SlideShare uma empresa Scribd logo
ACUDA, MAMÃE !!!


                                               José Gilson Farias Cavalcanti




Tempos modernos os de hoje. Aliás modernos já há algum tempo. Muitas
transformações no estilo de vida das pessoas no planeta. O mundo gira, as coisas
mudam. Enquanto estão em processo de mudança a gente nem percebe. Quando vê
mudaram. Era assim antigamente e hoje é assado. Quando vamos refletir sobre as
mudanças a gente encontra explicações, justificativas e muitos somos capazes de
elaborar um processo pelo qual passou uma mudança. Isso acontece em nível individual
e em nível coletivo. As mudanças afetam o indivíduo e os elos da cadeia em que está
envolvido. A história é o caminho pelo qual percebemos o que mudou, seja novamente
individual seja em grupo.


O percurso de mudança da mulher na história é dos mais emocionantes, dos mais
espinhosos. O papel da mulher mudou muito, principalmente na sociedade ocidental,
mudança essa impulsionada por mudanças econômicas, políticas e espirituais.


Até meados do século XX, a mulher ficava em casa. Era-lhe reservado um papel de
retraimento na atividade econômica e de expoente no campo afetivo da família.
A menina começava a brincar de boneca, de casinha, explorando sua natureza materna.
A natureza materna é essencialmente de cuidar. Cuidar da casa, do marido, dos filhos,
dos irmãos. Cuidar significava, então, escutar, perceber, compreender e apoiar
afetivamente os outros. Cuidava de si, é bem verdade, arrumando-se para ficar bonita
também para os outros. É claro que estou me referindo a uma cultura média
predominante que assim definia o que devia a mulher fazer. Sempre houve aquelas que
não se enquadravam nesse papel e, por isso, pagavam um preço, às vezes alto. Mas, isso
também sempre fez parte do cotidiano humano. Os que não se enquadram nos padrões
definidos pelo social, embora sejam os que avancem, não são bem vistos. São
criticados, excluídos, apedrejados e, muitas vezes, mortos. Tem Um que foi crucificado.


Muito bem, voltemos à média das mulheres. Ao homem cabia prover a casa,
materialmente falando. À mulher cabia procriar e cuidar dos filhos e do marido. Aqui
cabe nos deter um pouco mais no aspecto ser mãe.
Como era a nossa mãe? Bem, falo das mães que hoje têm ou teriam 80 anos de idade.
Independentemente de ter desejado o filho a relação sempre foi mais próxima do que
hoje em dia. Explico. A presença física da mãe serviu para construir, na média das
situações, um vínculo forte com o filho criança. Podia até ter babá mas a mãe estava
presente o que lhe dava suporte, mesmo nas horas de castigo. Como a relação da mãe
com o bebê passa da simbiose para a interdependência, a mãe ajudava a construir um
lastro, uma fundamentação, um grounding para a criança. Como? A mãe é o primeiro
objeto de amor e de raiva da criança (seio bom e seio mal). É quem a acolhe na dor da
fome ou da doença. É muito mais que um tomar providências. É um cuidar afetivo-
emocional. A relação que vai sendo construída tem sintonia com o desenvolvimento
físico-emocional, psicológico, social e espiritual da criança. A mãe estava presente em
todos os momentos de passagem do filho. Amor, carinho, toque, interdição, punição,
aprendizagem e acolhimento estavam à hora para a criança. E mais, os valores culturais
de uma forma geral e as qualidades femininas em particular estavam à disposição para
serem e eram introjetados pelos filhos. A mãe passava uma estrutura para a criança. A
presença do pai ou de um substituto masculino ia, aos poucos, ajudando a construir essa
estrutura. Havia tempo para olhar e saber do filho. O que gerou esse sistema? Adultos
sãos, a maioria neuróticos e alguns psicóticos, é claro, quando havia uma estrutura para
tal. Bem ou mal esses adultos tocaram suas vidas com alegrias e sofrimentos próprias da
vida humana.


Mas, o que aconteceu depois que o papel da mulher foi espichado para além do que
estava colocado? Muita coisa diferente, certamente.


O desenvolvimento do capitalismo acenou para um consumo desenfreado; a competição
mais acirrada para existir bem, para ser reconhecido no meio da multidão. O ter passou
a ser mais importante que o ser. O reconhecimento e o respeito ficaram mais estreitos
para os que tem, que são os que podem. Poder passou a ser a palavra chave, a razão de
viver das pessoas na sociedade. Dessa forma, o dinheiro passou a não dar para o
sustento da família dentro de novos padrões que foram estabelecidos. O homem,
sozinho passou a não ser capaz de suprir as necessidades materiais da família. A comida
faltava ou, então, faltava a televisão colorida, a passagem para o colégio que ficava cada
vez mais distante da casa, os deslocamentos cada vez mais distantes e caros, os livros
que não podiam mais ser aproveitados pelos mais novos, o colégio público que caiu de
nível e a necessidade de se pagar um particular, as roupas de grife cada vez mais caras,
os eletrodomésticos mais facilitadores da vida no lar, os carros mais modernos, as
viagens mais longínquas, o novo idioma que é preciso aprender, o computador com o
qual se precisa lidar, o rejuvenescimento que é preciso perseguir etc. etc. etc. Estamos,
agora, focando muito mais na vida da classe média. E aí, o que aconteceu? A mulher
teve de sair de casa para trabalhar, para ajudar o sustento dessa “nova família” e para,
certamente, desenvolver suas potencialidades criativas como qualquer ser humano. O
padrão a ser seguido foi, então, o masculino. As mulheres foram à luta. Estudaram,
ralaram e conseguiram produzir, realizar e realizar-se. Vida dura porque depois de um
dia ou de um expediente de trabalho retorna a casa para, cansada, cuidar da família.
Independente da qualidade de sua aparição em casa, as relações familiares mudaram,
porque não poderia ser diferente.
E o que aconteceu? A ausência da mãe no lar deixou faltas. Não dá mais para ser a mãe
presente. Os cuidados hora-hora foram assumidos por babás, empregadas, avós,
creches. Por melhor que seja a qualidade da presença, quando ocorre, a criança sente
falta dela. O que é passado para a criança é que a vida deve ser assim mesmo, ou seja, o
afeto é restrito a momentos tal qual a disponibilidade dessa mãe. O filho passa a
reclamar de suas “dores” utilizando várias formas: adoece, desobedece mais
freqüentemente, fica mais agressivo ou deprimido, vai mal na escola etc. etc. etc.
Coitada dessa mãe que tenta conversar, primeiro, e,depois, entra no esquema das
punições. Chora, desespera-se muitas vezes. “Eu faço tudo para você, veja os meus
sacrifícios”. E aí, assoma um momento muito propício para a instalação do sentimento
de culpa com relação ao filho. O mecanismo para a diminuição dessa culpa é pagando-
lhe coisas. Faz um esforço danado para suprir sua ausência dando presentes e, claro,
diminuindo os necessários limites que devem se dados desde cedo porque a vida tem
limites e isso precisa ser introjetado pela criança desde cedo.


Vinda desse contexto, a outrora criança mergulha na fase de adolescência. A
adolescência em si já é uma fase conturbada: confrontos, necessidade de afirmação,
oposição, transformações físicas pronunciadas. Mais uma vez a falta da mãe será
sentida mas não admitida, agora. Quem lhe ajuda a compreender o que está se
passando? Quem lhe ajuda a atravessar as dúvidas, os medos, as ansiedades, as tensões,
as tristezas, as decepções? Quem lhe dará o necessário suporte afetivo-emocional para
atravessar esses tortuosos caminhos? O que é da mãe? O que é do pai? Estão
trabalhando, dando duro para suprir as necessidades mais materiais da família. Sobra
pouco temo para a escuta, para a percepção de sinais das “dores” do agora jovem. O que
fazem é reagir aos estímulos emitidos pelos filhos. Tentam uma conversa com o filho
mas num momento em que podem, em que têm disponibilidade. Em vez de
compreender sentem-se incompreendidos pelos filhos; em vez de escutarem, falam
porque têm experiência e sabem como é a vida. Derramam sua sabedoria para, depois,
acionarem o sistema de punição: suspensão da mesada, não irão mais comprar o que era
desejado pelo filho, proíbem de ir à balada no ou nos próximos finais de semana quando
não estabelecem uma relação de negócio: “se você for bem no colégio eu deixo você
ficar na Internet” ou seja lá o que for. A distância que foi construída ao longo da história
do filho vai se acentuando e, muitas vezes, chega a um fosso instransponível. Esse
jovem está “pronto” para aproximar-se de outras pessoas ou situações que aplaquem a
sua dor; a dor dessa realidade carregada de solidão, de incompreensão, de sentir-se
deslocado, de não ser reconhecido, de falta de perspectiva na vida. O escoamento da
energia poderá ir na direção das drogas, da violência, da promiscuidade sexual, da
depressão, do delito. Essa passa a ser a linguagem inconsciente de sua fase atual para
chamar a atenção da mãe. Mas o estrago já está feito. Mesmo que haja um movimento
da mãe nessa direção, a raiva acumulada normalmente é maior do que o entendimento
que possa haver. “Quando precisei você não me atendeu; agora não quero mais”. O
esquema de punição da mãe pelo filho está assim montado. Parece ser intransponível o
fosso que foi criado na comunicação mais profunda entre ambos. As conseqüências são
as sabidas: filho matando pai; pai matando filho; filhos drogados; delinqüência; falta de
profissionalização; jovem desempregado ou com subemprego; filhos desadaptados;
gravidez precoce; desacato às autoridades; empobrecimento material, psicológico e
espiritual. No fundo, no fundo mesmo parece haver um grito “Acuda, mamãe”. É de se
supor que esses são sintomas que tem, também, outros motivos. Mas, uma de suas
causas está no “cadê a mamãe?”.
E o que tende a acontecer? Tornar-se-ão adultos que vão ter seus filhos e que
reproduzirão esse padrão até que novas mudanças transformem novamente a relação
entre pais e filhos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Amplos guia educadores
Amplos guia educadoresAmplos guia educadores
Amplos guia educadores
Teresa Guardado
 
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímidaDEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
piaprograma
 
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Como se libertar das relacoes t   lucy beresfordComo se libertar das relacoes t   lucy beresford
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Samuel Alves dos Santos Lima
 
Revistas
RevistasRevistas
Revistas
Girlene Santana
 
Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)
Liliana Queirós Fonseca
 
Desigualdades de gênero na iniciação sexual.
Desigualdades de gênero na iniciação sexual.Desigualdades de gênero na iniciação sexual.
Desigualdades de gênero na iniciação sexual.
Fábio Fernandes
 
Karol
KarolKarol
Karol
srrpo
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...
Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...
Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...
SimoneHelenDrumond
 
Ser homem
Ser homemSer homem
Convivência Familiar!
Convivência Familiar!Convivência Familiar!
Convivência Familiar!
Marta Oliveira
 
Encarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vidaEncarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vida
Gabriela Villar
 
Power point educação para os afectos -e.sexual
Power point educação para os afectos -e.sexualPower point educação para os afectos -e.sexual
Power point educação para os afectos -e.sexual
Teresa Ramos
 
Jardim dos afectos
Jardim dos afectosJardim dos afectos
Jardim dos afectos
Acilu
 
Adolescência e identidade
Adolescência e identidadeAdolescência e identidade
Adolescência e identidade
Josiane Amaral
 
Ok morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criança
Ok morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criançaOk morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criança
Ok morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criança
André Batista
 
Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Fábio Fernandes
 
A educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolarA educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolar
Maria Amaral
 

Mais procurados (18)

Amplos guia educadores
Amplos guia educadoresAmplos guia educadores
Amplos guia educadores
 
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímidaDEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
DEIXA EU SER PIÁ! Processo criativo de uma criança tímida
 
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Como se libertar das relacoes t   lucy beresfordComo se libertar das relacoes t   lucy beresford
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
 
Revistas
RevistasRevistas
Revistas
 
Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)Bullying liliana (1)
Bullying liliana (1)
 
Desigualdades de gênero na iniciação sexual.
Desigualdades de gênero na iniciação sexual.Desigualdades de gênero na iniciação sexual.
Desigualdades de gênero na iniciação sexual.
 
Karol
KarolKarol
Karol
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...
Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...
Evidenciar ou não, a necessidade de trabalhar a sexualidade na educação infan...
 
Ser homem
Ser homemSer homem
Ser homem
 
Convivência Familiar!
Convivência Familiar!Convivência Familiar!
Convivência Familiar!
 
Encarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vidaEncarando os desafios da vida
Encarando os desafios da vida
 
Power point educação para os afectos -e.sexual
Power point educação para os afectos -e.sexualPower point educação para os afectos -e.sexual
Power point educação para os afectos -e.sexual
 
Jardim dos afectos
Jardim dos afectosJardim dos afectos
Jardim dos afectos
 
Adolescência e identidade
Adolescência e identidadeAdolescência e identidade
Adolescência e identidade
 
Ok morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criança
Ok morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criançaOk morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criança
Ok morte na família um estudo exploratório acerca da comunicação à criança
 
Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.Construção social da identidade adolescente/juvenil.
Construção social da identidade adolescente/juvenil.
 
A educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolarA educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolar
 

Destaque

Acuda mamãe
Acuda  mamãeAcuda  mamãe
Acuda mamãe
gilfaca158
 
As práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanos
As práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanosAs práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanos
As práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanos
gilfaca158
 
Mudança na cultura organizacional ii
Mudança na cultura organizacional iiMudança na cultura organizacional ii
Mudança na cultura organizacional ii
gilfaca158
 
Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...
Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...
Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...
gilfaca158
 
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
gilfaca158
 
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalhoAlgumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
gilfaca158
 
Autodedesenvolviento~1
Autodedesenvolviento~1Autodedesenvolviento~1
Autodedesenvolviento~1
gilfaca158
 
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergéticaAlgumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergética
gilfaca158
 
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagemO papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
gilfaca158
 
Roteiro de aula pr03-01-07 f2r12 de17-12-10
Roteiro de aula   pr03-01-07 f2r12 de17-12-10Roteiro de aula   pr03-01-07 f2r12 de17-12-10
Roteiro de aula pr03-01-07 f2r12 de17-12-10
gilfaca158
 
Ponto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos Públicos
Ponto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos PúblicosPonto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos Públicos
Ponto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos Públicos
Ricardo Magalhães
 
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc prOficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
José Antonio Kuller
 
Ufba11fis2
Ufba11fis2Ufba11fis2
Programa
ProgramaPrograma
Programa
hamaikabat
 
Institución educativa municipal maquina virtual 123
Institución educativa municipal maquina virtual 123Institución educativa municipal maquina virtual 123
Institución educativa municipal maquina virtual 123
aidemarilinriascos
 
Clase box y scribd
Clase box y scribdClase box y scribd
Clase box y scribd
darlist
 
Informe red.es
Informe red.esInforme red.es
Informe red.es
Lucia_15_9
 
Medios de comunicacionkfkfkf
Medios de comunicacionkfkfkfMedios de comunicacionkfkfkf
Medios de comunicacionkfkfkf
cata123456guapa
 
Via Remote (Via Global)
Via Remote (Via Global)Via Remote (Via Global)
Via Remote (Via Global)
Grupo Viatek
 
Tema 3. etica_profesional_del_negocio
Tema 3. etica_profesional_del_negocioTema 3. etica_profesional_del_negocio
Tema 3. etica_profesional_del_negocio
PUCE SEDE IBARRA
 

Destaque (20)

Acuda mamãe
Acuda  mamãeAcuda  mamãe
Acuda mamãe
 
As práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanos
As práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanosAs práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanos
As práticas de poder e estrutura de caráter na gestão de recursos humanos
 
Mudança na cultura organizacional ii
Mudança na cultura organizacional iiMudança na cultura organizacional ii
Mudança na cultura organizacional ii
 
Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...
Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...
Introdução às metodologias de ensino com base em competência [modo de compati...
 
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
 
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalhoAlgumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
Algumas idéias sobre integraçao dos grupos de trabalho
 
Autodedesenvolviento~1
Autodedesenvolviento~1Autodedesenvolviento~1
Autodedesenvolviento~1
 
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergéticaAlgumas considerações na abordagem da análise bioenergética
Algumas considerações na abordagem da análise bioenergética
 
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagemO papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
O papel do professor no processo de ensino e de aprendizagem
 
Roteiro de aula pr03-01-07 f2r12 de17-12-10
Roteiro de aula   pr03-01-07 f2r12 de17-12-10Roteiro de aula   pr03-01-07 f2r12 de17-12-10
Roteiro de aula pr03-01-07 f2r12 de17-12-10
 
Ponto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos Públicos
Ponto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos PúblicosPonto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos Públicos
Ponto UA: Modelos e Paradigmas de Interacção em Sistemas Interactivos Públicos
 
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc prOficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
 
Ufba11fis2
Ufba11fis2Ufba11fis2
Ufba11fis2
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 
Institución educativa municipal maquina virtual 123
Institución educativa municipal maquina virtual 123Institución educativa municipal maquina virtual 123
Institución educativa municipal maquina virtual 123
 
Clase box y scribd
Clase box y scribdClase box y scribd
Clase box y scribd
 
Informe red.es
Informe red.esInforme red.es
Informe red.es
 
Medios de comunicacionkfkfkf
Medios de comunicacionkfkfkfMedios de comunicacionkfkfkf
Medios de comunicacionkfkfkf
 
Via Remote (Via Global)
Via Remote (Via Global)Via Remote (Via Global)
Via Remote (Via Global)
 
Tema 3. etica_profesional_del_negocio
Tema 3. etica_profesional_del_negocioTema 3. etica_profesional_del_negocio
Tema 3. etica_profesional_del_negocio
 

Semelhante a Acuda mamãe

REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
Ana Maria Oliveira Silva
 
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014
Ana Maria Oliveira Silva
 
Jornal Mente Ativa 11
Jornal Mente Ativa 11Jornal Mente Ativa 11
Jornal Mente Ativa 11
Jeane Bordignon
 
Atividades descritor 26
Atividades descritor 26Atividades descritor 26
Atividades descritor 26
profdileuza
 
Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016
fespiritacrista
 
A pratica moral
A pratica moralA pratica moral
A pratica moral
valente josé
 
A importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhos
A importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhosA importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhos
A importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhos
Michelle Rios
 
família
famíliafamília
família
Professor
 
Conflitos nas familias-Denise Guimarães
Conflitos nas familias-Denise Guimarães Conflitos nas familias-Denise Guimarães
Conflitos nas familias-Denise Guimarães
Cassandra Cristina
 
Primeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamental
Primeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamentalPrimeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamental
Primeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamental
PatriciaOliver29
 
O Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdf
O Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdfO Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdf
O Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdf
maviaeldesouza1
 
Trabalho de libras correto
Trabalho de libras corretoTrabalho de libras correto
Trabalho de libras correto
Fatima Souza
 
Mulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami Tiba
Mulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami TibaMulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami Tiba
Mulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami Tiba
Mima Badan
 
Boletim o PAE julho
Boletim o PAE julho Boletim o PAE julho
Boletim o PAE julho
O PAE PAE
 
Pedagogia da virtude
Pedagogia da virtudePedagogia da virtude
Pedagogia da virtude
Daniane Bornea Friedl
 
Crianças índigo word
Crianças índigo wordCrianças índigo word
Crianças índigo word
Pathy França
 
Viver com crianças
Viver com crianças Viver com crianças
Viver com crianças
jardimalecrimrecife
 
Educação global carta à humanidade
Educação global  carta à humanidadeEducação global  carta à humanidade
Educação global carta à humanidade
Paula Medeiros
 
Recomecar família filhos e desafios
Recomecar família filhos e desafiosRecomecar família filhos e desafios
Recomecar família filhos e desafios
rochamendess82
 
Atividade complementar 3 en. religioso 6 ano
Atividade complementar 3 en. religioso 6 anoAtividade complementar 3 en. religioso 6 ano
Atividade complementar 3 en. religioso 6 ano
Levi Francisco
 

Semelhante a Acuda mamãe (20)

REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
REVISTA DO 44º SEMINÁRIO DA ESCOLA DE PAIS DO BRASIL - SECCIONAL DE BELO HORI...
 
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014Edição da revista  do Seminário da EPB/BH -2014
Edição da revista do Seminário da EPB/BH -2014
 
Jornal Mente Ativa 11
Jornal Mente Ativa 11Jornal Mente Ativa 11
Jornal Mente Ativa 11
 
Atividades descritor 26
Atividades descritor 26Atividades descritor 26
Atividades descritor 26
 
Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016Boletim Informativo Maio 2016
Boletim Informativo Maio 2016
 
A pratica moral
A pratica moralA pratica moral
A pratica moral
 
A importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhos
A importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhosA importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhos
A importancia-da-familia-na-educacao-dos-filhos
 
família
famíliafamília
família
 
Conflitos nas familias-Denise Guimarães
Conflitos nas familias-Denise Guimarães Conflitos nas familias-Denise Guimarães
Conflitos nas familias-Denise Guimarães
 
Primeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamental
Primeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamentalPrimeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamental
Primeira Infância e seus desafios na educação infantil e fundamental
 
O Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdf
O Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdfO Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdf
O Livro que você Gostaria que Seus Pais Tivessem Lido.pdf
 
Trabalho de libras correto
Trabalho de libras corretoTrabalho de libras correto
Trabalho de libras correto
 
Mulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami Tiba
Mulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami TibaMulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami Tiba
Mulher - ela é muito mais mãe do que mulher - Dr. Içami Tiba
 
Boletim o PAE julho
Boletim o PAE julho Boletim o PAE julho
Boletim o PAE julho
 
Pedagogia da virtude
Pedagogia da virtudePedagogia da virtude
Pedagogia da virtude
 
Crianças índigo word
Crianças índigo wordCrianças índigo word
Crianças índigo word
 
Viver com crianças
Viver com crianças Viver com crianças
Viver com crianças
 
Educação global carta à humanidade
Educação global  carta à humanidadeEducação global  carta à humanidade
Educação global carta à humanidade
 
Recomecar família filhos e desafios
Recomecar família filhos e desafiosRecomecar família filhos e desafios
Recomecar família filhos e desafios
 
Atividade complementar 3 en. religioso 6 ano
Atividade complementar 3 en. religioso 6 anoAtividade complementar 3 en. religioso 6 ano
Atividade complementar 3 en. religioso 6 ano
 

Acuda mamãe

  • 1. ACUDA, MAMÃE !!! José Gilson Farias Cavalcanti Tempos modernos os de hoje. Aliás modernos já há algum tempo. Muitas transformações no estilo de vida das pessoas no planeta. O mundo gira, as coisas mudam. Enquanto estão em processo de mudança a gente nem percebe. Quando vê mudaram. Era assim antigamente e hoje é assado. Quando vamos refletir sobre as mudanças a gente encontra explicações, justificativas e muitos somos capazes de elaborar um processo pelo qual passou uma mudança. Isso acontece em nível individual e em nível coletivo. As mudanças afetam o indivíduo e os elos da cadeia em que está envolvido. A história é o caminho pelo qual percebemos o que mudou, seja novamente individual seja em grupo. O percurso de mudança da mulher na história é dos mais emocionantes, dos mais espinhosos. O papel da mulher mudou muito, principalmente na sociedade ocidental, mudança essa impulsionada por mudanças econômicas, políticas e espirituais. Até meados do século XX, a mulher ficava em casa. Era-lhe reservado um papel de retraimento na atividade econômica e de expoente no campo afetivo da família. A menina começava a brincar de boneca, de casinha, explorando sua natureza materna. A natureza materna é essencialmente de cuidar. Cuidar da casa, do marido, dos filhos, dos irmãos. Cuidar significava, então, escutar, perceber, compreender e apoiar afetivamente os outros. Cuidava de si, é bem verdade, arrumando-se para ficar bonita também para os outros. É claro que estou me referindo a uma cultura média predominante que assim definia o que devia a mulher fazer. Sempre houve aquelas que não se enquadravam nesse papel e, por isso, pagavam um preço, às vezes alto. Mas, isso também sempre fez parte do cotidiano humano. Os que não se enquadram nos padrões definidos pelo social, embora sejam os que avancem, não são bem vistos. São criticados, excluídos, apedrejados e, muitas vezes, mortos. Tem Um que foi crucificado. Muito bem, voltemos à média das mulheres. Ao homem cabia prover a casa, materialmente falando. À mulher cabia procriar e cuidar dos filhos e do marido. Aqui cabe nos deter um pouco mais no aspecto ser mãe.
  • 2. Como era a nossa mãe? Bem, falo das mães que hoje têm ou teriam 80 anos de idade. Independentemente de ter desejado o filho a relação sempre foi mais próxima do que hoje em dia. Explico. A presença física da mãe serviu para construir, na média das situações, um vínculo forte com o filho criança. Podia até ter babá mas a mãe estava presente o que lhe dava suporte, mesmo nas horas de castigo. Como a relação da mãe com o bebê passa da simbiose para a interdependência, a mãe ajudava a construir um lastro, uma fundamentação, um grounding para a criança. Como? A mãe é o primeiro objeto de amor e de raiva da criança (seio bom e seio mal). É quem a acolhe na dor da fome ou da doença. É muito mais que um tomar providências. É um cuidar afetivo- emocional. A relação que vai sendo construída tem sintonia com o desenvolvimento físico-emocional, psicológico, social e espiritual da criança. A mãe estava presente em todos os momentos de passagem do filho. Amor, carinho, toque, interdição, punição, aprendizagem e acolhimento estavam à hora para a criança. E mais, os valores culturais de uma forma geral e as qualidades femininas em particular estavam à disposição para serem e eram introjetados pelos filhos. A mãe passava uma estrutura para a criança. A presença do pai ou de um substituto masculino ia, aos poucos, ajudando a construir essa estrutura. Havia tempo para olhar e saber do filho. O que gerou esse sistema? Adultos sãos, a maioria neuróticos e alguns psicóticos, é claro, quando havia uma estrutura para tal. Bem ou mal esses adultos tocaram suas vidas com alegrias e sofrimentos próprias da vida humana. Mas, o que aconteceu depois que o papel da mulher foi espichado para além do que estava colocado? Muita coisa diferente, certamente. O desenvolvimento do capitalismo acenou para um consumo desenfreado; a competição mais acirrada para existir bem, para ser reconhecido no meio da multidão. O ter passou a ser mais importante que o ser. O reconhecimento e o respeito ficaram mais estreitos para os que tem, que são os que podem. Poder passou a ser a palavra chave, a razão de viver das pessoas na sociedade. Dessa forma, o dinheiro passou a não dar para o sustento da família dentro de novos padrões que foram estabelecidos. O homem, sozinho passou a não ser capaz de suprir as necessidades materiais da família. A comida faltava ou, então, faltava a televisão colorida, a passagem para o colégio que ficava cada vez mais distante da casa, os deslocamentos cada vez mais distantes e caros, os livros que não podiam mais ser aproveitados pelos mais novos, o colégio público que caiu de nível e a necessidade de se pagar um particular, as roupas de grife cada vez mais caras, os eletrodomésticos mais facilitadores da vida no lar, os carros mais modernos, as viagens mais longínquas, o novo idioma que é preciso aprender, o computador com o qual se precisa lidar, o rejuvenescimento que é preciso perseguir etc. etc. etc. Estamos, agora, focando muito mais na vida da classe média. E aí, o que aconteceu? A mulher teve de sair de casa para trabalhar, para ajudar o sustento dessa “nova família” e para, certamente, desenvolver suas potencialidades criativas como qualquer ser humano. O padrão a ser seguido foi, então, o masculino. As mulheres foram à luta. Estudaram, ralaram e conseguiram produzir, realizar e realizar-se. Vida dura porque depois de um dia ou de um expediente de trabalho retorna a casa para, cansada, cuidar da família. Independente da qualidade de sua aparição em casa, as relações familiares mudaram, porque não poderia ser diferente.
  • 3. E o que aconteceu? A ausência da mãe no lar deixou faltas. Não dá mais para ser a mãe presente. Os cuidados hora-hora foram assumidos por babás, empregadas, avós, creches. Por melhor que seja a qualidade da presença, quando ocorre, a criança sente falta dela. O que é passado para a criança é que a vida deve ser assim mesmo, ou seja, o afeto é restrito a momentos tal qual a disponibilidade dessa mãe. O filho passa a reclamar de suas “dores” utilizando várias formas: adoece, desobedece mais freqüentemente, fica mais agressivo ou deprimido, vai mal na escola etc. etc. etc. Coitada dessa mãe que tenta conversar, primeiro, e,depois, entra no esquema das punições. Chora, desespera-se muitas vezes. “Eu faço tudo para você, veja os meus sacrifícios”. E aí, assoma um momento muito propício para a instalação do sentimento de culpa com relação ao filho. O mecanismo para a diminuição dessa culpa é pagando- lhe coisas. Faz um esforço danado para suprir sua ausência dando presentes e, claro, diminuindo os necessários limites que devem se dados desde cedo porque a vida tem limites e isso precisa ser introjetado pela criança desde cedo. Vinda desse contexto, a outrora criança mergulha na fase de adolescência. A adolescência em si já é uma fase conturbada: confrontos, necessidade de afirmação, oposição, transformações físicas pronunciadas. Mais uma vez a falta da mãe será sentida mas não admitida, agora. Quem lhe ajuda a compreender o que está se passando? Quem lhe ajuda a atravessar as dúvidas, os medos, as ansiedades, as tensões, as tristezas, as decepções? Quem lhe dará o necessário suporte afetivo-emocional para atravessar esses tortuosos caminhos? O que é da mãe? O que é do pai? Estão trabalhando, dando duro para suprir as necessidades mais materiais da família. Sobra pouco temo para a escuta, para a percepção de sinais das “dores” do agora jovem. O que fazem é reagir aos estímulos emitidos pelos filhos. Tentam uma conversa com o filho mas num momento em que podem, em que têm disponibilidade. Em vez de compreender sentem-se incompreendidos pelos filhos; em vez de escutarem, falam porque têm experiência e sabem como é a vida. Derramam sua sabedoria para, depois, acionarem o sistema de punição: suspensão da mesada, não irão mais comprar o que era desejado pelo filho, proíbem de ir à balada no ou nos próximos finais de semana quando não estabelecem uma relação de negócio: “se você for bem no colégio eu deixo você ficar na Internet” ou seja lá o que for. A distância que foi construída ao longo da história do filho vai se acentuando e, muitas vezes, chega a um fosso instransponível. Esse jovem está “pronto” para aproximar-se de outras pessoas ou situações que aplaquem a sua dor; a dor dessa realidade carregada de solidão, de incompreensão, de sentir-se deslocado, de não ser reconhecido, de falta de perspectiva na vida. O escoamento da energia poderá ir na direção das drogas, da violência, da promiscuidade sexual, da depressão, do delito. Essa passa a ser a linguagem inconsciente de sua fase atual para chamar a atenção da mãe. Mas o estrago já está feito. Mesmo que haja um movimento da mãe nessa direção, a raiva acumulada normalmente é maior do que o entendimento que possa haver. “Quando precisei você não me atendeu; agora não quero mais”. O esquema de punição da mãe pelo filho está assim montado. Parece ser intransponível o fosso que foi criado na comunicação mais profunda entre ambos. As conseqüências são as sabidas: filho matando pai; pai matando filho; filhos drogados; delinqüência; falta de profissionalização; jovem desempregado ou com subemprego; filhos desadaptados; gravidez precoce; desacato às autoridades; empobrecimento material, psicológico e espiritual. No fundo, no fundo mesmo parece haver um grito “Acuda, mamãe”. É de se supor que esses são sintomas que tem, também, outros motivos. Mas, uma de suas causas está no “cadê a mamãe?”.
  • 4. E o que tende a acontecer? Tornar-se-ão adultos que vão ter seus filhos e que reproduzirão esse padrão até que novas mudanças transformem novamente a relação entre pais e filhos.