Mas afinal o que é a sexualidade?
Sexualidade na Adolescência
"Falar de sexualidade é difícil porque
imaginamos sempre coi...
A sexualidade é isto
e muito mais…
Mudanças
físicas,
emocionais
e
psicológicas
Nova
Identidade
Procura do
afecto,
carinho,...
E não se resume ao mero acto
genital ou função reprodutora!
“A sexualidade humana é a função da
tua personalidade que se i...
Mitos vs Factos acerca da Sexualidade
 O sexo está em toda a parte na nossa
sociedade (tv, livros, revistas, filmes, etc....
Pensar bem antes de decidir!
Vamos reflectir acerca das frases que
vão ser apresentadas e decidir se:
 São mitos ou facto...
MITO
 Quase todos os adolescentes já tiveram
relações sexuais antes dos 19 anos.
 É pouco saudável para uma mulher tomar...
MITO
 Uma rapariga não pode engravidar se teve
relações sexuais poucas vezes.
 As pílulas anticoncepcionais causam cancr...
MITO
 Uma vez que o homem se excitou e tem uma
erecção, deve continuar até à ejaculação,
porque pode ser prejudicial se n...
FACTO
 Os rapazes e as raparigas podem ter
doenças transmissíveis sexualmente sem ter
sintomas.
 Uma rapariga pode ficar...
FACTO
 Os adolescentes podem receber tratamento
para doenças de transmissão sexual sem a
permissão dos pais.
 Uma rapari...
Para vivermos a sexualidade de forma
feliz e positiva precisamos de estar
correctamente informados!
QUE CONCLUSÕES PODEMOS...
Sistema Reprodutor Humano
Morfofisiologia do aparelho reprodutor feminino
Pequenos lábios
Clítoris
Monte de vénus
Oríficio urinário
Grandes lábios H...
TIPOS DE HIMENS
Morfofisiologia do aparelho reprodutor feminino
Pavilhão da trompa
Trompa de Falópio
Útero
Cavidade uterina
Colo do útero
...
Morfofisiologia do aparelho reprodutor feminino
Qual é a função
da vagina?
Pavilhão da trompa
Ligamento do ovário
Colo do ...
Sistema Reprodutorfeminino– Cicloovárico
As estruturas
ovarianas
 .
Folículos Amadurecimento de um folículo
OvulaçãoCorpo Lúteo
Ovário
Óvulo
O ciclo Ovariano
1º dia
14º dia28º dia
CÉLULA SEXUAL FEMININA: OVÓCITO (óvulo)
 Produzido nos ovários.
 Desde a puberdade
(11/13 anos) até à
menopausa (50 anos...
 Durante o período menstrual, os cuidados com a higiene
pessoal devem ser ainda maiores.
 A higiene dos órgãos genitais ...
 Fenómeno que consiste na desagregação do
revestimento interno do útero.
 É vulgarmente chamada de período.
 Ocorre, em...
1ª menstruação
Resulta da descamação da parede interna do Útero (endométrio)
É muito importante a adolescente conhecer o s...
Masculino
Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino
Qual é a função dos
testículos?
Próstata
Canal deferente
Epidídimo
Glande...
Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino
Canal deferente
Bexiga
Próstata
Epidídimo
Testículo
Tubo seminífero
Vesíc...
Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino
Prepúcio
Uretra
Corpo esponjoso
Corpo cavernoso
Glande
O esperma e a urin...
Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino
Por que razão o
escroto fica no
exterior do abdómen?
Prostata
Teste de PSA
-A partir dos 40 anos
- Valores acima de 4,
consultar um
especialista em
Oncologia da prostata
Espermatozóide
As características do pai
EJACULAÇÃO
 A ejaculação de um homem sadio
é de variável em 3,5 e 5 ml.
 Volumes em torno de 0,5 ml são
em sua maioria p...
FECUNDAÇÃO
Só um espermatozóide é que entra
?
Gâmeta masculino
Gâmeta feminino
DESENVOLVIMENTO DO FETO
Contracepção
Processo pelo qual se evita uma gravidez
- Utilizam-se métodos contraceptivos
Contracepção Definitiva
LAQUEAÇÃO DAS
TROMPAS
VASECTOMIA
DIAFRAGMA
O diafragma é feito de borracha, tem
uma forma de taça ou meia esfera,
com um diâmetro que varia entre 7 e
10,5 ...
PRESERVATIVO MASCULINO
Abra a embalagem
com cuidado sem
utilizar objectos
cortantes.
PRESERVATIVO MASCULINO
Segure-o pela ponta
(reservatório)
desenrolando-o e
cobrindo todo o pénis
Puxe o prepúcio para baix...
PRESERVATIVO MASCULINO
Coloque o preservativo
com o pénis em
erecção antes de
qualquer contacto
genital
Coloque o preserva...
DIU – DISPOSITIVO INTRA-UTERINO
Não deve ser utilizado
por adolescentes
PILULA
A 1ª toma é no 1º dia do período
menstrual.
. Mudança na voz.
. Desenvolvimento corporal por aumento da
massa muscular.
. Aumento do tamanho do pénis e dos testículos...
 Alargamento das ancas. Maior acumulação de
gordura no tecido adiposo.
 Desenvolvimento dos seios e das ancas.
 Menstru...
 As alterações corporais são vivenciadas de forma diferente,
de jovem para jovem. Podem aparecer sentimentos de
vergonha,...
 Outra manifestação é a constituição de grupos e de
espaços ferozmente mono-sexuais (proibição absoluta
dos rapazes entra...
GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
 As relações sexuais, mesmo
que seja a primeira vez ou só
uma vez, podem ter como
consequência a...
Consequências gravidez precoce
 Dificuldade na relação com os pais e familiares.
 Rejeição dos pais.
 Dificuldade na re...
Consequências gravidez precoce
 Abandono da escola
 Falta de maturidade para educar uma
Criança
 Destruição de planos d...
EXAMES DE SAÚDE
Ao iniciar a vida sexual activa é importante
que regularmente faça:
 Teste de papanicolau
 Mamografia e ...
Formação do cancro
Cancro do cólon do útero
Teste de papanicolau
Sinais do cancro
da mama
Ecografia mama saudável Ecografia mama cancro
IST (dst) –INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
 Doenças sexualmente transmitidas
ou DST’s são doenças infecciosas que
po...
Cancro duro ou sifilis
 Tem cura se for tratada muito cedo
Cancro Mole
 Tratamento com
antibiótico
Candidíase
 Pode-se transmitir por outras vias
Gonorreia
 Tratamento com antibióticos
HPV
 Principal causa do
cancro do útero
 Existe vacina para
prevenção
Herpes
 Não tem cura
Hepatite b
 Transmissão ao feto pela mãe, através do sémen
e secreções vaginais, suor, lágrimas e saliva.
 É uma doença ...
SIDA – Síndrome da imunodeficiência adquirida
Infecção por HIV (Vírus da
Imunodeficiência Humana)Alterações no
sistema imunitário
→Sintomas tardios
→Transmissão por via...
CONSTRANGIMENTOS ADOLESCÊNCIA
― A fase da adolescência não é
vivida do mesmo modo por todos
os jovens, mas todos necessita...
A adolescência é uma etapa da vida na qual a personalidade entra na
fase final de estruturação e a sexualidade se insere n...
 As transformações culturais e de valores
apontam uma nova realidade no perfil do
comportamento sexual dos jovens: a
inic...
 Segundo Newman, Harrison, Dashiff e Davies (2008) os
adolescentes crescidos sob disciplina autoritária
demonstraram cons...
 Efectivamente, as crianças aprendem mais com o que vêm
os pais fazer, do que com os conselhos que ouvem deles.
 Os pais...
Felicidade é quando conseguimos conjugar aquilo que pensamos
com o que dizemos e fazemos (Mahatma Gandhi)
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01

547 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
547
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
171
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01

  1. 1. Mas afinal o que é a sexualidade? Sexualidade na Adolescência "Falar de sexualidade é difícil porque imaginamos sempre coisas associadas a ela que nos levam a ficar com vergonha.” (Mariana, 15 anos)
  2. 2. A sexualidade é isto e muito mais… Mudanças físicas, emocionais e psicológicas Nova Identidade Procura do afecto, carinho, amor e intimidade Papéis de género Relações sexuais e reprodução
  3. 3. E não se resume ao mero acto genital ou função reprodutora! “A sexualidade humana é a função da tua personalidade que se inicia com o nascimento e termina com a morte. Inclui: (a) Como te sentes como pessoa; (b) O que sentes por ser mulher ou homem; (c) Como te relacionas com as pessoas do mesmo sexo e do sexo oposto.”
  4. 4. Mitos vs Factos acerca da Sexualidade  O sexo está em toda a parte na nossa sociedade (tv, livros, revistas, filmes, etc.) mas a informação correcta raras vezes está presente;  Os mitos, rumores, ou superstições com frequência se aceitam como factos;
  5. 5. Pensar bem antes de decidir! Vamos reflectir acerca das frases que vão ser apresentadas e decidir se:  São mitos ou factos.
  6. 6. MITO  Quase todos os adolescentes já tiveram relações sexuais antes dos 19 anos.  É pouco saudável para uma mulher tomar banho e nadar durante a menstruação.  Um adolescente necessita de consentimento dos pais para pedir métodos anticoncepcionais numa clínica ou centro de saúde.
  7. 7. MITO  Uma rapariga não pode engravidar se teve relações sexuais poucas vezes.  As pílulas anticoncepcionais causam cancro.  O duche vaginal previne a gravidez.  O álcool e a marijuana são estimulantes sexuais.  Um homem com um pénis maior é mais potente sexualmente do um homem com um pénis pequeno.
  8. 8. MITO  Uma vez que o homem se excitou e tem uma erecção, deve continuar até à ejaculação, porque pode ser prejudicial se não o fizer.  Uma rapariga pode sempre saber exactamente o tempo entre as menstruações no qual não pode engravidar.  O cancro dos testículos é mais comum nos homens de meia-idade.
  9. 9. FACTO  Os rapazes e as raparigas podem ter doenças transmissíveis sexualmente sem ter sintomas.  Uma rapariga pode ficar grávida se teve relações sexuais durante a menstruação.  Os preservativos ajudam a prevenir a propagação das doenças transmitidas sexualmente.
  10. 10. FACTO  Os adolescentes podem receber tratamento para doenças de transmissão sexual sem a permissão dos pais.  Uma rapariga pode ficar grávida mesmo se o rapaz não ejaculou dentro dela.  Uma rapariga pode ficar grávida da primeira vez que teve relações sexuais.
  11. 11. Para vivermos a sexualidade de forma feliz e positiva precisamos de estar correctamente informados! QUE CONCLUSÕES PODEMOS TIRAR?  Somos influenciados pelos medias.  A nossa cultura e meio familiar têm um peso muito grande nas nossas percepções e crenças acerca da sexualidade.  Muitas vezes assumimos como certezas coisas que na realidade são mitos.
  12. 12. Sistema Reprodutor Humano
  13. 13. Morfofisiologia do aparelho reprodutor feminino Pequenos lábios Clítoris Monte de vénus Oríficio urinário Grandes lábios Hímen O que é a vulva?
  14. 14. TIPOS DE HIMENS
  15. 15. Morfofisiologia do aparelho reprodutor feminino Pavilhão da trompa Trompa de Falópio Útero Cavidade uterina Colo do útero Vagina
  16. 16. Morfofisiologia do aparelho reprodutor feminino Qual é a função da vagina? Pavilhão da trompa Ligamento do ovário Colo do útero Cavidade uterina Útero Vagina Ovário Qual é a função dos ovários? Trompa de falópio
  17. 17. Sistema Reprodutorfeminino– Cicloovárico
  18. 18. As estruturas ovarianas
  19. 19.  . Folículos Amadurecimento de um folículo OvulaçãoCorpo Lúteo Ovário Óvulo O ciclo Ovariano 1º dia 14º dia28º dia
  20. 20. CÉLULA SEXUAL FEMININA: OVÓCITO (óvulo)  Produzido nos ovários.  Desde a puberdade (11/13 anos) até à menopausa (50 anos aproximadamente).  Transporta as características da mãe.
  21. 21.  Durante o período menstrual, os cuidados com a higiene pessoal devem ser ainda maiores.  A higiene dos órgãos genitais deve ser realizada todos os dias.  Quando os restos de sangue e da mucosa uterina entram em contacto com o ar, produzem um odor que pode ser desagradável aos outros. É possível que não se dê por isso, uma vez que se acostuma facilmente aos nossos odores.  Há dois tipos de protecção para absorver o fluxo menstrual:  Pensos higiénicos  Tampões ( Não se deve depositar os pensos higiénicos na sanita, depositar sempre num caixote )
  22. 22.  Fenómeno que consiste na desagregação do revestimento interno do útero.  É vulgarmente chamada de período.  Ocorre, em média, de 28 em 28 dias.  Conjunto de perturbações anteriores ao período, sentidas por algumas mulheres: - depressão - fadiga - sensação de distensão do abdómen - hipersensibilidade mamária - dores de cabeça - mau humor - nervosismo
  23. 23. 1ª menstruação Resulta da descamação da parede interna do Útero (endométrio) É muito importante a adolescente conhecer o significado desta fase.
  24. 24. Masculino
  25. 25. Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino Qual é a função dos testículos? Próstata Canal deferente Epidídimo Glande Pénis Uretra Escroto Testículo Glândula de Cowper Vesícula seminal
  26. 26. Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino Canal deferente Bexiga Próstata Epidídimo Testículo Tubo seminífero Vesícula seminal Prepúcio Glande Uretra
  27. 27. Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino Prepúcio Uretra Corpo esponjoso Corpo cavernoso Glande O esperma e a urina misturam-se alguma vez?
  28. 28. Morfofisiologia do aparelho reprodutor masculino Por que razão o escroto fica no exterior do abdómen?
  29. 29. Prostata Teste de PSA -A partir dos 40 anos - Valores acima de 4, consultar um especialista em Oncologia da prostata
  30. 30. Espermatozóide
  31. 31. As características do pai
  32. 32. EJACULAÇÃO  A ejaculação de um homem sadio é de variável em 3,5 e 5 ml.  Volumes em torno de 0,5 ml são em sua maioria patológicos.  Seu pH encontra-se na faixa de 8,1 a 8,4.  São considerados normais 200 a 600 milhões de espermatozóides por ejaculação.
  33. 33. FECUNDAÇÃO
  34. 34. Só um espermatozóide é que entra
  35. 35. ? Gâmeta masculino Gâmeta feminino
  36. 36. DESENVOLVIMENTO DO FETO
  37. 37. Contracepção Processo pelo qual se evita uma gravidez - Utilizam-se métodos contraceptivos
  38. 38. Contracepção Definitiva LAQUEAÇÃO DAS TROMPAS VASECTOMIA
  39. 39. DIAFRAGMA O diafragma é feito de borracha, tem uma forma de taça ou meia esfera, com um diâmetro que varia entre 7 e 10,5 cm. A mulher deve colocá-lo na vagina, antes de ter uma relação sexual, para cobrir a entrada do útero e impedir a penetração dos espermatozóides. O diafragma deve ser deixado no lugar durante 8 horas.
  40. 40. PRESERVATIVO MASCULINO Abra a embalagem com cuidado sem utilizar objectos cortantes.
  41. 41. PRESERVATIVO MASCULINO Segure-o pela ponta (reservatório) desenrolando-o e cobrindo todo o pénis Puxe o prepúcio para baixo. Se utilizar lubrificantes utilize apenas os fabricados à base de água.
  42. 42. PRESERVATIVO MASCULINO Coloque o preservativo com o pénis em erecção antes de qualquer contacto genital Coloque o preservativo sobre a glande retirando o ar do reservatório de esperma
  43. 43. DIU – DISPOSITIVO INTRA-UTERINO Não deve ser utilizado por adolescentes
  44. 44. PILULA A 1ª toma é no 1º dia do período menstrual.
  45. 45. . Mudança na voz. . Desenvolvimento corporal por aumento da massa muscular. . Aumento do tamanho do pénis e dos testículos. . Poluções nocturnas. . Aparecimento do acne. . Aparecimento de pêlos nos órgãos genitais, axilas, etc. . Maior secreção da hormona testosterona Caracteres sexuais secundários masculinos
  46. 46.  Alargamento das ancas. Maior acumulação de gordura no tecido adiposo.  Desenvolvimento dos seios e das ancas.  Menstruação mensal.  Aparecimento do acne.  Aparecimento de pêlos nos órgãos genitais, axilas, etc.  Maior produção da hormona estrogénio e progesterona. Caracteres sexuais secundários femininos
  47. 47.  As alterações corporais são vivenciadas de forma diferente, de jovem para jovem. Podem aparecer sentimentos de vergonha, timidez, pudor e até ansiedade, nomeadamente em casa, junto dos pais e dos irmãos, e na escola, junto dos colegas e das colegas.  Por outro lado as hormonas que são responsáveis por estas modificações, produzem um acentuado aumento do desejo sexual e das sensações eróticas. É a partir desta fase que se vai desenvolver a resposta sexual adulta.  As relações entre os dois sexos também vão sofrer alterações importantes. É frequente professores e pais relatarem situações de afastamento e mesmo hostilidade entre rapazes e raparigas na escola, em casa ou em grupos de amigos. Alterações psicológicas e sociais
  48. 48.  Outra manifestação é a constituição de grupos e de espaços ferozmente mono-sexuais (proibição absoluta dos rapazes entrarem nos grupos das raparigas e vice- versa). É como se houvesse um período em que se torna interiormente muito importante mostrar claramente, a si mesmo e aos outros, que se pertence a um sexo bem definido, com características muito específicas e opostas ao outro sexo.  Outro comportamento importante em alguns dos rapazes e raparigas pré-adolescentes é a masturbação que funciona como uma descoberta do corpo e de novas sensações. Pode ser vivida com um misto de prazer e de curiosidade, mas também com muitas dúvidas ou culpabilidades, dados os comentários negativos ou o silêncio dos adultos sobre este assunto. Alterações psicológicas e sociais
  49. 49. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA  As relações sexuais, mesmo que seja a primeira vez ou só uma vez, podem ter como consequência a gravidez.  Uma gravidez não desejada na adolescência pode ter consequências negativas no desenvolvimento físico, psicológico e social da jovem mãe.
  50. 50. Consequências gravidez precoce  Dificuldade na relação com os pais e familiares.  Rejeição dos pais.  Dificuldade na relação consigo mesma e em ser aceite pelos outros.  Receio de possíveis alterações no relacionamento com o seu namorado.
  51. 51. Consequências gravidez precoce  Abandono da escola  Falta de maturidade para educar uma Criança  Destruição de planos de vida  Falta de apoio financeiro para cuidar da criança
  52. 52. EXAMES DE SAÚDE Ao iniciar a vida sexual activa é importante que regularmente faça:  Teste de papanicolau  Mamografia e ecografia mamária  Ecografias endovaginais  Teste de PSA  Visitas regulares a ginecologistas e andrologistas (urologistas)  Consultas de planeamento familiar
  53. 53. Formação do cancro
  54. 54. Cancro do cólon do útero
  55. 55. Teste de papanicolau
  56. 56. Sinais do cancro da mama Ecografia mama saudável Ecografia mama cancro
  57. 57. IST (dst) –INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS  Doenças sexualmente transmitidas ou DST’s são doenças infecciosas que podem ser disseminadas através do contacto sexual/íntimo. Algumas destas podem também ser transmitidas por vias não sexuais, dependendo da forma de contágio do vírus, sendo porém formas de transmissão menos frequentes.
  58. 58. Cancro duro ou sifilis  Tem cura se for tratada muito cedo
  59. 59. Cancro Mole  Tratamento com antibiótico
  60. 60. Candidíase  Pode-se transmitir por outras vias
  61. 61. Gonorreia  Tratamento com antibióticos
  62. 62. HPV  Principal causa do cancro do útero  Existe vacina para prevenção
  63. 63. Herpes  Não tem cura
  64. 64. Hepatite b  Transmissão ao feto pela mãe, através do sémen e secreções vaginais, suor, lágrimas e saliva.  É uma doença causada por um vírus que ataca o fígado, sendo o sangue o principal meio de transmissão e depois a saliva. Se não for tratada, pode provocar a morte. O vírus sobrevive durante bastante tempo e resiste a alguns desinfectantes.
  65. 65. SIDA – Síndrome da imunodeficiência adquirida
  66. 66. Infecção por HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana)Alterações no sistema imunitário →Sintomas tardios →Transmissão por via sexual ou endovenosa →Sem cura →Tratamento retarda desenvolvimento de SIDA
  67. 67. CONSTRANGIMENTOS ADOLESCÊNCIA ― A fase da adolescência não é vivida do mesmo modo por todos os jovens, mas todos necessitam de amor, compreensão e alguma disciplina. ― “Dar-lhes a liberdade de partir para termos a certeza de serem capazes de voltar”. A descoberta passa por eles, o caminho orientador pelos pais e as dúvidas pelos professores!
  68. 68. A adolescência é uma etapa da vida na qual a personalidade entra na fase final de estruturação e a sexualidade se insere nesse processo, sobretudo como elemento estruturador da identidade do adolescente (Osório, 1992 em Cano & Ferriani, 2000). O início da vida sexual durante a adolescência merece atenção e cuidado especial, visto que os adolescentes exigem emancipação, o que implica riscos. Os sentimentos de omnipotência, ou seja, crença na invulnerabilidade, típicos desta fase, dificultam o trabalho de prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e mais especificamente a SIDA.
  69. 69.  As transformações culturais e de valores apontam uma nova realidade no perfil do comportamento sexual dos jovens: a iniciação sexual cada vez mais precoce.  De acordo com Rappaport (1995, em Cano & Ferriani, 2000) a falta de comunicações, cobrança dos grupos, mensagens transmitidas e incentivadas pelos meios de comunicação de massa, falta de diálogo com os pais, solidão são factores que predispõem essa iniciação precoce.  O alto índice de abortos e gravidez indesejada entre jovens apontam para o despreparo para assumirem a vida sexual, gerando problemas físicos emocionais e sociais.
  70. 70.  Segundo Newman, Harrison, Dashiff e Davies (2008) os adolescentes crescidos sob disciplina autoritária demonstraram consistentemente mais comportamentos seguros e menos comportamentos de risco comparados a adolescentes vindos de famílias não autoritárias.  O modelo dos pais e comportamentos relacionados a afectividade, comunicação familiar e práticas disciplinares, predizem importantes mediadores na formação do adolescente, incluindo o desenvolvimento académico e o ajuste psico-social.
  71. 71.  Efectivamente, as crianças aprendem mais com o que vêm os pais fazer, do que com os conselhos que ouvem deles.  Os pais devem aprender a negociar com os filhos, ou seja, aceitar os seus pedidos, embora impondo limites razoáveis, preferivelmente sempre apoiados na argumentação.  Os pais devem providenciar para que haja disciplina, ou seja, regras o mais claras possíveis que a família deverá cumprir de forma séria.  Os pais são os primeiros modelos dos filhos.
  72. 72. Felicidade é quando conseguimos conjugar aquilo que pensamos com o que dizemos e fazemos (Mahatma Gandhi)

×