SlideShare uma empresa Scribd logo

Sistema BI-RADS: condutas

O Câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, surgem 28% de novos casos a cada ano. Ele pode se apresentar de várias formas  e seu diagnóstico requer uma combinação de percepções. Material de 06 de setembro de 2018 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. Disponível em: http://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/ Fácil acesso. Diferentes recursos. As melhores evidências. Um olhar multidisciplinar.

1 de 17
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS
• O câncer de mama pode se apresentar de várias formas, que
requerem uma combinação de percepções para que se faça o
diagnóstico3,5,9,10.
• A capacidade de um radiologista de perceber uma anormalidade em
uma imagem não é diferente da capacidade de um crítico de arte de
perceber o significado da escolha da cor ao avaliar uma pintura.
• A percepção é uma habilidade aprendida, aperfeiçoada ao longo do
tempo, e difícil de quantificar. Alguns têm uma melhor percepção do
que outros 3,5,9.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS
Objetivo dessa apresentação
Apresentar o sistema de padronização de condutas dos achados de
imagens nos métodos diagnósticos do rastreio do câncer de mama,
baseados no sistema BI-RADS.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS
Introdução
O sistema BI-RADS – Breast Imaging Reporting and Data System – criado pelo Colégio
Americano de Radiologia, consiste em um léxico de terminologia com definições para
fornecer uma linguagem padronizada, uma estrutura de laudo e uma abordagem (conduta)
orientada nas imagens de diagnóstico mamário: na mamografia, ultrassonografia e na
ressonância magnética.
No Brasil, o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) realizou adaptação do BI-RADS, de acordo
com particularidades da língua portuguesa (denominado Sistema de Laudos e Registro de
Dados de Imagem da Mama), em sua 2nd edição brasileira (quinta edição americana),
publicado em 20161,2,6.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS
Introdução
Câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil,
surgem 28% de novos casos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens,
porém só 1% do total de casos da doença. Existem vários tipos de câncer de mama.
Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce
progressivamente, especialmente após os 50 anos, tanto nos países desenvolvidos quanto
nos em desenvolvimento.
Estimativa de novos casos: 59.700
Número de mortes: 14.388, sendo 181 homens e 14.206 mulheres (2013 - SIM)
INCA, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS
Introdução
O rastreio e diagnóstico deste câncer é realizado através da mamografia, e em alguns casos
em associação com a ultrassonografia e ressonância magnética das mamas 3-6.
A falta de uniformidade em um laudo diagnóstico para detecção do câncer de mama, pode
levar a sérios problemas na interpretação e, consequentemente, na conduta instituída pelo
médico assistente.
Ou seja, a interpretação e a clareza com a qual a informação é relatada aliada a uma boa
qualidade das imagens são fundamentais para o diagnóstico e tratamento que será
oferecido à paciente1,2,4,7,8,9.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER Karen Lira
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãotvf
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherFernanda Marinho
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaLaped Ufrn
 
SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]
SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]
SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]Juliana Alves Roque
 
Cancer de-prostata
Cancer de-prostataCancer de-prostata
Cancer de-prostataEdna Luiza
 
Paciente oncológico
Paciente oncológicoPaciente oncológico
Paciente oncológicoIapes Ensino
 
Apresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaApresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaVanessa Serrano
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Sanny Pereira
 

Mais procurados (20)

PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Hemorragias na gestação
Hemorragias na gestaçãoHemorragias na gestação
Hemorragias na gestação
 
Folder Campanha Outubro Rosa - 2019
Folder Campanha Outubro Rosa - 2019Folder Campanha Outubro Rosa - 2019
Folder Campanha Outubro Rosa - 2019
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzirBi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
Bi rads 3, 4 e 5 – como conduzir
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]
SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]
SUS lei 8080 [Disposições Preliminares; Definição do Sistema Único de Saúde]
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Novembro azul
Novembro azulNovembro azul
Novembro azul
 
Cancer de-prostata
Cancer de-prostataCancer de-prostata
Cancer de-prostata
 
Paciente oncológico
Paciente oncológicoPaciente oncológico
Paciente oncológico
 
Apresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaApresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mama
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostraRastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
 
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagemCâncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
Câncer de mama: do exame clínico ao exame de imagem
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
Cancer colo do utero
Cancer colo do uteroCancer colo do utero
Cancer colo do utero
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 

Semelhante a Sistema BI-RADS: condutas

Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegraevandrodig
 
Breastimaging
BreastimagingBreastimaging
Breastimagingoddig
 
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012Graciela Luongo
 
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdfa_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdfAndrea Regina Alves Pereira Santos
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncernnanda4
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncernnanda4
 
Diagnóstico e tratamento do câncer de mama
Diagnóstico e tratamento do câncer de mamaDiagnóstico e tratamento do câncer de mama
Diagnóstico e tratamento do câncer de mamaOPERAGATEAU
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Paulo Albuquerque
 
O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro
O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro
O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro Oncoguia
 
Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...
Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...
Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...Simone Amucc
 
controle de qualidade e artefato em mamografia.pdf
controle de qualidade e artefato em mamografia.pdfcontrole de qualidade e artefato em mamografia.pdf
controle de qualidade e artefato em mamografia.pdfMateus Mendes
 

Semelhante a Sistema BI-RADS: condutas (20)

Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegra
 
Doenças fibrocisticas da mama
Doenças fibrocisticas da mamaDoenças fibrocisticas da mama
Doenças fibrocisticas da mama
 
Breastimaging
BreastimagingBreastimaging
Breastimaging
 
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012Rastreamento e diagnóstico precoce  do câncer de mama 19 set2012
Rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de mama 19 set2012
 
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdfa_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
a_deteccao_precoce_do_cancer_de_mama_tem_acontecido_de_forma_agil.pdf
 
Aula screening abril2014
Aula screening abril2014Aula screening abril2014
Aula screening abril2014
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
 
Detecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncerDetecção precoce e rastriamento do câncer
Detecção precoce e rastriamento do câncer
 
024
024024
024
 
Diagnóstico e tratamento do câncer de mama
Diagnóstico e tratamento do câncer de mamaDiagnóstico e tratamento do câncer de mama
Diagnóstico e tratamento do câncer de mama
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
 
Métodos de biópsia de mamas
Métodos de biópsia de mamasMétodos de biópsia de mamas
Métodos de biópsia de mamas
 
Rm mamas
Rm mamasRm mamas
Rm mamas
 
O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro
O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro
O Plano de Atenção Oncológica do Estado do Rio de Janeiro
 
Rastreamneto do cancer de prostata
Rastreamneto do cancer de prostata Rastreamneto do cancer de prostata
Rastreamneto do cancer de prostata
 
Ca de mama
Ca de mamaCa de mama
Ca de mama
 
MamaRisk - Resume Article IHC 2016
MamaRisk - Resume Article IHC 2016MamaRisk - Resume Article IHC 2016
MamaRisk - Resume Article IHC 2016
 
Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...
Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...
Aula 5 qualidade da mamografia e controversias sobre a faixa etaria para o ra...
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
 
controle de qualidade e artefato em mamografia.pdf
controle de qualidade e artefato em mamografia.pdfcontrole de qualidade e artefato em mamografia.pdf
controle de qualidade e artefato em mamografia.pdf
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Documento 1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Ma...
Documento 1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Ma...Documento 1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Ma...
Documento 1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Ma...
 
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 

Último

Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 

Último (6)

Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 

Sistema BI-RADS: condutas

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS • O câncer de mama pode se apresentar de várias formas, que requerem uma combinação de percepções para que se faça o diagnóstico3,5,9,10. • A capacidade de um radiologista de perceber uma anormalidade em uma imagem não é diferente da capacidade de um crítico de arte de perceber o significado da escolha da cor ao avaliar uma pintura. • A percepção é uma habilidade aprendida, aperfeiçoada ao longo do tempo, e difícil de quantificar. Alguns têm uma melhor percepção do que outros 3,5,9.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Objetivo dessa apresentação Apresentar o sistema de padronização de condutas dos achados de imagens nos métodos diagnósticos do rastreio do câncer de mama, baseados no sistema BI-RADS.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Introdução O sistema BI-RADS – Breast Imaging Reporting and Data System – criado pelo Colégio Americano de Radiologia, consiste em um léxico de terminologia com definições para fornecer uma linguagem padronizada, uma estrutura de laudo e uma abordagem (conduta) orientada nas imagens de diagnóstico mamário: na mamografia, ultrassonografia e na ressonância magnética. No Brasil, o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) realizou adaptação do BI-RADS, de acordo com particularidades da língua portuguesa (denominado Sistema de Laudos e Registro de Dados de Imagem da Mama), em sua 2nd edição brasileira (quinta edição americana), publicado em 20161,2,6.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Introdução Câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, surgem 28% de novos casos a cada ano. O câncer de mama também acomete homens, porém só 1% do total de casos da doença. Existem vários tipos de câncer de mama. Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos, tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. Estimativa de novos casos: 59.700 Número de mortes: 14.388, sendo 181 homens e 14.206 mulheres (2013 - SIM) INCA, 2018
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Introdução O rastreio e diagnóstico deste câncer é realizado através da mamografia, e em alguns casos em associação com a ultrassonografia e ressonância magnética das mamas 3-6. A falta de uniformidade em um laudo diagnóstico para detecção do câncer de mama, pode levar a sérios problemas na interpretação e, consequentemente, na conduta instituída pelo médico assistente. Ou seja, a interpretação e a clareza com a qual a informação é relatada aliada a uma boa qualidade das imagens são fundamentais para o diagnóstico e tratamento que será oferecido à paciente1,2,4,7,8,9.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Introdução A padronização dos laudos e utilização de sistemas de classificação traz como principais benefícios: • A obrigatoriedade de se emitir uma impressão diagnóstica, tornando o laudo mais objetivo • Aumenta a confiabilidade na interpretação das imagens e na transmissão das informações • Facilita o acompanhamento das pacientes assim como uma comparação objetiva entre os achados do exame clínico, da mamografia e do exame anatomopatológico • Melhora o diálogo entre radiologistas e clínicos • Cria uma ferramenta para a auditoria dos serviços de radiologia mamária • Permite a formação de um banco de dados para elaboração de estudos epidemiológicos e de estudos retrospectivos • Possibilita a avaliação da sensibilidade e especificidade do método e uma auto avaliação
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Introdução A elaboração do laudo descrito no sistema BI-RADS deve conter a identificação da paciente, a descrição do exame, uma conclusão e a sugestão de conduta. A conclusão é a impressão diagnóstica, e é esta que vai nortear o clínico para a maior ou menor importância de uma determinada imagem, ou definir um exame como normal1,2,7,8,9.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS O laudo deve ser estruturado em quatro fases 1: 1 - Fase Clínica: Anamnese e exame clínico (não precisa constar no laudo) 2 - Fase Descritiva: Baseada no vocabulário do BI-RADS 3 - Fase Diagnóstica: Conclusão diagnóstica, sem correlação histológica Categoria 0 – Avaliação incompleta Categoria 1 – Normal Categoria 2 – Achados benignos Categoria 3 – Achados provavelmente benignos Categoria 4 – Achados suspeitos Categoria 5 – Achados altamente sugestivos Categoria 6 – Malignidade conhecida comprovada por biópsia 4 - Fase de Recomendação de Conduta: conforme as categorias Categoria 0: Necessita de exames complementares ou comparação com exames prévios. Categoria 1 e 2: Acompanhamento anual ou bianual. Categoria 3: Acompanhamento em 6 meses. Categoria 4 e 5: Sugestão/Indicação de investigação cito-histológica.
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Categorias de avaliação e condutas Categoria 0: Incompleta. Requer avaliação por imagem adicional e/ou imagens anteriores para comparação. Por exemplo, nódulo visto pela primeira vez na mamografia sem correlação com ultrassonografia ou comparação com mamografias anteriores; nódulo suspeito à ultrassonografia em paciente jovem de risco que necessita de mamografia para correlação; diferenciação entre cicatriz cirúrgica e recorrência da doença em pacientes com cirurgia prévia de câncer de mama, situação na qual a ressonância magnética poderia definir melhor a conduta. E a comparação com exames anteriores da mesma modalidade de imagem é necessária, para avaliar estabilidade ou identificação de nova lesão. Após os novos exames, a imagem deve ser classificada em uma dentre as 6 categorias seguintes.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Categorias de avaliação e condutas Categoria 1: Negativa. Nenhuma lesão encontrada. O exame é normal. Seguimento de rotina, o rastreio é mamografia anual a partir dos 40 anos. Categoria 2: Achado benigno. Nenhuma característica maligna. Seguimento de rotina ou a critério clínico. Alguns exemplos são cistos simples, linfonodos intramamários, coleções liquidas pós cirúrgicas, implantes mamários, cicatriz pós-cirúrgica estável, e cistos complicados / prováveis fibroadenomas sem modificações por pelo menos 2 ou 3 anos.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Categorias de avaliação e condutas Categoria 3: Provavelmente benigno. Seguimento em curto prazo é sugerido (controle em 6, 12, 24 e 36 meses). Não deve ser usada nos exames de rastreio. Após 24 ou 36 meses, não havendo modificação da imagem, pode-se classificar a lesão como categoria 2. Um exemplo seria o achado de um nódulo sólido oval, palpável ou não, com margem circunscrita, orientação horizontal (paralela à pele), sugestivo de fibroadenoma, ou cisto complicado isolado ou microcistos agrupados, com menos de 2% de malignidade.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Categorias de avaliação e condutas Categoria 4: Achado Suspeito. Achados que não têm aparência clássica de malignidade, mas são suficientemente suspeitos para justificar uma recomendação de biópsia. Probabilidade intermediária de câncer, de 3 a 94%. Uma opção descrita é estratificar estas lesões em baixo, intermediário ou moderado grau de suspeição, classificadas como 4A, 4B e 4C respectivamente. Categoria 5: Achado altamente sugestivo de malignidade. Probabilidade de malignidade > 95%. Realizar biópsia na ausência de contraindicação clínica.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Categorias de avaliação e condutas Categoria 6: Malignidade comprovada por biópsia. Exames realizados após comprovação de malignidade por biópsia (exame de imagem após biópsia, mas antes da excisão cirúrgica), em que não há anormalidade que possa necessitar de avaliação adicional, exceto o câncer conhecido. Por exemplo, pacientes submetidas à quimioterapia neoadjuvante, que realizam novas ultrassonografias ou ressonância magnética, para avaliar a regressão tumoral.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS O uso de uma classificação pressupõe um compromisso com o diagnóstico. O diagnóstico correto e o mais precoce possível, com condutas padronizadas, melhora as possibilidades de cura do câncer de mama. BI-RADS CATEGORIAS CONDUTA 0 NOVOS EXAMES 1 RASTREIO ANUAL 2 RASTREIO ANUAL 3 CONTROLE SEMESTRAL 4 BIÓPSIA 5 BIÓPSIA 6 TRATAMENTO ADEQUADO
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS Referências • Atlas BI-RADS do ACR: sistema de laudos e registro de dados de imagem da mama/ American College of Radiology- 2 ed. São Paulo: Colégio Brasileiro de Radiologia, 2016. • Kinkel K. The never-ending success story of BI-RADS. Diagn Interv Imaging. 2017 Mar;98(3):177-178. doi: 10.1016/j.diii.2017.02.003. PubMed PMID: 28262125. • Calas MJG, Almeida RMVR, Gutfilen B, Pereira WCA. Interobserver concordance in the BI-RADS classification of breast ultrasound exams. Clinics. 2012;67(2):185-189. doi:10.6061/clinics/2012(02)16. • Sedgwick E. The Breast Ultrasound Lexicon: Breast Imaging Reporting and Data System (BI-RADS). Semin Roentgenol 2011; 46(4):245-251. • Calas MJG; Breyer FEA. Propedêutica do câncer de mama. In: Oncoplástica e reconstrução mamária. 1ed. Rio de Janeiro: Medbook, 2017 parte I, capítulo 2, 19-42. • Calas MJG, Castro R, Pereira FPA. Requisitos para o exame de ultrassonografia mamária. In: Chagas CR, Menke CH, Vieira RJS, Boff RA, editors. Tratado de Mastologia da SBM. Primeira edição. Rio de Janeiro: Revinter, 2011: 221-227. (Volume II, parte 5, capítulo 14). • Castro SM, Tseylin E, Medvedeva O, Mitchell K, Visweswaran S, Bekhuis T, Jacobson RS. Automated annotation and classification of BI-RADS assessment fro radiology reports. Journal of Biomedical Informatics 2017; 69:177-187. • Spak DA, Plaxco JS, Santiago L, Dryden MJ, Dogan BE. BI-RADS(®) fifth edition: A summary of changes. Diagn Interv Imaging. 2017 Mar;98(3):179-190. doi: 10.1016/j.diii.2017.01.001. Epub 2017 Jan 25. Review. PubMed PMID: 28131457. • Salazar AJ, Romero,JA, Bernal OA, Moreno AP, Velasco SC. Reliability of the BI-RADS Final Assessment Categories and Management Recommendations in a Telemammography Context. J Am Coll Radiol 2017; 14:686-692. • Michaels AY, Birdwell RL, Won Chung CS, Frost EP, Giess CS. Assessment and Management of Challenging BI-RADS Category 3 Mammographic Lesions. RadioGraphics 2016; 36:1261–1272.
  • 17. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 06 de setembro de 2018 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. SISTEMA BI-RADS: CONDUTAS