SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
II Seminário Internacional
Educação e
Territórios Inteligentes
Painel
(Re)Pensar polí/cas educa/vas a par/r do
local: princípios teóricos e especificidade de
prá/cas
Coreografias Ins;tucionais no
Mapeamento
de Polí;cas Educa;vas em
Cidades
Pernambucanas
Prof. Marcos Barros
Centro de Educação - UFPE
CENTRO
DE EDUCAÇÃO
QUEM
SOMOS
A Residência Docente em Ensino de Ciências é a pioneira em
Pernambuco.Criada desde 2017 como um programa sem
fins lucrativos com a missão de fomentar a formação
inicial e continuada dos professores.
OprogramafoioganhadordoPrêmioDesafio
Município Inovador promovido pela Escola de
Inovação e Políticas Públicas – EIPP pela Fundação
JoaquimNabuco(FUNDAJ-MEC,)comooprojeto
mais inovador em Políticas Públicas de
Pernambuco.
QUEMSOMOS
O Laboratório de Pesquisa e Prática - Educação, Metodologias
e Tecnologias (Educat) desenvolve projetos de ensino,
pesquisa, extensão, inovação e formação nas seguintes
áreas: docência e aprendizagem; metodologias e tecnologias;
coreografias didáticas e institucionais; engajamento
estudantil e docente, integração de tecnologias digitais da
informação e comunicação nos currículos; cenários de
aprendizagem.
Visa articular parcerias e convênios numa perspectiva em
rede de pesquisadores com institutos e grupos locais,
nacionais e internacionais.
Em tempos de popularização reafirmamos nossa crença na
centralidade da educação para o desenvolvimento do país e
do papel dos professores neste processo.
Dois caminhos são fundamentais para fomentar a
aprendizagem:
REDE COLABORATIVADEAPRENDIZAGEM
ATRIBUTOS PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL
ATRIBUTOS PARA FORMAÇÃOPROFISSIONAL
INOVAÇÃO
ENSINO
EXTENSÃO
PESQUISA
COMOFUNCIONA?
As secretarias de Educação nos procuram para o
desenvolvimento de práticas pedagógicas nas suas
redes de ensino.
As escolas parceiras são selecionadas podendo ser da
rede pública ou privada.
Gestores, coordenadores, professores, pais e
residentes participamdeformações iniciale
continuada durante a permanência noprograma.
SECRETARIADE
EDUCAÇÃO1
2 ESCOLAS
PARCEIRAS
3 FORMAÇÃO
Alunos das licenciaturas, cursando a partir do
primeiro período da graduação.4 RESIDENTES
Essa rede se apoia ao longo da vida, permanecendo
conectada com as escolas parceiras compartilhando a missão
de impactar o ensino da Educação Básica de Pernambuco.
5 REDE
PILARES
Trabalhamos em parceria com universidades, escolas e
secretarias de educação sobre três pilares de atuação:
Formamos professores da rede básica de ensino público
e privado focando nas novas metodologias de ensino e
atuais tendências.
Trabalhamos para desenvolvimentos de projetos que
atendam as demandas das escolas parceiras,
promovendo melhores resultados para professores,
gestores, equipe técnica e a aprendizagem dos alunos.
Contribuímos para o desenvolvimento de políticas públicas,
envolvendo um conjunto de operações, das quais resultam no
engajamento de professores, alunos e comunidade em geral.
PROGRAMADE
FORMAÇÃO
1
2 PROJETOS
3 POLÍTICAS
PÚBLICAS
PRINCÍPIOS
FORMAÇÃODOCENTE/DISCENTE
VALORES
INOVAÇÃO
TRANSPARÊNCIA
FORMAÇÃO
DOCENTE/DISCENTE
Buscamos estratégias para criação de novas
oportunidades de aprendizagem que estimulem
professores para a formação de alunos críticos e
criativos capazes de compartilhar, conhecimento e
cultura em
uma sociedade em constante transformação.
VALORES
Acreditamos no desenvolvimento dos alunos nos
quatros pilares da educação segundo a
UNESCO: aprenderaconhecer,aprenderafazer,
aprender a conviver e aprender a ser.
INOVAÇÃO
Ousamos imaginar o novo. Inovar, questionar padrões,
propor umnovo jeito defazer, de pensar e umnovo olhar
sobre o Programa e ações nas escolas parceiras.
Ainovação está presente não apenas emnossas
propostas, mastambém emnossos processos.
TRANSPARÊNCIA
Todos os nossos projetos são abertos e voltados para o
ensino público ou privado, estando disponíveis em nosso
site e em nossas redes sociais. Abrimos espaços
permanentes de diálogo com a sociedade para
aprimorar nossos processos e darvisibilidade aos nossos
resultados.
PROJETOS
Formação de Gestores
Formação de Coordenadores
Formação deProfessor
Imersão de Residentes
Vivências Formativas
Produção deEventos
Palestras
Oficinas
Semanas temáticas
Mídias sociais
POLÍTICAS
PÚBLICAS-Soluções
Constituição de
Núcleo de Formação
Docente
Clubes de
Ciências
MODELO TEÓRICO-METODOLÓGICO
COREOGRAFIASINSTITUCIONAIS
PROGRAMADE
FORMAÇÃO
1
2 PROJETOS3 POLÍTICAS
PÚBLICAS
Programas, ações e
decisões para atingir
resultadossatisfatórios
na áreaeducacional.
Conjuntos de atividades
temporáriasquetemcomo
objetivo produzir um
resultado único na
comunidadeescolar.
Formação continuada
para redepública/privada.
COREOGRAFIAS
DIDÁTICAS
As coreografias institucionais surgem da
proposta inicial lançada por Oser, Baeriswil
(2001) e Zabalza (2005), denominadas
Coreografias Didáticas, que percebem a sala
de aula como uma grande coreografia, onde
o professor exerce o papel de um
coreógrafo e os estudantes dos
dançarinos.
Estágios de uma CoreografiaDidática
(ZABALZA, 2018)
1.ANTECIPAÇÃODA
APRENDIZAGEM
4. PRODUTO DA
APRENDIZAGEM
3. MOVIMENTOS
INTERNOS
(colocação em cena ou
processo II)
2. MOVIMENTOS
EXTERNOS
(roteiro da aprendizagem ou
modelo-base ou processo I)
ETAPAS AÇÃO PREDOMINANTE
Antecipação da
Aprendizagem
Refletirsobre o que se
pretende aprender e
como ensinar
Movimentos
Externos
Formatar, organizar e
colocar em cena os
recursos didáticos
Movimentos
Internos
Processar sequência de
operações mentaispara
aprendizagem
Produto da
Aprendizagem
Reconhecera resultante do
processo deaprendizagem
Características das Etapas das Coreografias Didáticas
AlumnoProfesor
a b
c
Contexto Institucional
ORIENTACIÓN FORMATIVA EMPLEO
POLITICA
INSTITUCIONAL
CURRICULUM
OFICIAL
REFERENTES EXTERNOS
Configuração de Elementos Básicos de Uma
Coreografia Didática (ZABALZA et al., 2018)
Contenidos
Enseñar
Aprender
EQUIPE
COORDENADOR: Fredson Murilo
Mestrando emEducação emCiências e
Matemática -UFPE
CONSULTOR SÊNIOR:MarcosBarros
DoutorEm Educação–UFPE
CONSULTORES:
DalvaneideAraújo
Doutoranda em Educação-Universidade
Coimbra
Gleize Barros
Mestre emEducação emCiências e
Matemática –UFPE
Izabel Borges
Mestre em Ensino das Ciências -
UFRPE
RESIDENTES:
FernandaAlves
Licencianda emBiologia - UFPE
Marcela Karolinny
Licencianda emBiologia - UFPE
Natanael Silva
Licenciando emBiologia - UFPE
Pedro Rodrigues
Graduando emDesign - UFPE
REDESSOCIAIS
INSTAGRAM:@re_dec
FACEBOOK:/residenciadocenteemensinodeciencias
TWITTER:@ReDEC_PE
YOUTUBE: Residencia Docente em Ensino deCiências
FLICKR: flickr.com/photos/re_dec
SOUNDCLOUD: soundcloud.com/residenciadocenteec
LINKEDIN:tiny.cc/ReDEC
PORTAL:redecpe.com.br
CONTATOS
MARCOSBARROS
www.marcosbarros.com.br
marcos@marcosbarros.com.br
+55 81 999574061

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Universidade Federal de Pernambuco
 
Projeto De Ensino E Projeto De Aprendizagem
Projeto De Ensino E Projeto De AprendizagemProjeto De Ensino E Projeto De Aprendizagem
Projeto De Ensino E Projeto De AprendizagemSérgio da Silva
 
Projeto de Aprendizagem - Arlete e Maristher
Projeto de Aprendizagem - Arlete e MaristherProjeto de Aprendizagem - Arlete e Maristher
Projeto de Aprendizagem - Arlete e Maristherfmazzolla
 
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018RosngelaArajo7
 
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroFernanda Ribeiro
 
PráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO Humana
PráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO HumanaPráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO Humana
PráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO Humanaelizetearantes
 

Mais procurados (20)

Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interaçãoDia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
 
Apresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
Apresentação Colégio Imaculado Coração de MariaApresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
Apresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
 
Palestra Sesi Metodologias Ativas
Palestra Sesi Metodologias AtivasPalestra Sesi Metodologias Ativas
Palestra Sesi Metodologias Ativas
 
Hub Educat UFPE
Hub Educat UFPEHub Educat UFPE
Hub Educat UFPE
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e InovadorasEducação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
 
Metodologias Ativas - AMPLIFICA
Metodologias Ativas - AMPLIFICAMetodologias Ativas - AMPLIFICA
Metodologias Ativas - AMPLIFICA
 
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
 
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa
Ensino com pesquisa
 
Projeto De Ensino E Projeto De Aprendizagem
Projeto De Ensino E Projeto De AprendizagemProjeto De Ensino E Projeto De Aprendizagem
Projeto De Ensino E Projeto De Aprendizagem
 
Metodologias ativas
Metodologias ativasMetodologias ativas
Metodologias ativas
 
Projeto de Aprendizagem - Arlete e Maristher
Projeto de Aprendizagem - Arlete e MaristherProjeto de Aprendizagem - Arlete e Maristher
Projeto de Aprendizagem - Arlete e Maristher
 
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
 
Metodologias ativas
Metodologias ativas Metodologias ativas
Metodologias ativas
 
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
 
PráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO Humana
PráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO HumanaPráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO Humana
PráTicas PedagóGicas Inovadoras E Centradas Na FormaçãO Humana
 
Tendêcias Pedagógicas para 2018
Tendêcias Pedagógicas para 2018Tendêcias Pedagógicas para 2018
Tendêcias Pedagógicas para 2018
 
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de BiologiaInovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
 

Semelhante a Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades Pernambucanas

Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015jeffcezanne
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaSocorro Vasconcelos
 
Caderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaense
Caderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaenseCaderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaense
Caderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaensecarmezini
 
Formação Inicial 2019 (1).ppt
Formação Inicial 2019 (1).pptFormação Inicial 2019 (1).ppt
Formação Inicial 2019 (1).pptMarcosTAdRod
 
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.docPlano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.docmicsquize
 
Planejamento 2012
Planejamento 2012Planejamento 2012
Planejamento 2012Pet Esef
 
Seminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero Penna
Seminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero PennaSeminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero Penna
Seminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero PennaRoberta Tancillo
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar LOCIMAR MASSALAI
 
Apresentação Maritza
Apresentação Maritza Apresentação Maritza
Apresentação Maritza jorgellss
 
~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...
~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...
~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...ProfessorPrincipiante
 
Apresentaá∆o-PIICIEgc.pptx
Apresentaá∆o-PIICIEgc.pptxApresentaá∆o-PIICIEgc.pptx
Apresentaá∆o-PIICIEgc.pptxEola Santos
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICALidia Carvalho
 
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...ProfessorPrincipiante
 
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdfTRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdfCoordenaoEPGBA
 

Semelhante a Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades Pernambucanas (20)

Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5Gatti, barreto e andré aula 5
Gatti, barreto e andré aula 5
 
Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1Plano de gestão CHAPA 1
Plano de gestão CHAPA 1
 
Curriculo.pptx
Curriculo.pptxCurriculo.pptx
Curriculo.pptx
 
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio FrançaProjeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
Projeto Político Pedagógico _ EEEP Júlio França
 
Caderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaense
Caderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaenseCaderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaense
Caderno Temático: As multimídias como ferramentas didáticas na escola paranaense
 
Formação Inicial 2019 (1).ppt
Formação Inicial 2019 (1).pptFormação Inicial 2019 (1).ppt
Formação Inicial 2019 (1).ppt
 
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.docPlano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e    Michelle.doc
Plano Educacional_Grupo Veronica Debora Paloma Joyce e Michelle.doc
 
Planejamento 2012
Planejamento 2012Planejamento 2012
Planejamento 2012
 
Seminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero Penna
Seminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero PennaSeminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero Penna
Seminário de Boas Práticas - Escola Municipal Doutor Cícero Penna
 
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar Plano Anual de Ação da Direção Escolar
Plano Anual de Ação da Direção Escolar
 
Articulador Pedagógico
Articulador PedagógicoArticulador Pedagógico
Articulador Pedagógico
 
Apresentação Maritza
Apresentação Maritza Apresentação Maritza
Apresentação Maritza
 
~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...
~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...
~PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA – UFSCAR: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE ...
 
Apresentaá∆o-PIICIEgc.pptx
Apresentaá∆o-PIICIEgc.pptxApresentaá∆o-PIICIEgc.pptx
Apresentaá∆o-PIICIEgc.pptx
 
Apresentação power
Apresentação powerApresentação power
Apresentação power
 
Síntese dos processos (formação & avaliação)
Síntese dos processos (formação & avaliação)Síntese dos processos (formação & avaliação)
Síntese dos processos (formação & avaliação)
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
 
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA EM SUBPROJETOS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE I...
 
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdfTRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
TRABALHO EV127 MD1 SA2 ID1863 21092019101308.pdf
 

Mais de Universidade Federal de Pernambuco

EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASEDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASUniversidade Federal de Pernambuco
 

Mais de Universidade Federal de Pernambuco (16)

Educação 5.0
Educação 5.0Educação 5.0
Educação 5.0
 
Arte e Ensino
Arte e EnsinoArte e Ensino
Arte e Ensino
 
Aprendizagem Através do Encantamento
Aprendizagem Através do Encantamento Aprendizagem Através do Encantamento
Aprendizagem Através do Encantamento
 
Aprendizagem Através da Diversao
Aprendizagem Através da DiversaoAprendizagem Através da Diversao
Aprendizagem Através da Diversao
 
Residência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de CiênciasResidência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de Ciências
 
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONALEMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
 
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize BarrosApresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
 
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASEDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
 
Encantamento e Educação
Encantamento e EducaçãoEncantamento e Educação
Encantamento e Educação
 
Teorias Didáticas para Mobile Learning
Teorias Didáticas para Mobile LearningTeorias Didáticas para Mobile Learning
Teorias Didáticas para Mobile Learning
 
Curriculo no Ensino de Ciências e Biologia
Curriculo no Ensino de Ciências e BiologiaCurriculo no Ensino de Ciências e Biologia
Curriculo no Ensino de Ciências e Biologia
 
Competências do Administrador na Era Digital
Competências do Administrador na Era DigitalCompetências do Administrador na Era Digital
Competências do Administrador na Era Digital
 
Residência Pedagógica em Biologia
Residência Pedagógica em BiologiaResidência Pedagógica em Biologia
Residência Pedagógica em Biologia
 
Residência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de CiênciasResidência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de Ciências
 
Calouros Biologia 2018.2
Calouros Biologia 2018.2Calouros Biologia 2018.2
Calouros Biologia 2018.2
 
Apresentaçâo Arte e Biologia
Apresentaçâo Arte e BiologiaApresentaçâo Arte e Biologia
Apresentaçâo Arte e Biologia
 

Último

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Último (20)

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 

Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades Pernambucanas

  • 1. II Seminário Internacional Educação e Territórios Inteligentes Painel (Re)Pensar polí/cas educa/vas a par/r do local: princípios teóricos e especificidade de prá/cas
  • 2. Coreografias Ins;tucionais no Mapeamento de Polí;cas Educa;vas em Cidades Pernambucanas Prof. Marcos Barros Centro de Educação - UFPE
  • 4. QUEM SOMOS A Residência Docente em Ensino de Ciências é a pioneira em Pernambuco.Criada desde 2017 como um programa sem fins lucrativos com a missão de fomentar a formação inicial e continuada dos professores. OprogramafoioganhadordoPrêmioDesafio Município Inovador promovido pela Escola de Inovação e Políticas Públicas – EIPP pela Fundação JoaquimNabuco(FUNDAJ-MEC,)comooprojeto mais inovador em Políticas Públicas de Pernambuco.
  • 5. QUEMSOMOS O Laboratório de Pesquisa e Prática - Educação, Metodologias e Tecnologias (Educat) desenvolve projetos de ensino, pesquisa, extensão, inovação e formação nas seguintes áreas: docência e aprendizagem; metodologias e tecnologias; coreografias didáticas e institucionais; engajamento estudantil e docente, integração de tecnologias digitais da informação e comunicação nos currículos; cenários de aprendizagem. Visa articular parcerias e convênios numa perspectiva em rede de pesquisadores com institutos e grupos locais, nacionais e internacionais.
  • 6. Em tempos de popularização reafirmamos nossa crença na centralidade da educação para o desenvolvimento do país e do papel dos professores neste processo. Dois caminhos são fundamentais para fomentar a aprendizagem: REDE COLABORATIVADEAPRENDIZAGEM ATRIBUTOS PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL
  • 7.
  • 9. COMOFUNCIONA? As secretarias de Educação nos procuram para o desenvolvimento de práticas pedagógicas nas suas redes de ensino. As escolas parceiras são selecionadas podendo ser da rede pública ou privada. Gestores, coordenadores, professores, pais e residentes participamdeformações iniciale continuada durante a permanência noprograma. SECRETARIADE EDUCAÇÃO1 2 ESCOLAS PARCEIRAS 3 FORMAÇÃO Alunos das licenciaturas, cursando a partir do primeiro período da graduação.4 RESIDENTES Essa rede se apoia ao longo da vida, permanecendo conectada com as escolas parceiras compartilhando a missão de impactar o ensino da Educação Básica de Pernambuco. 5 REDE
  • 10. PILARES Trabalhamos em parceria com universidades, escolas e secretarias de educação sobre três pilares de atuação: Formamos professores da rede básica de ensino público e privado focando nas novas metodologias de ensino e atuais tendências. Trabalhamos para desenvolvimentos de projetos que atendam as demandas das escolas parceiras, promovendo melhores resultados para professores, gestores, equipe técnica e a aprendizagem dos alunos. Contribuímos para o desenvolvimento de políticas públicas, envolvendo um conjunto de operações, das quais resultam no engajamento de professores, alunos e comunidade em geral. PROGRAMADE FORMAÇÃO 1 2 PROJETOS 3 POLÍTICAS PÚBLICAS
  • 12. FORMAÇÃO DOCENTE/DISCENTE Buscamos estratégias para criação de novas oportunidades de aprendizagem que estimulem professores para a formação de alunos críticos e criativos capazes de compartilhar, conhecimento e cultura em uma sociedade em constante transformação. VALORES Acreditamos no desenvolvimento dos alunos nos quatros pilares da educação segundo a UNESCO: aprenderaconhecer,aprenderafazer, aprender a conviver e aprender a ser.
  • 13. INOVAÇÃO Ousamos imaginar o novo. Inovar, questionar padrões, propor umnovo jeito defazer, de pensar e umnovo olhar sobre o Programa e ações nas escolas parceiras. Ainovação está presente não apenas emnossas propostas, mastambém emnossos processos. TRANSPARÊNCIA Todos os nossos projetos são abertos e voltados para o ensino público ou privado, estando disponíveis em nosso site e em nossas redes sociais. Abrimos espaços permanentes de diálogo com a sociedade para aprimorar nossos processos e darvisibilidade aos nossos resultados.
  • 14. PROJETOS Formação de Gestores Formação de Coordenadores Formação deProfessor Imersão de Residentes Vivências Formativas Produção deEventos Palestras Oficinas Semanas temáticas Mídias sociais
  • 15. POLÍTICAS PÚBLICAS-Soluções Constituição de Núcleo de Formação Docente Clubes de Ciências
  • 16. MODELO TEÓRICO-METODOLÓGICO COREOGRAFIASINSTITUCIONAIS PROGRAMADE FORMAÇÃO 1 2 PROJETOS3 POLÍTICAS PÚBLICAS Programas, ações e decisões para atingir resultadossatisfatórios na áreaeducacional. Conjuntos de atividades temporáriasquetemcomo objetivo produzir um resultado único na comunidadeescolar. Formação continuada para redepública/privada.
  • 17. COREOGRAFIAS DIDÁTICAS As coreografias institucionais surgem da proposta inicial lançada por Oser, Baeriswil (2001) e Zabalza (2005), denominadas Coreografias Didáticas, que percebem a sala de aula como uma grande coreografia, onde o professor exerce o papel de um coreógrafo e os estudantes dos dançarinos.
  • 18. Estágios de uma CoreografiaDidática (ZABALZA, 2018) 1.ANTECIPAÇÃODA APRENDIZAGEM 4. PRODUTO DA APRENDIZAGEM 3. MOVIMENTOS INTERNOS (colocação em cena ou processo II) 2. MOVIMENTOS EXTERNOS (roteiro da aprendizagem ou modelo-base ou processo I)
  • 19. ETAPAS AÇÃO PREDOMINANTE Antecipação da Aprendizagem Refletirsobre o que se pretende aprender e como ensinar Movimentos Externos Formatar, organizar e colocar em cena os recursos didáticos Movimentos Internos Processar sequência de operações mentaispara aprendizagem Produto da Aprendizagem Reconhecera resultante do processo deaprendizagem Características das Etapas das Coreografias Didáticas
  • 20. AlumnoProfesor a b c Contexto Institucional ORIENTACIÓN FORMATIVA EMPLEO POLITICA INSTITUCIONAL CURRICULUM OFICIAL REFERENTES EXTERNOS Configuração de Elementos Básicos de Uma Coreografia Didática (ZABALZA et al., 2018) Contenidos Enseñar Aprender
  • 21. EQUIPE COORDENADOR: Fredson Murilo Mestrando emEducação emCiências e Matemática -UFPE CONSULTOR SÊNIOR:MarcosBarros DoutorEm Educação–UFPE CONSULTORES: DalvaneideAraújo Doutoranda em Educação-Universidade Coimbra Gleize Barros Mestre emEducação emCiências e Matemática –UFPE Izabel Borges Mestre em Ensino das Ciências - UFRPE RESIDENTES: FernandaAlves Licencianda emBiologia - UFPE Marcela Karolinny Licencianda emBiologia - UFPE Natanael Silva Licenciando emBiologia - UFPE Pedro Rodrigues Graduando emDesign - UFPE
  • 22. REDESSOCIAIS INSTAGRAM:@re_dec FACEBOOK:/residenciadocenteemensinodeciencias TWITTER:@ReDEC_PE YOUTUBE: Residencia Docente em Ensino deCiências FLICKR: flickr.com/photos/re_dec SOUNDCLOUD: soundcloud.com/residenciadocenteec LINKEDIN:tiny.cc/ReDEC PORTAL:redecpe.com.br