SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Formação de
Professores do Ensino
Médio
O JOVEM COMO SUJEITO
DO ENSINO MÉDIO
CADERNO COMPLEMENTAR II
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
COMISSÃO ORGANIZADORA SEEDUC-RJ
Subsecretaria de Gestão de Ensino
Superintendência de Gestão das Regionais Pedagógicas (SUPGE)
Ana Valéria da Silva Dantas
Superintendência Pedagógica (SUPED)
Daniela Carvalho de Paulo Silva, Fabiano Farias de Souza e
Cintia Aparecida Garcia Rodrigues
Superintendência de Avaliação e Acompanhamento (SUPAA)
Jaqueline Antunes Farias
Subsecretaria de Gestão de Pessoas
Superintendência de Desenvolvimento de Pessoas (SUPDP)
Elizabeth de Lima Gil Vieira
Formação de Professores do Ensino Médio
Formação de Professores do Ensino Médio
O presente anexo tem como objetivo
propiciar uma reexão sobre a concepção
de protagonismo juvenil, a qual tem sido
alvo de ações desenvolvidas pela Secretaria
de Estado de Educação, no tocante ao
ensino e à aprendizagem.
Se considerado como um princípio
educativo e uma estratégia metodológica, o
protagonismo juvenil somente é possível à
medida que o aluno é visto e entendido
como o centro do processo formativo para a
autonomia, a gestão do aprendizado e a
atuação social e prossional.
A formação da autonomia é a condição
essencial para o desenvolvimento das
competências exigidas pelo mundo
contemporâneo, e deve ser direcionada a
partir da formação integral do aluno,
valorizando metodologias integradoras
para se alcançar uma educação plena.
Entende-se, pois, o protagonismo juvenil
c o m o c a m i n h o p a r a c o n c i l i a r o
desenvolvimento de competências e os
interesses dos jovens.
Introdução
3
No cenário atual, a escola desponta como
um espaço de compartilhamento e
descobertas, onde se busca a formação de
um indivíduo completo no que diz respeito à
valorização de sentimentos e emoções e à
percepção que cada um dos jovens tem de si
e do outro.
Trata-se de um espaço de estímulo ao
desenvolvimento de competências que
favoreçam e integrem os saberes, de
atribuição de sentido e signicado à
aprendizagem e de um novo tipo de relação
estabelecido entre o aluno e o conhecimento,
com sua vida em sociedade e com seu futuro.
Um espaço de descoberta de motivações,
para que o jovem aprenda e intervenha em
seu meio e tenha a oportunidade para
desenvolver as competências de que
necessitará ao longo da vida.
Algumas dessas competências são
autoconhecimento, capacidade de resolver
conitos, consciência social, facilidade de
relacionamento e tomada de decisão.
Neste sentido, a escola deve ser vista como
parte fundamental da vida do jovem, pois
“os jovens não vão simplesmente à escola:
apropriam-se dela, atribuem-lhe sentidos e
são transformados por ela. Se o processo de
escolaridade é visto por parte deles como
uma imposição, uma violência, a que se
resiste ou que se abandona, para outros, no
entanto, esse processo é um suporte
fundamental na construção do percurso de
vida e do projecto identitário. Em qualquer
dos casos, a escola constitui hoje uma das
A escola na perspectiva do
protagonismo juvenil
Formação de Professores do Ensino Médio
4
Formação de Professores do Ensino Médio
instituições fundamentais em torno das quais
os jovens estruturam as suas práticas e
discursos, os seus trajectos e projectos, as
suas identidades e culturas. (ABRANTES,
2003)”
5
As escolas que reconhecem a importância
da formação integral - fundamentada
também pela Lei de Diretrizes e Bases da
Educação - LDB e pelos Parâmetros
Curriculares Nacionais – PCN - oferecem
espaços para o desenvolvimento humano
de seus alunos, através de práticas
pedagógicas que visam à formação social e
pessoal pautada na participação e no
desenvolvimento de sua autonomia, sem
que recaia no individualismo.
A possibilidade de descrever e identicar as
competências, de integrar as perspectivas
do eu e do outro em adolescentes, bem
como os contextos em que isso ocorre,
propicia abertura para a identicação de
atividades pedagógicas que oportunizem,
cada vez mais, níveis elevados de
experiências compartilhadas e negociações
que culminariam com um processo de
desenvolvimento humano integral na
adolescência.
As políticas públicas de hoje convergem
para a formação integral dos jovens para o
mundo atual. De tão rápidas transformações
e de tantas contradições, signica o
desenvolvimento de competências para
compreender e enfrentar problemas de
qualquer natureza, simples ou complexos,
que na maioria dos casos dicilmente
podem ser classicados como pertencentes
a uma disciplina escolar. Anal, o universo
do trabalho ou o da participação social são
naturalmente multidisciplinares.
A Solução Educacional para o Ensino
Médio, implementada pela Secretaria de
Estado de Educação do Rio de Janeiro,
apresenta uma proposta de currículo
integrado como caminho para efetivar a
Educação Plena, ou integral para o Ensino
Médio. Tal iniciativa constitui-se em um dos
marcos conceituais e norteadores do
trabalho implantado no ano de 2013, em
caráter experimental, no Colégio Estadual
Chico Anysio, e tem se consolidado com o
foco no protagonismo juvenil que propõe a
cada jovem que atue na resolução de
problemas, apoiado na sua autogestão e a
autonomia.
A proposta é de uma escola de Ensino Médio
de formação geral, em jornada ampliada,
com o ensino voltado para o desenvolvimento
das competências exigidas pelo século XXI.
As ações e os projetos estão direcionados para
o desenvolvimento da competência de
autonomia, uma vez que a mesma pressupõe
outras competências como autoconhecimento,
autorregulação, autoproposição.
Nesse sentido, a escola busca:
- Enriquecer o horizonte vital do adolescente,
despertando nele novas motivações,
interesses e perspectivas.
- Estruturar seu mundo interno por meio da
vivência, identicação e incorporação de
valores positivos.
- Prover experiências e descobertas para a
construção de um projeto de vida pelo
próprio adolescente.
- Favorecer e integrar os saberes disciplinares,
atribuindo sentido e signicado à
aprendizagem e levando os alunos a
estabelecerem um novo tipo de relação com o
conhecimento.
Formação de Professores do Ensino Médio
6
O Estado do Rio de Janeiro tem,
em sua Rede de Ensino, uma
escola de referência onde a
proposta da Solução Educacional
do Ensino Médio vem sendo
desenvolvida em sua plenitude?
O Colégio Estadual Chico Anysio
é uma escola pública de referência
que funciona em horário integral
e totalmente voltada para a
educação integral do aluno.
A SEEDUC- RJ oferece um modelo
replicável para toda a rede de
ensino, com o objetivo de
enfrentar os maiores desaos do
Ensino Médio, como a evasão
resultante da falta de atratividade
da escola e a desconexão entre o
currículo escolar e as competências
necessárias para o trabalho, o
convívio em sociedade e a
continuidade dos estudos.
Formação de Professores do Ensino Médio
- Desenvolver competências e habilidades
para o século XXI nos âmbitos pessoal,
relacional, cognitivo e produtivo.
- Promover a integração de forma aberta,
respeitosa e colaborativa dos alunos com os
diversos representantes da comunidade
escolar (gestores, professores, estudantes,
funcionários), de outras escolas e da
comunidade do entorno.
7
O jovem protagonista
O termo Protagonismo Juvenil, enquanto
modalidade de ação educativa, signica a
criação de espaços e condições capazes de
possibilitar que os jovens envolvam-se em
atividades direcionadas à solução de
problemas reais, atuando como fonte de
iniciativa, liberdade e compromisso. [...] O
cerne do protagonismo, portanto, é a
participação ativa e construtiva do jovem na
vida da escola, da comunidade ou da
sociedade mais ampla (COSTA, 2001,
p.179)
Segundo a ONU (Organização das Nações
Unidas), a atual conjuntura política tem se
reetido nos jovens, os quais se têm dado
importância crescente à sua participação
nos processos de decisão e cuja participação
tem contribuído para o seu desenvolvimento
pessoal e sua consciência social, a partir do
momento em que estejam ligados a estes
processos, reetindo na melhoria da
concepção e execução de políticas voltadas
para a juventude.
Para o educador Paulo Freire, nessa mesma
perspectiva, o processo educativo está
intrinsecamente conectado à cultura
democrática, que convida os estudantes e
educadores – sejam eles da educação formal
ou membros da comunidade -, a construírem
dialogicamente as relações de ensino-
aprendizagem e de tomadas de decisão em
uma sociedade. Segundo o educador, no livro
Educação e Participação Comunitária, só
decidindo se aprende a decidir e só pela
decisão se alcança a autonomia. (FREIRE,
1996).
A participação autêntica se traduz para o
jovem num ganho de autonomia,
autoconança e autodeterminação numa fase
da vida em que ele se procura e se
experimenta, empenhado que está na
construção da sua identidade pessoal e social
e no seu projeto de vida. (COSTA, 2008)
De acordo com Delors (2001), coordenador
da Comissão Internacional sobre Educação
para o Século XXI da UNESCO (que produziu,
em 1996, o relatório “Educação, um tesouro a
descobrir”), são propostos quatro pilares ou
eixos organizadores da educação:
1. Aprender a ser: preparar-se para agir com
autonomia, solidariedade e responsabilidade;
2. Aprender a conviver: interagir, participar e
cooperar, convivendo com as diferenças;
3. Aprender a fazer: aprender e praticar os
conhecimentos, usando-os para o bem
comum;
4. Aprender a conhecer: aprender a aprender
para beneciar-se das oportunidades
oferecidas pela educação ao longo de toda a
vida.
Formação de Professores do Ensino Médio
8
Formação de Professores do Ensino Médio
Estes quatro fundamentos têm como
objetivos expandir a educação para o
conjunto da experiência humana - ser,
conviver, fazer e aprender - e levá-la ao
longo de toda a vida a compreender e dar
signicado ao mundo, a m de buscar as
respostas para as questões essenciais da
vida, das coisas e de seus anseios.
Ponto importante da Solução Educacional
para o Ensino Médio é a promoção da
reexão e do diálogo sobre interesses em
relação ao mundo do trabalho, tendo como
ponto de partida os conhecimentos, as
habilidades e as competências desenvolvidos
ao longo de sua trajetória escolar, familiar e
comunitária, assim como os seus sonhos e
aspirações.
O objetivo é incentivar os jovens a trazerem
seu talento e sua ação em benefício da
sociedade, pois são estimulados a
desenvolver as características que compõem
o perl do jovem empreendedor: criatividade,
capacidade de mobilização, facilidade de
trabalhar em equipe, motivação frente a
desaos, percepção, capacidade de
liderança, originalidade na tomada de
decisões, bom aproveitamento do tempo e
dos recursos, conhecimento e sua aplicação
adequada em projetos, autonomia e
perseverança.
Tais características pessoais precisam ocupar
posição de destaque nas escolas, pois
contribuem não só no aprendizado, mas
também se reetem na vida fora da escola e
podem inuenciar grandemente no futuro
prossional do aluno.
9
O Grêmio Estudantil, como rico espaço de
mobilização dos alunos na escola, possibilita
ao aluno por em prática as habilidades de
mobilização, autonomia, participação,
convivência, aceitação entre outras.
A Secretaria de Estado de Educação vem
incentivando a criação de Grêmios nas escolas
de sua Rede, em cumprimento à Lei Federal
7.389, de 04/11/1985, que “assegura a
organização de Estudantes como entidades
autônomas representativas dos interesses dos
estudantes secundaristas com nalidades
educacionais, culturais, cívicas esportivas e
sociais.”
O que os alunos pensam, dizem e fazem é
importante tanto para eles, que desenvolvem
competências sociais, quanto para a escola,
que avança na promoção da convivência , da
participação e mobilização. Assim, o Grêmio
Estudantil se estrutura na escola como uma
organização que se mobiliza diante dos
problemas que afetam o aluno e a
comunidade em que a escola está inserida.
Gomes, em seu livro Protagonismo juvenil:
adolescência, educação e participação
democrática, escreve que “Quando o
adolescente decide problematizar e interferir
em questões que, à primeira vista, não dizem
respeito a pessoas de sua idade, ele está, de
maneira efetiva, dando seus primeiros passos
no rumo do protagonismo juvenil. Ele está, na
verdade, cruzando o Rubicão que separa a
vida privada da vida pública”.
Formação de Professores do Ensino Médio
10
O grêmio estudantil
na perspectiva do
protagonismo juvenil
Criado em 1998 e instalado em
2003, o Parlamento Juvenil é um
projeto da Assembleia Legislativa do
Rio em parceria com a Secretaria de
Estado de Educação (SEEDUC) e
envolve os estudantes de 13 a 18
anos de idade de todas as escolas da
redepúblicadoEstado.
O projeto segue os moldes de um
parlamentoconvencionalcomdireitoa
escolha da Mesa Diretora, Regimento
Interno e votação em plenária, e
está estruturado em duas etapas:
Parlamento Juvenil e Parlamento
Juvenil do Estado do Rio de Janeiro.
O projeto segue os moldes de um
parlamentoconvencional,comdireito
a escolha da Mesa Diretora,
Regimento Interno e votação em
plenário, e está estruturado em
duas etapas: Parlamento Regional
Juvenil e Parlamento Juvenil do
Estado do Rio de Janeiro.
Naprimeirafaseeleitoral,oscandidatos
ao Parlamento têm a vivência de uma
campanha eleitoral em suas escolas e
elegemumrepresentante.
Na segunda, o aluno eleito como
parlamentar juvenil em sua escola,
deve criar um projeto de lei para
ser submetido à aprovação ao lado
decandidatosdeoutrosmunicípios.
A terceira etapa, o parlamentar juvenil
deve realizar a defesa do projeto de lei
nas Comissões e na Plenária do
Parlamento Juvenil para, então, saírem
os candidatos regionais que defendem
suaspropostasnoplenáriodaAlerj.
Osestudantestêm,porumasemana,as
mesmas atribuições de um Deputado
Estadual, discutindo e aprimorando o
ProjetodeLeidesuaprópriaautoria.
Formação de Professores do Ensino Médio
O protagonismo juvenil, inserido na prática
do Grêmio Estudantil, surge como uma
proposta inovadora que tem como centro a
mobilização dos alunos no exercício do
voluntariado social, como um espaço de
exercício da responsabilidade social, e que
comprova que o jovem pode se organizar
de forma crítica e lúcida em seu espaço
escolar e em sua vida.
“Quando a gente reete sobre os limites da
educação e as possibilidades da educação,
é preciso ter cuidado para não exagerar na
p o s i t i v i d a d e e n ã o e x a g e r a r n a
negatividade, ou, em outras palavras, não
exagerar na impossibilidade e não exagerar
na possibilidade. Quer dizer, a educação
não pode tudo, mas a educação pode
alguma coisa e deveria ser pensada com
grande seriedade pela sociedade.” (FREIRE,
2001, p. 175).
11
Formação de Professores do Ensino Médio
12
REFLEXÃO E AÇÃO
A formação integral exige o desenvolvimento do
ser humano como um todo, abrangendo
fundamentalmente os aspectos cognitivos e não
cognitivos.
A construção de roteiros educativos que
integrem disciplinas de base nacional comum
com as disciplinas da base diversicada,
saberes acadêmicos e populares, é fundamental
para o desenvolvimento integral dos alunos.
Com base em sua experiência prossional e nos
textos lidos, reúna-se com seu grupo e
responda:
- Que competências não cognitivas podem
levar o aluno a um melhor desempenho na
escola e na vida?
- De que forma o professor e a escola podem
promover o desenvolvimento de habilidades
não cognitivas em seus alunos?
- A sua escola tem criado oportunidades de
encontro dos professores para a discussão e o
planejamento de ações educativas que
favoreçam a integração das disciplinas?
Formação de Professores do Ensino Médio
13
Referências bibliográcas
ABRANTES, P. Identidades juvenis e dinâmicas de
escolaridade. Sociologia, Problemas e Práticas,
Lisboa, n. 41, p. 93-115, 2003.
CAMPOS, M. SOUZA, V. Voluntariado e
protagonismo juvenil. In: COSTA, A.C.
Protagonismo juvenil: adolescência, educação e
participação democrática. Salvador: Fundação
Odebrecht, 2000
COSTA, A.C.G. O adolescente como
protagonista. In: BRASIL, Ministério da Saúde.
Secretaria de Saúde. Área de Saúde do
Adolescente. Cadernos, juventude saúde e
desenvolvimento. 1. Brasília, 1999.
_____. Protagonismo juvenil: adolescência,
educação e participação democrática. Salvador:
Fundação Odebrecht, 2000.
______. A presença da Pedagogia: teoria e
prática da ação sócio-educativa. 2ª ed. São
Paulo: Global: Instituto Ayrton Sena, 2001.
_______. O protagonismo juvenil passo a passo.
Um guia para o educador. Belo Horizonte:
Universidade, 2001
.
DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a
descobrir. Relatório para a UNESCO da
Comissão Internacional sobre a Educação para
o século XXI. 8ª edição. São Paulo: Cortez
Editora; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2001.
FREIRE, P. Educação como prática libertadora
22ª ed. Rio de Janeiro: Paz na Terra,1996.
______. Educação e mudança. 9ª ed. Rio de
Janeiro: Paz na Terra,1983.
______. Conscientização: teoria e prática da
libertação. São Paulo: Centauro, 2001a.
Instituto Ayrton Senna. Solução Educacional
para o Ensino Médio. Volume 1,2 e 3. 2012
Lei nº 7.398 de 4 de dezembro de 1985.
Disponível em
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/
L7398.htm.
Acessado 26 /03/2014
.
Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de
1996. Disponível em
http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf.
Acessado em 30/03/2014.
Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Educação Básica. Disponível em
http://www.mec.gov.br
Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino
Médio. Disponível em
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/
blegais.pdf.
Acessado em 31/03/2014
Formação de Professores do Ensino Médio
14
Formação de professores para o ensino médio focado no protagonismo juvenil

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralescolabeatriz
 
Convivencia democratica protagonismo juvenil
Convivencia democratica   protagonismo juvenilConvivencia democratica   protagonismo juvenil
Convivencia democratica protagonismo juveniltatyathaydes
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1solbcf
 
Diretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenilDiretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juveniltatyathaydes
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteEduardo Lopes
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorVALERIAOLIVEIRAAMORI
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402maria152302
 
6.revista magistério 3 o aluno
6.revista magistério 3 o aluno6.revista magistério 3 o aluno
6.revista magistério 3 o alunoUlisses Vakirtzis
 
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes LimaPaulo Lima
 
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)IsabelPereira2010
 
Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015
Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015
Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015cefaprodematupa
 
Pe2013 2017
Pe2013 2017Pe2013 2017
Pe2013 2017j_sdias
 
A formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freire
A formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freireA formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freire
A formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freireNertan Dias
 
A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da EscolaSued Oliveira
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação spUlisses Vakirtzis
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13ANA GRALHEIRO
 

Mais procurados (20)

Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
 
Convivencia democratica protagonismo juvenil
Convivencia democratica   protagonismo juvenilConvivencia democratica   protagonismo juvenil
Convivencia democratica protagonismo juvenil
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Diretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenilDiretiros humanos protagonismo juvenil
Diretiros humanos protagonismo juvenil
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
 
Artigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino SuperiorArtigo Docência no Ensino Superior
Artigo Docência no Ensino Superior
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
5.revista magistério 2
5.revista magistério 25.revista magistério 2
5.revista magistério 2
 
6.revista magistério 3 o aluno
6.revista magistério 3 o aluno6.revista magistério 3 o aluno
6.revista magistério 3 o aluno
 
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
10.Autonomia, ética e gestão escolar - Prof. Dr. Paulo Gomes Lima
 
Escola e sociedade
Escola e sociedadeEscola e sociedade
Escola e sociedade
 
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
 
Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015
Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015
Analisando a educação de jovens e adultos na escola de hoje 2015
 
Ad1 de Didatica - Educação
Ad1 de Didatica - EducaçãoAd1 de Didatica - Educação
Ad1 de Didatica - Educação
 
Pe2013 2017
Pe2013 2017Pe2013 2017
Pe2013 2017
 
A formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freire
A formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freireA formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freire
A formação de professores para a diversidade na perspectiva de paulo freire
 
A formacao-profissionais-para-eja
A formacao-profissionais-para-ejaA formacao-profissionais-para-eja
A formacao-profissionais-para-eja
 
A função Social da Escola
A função Social da EscolaA função Social da Escola
A função Social da Escola
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
Projetos educativo e curricular do agrupamento 2011 13
 

Destaque

Destaque (7)

Modelo de estatuto de grêmio estudantil
Modelo de estatuto de grêmio estudantilModelo de estatuto de grêmio estudantil
Modelo de estatuto de grêmio estudantil
 
Edital do estatuto gremio estudantil
Edital do estatuto gremio estudantilEdital do estatuto gremio estudantil
Edital do estatuto gremio estudantil
 
Como Organizar um Grêmio estudantil
Como Organizar um Grêmio estudantil Como Organizar um Grêmio estudantil
Como Organizar um Grêmio estudantil
 
Modelo de projeto gremio (1)
Modelo de projeto gremio (1)Modelo de projeto gremio (1)
Modelo de projeto gremio (1)
 
Gremio estudantil apresentação inicial
Gremio estudantil apresentação inicialGremio estudantil apresentação inicial
Gremio estudantil apresentação inicial
 
Grêmio Estudantil
Grêmio EstudantilGrêmio Estudantil
Grêmio Estudantil
 
Tudo que precisa para sua chapa do Grêmio Estudantil DJB teens - eu vou a lut...
Tudo que precisa para sua chapa do Grêmio Estudantil DJB teens - eu vou a lut...Tudo que precisa para sua chapa do Grêmio Estudantil DJB teens - eu vou a lut...
Tudo que precisa para sua chapa do Grêmio Estudantil DJB teens - eu vou a lut...
 

Semelhante a Formação de professores para o ensino médio focado no protagonismo juvenil

Plano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santoPlano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santoLucio Lira
 
Ciências peja i e peja ii
Ciências peja i e peja iiCiências peja i e peja ii
Ciências peja i e peja iiIvo Fonseca
 
AD1-1° semestre de 2018-Didática
AD1-1° semestre de 2018-DidáticaAD1-1° semestre de 2018-Didática
AD1-1° semestre de 2018-Didáticavaleriaalvesmazza
 
Eja slides
Eja  slidesEja  slides
Eja slideslks5
 
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curricularesáreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações CurricularesAna Manuel Pires Martins
 
Educação- AD1 DIDÁTICA
Educação- AD1 DIDÁTICAEducação- AD1 DIDÁTICA
Educação- AD1 DIDÁTICABruna Machareth
 
A educação como processo para emancipar os cidadãos
A educação como processo para emancipar os cidadãosA educação como processo para emancipar os cidadãos
A educação como processo para emancipar os cidadãoscefaprodematupa
 
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptxLinaKelly3
 
Artigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campoArtigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campoJoão Bet
 
Boletim extraordinário cgeb
Boletim extraordinário cgebBoletim extraordinário cgeb
Boletim extraordinário cgebGelson Rocha
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteKualo Kala
 

Semelhante a Formação de professores para o ensino médio focado no protagonismo juvenil (20)

Aulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil efAulas de protagonismo juvenil ef
Aulas de protagonismo juvenil ef
 
Plano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santoPlano de Gstão Escola au santo
Plano de Gstão Escola au santo
 
Ciências peja i e peja ii
Ciências peja i e peja iiCiências peja i e peja ii
Ciências peja i e peja ii
 
P ua 03_just_ob
P ua 03_just_obP ua 03_just_ob
P ua 03_just_ob
 
Planejamento cad 2016
Planejamento cad 2016Planejamento cad 2016
Planejamento cad 2016
 
AD1-1° semestre de 2018-Didática
AD1-1° semestre de 2018-DidáticaAD1-1° semestre de 2018-Didática
AD1-1° semestre de 2018-Didática
 
Eja slides
Eja  slidesEja  slides
Eja slides
 
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curricularesáreas de conteúdo - Orientações Curriculares
áreas de conteúdo - Orientações Curriculares
 
Educação- AD1 DIDÁTICA
Educação- AD1 DIDÁTICAEducação- AD1 DIDÁTICA
Educação- AD1 DIDÁTICA
 
Memorial_PGE.pdf
Memorial_PGE.pdfMemorial_PGE.pdf
Memorial_PGE.pdf
 
A educação como processo para emancipar os cidadãos
A educação como processo para emancipar os cidadãosA educação como processo para emancipar os cidadãos
A educação como processo para emancipar os cidadãos
 
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
 
Artigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campoArtigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campo
 
284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf284-979-1-PB.pdf
284-979-1-PB.pdf
 
Boletim extraordinário cgeb
Boletim extraordinário cgebBoletim extraordinário cgeb
Boletim extraordinário cgeb
 
A orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmenteA orientação educacional nas escolas atualmente
A orientação educacional nas escolas atualmente
 
Projetocenet
ProjetocenetProjetocenet
Projetocenet
 
Revista Refletir EdInf nº04
Revista Refletir EdInf nº04Revista Refletir EdInf nº04
Revista Refletir EdInf nº04
 
Documento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIADocumento PEDAGOGIA
Documento PEDAGOGIA
 
Ensino médio
Ensino médioEnsino médio
Ensino médio
 

Mais de NTE RJ14/SEEDUC RJ

Mais de NTE RJ14/SEEDUC RJ (20)

C.E. Alfredo Neves
C.E. Alfredo NevesC.E. Alfredo Neves
C.E. Alfredo Neves
 
Caderno iii
Caderno   iiiCaderno   iii
Caderno iii
 
Caderno i
Caderno   iCaderno   i
Caderno i
 
A formacao
A formacaoA formacao
A formacao
 
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médioDiretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
 
Caderno1 primeiraetapa - slide
Caderno1 primeiraetapa - slideCaderno1 primeiraetapa - slide
Caderno1 primeiraetapa - slide
 
Caderno I - Anexo - SEEDUC
Caderno I - Anexo - SEEDUCCaderno I - Anexo - SEEDUC
Caderno I - Anexo - SEEDUC
 
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
 
Tutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizadoTutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizado
 
Explorando o geogebra
Explorando o geogebraExplorando o geogebra
Explorando o geogebra
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Facebook2
Facebook2Facebook2
Facebook2
 
Tutorial blog fácil
Tutorial blog fácilTutorial blog fácil
Tutorial blog fácil
 
Acesso conexao professor
Acesso conexao professorAcesso conexao professor
Acesso conexao professor
 
Aprentacao projetor
Aprentacao projetorAprentacao projetor
Aprentacao projetor
 
Tutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizadoTutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizado
 
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
 
Seminário drogas lícitas 8 ano
Seminário drogas lícitas 8 anoSeminário drogas lícitas 8 ano
Seminário drogas lícitas 8 ano
 

Último

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 

Último (20)

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 

Formação de professores para o ensino médio focado no protagonismo juvenil

  • 1.
  • 2. Formação de Professores do Ensino Médio O JOVEM COMO SUJEITO DO ENSINO MÉDIO CADERNO COMPLEMENTAR II SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
  • 3.
  • 4. COMISSÃO ORGANIZADORA SEEDUC-RJ Subsecretaria de Gestão de Ensino Superintendência de Gestão das Regionais Pedagógicas (SUPGE) Ana Valéria da Silva Dantas Superintendência Pedagógica (SUPED) Daniela Carvalho de Paulo Silva, Fabiano Farias de Souza e Cintia Aparecida Garcia Rodrigues Superintendência de Avaliação e Acompanhamento (SUPAA) Jaqueline Antunes Farias Subsecretaria de Gestão de Pessoas Superintendência de Desenvolvimento de Pessoas (SUPDP) Elizabeth de Lima Gil Vieira Formação de Professores do Ensino Médio
  • 5.
  • 6. Formação de Professores do Ensino Médio O presente anexo tem como objetivo propiciar uma reexão sobre a concepção de protagonismo juvenil, a qual tem sido alvo de ações desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Educação, no tocante ao ensino e à aprendizagem. Se considerado como um princípio educativo e uma estratégia metodológica, o protagonismo juvenil somente é possível à medida que o aluno é visto e entendido como o centro do processo formativo para a autonomia, a gestão do aprendizado e a atuação social e prossional. A formação da autonomia é a condição essencial para o desenvolvimento das competências exigidas pelo mundo contemporâneo, e deve ser direcionada a partir da formação integral do aluno, valorizando metodologias integradoras para se alcançar uma educação plena. Entende-se, pois, o protagonismo juvenil c o m o c a m i n h o p a r a c o n c i l i a r o desenvolvimento de competências e os interesses dos jovens. Introdução 3
  • 7. No cenário atual, a escola desponta como um espaço de compartilhamento e descobertas, onde se busca a formação de um indivíduo completo no que diz respeito à valorização de sentimentos e emoções e à percepção que cada um dos jovens tem de si e do outro. Trata-se de um espaço de estímulo ao desenvolvimento de competências que favoreçam e integrem os saberes, de atribuição de sentido e signicado à aprendizagem e de um novo tipo de relação estabelecido entre o aluno e o conhecimento, com sua vida em sociedade e com seu futuro. Um espaço de descoberta de motivações, para que o jovem aprenda e intervenha em seu meio e tenha a oportunidade para desenvolver as competências de que necessitará ao longo da vida. Algumas dessas competências são autoconhecimento, capacidade de resolver conitos, consciência social, facilidade de relacionamento e tomada de decisão. Neste sentido, a escola deve ser vista como parte fundamental da vida do jovem, pois “os jovens não vão simplesmente à escola: apropriam-se dela, atribuem-lhe sentidos e são transformados por ela. Se o processo de escolaridade é visto por parte deles como uma imposição, uma violência, a que se resiste ou que se abandona, para outros, no entanto, esse processo é um suporte fundamental na construção do percurso de vida e do projecto identitário. Em qualquer dos casos, a escola constitui hoje uma das A escola na perspectiva do protagonismo juvenil Formação de Professores do Ensino Médio 4
  • 8. Formação de Professores do Ensino Médio instituições fundamentais em torno das quais os jovens estruturam as suas práticas e discursos, os seus trajectos e projectos, as suas identidades e culturas. (ABRANTES, 2003)” 5 As escolas que reconhecem a importância da formação integral - fundamentada também pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação - LDB e pelos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN - oferecem espaços para o desenvolvimento humano de seus alunos, através de práticas pedagógicas que visam à formação social e pessoal pautada na participação e no desenvolvimento de sua autonomia, sem que recaia no individualismo. A possibilidade de descrever e identicar as competências, de integrar as perspectivas do eu e do outro em adolescentes, bem como os contextos em que isso ocorre, propicia abertura para a identicação de atividades pedagógicas que oportunizem, cada vez mais, níveis elevados de experiências compartilhadas e negociações que culminariam com um processo de desenvolvimento humano integral na adolescência. As políticas públicas de hoje convergem para a formação integral dos jovens para o mundo atual. De tão rápidas transformações e de tantas contradições, signica o desenvolvimento de competências para compreender e enfrentar problemas de qualquer natureza, simples ou complexos, que na maioria dos casos dicilmente podem ser classicados como pertencentes a uma disciplina escolar. Anal, o universo do trabalho ou o da participação social são naturalmente multidisciplinares.
  • 9. A Solução Educacional para o Ensino Médio, implementada pela Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, apresenta uma proposta de currículo integrado como caminho para efetivar a Educação Plena, ou integral para o Ensino Médio. Tal iniciativa constitui-se em um dos marcos conceituais e norteadores do trabalho implantado no ano de 2013, em caráter experimental, no Colégio Estadual Chico Anysio, e tem se consolidado com o foco no protagonismo juvenil que propõe a cada jovem que atue na resolução de problemas, apoiado na sua autogestão e a autonomia. A proposta é de uma escola de Ensino Médio de formação geral, em jornada ampliada, com o ensino voltado para o desenvolvimento das competências exigidas pelo século XXI. As ações e os projetos estão direcionados para o desenvolvimento da competência de autonomia, uma vez que a mesma pressupõe outras competências como autoconhecimento, autorregulação, autoproposição. Nesse sentido, a escola busca: - Enriquecer o horizonte vital do adolescente, despertando nele novas motivações, interesses e perspectivas. - Estruturar seu mundo interno por meio da vivência, identicação e incorporação de valores positivos. - Prover experiências e descobertas para a construção de um projeto de vida pelo próprio adolescente. - Favorecer e integrar os saberes disciplinares, atribuindo sentido e signicado à aprendizagem e levando os alunos a estabelecerem um novo tipo de relação com o conhecimento. Formação de Professores do Ensino Médio 6 O Estado do Rio de Janeiro tem, em sua Rede de Ensino, uma escola de referência onde a proposta da Solução Educacional do Ensino Médio vem sendo desenvolvida em sua plenitude? O Colégio Estadual Chico Anysio é uma escola pública de referência que funciona em horário integral e totalmente voltada para a educação integral do aluno. A SEEDUC- RJ oferece um modelo replicável para toda a rede de ensino, com o objetivo de enfrentar os maiores desaos do Ensino Médio, como a evasão resultante da falta de atratividade da escola e a desconexão entre o currículo escolar e as competências necessárias para o trabalho, o convívio em sociedade e a continuidade dos estudos.
  • 10. Formação de Professores do Ensino Médio - Desenvolver competências e habilidades para o século XXI nos âmbitos pessoal, relacional, cognitivo e produtivo. - Promover a integração de forma aberta, respeitosa e colaborativa dos alunos com os diversos representantes da comunidade escolar (gestores, professores, estudantes, funcionários), de outras escolas e da comunidade do entorno. 7 O jovem protagonista O termo Protagonismo Juvenil, enquanto modalidade de ação educativa, signica a criação de espaços e condições capazes de possibilitar que os jovens envolvam-se em atividades direcionadas à solução de problemas reais, atuando como fonte de iniciativa, liberdade e compromisso. [...] O cerne do protagonismo, portanto, é a participação ativa e construtiva do jovem na vida da escola, da comunidade ou da sociedade mais ampla (COSTA, 2001, p.179) Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), a atual conjuntura política tem se reetido nos jovens, os quais se têm dado importância crescente à sua participação nos processos de decisão e cuja participação tem contribuído para o seu desenvolvimento pessoal e sua consciência social, a partir do momento em que estejam ligados a estes processos, reetindo na melhoria da concepção e execução de políticas voltadas para a juventude. Para o educador Paulo Freire, nessa mesma perspectiva, o processo educativo está intrinsecamente conectado à cultura democrática, que convida os estudantes e
  • 11. educadores – sejam eles da educação formal ou membros da comunidade -, a construírem dialogicamente as relações de ensino- aprendizagem e de tomadas de decisão em uma sociedade. Segundo o educador, no livro Educação e Participação Comunitária, só decidindo se aprende a decidir e só pela decisão se alcança a autonomia. (FREIRE, 1996). A participação autêntica se traduz para o jovem num ganho de autonomia, autoconança e autodeterminação numa fase da vida em que ele se procura e se experimenta, empenhado que está na construção da sua identidade pessoal e social e no seu projeto de vida. (COSTA, 2008) De acordo com Delors (2001), coordenador da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI da UNESCO (que produziu, em 1996, o relatório “Educação, um tesouro a descobrir”), são propostos quatro pilares ou eixos organizadores da educação: 1. Aprender a ser: preparar-se para agir com autonomia, solidariedade e responsabilidade; 2. Aprender a conviver: interagir, participar e cooperar, convivendo com as diferenças; 3. Aprender a fazer: aprender e praticar os conhecimentos, usando-os para o bem comum; 4. Aprender a conhecer: aprender a aprender para beneciar-se das oportunidades oferecidas pela educação ao longo de toda a vida. Formação de Professores do Ensino Médio 8
  • 12. Formação de Professores do Ensino Médio Estes quatro fundamentos têm como objetivos expandir a educação para o conjunto da experiência humana - ser, conviver, fazer e aprender - e levá-la ao longo de toda a vida a compreender e dar signicado ao mundo, a m de buscar as respostas para as questões essenciais da vida, das coisas e de seus anseios. Ponto importante da Solução Educacional para o Ensino Médio é a promoção da reexão e do diálogo sobre interesses em relação ao mundo do trabalho, tendo como ponto de partida os conhecimentos, as habilidades e as competências desenvolvidos ao longo de sua trajetória escolar, familiar e comunitária, assim como os seus sonhos e aspirações. O objetivo é incentivar os jovens a trazerem seu talento e sua ação em benefício da sociedade, pois são estimulados a desenvolver as características que compõem o perl do jovem empreendedor: criatividade, capacidade de mobilização, facilidade de trabalhar em equipe, motivação frente a desaos, percepção, capacidade de liderança, originalidade na tomada de decisões, bom aproveitamento do tempo e dos recursos, conhecimento e sua aplicação adequada em projetos, autonomia e perseverança. Tais características pessoais precisam ocupar posição de destaque nas escolas, pois contribuem não só no aprendizado, mas também se reetem na vida fora da escola e podem inuenciar grandemente no futuro prossional do aluno. 9
  • 13. O Grêmio Estudantil, como rico espaço de mobilização dos alunos na escola, possibilita ao aluno por em prática as habilidades de mobilização, autonomia, participação, convivência, aceitação entre outras. A Secretaria de Estado de Educação vem incentivando a criação de Grêmios nas escolas de sua Rede, em cumprimento à Lei Federal 7.389, de 04/11/1985, que “assegura a organização de Estudantes como entidades autônomas representativas dos interesses dos estudantes secundaristas com nalidades educacionais, culturais, cívicas esportivas e sociais.” O que os alunos pensam, dizem e fazem é importante tanto para eles, que desenvolvem competências sociais, quanto para a escola, que avança na promoção da convivência , da participação e mobilização. Assim, o Grêmio Estudantil se estrutura na escola como uma organização que se mobiliza diante dos problemas que afetam o aluno e a comunidade em que a escola está inserida. Gomes, em seu livro Protagonismo juvenil: adolescência, educação e participação democrática, escreve que “Quando o adolescente decide problematizar e interferir em questões que, à primeira vista, não dizem respeito a pessoas de sua idade, ele está, de maneira efetiva, dando seus primeiros passos no rumo do protagonismo juvenil. Ele está, na verdade, cruzando o Rubicão que separa a vida privada da vida pública”. Formação de Professores do Ensino Médio 10 O grêmio estudantil na perspectiva do protagonismo juvenil Criado em 1998 e instalado em 2003, o Parlamento Juvenil é um projeto da Assembleia Legislativa do Rio em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (SEEDUC) e envolve os estudantes de 13 a 18 anos de idade de todas as escolas da redepúblicadoEstado. O projeto segue os moldes de um parlamentoconvencionalcomdireitoa escolha da Mesa Diretora, Regimento Interno e votação em plenária, e está estruturado em duas etapas: Parlamento Juvenil e Parlamento Juvenil do Estado do Rio de Janeiro. O projeto segue os moldes de um parlamentoconvencional,comdireito a escolha da Mesa Diretora, Regimento Interno e votação em plenário, e está estruturado em duas etapas: Parlamento Regional Juvenil e Parlamento Juvenil do Estado do Rio de Janeiro. Naprimeirafaseeleitoral,oscandidatos ao Parlamento têm a vivência de uma campanha eleitoral em suas escolas e elegemumrepresentante. Na segunda, o aluno eleito como parlamentar juvenil em sua escola, deve criar um projeto de lei para ser submetido à aprovação ao lado decandidatosdeoutrosmunicípios. A terceira etapa, o parlamentar juvenil deve realizar a defesa do projeto de lei nas Comissões e na Plenária do Parlamento Juvenil para, então, saírem os candidatos regionais que defendem suaspropostasnoplenáriodaAlerj. Osestudantestêm,porumasemana,as mesmas atribuições de um Deputado Estadual, discutindo e aprimorando o ProjetodeLeidesuaprópriaautoria.
  • 14. Formação de Professores do Ensino Médio O protagonismo juvenil, inserido na prática do Grêmio Estudantil, surge como uma proposta inovadora que tem como centro a mobilização dos alunos no exercício do voluntariado social, como um espaço de exercício da responsabilidade social, e que comprova que o jovem pode se organizar de forma crítica e lúcida em seu espaço escolar e em sua vida. “Quando a gente reete sobre os limites da educação e as possibilidades da educação, é preciso ter cuidado para não exagerar na p o s i t i v i d a d e e n ã o e x a g e r a r n a negatividade, ou, em outras palavras, não exagerar na impossibilidade e não exagerar na possibilidade. Quer dizer, a educação não pode tudo, mas a educação pode alguma coisa e deveria ser pensada com grande seriedade pela sociedade.” (FREIRE, 2001, p. 175). 11
  • 15. Formação de Professores do Ensino Médio 12 REFLEXÃO E AÇÃO A formação integral exige o desenvolvimento do ser humano como um todo, abrangendo fundamentalmente os aspectos cognitivos e não cognitivos. A construção de roteiros educativos que integrem disciplinas de base nacional comum com as disciplinas da base diversicada, saberes acadêmicos e populares, é fundamental para o desenvolvimento integral dos alunos. Com base em sua experiência prossional e nos textos lidos, reúna-se com seu grupo e responda: - Que competências não cognitivas podem levar o aluno a um melhor desempenho na escola e na vida? - De que forma o professor e a escola podem promover o desenvolvimento de habilidades não cognitivas em seus alunos? - A sua escola tem criado oportunidades de encontro dos professores para a discussão e o planejamento de ações educativas que favoreçam a integração das disciplinas?
  • 16. Formação de Professores do Ensino Médio 13 Referências bibliográcas ABRANTES, P. Identidades juvenis e dinâmicas de escolaridade. Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, n. 41, p. 93-115, 2003. CAMPOS, M. SOUZA, V. Voluntariado e protagonismo juvenil. In: COSTA, A.C. Protagonismo juvenil: adolescência, educação e participação democrática. Salvador: Fundação Odebrecht, 2000 COSTA, A.C.G. O adolescente como protagonista. In: BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Saúde. Área de Saúde do Adolescente. Cadernos, juventude saúde e desenvolvimento. 1. Brasília, 1999. _____. Protagonismo juvenil: adolescência, educação e participação democrática. Salvador: Fundação Odebrecht, 2000. ______. A presença da Pedagogia: teoria e prática da ação sócio-educativa. 2ª ed. São Paulo: Global: Instituto Ayrton Sena, 2001. _______. O protagonismo juvenil passo a passo. Um guia para o educador. Belo Horizonte: Universidade, 2001 . DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a Educação para o século XXI. 8ª edição. São Paulo: Cortez Editora; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2001. FREIRE, P. Educação como prática libertadora 22ª ed. Rio de Janeiro: Paz na Terra,1996. ______. Educação e mudança. 9ª ed. Rio de Janeiro: Paz na Terra,1983. ______. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Centauro, 2001a. Instituto Ayrton Senna. Solução Educacional para o Ensino Médio. Volume 1,2 e 3. 2012
  • 17. Lei nº 7.398 de 4 de dezembro de 1985. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/ L7398.htm. Acessado 26 /03/2014 . Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf. Acessado em 30/03/2014. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Disponível em http://www.mec.gov.br Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ blegais.pdf. Acessado em 31/03/2014 Formação de Professores do Ensino Médio 14