Histórico e evolução do voleibol

5.745 visualizações

Publicada em

conteudo da prova dos 9ª anos e 1ª anos.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.463
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Histórico e evolução do voleibol

  1. 1. 1.HISTÓRICO E EVOLUÇÃO DO VOLEIBOL 2.PARTICULARIDADE E MANIFESTAÇÕES DO VOLEIBOL ( PARTICIPAÇÃO , EDUCACIONAL E PERFORMANCE 3. A DIDÁTICA DO ENSINO DO VOLEIBOL Professor:José Airton Fernandes Lima cvolei@fortalnet.com.br- 8746-35.98
  2. 2. HISTÓRICO DO VOLEIBOL -Criado por William G. Morgan em 1895 na ACM de Holyoke no Estado de Massachusetts; - Inspirado no tênis, inicialmente foi chamado de minonette, mas logo depois passou a ser volleyball; -Buscou fornecer uma alternativa aos alunos que não se adaptaram à prática do recém-criado basquete; - Idealizou um esporte com menor possibilidade de contato físico, mais recreativo e que também exigisse esforço físico para beneficiar a saúde;
  3. 3. - A primeira bola utilizada foi a de basquete; - A ACM rapidamente adotou o voleibol, facilitando a difusão pelo mundo; -Em 1897 foram publicadas as primeiras regras; -Apenas em 1918 foi fixado o número de 6 participantes e em 1922 foi limitada a quantidade de 3 toques na bola; -As Forças Armadas dos EUA também difundiram o voleibol durante a 1ª guerra mundial, pois o jogo era facilmente adaptado às condições vividas pelos soldados;
  4. 4. Na América do Sul o voleibol chegou em 1910, trazido por uma missão norte-americana. No Brasil chegou por volta de 1915 em Pernambuco trazido pelo Jesuítas e/ou 1916, através da ACM de São Paulo ; A FIVB foi criada em 1947 e a CBV em 1954 (antes CBD) e a FCV em 1952. O 1o campeonato mundial foi disputado em 1949, com a vitória da URSS; O Voleibol se tornou esporte olímpico em 1964 na Olimpíada de Tóquio, no Japão, tendo como vencedores a URSS no masculino e o Japão no feminino.
  5. 5. PARTICULARIDADES DO VOLEIBOL -O número limitado de toque favorece a atuação coletiva sobrepondo-se a individual, ensejando a socialização ; -Por não poder reter a bola estimula, a percepção, o raciocínio rápido e o desenvolvimento da coordenação motora; -Por não ter contato físico é facilmente adaptável e sem restrições pela idade, por sexo e pode ser praticado por lazer, recreação ou competição;
  6. 6. PARTICULARIDADES DO VOLEIBOL - Pela rotação obrigatória enseja a todos participantes passem por toda a quadra e participem efetivamente das ações ofensivas e defensivas da equipe; - É um esporte que atua fortemente na parte emocional dos praticantes e da torcida; - Por ter crescido como esporte, passou a ser promovido pelo marketing e por patrocinadores, surgindo oportunidades antes só observadas no futebol;
  7. 7. QUADRA E SUAS MEDIDAS Zona de Substi tuíção Zona De Zona Saque De Defesa 6 metros Zona De Defesa 6 metros Zona Livre Zona Livre 5 a 8 m 3 a 5 m Espessura das linhas 0,5 mm Zonas De Ataque 3 m 3 m 9 metros 18 metros
  8. 8. Rêde , bola etc BBoollaa:: 6655 aa 6677ccmm –– 226600 aa 228800 ggrraammaass ddee eessppeessssuurraa ((sseemm ccoossttuurraa//ccoomm ccoossttuurraa)) 10,00 m 1m 1,80 m Equipe = 12 jogadores nnuummeerraaddooss ddee 11 aa 1188 2,55 m Feminino 2,24 Masculino 2,43 CCaalliibbrraaggeemm:: PPrraaiiaa ddee 33 aa 44 lliibbrraass QQuuaaddrraa 44,,55 lliibbrraass EEqquuiippee ddee AArrbbiittrraaggeemm:: 11°° ee 22°°áárrbbiittrrooss,, aappoonnttaaddoorr,, ccoonnttrroollaaddoorr ddee llííbbeerroo ,, 22 aa 44 ffiissccaaiiss ddee lliinnhhaa..
  9. 9. RODÍZIO 5 6 1 4 3 2 O Jogo: 3 sets vencedores; O set: 25 pontos c/ dois pontos de vantagem; 06 substituiçõe s e 02 tempos
  10. 10. Para darmos início ao ensino dos fundamentos do voleibol, é preciso saber que, quanto à regra, a bola pode ser tocada por qualquer parte do corpo , desde que não seja segurada, conduzida. • Os pré-fundamentos: As posturas e as movimentações corretas induzem à perfeita a execução dos fundamentos. Postura alta: (Bloqueio) em pé, membros inferiores estendidos e abduzidos na distância entre os ombros; tronco ereto; membros superiores semiflexionados elevados acima da cabeça, no prolongamento do corpo, sentido antero-posterior; mãos espalmadas com os dedos separados e polegares voltados para cima.
  11. 11. • Na posição de expectativa (postura média) o executante deve estar com os membros inferiores abduzidos, semiflexionados e um ligeiramente à frente do outro. Os membros superiores devem estar semiflexionados, e os cotovelos, com um afastamento lateral um pouco superior à largura dos ombros e um pouco à frente da linha anterior ao tronco. Esse posicionamento intermediário do membro superior permite a execução tanto da manchete como do toque da bola por cima. Os pés devem estar com os calcanhares fora de contato com o chão, e os joelhos um pouco à frente para favorecer os deslocamentos para frente ou para as diagonais.
  12. 12. Postura baixa: utilizada nas defesas e o centro de gravidade está mais baixo que a postura média com as pernas mais afastadas e mais flexionadas . FUNDAMENTOS DO VOLEIBOL • Toque , Manchete , Saque , Cortada , Bloqueio .
  13. 13. SAQUE SAQUE : É o início do jogo ,é executado com uma das mãos de fora da quadra – no fundo ( zona de saque ) pelo jogador da posição 1 . Saque por baixo: a bola é lançada para cima, à frente do corpo, e golpeada com um dos membros, que realiza todo o movimento em direção à bola estando estendido. O peso do corpo é transferido para o membro que está à frente. Saque por cima: A bola é lançada com as mãos, acima da cabeça e um pouco atrás da linha normal do tronco. Com o lançamento para o alto, os membros superiores são movimentados naturalmente para cima. O membro que vai golpear a bola faz um
  14. 14. MANCHETE
  15. 15. MANCHETE É mais utilizada durante a recepção de saques e em defesas de bolas baixas, o contato com a bola se faz no antebraço. Os membros inferiores devem estar da mesma forma que durante o toque, semiflexionados e afastados lateralmente na distância dos ombros. Os membros superiores, estendidos e unidos à frente do corpo. As mãos, unidas e sobrepostas.
  16. 16. TOQUE
  17. 17. TOQUE • É o fundamento mais característico do voleibol, utilizado em bolas altas e médias. Em posição de expectativa, cotovelos semiflexionados à frente do corpo, mãos na altura do rosto, palmas voltadas para frente e para cima, dedos abertos e firmes, o jogador procura fazer uma flexão e extensão de membros inferiores e superiores.
  18. 18. CORTADA
  19. 19. CORTADA É o fundamento do vôlei que finaliza a maioria das ações ofensivas e tem como objetivo, enviar a bola á quadra do adversário. É uma habilidade motora complexa, uma vez que toda ação é condicionada pelas características da trajetória do levantamento e que dividimos em 5 fases pedagógicas: Corrida , Impulsão,
  20. 20. • Corrida: pode ser realizada em uma, duas, três ou mais passada. • Impulsão: após o deslocamento, ambos os pés tocam o solo. O corpo se inclina um pouco para frente e os cotovelos estendidos são lançados para trás. Os joelhos flexionam-se aproximadamente a 90º. • Elevação: os pés tocam o chão, primeiro com os calcanhares, juntamente com uma brusca extensão dos joelhos e do lançamento vigoroso dos braços para cima e pela frente do corpo.
  21. 21. • Batida: os membros superiores são lançados para cima. O que vai golpear a bola faz um movimento passando sobre a linha do ombro, posicionando-se, semiflexionado, na máxima amplitude escápulo-umeral. O tronco faz uma hiper-extensão. A batida na bola deve efetuar uma flexão de punho para imprimir uma rotação à bola, tendo um aumento de chances dela cair dentro da quadra adversária. • Queda: no instante do contato com o solo, o executante deve amortecer a queda de forma a se reequilibrar para não cair na rede e evitar lesões traumáticas. É importante que o salto para a cortada seja o mais vertical
  22. 22. BLOQUEIO
  23. 23. BLOQUEIO É um dos fundamentos que mais evoluíram com o passar dos anos, em detrimento do crescimento da potência dos atacantes e de suas habilidades individuais. Quanto à objetividade ele pode ser: ofensivo e defensivo; quanto à formação : simples,
  24. 24. • Conclusão:Uma iniciação esportiva correta deve ser o desenvolvimento e a aprendizagem das habilidades, capacidades e conhecimentos necessários para que no futuro alcance o ápice da forma física técnica que se adapte a qualquer situação do jogo.
  25. 25. Iniciação • Aprendizagem = Mudança de Comportamento • Uma das dificuldades em se iniciar no voleibol é o fato de ele ser um esporte de movimentos não-convencionais. O handebol e o basquetebol trabalham com o pegar e o jogar, comuns em algumas de nossas atividades quotidianas. Entretanto, o voleibol consiste em apenas passar a bola, sem segurá-la (faltas de condução de bola) • Para se conseguir êxito no ensino de voleibol é necessário uma boa condição física e uma boa coordenação que servirão de base para o seu aperfeiçoamento. O professor deverá estar atento a esses itens e deverá trabalhá-los tanto nos educativos como com brincadeiras .
  26. 26. • Não se pode esquecer que a preparação física precisa estar em equilíbrio com o desenvolvimento físico e psicológico para não desmotivar os atletas com exigências muitas delas fora do seu alcance. • Os fundamentos podem ser apresentados por etapa podendo variar sua seqüência visando a motivação e a alternância dos grupos musculares envolvidos. Sugerimos esta ordem: posição básica e movimentação, toque de bola, manchete, saque por baixo, saque tipo tênis, cortada, bloqueio . É dever do professor ensinar da melhor maneira possível todas as habilidades motoras indistintamente pois, não se sabe quais crianças vão se transformar em levantadores e quais serão atacantes.
  27. 27. SSeeqqüüêênncciiaa PPeeddaaggóóggiiccaa :: Apresentação ,, Seqüência (exercícios EducPaetidvoasg óogui ca FAourtmomataivtiozsa)ç,ão e • APRESENTAÇÃO DAS HABILIDADES Aplicação MOTORAS  Estratégias e motivação ao apresentar as TÉCNICAS na execuções, sua UTILIDADE no jogo , através de:  Explicações teóricas, demonstrações, Fotografias, Filmes, Slides, Etc.  Postura do professor: Entusiasmo, vibração, honestidade e interesse para ensinar .  No término desta etapa devemos estimular o aluno a realizar a atividade sem bola ;
  28. 28. • SEQUENCIA PEDAGÓGICA: Devem ser repassados através de estimulação positiva e justa, para que o aluno não se desestimule por correções destrutivas e agressivas: EXERCÍCIOS EDUCATIVOS E/OU FORMATIVOS Objetivam resolver as imperfeições causadas por equívocos motores e técnicos. • AUTOMATIZAÇÃO É a repetição da habilidade motora desde que realizada com alto grau de proficiência (competência, aptidão, capacidade; habilidade).
  29. 29. • APLICAÇÃO DO FUNDAMENTO Aplicação do exercício em forma de jogo; Situações reais de jogo, mas de fácil estruturação e realização . Coletivos simulados: visam a constante repetição da mecânica e por conseqüência a repetição do fundamento aprendido, de uma forma intensiva, a situação do jogo quase real. O jogo propriamente dito (jogos de iniciação):
  30. 30. Fatores importantes para o desenvolvimento das habilidades: • Condições externas: correto ensino das técnicas, condições ambientais, etc. • Condições internas: nível motor inicial e motivação. • Habilidades Motoras básicas: equilibrar, rolar, bater, correr, lançar. • Habilidades Motoras Combinadas (refinadas)
  31. 31. O aquecimento é fundamental, tanto para a prevenção de lesões como para preparar o corpo para a prática física. Se bem utilizado, pode contribuir para a formação e a aprendizagem do aluno por meio de brincadeiras, danças, outros esportes diversificando e motivando as aulas . Não se pode esquecer de dar uma atenção especial às qualidades motoras - agilidade, ritmo, equilíbrio, flexibilidade - e à coordenação geral. A competição, deve ser utilizada como forma de aprendizagem, motivação e enfatizando as perdas e vitórias, visando as correções dos erros e exaltação dos acertos.
  32. 32. DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 1. Iniciação (7 a 10 anos) - Habilidades motoras trabalhadas não especificamente, mas adaptadas ao voleibol; - Variações na forma de rebater; - Jogos adaptados de rebater 2. Desenvolvimento (10 a 12 anos) - Apresentação e desenvolvimento dos fundamentos básicos do voleibol; - Combinação dos fundamentos básicos; - Jogos adaptados sobre a rede
  33. 33. DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 3. Aperfeiçoamento (12 a 16 anos) - Início da aprendizagem dos fundamentos do jogo de voleibol; - Ênfase no aperfeiçoamento dos fundamentos do jogo de voleibol; - Evolução das formas de jogo; - Apresentação dos sistemas tático ofensivos e defensivos;
  34. 34. DIDÁTICA PARA O ENSINO DO VOLEIBOL 4. Especialização (16 a 19 anos) - Combinação dos fundamentos do jogo - Conscientização tática; - Formas concretas e mais elaboradas de jogo - Correções técnicas e táticas 5. Treinamento total (19 anos em diante) - Jogador pronto - Manutenção técnica - Amadurecimento tático e psicológico - Adaptação técnica em relação às funções táticas

×