SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Metodologias Ativas no Ensino
de Biologia
Metodologia do Ensino de Biologia 2 2015.2
Universidade Federal de Pernambuco – UFPE
Centro de Educação
Produzido por…
 Brenda Lins, Carlos Alberto Silva,
Daniel Senna Alexandrino, Daniele
Silva, Eduardo Silva, Evanny Gisele de
Araújo Moura, Fábio de Oliveira,
Fabíola Santos, Francisco das Chagas
Neto, Gabriel Leite de Miranda,
Giovanni Filho, Ingrid Lima, Izaquiel
Andrade, Jaqueline Melo, Jefferson
dos Santos, …
 José Claudio Almeida, Jucilene
Silva, Juliano Silva, Kathlen Melo,
Laura Souza, Letícia Lins, Liviane
Santos, Lucas Lima, Maria Alice
Lea, Marina Antunes, Natália de
Souza, Natalia Silva, Pedro
Benevides, Rafael Nascimento,
Roberta Bionde, Thais Silva, Thales
Chaves, Tomás Bittencourt e
Vitória Alves.
Coordenação: prof. Marcos Barros
O Que é uma metodologia
ativa?
 Aprendizagem ativa ocorre quando o aluno interage
com o assunto em estudo – ouvindo, falando,
perguntando, discutindo, fazendo e ensinando – sendo
estimulado a construir o conhecimento ao invés de
recebê-lo de forma passiva do professor. Em um
ambiente de aprendizagem ativa, o professor atua
como orientador, supervisor, facilitador do processo
de aprendizagem, e não apenas como fonte única de
informação e conhecimento (SENAC, 2013).
Metodologia Ativa
 É a ação do professor de se preocupar com a
realidade do aluno e entender que seus meios de
transmissão de conhecimento podem variar. Com
essa peculiaridade, o professor deve almejar maior
participação e pensamento do aluno. O professor
assumindo o papel de orientador no desenvolvimento
do pensamento.
( Tomás Veras Bittencourt)
Metodologia Ativa
 Interação entre aluno, professor e conteúdo,
fazendo com que o aprendizado seja mais dinâmico,
onde todos possam ter a oportunidade de construir
conhecimento opinando, discutindo e gerando ideias
e opções para um melhor aproveitamento.
( José Claudio Lima de Almeida)
Metodologia Ativa
 Foca na participação do aluno, na interação. Tira-o da
inércia – do ouvir – para a análise, síntese e discussão.
O professor é condutor da aprendizagem e utiliza
recursos criativos e clássicos neste processo.
(Daniel Senna)
Metodologia Ativa
Metodologia Ativa
Conceituando…
 Apesar do professor ser
considerado o principal em sala
de aula, na metodologia ativa, o
protagonista vai ser o aluno. Ele
vai ganhar mais espaço,
aprofundar suas ideias, ser
ouvido e assim causar
transformações ( sociais,
culturais e mentais) tanto
dentro, quanto fora da escola. (
Thais Kelly da Silva).
Conceituando…
 Dividir o protagonismo do
processo de ensino entre
professor e alunos, estimulando
mutuamente as análises de
problemas, desenvolvimento de
projetos e soluções, sempre
avaliando o caminho percorrido
pelo grupo.
(Fábio Figuerêdo de Oliveira)
 O maior diferencial é baseado em estratégias de
aprendizagem, competências a partir da aplicação de
conhecimentos e situações reais ou em situações
simuladas da prática profissional.
(Brenda Tâmara Lins)
Metodologia Ativa no Ensino de
Biologia
 Para se envolver ativamente no processo de
aprendizagem, o aluno deve ler, escrever, perguntar,
discutir ou estar ocupado em resolver problemas e
desenvolver projetos. Além disso, o aluno deve realizar
tarefas mentais de alto nível, como análise, síntese e
avaliação. Nesse sentido, as estratégias que promovem
aprendizagem ativa podem ser definidas como sendo
atividades que ocupam o aluno em fazer alguma coisa e, ao
mesmo tempo, o leva a pensar sobre as coisas que está
fazendo (BONWELL; EISON, 1991; SILBERMAN, 1996).
Características das Metodologias
Ativas
 Discussão de temas e tópicos de interesse para a formação profissional.
 Trabalho em equipe com tarefas que exigem colaboração de todos.
 Estudo de casos relacionados com áreas de formação profissional es-
 pecífica.
 Debates sobre temas da atualidade.
 Geração de ideias (brainstorming) para buscar a solução de um problema.
 Produção de mapas conceituais para esclarecer e aprofundar concei-
 tos e ideias.
 Modelagem e simulação de processos e sistemas típicos da área de
 formação.
 Criação de sites ou redes sociais visando aprendizagem cooperativa.
 Elaboração de questões de pesquisa na área científica e tecnológica.
(BONWELL; EISON, 1991)
Estratégias para Metodologias Ativas
Como desenvolver Metodologias
Ativas no Ensino de Ciências e
Biologia?
Tendências, Modelos e
Tecnologias
• Problem Based Learning (PBL)
– Método de ensino, centrado no aprendiz, que promove o
aprendizado colaborativo e motivador, baseado na resolução
de problemas REAIS
• Aprendizagem baseada em práticas reais
• Ambiente intensamente colaborativo
• Desenvolvimento de habilidades interpessoais, como
trabalho em grupo, visão crítica de problemas, liderança,
ética
• Ambiente rico no estímulo à inovação ( LINS, 2014)
Aprendizagem Baseada em
Problemas (PBL)
 Separar a sala de aula em pequenos
grupos ( 1o pessoas no máximo) e
distribuir para cada grupo uma situação
problema, com o intuito de estimular o
pensamento crítico e a fim de encontrar
soluções plausíveis para o problema em
questão.
(Lucas Lima, Maria Alice Leal, Marina Ferreira e Thais Silva)
Uma possibilidade no PBL…
 Aula de Programa de Saúde – Tema: Platelmintos
1. Problema: falta de saneamento e saúde coletiva
2. Prática: epidemiologia local – Banco de Dados Nacional
3. Coletar dados regionais, biológicos e de saúde
4. Inovação: uso de tecnologias
5. Apresentação criativa da prevalência da doença, com
suas caracteríticas gerais e as influências dos
conhecimentos na solução do problema.
( Daniel Sena, Fábio Figuerêdo e Juliano Ribeiro)
PBL no Ensino de Biologia…
 A sala de aula invertida (flipped classroom) refere-se a um
modelo de aprendizagem que reorganiza o tempo gasto
dentro e fora da classe.
 Uma aprendizagem mais ativa é um componente
importante da sala de aula invertida
 Os conceitos de sala de aula invertida, além de
proporcionar aos alunos um conjunto mais diversificado de
recursos de aprendizagem, apoiam a aprendizagem
autodirigida
Sala de Aula Invertida
Sala de Aula Invertida
(Brenda Tâmara, Gabriel Leite, Ingrid Mirella e Natália Lira)
 Pesquisa de um assunto proposto.
 Seminários.
 Registros fotográficos.
 Visita ao Zoológico.
Tema escolhido: mamíferos
Visita ao zoológico escolhendo três mamíferos, descrevendo
suas características gerais e ambientais. Em seguida, publicar
fotos dos animais escolhidos e suas características nas mídias
sociais. Por fim, relatar a experiência em sala de aula.
Possibilidades…Sala de Aula
Invertida
 Dividir a sala em grupos.
 Definir temas.
 Os alunos irão pesquisar sobre o tema e preparar uma
aula.
 Apresentação do assunto pesquisado.
 O professor analisará a apresentação e
complementará as informações necessárias.
( Francisco Neto e Thales Chaves)
Sequencia didática de uma Sala de
Aula Invertida
 Tema: Dengue
 Primeiro momento ( sala de aula): o professor
apresenta a definição do tema.
 Segundo momento (casa): pesquisa de casos de
dengue que ocorreram na sua rua, apresentando
dados entre janeiro a agosto de 2015.
 Terceiro momento ( sala de aula): finalizam com
apresentação livre.
( Jucilene Silva, Natália Silva e Eduardo Araújo)
Outra possibilidade…Sala de Aula
Invertida
 Iria dar todo o material sobre determinado assunto (
vídeos feitos por mim, textos e diversas outras
ferramentas de estudo). Na aula (escola), eu iria
desenvolver um método específico para a turma,
como por exemplo solicitar a elaboração de um plano
de ensino sobre o assunto estudado, por exemplo se
a aula fosse desenvolvida em uma licenciatura.
( Lucas Matos de Lima)
Uma proposta na Licenciatura…
 Tem por objetivo estimular a capacidade analítica e
criativa dos alunos, com o intuito de inovar a forma de
reprodução do conhecimento que se aprende.
 A metodologia é organizada em cinco etapas:
descoberta, interpretação, ideação, experimentação
e evolução.
(Roberta Marcela, Jefferson Henrique e Fabíola Arruda)
Design Thinking
 A metodologia é organizada em cinco etapas:
1. Descoberta: primeiro contato do aluno com o assunto em
sala de aula.
2. Interpretação: as concepções alternativas dos alunos.
3. Ideação: conjunto de ideias para aplicação teórica na
prática.
4. Experimentação: desenvolvimento da tal prática.
5. Evolução: o que foi aprendido e aplicação do tal
conhecimento.
(Roberta Marcela, Jefferson Henrique e Fabíola Arruda)
Etapas do Desing Thinking
 Tem o objetivo de interpretar e analisar o design de
aprendizagens de professores, assim como prover
feedback para professores e estudantes. No primeiro
momento, pode auxiliar os professores para pensarem
sobre seus processos de ensino e aprendizagem.
 Título, Tipo de atividade (Ler, Ver, Ouvir, Colaborar,
Discutir, Investigar, Praticar e Produzir ), Duração, em
minutos da atividade, Organização dos estudantes,
Participação do professor, Anexos (Pesquisa), Descrição e
Notas.
Design Learning
 É uma rede de objetos
conectados que ligam o mundo
físico com o mundo de
informações através da web.
 A Internet das coisas pode ser
particularmente útil no trabalho
de campo, facilitando
oportunidades para estudantes
coletarem dados científicos
através de dispositivos móveis e,
instantaneamente, adicioná-los a
grandes bases de dados.
Internet das Coisas
Tecnologia Vestível
Computação Afetiva
 Eficaz para projetos dentro e fora da escola, os serviços
baseados em localização permitem atividades envolventes,
incluindo mapeamento coletivo, gincanas e coleta de
dados científicos.
 A inteligência de localização está pronta para ajudar as
pessoas a compreender melhor os seus ambientes e, até
mesmo, contribuir com suas próprias medições, em um
esforço para mapear o mundo inteiro, de todas as formas.
Inteligência de Localização
Impressão 3D
Redes Sociais
 Capacidade para responder ao estímulo do usuário, o que
confere um potencial significativo para a aprendizagem e
avaliação; com isso, os alunos podem construir um novo
entendimento baseado em interações com os objetos
virtuais que trazem dados subjacentes à vida.
 Estudantes que fazem o trabalho de campo acessam a
aplicações de Realidade Aumentada para sobrepor mapas
e informações sobre seu entorno, ou para entrar em
observações de campo.
Realidade Aumentada
Realidade Aumentada
 Tema: Morfologia Vegetal/Fotossíntese
 Traria aos olhos dos alunos como ocorrem
determinados processos (Respiração, Absorção,
Liberação), fases (Escuras e Claras) e participação de
fatores biológicos.
 O processo da Fotossíntese nos dias atuais é vivida
apenas na realidade dos livros didáticos impressos.
(Rafael Lima, Laura Souza e Carlos Alberto)
Uma atividade…
 Uso de equipamentos que proporcionem imagens 3D,
geradas através de fotos e ou projeções, oriundas de
livros ou artigos que levem o aluno a ter uma aula
diferenciada em que possa visualizar todos os pontos
da imagem e entender o seu funcionamento.
(Evanny Araújo, Kathlen Melo, José Claudio e Izaquiel Andrade)
Realidade Aumentada… Uma
possibilidade
 Os laboratórios virtuais são aplicações web que
emulam o funcionamento de laboratórios reais e
permitem que os alunos pratiquem em um ambiente
"seguro" antes de utilizar componentes físicos e
reais.
 Os alunos podem acessar normalmente laboratórios
virtuais 24 horas por dia, 7 dias por semana, a partir
de onde quer que estejam e executar os mesmos
experimentos várias vezes.
Laboratórios Remotos e Virtuais
 O aprendizado online faz uso criativo de tecnologias
educacionais e abordagens pedagógicas emergentes,
incluindo aprendizagem híbrida e aulas em vídeo.
 Quando oferecidos online, um conjunto diversificado
de recursos de aprendizagem é facilmente acessível
para os estudantes e pode apoiar a aprendizagem
autodirigida
Aprendizagem Online
 Os games possibilitam um impacto cognitivo, motivacional,
emocional e social sobre o comportamento humano.
 Os games, efetivamente projetados, estimulam grandes ganhos
de engajamento, produtividade, criatividade e aprendizagem
autêntica.
 Os games educativos são usados para ensinar conceitos
transversais que abordam diversos assuntos e, muitas vezes, são
mais atraentes do que as abordagens tradicionais.
Games e Gamificação
 Estudar em casa e trazer as dúvidas para a aula (pedindo
um relatório)
 Dividir a sala em dois grupos (A eB), através de um debate
com perguntas a respeito.
• Professor de Biologia após abordar um tema, ele passa
para os alunos uma atividade onde os mesmos devem
estudar e elaborar perguntas para serem respondidas em
sala de aula, representando seu respectivo grupo, gerando
debates e trocas de conhecimento.
(Giovanni Aguiar, Jaqueline Rodrigues, Letícia Lins e Tomás Veras)
Uma possibilidade: sala de aula
invertida e gamificação
 Aplicativos móveis com características sociais
embutidas permitem que os alunos compartilhem
suas dúvidas ou constatações uns com os outros em
tempo real.
 Os alunos podem aproveitar as câmeras, microfones e
outros instrumentos inerentes a celulares para
fazerem trabalho de campo ou criarem mídias ricas
Aprendizagem Móvel
Algumas Experiências…
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosRebeca Vale
 
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCCMPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCCprofamiriamnavarro
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Pointinfoeducp2
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosRebeca Vale
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022dibugiu
 
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestreGuia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestreCEPI-INDEPENDENCIA
 
Filo nemertea seminario invertebrados 1
Filo nemertea seminario invertebrados 1Filo nemertea seminario invertebrados 1
Filo nemertea seminario invertebrados 1Fabio Rolim
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclopibidbio
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológicaCésar Milani
 
Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)
Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)
Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)Leonardo Kaplan
 
Aula 7º ano - Reino Plantae
Aula 7º ano - Reino PlantaeAula 7º ano - Reino Plantae
Aula 7º ano - Reino PlantaeLeonardo Kaplan
 
Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaKiller Max
 
Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano guest3519e1
 
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Ronaldo Santana
 

Mais procurados (20)

III.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e NematelmintosIII.2 Platelmintos e Nematelmintos
III.2 Platelmintos e Nematelmintos
 
Reino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aulaReino plantae primeira aula
Reino plantae primeira aula
 
Artropodes slide
Artropodes slideArtropodes slide
Artropodes slide
 
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCCMPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
 
Reino Plantae Power Point
Reino Plantae Power PointReino Plantae Power Point
Reino Plantae Power Point
 
Educação e tecnologia
Educação e tecnologiaEducação e tecnologia
Educação e tecnologia
 
I.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivosI.3 classificação seres vivos
I.3 classificação seres vivos
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
 
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestreGuia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
 
Filo nemertea seminario invertebrados 1
Filo nemertea seminario invertebrados 1Filo nemertea seminario invertebrados 1
Filo nemertea seminario invertebrados 1
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Ciências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto cicloCiências naturais no quarto ciclo
Ciências naturais no quarto ciclo
 
Evolução biológica
Evolução biológicaEvolução biológica
Evolução biológica
 
Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)
Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)
Aula 7º ano - Reino Plantae (versão final)
 
Aula 7º ano - Reino Plantae
Aula 7º ano - Reino PlantaeAula 7º ano - Reino Plantae
Aula 7º ano - Reino Plantae
 
Gestão escolar
Gestão escolarGestão escolar
Gestão escolar
 
Tecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçaoTecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçao
 
Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - Biologia
 
Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano Bactérias 7º Ano
Bactérias 7º Ano
 
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
Aula 2° Ano EM - O reino dos vegetais (Reino Plantae)
 

Destaque

Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino AprendizagemEnsinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino AprendizagemFabio Batalha M Barros
 
Metodologias Ativas Da Aprendizagem
Metodologias Ativas Da AprendizagemMetodologias Ativas Da Aprendizagem
Metodologias Ativas Da AprendizagemCarol Almeida
 
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPACDesafios da Educação
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...rosemaralopes
 
Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.
Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.
Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.Desafios da Educação
 
Mapas conceituais e aprendizagem significativa
Mapas conceituais e aprendizagem significativaMapas conceituais e aprendizagem significativa
Mapas conceituais e aprendizagem significativaPaulo Correia
 
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016Vilson Martins Filho
 
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptCefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptEduardo Barbosa
 
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisNovas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisSimpósio Hipertexto
 
Metodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicasMetodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicasevertonbronzoni
 
Cronogramaporsemana100h 1-unidade
Cronogramaporsemana100h  1-unidadeCronogramaporsemana100h  1-unidade
Cronogramaporsemana100h 1-unidademarizaliealvares
 
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...rosemaralopes
 
3ª metodologia e aprendizagem
3ª   metodologia e aprendizagem3ª   metodologia e aprendizagem
3ª metodologia e aprendizagemBeck7
 
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICAO PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICArosemaralopes
 
Apresentação de história
Apresentação de   históriaApresentação de   história
Apresentação de históriaElvira Aliceda
 

Destaque (20)

Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino AprendizagemEnsinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
Ensinar e aprender com sentido - Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem
 
Metodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofiaMetodologias ativas no ensino de filosofia
Metodologias ativas no ensino de filosofia
 
Metodologias Ativas Da Aprendizagem
Metodologias Ativas Da AprendizagemMetodologias Ativas Da Aprendizagem
Metodologias Ativas Da Aprendizagem
 
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
 
Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.
Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.
Inovação acadêmica e metodologias ativas: o case do Unisal, por Fabio Reis.
 
Mapas conceituais e aprendizagem significativa
Mapas conceituais e aprendizagem significativaMapas conceituais e aprendizagem significativa
Mapas conceituais e aprendizagem significativa
 
Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD Metodologias ativas na EaD
Metodologias ativas na EaD
 
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
Panorama Metodologias Ativas Brasil 2016
 
METODOLOGIA ATIVA
METODOLOGIA ATIVAMETODOLOGIA ATIVA
METODOLOGIA ATIVA
 
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptCefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
 
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveisNovas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
Novas metodologias para aprendizagem com tecnologias móveis
 
Metodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicasMetodologia do ensino de ciências biológicas
Metodologia do ensino de ciências biológicas
 
Cronogramaporsemana100h 1-unidade
Cronogramaporsemana100h  1-unidadeCronogramaporsemana100h  1-unidade
Cronogramaporsemana100h 1-unidade
 
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
Projeto político pedagógico e suas implicações sobre a prática do professor u...
 
3ª metodologia e aprendizagem
3ª   metodologia e aprendizagem3ª   metodologia e aprendizagem
3ª metodologia e aprendizagem
 
Aprendizagem Móvel na Educação em Saúde
Aprendizagem Móvel na Educação em SaúdeAprendizagem Móvel na Educação em Saúde
Aprendizagem Móvel na Educação em Saúde
 
SELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATION
SELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATIONSELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATION
SELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATION
 
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICAO PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
O PIBID NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE FÍSICA
 
Apresentação de história
Apresentação de   históriaApresentação de   história
Apresentação de história
 

Semelhante a Metodologias Ativas no Ensino de Biologia

Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Universidade Federal de Pernambuco
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologiasjmpg2011
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologiasjmpg2011
 
Pesquisa + AçãO = Desenvolvimento Profissional
Pesquisa + AçãO = Desenvolvimento ProfissionalPesquisa + AçãO = Desenvolvimento Profissional
Pesquisa + AçãO = Desenvolvimento ProfissionalEliane Oliveira
 
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018RosngelaArajo7
 
Texto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptx
Texto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptxTexto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptx
Texto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptxLauraHDayanne1
 
Caderno de estudo edineide vitor-1
Caderno de estudo   edineide vitor-1Caderno de estudo   edineide vitor-1
Caderno de estudo edineide vitor-1Deyse Elly
 
Aspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades online
Aspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades onlineAspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades online
Aspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades onlineAdelaide Dias
 
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Universidade Federal de Pernambuco
 
Formação continuada - Protagonismo Estudantil - Ibirataia - Abril .pdf
Formação continuada - Protagonismo Estudantil  - Ibirataia - Abril .pdfFormação continuada - Protagonismo Estudantil  - Ibirataia - Abril .pdf
Formação continuada - Protagonismo Estudantil - Ibirataia - Abril .pdfKarineNascimentoSilv
 
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasI uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasGilvandenys Leite Sales
 
Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor
Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor
Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor Fernanda Ledesma
 
Técnicas de ensino
Técnicas de ensinoTécnicas de ensino
Técnicas de ensinoCDIM Daniel
 
Didática dinâmica: componente para a aprendizagem ativa
Didática dinâmica: componente para a aprendizagem ativaDidática dinâmica: componente para a aprendizagem ativa
Didática dinâmica: componente para a aprendizagem ativaRosária Nakashima
 

Semelhante a Metodologias Ativas no Ensino de Biologia (20)

Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação na Formação de Professores d...
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
 
Tendêcias Pedagógicas para 2018
Tendêcias Pedagógicas para 2018Tendêcias Pedagógicas para 2018
Tendêcias Pedagógicas para 2018
 
Metodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
Metodologias Ativas, Imersivas e InovadorasMetodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
Metodologias Ativas, Imersivas e Inovadoras
 
Formação docente
Formação docenteFormação docente
Formação docente
 
Pesquisa + AçãO = Desenvolvimento Profissional
Pesquisa + AçãO = Desenvolvimento ProfissionalPesquisa + AçãO = Desenvolvimento Profissional
Pesquisa + AçãO = Desenvolvimento Profissional
 
TCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de AprendizagemTCC - Estilos de Aprendizagem
TCC - Estilos de Aprendizagem
 
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
Oficina metodologias ativas e inovadoras UFPE 2018
 
Texto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptx
Texto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptxTexto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptx
Texto 1 - Aula 9 - Metodologias ativas III. (1).pptx
 
Caderno de estudo edineide vitor-1
Caderno de estudo   edineide vitor-1Caderno de estudo   edineide vitor-1
Caderno de estudo edineide vitor-1
 
Aspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades online
Aspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades onlineAspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades online
Aspetos relevantes no desenho da aprendizagem e das atividades online
 
Didática
Didática Didática
Didática
 
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
Educação 5.0 e as Metodologias Ativas e Inovadoras: encantando e engajando o ...
 
Formação continuada - Protagonismo Estudantil - Ibirataia - Abril .pdf
Formação continuada - Protagonismo Estudantil  - Ibirataia - Abril .pdfFormação continuada - Protagonismo Estudantil  - Ibirataia - Abril .pdf
Formação continuada - Protagonismo Estudantil - Ibirataia - Abril .pdf
 
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciênciasI uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
I uabce abordagen didático pedagógica para o ensino de ciências
 
Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor
Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor
Desenvolvimento Profissional do Docente - Percursos da vida de um professor
 
Técnicas de ensino
Técnicas de ensinoTécnicas de ensino
Técnicas de ensino
 
Vt6[1]
Vt6[1]Vt6[1]
Vt6[1]
 
Didática dinâmica: componente para a aprendizagem ativa
Didática dinâmica: componente para a aprendizagem ativaDidática dinâmica: componente para a aprendizagem ativa
Didática dinâmica: componente para a aprendizagem ativa
 

Mais de Universidade Federal de Pernambuco

Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...Universidade Federal de Pernambuco
 
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Universidade Federal de Pernambuco
 
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...Universidade Federal de Pernambuco
 
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...Universidade Federal de Pernambuco
 
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASEDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASUniversidade Federal de Pernambuco
 

Mais de Universidade Federal de Pernambuco (20)

Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interaçãoDia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
Dia a Dia da Educação Remota: criatividade e interação
 
Educação 5.0
Educação 5.0Educação 5.0
Educação 5.0
 
Arte e Ensino
Arte e EnsinoArte e Ensino
Arte e Ensino
 
Metodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e InovadorasMetodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e Inovadoras
 
Aprendizagem Através do Encantamento
Aprendizagem Através do Encantamento Aprendizagem Através do Encantamento
Aprendizagem Através do Encantamento
 
Aprendizagem Através da Diversao
Aprendizagem Através da DiversaoAprendizagem Através da Diversao
Aprendizagem Através da Diversao
 
Tecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-Ativa
Tecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-AtivaTecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-Ativa
Tecnologias Digitais para Aprendizagem Cri-Ativa
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Apresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
Apresentação Colégio Imaculado Coração de MariaApresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
Apresentação Colégio Imaculado Coração de Maria
 
Hub Educat UFPE
Hub Educat UFPEHub Educat UFPE
Hub Educat UFPE
 
Residência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de CiênciasResidência Docente em Ensino de Ciências
Residência Docente em Ensino de Ciências
 
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONALEMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
EMPOWERMENT OF VULNERABLE WOMEN THROUGH EMOTIONAL
 
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
Coreografias Institucionais no Mapeamento de Políticas Educativas em Cidades...
 
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e InovadorasEducação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
Educação 5.0 e Metodologias Ativas e Inovadoras
 
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
Resiliência na Ambiência Escolar: Desafios no enfrentamento de um Contexto Ed...
 
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
Engajamento Docente A Partir Das Habilidades Emocionais No Uso De Práticas At...
 
Residencia Docente em Ensino de Ciências em Feira Nova
Residencia Docente em Ensino de Ciências em Feira NovaResidencia Docente em Ensino de Ciências em Feira Nova
Residencia Docente em Ensino de Ciências em Feira Nova
 
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
Cultura de Inovação em Escolas Integrais: novos Designs e Cenários para a Sal...
 
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize BarrosApresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
Apresentação da Defesa de Dissertação de Gleize Barros
 
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIASEDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E  METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
EDUCAÇÃO 5.0: NOVOS DESIGNS, CENÁRIOS E METODOLOGIAS NO ENSINO DE CIÊNCIAS
 

Último

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxMartin M Flynn
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 

Último (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 

Metodologias Ativas no Ensino de Biologia

  • 1. Metodologias Ativas no Ensino de Biologia Metodologia do Ensino de Biologia 2 2015.2 Universidade Federal de Pernambuco – UFPE Centro de Educação
  • 2. Produzido por…  Brenda Lins, Carlos Alberto Silva, Daniel Senna Alexandrino, Daniele Silva, Eduardo Silva, Evanny Gisele de Araújo Moura, Fábio de Oliveira, Fabíola Santos, Francisco das Chagas Neto, Gabriel Leite de Miranda, Giovanni Filho, Ingrid Lima, Izaquiel Andrade, Jaqueline Melo, Jefferson dos Santos, …  José Claudio Almeida, Jucilene Silva, Juliano Silva, Kathlen Melo, Laura Souza, Letícia Lins, Liviane Santos, Lucas Lima, Maria Alice Lea, Marina Antunes, Natália de Souza, Natalia Silva, Pedro Benevides, Rafael Nascimento, Roberta Bionde, Thais Silva, Thales Chaves, Tomás Bittencourt e Vitória Alves. Coordenação: prof. Marcos Barros
  • 3. O Que é uma metodologia ativa?
  • 4.  Aprendizagem ativa ocorre quando o aluno interage com o assunto em estudo – ouvindo, falando, perguntando, discutindo, fazendo e ensinando – sendo estimulado a construir o conhecimento ao invés de recebê-lo de forma passiva do professor. Em um ambiente de aprendizagem ativa, o professor atua como orientador, supervisor, facilitador do processo de aprendizagem, e não apenas como fonte única de informação e conhecimento (SENAC, 2013). Metodologia Ativa
  • 5.  É a ação do professor de se preocupar com a realidade do aluno e entender que seus meios de transmissão de conhecimento podem variar. Com essa peculiaridade, o professor deve almejar maior participação e pensamento do aluno. O professor assumindo o papel de orientador no desenvolvimento do pensamento. ( Tomás Veras Bittencourt) Metodologia Ativa
  • 6.  Interação entre aluno, professor e conteúdo, fazendo com que o aprendizado seja mais dinâmico, onde todos possam ter a oportunidade de construir conhecimento opinando, discutindo e gerando ideias e opções para um melhor aproveitamento. ( José Claudio Lima de Almeida) Metodologia Ativa
  • 7.  Foca na participação do aluno, na interação. Tira-o da inércia – do ouvir – para a análise, síntese e discussão. O professor é condutor da aprendizagem e utiliza recursos criativos e clássicos neste processo. (Daniel Senna) Metodologia Ativa
  • 8. Metodologia Ativa Conceituando…  Apesar do professor ser considerado o principal em sala de aula, na metodologia ativa, o protagonista vai ser o aluno. Ele vai ganhar mais espaço, aprofundar suas ideias, ser ouvido e assim causar transformações ( sociais, culturais e mentais) tanto dentro, quanto fora da escola. ( Thais Kelly da Silva). Conceituando…  Dividir o protagonismo do processo de ensino entre professor e alunos, estimulando mutuamente as análises de problemas, desenvolvimento de projetos e soluções, sempre avaliando o caminho percorrido pelo grupo. (Fábio Figuerêdo de Oliveira)
  • 9.  O maior diferencial é baseado em estratégias de aprendizagem, competências a partir da aplicação de conhecimentos e situações reais ou em situações simuladas da prática profissional. (Brenda Tâmara Lins) Metodologia Ativa no Ensino de Biologia
  • 10.  Para se envolver ativamente no processo de aprendizagem, o aluno deve ler, escrever, perguntar, discutir ou estar ocupado em resolver problemas e desenvolver projetos. Além disso, o aluno deve realizar tarefas mentais de alto nível, como análise, síntese e avaliação. Nesse sentido, as estratégias que promovem aprendizagem ativa podem ser definidas como sendo atividades que ocupam o aluno em fazer alguma coisa e, ao mesmo tempo, o leva a pensar sobre as coisas que está fazendo (BONWELL; EISON, 1991; SILBERMAN, 1996). Características das Metodologias Ativas
  • 11.  Discussão de temas e tópicos de interesse para a formação profissional.  Trabalho em equipe com tarefas que exigem colaboração de todos.  Estudo de casos relacionados com áreas de formação profissional es-  pecífica.  Debates sobre temas da atualidade.  Geração de ideias (brainstorming) para buscar a solução de um problema.  Produção de mapas conceituais para esclarecer e aprofundar concei-  tos e ideias.  Modelagem e simulação de processos e sistemas típicos da área de  formação.  Criação de sites ou redes sociais visando aprendizagem cooperativa.  Elaboração de questões de pesquisa na área científica e tecnológica. (BONWELL; EISON, 1991) Estratégias para Metodologias Ativas
  • 12. Como desenvolver Metodologias Ativas no Ensino de Ciências e Biologia?
  • 14. • Problem Based Learning (PBL) – Método de ensino, centrado no aprendiz, que promove o aprendizado colaborativo e motivador, baseado na resolução de problemas REAIS • Aprendizagem baseada em práticas reais • Ambiente intensamente colaborativo • Desenvolvimento de habilidades interpessoais, como trabalho em grupo, visão crítica de problemas, liderança, ética • Ambiente rico no estímulo à inovação ( LINS, 2014) Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL)
  • 15.  Separar a sala de aula em pequenos grupos ( 1o pessoas no máximo) e distribuir para cada grupo uma situação problema, com o intuito de estimular o pensamento crítico e a fim de encontrar soluções plausíveis para o problema em questão. (Lucas Lima, Maria Alice Leal, Marina Ferreira e Thais Silva) Uma possibilidade no PBL…
  • 16.  Aula de Programa de Saúde – Tema: Platelmintos 1. Problema: falta de saneamento e saúde coletiva 2. Prática: epidemiologia local – Banco de Dados Nacional 3. Coletar dados regionais, biológicos e de saúde 4. Inovação: uso de tecnologias 5. Apresentação criativa da prevalência da doença, com suas caracteríticas gerais e as influências dos conhecimentos na solução do problema. ( Daniel Sena, Fábio Figuerêdo e Juliano Ribeiro) PBL no Ensino de Biologia…
  • 17.  A sala de aula invertida (flipped classroom) refere-se a um modelo de aprendizagem que reorganiza o tempo gasto dentro e fora da classe.  Uma aprendizagem mais ativa é um componente importante da sala de aula invertida  Os conceitos de sala de aula invertida, além de proporcionar aos alunos um conjunto mais diversificado de recursos de aprendizagem, apoiam a aprendizagem autodirigida Sala de Aula Invertida
  • 18. Sala de Aula Invertida (Brenda Tâmara, Gabriel Leite, Ingrid Mirella e Natália Lira)
  • 19.  Pesquisa de um assunto proposto.  Seminários.  Registros fotográficos.  Visita ao Zoológico. Tema escolhido: mamíferos Visita ao zoológico escolhendo três mamíferos, descrevendo suas características gerais e ambientais. Em seguida, publicar fotos dos animais escolhidos e suas características nas mídias sociais. Por fim, relatar a experiência em sala de aula. Possibilidades…Sala de Aula Invertida
  • 20.  Dividir a sala em grupos.  Definir temas.  Os alunos irão pesquisar sobre o tema e preparar uma aula.  Apresentação do assunto pesquisado.  O professor analisará a apresentação e complementará as informações necessárias. ( Francisco Neto e Thales Chaves) Sequencia didática de uma Sala de Aula Invertida
  • 21.  Tema: Dengue  Primeiro momento ( sala de aula): o professor apresenta a definição do tema.  Segundo momento (casa): pesquisa de casos de dengue que ocorreram na sua rua, apresentando dados entre janeiro a agosto de 2015.  Terceiro momento ( sala de aula): finalizam com apresentação livre. ( Jucilene Silva, Natália Silva e Eduardo Araújo) Outra possibilidade…Sala de Aula Invertida
  • 22.  Iria dar todo o material sobre determinado assunto ( vídeos feitos por mim, textos e diversas outras ferramentas de estudo). Na aula (escola), eu iria desenvolver um método específico para a turma, como por exemplo solicitar a elaboração de um plano de ensino sobre o assunto estudado, por exemplo se a aula fosse desenvolvida em uma licenciatura. ( Lucas Matos de Lima) Uma proposta na Licenciatura…
  • 23.  Tem por objetivo estimular a capacidade analítica e criativa dos alunos, com o intuito de inovar a forma de reprodução do conhecimento que se aprende.  A metodologia é organizada em cinco etapas: descoberta, interpretação, ideação, experimentação e evolução. (Roberta Marcela, Jefferson Henrique e Fabíola Arruda) Design Thinking
  • 24.  A metodologia é organizada em cinco etapas: 1. Descoberta: primeiro contato do aluno com o assunto em sala de aula. 2. Interpretação: as concepções alternativas dos alunos. 3. Ideação: conjunto de ideias para aplicação teórica na prática. 4. Experimentação: desenvolvimento da tal prática. 5. Evolução: o que foi aprendido e aplicação do tal conhecimento. (Roberta Marcela, Jefferson Henrique e Fabíola Arruda) Etapas do Desing Thinking
  • 25.
  • 26.  Tem o objetivo de interpretar e analisar o design de aprendizagens de professores, assim como prover feedback para professores e estudantes. No primeiro momento, pode auxiliar os professores para pensarem sobre seus processos de ensino e aprendizagem.  Título, Tipo de atividade (Ler, Ver, Ouvir, Colaborar, Discutir, Investigar, Praticar e Produzir ), Duração, em minutos da atividade, Organização dos estudantes, Participação do professor, Anexos (Pesquisa), Descrição e Notas. Design Learning
  • 27.
  • 28.  É uma rede de objetos conectados que ligam o mundo físico com o mundo de informações através da web.  A Internet das coisas pode ser particularmente útil no trabalho de campo, facilitando oportunidades para estudantes coletarem dados científicos através de dispositivos móveis e, instantaneamente, adicioná-los a grandes bases de dados. Internet das Coisas
  • 31.  Eficaz para projetos dentro e fora da escola, os serviços baseados em localização permitem atividades envolventes, incluindo mapeamento coletivo, gincanas e coleta de dados científicos.  A inteligência de localização está pronta para ajudar as pessoas a compreender melhor os seus ambientes e, até mesmo, contribuir com suas próprias medições, em um esforço para mapear o mundo inteiro, de todas as formas. Inteligência de Localização
  • 32.
  • 35.  Capacidade para responder ao estímulo do usuário, o que confere um potencial significativo para a aprendizagem e avaliação; com isso, os alunos podem construir um novo entendimento baseado em interações com os objetos virtuais que trazem dados subjacentes à vida.  Estudantes que fazem o trabalho de campo acessam a aplicações de Realidade Aumentada para sobrepor mapas e informações sobre seu entorno, ou para entrar em observações de campo. Realidade Aumentada
  • 37.  Tema: Morfologia Vegetal/Fotossíntese  Traria aos olhos dos alunos como ocorrem determinados processos (Respiração, Absorção, Liberação), fases (Escuras e Claras) e participação de fatores biológicos.  O processo da Fotossíntese nos dias atuais é vivida apenas na realidade dos livros didáticos impressos. (Rafael Lima, Laura Souza e Carlos Alberto) Uma atividade…
  • 38.  Uso de equipamentos que proporcionem imagens 3D, geradas através de fotos e ou projeções, oriundas de livros ou artigos que levem o aluno a ter uma aula diferenciada em que possa visualizar todos os pontos da imagem e entender o seu funcionamento. (Evanny Araújo, Kathlen Melo, José Claudio e Izaquiel Andrade) Realidade Aumentada… Uma possibilidade
  • 39.  Os laboratórios virtuais são aplicações web que emulam o funcionamento de laboratórios reais e permitem que os alunos pratiquem em um ambiente "seguro" antes de utilizar componentes físicos e reais.  Os alunos podem acessar normalmente laboratórios virtuais 24 horas por dia, 7 dias por semana, a partir de onde quer que estejam e executar os mesmos experimentos várias vezes. Laboratórios Remotos e Virtuais
  • 40.  O aprendizado online faz uso criativo de tecnologias educacionais e abordagens pedagógicas emergentes, incluindo aprendizagem híbrida e aulas em vídeo.  Quando oferecidos online, um conjunto diversificado de recursos de aprendizagem é facilmente acessível para os estudantes e pode apoiar a aprendizagem autodirigida Aprendizagem Online
  • 41.  Os games possibilitam um impacto cognitivo, motivacional, emocional e social sobre o comportamento humano.  Os games, efetivamente projetados, estimulam grandes ganhos de engajamento, produtividade, criatividade e aprendizagem autêntica.  Os games educativos são usados para ensinar conceitos transversais que abordam diversos assuntos e, muitas vezes, são mais atraentes do que as abordagens tradicionais. Games e Gamificação
  • 42.
  • 43.  Estudar em casa e trazer as dúvidas para a aula (pedindo um relatório)  Dividir a sala em dois grupos (A eB), através de um debate com perguntas a respeito. • Professor de Biologia após abordar um tema, ele passa para os alunos uma atividade onde os mesmos devem estudar e elaborar perguntas para serem respondidas em sala de aula, representando seu respectivo grupo, gerando debates e trocas de conhecimento. (Giovanni Aguiar, Jaqueline Rodrigues, Letícia Lins e Tomás Veras) Uma possibilidade: sala de aula invertida e gamificação
  • 44.  Aplicativos móveis com características sociais embutidas permitem que os alunos compartilhem suas dúvidas ou constatações uns com os outros em tempo real.  Os alunos podem aproveitar as câmeras, microfones e outros instrumentos inerentes a celulares para fazerem trabalho de campo ou criarem mídias ricas Aprendizagem Móvel
  • 46.
  • 47.