Complexidade E MudançA

3.756 visualizações

Publicada em

Trabalho validado

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.756
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Complexidade E MudançA

  1. 1. CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE COMPLEXIDADE E MUDANÇA ( MENTALIDADES) 7 Por ser mulher, não posso deixar de escrever e tecer algumas considerações sobre o que é ser mulher no mundo! Na verdade o elemento feminino sempre desempenhou um papel fundamental na vida familiar e social, num mundo comandado por homens e direccionado para os homens. Temos que, por exemplo na Grécia Antiga, a actuação das mulheres restringia-se essencialmente à educação dos filhos e aos cuidados do lar, não podendo estudar a não ser que fosse música, pois era entendido que a música era algo muito feminino. Os homens tinham acesso à vida política, ao conhecimento, à arte e a definir as regras de vida. No Império Romano, a mentalidade era a mesma e os homens eram donos e senhores das mulheres, e estas eram vistas como escravas, sem alma ou pensamento. Durante a Idade Média, houve uma grande mudança nas mentalidades e as mulheres detinham a grande parte das profissões, o direito à propriedade, assumiam a chefia familiar quando ficavam viúvas e até consta que estudaram nas universidades da época. Depois com o Renascimento houve um retrocesso na mentalidade, surgiu a caça às bruxas e as mulheres praticamente nem direito tinham à herança. Mais tarde, no século XVIII/XIX as mentalidades retomam o progresso, chegando mesmo a ser formada na Europa uma sociedade científica para as mulheres. É nesta altura que surge uma grande senhora, Marie Curie, surgindo também as ideias feministas de e para as mulheres. Já século XX, o direito ao voto é uma das grandes vitórias do movimento feminino, demonstrando a grande capacidade política e de oratória das mulheres. Ana Paula Palma 19-2-2009
  2. 2. CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE COMPLEXIDADE E MUDANÇA ( MENTALIDADES) 7 Depois seguiu-se o direito ao divórcio, o controlo sobre o seu próprio corpo, temas que ainda hoje são tão polémicos, demonstrando que nesta matéria ainda há um grande caminho a percorrer. Eu pessoalmente, sou mãe, esposa, trabalhadora, amiga, filha , irmã, eu sei lá que mais, mas em casa tenho que reivindicar muitas vezes o direito a ser ajudada na lida da casa, na educação das filhas, pois o marido tenta sempre passar essa responsabilidade para mim, sendo uma luta constante, e que por vezes não é bem recebida e aceite pelo meu companheiro de vida. Estou num constante reformular de valores que nunca foram ensinados ao marido, mas que tento entender sem que os meus direitos sejam postos em causa. Tento que ele perceba que ao participar, na vida familiar, está a criar uma ligação profunda com as filhas, e como isso é importante para o crescimento delas. Consigo identificar, organizar e interagir com os vários contextos familiares solucionando os conflitos e transmitindo alguma tranquilidade e serenidade familiar. Por exemplo, neste último Verão, estivemos muitas algumas vezes em conflito, porque o marido só queria ir para as praias da costa norte do concelho de Vila do Bispo, Murração e Barriga, praias que não têm rede para o telemóvel, não têm nadador salvador e as ondas são mais agitadas, porque ele gosta de pescar e nessas praias é que há bons pesqueiros. As filhas e eu gostaríamos de vez enquanto ir para as praias da costa sul, por exemplo Mareta em Sagres ou praias em Lagos. Tentei fazer-lhe entender, que eu também queria usufruir da praia descansada e como não sei nadar, tinha de estar constantemente junto delas para as vigiar, e, assim não conseguia descansar e elas estavam sempre a ouvir-me gritar para não irem mar adentro e claro, também elas não brincavam descansadas. Assim, de vez enquanto, íamos para as outras praias e se ele não quisesse ir , estava tudo bem, ele ia para as praias costa ocidental e nós para as outras... ainda assim, foi Ana Paula Palma 19-2-2009 Ana Paula Palma 19-2-2009
  3. 3. CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE COMPLEXIDADE E MUDANÇA ( MENTALIDADES) 7 aceitando, contrariado, mas foi cedendo e nós também. Este ano por exemplo, vamos fazer as férias de outro modo, apenas uma ou duas semanas juntos e o resto dos dias de férias que dispomos, cada um gere à sua maneira...As filhas já são crescidas, a mais velha há-de querer estar mais com as amigas, enfim...ele aceitou a ideia. Em casa há partilhas de algumas tarefas, por exemplo, lavar a loiça, estender a roupa e ultimamente, ajudar a filha mais nova, nos trabalhos da escolares. Tenho como experiência própria, uma situação fantástica da minha vida , ainda que muito breve, mas que consigo demonstrar a grande capacidade de resistência, de inteligência, de força e motivação das mulheres deste nosso Portugal! Trabalhei dois meses numa fábrica de bolachas em Coimbra ( que já não existe), Bolacha Palmeira , ainda eu vivia em casa dos meus pais, numa altura em que financeiramente as coisas não estavam muito bem lá por casa. Então, conheci mulheres fantásticas, que trabalhavam lado a lado com os homens, mas os salários eram mais baixos. Trabalhavam 9 horas, em pé , na linha de produção, e sempre que necessário, arranjavam as maquinas quando estas se avariavam. A fábrica estava sempre aberta, portanto trabalhava-se por turnos. Não havia lugar para lamurias, doenças ou até dores de parto! Cheguei a ver mulheres que carregavam paletes cheias de caixas de bolachas e já muito perto da hora de parir. Cheguei a conhecer uma que perdeu o seu bebé, já em estado bem avançado de gravidez, e Ana Paula Palma 19-2-2009
  4. 4. CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE COMPLEXIDADE E MUDANÇA ( MENTALIDADES) 7 dois dias depois, já estava ao serviço…outras a secar o peito, deitando fora o leite que deveria amamentar o seu bebé, mas que não podiam arriscar a ficar em casa, senão perdiam o emprego. No entanto, estas mulheres riam, cantavam, contavam anedotas e ajudavam-se umas às outras sempre que necessário. E corriam a apanhar a camioneta para irem buscar comida aos supermercados ou ir buscar os filhos á cresce ou aos avós e cara alegre! Para mim aqueles dois meses foram muito marcantes, lembro-me que não se podia ir à casa de banho, mas mesmo assim, estas mulheres enfrentavam o capataz (HOMEM claro está). Hoje vejo que sou uma privilegiada, trabalho na função pública, função igual salário igual, tenho as novas tecnologias no meu serviço, nomeadamente o computador que é o meu principal instrumento de trabalho. Logo que entro no meu local de trabalho, a primeira coisa que faço é ligar o computador, abrir os programas SGT – Sistema de gestão de Tesouraria e o Programa de Serviço de Águas. No primeiro, registo as cópias das guias de recebimento, os cheques e os pagamentos feitos aos nossos fornecedores, os depósitos, faço as reconciliações bancárias ( controlar os cheques pagos e os cheques em trânsito) e tiro os mapas de conferência. No segundo programa, faço o registo dos débitos , que são os recibos de água em situação de juros de mora, utilizo a impressora e o um instrumento também essencial, que é o TPA, ou seja, a máquina de multibanco, que facilita o utente a concretizar os diversos pagamentos que teve de fazer. Tenho um horário de trabalho fabuloso e tenho uma liberdade de crescer como pessoa e mulher trabalhadora, tenho a minha habitação e as escolas que as minhas filhas frequentam junto do meu local de trabalho. Ana Paula Palma 19-2-2009 Ana Paula Palma 19-2-2009
  5. 5. CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE COMPLEXIDADE E MUDANÇA ( MENTALIDADES) 7 Não entrando ainda no contexto global, mas mais no contexto local, tive uma breve participação na vida política, nas últimas eleições para as autarquias locais, fazendo parte de um grupo de pessoas com valor para a Junta de Freguesia de Vila do Bispo, pelo partido socialista. Não foi fácil, até porque tive de me expor socialmente, e sendo eu funcionária da Câmara de Vila do Bispo, e o Presidente meu superior hierárquico máximo, pertencer ao partido opositor ao meu. Também não foi fácil, gerir os ciúmes do meu marido, que esteve o tempo todo a criar uma série de problemas por ter de estar fora de casa para ter tempo para a política. No entanto, adorei este meu desempenho, estive em contacto com a população de todo o concelho ouvindo de viva voz o que precisavam e o que gostariam de ver desenvolvido no concelho de Vila do Bispo. O Partido Socialista não ganhou a junta de freguesia, e a minha participação política ficou reduzida só à campanha eleitoral. A minha participação apesar de ligada a um partido, foi feita como independente e não como filiada, pois não sou filiada em nenhum partido. Tive direito a 30 dias de ausência ao serviço para preparar a campanha, mas só exerci alguns dias, por opção. No entanto, adorei este meu momento de vida, antes falara com o meu marido sobre a minha participação, ele foi logo contra, mas mesmo assim avancei com a minha decisão, disse-lhe que gostava de apostar neste projecto, que ia desde na aposta na juventude, concentrar os jovens no concelho, ao apoio aos idosos e que queria fazer alguma coisa pelo Concelho de Vila do Bispo e pelo futuro das nossas filhas. Conheci o trabalho efectuado nos bastidores para acompanhar o candidato principal, isto é, o candidato à Presidência da Câmara, a distribuição Ana Paula Palma 19-2-2009
  6. 6. CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE COMPLEXIDADE E MUDANÇA ( MENTALIDADES) 7 dos panfletos, canetas e isqueiros, ir ter com as pessoas e esperar que estejam receptivas às nossas ideias, pelo menos a ouvir as nossas ideias, verificar que nem sempre é fácil lidar com essa situação. Falei nas carências do concelho, principalmente, apostando nas futuras mamas, que têm dificuldade em deixar os seus bébés com alguém, dado que nem há amas nem há creches. Estabeleci contacto com o candidato à Presidência da Câmara e à Presidência da Assembleia Municipal, bem como com os outros candidatos às juntas de Freguesia, de Sagres e Raposeira, entre os quais a minha própria irmã, que era e é vogal na assembleia municipal pelo partido socialista. Desloquei- me entre Vila do Bispo, Sagres, Raposeira , depois ficava na sede a organizar os panfletos e brindes para o dia seguinte...também tinha estar em casa, para tranquilizar o marido e haver harmonia em casa. Tentei conciliar as adversidades e fui até ao fim. Durante a campanha, cruzámos-nos com o partido da oposição, PSD, e até trocámos entre nós os panfletos! Adorei esta forma democrática de procedimento. (Confesso que na lista para a junta de freguesia, não estava muito convencida de que poderíamos ter hipótese de ganhar, porque o anterior e actual presidente da junta de freguesia, tem feito um bom trabalho, apostando precisamente na juventude.) Mundialmente, as mulheres são abusadas, maltratadas, é-lhes imposto determinados comportamentos e felizmente também são amadas e encorajadas a serem cada vez melhores como seres humanos…veja-se no mais recente momento histórico, uma mulher podia ter ganho a presidência dos Estados Unidos da América! Bibliografia: Ana Paula Palma 19-2-2009 Ana Paula Palma 19-2-2009
  7. 7. CIDADANIA E PROFISSIONALIDADE COMPLEXIDADE E MUDANÇA ( MENTALIDADES) 7 http://pt.wikipedia.org/wiki/Feminismo#erspectiva_hist.C3.B3rica_no_Ocidente http://www.amar-ela.com/mulheres-muculmanas http://www.amar- ela.com/mulheres-muculmanas De Daniela Mannhttp://www.amar-ela.com/mulheres- muculmanas De http://www.amar-ela.com/mulheres-muculmanas De on Set 8, 2008 in Amar-Elahttp://www.amar-ela.com/mulheres-muculmanas De on Set 8, 2008 in http://www.amar-ela.com/mulheres-muculmanas De on Set 8, 2008 in http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u378189.shtml Ana Paula Palma 19-2-2009

×