Relatórios e pareceres_parte 04

1.489 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.489
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
953
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatórios e pareceres_parte 04

  1. 1. 23/04/2014 1 Relatórios e Pareceres Parte 04 – Profª. Yasmin Fernandes NBC TG...continuação... RELATÓRIOS E PARECERES Algumas Normas Aplicadas no Exame de Suficiência: NBC TG – Estrutura Conceitual NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis NBC TG 16 – Estoques
  2. 2. 23/04/2014 2 NBC TG – Estrutura Conceitual RELATÓRIOS E PARECERES Finalidade Esta Estrutura Conceitual estabelece os conceitos que fundamentam a preparação e a apresentação de demonstrações contábeis destinadas a usuários externos. A finalidade desta Estrutura Conceitual é: (a) dar suporte ao desenvolvimento de novas normas e à revisão das existentes quando necessário; NBC TG – Estrutura Conceitual RELATÓRIOS E PARECERES Finalidade (b) dar suporte à promoção da harmonização das regulações, das normas contábeis e dos procedimentos relacionados à apresentação das demonstrações contábeis, provendo uma base para a redução do número de tratamentos contábeis alternativos permitidos pelos Pronunciamentos, Interpretações e Orientações; (c) dar suporte aos órgãos reguladores nacionais;
  3. 3. 23/04/2014 3 NBC TG – Estrutura Conceitual RELATÓRIOS E PARECERES Finalidade (d) auxiliar os responsáveis pela elaboração das demonstrações contábeis na aplicação dos Pronunciamentos Técnicos, Interpretações e Orientações e no tratamento de assuntos que ainda não tenham sido objeto desses documentos; (e) auxiliar os auditores independentes a formar sua opinião sobre a conformidade das demonstrações contábeis com os PronunciamentosTécnicos, Interpretações e Orientações; NBC TG – Estrutura Conceitual RELATÓRIOS E PARECERES Finalidade (f) auxiliar os usuários das demonstrações contábeis na interpretação de informações nelas contidas, elaboradas em conformidade com os Pronunciamentos Técnicos, Interpretações e Orientações; e (g) proporcionar aos interessados informações sobre o enfoque adotado na formulação dos Pronunciamentos Técnicos, das Interpretações e das Orientações.
  4. 4. 23/04/2014 4 NBC TG – Estrutura Conceitual RELATÓRIOS E PARECERES Alcance Esta Estrutura Conceitual aborda: (a) o objetivo da elaboração e divulgação de relatório contábil- financeiro; (b) as características qualitativas da informação contábil- financeira útil; (c) a definição, o reconhecimento e a mensuração dos elementos a partir dos quais as demonstrações contábeis são elaboradas; e (d) os conceitos de capital e de manutenção do capital. NBC TG – Estrutura Conceitual RELATÓRIOS E PARECERES Características Qualitativas das Demonstrações Contábeis Compreensibilidade Relevância (materialidade) Confiabilidade (representação adequada, primazia da essência sobre a forma, neutralidade, prudência, integridade) Comparabilidade
  5. 5. 23/04/2014 5 NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Objetivo O objetivo deste Pronunciamento Técnico é definir a base para a apresentação das demonstrações contábeis, para assegurar a comparabilidade tanto com as demonstrações contábeis de períodos anteriores da mesma entidade quanto com as demonstrações contábeis de outras entidades. Nesse cenário, este Pronunciamento estabelece requisitos gerais para a apresentação das demonstrações contábeis, diretrizes para a sua estrutura e os requisitos mínimos para seu conteúdo. NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Finalidade das Demonstrações Contábeis As demonstrações contábeis são uma representação estruturada da posição patrimonial e financeira e do desempenho da entidade. O objetivo das demonstrações contábeis é o de proporcionar informação acerca da posição patrimonial e financeira, do desempenho e dos fluxos de caixa da entidade que seja útil a um grande número de usuários em suas avaliações e tomada de decisões econômicas. As demonstrações contábeis também objetivam apresentar os resultados da atuação da administração na gestão da entidade e sua capacitação na prestação de contas quanto aos recursos que lhe foram confiados.
  6. 6. 23/04/2014 6 NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Finalidade das Demonstrações Contábeis Para satisfazer a esse objetivo, as demonstrações contábeis proporcionam informação da entidade acerca do seguinte: • (a) ativos; • (b) passivos; • (c) patrimôniolíquido; • (d) receitas e despesas,incluindo ganhos e perdas; • (e) alterações no capital próprio mediante integralizações dos proprietáriose distribuiçõesa eles; e • (f) fluxos de caixa. NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Conjunto completo das demonstrações contábeis O conjunto completo de demonstrações contábeis inclui: (a) balanço patrimonial ao final do período; (b1) demonstração do resultado do período; (b2) demonstração do resultado abrangente do período; (c) demonstração das mutações do patrimônio líquido do período; (d) demonstração dos fluxos de caixa do período;
  7. 7. 23/04/2014 7 NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES (f) balanço patrimonial do início do período mais antigo, comparativamente apresentado, quando a entidade aplica uma política contábil retrospectivamente ou procede à reapresentação retrospectiva de itens das demonstrações contábeis, ou ainda quando procede à reclassificação de itens de suas demonstrações contábeis; e (e) notas explicativas, compreendendo um resumo das políticas contábeis significativas e outras informações explanatórias. (g) demonstração do valor adicionado do período, conforme Pronunciamento Técnico CPC 09 – Demonstração do Valor Adicionado; NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Balanço Patrimonial Ativo circulante O ativo deve ser classificado como circulante quando satisfizer qualquer dos seguintes critérios: a) espera-se que seja realizado, ou pretende-se que seja vendido ou consumido no decurso normal do ciclo operacional da entidade; b) está mantido essencialmente com o propósito de ser negociado; c) espera-se que seja realizado até doze meses após a data do balanço; ou
  8. 8. 23/04/2014 8 NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Balanço Patrimonial Ativo circulante d) é caixa ou equivalente de caixa (conforme definido no Pronunciamento Técnico CPC 03 – Demonstração dos Fluxos de Caixa), a menos que sua troca ou uso para liquidação de passivo se encontre vedada durante pelo menos doze meses após a data do balanço.  Todos os demais ativos devem ser classificados como não circulante. NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Balanço Patrimonial Ativo circulante  Este Pronunciamento utiliza o termo “não circulante” para incluir ativos tangíveis, intangíveis e ativos financeiros de natureza associada a longo prazo. Não se proíbe o uso de descrições alternativas desde que seu sentido seja claro.  O ativo não circulante deve ser subdividido em realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e intangível.
  9. 9. 23/04/2014 9 NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Balanço Patrimonial Passivo circulante O passivo deve ser classificado como circulante quando satisfizer qualquer dos seguintes critérios: a) espera-se que seja liquidado durante o ciclo operacional normal da entidade; b) está mantido essencialmente para a finalidade de ser negociado; c) deve ser liquidado no período de até doze meses após a data do balanço; ou NBC TG 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis RELATÓRIOS E PARECERES Balanço Patrimonial Passivo circulante d) a entidade não tem direito incondicional de diferir a liquidação do passivo durante pelo menos doze meses após a data do balanço.  Todos os outros passivos devem ser classificados como não circulantes.  A entidade classifica os seus passivos financeiros como circulante quando a sua liquidação estiver prevista para o período de até doze meses após a data do balanço.
  10. 10. 23/04/2014 10 NBC TG 16 - Estoques RELATÓRIOS E PARECERES Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento contábil para os estoques. A questão fundamental na contabilização dos estoques é quanto ao valor do custo a ser reconhecido como ativo e mantido nos registros até que as respectivas receitas sejam reconhecidas. Este Pronunciamento proporciona orientação sobre a determinação do valor de custo dos estoques e sobre o seu subsequente reconhecimento como despesa em resultado, incluindo qualquer redução ao valor realizável líquido. Também proporciona orientação sobre o método e os critérios usados para atribuir custos aos estoques. NBC TG 16 - Estoques RELATÓRIOS E PARECERES Definições Estoques são ativos: (a) mantidos para venda no curso normal dos negócios; (b) em processo de produção para venda; ou (c) na forma de materiais ou suprimentos a serem consumidos ou transformados no processo de produção ou na prestação de serviços.
  11. 11. 23/04/2014 11 NBC TG 16 - Estoques RELATÓRIOS E PARECERES Definições Valor realizável líquido é o preço de venda estimado no curso normal dos negócios deduzido dos custos estimados para sua conclusão e dos gastos estimados necessários para se concretizar a venda. Valor justo é aquele pelo qual um ativo pode ser trocado ou um passivo liquidado entre partes interessadas, conhecedoras do negócio e independentes entre si, com ausência de fatores que pressionem para a liquidação da transação ou que caracterizem uma transação compulsória. NBC TG 16 - Estoques RELATÓRIOS E PARECERES Definições O valor realizável líquido refere-se à quantia líquida que a entidade espera realizar com a venda do estoque no curso normal dos negócios. O valor justo reflete a quantia pela qual o mesmo estoque pode ser trocado entre compradores e vendedores conhecedores e dispostos a isso. O primeiro é um valor específico para a entidade, ao passo que o segundo já não é. Por isso, o valor realizável líquido dos estoques pode não ser equivalente ao valor justo deduzido dos gastos necessários para a respectiva venda.
  12. 12. 23/04/2014 12 NBC TG 16 - Estoques RELATÓRIOS E PARECERES Custos dos Estoques O valor de custo do estoque deve incluir todos os custos de aquisição e de transformação, bem como outros custos incorridos para trazer os estoques à sua condição e localização atuais. Custo de aquisição: compreende o preço de compra, os impostos de importação e outros tributos (exceto os recuperáveis junto ao fisco), bem como os custos de transporte, seguro, manuseio e outros diretamente atribuíveis à aquisição de produtos acabados, materiais e serviços. Descontos comerciais, abatimentos e outros itens semelhantes devem ser deduzidos na determinação do custo de aquisição. NBC TG 16 - Estoques RELATÓRIOS E PARECERES Custos dos Estoques Custos de transformação: incluem os custos diretamente relacionados com as unidades produzidas ou com as linhas de produção, como pode ser o caso da mão-de-obra direta. Também incluem a alocação sistemática de custos indiretos de produção, fixos e variáveis, que sejam incorridos para transformar os materiais em produtos acabados. Mensuração de estoque Os estoques objeto deste Pronunciamento devem ser mensurados pelo valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor.
  13. 13. 23/04/2014 13 RELATÓRIOS E PARECERES02º SEM/2013 - TÉCNICO 01º SEM/2013 - TÉCNICO RELATÓRIOS E PARECERES01º SEM/2013 - TÉCNICO
  14. 14. 23/04/2014 14 RELATÓRIOS E PARECERES01º SEM/2013 - TÉCNICO 02º SEM/2012 - TÉCNICO RELATÓRIOS E PARECERES02º SEM/2012 - TÉCNICO
  15. 15. 23/04/2014 15 RELATÓRIOS E PARECERES01º SEM/2012 - TÉCNICO RELATÓRIOS E PARECERES01º SEM/2012 - TÉCNICO

×