SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
1
MÉTODOS ANTICONCEPCIONAISMÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS
 Comportamentais ou de Abstinência Sexual
 Amenorréia da Lactação (LAM)
 Barreira
 Hormonais
 Dispositivo Intra-Uterino (DIU)
 Cirúrgicos ou Definitivos
 Anticoncepção de Emergência
2
3
 Depende de:
 Informação correta sobre gravidez;
 Informação correta sobre os métodos;
 Acesso aos métodos;
 Comunicação com o/a parceiro/a;
 Desejo da anticoncepção.
Uso Correto
4
 Ciclo Menstrual:
- intervalo entre uma menstruação e outra.
- média de 28 dias.
- tem um período fértil.
CICLO MENSTRUAL e PERÍODO FÉRTILCICLO MENSTRUAL e PERÍODO FÉRTIL
 Período Fértil:
- ovulação;
- quando pode ocorrer gravidez.
5
Evitar relações sexuais com penetração vaginal durante
o período fértil da mulher.
1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS ou de
ABSTINÊNCIA SEXUAL:
 Mulheres para as quais a gravidez representa alto risco
devem optar por métodos mais eficazes.
TABELINHA MUCO CERVICAL TEMPERATURA
6
Como estimar o período fértil?
- anotar últimos 6 a 12 ciclos menstruais;
- ciclo mais curto / ciclo mais longo: calcular a
diferença entre eles (se ≥ a 10, método não indicado).
- 1º dia: subtrair 18 da duração do ciclo mais curto
- Último dia: subtrair 11 da duração do ciclo mais longo
Abstinência sexual:Abstinência sexual:
do 1º ao último dia do período fértil
Abstinência sexual:Abstinência sexual:
do 1º ao último dia do período fértil
TABELINHATABELINHA
Eficácia: 75% a 91%
7
Como estimar o período fértil?
- observar as características do muco diariamente;
- dias secos: muco espesso e escasso
- dias úmidos: muco fino, claro e abundante
Abstinência sexual:
Permitidas relações sexuais em dias alternados até que o
muco apareça.
Fazer abstinência enquanto tiver muco até 3 dias após seu
desaparecimento.
Abstinência sexual:
Permitidas relações sexuais em dias alternados até que o
muco apareça.
Fazer abstinência enquanto tiver muco até 3 dias após seu
desaparecimento.
MUCO CERVICALMUCO CERVICAL
Eficácia: 75% a 97%
8
Como estimar o período fértil?
- medir diariamente antes de levantar-se, por 3min.
- após ovulação: temperatura aumenta de 0,2 a 0,6°C;
permanece assim até início da próxima menstruação
Abstinência sexual:
desde o início da menstruação até o 3º dia
após a elevação da temperatura.
Abstinência sexual:
desde o início da menstruação até o 3º dia
após a elevação da temperatura.
TEMPERATURA BASALTEMPERATURA BASAL
Eficácia: 75% a 99%
9
Suspensão da ovulação durante
a amamentação.
Quando iniciar? Imediatamente
após o parto.
Condições para alta eficácia: método temporário
 Amenorréia (ausência da menstruação)
 Aleitamento exclusivo (nenhum outro líquido)
 Recém-nascido com menos de 6 meses
Contra-indicações: mãe com infecção pelo vírus
HIV ou em uso de alguns medicamentos.
2. AMENORRÉIA DA LACTAÇÃO (LAM)
10
 Como funcionam: Impedem contato dos
espermatozóides com o óvulo, formando uma barreira
(física ou química).
Eficácia:
- Preservativo masculino: 85% a 98%
- Preservativo feminino: 79% a 95%
- Diafragma: 84% a 94%
- Espermicida: 71% a 82%
3.3. MÉTODOS DE BARREIRAMÉTODOS DE BARREIRA::
DUPLA PROTEÇÃO:DUPLA PROTEÇÃO:
DST/HIV + GravidezDST/HIV + Gravidez
11
 Como funciona:
- barreira física entre o pênis e a vagina.
- evita contato das secreções vaginais com o pênis.
 Efeitos colaterais:
- rara alergia ao látex;
- pessoas com alergia ao látex podem optar pelo
preservativo feminino.
IMPORTANTE: Selo do INMETRO; Prazo de Validade;
Instruções na embalagem.
PRESERVATIVO MASCULINOPRESERVATIVO MASCULINO
85% a 98%
DUPLA
PROTEÇÃ
O
12
 Como funciona:
- barreira física entre a vagina/ vulva e o pênis
- evita contato das secreções vaginais com o pênis
 Efeitos colaterais:
- não há registros
- material: poliuretano
PRESERVATIVO FEMININOPRESERVATIVO FEMININO
IMPORTANTE:
- Maior autonomia feminina;
- Pode ser colocada até 8 horas antes;
- Não precisa ser retirada logo após ejaculação;
- Nunca deve ser usada com a camisinha masculina.
DUPLA
PROTEÇÃO
79% a 95%
13
 cremes
geléias
 filmes
tabletes
 cremes
geléias
 filmes
tabletes
 Como funcionam:
- substâncias químicas que matam os
espermatozóides ou impedem seu movimento
 Uso:
- inseridos na vagina antes de cada
relação (o tempo é determinado pelo
fabricante).
ESPERMICIDASESPERMICIDAS
 Efeitos colaterais:
- reação alérgica local.
Para aumentar a eficácia,
associar um outro método de barreira.
71% a 82%
14
 Como funciona:
- barreira física contra entrada dos espermatozóides
no colo do útero.
- pode ser de látex ou silicone.
 Efeitos colaterais:
- alergia ao látex. O de silicone
não provoca alergia.
- infecções vaginais e urinárias.
DIAFRAGMADIAFRAGMA
79% a 97%
15
 USO:
- Requer medição feita por profissional;
- Inserido na vagina até 3 horas antes da relação
sexual;
- Utilizar espermicida aumenta sua eficácia;
- Retirar 6 a 8 horas após a última ejaculação;
- Não deve permanecer na vagina por mais de 24hs;
- Lavar cuidadosamente com água e sabão neutro;
- Verificar se apresenta furos ou rasgos.
16
• Pílulas combinadas;
• Minipílula;
• Injeções mensais;
• Injeções trimestrais;
• Anel vaginal;
• Adesivo;
• Implante;
• DIU medicado com hormônio.
4. MÉTODOS HORMONAIS:
17
 Tipos: - diferentes hormônios
- diferentes dosagens
- diferentes modos de utilização
4.4. MÉTODOS HORMONAIS::
 Eficácia:
• Pílulas Combinadas: 92% a 99,7%
• Minipílulas: 92% a 99,7%
• Injeções mensais: 97% a 99,9%
•Injeções trimestrais: 97% a 99,7%
• Implantes: 99,5%
• Adesivos: 92% a 99,7%
• Anel Vaginal: 92% a 99,7%
18
Hormônios:
2 tipos de hormônios: estrogênio e progestogênio.
Como funcionam: inibem a ovulação.
Dosagem:
Baixa: menos que 50 mcg de estrogênio (35, 30,
20 e 15mcg).
Vantagens:
• diminução do sangramento menstrual;
• melhora das cólicas menstruais;
• proteção contra câncer de ovário e endométrio
PÍLULAS COMBINADAS
92% a 99,7%
19
 Efeitos colaterais: não ocorrem com todas usuárias
- dor de cabeça - enjôos
- vômitos - irritabilidade
- ganho de peso - depressão
- cansaço - queda de cabelo
 Uso:
• iniciar a cartela do 1º ao 5º dia do ciclo (conforme
preparação comercial);
• intervalo entre as cartelas (conforme preparação
comercial); A maioria indica 7 dias.
• Não deve ser usada por mulheres que estejam
amamentando.
20
 Hormônio: feita de um derivado da Progesterona.
 Utilizadas principalmente:
- no PÓS-PARTO: não alteram a qualidade nem a
quantidade do leite materno.
- por mulheres com contra-indicações ao estrogênio
das pílulas combinadas.
MINIPÍLULAMINIPÍLULA
92% a 99,7%
21
 Uso:
Pós-parto:
em aleitamento – a partir de 6 semanas
sem aleitamento – iniciar imediatamente
Outras mulheres: no 1º dia do ciclo.
- Tomar 1 pílula ao dia, no mesmo horário.
- Não é necessário intervalo entre as cartelas.
Efeitos colaterais:
- alterações da menstruação
- enjôos
- ganho de peso - dor de cabeça
- sensibilidade das mamas - acne
22
 2 Hormônios: estrogênio e progesterona
 Efeitos colaterais:
- alterações na menstruação;
- ganho de peso
- dor de cabeça
- sensibilidade das mamas
INJEÇÕES MENSAIS
97% a 99,9%
Vantagens:
- Não provoca efeitos no estômago;
- Facilidade para uso;
- Alta eficácia.
Uso:
-1ª injeção: do 1º ao 7 ºdia
de menstruação.
- injeções subsequentes:
1 a cada 30 dias, com
flexibilidade de até 7 dias
antes ou após a data
prevista.
23
 1 Hormônio: progesterona
 Efeitos colaterais:
- sangramento irregular - dor de cabeça
- ausência da menstruação - ganho de peso
INJEÇÕES TRIMESTRAIS:
 Uso:
- 1ª injeção: até 7º dia do ciclo menstrual;
- injeções subsequentes: 1 injeção a cada 3 meses, com
flexibilidade de até 15 dias antes ou após a data prevista.
97% a 99,7%
Vantagens:
- Não provoca efeitos no
estômago;
- Facilidade para uso;
- Alta eficácia.
24
 Hormônio:
- pequena cápsula de silicone contendo derivado da
progesterona.
 Efeitos colaterais:
- sangramento irregular - ganho de peso
- ausência da menstruação - dor de cabeça
- aumento do fluxo menstrual (raro) - irritabilidade
99,95%
IMPLANTE
 Uso:
- Profissional treinado para inserção e remoção.
- Inserção: de preferência, entre o 1º e o 7º dia do
ciclo menstrual, no antebraço.
- Validade: 3 anos.
25
• É equivalente à pílula combinada. 92% a 99,7%
• Uso: Na primeira vez, o tratamento deve começar entre
o 1º e o 5º dia do ciclo menstrual.
Cada adesivo deve ficar colocado por 7 dias.
Após esse período, deverá ser trocado por um novo,
começando sempre no mesmo dia da semana.
- Depois de completar 7 dias com o terceiro adesivo, a
mulher deverá retirá-lo e ficar sem adesivo por
7 dias e iniciar um novo ciclo.
ADESIVO
26
Aplicação:
• Pode ser colocado em diversos locais do corpo:
• Deve-se evitar a colocação do adesivo na mesma parte do corpo
seguidamente.
• Nunca deve ser colocado nas mamas.
• Pode haver irritação da pele no local de aplicação.
Nesse caso, retirar o adesivo e aplicar um novo em outra parte
do corpo. Permanecendo, procurar um médico.
ADESIVO
27
• É equivalente à pílula combinada.
• Uso:
• O anel é colocado na vagina
uma vez por mês pela
própria usuária.
• Deve ser usado durante 3
semanas e, então, retirado,
com pausa de uma semana.
• Utilizando pela primeira vez, a
colocação é do 1º ao 5º dia
do ciclo.
Anel VaginalAnel Vaginal
Eficácia: 92 a 99,7%
28
 Como funcionam:
- imobilizam ou matam espermatozóides;
- alteram a movimentação nas trompas;
- inibem implantação do óvulo fecundado
(ambiente uterino hostil).
 Tipos - de plástico com:
- cobre
- hormônio: libera continuamente
pequenas quantidades de progesterona
(levonorgestrel)
DISPOSITIVO INTRA-UTERINODISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU):(DIU):DISPOSITIVO INTRA-UTERINODISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU):(DIU):
TCu 380A
Multiload
375
Mirena
29
DIU - COBRE DIU - HORMÔNIO
 Efeitos colaterais:
- aumento do fluxo
menstrual;
- cólicas menstruais;
-sangramento irregular.
• Eficácia: 99,2% a 99,4%
• Funciona por até 10 anos.
 Podem ser utilizados para
tratamento de cólicas menstruais,
de certas doenças ginecológicas e
como coadjuvante na terapia de
reposição hormonal.
 Eficácia: 99,9%
 Funciona por até 5 anos.
 Efeitos colaterais:
- sangramento vaginal
- amenorréia
30
 Uso:
- Só pode ser colocado por profissional
treinado, após avaliação cuidadosa da mulher.
- Não pode ser colocado se houver infecção
genital.
- Inserção: - qualquer época do ciclo menstrual;
- sem gravidez atual;
- no período menstrual é mais fácil e
a probabilidade de gravidez é menor.
DIU – COBRE e HORMÔNIO
31
• Contra-indicação:
 A maioria das mulheres saudáveis pode usar
métodos hormonais sem riscos para a saúde.
 Somente o profissional de saúde pode avaliar se
há alguma contra-indicação.
32
Procedimento cirúrgico para a anticoncepção
definitiva da mulher, através da obstrução das
trompas, o que impedirá o encontro do óvulo com
os espermatozóides.
MÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIO FEMININOMÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIO FEMININO
LAQUEADURA ou LIGADURA DELAQUEADURA ou LIGADURA DE
TROMPASTROMPAS
Eficácia: 99,5%
Lei 9.263/96 – Critérios para
realização do método.
33
Procedimento cirúrgico para a anticoncepção definitiva do
homem, através da obstrução dos canais deferentes,
impedindo que os espermatozóides produzidos nos
testículos se juntem ao sêmen.
Lei 9.263/96- Critérios para
realização do método.
Para comprovar a eficácia, deve ser
realizado um espermograma após
3 meses de cirurgia ou após 20
ejaculações.
Eficácia: 99,9%
MÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIOMÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIO
MASCULINOMASCULINO -- VASECTOMIAVASECTOMIA
OBRIGADA!!!
• VISITE OS BLOGS:
• Spedeparacuru.blogspot.com
• Acsdeparacuru.blogspot.com
34

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
 
Aula sistema reprodutor
Aula sistema reprodutorAula sistema reprodutor
Aula sistema reprodutor
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Sistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoSistema Genital Feminino
Sistema Genital Feminino
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Menstruação
MenstruaçãoMenstruação
Menstruação
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
Ciclo menstrual e gravidez
Ciclo menstrual e gravidezCiclo menstrual e gravidez
Ciclo menstrual e gravidez
 

Destaque

MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivosveronicasilva
 
Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....Gabriela Bruno
 
Contracepção cirúrgica e de emergência
Contracepção cirúrgica e de emergênciaContracepção cirúrgica e de emergência
Contracepção cirúrgica e de emergênciazeopas
 
Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)ap3bmachado
 
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)Nuno Correia
 
Ciências métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...
Ciências   métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...Ciências   métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...
Ciências métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...Rodrigo Exteca
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaiszeopas
 
Metodos contracetivos quimicos
Metodos contracetivos quimicosMetodos contracetivos quimicos
Metodos contracetivos quimicosgracindabento
 
Métodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturaisMétodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturaisP3droLima_
 
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos AdolescentesMéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos Adolescentesrenalinhares
 
Metodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturaisMetodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturaiszeopas
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivosjppaco
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivosGerson Melo
 
Trabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sTrabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sguest2e51e6
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionaisfabiozb
 

Destaque (20)

Investigacion
InvestigacionInvestigacion
Investigacion
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos ContraceptivosMéTodos Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 
Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....Métodos Contraceptivos....
Métodos Contraceptivos....
 
Contracepção cirúrgica e de emergência
Contracepção cirúrgica e de emergênciaContracepção cirúrgica e de emergência
Contracepção cirúrgica e de emergência
 
Cuadro Sinoptico de la ducha vaginal
Cuadro Sinoptico de la ducha vaginalCuadro Sinoptico de la ducha vaginal
Cuadro Sinoptico de la ducha vaginal
 
Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)Métodos contraceptivos(barreiras)
Métodos contraceptivos(barreiras)
 
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
Biologia – 12º Ano (ContracepçãO)
 
Ciências métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...
Ciências   métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...Ciências   métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...
Ciências métodos anticoncepcionais-escola josé dorilêo de pina alunos- jack...
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonais
 
Metodos contracetivos quimicos
Metodos contracetivos quimicosMetodos contracetivos quimicos
Metodos contracetivos quimicos
 
Métodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturaisMétodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturais
 
Métodos anticoncepcionais
Métodos anticoncepcionaisMétodos anticoncepcionais
Métodos anticoncepcionais
 
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos AdolescentesMéTodos Contraceptivos Adolescentes
MéTodos Contraceptivos Adolescentes
 
Metodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturaisMetodos contraceptivos naturais
Metodos contraceptivos naturais
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivos
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Trabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST'sTrabalho Sobre DST's
Trabalho Sobre DST's
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionais
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 

Semelhante a Metodos contraceptivos spe

Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivoswagneripo
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivoswagneripo
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivosURCA
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoGustavo Henrique
 
Métodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.pptMétodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.pptRita Paupério
 
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-35 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3Pelo Siro
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaAna Paula Silva
 
metodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionaismetodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionaisTonRodrigues6
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitorjluis505
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisRaquel Correia
 
Guia completo aborto seguro 02
Guia completo aborto seguro 02Guia completo aborto seguro 02
Guia completo aborto seguro 02Lanny Nascimento
 
Metodos Químicos
Metodos QuímicosMetodos Químicos
Metodos QuímicosDarkWolf
 

Semelhante a Metodos contraceptivos spe (20)

Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivos
 
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivoAula 1 -_planejamento_reprodutivo
Aula 1 -_planejamento_reprodutivo
 
Os métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivosOs métodos contraceptivos
Os métodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.pptMétodos contraceptivos.ppt
Métodos contraceptivos.ppt
 
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-35 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
 
Trab Higiene Contrac 97 2003
Trab Higiene Contrac   97 2003Trab Higiene Contrac   97 2003
Trab Higiene Contrac 97 2003
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Apresentaçao importante
Apresentaçao importanteApresentaçao importante
Apresentaçao importante
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivos Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
metodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionaismetodos anticoncepcionais
metodos anticoncepcionais
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
 
Métodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonaisMétodos contraceptivos hormonais
Métodos contraceptivos hormonais
 
Contraceção
ContraceçãoContraceção
Contraceção
 
Guia completo aborto seguro 02
Guia completo aborto seguro 02Guia completo aborto seguro 02
Guia completo aborto seguro 02
 
Metodos Químicos
Metodos QuímicosMetodos Químicos
Metodos Químicos
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Os Métodos Contraceptivos
Os Métodos ContraceptivosOs Métodos Contraceptivos
Os Métodos Contraceptivos
 

Mais de Alinebrauna Brauna (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 

Metodos contraceptivos spe

  • 1. 1
  • 2. MÉTODOS ANTICONCEPCIONAISMÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS  Comportamentais ou de Abstinência Sexual  Amenorréia da Lactação (LAM)  Barreira  Hormonais  Dispositivo Intra-Uterino (DIU)  Cirúrgicos ou Definitivos  Anticoncepção de Emergência 2
  • 3. 3  Depende de:  Informação correta sobre gravidez;  Informação correta sobre os métodos;  Acesso aos métodos;  Comunicação com o/a parceiro/a;  Desejo da anticoncepção. Uso Correto
  • 4. 4  Ciclo Menstrual: - intervalo entre uma menstruação e outra. - média de 28 dias. - tem um período fértil. CICLO MENSTRUAL e PERÍODO FÉRTILCICLO MENSTRUAL e PERÍODO FÉRTIL  Período Fértil: - ovulação; - quando pode ocorrer gravidez.
  • 5. 5 Evitar relações sexuais com penetração vaginal durante o período fértil da mulher. 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS ou de ABSTINÊNCIA SEXUAL:  Mulheres para as quais a gravidez representa alto risco devem optar por métodos mais eficazes. TABELINHA MUCO CERVICAL TEMPERATURA
  • 6. 6 Como estimar o período fértil? - anotar últimos 6 a 12 ciclos menstruais; - ciclo mais curto / ciclo mais longo: calcular a diferença entre eles (se ≥ a 10, método não indicado). - 1º dia: subtrair 18 da duração do ciclo mais curto - Último dia: subtrair 11 da duração do ciclo mais longo Abstinência sexual:Abstinência sexual: do 1º ao último dia do período fértil Abstinência sexual:Abstinência sexual: do 1º ao último dia do período fértil TABELINHATABELINHA Eficácia: 75% a 91%
  • 7. 7 Como estimar o período fértil? - observar as características do muco diariamente; - dias secos: muco espesso e escasso - dias úmidos: muco fino, claro e abundante Abstinência sexual: Permitidas relações sexuais em dias alternados até que o muco apareça. Fazer abstinência enquanto tiver muco até 3 dias após seu desaparecimento. Abstinência sexual: Permitidas relações sexuais em dias alternados até que o muco apareça. Fazer abstinência enquanto tiver muco até 3 dias após seu desaparecimento. MUCO CERVICALMUCO CERVICAL Eficácia: 75% a 97%
  • 8. 8 Como estimar o período fértil? - medir diariamente antes de levantar-se, por 3min. - após ovulação: temperatura aumenta de 0,2 a 0,6°C; permanece assim até início da próxima menstruação Abstinência sexual: desde o início da menstruação até o 3º dia após a elevação da temperatura. Abstinência sexual: desde o início da menstruação até o 3º dia após a elevação da temperatura. TEMPERATURA BASALTEMPERATURA BASAL Eficácia: 75% a 99%
  • 9. 9 Suspensão da ovulação durante a amamentação. Quando iniciar? Imediatamente após o parto. Condições para alta eficácia: método temporário  Amenorréia (ausência da menstruação)  Aleitamento exclusivo (nenhum outro líquido)  Recém-nascido com menos de 6 meses Contra-indicações: mãe com infecção pelo vírus HIV ou em uso de alguns medicamentos. 2. AMENORRÉIA DA LACTAÇÃO (LAM)
  • 10. 10  Como funcionam: Impedem contato dos espermatozóides com o óvulo, formando uma barreira (física ou química). Eficácia: - Preservativo masculino: 85% a 98% - Preservativo feminino: 79% a 95% - Diafragma: 84% a 94% - Espermicida: 71% a 82% 3.3. MÉTODOS DE BARREIRAMÉTODOS DE BARREIRA:: DUPLA PROTEÇÃO:DUPLA PROTEÇÃO: DST/HIV + GravidezDST/HIV + Gravidez
  • 11. 11  Como funciona: - barreira física entre o pênis e a vagina. - evita contato das secreções vaginais com o pênis.  Efeitos colaterais: - rara alergia ao látex; - pessoas com alergia ao látex podem optar pelo preservativo feminino. IMPORTANTE: Selo do INMETRO; Prazo de Validade; Instruções na embalagem. PRESERVATIVO MASCULINOPRESERVATIVO MASCULINO 85% a 98% DUPLA PROTEÇÃ O
  • 12. 12  Como funciona: - barreira física entre a vagina/ vulva e o pênis - evita contato das secreções vaginais com o pênis  Efeitos colaterais: - não há registros - material: poliuretano PRESERVATIVO FEMININOPRESERVATIVO FEMININO IMPORTANTE: - Maior autonomia feminina; - Pode ser colocada até 8 horas antes; - Não precisa ser retirada logo após ejaculação; - Nunca deve ser usada com a camisinha masculina. DUPLA PROTEÇÃO 79% a 95%
  • 13. 13  cremes geléias  filmes tabletes  cremes geléias  filmes tabletes  Como funcionam: - substâncias químicas que matam os espermatozóides ou impedem seu movimento  Uso: - inseridos na vagina antes de cada relação (o tempo é determinado pelo fabricante). ESPERMICIDASESPERMICIDAS  Efeitos colaterais: - reação alérgica local. Para aumentar a eficácia, associar um outro método de barreira. 71% a 82%
  • 14. 14  Como funciona: - barreira física contra entrada dos espermatozóides no colo do útero. - pode ser de látex ou silicone.  Efeitos colaterais: - alergia ao látex. O de silicone não provoca alergia. - infecções vaginais e urinárias. DIAFRAGMADIAFRAGMA 79% a 97%
  • 15. 15  USO: - Requer medição feita por profissional; - Inserido na vagina até 3 horas antes da relação sexual; - Utilizar espermicida aumenta sua eficácia; - Retirar 6 a 8 horas após a última ejaculação; - Não deve permanecer na vagina por mais de 24hs; - Lavar cuidadosamente com água e sabão neutro; - Verificar se apresenta furos ou rasgos.
  • 16. 16 • Pílulas combinadas; • Minipílula; • Injeções mensais; • Injeções trimestrais; • Anel vaginal; • Adesivo; • Implante; • DIU medicado com hormônio. 4. MÉTODOS HORMONAIS:
  • 17. 17  Tipos: - diferentes hormônios - diferentes dosagens - diferentes modos de utilização 4.4. MÉTODOS HORMONAIS::  Eficácia: • Pílulas Combinadas: 92% a 99,7% • Minipílulas: 92% a 99,7% • Injeções mensais: 97% a 99,9% •Injeções trimestrais: 97% a 99,7% • Implantes: 99,5% • Adesivos: 92% a 99,7% • Anel Vaginal: 92% a 99,7%
  • 18. 18 Hormônios: 2 tipos de hormônios: estrogênio e progestogênio. Como funcionam: inibem a ovulação. Dosagem: Baixa: menos que 50 mcg de estrogênio (35, 30, 20 e 15mcg). Vantagens: • diminução do sangramento menstrual; • melhora das cólicas menstruais; • proteção contra câncer de ovário e endométrio PÍLULAS COMBINADAS 92% a 99,7%
  • 19. 19  Efeitos colaterais: não ocorrem com todas usuárias - dor de cabeça - enjôos - vômitos - irritabilidade - ganho de peso - depressão - cansaço - queda de cabelo  Uso: • iniciar a cartela do 1º ao 5º dia do ciclo (conforme preparação comercial); • intervalo entre as cartelas (conforme preparação comercial); A maioria indica 7 dias. • Não deve ser usada por mulheres que estejam amamentando.
  • 20. 20  Hormônio: feita de um derivado da Progesterona.  Utilizadas principalmente: - no PÓS-PARTO: não alteram a qualidade nem a quantidade do leite materno. - por mulheres com contra-indicações ao estrogênio das pílulas combinadas. MINIPÍLULAMINIPÍLULA 92% a 99,7%
  • 21. 21  Uso: Pós-parto: em aleitamento – a partir de 6 semanas sem aleitamento – iniciar imediatamente Outras mulheres: no 1º dia do ciclo. - Tomar 1 pílula ao dia, no mesmo horário. - Não é necessário intervalo entre as cartelas. Efeitos colaterais: - alterações da menstruação - enjôos - ganho de peso - dor de cabeça - sensibilidade das mamas - acne
  • 22. 22  2 Hormônios: estrogênio e progesterona  Efeitos colaterais: - alterações na menstruação; - ganho de peso - dor de cabeça - sensibilidade das mamas INJEÇÕES MENSAIS 97% a 99,9% Vantagens: - Não provoca efeitos no estômago; - Facilidade para uso; - Alta eficácia. Uso: -1ª injeção: do 1º ao 7 ºdia de menstruação. - injeções subsequentes: 1 a cada 30 dias, com flexibilidade de até 7 dias antes ou após a data prevista.
  • 23. 23  1 Hormônio: progesterona  Efeitos colaterais: - sangramento irregular - dor de cabeça - ausência da menstruação - ganho de peso INJEÇÕES TRIMESTRAIS:  Uso: - 1ª injeção: até 7º dia do ciclo menstrual; - injeções subsequentes: 1 injeção a cada 3 meses, com flexibilidade de até 15 dias antes ou após a data prevista. 97% a 99,7% Vantagens: - Não provoca efeitos no estômago; - Facilidade para uso; - Alta eficácia.
  • 24. 24  Hormônio: - pequena cápsula de silicone contendo derivado da progesterona.  Efeitos colaterais: - sangramento irregular - ganho de peso - ausência da menstruação - dor de cabeça - aumento do fluxo menstrual (raro) - irritabilidade 99,95% IMPLANTE  Uso: - Profissional treinado para inserção e remoção. - Inserção: de preferência, entre o 1º e o 7º dia do ciclo menstrual, no antebraço. - Validade: 3 anos.
  • 25. 25 • É equivalente à pílula combinada. 92% a 99,7% • Uso: Na primeira vez, o tratamento deve começar entre o 1º e o 5º dia do ciclo menstrual. Cada adesivo deve ficar colocado por 7 dias. Após esse período, deverá ser trocado por um novo, começando sempre no mesmo dia da semana. - Depois de completar 7 dias com o terceiro adesivo, a mulher deverá retirá-lo e ficar sem adesivo por 7 dias e iniciar um novo ciclo. ADESIVO
  • 26. 26 Aplicação: • Pode ser colocado em diversos locais do corpo: • Deve-se evitar a colocação do adesivo na mesma parte do corpo seguidamente. • Nunca deve ser colocado nas mamas. • Pode haver irritação da pele no local de aplicação. Nesse caso, retirar o adesivo e aplicar um novo em outra parte do corpo. Permanecendo, procurar um médico. ADESIVO
  • 27. 27 • É equivalente à pílula combinada. • Uso: • O anel é colocado na vagina uma vez por mês pela própria usuária. • Deve ser usado durante 3 semanas e, então, retirado, com pausa de uma semana. • Utilizando pela primeira vez, a colocação é do 1º ao 5º dia do ciclo. Anel VaginalAnel Vaginal Eficácia: 92 a 99,7%
  • 28. 28  Como funcionam: - imobilizam ou matam espermatozóides; - alteram a movimentação nas trompas; - inibem implantação do óvulo fecundado (ambiente uterino hostil).  Tipos - de plástico com: - cobre - hormônio: libera continuamente pequenas quantidades de progesterona (levonorgestrel) DISPOSITIVO INTRA-UTERINODISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU):(DIU):DISPOSITIVO INTRA-UTERINODISPOSITIVO INTRA-UTERINO (DIU):(DIU): TCu 380A Multiload 375 Mirena
  • 29. 29 DIU - COBRE DIU - HORMÔNIO  Efeitos colaterais: - aumento do fluxo menstrual; - cólicas menstruais; -sangramento irregular. • Eficácia: 99,2% a 99,4% • Funciona por até 10 anos.  Podem ser utilizados para tratamento de cólicas menstruais, de certas doenças ginecológicas e como coadjuvante na terapia de reposição hormonal.  Eficácia: 99,9%  Funciona por até 5 anos.  Efeitos colaterais: - sangramento vaginal - amenorréia
  • 30. 30  Uso: - Só pode ser colocado por profissional treinado, após avaliação cuidadosa da mulher. - Não pode ser colocado se houver infecção genital. - Inserção: - qualquer época do ciclo menstrual; - sem gravidez atual; - no período menstrual é mais fácil e a probabilidade de gravidez é menor. DIU – COBRE e HORMÔNIO
  • 31. 31 • Contra-indicação:  A maioria das mulheres saudáveis pode usar métodos hormonais sem riscos para a saúde.  Somente o profissional de saúde pode avaliar se há alguma contra-indicação.
  • 32. 32 Procedimento cirúrgico para a anticoncepção definitiva da mulher, através da obstrução das trompas, o que impedirá o encontro do óvulo com os espermatozóides. MÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIO FEMININOMÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIO FEMININO LAQUEADURA ou LIGADURA DELAQUEADURA ou LIGADURA DE TROMPASTROMPAS Eficácia: 99,5% Lei 9.263/96 – Critérios para realização do método.
  • 33. 33 Procedimento cirúrgico para a anticoncepção definitiva do homem, através da obstrução dos canais deferentes, impedindo que os espermatozóides produzidos nos testículos se juntem ao sêmen. Lei 9.263/96- Critérios para realização do método. Para comprovar a eficácia, deve ser realizado um espermograma após 3 meses de cirurgia ou após 20 ejaculações. Eficácia: 99,9% MÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIOMÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIO MASCULINOMASCULINO -- VASECTOMIAVASECTOMIA
  • 34. OBRIGADA!!! • VISITE OS BLOGS: • Spedeparacuru.blogspot.com • Acsdeparacuru.blogspot.com 34