SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Formação de
Professores do Ensino
Médio
ENSINO MÉDIO E
FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL
CADERNO COMPLEMENTAR I
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO
DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
COMISSÃO ORGANIZADORA SEEDUC-RJ
Subsecretaria de Gestão de Ensino
Superintendência de Gestão das Regionais Pedagógicas (SUPGE)
Ana Valéria da Silva Dantas
Superintendência Pedagógica (SUPED)
Daniela Carvalho de Paulo Silva, Fabiano Farias de Souza e
Cintia Aparecida Garcia Rodrigues
Superintendência de Avaliação e Acompanhamento (SUPAA)
Jaqueline Antunes Farias
Subsecretaria de Gestão de Pessoas
Superintendência de Desenvolvimento de Pessoas (SUPDP)
Elizabeth de Lima Gil Vieira
Formação de Professores do Ensino Médio
Formação de Professores do Ensino Médio
Ao questionarmos “Como chegar
à universalização do Ensino Médio” (Caderno I,
MEC, Ensino Médio e Formação Integrada, 2013),
dispomo-nos a reetir, no presente anexo, sobre
os desaos expostos, a m de que possamos
atingir tal meta.
Além do caráter essencial da universalização e
democratização, buscamos também a qualidade
na educação oferecida. Assim, para concretizar
tais objetivos, é preciso ter organização,
planejamento e implementação de políticas
públicas fomentadas e discutidas por todos
aqueles que compõem o contexto educacional.
Introdução
3
A educação pública do Estado do Rio de
Janeiro, a partir de 2010, apresenta a
estruturação de um plano estratégico
formulado com base em um diagnóstico dos
principais desaos e diculdades da rede e
da identicação de eixos de atuação,
delimitados a partir das necessidades
centrais evidenciadas.
Assim, dá-se ênfase no investimento em
gestão como eixo estruturante do
planejamento estratégico, visto que se
compreende que o sucesso dos programas,
em todas as frentes, depende da
organização da rede.
Deniram-se, então, como pilares
principais, para as ações em busca de uma
educação pública de qualidade, que envide
esforços para garantir o acesso e a
permanência de todos na escola, a melhoria
no processo ensino-aprendizagem, a
valorização prossional, o provimento de
infraestrutura adequada, a melhora na
comunicação entre os diferentes setores,
entre outros.
Panorama educacional
uminense
Formação de Professores do Ensino Médio
4
Formação de Professores do Ensino Médio
A partir do entendimento da educação como
campo de políticas públicas e da
importância da construção do planejamento
estratégico, foram criados novos
programas, e outros, já existentes, foram
expandidos. Organizaram-se todos em
quatro eixos com focos denidos, a m de se
alcançar resultados mais favoráveis.
São eles:
Por dentro da Seeduc
5
EIXOS FOCO
Políticas de ensino Aluno
Políticas de Gestão de
Pessoas
Professor
Orçamento e infraestrutura Investimentos
Comunicação
Transparência e
abertura
Sabe-se que a organização dos programas
e das ações, através de um planejamento
estratégico claro e bem delimitado, favorece
a conquista dos objetivos educacionais
propostos e de melhores resultados.
A rede estadual de educação organiza-se
em três instâncias, com funções e
atribuições determinadas, alinhadas e em
consonância com os objetivos educacionais
a serem atingidos. A saber:
Formação de Professores do Ensino Médio
6
Organização SEEDUC Funções/atribuições
Sede
Elaboração de políticas
públicas, instituição de
portarias e decretos,
administração de toda rede,
scalização e monitoramento
de todas as escolas.
REGIONAIS
(Quatorze + Diretoria Especial de
Unidades Socioeducativas - DIESP)
Responsáveis pelas unidades
escolares, tanto no âmbito
administrativo quanto
pedagógico, de sua área de
abrangência. Coordenam a
implantação das políticas
públicas mais de perto,
acompanhando, administrando
as situações locais, resolvendo
possíveis problemas e tornando
mais dinâmica a rede.
Unidades Escolares
Colocam em prática o cerne da
política pública educacional: o
processo ensino-aprendizagem.
Algumas iniciativas
da Seeduc:
-Maior investimento na formação dos
prossionais;
-Melhoria na infraestrutura das
unidades escolares;
-Redução da carência de servidores;
-Acompanhamento das ações
implementadas;
- Valorização prossional.
Sendo assim, compreendemos que a
construção de uma educação de qualidade
para todos impulsiona o país a um
desenvolvimento mais eciente e diminui as
diversas desigualdades a que muitos
brasileiros ainda se encontram expostos.
A Secretaria de Estado de Educação do Rio
de Janeiro tem despontado com algumas
iniciativas, nos últimos anos, que
oportunizam o alcance de resultados
concretos.
Formação de Professores do Ensino Médio
7
Desenvolvendo cenários...
O processo de universalização da Educação
Básica do país trouxe diversas preocupações,
dentre elas, a qualidade do ensino ofertado
por nossas escolas.
Ao pensarmos em qualidade, precisamos
pensar na questão da construção de uma
escola ecaz no atendimento de suas
funções e objetivos.
Assim, levar em conta as condições intra e
extraescolares, os aspectos culturais dos
alunos e da instituição e os recursos
disponíveis e os resultados obtidos torna-se
imprescindível para o alcance dos objetivos
aos quais a escola se propõe.
Sabe-se que a educação, em caráter mais
amplo, objetiva ações que ultrapassam o
ambiente escolar: formação cidadã e
preparação para o mundo do trabalho.
O Rio de Janeiro intenciona encontrar
caminhos que oportunizem a construção de
uma educação e de uma escola voltada
para os desaos impostos pelo século XXI.
A meta é atender as demandas legais e os
anseios sociais por uma sociedade mais justa e
igualitária. Assim, toma-se primordial superar
condições adversas, que possam impedir
nosso educando de concluir os estudos, e criar
oportunidades no contexto educacional,
capazes de oferecer competências, desenvolver
habilidades, promover atitudes e potencializar
valores considerados indispensáveis, na
contemporaneidade, ao trabalho, ao convívio,
ao aprendizado permanente, à participação
nas ques
Consideram-se esses pontos imprescindíveis
ao desenvolvimento da autonomia do
educando para que seus projetos de vida
sejam alcançados.
Investimentos na formação têm sido um dos
pontos fortes das políticas implementadas
no estado. A inauguração da Escola de
Aperfeiçoamento dos Servidores, em 09 de
fevereiro de 2012, ratica a preocupação
com a valorização dos prossionais da área.
A Escola de Aperfeiçoamento dos Servidores
de Educação do Estado do Rio de Janeiro,
mais conhecida entre os educadores
uminenses como Escola SEEDUC,
apresenta-se como um espaço destinado à
disseminação do conhecimento e, além da
valorização da carreira dos servidores,
torna-se um legado para a categoria.
Conquistas como essa impactam diretamente
nos resultados de nossos educandos, pois um
dos desaos a ser vencido é a proletarização
do trabalho docente.
Formação de Professores do Ensino Médio
8
Formação de Professores do Ensino Médio
As inovações tecnológicas que impactam o
mundo do trabalho e a introdução de
conceitos, como exibilização, competências
e globalização demandam novas posturas,
conhecimentos e atitudes dos prossionais
de ensino.
Associar as necessidades dos trabalhadores
às dos educandos pressupõe a construção
de políticas arrojadas e integradas, entre os
setores e atores.
A educação oferecida pelo Estado do Rio de
Janeiro, nos últimos anos, tem sido
construída de maneira intencional e
planejada, a m de que os esforços
despendidos para a aprendizagem do
educando sejam cada vez mais ecazes e
ecientes.
Um dos elementos que têm contribuído para
as organizações das ações da Secretaria é a
elaboração do Currículo Mínimo.
Esse documento serve como referência a
todas as escolas e apresenta competências e
habilidades pensadas e planejadas pelos
prossionais de ensino da rede.
Assim, o currículo é um orientador, de forma
clara e objetiva, do processo de ensino e
aprendizagem, e busca garantir uma
essência básica comum a todos e que esteja
alinhada com as atuais necessidades de um
mundo globalizado e em constante
mudança.
O Currículo Mínimo não intenciona ser
elemento limitar dos planos e ações dos
docentes em suas práticas, mas sim, busca
estabelecer um princípio harmônico em
uma rede de ensino diversa e múltipla. Ao
9
ser ponto de partida, oportuniza possibilidades
de trabalho com as inúmeras realidades e com
a heterogeneidade presentes no grupo social
em que vivemos.
Entende-se que a construção coletiva e
democrática do Currículo Mínimo cria um
solo rme para o desenvolvimento de um
conjunto de boas práticas educacionais e
contribui para a efetivação de uma escola e
de um ensino de qualidade, mesmo frente a
tantos desaos que surgem em nossos
caminhos cotidianos.
Faz-se importante destacar que a magnitude
dos objetivos educacionais ao qual, como
prossionais da área, propomo-nos, requer
reexão, integração, pesquisas e análise de
resultados. Não se pode, frente ao cenário
desaador em que nos encontramos,
oferecer respostas únicas e apressadas.
Desta maneira, as avaliações internas e
externas têm sido um instrumento importante
para o alinhamento das ações propostas.
Rever conceitos e raticar posições é um ato
político ao qual não podemos nos furtar
nesse momento histórico de discussões e
ações para o aprimoramento contínuo da
educação de nosso país.
Em consonância com os objetivos do IDEB,
criou-se, em 2011, o IDERJ (Índice de
Desenvolvimento da Educação do Rio de
Janeiro) que permite o acompanhamento
das ações implementadas no estado.
Formação de Professores do Ensino Médio
10
IDEB e METAS
- A educação pública em todo
Brasil é avaliada com base no
IDEB (Índice de Desenvolvimento
da Educação Básica) desde
2005.
- Esse indicador é central na aferição
do sucesso do Planejamento
Estratégico da SEEDUC-RJ elaborado
em 2010.
- As metas de IDEB da SEEDUC-
RJ são diferentes das estipuladas
pelo INEP/MEC, pois estas são
nacionais e estão de acordo com
o Plano de Desenvolvimento da
Educação.
- As metas da SEEDUC-RJ foram
desenhadas tendo em vista o
objetivo estratégico de tornar a
rede estadual uminense
referência nacional de qualidade
na educação pública, estando
entre as melhores da federação
no ranking do IDEB em 2013.
- Essa meta tem a nalidade de
reverter o desempenho obtido
no IDEB de 2009, no qual o
Estado do Rio de Janeiro cou
em penúltimo lugar no ranking
do Ensino Médio.
(SEEDUC em números, nº2 -
2013)
Formação de Professores do Ensino Médio
Com base nesse índice, foram denidas
metas anuais para a educação do estado,
possibilitando maior clareza, transparência
e organização nas atividades a serem
efetivadas pela educação uminense.
No Brasil, como vimos anteriormente, a
democratização do ensino não é dada
somente pela garantia de acesso dos alunos
à escola, mas também de sua permanência.
A l é m d e s s e s d e s a  o s , a c e s s o e
permanência, deparamo-nos com a busca
pela melhoria da qualidade do ensino
ofertado como resultado das práticas
construídas no espaço escolar.
11
Políticas públicas, transparência
na educação e melhoria na
qualidade do ensino
O Planejamento Estratégico da Secretaria
de Estado de Educação possibilitou a
organização de Programas e ações com
foco no aluno, no professor, na melhoria
dos gastos/investimentos e na melhoria da
comunicação.
Faz-se necessário raticar que esses
Programas e ações já apresentam
resultados satisfatórios. A rede estadual de
ensino uminense foi, por exemplo, a que
mais avançou em prociência no Brasil e
nos Anos Finais do Ensino Fundamental e
duas escolas estão entre as três melhores da
rede pública do país.
Formação de Professores do Ensino Médio
12
Por meio do diagnóstico oferecido pelo
Planejamento Estratégico, foi possível
identicar problemas relacionados ao baixo
rendimento dos alunos, falta de interesse
pela escola e desestímulo por parte dos
docentes. Diante desse cenário, foram
organizadas iniciativas para garantir novas
oportunidades de aprendizagem, queda na
distorção idade-série, modernização da
metodologia e inclusão de tecnologia nas
salas de aula, organização do conteúdo
pedagógico através do alinhamento do
currículo, além da implantação de
avaliações diagnósticas e incentivo à
participação com premiações para alunos e
professores.
Problemas e Soluções
A)Currículo Mínimo
Documento que estabelece competências,
habilidades e conteúdos mínimos que não
podem faltar nos planos de aula em cada
bimestre, disciplina, ano de escolaridade e
modalidade. Garante que todo aluno da
rede estadual tenha acesso ao conteúdo
mínimo necessário para um eciente
processo de aprendizagem.
B)Fortalecimento do SAERJ e SAERJINHO /
premiações para alunos e professores da
rede estadual
Com o objetivo de incentivar os alunos a
participarem do SAERJ, a Secretaria de
Estado de Educação premia, anualmente,
milhares de alunos com melhores notas com
notebooks, netbooks ou tablets.
Políticas públicas para o ensino
Formação de Professores do Ensino Médio
No caso do Saerjinho, foi implantado o
Projeto “Jovens Turistas”. As escolas com
melhor desempenho e maior evolução são
premiadas com uma viagem à capital
uminense. Durante todo nal de semana,
alunos e professores cam hospedados em
um hotel na cidade do Rio de Janeiro e têm a
oportunidade de conhecer diferentes pontos
turísticos e culturais.
13
Modelos educacionais
inovadores
A) Programa de Leitura Estadual
O Programa está organizado em pilares,
como “Salas de Leitura”, “Salão do Livro” e
“Mediadores e Agentes de Leitura”, e tem
como principal objetivo despertar o hábito
de leitura no cotidiano dos alunos,
desenvolvendo sobretudo o gosto pela
leitura e escrita.
A proposta central é que toda unidade
escolar desenvolva um projeto de leitura em
consonância com seu Projeto Político
Pedagógico. Por meio dessa iniciativa, é
possível fazer um acompanhamento das
u n i d a d e s e s c o l a r e s c o m m e n o r
desempenho no Saerjinho de Língua
Portuguesa e valorizar aquelas que
estimulam a visitação de bibliotecas pelos
alunos e professores.
Além de incentivar a leitura, é necessário
criar e atualizar o acervo literário das
bibliotecas e salas de leitura. Para tal, foi
criado o Salão do Livro das Escolas
Estaduais, um evento literário anual, com o
propósito de promover a aquisição de livros
pelas próprias unidades escolares,
oferecendo, sobretudo, autonomia na
escolha do acervo.
B) Programa de Tecnologia Educacional
O Programa está estruturado em três eixos:
1. mapeamento das necessidades de
equipamentos das escolas e fornecimento
de tecnologia educacional para a rede;
2. fornecimento de objetos digitais
pedagógicos e 3. suporte humano aos
professores. O objetivo principal é tornar o
processo ensino-aprendizagem mais
prazeroso e criativo, por meio da inclusão
digital em sala de aula.
Com infraestrutura adequada e prossionais
qualicados nas unidades escolares, o
programa prevê a seleção e a elaboração de
conteúdos pedagógicos digitais articulados ao
Currículo Mínimo das diferentes disciplinas.
C) Programa Dupla Escola
Estruturado nos eixos prossional, vocacional
e intercultural, o programa tem como
objetivo implantar escolas com caráter
inovador e de excelência, por meio de
parcerias, ampliando o tempo de
permanência do aluno na escola e
integrando o currículo a propostas
diferenciadas.
Assim, oportuniza-se ao aluno o
desenvolvimento de competências, atitudes e
valores indispensáveis à vida e ao mundo do
trabalho. Também são valorizados a autonomia
e o protagonismo juvenil, por meio da
realização de projetos de vida e da incorporação
da Matriz de Competências para o século XXI.
Formação de Professores do Ensino Médio
14
Formação de Professores do Ensino Médio
15
Políticas públicas para o reforço
da aprendizagem
A) Reforço Escolar/ CECIERJ
A Secretaria de Estado de Educação
estabeleceu programas e ações que têm
como público-alvo os alunos que
apresentam diculdade de aprendizagem.
Desta forma, são apresentadas novas
oportunidades para assimilação de
conteúdos ou competências.
O Projeto Reforço escolar foi iniciado em
2012, em parceria com a Fundação
CECIERJ, e tem como foco os alunos do 9º
ano do Ensino Fundamental, todas as séries
do Ensino Médio Regular e 1ª e 2ª séries do
Ensino Normal, contemplando as
disciplinas de Português e Matemática, a m
de suprir as necessidades de Letramento em
Leitura e Escrita e Letramento Matemático e
contribuir para a melhoria do desempenho
escolar. Possui abordagem pedagógica
diferenciada e material didático próprio, e
atualmente está presente em 800 unidades
escolares.
B) Superação Jovem
O Programa é realizado em parceria com o
Instituto Ayrton Senna, em 28 unidades
escolares. Destina-se aos alunos da 1ª série
do Ensino Médio, promovendo o
desenvolvimento de suas habilidades
cognitivas e socioemocionais, a partir de
iniciativas que favorecem o planejamento, a
execução e a avaliação de projetos que
beneciam sua vida e sua aprendizagem.
As atividades acontecem no turno e no
contraturno, desenvolvendo nos alunos
habilidades, como o protagonismo juvenil
e autogestão.
C) Fórmula da Vitória
O Programa destina-se aos alunos do 6º
ano do Ensino Fundamental, em 104
escolas, que apresentam defasagem na
alfabetização.
O principal objetivo é criar estratégias
metodológicas que proporcionem um
t e m p o / e s p a ç o e x t r a , d e f o r m a
concomitante ao cotidiano escolar, visando
à construção do conhecimento nos
processos de alfabetização e letramento. As
atividades valorizam a leitura, a
interpretação e a escrita.
Formação de Professores do Ensino Médio
16
Políticas públicas para diminuir
a distorção idade-série
A) Autonomia
O Programa tem como objetivo corrigir o
uxo escolar dos alunos que se encontram
em distorção idade-série. Atende alunos do
Ensino Fundamental, anos nais, com idade
entre 13 e 17 anos, e alunos do Ensino
Médio, com idade entre 17 e 20 anos.
B) Nova EJA
A Secretaria de Estado de Educação, em
parceria com a Fundação CECIERJ, criou
uma inovadora política de Educação de
Jovens e Adultos voltada para os alunos, a
partir de 18 anos, com defasagem idade-
série no Ensino Médio e para aqueles que
desejam terminar seus estudos.
A concepção educacional da Nova EJA tem
como objetivo garantir um ensino atrativo,
com material e metodologia que despertem
motivação e curiosidade nos alunos, além
de formação especíca para os professores
participantes do Programa.
Formação de Professores do Ensino Médio
17
Sua metodologia é pautada em habilidades,
competências e conteúdos signicativos ao
aluno, com material e matriz curricular
especícos, e quatro tempos de 50 minutos.
Políticas públicas em
consonância às diretrizes do MEC
A) Mais Educação
O Programa contribui para a formação
integral de crianças e adolescentes do
Ensino Fundamental, por meio da oferta de
oportunidades educativas que qualicam o
processo educacional. Atualmente, é
desenvolvido em 630 unidades escolares.
B) Ensino Médio Inovador
A iniciativa vem ao encontro das novas
perspectivas para o formato da oferta do
Ensino Médio no Estado do Rio de Janeiro. A
adesão das unidades escolares iniciou em
2009, visando à reestruturação da matriz
curricular e à oferta em horário integral com
carga horária de 5.520 horas.
Projetos de valorização
a iniciativas culturais
A) Semana de Arte
Evento cultural cujo foco é a valorização das
diferentes linguagens artísticas: dança,
teatro, artes visuais e música, que são
realizadas nas escolas da rede estadual.
B) Jovens Turistas
O principal objetivo é premiar as escolas
com melhor desempenho e maior evolução
no Saerjinho com uma viagem aos
principais pontos turísticos e culturais da
capital uminense. Em média, são 15
viagens anualmente.
Os trabalhos apresentados na
Semana de Arte são escolhidos
por um Grupo de Trabalho
composto por professores de Arte
e de Língua Portuguesa da rede
estadual. Na edição de 2013,
houve a participação de
aproximadamente 10.000
alunos.
Desde 2012, o Projeto Jovens
Turistas oferece viagens especiais
e exclusivas aos professores das
escolas premiadas.
Formação de Professores do Ensino Médio
18
REFLEXÃO E AÇÃO
Forme um grupo com até cinco colegas e
responda às questões abaixo:
- As Políticas Públicas implementadas pela
SEEDUC, a partir de 2010, são do
conhecimento de todos do grupo?
- De que forma os Programas e ações
auxiliam o trabalho pedagógico do
professor?
Referências bibliográcas
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História
da Educação e da Pedagogia – Geral e
Brasil. Editora Moderna, 3ª edição, 2006.
MORAES, Carmen Sylvia Vidigal et al. Brasil.
Secretaria de Educação Básica. Formação
de Professores do Ensino Médio, etapa I –
caderno I: ensino médio e formação
humana integral/ Ministério da Educação.
Curitiba: UFPR/ Setor de Educação, 2013
SEEDUC em números. Transparência na
Educação. Nº 2, 2013.
Caderno   i

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pe2013 2017
Pe2013 2017Pe2013 2017
Pe2013 2017j_sdias
 
11ª educaçaovisual
11ª educaçaovisual11ª educaçaovisual
11ª educaçaovisualAvatar Cuamba
 
12ª educaçaovisual
12ª educaçaovisual12ª educaçaovisual
12ª educaçaovisualAvatar Cuamba
 
08ª educaçaovisual
08ª educaçaovisual08ª educaçaovisual
08ª educaçaovisualAvatar Cuamba
 
10ª educaçaovisual
10ª educaçaovisual10ª educaçaovisual
10ª educaçaovisualAvatar Cuamba
 
Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...
Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...
Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...vinicius_lyma
 
09ª educaçaovisual
09ª educaçaovisual09ª educaçaovisual
09ª educaçaovisualAvatar Cuamba
 
7. simulado ppp.docx
7. simulado ppp.docx7. simulado ppp.docx
7. simulado ppp.docxAlineMelo123
 
Fundação Estudar - Relatório Anual 20 anos
Fundação Estudar - Relatório Anual 20 anosFundação Estudar - Relatório Anual 20 anos
Fundação Estudar - Relatório Anual 20 anosFundação Estudar
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPHebert Arcanjo
 
Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar
Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar
Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar Fundação Estudar
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaSocorro Vasconcelos
 
Carta Universia Rio 2014
Carta Universia Rio 2014Carta Universia Rio 2014
Carta Universia Rio 2014BANCO SANTANDER
 
Forum ensino médio 2010
Forum ensino médio 2010Forum ensino médio 2010
Forum ensino médio 2010Jeovany Anjos
 
Relatório Fundação Estudar 2013 Prep Program
Relatório Fundação Estudar 2013 Prep ProgramRelatório Fundação Estudar 2013 Prep Program
Relatório Fundação Estudar 2013 Prep ProgramBruno Cardozo
 

Mais procurados (18)

Pe2013 2017
Pe2013 2017Pe2013 2017
Pe2013 2017
 
11ª educaçaovisual
11ª educaçaovisual11ª educaçaovisual
11ª educaçaovisual
 
12ª educaçaovisual
12ª educaçaovisual12ª educaçaovisual
12ª educaçaovisual
 
08ª educaçaovisual
08ª educaçaovisual08ª educaçaovisual
08ª educaçaovisual
 
10ª educaçaovisual
10ª educaçaovisual10ª educaçaovisual
10ª educaçaovisual
 
Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...
Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...
Simulado concurso professor de educacao fisica material gratis concurso seduc...
 
09ª educaçaovisual
09ª educaçaovisual09ª educaçaovisual
09ª educaçaovisual
 
7. simulado ppp.docx
7. simulado ppp.docx7. simulado ppp.docx
7. simulado ppp.docx
 
Fundação Estudar - Relatório Anual 20 anos
Fundação Estudar - Relatório Anual 20 anosFundação Estudar - Relatório Anual 20 anos
Fundação Estudar - Relatório Anual 20 anos
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
 
O conceito de gestão escolar
O conceito de gestão escolarO conceito de gestão escolar
O conceito de gestão escolar
 
Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar
Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar
Turma de bolsistas 2011 da Fundação Estudar
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
 
10 modulo x
10 modulo x10 modulo x
10 modulo x
 
Módulo x progestão
Módulo x progestãoMódulo x progestão
Módulo x progestão
 
Carta Universia Rio 2014
Carta Universia Rio 2014Carta Universia Rio 2014
Carta Universia Rio 2014
 
Forum ensino médio 2010
Forum ensino médio 2010Forum ensino médio 2010
Forum ensino médio 2010
 
Relatório Fundação Estudar 2013 Prep Program
Relatório Fundação Estudar 2013 Prep ProgramRelatório Fundação Estudar 2013 Prep Program
Relatório Fundação Estudar 2013 Prep Program
 

Semelhante a Caderno i

Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009
Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009
Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009Instituto Unibanco
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilcidaslide
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilcidaslide
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilcidaslide
 
Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17mfcpestana
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015jeffcezanne
 
Material rem apoio para os oe[1]
Material   rem apoio para os oe[1]Material   rem apoio para os oe[1]
Material rem apoio para os oe[1]pactoensinomedioufu
 
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.Waender Soares
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01heder oliveira silva
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01heder oliveira silva
 
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...pibidgeo
 
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicosFundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicosCarmen Campos
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar LOCIMAR MASSALAI
 

Semelhante a Caderno i (20)

Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009
Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009
Relatório de Atividades do Instituto Unibanco 2009
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasil
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasil
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasil
 
Caderno iii
Caderno   iiiCaderno   iii
Caderno iii
 
Simony
SimonySimony
Simony
 
Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17Doc12 pea 13 17
Doc12 pea 13 17
 
Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012
Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012
Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
PPP2012
PPP2012PPP2012
PPP2012
 
Material rem apoio para os oe[1]
Material   rem apoio para os oe[1]Material   rem apoio para os oe[1]
Material rem apoio para os oe[1]
 
Peacr
PeacrPeacr
Peacr
 
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.Caderno Pedagógico 2013.  Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
Caderno Pedagógico 2013. Contribuição ao debate por uma educação de qualidade.
 
Educacao emcena oct_08
Educacao emcena oct_08Educacao emcena oct_08
Educacao emcena oct_08
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
PIBID: IMPACTOS POSITIVOS NA FORMAÇÃO DOCENTE ATRAVÉS DO CONTATO ANTECIPADO N...
 
Fundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicosFundamentos historiocos e epistemologicos
Fundamentos historiocos e epistemologicos
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 

Mais de NTE RJ14/SEEDUC RJ

Mais de NTE RJ14/SEEDUC RJ (20)

C.E. Alfredo Neves
C.E. Alfredo NevesC.E. Alfredo Neves
C.E. Alfredo Neves
 
Caderno ii
Caderno   iiCaderno   ii
Caderno ii
 
A formacao
A formacaoA formacao
A formacao
 
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médioDiretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
Diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio
 
Caderno1 primeiraetapa - slide
Caderno1 primeiraetapa - slideCaderno1 primeiraetapa - slide
Caderno1 primeiraetapa - slide
 
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
Caderno 1 - formação de professores do ensino médio - ensino médio e formação...
 
Tutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizadoTutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizado
 
Explorando o geogebra
Explorando o geogebraExplorando o geogebra
Explorando o geogebra
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Facebook2
Facebook2Facebook2
Facebook2
 
Tutorial blog fácil
Tutorial blog fácilTutorial blog fácil
Tutorial blog fácil
 
Acesso conexao professor
Acesso conexao professorAcesso conexao professor
Acesso conexao professor
 
Aprentacao projetor
Aprentacao projetorAprentacao projetor
Aprentacao projetor
 
Tutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizadoTutorial a tube_atualizado
Tutorial a tube_atualizado
 
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
Projeto de tecnologia educacional formação nte gt60 (2)
 
Escravidão
EscravidãoEscravidão
Escravidão
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
 
Seminário drogas lícitas 8 ano
Seminário drogas lícitas 8 anoSeminário drogas lícitas 8 ano
Seminário drogas lícitas 8 ano
 
Seminário aids 8 ano
Seminário aids  8 anoSeminário aids  8 ano
Seminário aids 8 ano
 
Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
 

Último

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

Caderno i

  • 1.
  • 2. Formação de Professores do Ensino Médio ENSINO MÉDIO E FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL CADERNO COMPLEMENTAR I SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
  • 3.
  • 4. COMISSÃO ORGANIZADORA SEEDUC-RJ Subsecretaria de Gestão de Ensino Superintendência de Gestão das Regionais Pedagógicas (SUPGE) Ana Valéria da Silva Dantas Superintendência Pedagógica (SUPED) Daniela Carvalho de Paulo Silva, Fabiano Farias de Souza e Cintia Aparecida Garcia Rodrigues Superintendência de Avaliação e Acompanhamento (SUPAA) Jaqueline Antunes Farias Subsecretaria de Gestão de Pessoas Superintendência de Desenvolvimento de Pessoas (SUPDP) Elizabeth de Lima Gil Vieira Formação de Professores do Ensino Médio
  • 5.
  • 6. Formação de Professores do Ensino Médio Ao questionarmos “Como chegar à universalização do Ensino Médio” (Caderno I, MEC, Ensino Médio e Formação Integrada, 2013), dispomo-nos a reetir, no presente anexo, sobre os desaos expostos, a m de que possamos atingir tal meta. Além do caráter essencial da universalização e democratização, buscamos também a qualidade na educação oferecida. Assim, para concretizar tais objetivos, é preciso ter organização, planejamento e implementação de políticas públicas fomentadas e discutidas por todos aqueles que compõem o contexto educacional. Introdução 3
  • 7. A educação pública do Estado do Rio de Janeiro, a partir de 2010, apresenta a estruturação de um plano estratégico formulado com base em um diagnóstico dos principais desaos e diculdades da rede e da identicação de eixos de atuação, delimitados a partir das necessidades centrais evidenciadas. Assim, dá-se ênfase no investimento em gestão como eixo estruturante do planejamento estratégico, visto que se compreende que o sucesso dos programas, em todas as frentes, depende da organização da rede. Deniram-se, então, como pilares principais, para as ações em busca de uma educação pública de qualidade, que envide esforços para garantir o acesso e a permanência de todos na escola, a melhoria no processo ensino-aprendizagem, a valorização prossional, o provimento de infraestrutura adequada, a melhora na comunicação entre os diferentes setores, entre outros. Panorama educacional uminense Formação de Professores do Ensino Médio 4
  • 8. Formação de Professores do Ensino Médio A partir do entendimento da educação como campo de políticas públicas e da importância da construção do planejamento estratégico, foram criados novos programas, e outros, já existentes, foram expandidos. Organizaram-se todos em quatro eixos com focos denidos, a m de se alcançar resultados mais favoráveis. São eles: Por dentro da Seeduc 5 EIXOS FOCO Políticas de ensino Aluno Políticas de Gestão de Pessoas Professor Orçamento e infraestrutura Investimentos Comunicação Transparência e abertura Sabe-se que a organização dos programas e das ações, através de um planejamento estratégico claro e bem delimitado, favorece a conquista dos objetivos educacionais propostos e de melhores resultados.
  • 9. A rede estadual de educação organiza-se em três instâncias, com funções e atribuições determinadas, alinhadas e em consonância com os objetivos educacionais a serem atingidos. A saber: Formação de Professores do Ensino Médio 6 Organização SEEDUC Funções/atribuições Sede Elaboração de políticas públicas, instituição de portarias e decretos, administração de toda rede, scalização e monitoramento de todas as escolas. REGIONAIS (Quatorze + Diretoria Especial de Unidades Socioeducativas - DIESP) Responsáveis pelas unidades escolares, tanto no âmbito administrativo quanto pedagógico, de sua área de abrangência. Coordenam a implantação das políticas públicas mais de perto, acompanhando, administrando as situações locais, resolvendo possíveis problemas e tornando mais dinâmica a rede. Unidades Escolares Colocam em prática o cerne da política pública educacional: o processo ensino-aprendizagem. Algumas iniciativas da Seeduc: -Maior investimento na formação dos prossionais; -Melhoria na infraestrutura das unidades escolares; -Redução da carência de servidores; -Acompanhamento das ações implementadas; - Valorização prossional. Sendo assim, compreendemos que a construção de uma educação de qualidade para todos impulsiona o país a um desenvolvimento mais eciente e diminui as diversas desigualdades a que muitos brasileiros ainda se encontram expostos. A Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro tem despontado com algumas iniciativas, nos últimos anos, que oportunizam o alcance de resultados concretos.
  • 10. Formação de Professores do Ensino Médio 7 Desenvolvendo cenários... O processo de universalização da Educação Básica do país trouxe diversas preocupações, dentre elas, a qualidade do ensino ofertado por nossas escolas. Ao pensarmos em qualidade, precisamos pensar na questão da construção de uma escola ecaz no atendimento de suas funções e objetivos. Assim, levar em conta as condições intra e extraescolares, os aspectos culturais dos alunos e da instituição e os recursos disponíveis e os resultados obtidos torna-se imprescindível para o alcance dos objetivos aos quais a escola se propõe. Sabe-se que a educação, em caráter mais amplo, objetiva ações que ultrapassam o ambiente escolar: formação cidadã e preparação para o mundo do trabalho. O Rio de Janeiro intenciona encontrar caminhos que oportunizem a construção de uma educação e de uma escola voltada para os desaos impostos pelo século XXI.
  • 11. A meta é atender as demandas legais e os anseios sociais por uma sociedade mais justa e igualitária. Assim, toma-se primordial superar condições adversas, que possam impedir nosso educando de concluir os estudos, e criar oportunidades no contexto educacional, capazes de oferecer competências, desenvolver habilidades, promover atitudes e potencializar valores considerados indispensáveis, na contemporaneidade, ao trabalho, ao convívio, ao aprendizado permanente, à participação nas ques Consideram-se esses pontos imprescindíveis ao desenvolvimento da autonomia do educando para que seus projetos de vida sejam alcançados. Investimentos na formação têm sido um dos pontos fortes das políticas implementadas no estado. A inauguração da Escola de Aperfeiçoamento dos Servidores, em 09 de fevereiro de 2012, ratica a preocupação com a valorização dos prossionais da área. A Escola de Aperfeiçoamento dos Servidores de Educação do Estado do Rio de Janeiro, mais conhecida entre os educadores uminenses como Escola SEEDUC, apresenta-se como um espaço destinado à disseminação do conhecimento e, além da valorização da carreira dos servidores, torna-se um legado para a categoria. Conquistas como essa impactam diretamente nos resultados de nossos educandos, pois um dos desaos a ser vencido é a proletarização do trabalho docente. Formação de Professores do Ensino Médio 8
  • 12. Formação de Professores do Ensino Médio As inovações tecnológicas que impactam o mundo do trabalho e a introdução de conceitos, como exibilização, competências e globalização demandam novas posturas, conhecimentos e atitudes dos prossionais de ensino. Associar as necessidades dos trabalhadores às dos educandos pressupõe a construção de políticas arrojadas e integradas, entre os setores e atores. A educação oferecida pelo Estado do Rio de Janeiro, nos últimos anos, tem sido construída de maneira intencional e planejada, a m de que os esforços despendidos para a aprendizagem do educando sejam cada vez mais ecazes e ecientes. Um dos elementos que têm contribuído para as organizações das ações da Secretaria é a elaboração do Currículo Mínimo. Esse documento serve como referência a todas as escolas e apresenta competências e habilidades pensadas e planejadas pelos prossionais de ensino da rede. Assim, o currículo é um orientador, de forma clara e objetiva, do processo de ensino e aprendizagem, e busca garantir uma essência básica comum a todos e que esteja alinhada com as atuais necessidades de um mundo globalizado e em constante mudança. O Currículo Mínimo não intenciona ser elemento limitar dos planos e ações dos docentes em suas práticas, mas sim, busca estabelecer um princípio harmônico em uma rede de ensino diversa e múltipla. Ao 9
  • 13. ser ponto de partida, oportuniza possibilidades de trabalho com as inúmeras realidades e com a heterogeneidade presentes no grupo social em que vivemos. Entende-se que a construção coletiva e democrática do Currículo Mínimo cria um solo rme para o desenvolvimento de um conjunto de boas práticas educacionais e contribui para a efetivação de uma escola e de um ensino de qualidade, mesmo frente a tantos desaos que surgem em nossos caminhos cotidianos. Faz-se importante destacar que a magnitude dos objetivos educacionais ao qual, como prossionais da área, propomo-nos, requer reexão, integração, pesquisas e análise de resultados. Não se pode, frente ao cenário desaador em que nos encontramos, oferecer respostas únicas e apressadas. Desta maneira, as avaliações internas e externas têm sido um instrumento importante para o alinhamento das ações propostas. Rever conceitos e raticar posições é um ato político ao qual não podemos nos furtar nesse momento histórico de discussões e ações para o aprimoramento contínuo da educação de nosso país. Em consonância com os objetivos do IDEB, criou-se, em 2011, o IDERJ (Índice de Desenvolvimento da Educação do Rio de Janeiro) que permite o acompanhamento das ações implementadas no estado. Formação de Professores do Ensino Médio 10 IDEB e METAS - A educação pública em todo Brasil é avaliada com base no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) desde 2005. - Esse indicador é central na aferição do sucesso do Planejamento Estratégico da SEEDUC-RJ elaborado em 2010. - As metas de IDEB da SEEDUC- RJ são diferentes das estipuladas pelo INEP/MEC, pois estas são nacionais e estão de acordo com o Plano de Desenvolvimento da Educação. - As metas da SEEDUC-RJ foram desenhadas tendo em vista o objetivo estratégico de tornar a rede estadual uminense referência nacional de qualidade na educação pública, estando entre as melhores da federação no ranking do IDEB em 2013. - Essa meta tem a nalidade de reverter o desempenho obtido no IDEB de 2009, no qual o Estado do Rio de Janeiro cou em penúltimo lugar no ranking do Ensino Médio. (SEEDUC em números, nº2 - 2013)
  • 14. Formação de Professores do Ensino Médio Com base nesse índice, foram denidas metas anuais para a educação do estado, possibilitando maior clareza, transparência e organização nas atividades a serem efetivadas pela educação uminense. No Brasil, como vimos anteriormente, a democratização do ensino não é dada somente pela garantia de acesso dos alunos à escola, mas também de sua permanência. A l é m d e s s e s d e s a  o s , a c e s s o e permanência, deparamo-nos com a busca pela melhoria da qualidade do ensino ofertado como resultado das práticas construídas no espaço escolar. 11 Políticas públicas, transparência na educação e melhoria na qualidade do ensino O Planejamento Estratégico da Secretaria de Estado de Educação possibilitou a organização de Programas e ações com foco no aluno, no professor, na melhoria dos gastos/investimentos e na melhoria da comunicação. Faz-se necessário raticar que esses Programas e ações já apresentam resultados satisfatórios. A rede estadual de ensino uminense foi, por exemplo, a que mais avançou em prociência no Brasil e nos Anos Finais do Ensino Fundamental e duas escolas estão entre as três melhores da rede pública do país.
  • 15. Formação de Professores do Ensino Médio 12 Por meio do diagnóstico oferecido pelo Planejamento Estratégico, foi possível identicar problemas relacionados ao baixo rendimento dos alunos, falta de interesse pela escola e desestímulo por parte dos docentes. Diante desse cenário, foram organizadas iniciativas para garantir novas oportunidades de aprendizagem, queda na distorção idade-série, modernização da metodologia e inclusão de tecnologia nas salas de aula, organização do conteúdo pedagógico através do alinhamento do currículo, além da implantação de avaliações diagnósticas e incentivo à participação com premiações para alunos e professores. Problemas e Soluções A)Currículo Mínimo Documento que estabelece competências, habilidades e conteúdos mínimos que não podem faltar nos planos de aula em cada bimestre, disciplina, ano de escolaridade e modalidade. Garante que todo aluno da rede estadual tenha acesso ao conteúdo mínimo necessário para um eciente processo de aprendizagem. B)Fortalecimento do SAERJ e SAERJINHO / premiações para alunos e professores da rede estadual Com o objetivo de incentivar os alunos a participarem do SAERJ, a Secretaria de Estado de Educação premia, anualmente, milhares de alunos com melhores notas com notebooks, netbooks ou tablets. Políticas públicas para o ensino
  • 16. Formação de Professores do Ensino Médio No caso do Saerjinho, foi implantado o Projeto “Jovens Turistas”. As escolas com melhor desempenho e maior evolução são premiadas com uma viagem à capital uminense. Durante todo nal de semana, alunos e professores cam hospedados em um hotel na cidade do Rio de Janeiro e têm a oportunidade de conhecer diferentes pontos turísticos e culturais. 13 Modelos educacionais inovadores A) Programa de Leitura Estadual O Programa está organizado em pilares, como “Salas de Leitura”, “Salão do Livro” e “Mediadores e Agentes de Leitura”, e tem como principal objetivo despertar o hábito de leitura no cotidiano dos alunos, desenvolvendo sobretudo o gosto pela leitura e escrita. A proposta central é que toda unidade escolar desenvolva um projeto de leitura em consonância com seu Projeto Político Pedagógico. Por meio dessa iniciativa, é possível fazer um acompanhamento das u n i d a d e s e s c o l a r e s c o m m e n o r desempenho no Saerjinho de Língua Portuguesa e valorizar aquelas que estimulam a visitação de bibliotecas pelos alunos e professores. Além de incentivar a leitura, é necessário criar e atualizar o acervo literário das bibliotecas e salas de leitura. Para tal, foi criado o Salão do Livro das Escolas Estaduais, um evento literário anual, com o propósito de promover a aquisição de livros pelas próprias unidades escolares, oferecendo, sobretudo, autonomia na escolha do acervo.
  • 17. B) Programa de Tecnologia Educacional O Programa está estruturado em três eixos: 1. mapeamento das necessidades de equipamentos das escolas e fornecimento de tecnologia educacional para a rede; 2. fornecimento de objetos digitais pedagógicos e 3. suporte humano aos professores. O objetivo principal é tornar o processo ensino-aprendizagem mais prazeroso e criativo, por meio da inclusão digital em sala de aula. Com infraestrutura adequada e prossionais qualicados nas unidades escolares, o programa prevê a seleção e a elaboração de conteúdos pedagógicos digitais articulados ao Currículo Mínimo das diferentes disciplinas. C) Programa Dupla Escola Estruturado nos eixos prossional, vocacional e intercultural, o programa tem como objetivo implantar escolas com caráter inovador e de excelência, por meio de parcerias, ampliando o tempo de permanência do aluno na escola e integrando o currículo a propostas diferenciadas. Assim, oportuniza-se ao aluno o desenvolvimento de competências, atitudes e valores indispensáveis à vida e ao mundo do trabalho. Também são valorizados a autonomia e o protagonismo juvenil, por meio da realização de projetos de vida e da incorporação da Matriz de Competências para o século XXI. Formação de Professores do Ensino Médio 14
  • 18. Formação de Professores do Ensino Médio 15 Políticas públicas para o reforço da aprendizagem A) Reforço Escolar/ CECIERJ A Secretaria de Estado de Educação estabeleceu programas e ações que têm como público-alvo os alunos que apresentam diculdade de aprendizagem. Desta forma, são apresentadas novas oportunidades para assimilação de conteúdos ou competências. O Projeto Reforço escolar foi iniciado em 2012, em parceria com a Fundação CECIERJ, e tem como foco os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental, todas as séries do Ensino Médio Regular e 1ª e 2ª séries do Ensino Normal, contemplando as disciplinas de Português e Matemática, a m de suprir as necessidades de Letramento em Leitura e Escrita e Letramento Matemático e contribuir para a melhoria do desempenho escolar. Possui abordagem pedagógica diferenciada e material didático próprio, e atualmente está presente em 800 unidades escolares. B) Superação Jovem O Programa é realizado em parceria com o Instituto Ayrton Senna, em 28 unidades escolares. Destina-se aos alunos da 1ª série do Ensino Médio, promovendo o desenvolvimento de suas habilidades cognitivas e socioemocionais, a partir de iniciativas que favorecem o planejamento, a execução e a avaliação de projetos que beneciam sua vida e sua aprendizagem. As atividades acontecem no turno e no contraturno, desenvolvendo nos alunos habilidades, como o protagonismo juvenil e autogestão.
  • 19. C) Fórmula da Vitória O Programa destina-se aos alunos do 6º ano do Ensino Fundamental, em 104 escolas, que apresentam defasagem na alfabetização. O principal objetivo é criar estratégias metodológicas que proporcionem um t e m p o / e s p a ç o e x t r a , d e f o r m a concomitante ao cotidiano escolar, visando à construção do conhecimento nos processos de alfabetização e letramento. As atividades valorizam a leitura, a interpretação e a escrita. Formação de Professores do Ensino Médio 16 Políticas públicas para diminuir a distorção idade-série A) Autonomia O Programa tem como objetivo corrigir o uxo escolar dos alunos que se encontram em distorção idade-série. Atende alunos do Ensino Fundamental, anos nais, com idade entre 13 e 17 anos, e alunos do Ensino Médio, com idade entre 17 e 20 anos. B) Nova EJA A Secretaria de Estado de Educação, em parceria com a Fundação CECIERJ, criou uma inovadora política de Educação de Jovens e Adultos voltada para os alunos, a partir de 18 anos, com defasagem idade- série no Ensino Médio e para aqueles que desejam terminar seus estudos. A concepção educacional da Nova EJA tem como objetivo garantir um ensino atrativo, com material e metodologia que despertem motivação e curiosidade nos alunos, além de formação especíca para os professores participantes do Programa.
  • 20. Formação de Professores do Ensino Médio 17 Sua metodologia é pautada em habilidades, competências e conteúdos signicativos ao aluno, com material e matriz curricular especícos, e quatro tempos de 50 minutos. Políticas públicas em consonância às diretrizes do MEC A) Mais Educação O Programa contribui para a formação integral de crianças e adolescentes do Ensino Fundamental, por meio da oferta de oportunidades educativas que qualicam o processo educacional. Atualmente, é desenvolvido em 630 unidades escolares. B) Ensino Médio Inovador A iniciativa vem ao encontro das novas perspectivas para o formato da oferta do Ensino Médio no Estado do Rio de Janeiro. A adesão das unidades escolares iniciou em 2009, visando à reestruturação da matriz curricular e à oferta em horário integral com carga horária de 5.520 horas. Projetos de valorização a iniciativas culturais A) Semana de Arte Evento cultural cujo foco é a valorização das diferentes linguagens artísticas: dança, teatro, artes visuais e música, que são realizadas nas escolas da rede estadual. B) Jovens Turistas O principal objetivo é premiar as escolas com melhor desempenho e maior evolução no Saerjinho com uma viagem aos principais pontos turísticos e culturais da capital uminense. Em média, são 15 viagens anualmente. Os trabalhos apresentados na Semana de Arte são escolhidos por um Grupo de Trabalho composto por professores de Arte e de Língua Portuguesa da rede estadual. Na edição de 2013, houve a participação de aproximadamente 10.000 alunos. Desde 2012, o Projeto Jovens Turistas oferece viagens especiais e exclusivas aos professores das escolas premiadas.
  • 21. Formação de Professores do Ensino Médio 18 REFLEXÃO E AÇÃO Forme um grupo com até cinco colegas e responda às questões abaixo: - As Políticas Públicas implementadas pela SEEDUC, a partir de 2010, são do conhecimento de todos do grupo? - De que forma os Programas e ações auxiliam o trabalho pedagógico do professor? Referências bibliográcas ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da Educação e da Pedagogia – Geral e Brasil. Editora Moderna, 3ª edição, 2006. MORAES, Carmen Sylvia Vidigal et al. Brasil. Secretaria de Educação Básica. Formação de Professores do Ensino Médio, etapa I – caderno I: ensino médio e formação humana integral/ Ministério da Educação. Curitiba: UFPR/ Setor de Educação, 2013 SEEDUC em números. Transparência na Educação. Nº 2, 2013.