SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Inovações Pedagógicas no
Ensino de Biologia
Marcos Barros
www.marcosbarros.com.br
UFPE/PRÁTICA.EDU
Inovar é...
Melhorar
Modernizar
Tecnologias
Novidades
Renovar
Novas ideias
?
INOVAR É?
Inovação não é...
- Fazer coisas diferentes;
- Estar sempre mudando;
- Dar respostas burocráticas às exigências
de mudança...
 Inovação não tem relação direta com tecnologia.
 Os alunos acham a escola desinteressante.
 Não se muda esse cenário com tecnologia.
 Fora da escola, as crianças estão aprendendo de
forma colaborativa absurdamente.
Inovação
Inovar o que ou sobre o quê?
- Mudanças nas concepções de ensino e
aprendizagem;
- Mudanças no papel do professor e do aluno;
- Mudanças no planejamento e/ou estratégias;
- Mudanças nas infraestruturas ou padrões
organizativos;
- Mudanças nos usos das tecnologias.
[...] conjunto de intervenções, decisões e processos, com certo
grau de intencionalidade e sistematização, que trata de modificar
atitudes, ideias, culturas, conteúdos, modelos e práticas
pedagógicas. E, por sua vez, introduzir, em linha renovadora,
novos projetos e programas, materiais curriculares, estratégias
de ensino e aprendizagem, modelos didáticos e outras formas de
organizar e gerir o currículo, a escola e a dinâmica da classe
(CARBONELL, 2002, p. 19).
INOVAÇÃO
Inovar, em termos metodológicos tem significado de estruturar
métodos de ensino que levem o aluno a utilizar habilidades
intelectuais, a exercitar o pensamento reflexivo na solução de
problemas e tomada de decisões e, inovar sob o ponto de vista
da didática, tem significado de criar métodos ou técnicas de
ensino que favoreçam a integração de conteúdos e a integração
social dos alunos, bem como estimular a participação destes em
outros níveis que não apenas o intelectual (FERRETTI, 1995,
p.69).
INOVAÇÃO
Ser inovador não significa trazer tecnologias para dentro da
sala de aula, ou incluí-la nos processos pedagógicos. Ser
inovador significa reinventar a escola, torná-la diferente do que
tem sido. (TOSCHI, 2010, p. 9).
PROFESSOR INOVADOR
Critérios para inovar em educação
- Ruptura com a forma tradicional de ensinar e aprender;
- Gestão participativa;
- Reconfiguração dos saberes;
- Reorganização da relação teoria/prática;
- Perspectiva orgânica no processo de concepção,
desenvolvimento e avaliação da experiência desenvolvida;
- Mediação;
- Protagonismo.
(CUNHA, 2008)
Dimensões
 Gestão escolar - práticas que tenham desenvolvido um processo de
corresponsabilização, envolvendo estudantes, pais, professores e comunidade
na formação do projeto político pedagógico.
 Currículo - promoção do desenvolvimento integral e para a promoção da
sustentabilidade social, econômica, ecológica e cultural, capaz de estabelecer
com o indivíduo uma relação de produção de conhecimento e cultura.
 Ambiente físico - espaços capazes de mostrar e manifestar o projeto
pedagógico ali desenvolvido, e que ancoram relações humanas dialógicas,
responsivas, voltadas para o bem estar de todos e capazes de mediar conflitos.
Portaria N0 751/2015 Grupo de
Trabalho
Tendências, Modelos e
Tecnologias
 É uma rede de objetos
conectados que ligam o mundo
físico com o mundo de
informações através da web.
 A Internet das coisas pode ser
particularmente útil no trabalho
de campo, facilitando
oportunidades para estudantes
coletarem dados científicos
através de dispositivos móveis e,
instantaneamente, adicioná-los a
grandes bases de dados.
Internet das Coisas
Tecnologia Vestível
Computação Afetiva
 Eficaz para projetos dentro e fora da escola, os serviços
baseados em localização permitem atividades envolventes,
incluindo mapeamento coletivo, gincanas e coleta de
dados científicos.
 A inteligência de localização está pronta para ajudar as
pessoas a compreender melhor os seus ambientes e, até
mesmo, contribuir com suas próprias medições, em um
esforço para mapear o mundo inteiro, de todas as formas.
Inteligência de Localização
Impressão 3D
Redes Sociais
 Capacidade para responder ao estímulo do usuário, o que
confere um potencial significativo para a aprendizagem e
avaliação; com isso, os alunos podem construir um novo
entendimento baseado em interações com os objetos
virtuais que trazem dados subjacentes à vida.
 Estudantes que fazem o trabalho de campo acessam a
aplicações de Realidade Aumentada para sobrepor mapas
e informações sobre seu entorno, ou para entrar em
observações de campo.
Realidade Aumentada
 Os laboratórios virtuais são aplicações web que
emulam o funcionamento de laboratórios reais e
permitem que os alunos pratiquem em um ambiente
"seguro" antes de utilizar componentes físicos e
reais.
 Os alunos podem acessar normalmente laboratórios
virtuais 24 horas por dia, 7 dias por semana, a partir
de onde quer que estejam e executar os mesmos
experimentos várias vezes.
Laboratórios Remotos e Virtuais
 O aprendizado online faz uso criativo de tecnologias
educacionais e abordagens pedagógicas emergentes,
incluindo aprendizagem híbrida e aulas em vídeo.
 Quando oferecidos online, um conjunto diversificado
de recursos de aprendizagem é facilmente acessível
para os estudantes e pode apoiar a aprendizagem
autodirigida
Aprendizagem Online
 Tem o objetivo de interpretar e analisar o design de
aprendizagens de professores, assim como prover
feedback para professores e estudantes. No primeiro
momento, pode auxiliar os professores para pensarem
sobre seus processos de ensino e aprendizagem.
 Título, Tipo de atividade (Ler, Ver, Ouvir, Colaborar,
Discutir, Investigar, Praticar e Produzir ), Duração, em
minutos da atividade, Organização dos estudantes,
Participação do professor, Anexos (Pesquisa), Descrição e
Notas.
Design Learning
 Tem o objetivo de desenvolver o pensamento crítico e
a capacidade de inovação dos estudantes.
 A metodologia é organizada em cinco etapas:
descoberta, interpretação, ideação, experimentação
e evolução.
Design Thinking
 Os games possibilitam um impacto cognitivo, motivacional,
emocional e social sobre o comportamento humano.
 Os games, efetivamente projetados, estimulam grandes ganhos
de engajamento, produtividade, criatividade e aprendizagem
autêntica.
 Os games educativos são usados para ensinar conceitos
transversais que abordam diversos assuntos e, muitas vezes, são
mais atraentes do que as abordagens tradicionais.
Games e Gamificação
• Problem Based Learning (PBL)
– Método de ensino, centrado no aprendiz, que promove o
aprendizado colaborativo e motivador, baseado na resolução
de problemas REAIS
• Aprendizagem baseada em práticas reais
• Ambiente intensamente colaborativo
• Desenvolvimento de habilidades interpessoais, como
trabalho em grupo, visão crítica de problemas, liderança,
ética
• Ambiente rico no estímulo à inovação ( LINS, 2014)
Aprendizagem Baseada em
Problemas (PBL)
 A sala de aula invertida (flipped classroom) refere-se a um
modelo de aprendizagem que reorganiza o tempo gasto
dentro e fora da classe.
 Uma aprendizagem mais ativa é um componente
importante da sala de aula invertida
 Os conceitos de sala de aula invertida, além de
proporcionar aos alunos um conjunto mais diversificado de
recursos de aprendizagem, apoiam a aprendizagem
autodirigida
Sala de Aula Invertida
 Aplicativos móveis com características sociais
embutidas permitem que os alunos compartilhem
suas dúvidas ou constatações uns com os outros em
tempo real.
 Os alunos podem aproveitar as câmeras, microfones e
outros instrumentos inerentes a celulares para
fazerem trabalho de campo ou criarem mídias ricas
Aprendizagem Móvel
Algumas Experiências…
Obrigado!
aprendizagemmovel@marcosbarros.com.br
www.marcosbarros.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Pointinfoeducp2
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiRebeca Vale
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células João Monteiro
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino MédioKeSantos03
 
II.3 Reino Protoctista
II.3 Reino ProtoctistaII.3 Reino Protoctista
II.3 Reino ProtoctistaRebeca Vale
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Bio
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoMarcia Bantim
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Karol Maia
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosJuliana Mendes
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosRebeca Vale
 
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]César Milani
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasRebeca Vale
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosFatima Comiotto
 
Biologia e metodo cientifico
Biologia e metodo cientificoBiologia e metodo cientifico
Biologia e metodo cientificoMarcia Bantim
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientificoAln2
 

Mais procurados (20)

Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
Plano de aula completo Citologia: Tipos e formas de células
 
Mitose
MitoseMitose
Mitose
 
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula   2ª Série do Ensino MédioPlano de aula   2ª Série do Ensino Médio
Plano de aula 2ª Série do Ensino Médio
 
Reino animal
Reino animalReino animal
Reino animal
 
II.3 Reino Protoctista
II.3 Reino ProtoctistaII.3 Reino Protoctista
II.3 Reino Protoctista
 
Plano de aula 5
Plano de aula 5Plano de aula 5
Plano de aula 5
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]Compostos inorgânicos e orgânicos  [modo de compatibilidade]
Compostos inorgânicos e orgânicos [modo de compatibilidade]
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Biologia e metodo cientifico
Biologia e metodo cientificoBiologia e metodo cientifico
Biologia e metodo cientifico
 
Aula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetaisAula tecidos vegetais
Aula tecidos vegetais
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
 

Destaque

Seminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap I
Seminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap ISeminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap I
Seminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap IPIBID QUÍMICA UNIFESP
 
Lula desautoriza iniciativas para 3º ...
Lula desautoriza iniciativas para 3º ...Lula desautoriza iniciativas para 3º ...
Lula desautoriza iniciativas para 3º ...Humberto Ferreira
 
Tutorial site aulas de Ciências e Biologia
Tutorial site aulas de Ciências e BiologiaTutorial site aulas de Ciências e Biologia
Tutorial site aulas de Ciências e BiologiaAndrea Barreto
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007elisamello
 
Protocolos aulas práticas
Protocolos aulas práticasProtocolos aulas práticas
Protocolos aulas práticasLuiza Saldanha
 
ECM e TICs: há uma fórmula?
ECM e TICs: há uma fórmula?ECM e TICs: há uma fórmula?
ECM e TICs: há uma fórmula?regist
 
Tics no ambiente escolar!!!
Tics no ambiente escolar!!!Tics no ambiente escolar!!!
Tics no ambiente escolar!!!pequenaalba
 
Biologia educacional 1
Biologia educacional 1Biologia educacional 1
Biologia educacional 1Luiza Kokkonen
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...rosemaralopes
 
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisNovas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisSimpósio Hipertexto
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioClécio Bubela
 
Biologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentaçãoBiologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentaçãoIsabel Henriques
 

Destaque (20)

Seminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap I
Seminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap ISeminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap I
Seminário: importância da educação científica na Sociedade Atual - Cap I
 
Estrategias de ensino
Estrategias de ensinoEstrategias de ensino
Estrategias de ensino
 
Slide kelly
Slide kellySlide kelly
Slide kelly
 
Lula desautoriza iniciativas para 3º ...
Lula desautoriza iniciativas para 3º ...Lula desautoriza iniciativas para 3º ...
Lula desautoriza iniciativas para 3º ...
 
Ativ14oldineiaferreira
Ativ14oldineiaferreiraAtiv14oldineiaferreira
Ativ14oldineiaferreira
 
Telemedicina
TelemedicinaTelemedicina
Telemedicina
 
Tutorial site aulas de Ciências e Biologia
Tutorial site aulas de Ciências e BiologiaTutorial site aulas de Ciências e Biologia
Tutorial site aulas de Ciências e Biologia
 
Actividades práticas
Actividades práticasActividades práticas
Actividades práticas
 
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
Aulas EspecíFicas Biologia 2 Fase Aula 01 2007
 
Protocolos aulas práticas
Protocolos aulas práticasProtocolos aulas práticas
Protocolos aulas práticas
 
ECM e TICs: há uma fórmula?
ECM e TICs: há uma fórmula?ECM e TICs: há uma fórmula?
ECM e TICs: há uma fórmula?
 
Tics no ambiente escolar!!!
Tics no ambiente escolar!!!Tics no ambiente escolar!!!
Tics no ambiente escolar!!!
 
Biologia educacional 1
Biologia educacional 1Biologia educacional 1
Biologia educacional 1
 
Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
 
Doc bcm
Doc bcmDoc bcm
Doc bcm
 
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisNovas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
 
Orientação técnica: Mapa Conceitual
Orientação técnica: Mapa ConceitualOrientação técnica: Mapa Conceitual
Orientação técnica: Mapa Conceitual
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino Médio
 
Biologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentaçãoBiologia e geologia apresentação
Biologia e geologia apresentação
 

Semelhante a Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia

Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Universidade Federal de Pernambuco
 
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Universidade Federal de Pernambuco
 
PITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti PradoPITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti PradoFabiano Sulligo
 
Slide do pitec
Slide do pitecSlide do pitec
Slide do pitecSEDUC - MT
 
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoAprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoUniversidade de Lisboa
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoVera Zacharias
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundojaniteacher Simoes
 
A influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidadeA influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidadeLuis Borges Gouveia
 
A influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidadeA influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidadeguestb98b93b
 
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018RosngelaArajo7
 
Interacao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielleInteracao pea katia_danielle
Interacao pea katia_daniellePatricia Torres
 
aprendizagens_visiveis.pdf
aprendizagens_visiveis.pdfaprendizagens_visiveis.pdf
aprendizagens_visiveis.pdfMVEducacional
 
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...Universidade Federal de Pernambuco
 

Semelhante a Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia (20)

Metodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
Metodologias Ativas, Imersivas e InovadorasMetodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
Metodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
 
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
 
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
 
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e InovadorasEducação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
 
PITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti PradoPITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
PITEC Elaboração de Projetos - Beti Prado
 
Slide do pitec
Slide do pitecSlide do pitec
Slide do pitec
 
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensinoAprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
Aprendizagem ativa na educação básica: implicações para o ensino
 
Aula 08 projetos 2010
Aula 08 projetos 2010Aula 08 projetos 2010
Aula 08 projetos 2010
 
Estratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no EnsinoEstratégias Diferenciadas no Ensino
Estratégias Diferenciadas no Ensino
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundo
 
A influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidadeA influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do espaço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
 
A influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidadeA influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
A influencia do esapço na criação de espaços de aprendizagem de alta qualidade
 
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
 
Interacao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielleInteracao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielle
 
Salete pae2
Salete pae2Salete pae2
Salete pae2
 
Salete pae2
Salete pae2Salete pae2
Salete pae2
 
aprendizagens_visiveis.pdf
aprendizagens_visiveis.pdfaprendizagens_visiveis.pdf
aprendizagens_visiveis.pdf
 
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
 
Aprender por projetos
Aprender por projetosAprender por projetos
Aprender por projetos
 
Metodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e InovadorasMetodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e Inovadoras
 

Mais de Universidade Federal de Pernambuco

Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...Universidade Federal de Pernambuco
 
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Universidade Federal de Pernambuco
 
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...Universidade Federal de Pernambuco
 
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASEDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASUniversidade Federal de Pernambuco
 

Mais de Universidade Federal de Pernambuco (20)

Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interaçãoDia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
 
Educação 5.0
Educação 5.0Educação 5.0
Educação 5.0
 
Arte e Ensino
Arte e EnsinoArte e Ensino
Arte e Ensino
 
Aprendizagem Através do Encantamento
Aprendizagem Através do Encantamento Aprendizagem Através do Encantamento
Aprendizagem Através do Encantamento
 
Aprendizagem Através da Diversao
Aprendizagem Através da DiversaoAprendizagem Através da Diversao
Aprendizagem Através da Diversao
 
Tecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-Ativa
Tecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-AtivaTecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-Ativa
Tecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-Ativa
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Apresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
Apresentação Colégio Imaculado Coração de MariaApresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
Apresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
 
Hub Educat UFPE
Hub Educat UFPEHub Educat UFPE
Hub Educat UFPE
 
Residência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de CiênciasResidência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de Ciências
 
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONALEMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
 
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
 
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
 
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
 
Residencia Docente em Ensino de Ciências em Feira Nova
Residencia Docente em Ensino de Ciências em Feira NovaResidencia Docente em Ensino de Ciências em Feira Nova
Residencia Docente em Ensino de Ciências em Feira Nova
 
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize BarrosApresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
 
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASEDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
 
Encantamento e Educação
Encantamento e EducaçãoEncantamento e Educação
Encantamento e Educação
 
Palestra Sesi Metodologias Ativas
Palestra Sesi Metodologias AtivasPalestra Sesi Metodologias Ativas
Palestra Sesi Metodologias Ativas
 
Teorias Didáticas para Mobile Learning
Teorias Didáticas para Mobile LearningTeorias Didáticas para Mobile Learning
Teorias Didáticas para Mobile Learning
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 

Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia

  • 1. Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia Marcos Barros www.marcosbarros.com.br UFPE/PRÁTICA.EDU
  • 3. Inovação não é... - Fazer coisas diferentes; - Estar sempre mudando; - Dar respostas burocráticas às exigências de mudança...
  • 4.  Inovação não tem relação direta com tecnologia.  Os alunos acham a escola desinteressante.  Não se muda esse cenário com tecnologia.  Fora da escola, as crianças estão aprendendo de forma colaborativa absurdamente. Inovação
  • 5. Inovar o que ou sobre o quê? - Mudanças nas concepções de ensino e aprendizagem; - Mudanças no papel do professor e do aluno; - Mudanças no planejamento e/ou estratégias; - Mudanças nas infraestruturas ou padrões organizativos; - Mudanças nos usos das tecnologias.
  • 6. [...] conjunto de intervenções, decisões e processos, com certo grau de intencionalidade e sistematização, que trata de modificar atitudes, ideias, culturas, conteúdos, modelos e práticas pedagógicas. E, por sua vez, introduzir, em linha renovadora, novos projetos e programas, materiais curriculares, estratégias de ensino e aprendizagem, modelos didáticos e outras formas de organizar e gerir o currículo, a escola e a dinâmica da classe (CARBONELL, 2002, p. 19). INOVAÇÃO
  • 7. Inovar, em termos metodológicos tem significado de estruturar métodos de ensino que levem o aluno a utilizar habilidades intelectuais, a exercitar o pensamento reflexivo na solução de problemas e tomada de decisões e, inovar sob o ponto de vista da didática, tem significado de criar métodos ou técnicas de ensino que favoreçam a integração de conteúdos e a integração social dos alunos, bem como estimular a participação destes em outros níveis que não apenas o intelectual (FERRETTI, 1995, p.69). INOVAÇÃO
  • 8. Ser inovador não significa trazer tecnologias para dentro da sala de aula, ou incluí-la nos processos pedagógicos. Ser inovador significa reinventar a escola, torná-la diferente do que tem sido. (TOSCHI, 2010, p. 9). PROFESSOR INOVADOR
  • 9. Critérios para inovar em educação - Ruptura com a forma tradicional de ensinar e aprender; - Gestão participativa; - Reconfiguração dos saberes; - Reorganização da relação teoria/prática; - Perspectiva orgânica no processo de concepção, desenvolvimento e avaliação da experiência desenvolvida; - Mediação; - Protagonismo. (CUNHA, 2008)
  • 10. Dimensões  Gestão escolar - práticas que tenham desenvolvido um processo de corresponsabilização, envolvendo estudantes, pais, professores e comunidade na formação do projeto político pedagógico.  Currículo - promoção do desenvolvimento integral e para a promoção da sustentabilidade social, econômica, ecológica e cultural, capaz de estabelecer com o indivíduo uma relação de produção de conhecimento e cultura.  Ambiente físico - espaços capazes de mostrar e manifestar o projeto pedagógico ali desenvolvido, e que ancoram relações humanas dialógicas, responsivas, voltadas para o bem estar de todos e capazes de mediar conflitos. Portaria N0 751/2015 Grupo de Trabalho
  • 12.  É uma rede de objetos conectados que ligam o mundo físico com o mundo de informações através da web.  A Internet das coisas pode ser particularmente útil no trabalho de campo, facilitando oportunidades para estudantes coletarem dados científicos através de dispositivos móveis e, instantaneamente, adicioná-los a grandes bases de dados. Internet das Coisas
  • 15.  Eficaz para projetos dentro e fora da escola, os serviços baseados em localização permitem atividades envolventes, incluindo mapeamento coletivo, gincanas e coleta de dados científicos.  A inteligência de localização está pronta para ajudar as pessoas a compreender melhor os seus ambientes e, até mesmo, contribuir com suas próprias medições, em um esforço para mapear o mundo inteiro, de todas as formas. Inteligência de Localização
  • 18.  Capacidade para responder ao estímulo do usuário, o que confere um potencial significativo para a aprendizagem e avaliação; com isso, os alunos podem construir um novo entendimento baseado em interações com os objetos virtuais que trazem dados subjacentes à vida.  Estudantes que fazem o trabalho de campo acessam a aplicações de Realidade Aumentada para sobrepor mapas e informações sobre seu entorno, ou para entrar em observações de campo. Realidade Aumentada
  • 19.  Os laboratórios virtuais são aplicações web que emulam o funcionamento de laboratórios reais e permitem que os alunos pratiquem em um ambiente "seguro" antes de utilizar componentes físicos e reais.  Os alunos podem acessar normalmente laboratórios virtuais 24 horas por dia, 7 dias por semana, a partir de onde quer que estejam e executar os mesmos experimentos várias vezes. Laboratórios Remotos e Virtuais
  • 20.  O aprendizado online faz uso criativo de tecnologias educacionais e abordagens pedagógicas emergentes, incluindo aprendizagem híbrida e aulas em vídeo.  Quando oferecidos online, um conjunto diversificado de recursos de aprendizagem é facilmente acessível para os estudantes e pode apoiar a aprendizagem autodirigida Aprendizagem Online
  • 21.  Tem o objetivo de interpretar e analisar o design de aprendizagens de professores, assim como prover feedback para professores e estudantes. No primeiro momento, pode auxiliar os professores para pensarem sobre seus processos de ensino e aprendizagem.  Título, Tipo de atividade (Ler, Ver, Ouvir, Colaborar, Discutir, Investigar, Praticar e Produzir ), Duração, em minutos da atividade, Organização dos estudantes, Participação do professor, Anexos (Pesquisa), Descrição e Notas. Design Learning
  • 22.
  • 23.  Tem o objetivo de desenvolver o pensamento crítico e a capacidade de inovação dos estudantes.  A metodologia é organizada em cinco etapas: descoberta, interpretação, ideação, experimentação e evolução. Design Thinking
  • 24.  Os games possibilitam um impacto cognitivo, motivacional, emocional e social sobre o comportamento humano.  Os games, efetivamente projetados, estimulam grandes ganhos de engajamento, produtividade, criatividade e aprendizagem autêntica.  Os games educativos são usados para ensinar conceitos transversais que abordam diversos assuntos e, muitas vezes, são mais atraentes do que as abordagens tradicionais. Games e Gamificação
  • 25.
  • 26. • Problem Based Learning (PBL) – Método de ensino, centrado no aprendiz, que promove o aprendizado colaborativo e motivador, baseado na resolução de problemas REAIS • Aprendizagem baseada em práticas reais • Ambiente intensamente colaborativo • Desenvolvimento de habilidades interpessoais, como trabalho em grupo, visão crítica de problemas, liderança, ética • Ambiente rico no estímulo à inovação ( LINS, 2014) Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL)
  • 27.  A sala de aula invertida (flipped classroom) refere-se a um modelo de aprendizagem que reorganiza o tempo gasto dentro e fora da classe.  Uma aprendizagem mais ativa é um componente importante da sala de aula invertida  Os conceitos de sala de aula invertida, além de proporcionar aos alunos um conjunto mais diversificado de recursos de aprendizagem, apoiam a aprendizagem autodirigida Sala de Aula Invertida
  • 28.  Aplicativos móveis com características sociais embutidas permitem que os alunos compartilhem suas dúvidas ou constatações uns com os outros em tempo real.  Os alunos podem aproveitar as câmeras, microfones e outros instrumentos inerentes a celulares para fazerem trabalho de campo ou criarem mídias ricas Aprendizagem Móvel
  • 30.
  • 31.
  • 32.