Hormonas e metabolismo do etanol

4.217 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hormonas e metabolismo do etanol

  1. 1. Regulação hormonal do metabolismo Vias metabólicas
  2. 2. Regulação hormonal do metabolismo (cont.) <ul><li>Os diversos processos metabólicos estão sujeitos a regulação. </li></ul><ul><li>A informação respeitante a uma alteração (aumento ou diminuição da concentração de glicose, por exemplo) é enviada para o cérebro de forma a contrapor essa alteração e regular a sua concentração. </li></ul><ul><li>O organismo procura manter as condições dentro de intervalos fixos. </li></ul><ul><li>O sistema endócrino produz hormonas que procedem a essa regulação </li></ul>
  3. 3. Regulação hormonal do metabolismo (cont.) <ul><li>Hormona é uma substância química específica fabricada pelo sistema endócrino ou por neurónios altamente especializados. Esta substância é segregada em quantidades muito pequenas na corrente sanguínea ou em outros fluidos corporais. Assim sendo, podem ser produzidas por um órgão ou em determinadas células do mesmo. A sua função é exercer uma acção reguladora (indutora ou inibidora) em outros órgãos ou regiões do corpo. Em geral trabalham devagar e por muito tempo, regulando o crescimento, o desenvolvimento, a reprodução e as funções de muitos tecidos , bem como os processos metabólicos do organismo. </li></ul>
  4. 4. Regulação hormonal do metabolismo (cont.)
  5. 5. Hormonas e metabolismo <ul><li>A manutenção da glicemia depende da acção combinada das hormonas: </li></ul><ul><ul><li>Insulina </li></ul></ul><ul><ul><li>Glucagon </li></ul></ul><ul><ul><li>Epinefrina </li></ul></ul>
  6. 6. Hormonas e metabolismo (cont.) <ul><li>A insulina é uma hormona segregada pelas células β do pâncreas. A sua segregação é estimulada após a ingestão de alimentos , em que a disponibilidade de glucose é maior. </li></ul><ul><li>Esta hormona auxilia no transporte de glucose para os diversos tecidos através do sangue e na síntese de glicogénio e gordura (reservas energéticas). </li></ul>
  7. 7. Hormonas e metabolismo (cont.) Após uma refeição a insulina é segregada...
  8. 8. Hormonas e metabolismo (cont.)
  9. 9. Hormonas e metabolismo (cont.) <ul><li>Glucagon </li></ul><ul><ul><li>Peptídeo de 29 aminoácidos segregado pelas células alfa do pâncreas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Os seus efeitos são eminentemente anabólicos, estimulando a exportação de glicose pelo fígado e a lipólise no tecido adiposo. </li></ul></ul><ul><ul><li>Assim, o glucagon: </li></ul></ul><ul><ul><li>Favorece a quebra de glicogénio hepático; </li></ul></ul><ul><ul><li>Diminui a glicólise no fígado e aumenta a gluconeogénese; </li></ul></ul><ul><ul><li>Estimula a lipase de T.A.G. dos adipócitos (produção de Acetil-CoA a partir dos ácidos gordos para utilização no Ciclo de Krebs). </li></ul></ul>
  10. 10. Hormonas e metabolismo (cont.) Durante o jejum o glucagon entra em cena…
  11. 11. Hormonas e metabolismo (cont.)
  12. 12. Hormonas e metabolismo (cont.) <ul><li>Insulina e Glucagon têm efeitos antagónicos </li></ul>
  13. 13. Hormonas e metabolismo (cont.) <ul><li>A epinefrina é segregada pelas glândulas supra-renais. É sintetizada a partir do aminoácido tirosina. </li></ul><ul><li>Em momentos de stress , as supra-renais segregam quantidades abundantes desta hormona que prepara o organismo para grandes esforços físicos, estimula o coração, eleva a tensão arterial, relaxa certos músculos e contrai outros. </li></ul><ul><li>Estimula: </li></ul><ul><ul><li>A quebra de glicogénio muscular e hepático; </li></ul></ul><ul><ul><li>A lipase de T.A.G. dos adipócitos; </li></ul></ul><ul><ul><li>A glicólise no músculo </li></ul></ul>
  14. 14. Hormonas e metabolismo (cont.)
  15. 15. A Diabetes Mellitus <ul><li>Se ocorrer a destruição das células β do pâncreas numa idade jovem este processo resulta numa condição patológica denominada Diabetes Mellitus tipo I . Nestas circunstâncias o pâncreas fica incapaz de produzir insulina, pelo que o paciente se torna dependente da administração externa desta hormona. </li></ul><ul><li>A Diabetes Mellitus tipo II ocorre com o envelhecimento do individuo devido à diminuição da eficiência da insulina como reguladora do metabolismo da glucose. O paciente não é dependente da administração da hormona. </li></ul>
  16. 16. Metabolismo do etanol <ul><li>O abuso de bebidas alcoólicas, ricas em etanol, provoca diversos distúrbios, tanto ao nível físico como psíquico. </li></ul><ul><li>Alterações metabólicas importantes ocorrem, com interferência ao nível de diversas vias e processos. </li></ul><ul><li>O consumo prolongado e exagerado de bebidas alcoólicas provoca dependência física e psicológica, com reflexo óbvio no comportamento e produtividade do indivíduo. </li></ul>
  17. 17. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>O etanol ingerido é rapidamente absorvido por processos de difusão (transporte passivo, do meio mais concentrado, para o meio menos concentrado). </li></ul><ul><ul><li>No estômago 20%; </li></ul></ul><ul><ul><li>Intestino delgado 80%; </li></ul></ul><ul><ul><li>Absorção máxima: 30 a 90 min após a ingestão. </li></ul></ul>
  18. 18. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>A absorção de etanol é favorecida por um estômago vazio : </li></ul>
  19. 19. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>A natureza, volume e teor alcoólico da bebida influenciam a absorção: </li></ul>
  20. 20. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>Outros factores que influenciam a metabolização do etanol: </li></ul><ul><ul><li>Presença de medicamentos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Aspirina, por exº., aumenta absorção; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Benzodiazepinas e outros hipnóticos potenciam o efeito. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>􀂇 Tempo de ingestão/consumo. </li></ul></ul><ul><ul><li>􀂇 Factores fisiopatológicos: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Sexo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Peso corporal </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Deficiência proteica grave (absorção extremamente rápida). </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>􀂇 Factores genéticos e ambientais </li></ul></ul>
  21. 21. Metabolismo do etanol (cont.)
  22. 22. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>Somente 2- 10% absorvido é eliminado inalterado (rins e pulmões). </li></ul><ul><li>Entre 90 a 98% é oxidado no organismo, principalmente no fígado. </li></ul><ul><ul><li>1. ÁLCOOL DESIDROGENASE (ADH) ( Citosol, fracção solúvel): </li></ul></ul><ul><ul><li>2. SISTEMA MICROSSOMAL DE OXIDAÇÃO DO ETANOL (SMOE) –Retículo endoplasmático, fracção microssomal: </li></ul></ul><ul><ul><li>3. Catalase (Peroxissomas) </li></ul></ul>
  23. 23. Metabolismo do etanol (cont.) Degradação do acetaldeído (ocorre no fígado)
  24. 24. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>EFEITOS METABÓLICOS DO ETANOL </li></ul><ul><ul><li>Consumo abusivo regular: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Geração excessiva de NADH (inibição do Ciclo de Krebs); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Hipoglicemia (em situações de consumo crónico pode desenvolver hiperglicémia); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Diminuição da gluconeogénese; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Alimentação deficiente: depleção de glicogénio, insuficiência de hidratos de carbono; </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Acidose láctica (aumento de lactato aumentado no sangue). </li></ul></ul><ul><ul><li>Rim: lactato interfere na excreção do ácido úrico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Hiperuricemia ( exacerba a gota); </li></ul></ul><ul><ul><li>O acetaldeído formado é altamente tóxico, mutagénico e carcinogênico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Acumulação de colagénio leva à fibrose e cirrose hepáticas. </li></ul></ul>
  25. 25. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>SÍNDROMES NEUROLÓGICAS </li></ul><ul><ul><li>Síndrome de Wernicke-Korsakoff (encefalopatia e psicose) </li></ul></ul><ul><ul><li>Degeneração do cerebelo </li></ul></ul><ul><ul><li>“ Demência” alcoólica </li></ul></ul><ul><ul><li>Neuropatia periférica </li></ul></ul><ul><li>Afecta: </li></ul><ul><ul><li>􀂇 Sistema Cardiovascular </li></ul></ul><ul><ul><li>􀂇 Sistema endócrino </li></ul></ul><ul><ul><li>􀂇 Sistema gastrointestinal </li></ul></ul><ul><ul><li>􀂇 Sistema hematológico </li></ul></ul><ul><li>Produz: </li></ul><ul><ul><li>􀂇 Efeitos carcinogénicos </li></ul></ul>
  26. 26. Metabolismo do etanol (cont.) <ul><li>Síndrome alcoólica fetal, leva a: </li></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento anormal da face, com olhos afastados, fissuras palpebrais curtas e malares pequenos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Redução da circunferência craniana; </li></ul></ul><ul><ul><li>Crescimento retardado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Retardamento mental e anormalidades comportamentais que frequentemente assumem a forma de hiperactividade e dificuldade de integração social; </li></ul></ul><ul><ul><li>Outras anormalidades anatómicas que podem ser significativas ou de menor importância (anormalidades cardíacas congénitas, malformação dos olhos e orelhas). </li></ul></ul>

×