Gravidez "não" Planejada

4.787 visualizações

Publicada em

Orientação Técnica sobre Gravidez não Planejada com Oficinas e subsídios Teóricos.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.787
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.120
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gravidez "não" Planejada

  1. 1. Gravidez “não” Planejada Educação Preventiva Vice-Diretores da Escola da Família Professores Mediadores Vice-Diretores Patrícia - Supervisora Ednéia – PCNP de Projetos Especiais Glauber Aragon – PCNP de Ciência e Biologia Orientação Técnica
  2. 2. Os temas transversais, segundo o Ministério da Educação (MEC), “são temas que estão voltados para a compreensão e para a construção da realidade social e dos direitos e responsabilidades relacionados com a vida pessoal e coletiva e com a afirmação do princípio da participação política”. Endossando essa afirmativa, há a Lei de Diretrizes e Bases (Lei nº 9394/96), os Parâmetros Curriculares Nacionais e o Currículo, assim, tais documentos ressaltam, também, que a finalidade da educação é formar o jovem para a cidadania e para o mundo do trabalho. TEMAS TRANSVERSAIS
  3. 3. Deve-se evitar a perspectiva disciplinar rígida, pautando-se na prática pedagógica interdisciplinar de forma a envolver todos os atores escolares em suas diferentes dimensões, portanto, é um projeto de atuação político pedagógica. O TRABALHO COM OS TEMAS TRANSVERSAIS
  4. 4.  Discussão sobre a inclusão da temática no currículo se intensificam a partir da década de 70;  Meados dos anos 80 (Crescimento da gravidez indesejada entre adolescentes e com o risco de contaminação pelo HIV/AIDS);  Manifestações afloram em todas as faixas etárias (ignorar, ocultar ou reprimir);  Influência das mídias atuando na formação sexual de crianças e jovens, podendo levar a construção de conceitos e explicações errôneas e fantasiosas;  As mídias despertam curiosidades e fantasias sexuais em crianças;  A sexualidade se manifesta dentro da escola;  Contribui para a prevenção de graves problemas como o abuso sexual;  Intervenções mais eficazes na prevenção são realizadas através de ações educativas continuadas ORIENTAÇÃO SEXUAL
  5. 5. GRAVIDEZ “NÃO” PLANEJADA Falta de opção ou descuido? Qual é o seu Projeto de Vida?
  6. 6. Para início de conversa Já sei Namorar (Tribalistas) Já sei namorar Já sei beijar de língua Agora, só me resta sonhar Já sei onde ir Já sei onde ficar Agora, só me falta sair Não tenho paciência pra televisão Eu não sou audiência para a solidão Eu sou de ninguém Eu sou de todo mundo E todo mundo me quer bem Eu sou de ninguém Eu sou de todo mundo E todo mundo é meu também 1ª Oficina - Integração  Durante a música cada aluno deve encontrar os demais integrantes que possuem a mesma palavra; 1. Namoro 2. Amizade 3. Ficar 4. Paquera 5. Desejo 6. Pegação 7. Casamento 8. Respeito  Terão dois minutos pra trocar uma “ideia” sobre a palavra encontrada;  Socializarão as sensações ou as emoções que a palavra desperta;
  7. 7. PUBERDADE Início das mudanças do corpo  Entre (8) 10 – 13 (14) anos. Órgão responsáveis  Hipófise.  Testículo.  Ovário. Hormônios sexuais  Testosterona.  Estrogênio.  Progesterona. Principal preocupação dos jovens  Normalidade do desenvolvimento. Adolescência e Puberdade Infância Características sexuais primárias Puberdade Características sexuais secundárias
  8. 8. Garotas  Aumento dos seios.  Estirão.  Alteração da voz.  Pêlos pubianos.  Acne.  Contorno do corpo.  Menstruação. Garotos  Aumento do pênis e testículos.  Estirão.  Alteração da voz.  Pêlos pubianos.  Acne.  Barba e bigode.  Polução noturna.  Pomo de Adão.  Espermatogênese. Mudanças no corpo
  9. 9. Ovulação Menstruação Espermatogênese Ejaculação Relação Sexual Marco da Puberdade Capacidade reprodutiva
  10. 10. Adolescência A adolescência é um período do desenvolvimento humano que se estende, aproximadamente, dos 10 aos 19 anos de idade (segundo a OMS) que se caracteriza por uma revolução nos seguintes aspectos:  Física  Social  Cognitiva  Psico-emocional É um período de grande crescimento e transformações, onde tudo é vivido intensamente.
  11. 11. Aspecto Social  Pertencer a grupos.  Confirmação de sua identidade sexual e valorização social.  Jovem isolado requer atenção.  Diversidade de valores.  Oportunidade afetiva- sexual.  Vida escolar. Aspecto Físico  Capacidade sexual e reprodutiva  Hormônios sexuais  Desejo sexual  Excitação  Capacidade orgástica  Espermatozóides  Óvulos
  12. 12. Aspecto cognitivo  Capacidade de abstração  Informação  Análise crítica Aspecto Psico-emocional  Auto-afirmação.  Contestar.  Onipotência.  Pouco caminho percorrido – inexperiência.  A certeza de que tudo vai dar certo.  Devaneios.  Capricho da imaginação.  Sonhos.
  13. 13. Vídeo: As Grandes Transformações da Puberdade Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ilUx6qoC2tk Acesso 15 Mar. 2016 ( 26 min. ) ATENÇÃO: Assista todo o vídeo antes de realizar sua utilização pedagógica. A linguagem pode ser inadequada para alguns públicos.
  14. 14. Passo a Passo  Os alunos serão divididos em 5 grupos (misto);  Dois grupos desenharão um corpo de um homem e os outros três o de uma mulher, sendo um aluno o molde para o contorno do corpo;  Depois os alunos desenharão as partes que compõem o sistema reprodutor (interno e externo);  Nomear o personagem e escrever próximo a sua cabeça as coisas que os adolescentes mais gostam e do que não gostam de fazer (masculino e feminino);  Os alunos apresentarão o personagem e contarão um pouco de suas características e personalidade. 1. O que foi mais difícil de desenhar? 2. As meninas conhecem o seu corpo reprodutivo? 3. Os meninos conhecem o seu corpo reprodutivo? 4. Os meninos conhecem o corpo reprodutivo das meninas? 5. As meninas conhecem o corpo reprodutivo dos meninos? 2ª Oficina – Corpo Reprodutivo
  15. 15. Sexo Atributo do ser humano Função - Reprodutiva - Sexual (divertimento/prazer) - Relacional (casamento/romantismo) Sexo e Sexualidade Há diferença? Função Reprodutiva  O ser humano só faz sexo porque este é o seu meio de reprodução.  É no ato sexual que os espermatozóides têm acesso ao óvulo.  Fazer sexo é uma atividade essencial, como dormir ou comer.  O sexo é vital para a manutenção da espécie humana.
  16. 16. Função Sexual (divertimento/prazer)  Nos primórdios da humanidade, a natureza fez o estímulo sexual.  O Cio – irresistível e o sexo uma atividade muito prazerosa para garantir a procriação.  Uma vez sentido o estímulo sexual, a concentração do macho se fixa no sexo. Era muito difícil se conter.  Ao longo do tempo, o cio foi substituído pelo erotismo/romantismo. Motivar-se para fazer sexo seguro
  17. 17. Função Relacional (casamento/romantismo) O sexo feito conforme a natureza manda.  Mecanismo fisiológico da reprodução.  Estímulo sexual – Cio. Então, o sexo foi aculturado: passou a ser feito conforme símbolos e rituais.  Não necessariamente durante o período fértil – valores e sentimentos.  Estímulo sexual – erotismo/romantismo. A atração sexual se dá em função do relacionamento estabelecido.  Sexual – tesão  Afetivo – amor  Afetivo e Sexual
  18. 18. Dinâmica da sexualidade Valores Mitos Expectativas Cultura e normas sociais Mecanismo biológico e fisiológico Estruturas mentais Capacidade cognitiva adaptativa
  19. 19. Genital Externo Feminino
  20. 20. Genital Interno Feminino
  21. 21. Sistema Reprodutor Feminino
  22. 22. Genital Externo Masculino
  23. 23. Genital Interno Masculino
  24. 24. Sistema Reprodutor Masculino
  25. 25. Ciclo Menstrual Pré-menstrual Menstrual Pós-menstrual
  26. 26. Reprodução Humana  Para acontecer a gravidez é necessário que os espermatozóides encontrem o óvulo nas tubas uterinas.  O homem está sempre fértil.  A mulher é fértil uma vez por mês por 24h.  A menstruação ocorre 14 dias após a ovulação.
  27. 27. Fecundação 1. Óvulo liberado pelo ovário. 2. Óvulo na tuba uterina. 3. Detalhe do óvulo sendo fecundado na tuba uterina. 4. Ovo se desloca até a parede do útero, onde ocorre a nidação. 1 2 4 3
  28. 28. 3ª Oficina – O despertar para um sonho. Passo a passo – Etapa 1  Distribuir a Ficha ( Peça que não virem);  Responder a o Lado A  Qual seu sonho de vida profissional?  Distribuir os testes de gravidez (média de ¼ positivo);  Leitura dos testes;  Distribuição das bexigas para os alunos que apresentaram teste positivo;  Encher a bexiga e colocá-la na sobre a barriga. Representando uma grávida ou grávido.
  29. 29. 3ª Oficina – O despertar para um sonho. Passo a passo – Etapa 2  Todos deverão fechar os olhos;  Leitura do livreto (Viagem ao futuro)  Discussão da reflexão (Viagem ao Futuro).  Preenchimento das fichas (Lado B), e recolhimento das mesmas.  Você viajou grávida(o)?  Você realizou seu sonho?  O que você fez para realizar o seu sonho?  O que facilitou e/ou dificultou a realização de seu sonho?  Socialização das viagens...
  30. 30. 3ª Oficina – O despertar para um sonho. Passo a passo – Etapa 3  Dividir a sala em 5 grupos (3 de meninas e 2 de meninos);  Entregar o papel kraft e o pincel atômico;  Grupo das meninas:  “Quais as consequências de uma gravidez na adolescência para as meninas”.  Grupo dos meninos:  “Quais as consequências de uma gravidez na adolescência para os meninos”.  Apresentação em painéis (socialização)  Avaliação (Cada aluno escreverá uma mensagem a um colega, aconselhando-o a evitar a gravidez). O professor recolherá esta mensagem (folha avulsa).
  31. 31. Vídeo: A Menstruação Atrasou. E Agora? Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=oCLWgZWtJW4 Acesso 15 Mar. 2016 (26 min.) ATENÇÃO: Assista todo o vídeo antes de realizar sua utilização pedagógica. A linguagem pode ser inadequada para alguns públicos.
  32. 32. Conceito Utiliza a observação e o funcionamento do corpo para evitar a gravidez.  Tabelinha.  Temperatura basal.  Muco Cervical.  Coito interrompido. Métodos Comportamentais
  33. 33. Conceito Utiliza um produto químico para matar os espermatozóides.  Espermicida. - Geléia. - Creme. - Espuma. - Óvulo. Métodos Químicos
  34. 34. Conceito Utiliza um aparelho de plástico inserido no útero para evitar a gravidez. Ele é revestido de cobre ou hormônio que inativa os espermatozóides ou impede a ovulação.  Diu de cobre.  Diu de Hormônio. DIU Dispositivos Intra-uterinos
  35. 35. Conceito Utiliza hormônio artificial para evitar a gravidez. Estes remédios impedem a ovulação.  Pílula Anticoncepcional.  Injetáveis.  Adesivo.  Implante.  Anel Vaginal.  D.I.U. Hormonal. Métodos Hormonais
  36. 36. Conceito Utiliza cirurgia para evitar a gravidez. A cirurgia interrompe o percurso do óvulo e dos espermatozóides impedindo a fecundação.  Laqueadura.  Vasectomia. Métodos Cirúrgicos
  37. 37. Conceito Utiliza capa de plástico ou borracha para evitar o encontro do óvulo com os espermatozóides, impedindo a gravidez.  Diafragma.  Preservativos. - Camisinha Feminina. - Camisinha Masculina. Métodos de Barreira
  38. 38. CAMISINHA MASCULINA CAMISINHA FEMININA Únicos contraceptivos que podem evitar o contágio por DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DSTs)
  39. 39. Meninas  Insegurança.  Dificuldade de negociar o uso do preservativo.  Medo de ser vista como promíscua.  Submissão ao homem.  Medo de perder o parceiro.  Baixa auto-estima. Meninos  Insegurança.  Medo de não saber usar.  Ansiedade de desempenho.  Medo de perder a ereção.  Não sentir prazer na relação. Obstáculos no uso de preservativos
  40. 40.  Pílula do dia seguinte: quando usar.  Nenhum método anticoncepcional foi usado.  A camisinha rompe, ou escorrega para dentro da vagina na sua retirada.  Há o deslocamento ou ruptura do diafragma.  O coito interrompido não é bem sucedido.  Há expulsão do DIU.  Quando a garota toma pílula anticoncepcional regular e  esquece 2 ou mais comprimidos no mesmo ciclo menstrual.  Quando a garota é vítima de estupro. Medicação de emergência
  41. 41. Medicação de emergência Pílula do dia seguinte Modo de usar  Ingerir um comprimido até 72 horas após a relação de risco.  No uso da cartela com 02 comprimidos, ingerir o outro 12h depois.
  42. 42. Vídeo: Contraceptivos Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ou4kbwvV1Zc Acesso 15 Mar. 2016 (26 min.) ATENÇÃO: Assista todo o vídeo antes de realizar sua utilização pedagógica. A linguagem pode ser inadequada para alguns públicos.
  43. 43. Projeto de vida  Ter um projeto de vida é agir de forma coerente com os seus objetivos e perceber o que se pode alcançar a curto, médio e longo prazo.  Identificar o sonho de vida pessoal e profissional.  Perceber o impacto de suas ações no futuro.  Acesso a educação e profissionalização.  Perspectiva pessoal e profissional. Fator de proteção
  44. 44. ciefisbio.blogspot.com.br Blog… Ciências Físicas e Biológicas
  45. 45. Blog Ciências Físicas e Biológicas ciefisbio.blogspot.com.br Referencias Bibliográficos • Projeto Vale Sonhar - Instituto Kaplan • Adolescentes e Jovens Para a Educação Entre Pares - Sexualidades e Saúde Reprodutiva – MEC • Estou preparada para ser mãe? Estou preparado para ser pai? – Governo do Estado de São Paulo • Caderno de Ciências e Biologia – São Paulo faz Escola – Governo do Estado de São Paulo

×