SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
POESIA CONCRETA
CONCRETISMO

 POESIA NÃO-VERBAL

         =

 POESIA CONCRETA
CONCRETISMO

• O QUE É POESIA CONCRETA?

• QUEM INVENTOU?

• COMO FAZER?
POESIA CONCRETA
•   Surgiu em São Paulo um grupo de poetas e artistas
    capazes de abalar todo esse alicerce moderno mas
    trintão: o movimento Concreto, liderado por Augusto de
    Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari. É
    interessante constatar que o concretismo acontecia em
    várias partes do mundo a partir do final da segunda
    guerra mundial. Houve concretismo na Alemanha, na
    França, nos Estados Unidos, Inglaterra e Escócia, em
    muitos casos uns não sabiam o que os outros estavam
    fazendo. No Brasil o concretismo se deu quase que de
    forma simultânea, quando descobrem Erza Pound e
    resolvem realizar um trabalho de "invenção".O
    surgimento oficial se daria em 1956 com a Exposição
    Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte
    Moderna em São Paulo, embora o grupo já existisse
    desde 52.
• A exposição reuniu trabalhos de artistas de São
  Paulo e Rio, contou com palestras de vários
  poetas e pintores. O movimento continha em suas
  veias um pouco do sangue antropofágico de
  Oswald de Andrade, o formalismo de Pound e a
  herança visual de Stéphane Mallarmé, mas
  buscava (ou já tinha encontrado) um novo estilo,
  "produto de uma evolução crítica de formas".
  Alguns estudiosos o consideram um sub-
  movimento, inserido nas muitas variações do
  Modernismo, sem a consistência que caracteriza
  os grandes movimentos artísticos.
• No entanto a poesia brasileira deste período se debateu
  entre ser ou não ser concretista, muitos poetas se
  sentiram pressionados: era a morte da lírica? Outros
  chegaram a pensar que aquele fosse o rumo definitivo da
  poesia, como se em poesia caminhos definitivos
  existissem. Mas não existem... Felizmente a poesia
  brasileira é plural, terrivelmente plural, mesmo diante da
  avassaladora influência do concretismo, ocorrida não
  apenas pela qualidade da obra do grupo, mas pelo
  desenvolvimento de uma teoria poética sem precedentes
  em nossa história literária, com proposições e objetivos
  artísticos bem delineados: "linguagem direta, economia,
  arquitetura..." e, também, pelo excelente trabalho de
  traduções.
• O concretismo enriqueceu a poesia brasileira
  contemporânea com a possibilidade da palavra pura,
  palavra-coisa, trouxe os ideogramas, a poesia russa
  moderna, Mallarmé e Octavio Paz, abrindo um novo
  leque poético. Enfim , a grande contribuição do
  movimento foi ter colocado a poesia no centro da roda,
  instrumento de e para o debate, como uma "arte geral
  da palavra, poesia como produto: objeto útil.". Poesia
  como coisa, coisas inventadas, reinventadas,
  reverbificadas. Décadas depois podemos afirmar: a
  experiência acrescentou novos códigos e parâmetros
  estéticos à cultura brasileira contemporânea, e ainda
  hoje desperta polêmicas. Quer mais? Ave Poesia!
  Assim seja.
• beba coca cola
  babe      cola
  beba coca
  babe cola caco
  caco
  cola
       cloaca

"beba coca cola" (1957),
  Décio Pignatari
Lygia Clark, Plano superfícies
       moduladas n.3
"pós-tudo" - Augusto de Campos
DEVERDELERDEVER
DEVERDELERDEVER
DELERDEVERDELER
DELERDEVERDELER
Primeiro movimento literário brasileiro com
reconhecimento internacional, a poesia concreta
            ainda inspira e se renova
• VAMOS ENTRAR NESTE MUNDO
         CONCRETO DA POESIA!
Coloque sua criatividade na tela e construa seu
                poema concreto!
    Abuse do espaço das letras e palavras!

             Professora Ana Nery

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Neoconcretismo
NeoconcretismoNeoconcretismo
Neoconcretismo
 
A poesia concreta
A poesia concretaA poesia concreta
A poesia concreta
 
Poesia concreta.
Poesia concreta.Poesia concreta.
Poesia concreta.
 
Semana 22 parte 1
Semana 22 parte 1Semana 22 parte 1
Semana 22 parte 1
 
Caracteristicas do modernismo 3º ano
Caracteristicas do modernismo   3º anoCaracteristicas do modernismo   3º ano
Caracteristicas do modernismo 3º ano
 
Movimento modernista
Movimento modernistaMovimento modernista
Movimento modernista
 
Trabalho da Aluna Ana Paula
Trabalho da Aluna Ana PaulaTrabalho da Aluna Ana Paula
Trabalho da Aluna Ana Paula
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Arte Conceitual
Arte ConceitualArte Conceitual
Arte Conceitual
 
História da arte - Arte Moderna - resumo
História da arte - Arte Moderna -  resumoHistória da arte - Arte Moderna -  resumo
História da arte - Arte Moderna - resumo
 
O Modernismo e os seus -ismos
O Modernismo e os seus -ismosO Modernismo e os seus -ismos
O Modernismo e os seus -ismos
 
Oswaldo Goeldi 2C26
Oswaldo Goeldi 2C26Oswaldo Goeldi 2C26
Oswaldo Goeldi 2C26
 
História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte ModernaHistória da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
Movimento neoconcreto
Movimento neoconcretoMovimento neoconcreto
Movimento neoconcreto
 
Trab%20 fabiano
Trab%20 fabianoTrab%20 fabiano
Trab%20 fabiano
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
 
Semana de arte moderna
Semana de arte modernaSemana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Modernismo Modernismo
Modernismo   ModernismoModernismo   Modernismo
Modernismo Modernismo
 

Semelhante a Poesiaconcreta (20)

Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
 
Literatura Brasileira Contemporaneidade
Literatura Brasileira ContemporaneidadeLiteratura Brasileira Contemporaneidade
Literatura Brasileira Contemporaneidade
 
Seminário de literatura Brasileira
Seminário de literatura BrasileiraSeminário de literatura Brasileira
Seminário de literatura Brasileira
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Modernismo no Brasil
Modernismo no BrasilModernismo no Brasil
Modernismo no Brasil
 
1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro1 fase do modernismo brasileiro
1 fase do modernismo brasileiro
 
Exercicios de revisso_[2] (1)
Exercicios de revisso_[2] (1)Exercicios de revisso_[2] (1)
Exercicios de revisso_[2] (1)
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Trabs Molezinha
Trabs MolezinhaTrabs Molezinha
Trabs Molezinha
 
Vanguarda - Cubismo
Vanguarda - CubismoVanguarda - Cubismo
Vanguarda - Cubismo
 
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
Literatura   aula 22 - modernismo no brasilLiteratura   aula 22 - modernismo no brasil
Literatura aula 22 - modernismo no brasil
 
Maria eugenia
Maria eugeniaMaria eugenia
Maria eugenia
 
Semana de Arte Moderna
Semana de Arte ModernaSemana de Arte Moderna
Semana de Arte Moderna
 
Modernismo.pptx
Modernismo.pptxModernismo.pptx
Modernismo.pptx
 
Terceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no BrasilTerceira fase do modernismo no Brasil
Terceira fase do modernismo no Brasil
 
Apresentação paulo kosen 3º ano 2014
Apresentação paulo kosen 3º ano 2014Apresentação paulo kosen 3º ano 2014
Apresentação paulo kosen 3º ano 2014
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Aula 22 modernismo no brasil
Aula 22   modernismo no brasilAula 22   modernismo no brasil
Aula 22 modernismo no brasil
 

Mais de NTE RJ14/SEEDUC RJ (20)

C.E. Alfredo Neves
C.E. Alfredo NevesC.E. Alfredo Neves
C.E. Alfredo Neves
 
Caderno iii
Caderno   iiiCaderno   iii
Caderno iii
 
Caderno ii
Caderno   iiCaderno   ii
Caderno ii
 
Caderno i
Caderno   iCaderno   i
Caderno i
 
A formacao
A formacaoA formacao
A formacao
 
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médioDiretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
 
Caderno1 primeiraetapa - slide
Caderno1 primeiraetapa - slideCaderno1 primeiraetapa - slide
Caderno1 primeiraetapa - slide
 
Caderno I - Anexo - SEEDUC
Caderno I - Anexo - SEEDUCCaderno I - Anexo - SEEDUC
Caderno I - Anexo - SEEDUC
 
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
 
Tutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizadoTutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizado
 
Explorando o geogebra
Explorando o geogebraExplorando o geogebra
Explorando o geogebra
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Facebook2
Facebook2Facebook2
Facebook2
 
Tutorial blog fácil
Tutorial blog fácilTutorial blog fácil
Tutorial blog fácil
 
Acesso conexao professor
Acesso conexao professorAcesso conexao professor
Acesso conexao professor
 
Aprentacao projetor
Aprentacao projetorAprentacao projetor
Aprentacao projetor
 
Tutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizadoTutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizado
 
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
 

Último

NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 

Último (20)

MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 

Poesiaconcreta

  • 2. CONCRETISMO POESIA NÃO-VERBAL = POESIA CONCRETA
  • 3. CONCRETISMO • O QUE É POESIA CONCRETA? • QUEM INVENTOU? • COMO FAZER?
  • 4. POESIA CONCRETA • Surgiu em São Paulo um grupo de poetas e artistas capazes de abalar todo esse alicerce moderno mas trintão: o movimento Concreto, liderado por Augusto de Campos, Haroldo de Campos e Décio Pignatari. É interessante constatar que o concretismo acontecia em várias partes do mundo a partir do final da segunda guerra mundial. Houve concretismo na Alemanha, na França, nos Estados Unidos, Inglaterra e Escócia, em muitos casos uns não sabiam o que os outros estavam fazendo. No Brasil o concretismo se deu quase que de forma simultânea, quando descobrem Erza Pound e resolvem realizar um trabalho de "invenção".O surgimento oficial se daria em 1956 com a Exposição Nacional de Arte Concreta, realizada no Museu de Arte Moderna em São Paulo, embora o grupo já existisse desde 52.
  • 5. • A exposição reuniu trabalhos de artistas de São Paulo e Rio, contou com palestras de vários poetas e pintores. O movimento continha em suas veias um pouco do sangue antropofágico de Oswald de Andrade, o formalismo de Pound e a herança visual de Stéphane Mallarmé, mas buscava (ou já tinha encontrado) um novo estilo, "produto de uma evolução crítica de formas". Alguns estudiosos o consideram um sub- movimento, inserido nas muitas variações do Modernismo, sem a consistência que caracteriza os grandes movimentos artísticos.
  • 6. • No entanto a poesia brasileira deste período se debateu entre ser ou não ser concretista, muitos poetas se sentiram pressionados: era a morte da lírica? Outros chegaram a pensar que aquele fosse o rumo definitivo da poesia, como se em poesia caminhos definitivos existissem. Mas não existem... Felizmente a poesia brasileira é plural, terrivelmente plural, mesmo diante da avassaladora influência do concretismo, ocorrida não apenas pela qualidade da obra do grupo, mas pelo desenvolvimento de uma teoria poética sem precedentes em nossa história literária, com proposições e objetivos artísticos bem delineados: "linguagem direta, economia, arquitetura..." e, também, pelo excelente trabalho de traduções.
  • 7. • O concretismo enriqueceu a poesia brasileira contemporânea com a possibilidade da palavra pura, palavra-coisa, trouxe os ideogramas, a poesia russa moderna, Mallarmé e Octavio Paz, abrindo um novo leque poético. Enfim , a grande contribuição do movimento foi ter colocado a poesia no centro da roda, instrumento de e para o debate, como uma "arte geral da palavra, poesia como produto: objeto útil.". Poesia como coisa, coisas inventadas, reinventadas, reverbificadas. Décadas depois podemos afirmar: a experiência acrescentou novos códigos e parâmetros estéticos à cultura brasileira contemporânea, e ainda hoje desperta polêmicas. Quer mais? Ave Poesia! Assim seja.
  • 8. • beba coca cola babe cola beba coca babe cola caco caco cola cloaca "beba coca cola" (1957), Décio Pignatari
  • 9. Lygia Clark, Plano superfícies moduladas n.3
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 17. Primeiro movimento literário brasileiro com reconhecimento internacional, a poesia concreta ainda inspira e se renova
  • 18.
  • 19. • VAMOS ENTRAR NESTE MUNDO CONCRETO DA POESIA! Coloque sua criatividade na tela e construa seu poema concreto! Abuse do espaço das letras e palavras! Professora Ana Nery