SlideShare uma empresa Scribd logo
Pós-Operatório e Complicações
Cirúrgicas
Trabalho realizado por:
Francisco Doria
Laís Cole
Roberta Fernandez
Sumário
Definições
Introdução
Avaliação Geral no Pós-Operatório
Reposição Hidroeletrolítica
Profilaxia da Trombose Venosa Profunda
Cuidados com Cateteres
Cuidados com Sondas
Cuidados com Drenos
Cuidados com a Ferida Operatória
Complicações no pós-operatório
Febre
Hipotermia
Complicações Respiratórias no Pós-
Operatório
Insuficiência Respiratória
Atelectasia
Pneumonia
Tromboembolismo Pulmonar
Pós-Operatório de Cirurgia Torácica
Aspectos Morfológicos e
Fisiopatológicos das complicações
cardiopulmonares
Cuidados no pré-operatório
Ventilação
Fisioterapia
Drenagem
Dor
Definições
• Pós operatório começa no Período da admissão do paciente na sala
pós- anestésica e estende-se até o período após a alta do paciente.
• É divido em três fases: PO mediato, PO Imediato e PO tardio.
– Pós-operatório Imediato - Período crítico onde se deve ter muita
atenção, começa ao final da cirurgia e dura 24hs.
– Pós-operatório Mediato - Período em que o paciente se encontra
internado, das 24h iniciais até 7 dias depois(geralmente quando
obtém a alta).
– Pós- operatório Tardio – Tem início após os primeiros 7 dias e o
reconhecimento da alta.
Introdução
• “O tratamento cirúrgico promove graves consequências, dentre as quais as mais
importantes são Destruição Tecidual, alterações pulmonares, orgânicas,
hidreletrolíticas e infecciosas.”
Fonte: Clínica Cirúrgica do Colégio Brasileiro de Cirurgiões – Capítulo 6
• Grau de complexidade dos cuidados a serem tomados no pós-operatório depende:
– Porte da Cirurgia
– Condições Clínicas do paciente
– Comorbidades
– Faixa etária*
Avaliação Geral no Pós-
Operatório
• Diária
• Análise de queixas procedentes
• Exame Físico
• Exames Subsidiários
• Prescrições Médicas Direcionadas
“O período pós operatório é caracterizado por uma
fase catabólica intensa. Cuidados intensivos visam
evitar complicações no pós-operatório”
Reposição Hidroeletrolítica
e Volêmica
• Determinação dos parâmetros deve ser
dinâmica e repetida a curtos intervalos.
• Atentar para:
– Pressão Arterial
– Pulso
– Diurese (!)
– Turgor e Elasticidade da Pele
– Edema
– Curva de Peso
– Pressão Venosa Central
Ringer-Lactato
Composição:
• cloreto de sódio ............................................................................ 0,6 g
• cloreto de potássio ...................................................................... 0,03 g
• Cloreto de cálcio diidratado ......................................................... 0,02 g
• lactato de sódio ........................................................................... 0,31 g
• água para injeção q.s.p. ............................................................ 100 mL
• • Conteúdo Eletrolítico:
• sódio (Na+) ........................................................................ 130,0 mEq/L
• potássio (K+) ......................................................................... 4,0 mEq/L
• cálcio (Ca 2+) ......................................................................... 3,0 mEq/L
• cloreto (Cl-) ....................................................................... 109,0 mEq/L
• lactato (C3H5O3) ................................................................... 28,0 mEq/L
• Osmolaridade ................................................................ 272 mOsmol/L
• pH ............................................................................................ 6,0 - 7,5
Soro Fisiológico 0,9 %
• Soro fisiológico é uma solução
isotônica em relação aos líquidos
corporais que contem 0,9%, em
massa, de NaCl em água destilada,
ou seja, cada 100mL da solução
aquosa contém 0,9 gramas do sal
(0,354 gramas de Na+ e 0,546
gramas de Cl-, com pH = 6,0). A
solução estéril é normalmente
usada para infusão intravenosa
(devido à isotonicidade com
relação ao sangue humano).
Soro Glicosado 5%
• Soro glicosado é uma solução isotônica em
relação ao sangue, que contém 5%, em massa,
de glicose (C6 H12 O6) em água destilada, ou
seja, cada 100 mL de soro glicosado contém 5
gramas de glicose.
Reposição Hidroeletrolítica
e Volêmica
Profilaxia da Trombose
Venosa Profunda (TVP)
• Repouso prolongado predispõe a
TVP
• Fisiopatologia – Tríade de Virchow
• Principal complicação – Embolia
Pulmonar (EP)
• Risco depende de alguns fatores:
– Idade
– Porte da Cirurgia
– Comorbidades
Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte,
Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte,
Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte,
Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte,
Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
Profilaxia da Trombose
Venosa Profunda (TVP)
• Pacientes de Baixo Risco:
– Operações Menores
– Idade Inferior a 40 anos
– Sem comorbidades
• Pacientes de Risco Moderado
– Idade entre 40 e 60 anos, sem comorbidades
– Idade <40 anos em uso de estrógenos
• Pacientes de Alto Risco
– Cirurgias Médio Porte
– Idade entre 40 e 60 anos
– Presença de comorbidades
– Ou idade acima de 60 anos
• Pacientes de Muito Alto Risco
– Idade superior a 40 anos submetidos a cirurgias ortopedicas maiores OU
aqueles com antecedentes de TVP, EP, trombofilias ou traumas múltuplos
Profilaxia da Trombose
Venosa Profunda (TVP)
• Conduta
1 – Baixo Risco: Deambulação precoce, medidas gerais como
movimento no leito
2 – Risco Moderado: Medidas gerais associadas a Heparina
5000 UI a cada 12 horas ou Heparina de Baixo Peso
Molecular (HBPM) em sua menor dosagens, ambas iniciadas
2 horas antes da cirurgia
3 – Alto Risco: Suporte + Heparina 8.000 UI a cada 8 horas,
iniciada 2 horas antes da cirugia OU HBPM em sua maior
dosagem profilática, iniciada 12 horas antes da cirurgia.
4 – Muito Alto Risco: Suporte + HPBM. Pode-se usar
Compressão Intermitente ou Meias Pneumáticas
Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte,
Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte,
Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
Cuidados com Cateteres
• Cateteres vasculares são portas de entrada
para microrganismos
• Principal causa de Infecção Nosocomial [Raad,
1994]
Cuidados com Cateteres
• Cuidados:
– Preferir Membros Superiores aos Inferiores em
adultos
– Inserir cateter preferencialmente no couro cabeludo,
mão ou pé em pacientes pediátricos.
– Lavar as mãos antes e após o procedimento
– Usar luvas estéreis no procedimento
– Uso de antisséptico adequado no local antes da
colocação do cateter
– Aplicar curativo seco e estéril
– Inspecionar o local diariamente
Cuidados com Sondas
• Sondas nasogastricas – complicações:
– Pirose
– Disfagia
– Odinofagia
– Infecções Respiratórias
– Atelectasia Pulmonar
– Lesões Traumáticas do Nariz
Cuidados com Sondas
• Sondas nasogastricas – cuidados:
– A colocação deve ser cuidadosa
– Lubrificação
– confirmação de posicionamento
– calibre adequado
– fixação correta
– elevação da cabeceira em 30 graus.
– Retirada o mais precoce possível
Cuidados com Sondas
• Sonda Vesical – complicações
– ITU
– Trauma
– Sangramentos
– Uretrite
– Estenose Uretral
Cuidados com Sondas
• Sonda Vesical – Cuidados:
– Colocação correta
– Higienização genital prévia
– Uso de geleia anestésica no cateter
– Encher o balonete com 5 mL de água destilada
– Usar sistema de drenagem
– Retirada precoce!
Cuidados com Drenos
• Drenos – Complicações:
– Infecção
– Perfuração de Vísceras Ocas
– Escarificações
– Sangramentos e Fístulas
– Hérnias Incisionais
– Entre outras...
Cuidados com Drenos
• Drenos – Cuidados:
– Exteriorização por contra-abertura e não pela
incisão cirúrgica
– Largura e comprimento proporcionais à loja
drenada
– Utilizar bolsa plástica estéril quando grande
volume for drenado
– Observar e mobilizar o dreno diariamente
– Fixação da extremidade do dreno à borda inferior
do orifício cutâneo com fio inabsorvível
Cuidados com a Ferida
Operatória
• Curativo: Retirada da incisão
nas primeiras 24/48 horas.
Trocas frequentes.
• Avaliar FO todos os dias.
Verificar se houve deiscência da
sutura.
• Retirada dos pontos –
sexto/sétimo dia de Pós
operatório para pontos sem
infecção.
• Caso infectar, tomar medidas
como drenagem de pus e
retirada dos pontos no local.
• Na vigência de complicações da
FO, retirada dos pontos tardia.
Fonte: Thiago Souza Et Al. - Giant proliferating trichilemmal
cyst with latissimus dorsi bilateral myocutaneous flap closure -
Surg Cosmet Dermatol 2011;3(4):355-7
COMPLICAÇÕES NO PÓS-
OPERATÓRIO
• Imediatas
• Mediatas
• Tardias
Complicações gerais e específicas
FEBRE NO PÓS-
OPERATÓRIO
• 2/3 dos pacientes apresentam febre no pós-operatório,
mas apenas 1/3 é decorrente de infecção.
• Considerar:
 Tipo de cirurgia;
 Estado imunológico do
paciente;
 Doenças de base;
 Duração da internação
hospitalar;
 Epidemiologia das infecções
hospitalares.
• Até 72 horas no pós operatório:
 Atelectasia
 Pneumonite
• Do 3º ao 6º dia:
 Infecção de cateteres vasculares
 Infecção urinária
 Infecção incisional
 Peritonite localizada ou generalizada
 Tromboflebite de membros inferiores
• Do 6º ao 10º dia:
 Complicações sépticas
 Abcessos incisionais
 Coleções purulentas
Fonte:
http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/
cursos/atm_racional/modulo3/corrente.htm
• Diagnóstico:
Avaliação dos “seis w”:
1. Wind
2. Wound
3. Water
4. Waste
5. Wonder drug
6. Walker
 Hemograma completo
 EAS
 Urinocultura
 Hemocultura
 Raio-x tórax
*TC de abodome: exames inconclusivos e continuação da febre.
• Tratamento: antibiticoterapia, substituição de cateter, antifúngicos.
HIPOTERMIA
• Rápida administração parenteral de fluidos ou
sangue;
• Irrigação intracavitária com fluidos frios;
• Procedimentos cirúrgicos prolongados em sala
com baixa temperatura ambiente;
• Fármacos anestésicos.
HIPOTERMIA
DEFICIÊNCIA
NA PERFUSÃO
TECIDUAL
HEMORRAGIA
DEFICIÊNCIA
NA
CICATRIZAÇÃO
Taquiarritimia
ventricular
Profilaxia e tratamento
• Colocação imediata de cobertores sobre o
paciente;
• Aumentar a temperatura do ambiente;
• Infundir fluidos e sangue aquecidos;
• Aquecimento e umidificação de gases
inalatórios.
COMPLICAÇÕES
RESPIRATÓRIAS NO PÓS-
OPERATÓRIO
• Insuficiência respiratória
• Atelectasia
• Pneumonia
• Tromboembolismo pulmonar
Fonte:galeria.sld.cu/main.php?g2
_itemId=48670
COMPLICAÇÕES
RESPIRATÓRIAS
Fatores predisponentes:
• Dor pós-operatória;
• Anestesia e analgesia;
• Toracotomias e incisões abdominais altas;
• Maior demanda de oxigênio;
• Disfunção cardíaca pré-existente;
• Resposta inflamatória sistêmica.
INSUFICIÊNCIA
RESPIRATÓRIA
• Tipo I ou hipoxêmica: PaO2 PaCo2 ou normal.
Causas:
 Distúrbio ventilação-perfusão: pneumonia, DPOC, crise
asmática, atelectasia, síndrome da angústia respiratória
do adulto.
 Shunt arteriovenoso pulmonar: edema cardiogênico e
síndrome da angústia respiratória do adulto.
• Tipo II ou hipercápnica: PaO2 PaCo2
HIPOVENTILAÇÃO
RETENÇÃO DE
CO2
(HIPERCAPNIA)
ACIDOSE
RESPIRATÓRIA
AGUDA
SÍNDROME DE
CARBONARCOSE
OBS: pode ocorrer insuficiência ventilatória aguda ou agudizada
na ausência de hipoxemia em pacientes que recebem oxigênio por
máscara ou catéter nasal.
• Principais causas no pós-operatório:
 Rebaixamento da consciência;
Bloqueio neuromuscular.
• Tratamento: ventilação mecânica com pressão
positiva invasiva ou não invasiva, dependendo
do nível de consciência e do pH arterial.
ATELECTASIA
• Definição
• Fisiopatologia
• Quadro clínico
Fonte: Guyton e Hall. Tratado de Fisiologia
Médica. 11ª. Edição, capítulo 42.
• Diagnóstico radiológico
Fonte: Complicações respiratórias no pós-operatório. Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (4): 469-76.
• Prevenção
 Cirurgias minimamente invasivas;
 Analgesia adequada;
 Mobilização precoce
no pós-operatório;
 Estimular o paciente a tossir
e expectorar;
 Exercícios respiratórios com inspiração profunda;
• Tratamento
Fonte: internet – CPAP imagens.
PNEUMONIA
Aspiração do
conteúdo gastro-
intestinal e oral
Inflamação
pulmonar
Atelectasia
Disfunção
respiratória
progressiva
1- Pneumonite aspirativa
• Quadro clínico:
Assintomático;
Dispneia, estertores, sibilos ou roncos.
Febre baixa;
• Diagnóstico:
Raio-x tórax: infiltrado alveolar bilateral mais
pronunciado nas regiões peri-hilares e/ou basais.
Tratamento
2- Pneumonia bacteriana nosocomial pós-operatória
• Infecção polimicrobiana
• Sinais clínicos sugestivos:
 Infiltrado pulmonar novo ou progressão de um pré-
existente;
 Febre;
 Leucocitose > 10.000/mm3;
 Escarro purulento
 Piora da função respiratória;
 Obtenção do patógeno através da hemocultura ou lavado
brônquico.
• Tratamento
TROMBOEMBOLISMO
PULMONAR
Fonte: Tapson Victor. Acute Pulmonary Embolism. The New England Journal of Medicine. 2008; 358:1037-
• Classificação:
 Baixo risco
 Risco intermediário
 Alto risco
Fonte: Sabiston, tratado de cirurgia: a base biológica da
moderna pratica cirúrgica. 18ª. Edição, capítulo 14.
• Diagnóstico: probabilidade pré-teste
Fonte: Emergências Clínicas – Abordagem Prática. 8ª. Edição, cap. 47.
Fonte: Complicações respiratórias no pós-operatório. Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (4): 469-76.
• Tratamento
Fonte: Emergências Clínicas – Abordagem Prática. 8ª. Edição, cap. 47.
Aspectos Morfológicos e
Fisiopatológicos das
complicações cardiopulmonares
Déficit de oxigênio Disfunções, falências
orgânicas e morte
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 99.
 Fatores de risco clínico que podem agravar o
pós-operatório:
1)Sintomas respiratórios (tosse, expectoração, dispneia)
2)Doença pulmonar crônica, tabagismo, obesidade
mórbida e outras morbidades (doença cardíaca, renal,
diabetes, HAS etc.
Cuidados no pré-
operatório
 Cessação do tabagismo poucos dias antes da cirurgia;
 Fisioterapia pré-operatória;
 Antibioticoprofilaxia (cefazolina);
 Profilaxia da TVP;
Ventilação
 Rápido desmame da ventilação mecânica:
- Paciente acordado;
- PImáx em torno de 30 cmH2O.
Entre 20-30 cm H2O: gradativamente desmamado.
 Índice de Tobin (FR /V corrente) <105.
Fonte: Clínica
Cirúrgica - Colégio
Brasileiro de
Cirurgiões. 2010; 6: 100.
 Extubação imediata no Centro Cirúrgico
contraindicada em:
- Suspeita de obstrução parcial laríngea ou traqueal
por edema;
- Paralisia diafragmática comprovada;
- Ventilação paradoxal;
- Hipercapnia pré-operatória;
- Instabilidade hemodinâmica.
Fisioterapia
nos volumes pulmonares
Prevenir alterações na mecânica respiratória
nas trocas gasosas
Objetivos:
1) Manter a permeabilidade das vias aéreas por higiene
broncopulmonar;
2) Promover a reexpansão pulmonar pelo recrutamento de
alvéolos colapsados;
3) Reestabelecer a independência funcional do paciente
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 102.
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 102.
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 103.
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 104.
Drenagem
 Número de drenos depende do tipo de cirurgia
realizada e, consequentemente, maior ou menor
possibilidade de fuga aérea e coleções líquidas.
 Pode ser importante fator associado ao
desenvolvimento de complicações pulmonares pós-
operatórias.
 Cuidados: manutenção do sistema fechado
+
resistência mínima de 2cmH2O
 Falhas:
- Inserção do dreno na pele;
- Orifício subcutâneo alargado;
- Conexões mal adaptadas;
- Defeitos no frasco coletor.
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 105.
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 106.
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 106.
 Retirada dos drenos:
- Após expansão pulmonar;
- Ausência de fuga aérea;
- Baixo débito em 24 horas
OBS: Em casos de fuga aérea prolongada
tratamento com sangue autólogo
Dor
 Principal motivo de queixa do paciente e de
complicações nos primeiros dias após cirurgia.
 Controle da dor aguda:
1)Conforto ao paciente;
2)Restauração das funções primárias da
respiração, tosse e deambulação .
Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 107.
 Analgesia individualizada
 Fármacos:
- Opioides
- Agonistas alfa-2
- Inibidores da síntese de óxido nítrico
- Anestésicos locais (via epidural)
- Antiinflamatórios
 Método mais comum: injeção de opioides + anestésicos
locais por via epidural ou intratecal.
 Outros: Bloqueio paravertebral; estimulação transcutânea
nervosa; aplicação de calor local e crioanalgesia.
Bibliografia
1 – Blackbook Cirurgia; Andy Petroianu, Marcelo Eller
Miranda, Reynaldo Gomes de Oliveira – Belo Horizonte:
Blackbook Editora, 2008. (Pág. 603 a 616).
2 – Sabiston, tratado de cirurgia: a base biológica da
moderna pratica cirúrgica/ Courtney M. Towsend... [et al],
2009. 180 edição – Capitulo 14 – complicações cirúrgicas.
3 – Complicações Respiratórias no Pós-Operatório,
Rodrigues AJ, et al. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a
parte, Capitulo V. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de
revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
4 – Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE.
Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI.
Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP
Ribeirão Preto/ internet).
5 - Complicações respiratórias no pós-operatório. Medicina
(Ribeirão Preto) 2008; 41 (4): 469-76.
6 - Tapson Victor. Acute Pulmonary Embolism. The New
England Journal of Medicine. 2008; 358:1037-1052.
7 - Emergências Clínicas – Abordagem Prática. 8ª. Edição,
cap. 47.
8- Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
Wylla Katherine
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
Fernando de Oliveira Dutra
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
Aline Bandeira
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
Luh Soares
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
Prof Silvio Rosa
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
Laiane Alves
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Bruna Guimarães
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
FatianeSantos
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
Madalena Silveira
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 

Mais procurados (20)

Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Feridas e curativos
Feridas e curativosFeridas e curativos
Feridas e curativos
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Aula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenosAula de cuidados com drenos
Aula de cuidados com drenos
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Aula Drenos[1]
Aula   Drenos[1]Aula   Drenos[1]
Aula Drenos[1]
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 

Destaque

Infecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na GravidezInfecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na Gravidez
Francisco Doria
 
O papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radical
O papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radicalO papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radical
O papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radical
PatriciaFeraAzevedo
 
Psiquiatria 02
Psiquiatria 02Psiquiatria 02
Psiquiatria 02
Silvânia Galdino
 
Atendimento a mulher vitima de violência sexual
Atendimento a mulher vitima de violência sexualAtendimento a mulher vitima de violência sexual
Atendimento a mulher vitima de violência sexual
Francisco Doria
 
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em CirurgiaCicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Francisco Doria
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
Silvânia Galdino
 
Cirurgias Urológicas
Cirurgias Urológicas Cirurgias Urológicas
Cirurgias Urológicas
Jorge Luiz de Souza Neto
 

Destaque (7)

Infecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na GravidezInfecção do Trato Urinário na Gravidez
Infecção do Trato Urinário na Gravidez
 
O papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radical
O papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radicalO papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radical
O papel da enf na reab do paciente pós prostatectomia radical
 
Psiquiatria 02
Psiquiatria 02Psiquiatria 02
Psiquiatria 02
 
Atendimento a mulher vitima de violência sexual
Atendimento a mulher vitima de violência sexualAtendimento a mulher vitima de violência sexual
Atendimento a mulher vitima de violência sexual
 
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em CirurgiaCicatrização de Feridas em Cirurgia
Cicatrização de Feridas em Cirurgia
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
 
Cirurgias Urológicas
Cirurgias Urológicas Cirurgias Urológicas
Cirurgias Urológicas
 

Semelhante a Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas

aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
RodolfoFreitas21
 
4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx
4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx
4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx
NailBonfim
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Francisco da silva Torres
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
neenahshare
 
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdfAULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
josemaciel33
 
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdfEnfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
RodrigoEuripedesdaSi1
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
Aroldo Gavioli
 
Procedimentos medicos
Procedimentos medicosProcedimentos medicos
Procedimentos medicos
Seta Trevisan
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
shara cedraz
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Quézia Barcelar
 
Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central
RicardoBorsatti1
 
Aula terapia intravenosa
Aula terapia intravenosaAula terapia intravenosa
Aula terapia intravenosa
Mikaelly Felicio
 
Equipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatórios
Equipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatóriosEquipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatórios
Equipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatórios
Dr Jônatas Catunda
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
MilkaPassos1
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
Nome Sobrenome
 
Fraturas diafisarias femur - AC
Fraturas diafisarias femur -  ACFraturas diafisarias femur -  AC
Fraturas diafisarias femur - AC
André Cipriano
 
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptxaula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
vanessa270433
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
doriene
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Zilda Romualdo
 
Aula cirurgia plástica
Aula cirurgia plásticaAula cirurgia plástica
Aula cirurgia plástica
Liliane Ennes
 

Semelhante a Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas (20)

aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx
4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx
4º Aula Introdução de Enfermagem.pptx
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascularPreveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
Preveno e cuidados de enfermagem ao paciente cardiovascular
 
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdfAULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
 
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdfEnfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Procedimentos medicos
Procedimentos medicosProcedimentos medicos
Procedimentos medicos
 
Puncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicosPuncao venosa tecnicos
Puncao venosa tecnicos
 
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
Assisterncia  enfermagem traqueostomia  okAssisterncia  enfermagem traqueostomia  ok
Assisterncia enfermagem traqueostomia ok
 
Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central Acesso Venoso Central
Acesso Venoso Central
 
Aula terapia intravenosa
Aula terapia intravenosaAula terapia intravenosa
Aula terapia intravenosa
 
Equipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatórios
Equipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatóriosEquipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatórios
Equipe multidisciplinar - cuidados pre e pós-operatórios
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptxENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
ENFERMAGEM PERIOPERATÓRIO pre inntra e pos.pptx
 
Fraturas diafisarias femur - AC
Fraturas diafisarias femur -  ACFraturas diafisarias femur -  AC
Fraturas diafisarias femur - AC
 
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptxaula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
aula 01 - assistencia cirúrgica vmv.pptx
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
 
Aula cirurgia plástica
Aula cirurgia plásticaAula cirurgia plástica
Aula cirurgia plástica
 

Último

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (8)

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

Pós Operatório e Complicações Cirúrgicas

  • 1. Pós-Operatório e Complicações Cirúrgicas Trabalho realizado por: Francisco Doria Laís Cole Roberta Fernandez
  • 2. Sumário Definições Introdução Avaliação Geral no Pós-Operatório Reposição Hidroeletrolítica Profilaxia da Trombose Venosa Profunda Cuidados com Cateteres Cuidados com Sondas Cuidados com Drenos Cuidados com a Ferida Operatória Complicações no pós-operatório Febre Hipotermia Complicações Respiratórias no Pós- Operatório Insuficiência Respiratória Atelectasia Pneumonia Tromboembolismo Pulmonar Pós-Operatório de Cirurgia Torácica Aspectos Morfológicos e Fisiopatológicos das complicações cardiopulmonares Cuidados no pré-operatório Ventilação Fisioterapia Drenagem Dor
  • 3. Definições • Pós operatório começa no Período da admissão do paciente na sala pós- anestésica e estende-se até o período após a alta do paciente. • É divido em três fases: PO mediato, PO Imediato e PO tardio. – Pós-operatório Imediato - Período crítico onde se deve ter muita atenção, começa ao final da cirurgia e dura 24hs. – Pós-operatório Mediato - Período em que o paciente se encontra internado, das 24h iniciais até 7 dias depois(geralmente quando obtém a alta). – Pós- operatório Tardio – Tem início após os primeiros 7 dias e o reconhecimento da alta.
  • 4. Introdução • “O tratamento cirúrgico promove graves consequências, dentre as quais as mais importantes são Destruição Tecidual, alterações pulmonares, orgânicas, hidreletrolíticas e infecciosas.” Fonte: Clínica Cirúrgica do Colégio Brasileiro de Cirurgiões – Capítulo 6 • Grau de complexidade dos cuidados a serem tomados no pós-operatório depende: – Porte da Cirurgia – Condições Clínicas do paciente – Comorbidades – Faixa etária*
  • 5. Avaliação Geral no Pós- Operatório • Diária • Análise de queixas procedentes • Exame Físico • Exames Subsidiários • Prescrições Médicas Direcionadas “O período pós operatório é caracterizado por uma fase catabólica intensa. Cuidados intensivos visam evitar complicações no pós-operatório”
  • 6. Reposição Hidroeletrolítica e Volêmica • Determinação dos parâmetros deve ser dinâmica e repetida a curtos intervalos. • Atentar para: – Pressão Arterial – Pulso – Diurese (!) – Turgor e Elasticidade da Pele – Edema – Curva de Peso – Pressão Venosa Central
  • 7. Ringer-Lactato Composição: • cloreto de sódio ............................................................................ 0,6 g • cloreto de potássio ...................................................................... 0,03 g • Cloreto de cálcio diidratado ......................................................... 0,02 g • lactato de sódio ........................................................................... 0,31 g • água para injeção q.s.p. ............................................................ 100 mL • • Conteúdo Eletrolítico: • sódio (Na+) ........................................................................ 130,0 mEq/L • potássio (K+) ......................................................................... 4,0 mEq/L • cálcio (Ca 2+) ......................................................................... 3,0 mEq/L • cloreto (Cl-) ....................................................................... 109,0 mEq/L • lactato (C3H5O3) ................................................................... 28,0 mEq/L • Osmolaridade ................................................................ 272 mOsmol/L • pH ............................................................................................ 6,0 - 7,5
  • 8. Soro Fisiológico 0,9 % • Soro fisiológico é uma solução isotônica em relação aos líquidos corporais que contem 0,9%, em massa, de NaCl em água destilada, ou seja, cada 100mL da solução aquosa contém 0,9 gramas do sal (0,354 gramas de Na+ e 0,546 gramas de Cl-, com pH = 6,0). A solução estéril é normalmente usada para infusão intravenosa (devido à isotonicidade com relação ao sangue humano).
  • 9. Soro Glicosado 5% • Soro glicosado é uma solução isotônica em relação ao sangue, que contém 5%, em massa, de glicose (C6 H12 O6) em água destilada, ou seja, cada 100 mL de soro glicosado contém 5 gramas de glicose.
  • 11. Profilaxia da Trombose Venosa Profunda (TVP) • Repouso prolongado predispõe a TVP • Fisiopatologia – Tríade de Virchow • Principal complicação – Embolia Pulmonar (EP) • Risco depende de alguns fatores: – Idade – Porte da Cirurgia – Comorbidades
  • 12. Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
  • 13. Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
  • 14. Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
  • 15. Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
  • 16. Profilaxia da Trombose Venosa Profunda (TVP) • Pacientes de Baixo Risco: – Operações Menores – Idade Inferior a 40 anos – Sem comorbidades • Pacientes de Risco Moderado – Idade entre 40 e 60 anos, sem comorbidades – Idade <40 anos em uso de estrógenos • Pacientes de Alto Risco – Cirurgias Médio Porte – Idade entre 40 e 60 anos – Presença de comorbidades – Ou idade acima de 60 anos • Pacientes de Muito Alto Risco – Idade superior a 40 anos submetidos a cirurgias ortopedicas maiores OU aqueles com antecedentes de TVP, EP, trombofilias ou traumas múltuplos
  • 17. Profilaxia da Trombose Venosa Profunda (TVP) • Conduta 1 – Baixo Risco: Deambulação precoce, medidas gerais como movimento no leito 2 – Risco Moderado: Medidas gerais associadas a Heparina 5000 UI a cada 12 horas ou Heparina de Baixo Peso Molecular (HBPM) em sua menor dosagens, ambas iniciadas 2 horas antes da cirurgia 3 – Alto Risco: Suporte + Heparina 8.000 UI a cada 8 horas, iniciada 2 horas antes da cirugia OU HBPM em sua maior dosagem profilática, iniciada 12 horas antes da cirurgia. 4 – Muito Alto Risco: Suporte + HPBM. Pode-se usar Compressão Intermitente ou Meias Pneumáticas
  • 18. Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
  • 19. Fonte: Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet).
  • 20. Cuidados com Cateteres • Cateteres vasculares são portas de entrada para microrganismos • Principal causa de Infecção Nosocomial [Raad, 1994]
  • 21. Cuidados com Cateteres • Cuidados: – Preferir Membros Superiores aos Inferiores em adultos – Inserir cateter preferencialmente no couro cabeludo, mão ou pé em pacientes pediátricos. – Lavar as mãos antes e após o procedimento – Usar luvas estéreis no procedimento – Uso de antisséptico adequado no local antes da colocação do cateter – Aplicar curativo seco e estéril – Inspecionar o local diariamente
  • 22. Cuidados com Sondas • Sondas nasogastricas – complicações: – Pirose – Disfagia – Odinofagia – Infecções Respiratórias – Atelectasia Pulmonar – Lesões Traumáticas do Nariz
  • 23. Cuidados com Sondas • Sondas nasogastricas – cuidados: – A colocação deve ser cuidadosa – Lubrificação – confirmação de posicionamento – calibre adequado – fixação correta – elevação da cabeceira em 30 graus. – Retirada o mais precoce possível
  • 24. Cuidados com Sondas • Sonda Vesical – complicações – ITU – Trauma – Sangramentos – Uretrite – Estenose Uretral
  • 25. Cuidados com Sondas • Sonda Vesical – Cuidados: – Colocação correta – Higienização genital prévia – Uso de geleia anestésica no cateter – Encher o balonete com 5 mL de água destilada – Usar sistema de drenagem – Retirada precoce!
  • 26. Cuidados com Drenos • Drenos – Complicações: – Infecção – Perfuração de Vísceras Ocas – Escarificações – Sangramentos e Fístulas – Hérnias Incisionais – Entre outras...
  • 27. Cuidados com Drenos • Drenos – Cuidados: – Exteriorização por contra-abertura e não pela incisão cirúrgica – Largura e comprimento proporcionais à loja drenada – Utilizar bolsa plástica estéril quando grande volume for drenado – Observar e mobilizar o dreno diariamente – Fixação da extremidade do dreno à borda inferior do orifício cutâneo com fio inabsorvível
  • 28. Cuidados com a Ferida Operatória • Curativo: Retirada da incisão nas primeiras 24/48 horas. Trocas frequentes. • Avaliar FO todos os dias. Verificar se houve deiscência da sutura. • Retirada dos pontos – sexto/sétimo dia de Pós operatório para pontos sem infecção. • Caso infectar, tomar medidas como drenagem de pus e retirada dos pontos no local. • Na vigência de complicações da FO, retirada dos pontos tardia. Fonte: Thiago Souza Et Al. - Giant proliferating trichilemmal cyst with latissimus dorsi bilateral myocutaneous flap closure - Surg Cosmet Dermatol 2011;3(4):355-7
  • 29. COMPLICAÇÕES NO PÓS- OPERATÓRIO • Imediatas • Mediatas • Tardias Complicações gerais e específicas
  • 30. FEBRE NO PÓS- OPERATÓRIO • 2/3 dos pacientes apresentam febre no pós-operatório, mas apenas 1/3 é decorrente de infecção. • Considerar:  Tipo de cirurgia;  Estado imunológico do paciente;  Doenças de base;  Duração da internação hospitalar;  Epidemiologia das infecções hospitalares.
  • 31. • Até 72 horas no pós operatório:  Atelectasia  Pneumonite • Do 3º ao 6º dia:  Infecção de cateteres vasculares  Infecção urinária  Infecção incisional  Peritonite localizada ou generalizada  Tromboflebite de membros inferiores • Do 6º ao 10º dia:  Complicações sépticas  Abcessos incisionais  Coleções purulentas Fonte: http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rede_rm/ cursos/atm_racional/modulo3/corrente.htm
  • 32. • Diagnóstico: Avaliação dos “seis w”: 1. Wind 2. Wound 3. Water 4. Waste 5. Wonder drug 6. Walker  Hemograma completo  EAS  Urinocultura  Hemocultura  Raio-x tórax *TC de abodome: exames inconclusivos e continuação da febre. • Tratamento: antibiticoterapia, substituição de cateter, antifúngicos.
  • 33. HIPOTERMIA • Rápida administração parenteral de fluidos ou sangue; • Irrigação intracavitária com fluidos frios; • Procedimentos cirúrgicos prolongados em sala com baixa temperatura ambiente; • Fármacos anestésicos.
  • 35. Profilaxia e tratamento • Colocação imediata de cobertores sobre o paciente; • Aumentar a temperatura do ambiente; • Infundir fluidos e sangue aquecidos; • Aquecimento e umidificação de gases inalatórios.
  • 36. COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS NO PÓS- OPERATÓRIO • Insuficiência respiratória • Atelectasia • Pneumonia • Tromboembolismo pulmonar Fonte:galeria.sld.cu/main.php?g2 _itemId=48670
  • 37. COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS Fatores predisponentes: • Dor pós-operatória; • Anestesia e analgesia; • Toracotomias e incisões abdominais altas; • Maior demanda de oxigênio; • Disfunção cardíaca pré-existente; • Resposta inflamatória sistêmica.
  • 38. INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA • Tipo I ou hipoxêmica: PaO2 PaCo2 ou normal. Causas:  Distúrbio ventilação-perfusão: pneumonia, DPOC, crise asmática, atelectasia, síndrome da angústia respiratória do adulto.  Shunt arteriovenoso pulmonar: edema cardiogênico e síndrome da angústia respiratória do adulto.
  • 39. • Tipo II ou hipercápnica: PaO2 PaCo2 HIPOVENTILAÇÃO RETENÇÃO DE CO2 (HIPERCAPNIA) ACIDOSE RESPIRATÓRIA AGUDA SÍNDROME DE CARBONARCOSE OBS: pode ocorrer insuficiência ventilatória aguda ou agudizada na ausência de hipoxemia em pacientes que recebem oxigênio por máscara ou catéter nasal.
  • 40. • Principais causas no pós-operatório:  Rebaixamento da consciência; Bloqueio neuromuscular. • Tratamento: ventilação mecânica com pressão positiva invasiva ou não invasiva, dependendo do nível de consciência e do pH arterial.
  • 41. ATELECTASIA • Definição • Fisiopatologia • Quadro clínico Fonte: Guyton e Hall. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª. Edição, capítulo 42.
  • 42. • Diagnóstico radiológico Fonte: Complicações respiratórias no pós-operatório. Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (4): 469-76.
  • 43. • Prevenção  Cirurgias minimamente invasivas;  Analgesia adequada;  Mobilização precoce no pós-operatório;  Estimular o paciente a tossir e expectorar;  Exercícios respiratórios com inspiração profunda; • Tratamento Fonte: internet – CPAP imagens.
  • 44. PNEUMONIA Aspiração do conteúdo gastro- intestinal e oral Inflamação pulmonar Atelectasia Disfunção respiratória progressiva 1- Pneumonite aspirativa
  • 45. • Quadro clínico: Assintomático; Dispneia, estertores, sibilos ou roncos. Febre baixa; • Diagnóstico: Raio-x tórax: infiltrado alveolar bilateral mais pronunciado nas regiões peri-hilares e/ou basais. Tratamento
  • 46. 2- Pneumonia bacteriana nosocomial pós-operatória • Infecção polimicrobiana • Sinais clínicos sugestivos:  Infiltrado pulmonar novo ou progressão de um pré- existente;  Febre;  Leucocitose > 10.000/mm3;  Escarro purulento  Piora da função respiratória;  Obtenção do patógeno através da hemocultura ou lavado brônquico. • Tratamento
  • 47. TROMBOEMBOLISMO PULMONAR Fonte: Tapson Victor. Acute Pulmonary Embolism. The New England Journal of Medicine. 2008; 358:1037-
  • 48. • Classificação:  Baixo risco  Risco intermediário  Alto risco Fonte: Sabiston, tratado de cirurgia: a base biológica da moderna pratica cirúrgica. 18ª. Edição, capítulo 14.
  • 49. • Diagnóstico: probabilidade pré-teste Fonte: Emergências Clínicas – Abordagem Prática. 8ª. Edição, cap. 47.
  • 50. Fonte: Complicações respiratórias no pós-operatório. Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (4): 469-76.
  • 51. • Tratamento Fonte: Emergências Clínicas – Abordagem Prática. 8ª. Edição, cap. 47.
  • 52.
  • 53. Aspectos Morfológicos e Fisiopatológicos das complicações cardiopulmonares Déficit de oxigênio Disfunções, falências orgânicas e morte Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 99.
  • 54.  Fatores de risco clínico que podem agravar o pós-operatório: 1)Sintomas respiratórios (tosse, expectoração, dispneia) 2)Doença pulmonar crônica, tabagismo, obesidade mórbida e outras morbidades (doença cardíaca, renal, diabetes, HAS etc.
  • 55. Cuidados no pré- operatório  Cessação do tabagismo poucos dias antes da cirurgia;  Fisioterapia pré-operatória;  Antibioticoprofilaxia (cefazolina);  Profilaxia da TVP;
  • 56. Ventilação  Rápido desmame da ventilação mecânica: - Paciente acordado; - PImáx em torno de 30 cmH2O. Entre 20-30 cm H2O: gradativamente desmamado.  Índice de Tobin (FR /V corrente) <105.
  • 57. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 100.
  • 58.  Extubação imediata no Centro Cirúrgico contraindicada em: - Suspeita de obstrução parcial laríngea ou traqueal por edema; - Paralisia diafragmática comprovada; - Ventilação paradoxal; - Hipercapnia pré-operatória; - Instabilidade hemodinâmica.
  • 59. Fisioterapia nos volumes pulmonares Prevenir alterações na mecânica respiratória nas trocas gasosas Objetivos: 1) Manter a permeabilidade das vias aéreas por higiene broncopulmonar; 2) Promover a reexpansão pulmonar pelo recrutamento de alvéolos colapsados; 3) Reestabelecer a independência funcional do paciente
  • 60. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 102.
  • 61. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 102.
  • 62. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 103.
  • 63. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 104.
  • 64. Drenagem  Número de drenos depende do tipo de cirurgia realizada e, consequentemente, maior ou menor possibilidade de fuga aérea e coleções líquidas.  Pode ser importante fator associado ao desenvolvimento de complicações pulmonares pós- operatórias.
  • 65.  Cuidados: manutenção do sistema fechado + resistência mínima de 2cmH2O  Falhas: - Inserção do dreno na pele; - Orifício subcutâneo alargado; - Conexões mal adaptadas; - Defeitos no frasco coletor.
  • 66. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 105.
  • 67. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 106.
  • 68. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 106.
  • 69.  Retirada dos drenos: - Após expansão pulmonar; - Ausência de fuga aérea; - Baixo débito em 24 horas OBS: Em casos de fuga aérea prolongada tratamento com sangue autólogo
  • 70. Dor  Principal motivo de queixa do paciente e de complicações nos primeiros dias após cirurgia.  Controle da dor aguda: 1)Conforto ao paciente; 2)Restauração das funções primárias da respiração, tosse e deambulação .
  • 71. Fonte: Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010; 6: 107.
  • 72.  Analgesia individualizada  Fármacos: - Opioides - Agonistas alfa-2 - Inibidores da síntese de óxido nítrico - Anestésicos locais (via epidural) - Antiinflamatórios  Método mais comum: injeção de opioides + anestésicos locais por via epidural ou intratecal.  Outros: Bloqueio paravertebral; estimulação transcutânea nervosa; aplicação de calor local e crioanalgesia.
  • 73. Bibliografia 1 – Blackbook Cirurgia; Andy Petroianu, Marcelo Eller Miranda, Reynaldo Gomes de Oliveira – Belo Horizonte: Blackbook Editora, 2008. (Pág. 603 a 616). 2 – Sabiston, tratado de cirurgia: a base biológica da moderna pratica cirúrgica/ Courtney M. Towsend... [et al], 2009. 180 edição – Capitulo 14 – complicações cirúrgicas. 3 – Complicações Respiratórias no Pós-Operatório, Rodrigues AJ, et al. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo V. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet). 4 – Trombose Venosa Pós-Operatória, Piccinato CE. Fundamentos em Clinica Cirúrgica – 2a parte, Capitulo VI. Medicina Ribeirão Preto, 2008. (artigo de revisão da USP Ribeirão Preto/ internet). 5 - Complicações respiratórias no pós-operatório. Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (4): 469-76. 6 - Tapson Victor. Acute Pulmonary Embolism. The New England Journal of Medicine. 2008; 358:1037-1052. 7 - Emergências Clínicas – Abordagem Prática. 8ª. Edição, cap. 47. 8- Clínica Cirúrgica - Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 2010