Toque volei

1.051 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.051
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Toque volei

  1. 1. Estratégias e recursos da aula O que o aluno poderá aprender com esta aula Desenvolver a execução do toque; Conhecer e vivenciar as técnicas de execução do toque para obter um maior domínio da bola; Reconhecer o toque como um fundamento capaz de ajudá-lo na dinâmica do jogo. Duração das atividades 1 aula de 50 min. Atividade 1 Fundamentos do Toque Espaço: quadra esportiva, pátio da escola ou qualquer lugar que possibilite a execução da atividade. Material: rede de vôlei e bolas Tipos de toque: Existem algumas maneiras de tocar a bola durante uma partida voleibol, os toques mais executados são: toque para cima com duas mãos, toque para cima com uma mão, toque para baixo com os dois braços paralelos, toque para baixo com um dos braços e os toques de recurso. O toque, aula: Distribuir os alunos em duplas, um de frente para o outro e uma distância aproximada de 5m um do outro. O aluno deverá posicionar-se com as pernas semi-flexionadas e mãos na altura do rosto. As mãos devem estar abertas e com os polegares e indicadores formando um triângulo. Flexione as pernas antes de golpear a bola, simultaneamente estenda as pernas e os braços em direção a bola. Toque a bola quando ela se encontrar na frente do rosto. Neste momento, as pernas, o tronco e os braços devem estar estendidos para cima, seguindo a trajetória da bola. A bola não é abatida, mas levemente carregada.
  2. 2. Posição das Mãos Os polegares e os indicadores devem formar um triângulo isósceles. As zonas das mãos que têm contato com a bola estão evidenciadas em escuro. Posição dos Dedos Nem demasiadamente rígidos e nem ao contrário completamente relaxados. O contato com a bola deve ser feito com todos os dez dedos. Depois do passe, os braços e as mãos acompanham o impulso da bola. Os braços terminando o impulso permanecem por instantes em extensão e depois voltam naturalmente ao longo do corpo. Executar o toque quando a bola estiver a frente do eixo do corpo (linha tracejada em vermelho). Na figura a seguir, três pontos distintos da bola;
  3. 3. (1) - posicionamento ideal, o jogador conta com o apoio dos braços, tronco e pernas. (2) - posicionamento não ideal, a bola está passando pelo eixo do corpo do jogador e a tendência é de que a bola suba após o toque. (3) - posicionamento inviável, o jogador não dispõe de qualquer apoio para executar o toque. Levantamento O levantamento é normalmente o segundo contato de um time com a bola. Seu principal objetivo consiste em posicioná-la de forma a permitir uma ação ofensiva por parte da equipe, ou seja, um ataque. A exemplo do passe pode-se distinguir o levantamento pela forma como o jogador executa o movimento, ou seja, como "levantamento de toque" e "levantamento de manchete". Como o levantamento de toque permite um controle maior, o levantamento de manchete é utilizado quando o passe está baixo e que não permite manipular a bola com as pontas dos dedos, ou no voleibol de praia, em que as regras são mais restritas no que diz respeito à infração de "carregar".
  4. 4. Também se costuma utilizar o termo "levantamento de costas", em referência à situação em que a bola é lançada na direção oposta àquela para a qual o levantador está olhando. Quando o jogador não levanta a bola para ser atacada por um de seus companheiros de equipe, mas decide lançá-la diretamente em direção à quadra adversária em uma tentativa de conquistar o ponto rapidamente, diz-se que esta é uma "bola de segunda". Atividade II Quicar a bola para o chão e utilizar todos os dedos das duas mãos. Atividade III Quicar a bola para o chão, alternando, primeiro com os indicadores, depois os restantes dos dedos e por último os polegares. Obs: não acompanhar a bola, mas trabalhar as articulações do pulso. Ter os dedos em ligeira tensão e não rígidos. Atividade IV Jogar a bola para cima e deixar a bola quicar uma vez no chão e dar um toque com todos os dedos a 50 cm de altura e sem deixar a bola cair. Jogar a bola para cima e dar um toque com todos os dedos a 50 cm de altura e sem deixar a bola cair. Jogar a bola para cima e executar um toque curto e um toque longo e sem deixar a bola cair.
  5. 5. Atividade V Os alunos de frente e distantes da parede 50 cm e cada um com uma bola. Executar toques na bola em direção a parede sem deixar cair a bola. Os alunos de frente e distantes da parede 50 cm e cada um com uma bola. Executar 2 toques na bola em direção a parede sem deixar a bola cair. Atividade VI Os alunos divididos em duplas e o aluno A lança a bola para B que sentado, desloca-se para fazer um passe. Os alunos divididos em duplas e o aluno A lança a bola ao ar para B ( 5 a 6mts de distância), depois da bola tocar no solo, pára e reenviá.Os alunos divididos em duplas e o aluno A lança a bola ao ar para B ( 5 a 6 mts de distância) e tocam a bola um para o outro sem deixar cair a bola. Nesta aula para realização dos jogos recomenda-se usar uma bola mais leve ou um bolão de plástico facilitando manter a bola no alto e a dinâmica do jogo. Atividade VII Jogo I Realizar um jogo de vôlei com a turma em que os alunos poderão somente passar a bola de toque para quadra adversária. Atividade VIII Jogo II Realizar um jogo de vôlei onde a equipe que conseguir dar os três toques possíveis durante a jogada marcará mais um ponto extra. Nesta aula pode-se usar uma bola mais leve ou um bolão de plástico facilitando manter a bola no alto e a dinâmica do jogo.
  6. 6. REFERÊNCIAS BORSARI, J. R. Voleibol – Aprendizagem e treinamento. São Paulo: EPU, 2010. Voleibol. Brasil escola. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/educacao-fisica/voleibol.htm>. Acesso em 07 mai 2013. Confederação Brasileira de Voleibol (2007). Manual de Treinadores. Volume I

×