SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
Intra-operatório eIntra-operatório e
TemposTempos CCirúrgicosirúrgicos
• Professora: Sandi ManchesterProfessora: Sandi Manchester
TRANSOPERATÓRIOTRANSOPERATÓRIO
CirurgiaCirurgia
Preparo da sala de cirurgia
•    Material para anestesia e cirurgia ( Lap’s, soluções,
pomadas, material para curativo, medicamentos,
instrumental, etc. ), inclusive os especiais ( cirurgias
ortopédicas, etc. ) deixando-os em local de fácil acesso;
•    Testar equipamentos ( Monitores, pontos de O2, vácuo,
negatoscópio, etc. );
•    Verificar condições de limpeza da sala;
•    Posicionar equipamentos móveis ( suporte para soros,
baldes para lixo, escadinha, suporte de hampers, etc. );  
•    Observar segurança da sala como posicionamento de fios
e chão molhado;
•    Ajustar a temperatura da sala ( entre 21°C e 24°C );
Recepção no Centro Cirúrgico
• A atuação da enfermagem nesse período necessariamente
requer que seus profissionais tenham conhecimento acerca de
todos os eventos que acontecem durante o procedimento
cirúrgico.
• Os profissionais de enfermagem que atuam no centro
cirúrgico são geralmente os responsáveis pela recepção do
paciente na sua respectiva unidade. É importante lembrar que,
mesmo na área de recepção do paciente, eles deverão estar
devidamente paramentados. A recepção do paciente deve ser
personalizada, respeitando sempre suas individualidades; o
profissional deve ser cortês, educado e compreensivo,
buscando entender e considerar as condições do paciente que
normalmente já se encontra sob efeito dos medicamentos
pré-anestésicos.
Na recepção operatória, o profissional
de enfermagem responsável deverá:
•    Realizar uma breve leitura do prontuário ou das
recomendações de enfermagens vindas do setor de origem do
paciente, certificando-se sobre os dados de identificação do
paciente e sobre a cirurgia a que ele será submetido;
•    Observar se todos os cuidados pré-cirúrgicos relacionados
ao procedimento foram devidamente realizados, como a
administração de medicamentos pré-anestésicos         
( avaliando inclusive os seus efeitos )  e preparo do local
( tricotomia ) entre outros;
•    Verificar os sinais vitais do paciente, comunicando ao
médico anestesista ou ao enfermeiro possíveis alterações;
   
• Atentar para a presença e a necessidade de retirar esmalte
dos dedos, adornos, brincos, cordões e pulseiras ou próteses
dentárias, que normalmente são retirados antes do paciente
deixar a unidade de origem com destino ao centro cirúrgico;
•    Colocar no paciente gorro e sapatilhas; as roupas de cama
que o cobriam devem ser trocadas por roupas de cama do
próprio centro cirúrgico;
•    Manter uma recepção calma, tranquila que traga segurança
ao paciente;
•    Observar o comportamento do paciente: confiança,
ansiedade, melancolia, insegurança, agressividade, etc.
Transporte para a sala de cirurgia
•  Alguns cuidados devem ser observados no transporte do
paciente até a sala de cirurgia:
•    Garantir a segurança física e emocional do paciente: as
grades devem estar erguidas, o profissional deve posicionar-
se à cabeceira da maca;
•    Avaliar a expressão facial do paciente;
•    Cuidados com acesso venoso, drenos, infusões;
•    Não realizar movimentos bruscos e manter o paciente
protegido com o lençol devido ao frio.
•    Comunicar-se com o paciente;
•    Garantir um transporte tranquilo;
•    Evitar conversas desnecessárias, brincadeiras, ruídos, etc.
respeitando o estado em que se encontra o paciente. 
Transporte para a mesa de
cirurgia
• As posições mais frequentes são:
•      Decúbito dorsal horizontal;
•      Decúbito ventral horizontal;
•      Decúbito lateral direito ou esquerdo;
•      Posição de Trendelemburg;
•      Trendelemburg reversa;
•      Decúbito dorsal quebrado;
•      Posição ginecológica;
•      Posição canivete;
• Decúbito dorsal ou SupinaDecúbito dorsal ou Supina: É aquela em que o: É aquela em que o
paciente se encontra deitado de costas, com as pernaspaciente se encontra deitado de costas, com as pernas
estendidas e os braços estendidos e apoiados emestendidas e os braços estendidos e apoiados em
talas. O dorso do paciente e a coluna vertebral estãotalas. O dorso do paciente e a coluna vertebral estão
repousando na superfície do colchão da mesarepousando na superfície do colchão da mesa
cirúrgica. Ex. Cesariana.cirúrgica. Ex. Cesariana.
• Decúbito ventral ou PronaDecúbito ventral ou Prona:: O paciente fica deitado deO paciente fica deitado de
abdômen para baixo, com os braços estendidos paraabdômen para baixo, com os braços estendidos para
frente e apoiados em talas. O sistema respiratório ficafrente e apoiados em talas. O sistema respiratório fica
mais vulnerável na posição de decúbito ventral. Ex.mais vulnerável na posição de decúbito ventral. Ex.
Cirurgias da coluna, Hérnia de disco.Cirurgias da coluna, Hérnia de disco.
• Decúbito lateral ou simsDecúbito lateral ou sims:: O paciente permanece emO paciente permanece em
decúbito lateral, esquerdo ou direito, com a perna quedecúbito lateral, esquerdo ou direito, com a perna que
está do lado de cima flexionada, afastada e apoiada naestá do lado de cima flexionada, afastada e apoiada na
superfície de repouso. Ex. Cirurgias renais.superfície de repouso. Ex. Cirurgias renais.
• Posição de litotômia ou GinecológicaPosição de litotômia ou Ginecológica: O paciente: O paciente
permanece em decúbito dorsal, com as pernaspermanece em decúbito dorsal, com as pernas
flexionadas, afastadas e apoiadas em perneirasflexionadas, afastadas e apoiadas em perneiras
acolchoadas, e os braços estendidos e apoiados. Ex.acolchoadas, e os braços estendidos e apoiados. Ex.
Histerectomia vaginal.Histerectomia vaginal.
Posição trendelenburgPosição trendelenburg:: É uma variação da posição de decúbitoÉ uma variação da posição de decúbito
dorsal onde a parte superior do dorso é abaixada e os pés sãodorsal onde a parte superior do dorso é abaixada e os pés são
elevados. Mantém as alças intestinais na parte superior daelevados. Mantém as alças intestinais na parte superior da
cavidade abdominal. Ex. Posição utilizada para cirurgias decavidade abdominal. Ex. Posição utilizada para cirurgias de
órgãos pélvicos, Laparotomia de abdomên inferior.órgãos pélvicos, Laparotomia de abdomên inferior.
• Posição trendelenburg ReversoPosição trendelenburg Reverso:: Mantém as alças intestinais naMantém as alças intestinais na
parte inferior da cavidade abdominal. Reduz a pressãoparte inferior da cavidade abdominal. Reduz a pressão
sangüínea cerebral. Ex. Posição utilizada para cirurgias desangüínea cerebral. Ex. Posição utilizada para cirurgias de
abdomem superior e cranianas.abdomem superior e cranianas.
• Posição fowler ou sentadaPosição fowler ou sentada:: O paciente permanece semi-O paciente permanece semi-
sentado na mesa de operação. Posição utilizada parasentado na mesa de operação. Posição utilizada para
conforto do paciente quando há dispnéia. Ex. Dreno deconforto do paciente quando há dispnéia. Ex. Dreno de
TóraxTórax
• Posição de canivete (kraske)Posição de canivete (kraske): O paciente se encontra: O paciente se encontra
em decúbito ventral, com as coxas e pernas para foraem decúbito ventral, com as coxas e pernas para fora
da mesa e o tórax sobre a mesa, a qual está levementeda mesa e o tórax sobre a mesa, a qual está levemente
inclinada no sentido oposto das pernas, e os braçosinclinada no sentido oposto das pernas, e os braços
estendidos e apoiados em talas. Ex.estendidos e apoiados em talas. Ex.
Hemorroidectomia.Hemorroidectomia.
Qual a diferença deQual a diferença de
assepsia e antissepsia?assepsia e antissepsia?
Tempos cirúrgicos ouTempos cirúrgicos ou
operatóriosoperatórios
• DiéreseDiérese
• HemostasiaHemostasia
• Cirurgia propriamente dita ou exéreseCirurgia propriamente dita ou exérese
• Síntese.Síntese.
Tempos cirúrgicos ouTempos cirúrgicos ou
operatóriosoperatórios
• São os procedimentos ou manobrasSão os procedimentos ou manobras
consecutivas realizadas peloconsecutivas realizadas pelo
cirurgião desde o início até ocirurgião desde o início até o
término da cirurgia.término da cirurgia.
DiéreseDiérese
• Consiste na separação dos planosConsiste na separação dos planos
anatômicos ou tecidos paraanatômicos ou tecidos para
possibilitar a abordagem de um órgãopossibilitar a abordagem de um órgão
ou região. É o rompimento daou região. É o rompimento da
continuidade e contiguidade doscontinuidade e contiguidade dos
tecidos.tecidos.
 Pode ser: . mecânicaPode ser: . mecânica
. física. física
Diérese MecânicaDiérese Mecânica
• É aquela realizada com o uso deÉ aquela realizada com o uso de
instrumentos cortantes, como oinstrumentos cortantes, como o
bisturí e a tesoura, ou outrosbisturí e a tesoura, ou outros
instrumentais específicos empregadosinstrumentais específicos empregados
para determinados tipos de tecidospara determinados tipos de tecidos
como por ex: a serra .como por ex: a serra .
Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica
• Punção:Punção: é a introdução de uma agulha oué a introdução de uma agulha ou
trocarte nos tecidos, separando-os semtrocarte nos tecidos, separando-os sem
contudo seccioná-los.contudo seccioná-los.
• É o procedimento realizado com a finalidadeÉ o procedimento realizado com a finalidade
de drenar coleções de líquidos, ou coletarde drenar coleções de líquidos, ou coletar
fragmentos de tecidos ou líquidos orgânicosfragmentos de tecidos ou líquidos orgânicos
para exames diagnósticos.para exames diagnósticos.
Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica
• Secção:Secção: É o ato de dividir, cortarÉ o ato de dividir, cortar
tecidos, fazendo uso de materialtecidos, fazendo uso de material
cortante, como tesoura, serra, lâmina oucortante, como tesoura, serra, lâmina ou
bisturí elétrico.bisturí elétrico.
• Divulsão:Divulsão: É o afastamento dos tecidos nosÉ o afastamento dos tecidos nos
planos anatômicos, sem seccioná-los,planos anatômicos, sem seccioná-los,
utilizando-se tesoura rombas, pinças,utilizando-se tesoura rombas, pinças,
tentacãnula e afastadores.tentacãnula e afastadores.
Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica
• Curetagem:Curetagem:É a raspagem da superfície doÉ a raspagem da superfície do
órgão com o auxílio da cureta,órgão com o auxílio da cureta,
instrumental no formato de uma colher,instrumental no formato de uma colher,
que possui as bordas cortantes.que possui as bordas cortantes.
• Dilatação:Dilatação: é o processo através do qualé o processo através do qual
se procura aumentar o diâmetro de canaisse procura aumentar o diâmetro de canais
e orifícios naturais.Ex: dilatação dae orifícios naturais.Ex: dilatação da
uretra.uretra.
Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica
• Descolamento:Descolamento: consiste na separaçãoconsiste na separação
dos tecidos de um espaço anatômicodos tecidos de um espaço anatômico
virtual. Ex: descolamento davirtual. Ex: descolamento da
vesícula do leito hepático.vesícula do leito hepático.
do ponto de vista físicodo ponto de vista físico
a diérese pode ser:a diérese pode ser:
térmicatérmica
por crioterapiapor crioterapia
por “laser”por “laser”
Diérese TérmicaDiérese Térmica
• Neste tipo de diérese , éNeste tipo de diérese , é
empregado o calor, cuja fonte é aempregado o calor, cuja fonte é a
energia elétrica.energia elétrica.
• Ex: bisturí elétrico.Ex: bisturí elétrico.
Diérese por crioterapiaDiérese por crioterapia
• consiste no resfriamento brusco econsiste no resfriamento brusco e
intenso da área que vai serintenso da área que vai ser
realizada a intervenção cirúrgica.realizada a intervenção cirúrgica.
• Ex: o nitrogênio líquido é aEx: o nitrogênio líquido é a
substância mais adequada .substância mais adequada .
Diérese por “laser”Diérese por “laser”
• O raio laser corresponde a ondasO raio laser corresponde a ondas
luminosas, em raios infravermelhos,luminosas, em raios infravermelhos,
concentrados e de alta potência.concentrados e de alta potência.
• O sistema laser é obtido a partir deO sistema laser é obtido a partir de
materiais em estado sólido, líquido oumateriais em estado sólido, líquido ou
gasoso, sendo cada tipo aplicado emgasoso, sendo cada tipo aplicado em
diferentes especialidades médicas.diferentes especialidades médicas.
HemostasiaHemostasia
• É o processo através do qual se impede,É o processo através do qual se impede,
detém ou previne o sangramento.detém ou previne o sangramento.
• Tipos:Tipos:
• preventiva: medicamentosa ou cirúrgica.preventiva: medicamentosa ou cirúrgica.
• de urgênciade urgência
• curativacurativa
Hemostasia PreventivaHemostasia Preventiva
• Medicamentosa: baseada nos examesMedicamentosa: baseada nos exames
laboratoriais (tempo de sangria elaboratoriais (tempo de sangria e
coagulação, dosagem de protombina)coagulação, dosagem de protombina)
• cirúrgica: realizada com a finalidadecirúrgica: realizada com a finalidade
de interromper a circulação durantede interromper a circulação durante
o ato cirúrgico, temporária ouo ato cirúrgico, temporária ou
definitivamente.definitivamente.
Hemostasia de urgênciaHemostasia de urgência
• é realizada, quase sempre, emé realizada, quase sempre, em
condições não favoráveis e comcondições não favoráveis e com
material improvisado, como pormaterial improvisado, como por
exemplo: compressão digital,exemplo: compressão digital,
manual.manual.
Hemostasia curativaHemostasia curativa
• é realizada no decorrer daé realizada no decorrer da
intervenção cirúrgica, e pode ser:intervenção cirúrgica, e pode ser:
• medicamentosa: gel hemostáticos;medicamentosa: gel hemostáticos;
• mecanica: uso de pinças;mecanica: uso de pinças;
• física: bisturí elétrico;física: bisturí elétrico;
• biológica: cola biológica.biológica: cola biológica.
SínteseSíntese
• é a união de tecidos, que será maisé a união de tecidos, que será mais
perfeita quanto mais anatômica for aperfeita quanto mais anatômica for a
separação.separação.
• Pode ser:Pode ser:
• cruentacruenta
• incruentaincruenta
• completacompleta
• incompletaincompleta
• mediatamediata
• imediataimediata
Síntese cruentaSíntese cruenta
• são utilizados instrumentossão utilizados instrumentos
apropriados: agulhas de sutura, fiosapropriados: agulhas de sutura, fios
cirúrgicos.cirúrgicos.
síntese incruentasíntese incruenta
• é a que faz a aproximação dosé a que faz a aproximação dos
tecidos com auxílio de gesso,tecidos com auxílio de gesso,
esparadrapo, ataduras.esparadrapo, ataduras.
síntese completasíntese completa
• é aquela em que é feita aé aquela em que é feita a
aproximação dos tecidos em toda aaproximação dos tecidos em toda a
dimensão da incisão cirúrgica.dimensão da incisão cirúrgica.
síntese incompletasíntese incompleta
• é aquela em que não há aproximaçãoé aquela em que não há aproximação
em toda a extensão da incisão, emem toda a extensão da incisão, em
consequ~encia da colocação de umconsequ~encia da colocação de um
dreno em determinado local dadreno em determinado local da
incisão cirúrgica.incisão cirúrgica.
síntese imediatasíntese imediata
• é quando há realização de sínteseé quando há realização de síntese
imediatamente após o traumatismo.imediatamente após o traumatismo.
Ex: corte em supercílios, face ouEx: corte em supercílios, face ou
outra área do corpo.outra área do corpo.
síntese mediatasíntese mediata
• é realizada algum tempo depois daé realizada algum tempo depois da
lesão.lesão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Weslei Andrade
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppttuttitutti1
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Heraldo Maia
 
Puncao Venosa Periferica
Puncao Venosa PerifericaPuncao Venosa Periferica
Puncao Venosa PerifericaTISocor
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data showCésar Müller
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaAroldo Gavioli
 
Aula posicionamento completa
Aula posicionamento  completaAula posicionamento  completa
Aula posicionamento completaGleyce Brasileiro
 
Hernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de EnfermagemHernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de EnfermagemJonathan Sampaio
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesiaGarrote Leal
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais CirurgiasZeca Ribeiro
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoProqualis
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoWilmar Ribeiro
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioSilvânia Galdino
 

Mais procurados (20)

Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Puncao Venosa Periferica
Puncao Venosa PerifericaPuncao Venosa Periferica
Puncao Venosa Periferica
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Cirurgias Urológicas
Cirurgias Urológicas Cirurgias Urológicas
Cirurgias Urológicas
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Cme completo
Cme completoCme completo
Cme completo
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
Aula posicionamento completa
Aula posicionamento  completaAula posicionamento  completa
Aula posicionamento completa
 
Centro Cirúrgico
Centro CirúrgicoCentro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
 
Hernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de EnfermagemHernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de Enfermagem
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
Atividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatórioAtividades no pré e trans operatório
Atividades no pré e trans operatório
 

Destaque

Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Aline Bandeira
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicaGuilherme Sicuto
 

Destaque (6)

Artigo DHEG
Artigo DHEGArtigo DHEG
Artigo DHEG
 
Dossie ortopedia
Dossie ortopediaDossie ortopedia
Dossie ortopedia
 
Ciclo de autoclave
Ciclo de autoclaveCiclo de autoclave
Ciclo de autoclave
 
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
Instrumentais Cirúrgicos AULA 6
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
 

Semelhante a Intraoperatórios

Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Rosimeyre Lira
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Carine Silvestrini
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfssuser80ae40
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxEvelineMachado3
 
AULA PRONTA POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA PRONTA  POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptxAULA PRONTA  POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA PRONTA POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptxMarcioCruz62
 
AULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptxAULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptxMarcioCruz62
 
Cuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento CirúrgicoCuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento Cirúrgicocrisenf
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxEduardoMachado69756
 
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de EnfermagemCentro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de EnfermagemJandresson Soares de Araújo
 
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxAULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxvaniceandrade1
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioKarolina Azevedo
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxEnfermagemUniavan
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptMarcelo Ocampos
 

Semelhante a Intraoperatórios (20)

Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
 
Posições Cirúrgicas
Posições CirúrgicasPosições Cirúrgicas
Posições Cirúrgicas
 
AULA PRONTA POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA PRONTA  POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptxAULA PRONTA  POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA PRONTA POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
AULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptxAULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
AULA COMPLETA 2 POSICIONAMENTO CIRURGICO.pptx
 
Cuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento CirúrgicoCuidados no Posicionamento Cirúrgico
Cuidados no Posicionamento Cirúrgico
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptxClinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
Clinica Cirurgica_ Aula Cirurgia Ortopédica - Copia.pptx
 
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de EnfermagemCentro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptxAULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
AULA INSTRUMENTAÇÃO CIRURGICA PINÇAS.pptx
 
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós OperatórioCuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
Cuidados de Enfermagem em Cirurgia Ortopédica no Pré, Trans e pós Operatório
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
Katia
KatiaKatia
Katia
 

Último

AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAArtthurPereira2
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdfThiagoAlmeida458596
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadJordanPrazeresFreita1
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfGiza Carla Nitz
 

Último (17)

AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
 

Intraoperatórios

  • 1. Intra-operatório eIntra-operatório e TemposTempos CCirúrgicosirúrgicos • Professora: Sandi ManchesterProfessora: Sandi Manchester
  • 2.
  • 3.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 9.
  • 10. Preparo da sala de cirurgia •    Material para anestesia e cirurgia ( Lap’s, soluções, pomadas, material para curativo, medicamentos, instrumental, etc. ), inclusive os especiais ( cirurgias ortopédicas, etc. ) deixando-os em local de fácil acesso; •    Testar equipamentos ( Monitores, pontos de O2, vácuo, negatoscópio, etc. ); •    Verificar condições de limpeza da sala; •    Posicionar equipamentos móveis ( suporte para soros, baldes para lixo, escadinha, suporte de hampers, etc. );   •    Observar segurança da sala como posicionamento de fios e chão molhado; •    Ajustar a temperatura da sala ( entre 21°C e 24°C );
  • 11. Recepção no Centro Cirúrgico • A atuação da enfermagem nesse período necessariamente requer que seus profissionais tenham conhecimento acerca de todos os eventos que acontecem durante o procedimento cirúrgico. • Os profissionais de enfermagem que atuam no centro cirúrgico são geralmente os responsáveis pela recepção do paciente na sua respectiva unidade. É importante lembrar que, mesmo na área de recepção do paciente, eles deverão estar devidamente paramentados. A recepção do paciente deve ser personalizada, respeitando sempre suas individualidades; o profissional deve ser cortês, educado e compreensivo, buscando entender e considerar as condições do paciente que normalmente já se encontra sob efeito dos medicamentos pré-anestésicos.
  • 12. Na recepção operatória, o profissional de enfermagem responsável deverá: •    Realizar uma breve leitura do prontuário ou das recomendações de enfermagens vindas do setor de origem do paciente, certificando-se sobre os dados de identificação do paciente e sobre a cirurgia a que ele será submetido; •    Observar se todos os cuidados pré-cirúrgicos relacionados ao procedimento foram devidamente realizados, como a administração de medicamentos pré-anestésicos          ( avaliando inclusive os seus efeitos )  e preparo do local ( tricotomia ) entre outros; •    Verificar os sinais vitais do paciente, comunicando ao médico anestesista ou ao enfermeiro possíveis alterações;    
  • 13. • Atentar para a presença e a necessidade de retirar esmalte dos dedos, adornos, brincos, cordões e pulseiras ou próteses dentárias, que normalmente são retirados antes do paciente deixar a unidade de origem com destino ao centro cirúrgico; •    Colocar no paciente gorro e sapatilhas; as roupas de cama que o cobriam devem ser trocadas por roupas de cama do próprio centro cirúrgico; •    Manter uma recepção calma, tranquila que traga segurança ao paciente; •    Observar o comportamento do paciente: confiança, ansiedade, melancolia, insegurança, agressividade, etc.
  • 14. Transporte para a sala de cirurgia •  Alguns cuidados devem ser observados no transporte do paciente até a sala de cirurgia: •    Garantir a segurança física e emocional do paciente: as grades devem estar erguidas, o profissional deve posicionar- se à cabeceira da maca; •    Avaliar a expressão facial do paciente; •    Cuidados com acesso venoso, drenos, infusões; •    Não realizar movimentos bruscos e manter o paciente protegido com o lençol devido ao frio. •    Comunicar-se com o paciente; •    Garantir um transporte tranquilo; •    Evitar conversas desnecessárias, brincadeiras, ruídos, etc. respeitando o estado em que se encontra o paciente. 
  • 15. Transporte para a mesa de cirurgia • As posições mais frequentes são: •      Decúbito dorsal horizontal; •      Decúbito ventral horizontal; •      Decúbito lateral direito ou esquerdo; •      Posição de Trendelemburg; •      Trendelemburg reversa; •      Decúbito dorsal quebrado; •      Posição ginecológica; •      Posição canivete;
  • 16. • Decúbito dorsal ou SupinaDecúbito dorsal ou Supina: É aquela em que o: É aquela em que o paciente se encontra deitado de costas, com as pernaspaciente se encontra deitado de costas, com as pernas estendidas e os braços estendidos e apoiados emestendidas e os braços estendidos e apoiados em talas. O dorso do paciente e a coluna vertebral estãotalas. O dorso do paciente e a coluna vertebral estão repousando na superfície do colchão da mesarepousando na superfície do colchão da mesa cirúrgica. Ex. Cesariana.cirúrgica. Ex. Cesariana.
  • 17. • Decúbito ventral ou PronaDecúbito ventral ou Prona:: O paciente fica deitado deO paciente fica deitado de abdômen para baixo, com os braços estendidos paraabdômen para baixo, com os braços estendidos para frente e apoiados em talas. O sistema respiratório ficafrente e apoiados em talas. O sistema respiratório fica mais vulnerável na posição de decúbito ventral. Ex.mais vulnerável na posição de decúbito ventral. Ex. Cirurgias da coluna, Hérnia de disco.Cirurgias da coluna, Hérnia de disco.
  • 18. • Decúbito lateral ou simsDecúbito lateral ou sims:: O paciente permanece emO paciente permanece em decúbito lateral, esquerdo ou direito, com a perna quedecúbito lateral, esquerdo ou direito, com a perna que está do lado de cima flexionada, afastada e apoiada naestá do lado de cima flexionada, afastada e apoiada na superfície de repouso. Ex. Cirurgias renais.superfície de repouso. Ex. Cirurgias renais.
  • 19. • Posição de litotômia ou GinecológicaPosição de litotômia ou Ginecológica: O paciente: O paciente permanece em decúbito dorsal, com as pernaspermanece em decúbito dorsal, com as pernas flexionadas, afastadas e apoiadas em perneirasflexionadas, afastadas e apoiadas em perneiras acolchoadas, e os braços estendidos e apoiados. Ex.acolchoadas, e os braços estendidos e apoiados. Ex. Histerectomia vaginal.Histerectomia vaginal.
  • 20. Posição trendelenburgPosição trendelenburg:: É uma variação da posição de decúbitoÉ uma variação da posição de decúbito dorsal onde a parte superior do dorso é abaixada e os pés sãodorsal onde a parte superior do dorso é abaixada e os pés são elevados. Mantém as alças intestinais na parte superior daelevados. Mantém as alças intestinais na parte superior da cavidade abdominal. Ex. Posição utilizada para cirurgias decavidade abdominal. Ex. Posição utilizada para cirurgias de órgãos pélvicos, Laparotomia de abdomên inferior.órgãos pélvicos, Laparotomia de abdomên inferior.
  • 21. • Posição trendelenburg ReversoPosição trendelenburg Reverso:: Mantém as alças intestinais naMantém as alças intestinais na parte inferior da cavidade abdominal. Reduz a pressãoparte inferior da cavidade abdominal. Reduz a pressão sangüínea cerebral. Ex. Posição utilizada para cirurgias desangüínea cerebral. Ex. Posição utilizada para cirurgias de abdomem superior e cranianas.abdomem superior e cranianas.
  • 22. • Posição fowler ou sentadaPosição fowler ou sentada:: O paciente permanece semi-O paciente permanece semi- sentado na mesa de operação. Posição utilizada parasentado na mesa de operação. Posição utilizada para conforto do paciente quando há dispnéia. Ex. Dreno deconforto do paciente quando há dispnéia. Ex. Dreno de TóraxTórax
  • 23. • Posição de canivete (kraske)Posição de canivete (kraske): O paciente se encontra: O paciente se encontra em decúbito ventral, com as coxas e pernas para foraem decúbito ventral, com as coxas e pernas para fora da mesa e o tórax sobre a mesa, a qual está levementeda mesa e o tórax sobre a mesa, a qual está levemente inclinada no sentido oposto das pernas, e os braçosinclinada no sentido oposto das pernas, e os braços estendidos e apoiados em talas. Ex.estendidos e apoiados em talas. Ex. Hemorroidectomia.Hemorroidectomia.
  • 24. Qual a diferença deQual a diferença de assepsia e antissepsia?assepsia e antissepsia?
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Tempos cirúrgicos ouTempos cirúrgicos ou operatóriosoperatórios • DiéreseDiérese • HemostasiaHemostasia • Cirurgia propriamente dita ou exéreseCirurgia propriamente dita ou exérese • Síntese.Síntese.
  • 32. Tempos cirúrgicos ouTempos cirúrgicos ou operatóriosoperatórios • São os procedimentos ou manobrasSão os procedimentos ou manobras consecutivas realizadas peloconsecutivas realizadas pelo cirurgião desde o início até ocirurgião desde o início até o término da cirurgia.término da cirurgia.
  • 33. DiéreseDiérese • Consiste na separação dos planosConsiste na separação dos planos anatômicos ou tecidos paraanatômicos ou tecidos para possibilitar a abordagem de um órgãopossibilitar a abordagem de um órgão ou região. É o rompimento daou região. É o rompimento da continuidade e contiguidade doscontinuidade e contiguidade dos tecidos.tecidos.  Pode ser: . mecânicaPode ser: . mecânica . física. física
  • 34. Diérese MecânicaDiérese Mecânica • É aquela realizada com o uso deÉ aquela realizada com o uso de instrumentos cortantes, como oinstrumentos cortantes, como o bisturí e a tesoura, ou outrosbisturí e a tesoura, ou outros instrumentais específicos empregadosinstrumentais específicos empregados para determinados tipos de tecidospara determinados tipos de tecidos como por ex: a serra .como por ex: a serra .
  • 35. Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica • Punção:Punção: é a introdução de uma agulha oué a introdução de uma agulha ou trocarte nos tecidos, separando-os semtrocarte nos tecidos, separando-os sem contudo seccioná-los.contudo seccioná-los. • É o procedimento realizado com a finalidadeÉ o procedimento realizado com a finalidade de drenar coleções de líquidos, ou coletarde drenar coleções de líquidos, ou coletar fragmentos de tecidos ou líquidos orgânicosfragmentos de tecidos ou líquidos orgânicos para exames diagnósticos.para exames diagnósticos.
  • 36. Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica • Secção:Secção: É o ato de dividir, cortarÉ o ato de dividir, cortar tecidos, fazendo uso de materialtecidos, fazendo uso de material cortante, como tesoura, serra, lâmina oucortante, como tesoura, serra, lâmina ou bisturí elétrico.bisturí elétrico. • Divulsão:Divulsão: É o afastamento dos tecidos nosÉ o afastamento dos tecidos nos planos anatômicos, sem seccioná-los,planos anatômicos, sem seccioná-los, utilizando-se tesoura rombas, pinças,utilizando-se tesoura rombas, pinças, tentacãnula e afastadores.tentacãnula e afastadores.
  • 37. Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica • Curetagem:Curetagem:É a raspagem da superfície doÉ a raspagem da superfície do órgão com o auxílio da cureta,órgão com o auxílio da cureta, instrumental no formato de uma colher,instrumental no formato de uma colher, que possui as bordas cortantes.que possui as bordas cortantes. • Dilatação:Dilatação: é o processo através do qualé o processo através do qual se procura aumentar o diâmetro de canaisse procura aumentar o diâmetro de canais e orifícios naturais.Ex: dilatação dae orifícios naturais.Ex: dilatação da uretra.uretra.
  • 38. Tipos de diérese mecânicaTipos de diérese mecânica • Descolamento:Descolamento: consiste na separaçãoconsiste na separação dos tecidos de um espaço anatômicodos tecidos de um espaço anatômico virtual. Ex: descolamento davirtual. Ex: descolamento da vesícula do leito hepático.vesícula do leito hepático.
  • 39. do ponto de vista físicodo ponto de vista físico a diérese pode ser:a diérese pode ser: térmicatérmica por crioterapiapor crioterapia por “laser”por “laser”
  • 40. Diérese TérmicaDiérese Térmica • Neste tipo de diérese , éNeste tipo de diérese , é empregado o calor, cuja fonte é aempregado o calor, cuja fonte é a energia elétrica.energia elétrica. • Ex: bisturí elétrico.Ex: bisturí elétrico.
  • 41. Diérese por crioterapiaDiérese por crioterapia • consiste no resfriamento brusco econsiste no resfriamento brusco e intenso da área que vai serintenso da área que vai ser realizada a intervenção cirúrgica.realizada a intervenção cirúrgica. • Ex: o nitrogênio líquido é aEx: o nitrogênio líquido é a substância mais adequada .substância mais adequada .
  • 42. Diérese por “laser”Diérese por “laser” • O raio laser corresponde a ondasO raio laser corresponde a ondas luminosas, em raios infravermelhos,luminosas, em raios infravermelhos, concentrados e de alta potência.concentrados e de alta potência. • O sistema laser é obtido a partir deO sistema laser é obtido a partir de materiais em estado sólido, líquido oumateriais em estado sólido, líquido ou gasoso, sendo cada tipo aplicado emgasoso, sendo cada tipo aplicado em diferentes especialidades médicas.diferentes especialidades médicas.
  • 43. HemostasiaHemostasia • É o processo através do qual se impede,É o processo através do qual se impede, detém ou previne o sangramento.detém ou previne o sangramento. • Tipos:Tipos: • preventiva: medicamentosa ou cirúrgica.preventiva: medicamentosa ou cirúrgica. • de urgênciade urgência • curativacurativa
  • 44. Hemostasia PreventivaHemostasia Preventiva • Medicamentosa: baseada nos examesMedicamentosa: baseada nos exames laboratoriais (tempo de sangria elaboratoriais (tempo de sangria e coagulação, dosagem de protombina)coagulação, dosagem de protombina) • cirúrgica: realizada com a finalidadecirúrgica: realizada com a finalidade de interromper a circulação durantede interromper a circulação durante o ato cirúrgico, temporária ouo ato cirúrgico, temporária ou definitivamente.definitivamente.
  • 45. Hemostasia de urgênciaHemostasia de urgência • é realizada, quase sempre, emé realizada, quase sempre, em condições não favoráveis e comcondições não favoráveis e com material improvisado, como pormaterial improvisado, como por exemplo: compressão digital,exemplo: compressão digital, manual.manual.
  • 46. Hemostasia curativaHemostasia curativa • é realizada no decorrer daé realizada no decorrer da intervenção cirúrgica, e pode ser:intervenção cirúrgica, e pode ser: • medicamentosa: gel hemostáticos;medicamentosa: gel hemostáticos; • mecanica: uso de pinças;mecanica: uso de pinças; • física: bisturí elétrico;física: bisturí elétrico; • biológica: cola biológica.biológica: cola biológica.
  • 47. SínteseSíntese • é a união de tecidos, que será maisé a união de tecidos, que será mais perfeita quanto mais anatômica for aperfeita quanto mais anatômica for a separação.separação. • Pode ser:Pode ser: • cruentacruenta • incruentaincruenta • completacompleta • incompletaincompleta • mediatamediata • imediataimediata
  • 48. Síntese cruentaSíntese cruenta • são utilizados instrumentossão utilizados instrumentos apropriados: agulhas de sutura, fiosapropriados: agulhas de sutura, fios cirúrgicos.cirúrgicos.
  • 49. síntese incruentasíntese incruenta • é a que faz a aproximação dosé a que faz a aproximação dos tecidos com auxílio de gesso,tecidos com auxílio de gesso, esparadrapo, ataduras.esparadrapo, ataduras.
  • 50. síntese completasíntese completa • é aquela em que é feita aé aquela em que é feita a aproximação dos tecidos em toda aaproximação dos tecidos em toda a dimensão da incisão cirúrgica.dimensão da incisão cirúrgica.
  • 51. síntese incompletasíntese incompleta • é aquela em que não há aproximaçãoé aquela em que não há aproximação em toda a extensão da incisão, emem toda a extensão da incisão, em consequ~encia da colocação de umconsequ~encia da colocação de um dreno em determinado local dadreno em determinado local da incisão cirúrgica.incisão cirúrgica.
  • 52. síntese imediatasíntese imediata • é quando há realização de sínteseé quando há realização de síntese imediatamente após o traumatismo.imediatamente após o traumatismo. Ex: corte em supercílios, face ouEx: corte em supercílios, face ou outra área do corpo.outra área do corpo.
  • 53. síntese mediatasíntese mediata • é realizada algum tempo depois daé realizada algum tempo depois da lesão.lesão.