Pessoa Certa ✗ Stanley nos mostra que a busca pela alma gêmea perfeitamente compatível é uma impossibilidade. No momento em que você se casa com alguém, você e seu cônjuge começam a sofrer mudanças profundas, e não há como saber de antemão quais serão essas mudanças. Em resumo, você não sabe e não tem como saber quem seu cônjuge será no futuro. Só poderá descobrir quando chegar lá. ✗ Ao longo dos anos, você passa por fases em que precisa aprender a amar um indivíduo com o qual você não se casou, alguém que é, em certos aspectos, é um desconhecido. Você terá de fazer mudanças que não deseja, e seu cônjuge também. No devido tempo, a jornada pode levá-los a um casamento sólido, terno e cheio de alegria. Mas isso não acontece porque você se casou com alguém perfeitamente compatível. Essa pessoa não existe.
  17. 17. 17 E Qual é a Solução? ✔ Investigar o que a Bíblia diz sobre casamento. ✔ Ao fazê-lo, veremos que a Bíblia não apenas explica o impasse em que nossa cultura se encontra e que nós mesmo criamos, mas também mostra como podemos sair dele. ✔ A Bíblia explica por que a busca pela compatibilidade parece tão impossível. ✔ Possuímos um anseio profundo pelo casamento. Podemos ouvi-lo na exclamação de Adão ao ver Eva. É a sensação permanente de que, trancado dentro do casamento, há um tesouro de valor inexprimível. ✔ O problema não é o casamento em si. De acordo com Gênesis 1 e 2, fomos criados para o casamento e ele foi criado para nós. Gênesis 3 diz que o casamento, como outros aspectos da vida humana, foi destruído por causa do pecado.
  18. 18. 18 O Grande Segredo ✔ Efésios 5.31-32 ✔ O termo grego mysterion, que Paulo emprega, inclui a ideia de “segredo”. Uma verdade extraordinariamente grande e profunda que só pode ser entendida com a ajuda do Espírito de Deus. ✔ Mas qual é o segredo do casamento? ✔ Na sequência, Paulo acrescenta: “Mas eu me refiro a Cristo e à igreja”, indicando aquilo que tinha dito anteriormente, no versículo 25: “Maridos, cada um de vós ame a sua mulher, assim como Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela...”. ✔ Em resumo, o “segredo” do casamento não é apenas o casamento em si. É a mensagem de que os maridos devem fazer pelas esposas aquilo que Jesus fez para nos unir a ele.
  19. 19. 19 O Grande Segredo ✔ E o que foi que Ele fez? ✔ Jesus se entregou por nós. ✔ O serviço sacrificial de Jesus nos uniu a ele e o uniu a nós de forma profunda. Paulo diz que essa é a chave não apenas para entender, mas também para vivenciar o casamento. ✔ Paulo entendeu que, quando Deus criou o primeiro casamento, já estava pensando em Cristo e na igreja. Esse é um dos grandes propósitos de Deus para o casamento: retratar a relação entre Cristo e seu povo redimido para sempre! ✔ Faça por seu cônjuge aquilo que Deus fez por você em Jesus, e o restante virá como consequência.
  20. 20. 20 O Grande Segredo ✔ De que você precisa, então, para fazer o casamento dar certo? ✔ Precisa conhecer o segredo, o evangelho, e como ele lhe dá o poder e o modelo para seu casamento. ✔ A experiência do casamento lhe revelará a beleza e os aspectos mais profundos do evangelho. ✔ Em contrapartida, a compreensão melhor do evangelho o ajudará a experimentar uma união cada vez mais profunda com seu cônjuge ao londo dos anos. ✔ O casamento é penoso, porém maravilhoso, porque reflete o evangelho que também é, ao mesmo tempo, penoso e maravilhoso. ✔ Esse é o grande segredo! Por meio do evangelho, recebemos o poder e o modelo para a jornada do casamento.

×