SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Os Lusíadas
“Os Lusíadas” é uma epopeia do escritor
português Luís Vaz de Camões, que tem como
assunto a viagem de Vasco da Gama às Índias.
A Narrativa é dividida em dez cantos que são
organizados em 1.102 estrofes, cada uma com
oito versos, todos decassílabos heroicos, e com
rima ABABABCC.
• Mais que uma obra literária, pode-se dizer
que é uma obra de arte, tal foi o empenho do
autor em mantê-la com esta regularidade formal.
Considerado o maior poema épico da língua
portuguesa, foi publicado em 1572, com o apoio
do Rei D. Sebastião. O poema conta histórias sobre
as perigosas viagens marítimas e a descoberta de
novas terras, povos e culturas, exaltando o
heroísmo do homem, que, navegador, aventureiro,
cavalheiro e amante, é também destemido e
bravo, e enfrenta mares desconhecidos em busca
dos seus objetivos.
Luís Vaz de Camões
• Sabe-se que o maior poeta português, Luís Vaz de Camões, nasceu
provavelmente em Lisboa (Portugal), por volta de 1524 e pertenceu a uma
família da pequena nobreza, de origem galega.
•
• Este poeta do classicismo português possui obras que o coloca a altura dos
grandes poetas do mundo. Seu poema épico Os Lusíadas divide-se em dez cantos
repartidos em oitavas. Esta epopéia tem como tema os feitos dos portugueses:
suas guerras e navegações.
•
• Dono de um estilo de vida boêmio, este escritor lusitano foi freqüentador da
Corte, viajou para o Oriente, esteve preso, passou por um naufrágio, foi também
processado e terminou em miséria. Seus últimos anos de vida foram na mais
completa pobreza.
•
• A bagagem literária deixada pelo escritor é de inestimável valor literário. Ele
escreveu poesias líricas e épicas, peças teatrais, sonetos que em sua maior parte
são verdadeiras obras de arte.
•
• Criador da linguagem clássica portuguesa, teve seu reconhecimento e prestígio
cada vez mais elevados a partir do século XVI. Faleceu em Lisboa, Portugal, no
ano de 1580. Seus livros vendem milhares de exemplares atualmente, sendo que
foram traduzidos para diversos idiomas (espanhol, inglês, francês, italiano,
alemão entre outros). Seus versos continuam vivos em diversos filmes, músicas e
roteiros.
• Obras de Camões
•
• 1572- Os Lusíadas
•
• Lírica
•
• 1595 - Amor é fogo que arde sem se ver
• 1595 - Eu cantarei o amor tão docemente
• 1595 - Verdes são os campos
• 1595 - Que me quereis, perpétuas saudades?
• 1595 - Sobolos rios que vão
• 1595 - Transforma-se o amador na cousa amada
• 1595 - Sete anos de pastor Jacob servia
• 1595 - Alma minha gentil, que te partiste
• 1595 - Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades
• 1595 - Quem diz que Amor é falso ou enganoso
•
• Teatro
•
• 1587 - El-Rei Seleuco.
• 1587 - Auto de Filodemo.
• 1587 - Anfitriões
• Os Lusíadas é o nome de um poema épico de Luís Vaz
de Camões, publicado em 1572. A obra está dividida
em 10 cantos, com número variável de estrofes. O
tema do poema é a história de Portugal desde os
primórdios até o tempo de Camões, com uma narrativa
idealizada e alusões frequentes à mitologia e cultura
clássica. É, geralmente, considerada a obra maior da
literatura portuguesa, quer pela qualidade poética
reconhecida, quer pelo sentimento patriótico de que
faz testemunho.Ao longo de dez cantos, Os
Lusíadas possui 1.102 estrofes de versos decassílabos,
ou seja, de dez sílabas rímicas, somando ao todo 8.816
versos.
• O esquema rímico de cada estrofe é AB AB AB CC. Os
primeiros seis versos são cruzados e os dois últimos
emparelhados.
• 1
As armas e os barões assinalados
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;
2
E também as memórias gloriosas
Daqueles Reis, que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
De África e de Ásia andaram devastando;
E aqueles, que por obras valerosas
Se vão da lei da morte libertando;
Cantando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.
3
Cessem do sábio Grego e do Troiano
As navegações grandes que fizeram;
Cale-se de Alexandro e de Trajano
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre Lusitano,
A quem Neptuno e Marte obedeceram:
Cesse tudo o que a Musa antiga canta,
Que outro valor mais alto se alevanta.
• 4
E vós, Tágides minhas, pois criado
Tendes em mim um novo engenho ardente,
Se sempre em verso humilde celebrado
Foi de mim vosso rio alegremente,
Dai-me agora um som alto e sublimado,
Um estilo grandíloquo e corrente,
Porque de vossas águas, Febo ordene
Que não tenham inveja às de Hipocrene.
5
Dai-me uma fúria grande e sonorosa,
E não de agreste avena ou frauta ruda,
Mas de tuba canora e belicosa,
Que o peito acende e a cor ao gesto muda;
Dai-me igual canto aos feitos da famosa
Gente vossa, que a Marte tanto ajuda;
Que se espalhe e se cante no universo,
Se tão sublime preço cabe em verso.
6
E vós, ó bem nascida segurança
Da Lusitana antiga liberdade,
E não menos certíssima esperança
De aumento da pequena Cristandade;
Vós, ó novo temor da Maura lança,
Maravilha fatal da nossa idade,
Dada ao mundo por Deus, que todo o mande,
Para do mundo a Deus dar parte grande;
• Além de narrar o caminho para a descoberta
das índias, a epopeia fala sobre as grandes navegações,
o império português no Oriente, os reis e heróis de
Portugal, dentre outros fatos que o tornam um poema
histórico, enciclopédico. Em paralelo, desenvolve-se
também uma história mitológica, envolvendo lutas
entre os deuses do Olimpo: Vênus e Marte, Baco e
Netuno.
• Em Os Lusíadas podemos encontrar ideais
renascentistas, imperialistas e nacionalistas, cristãos e
pagãos, épicos e líricos, ufanistas e críticos, clássicos e
barrocos. Com esta quantidade de contrapontos que se
cruzam, Camões foi reconhecido como grande literato,
elaborando uma obra com uma linguagem muito rica.
• Quanto à história, o enredo é dividido em cinco partes, como
manda a tradição clássica a uma epopeia. São elas:
1. Proposição - Apresentação da obra e síntese do assunto,
ressaltando o heroísmo, o antropocentrismo, o ufanismo, dentre
outras características do homem.
2. Invocação das Tágides - É um pedido do autor às musas Tágides,
ninfas do rei Tejo, para virem lhe dar inspiração.
3. Dedicatória ao Rei D. Sebastião - O rei é apresentado como um
menino, aos 14 anos assumindo o trono, exaltando-o como jovem e
esperança da pátria.
4. Narração - Parte mais consistente da história, como já dito, foca-se
em três pontos principais: a viagem de Vasco da Gama às Índias, a
narrativa da história de Portugal e as lutas e intervenções dos
deuses do Olimpo. Ao mesmo tempo, o autor faz descrições de
fenômenos como a tromba marítima, e disserta sobre a moral, o
ouro, as riquezas, entre outros interesses do homem renascentista.
5. Epílogo - última parte, contém críticas do poeta, lamentações sobre
a realidade, exortações ao rei, etc. O tom destas últimas 12
estrofes é pessimista, criticando a decadência do país, e reforçando
a exaltação ao Rei D. Sebastião.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Os lusiadas resumo
Os lusiadas resumoOs lusiadas resumo
Os lusiadas resumo
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
Camões e os lusíadas
Camões e os lusíadasCamões e os lusíadas
Camões e os lusíadas
 
Ilha dos Amores - Simbologia
Ilha dos Amores - SimbologiaIlha dos Amores - Simbologia
Ilha dos Amores - Simbologia
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Lusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas FigurasdeestiloLusiadas Figurasdeestilo
Lusiadas Figurasdeestilo
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Os Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de CamõesOs Lusíadas, de Camões
Os Lusíadas, de Camões
 
Ficha informativa a dedicatória
Ficha informativa   a dedicatóriaFicha informativa   a dedicatória
Ficha informativa a dedicatória
 
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
Os Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto XOs Lusíadas   Ilha dos Amores -  Canto X
Os Lusíadas Ilha dos Amores - Canto X
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Luís vaz de camões
Luís vaz de camõesLuís vaz de camões
Luís vaz de camões
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 

Destaque

Lista de obras e textos para iniciação à educação literária
Lista de obras e textos para iniciação à educação literáriaLista de obras e textos para iniciação à educação literária
Lista de obras e textos para iniciação à educação literárialuiscontente
 
Motivação para a leitura 2014 2015 visitas às escolas
Motivação para a leitura 2014  2015 visitas às escolasMotivação para a leitura 2014  2015 visitas às escolas
Motivação para a leitura 2014 2015 visitas às escolasAlfredo Leite
 
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º bIlda Oliveira
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoTeresa Pombo
 

Destaque (6)

Camões
CamõesCamões
Camões
 
Lista de obras e textos para iniciação à educação literária
Lista de obras e textos para iniciação à educação literáriaLista de obras e textos para iniciação à educação literária
Lista de obras e textos para iniciação à educação literária
 
Motivação para a leitura 2014 2015 visitas às escolas
Motivação para a leitura 2014  2015 visitas às escolasMotivação para a leitura 2014  2015 visitas às escolas
Motivação para a leitura 2014 2015 visitas às escolas
 
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
2ª ficha de avaliação de lp novembro 2012 9º b
 
Teste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadasTeste 9º os lusíadas
Teste 9º os lusíadas
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 

Semelhante a Os lusíadas

O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugalma.no.el.ne.ves
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisjuninhowwave
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obramariacosta
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- teresakashino
 
trovadorismo.ppt
trovadorismo.ppttrovadorismo.ppt
trovadorismo.pptMaruce2
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesCiceroMarcosSantos1
 

Semelhante a Os lusíadas (20)

Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
O classicismo em portugal
O classicismo em portugalO classicismo em portugal
O classicismo em portugal
 
Pedro Peixoto
Pedro PeixotoPedro Peixoto
Pedro Peixoto
 
Os lusíadas
Os lusíadasOs lusíadas
Os lusíadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luisLusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
Lusiadas eloisa silva, jailson barbosa, nilton estevão e eric luis
 
Reflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em PessoaReflexos de Camões em Pessoa
Reflexos de Camões em Pessoa
 
Os lusiadas
Os lusiadasOs lusiadas
Os lusiadas
 
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obraLuís Vaz de Camões - Vida e obra
Luís Vaz de Camões - Vida e obra
 
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo- Os lusíadas  luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
Os lusíadas luís de camões- Poesia Lirica- marcos, mariana, paulo-
 
Classicismo
Classicismo Classicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
trovadorismo.ppt
trovadorismo.ppttrovadorismo.ppt
trovadorismo.ppt
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Trovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismoTrovadorismo classicismo
Trovadorismo classicismo
 

Os lusíadas

  • 1. Os Lusíadas “Os Lusíadas” é uma epopeia do escritor português Luís Vaz de Camões, que tem como assunto a viagem de Vasco da Gama às Índias. A Narrativa é dividida em dez cantos que são organizados em 1.102 estrofes, cada uma com oito versos, todos decassílabos heroicos, e com rima ABABABCC.
  • 2. • Mais que uma obra literária, pode-se dizer que é uma obra de arte, tal foi o empenho do autor em mantê-la com esta regularidade formal. Considerado o maior poema épico da língua portuguesa, foi publicado em 1572, com o apoio do Rei D. Sebastião. O poema conta histórias sobre as perigosas viagens marítimas e a descoberta de novas terras, povos e culturas, exaltando o heroísmo do homem, que, navegador, aventureiro, cavalheiro e amante, é também destemido e bravo, e enfrenta mares desconhecidos em busca dos seus objetivos.
  • 3. Luís Vaz de Camões
  • 4. • Sabe-se que o maior poeta português, Luís Vaz de Camões, nasceu provavelmente em Lisboa (Portugal), por volta de 1524 e pertenceu a uma família da pequena nobreza, de origem galega. • • Este poeta do classicismo português possui obras que o coloca a altura dos grandes poetas do mundo. Seu poema épico Os Lusíadas divide-se em dez cantos repartidos em oitavas. Esta epopéia tem como tema os feitos dos portugueses: suas guerras e navegações. • • Dono de um estilo de vida boêmio, este escritor lusitano foi freqüentador da Corte, viajou para o Oriente, esteve preso, passou por um naufrágio, foi também processado e terminou em miséria. Seus últimos anos de vida foram na mais completa pobreza. • • A bagagem literária deixada pelo escritor é de inestimável valor literário. Ele escreveu poesias líricas e épicas, peças teatrais, sonetos que em sua maior parte são verdadeiras obras de arte. • • Criador da linguagem clássica portuguesa, teve seu reconhecimento e prestígio cada vez mais elevados a partir do século XVI. Faleceu em Lisboa, Portugal, no ano de 1580. Seus livros vendem milhares de exemplares atualmente, sendo que foram traduzidos para diversos idiomas (espanhol, inglês, francês, italiano, alemão entre outros). Seus versos continuam vivos em diversos filmes, músicas e roteiros.
  • 5. • Obras de Camões • • 1572- Os Lusíadas • • Lírica • • 1595 - Amor é fogo que arde sem se ver • 1595 - Eu cantarei o amor tão docemente • 1595 - Verdes são os campos • 1595 - Que me quereis, perpétuas saudades? • 1595 - Sobolos rios que vão • 1595 - Transforma-se o amador na cousa amada • 1595 - Sete anos de pastor Jacob servia • 1595 - Alma minha gentil, que te partiste • 1595 - Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades • 1595 - Quem diz que Amor é falso ou enganoso • • Teatro • • 1587 - El-Rei Seleuco. • 1587 - Auto de Filodemo. • 1587 - Anfitriões
  • 6.
  • 7. • Os Lusíadas é o nome de um poema épico de Luís Vaz de Camões, publicado em 1572. A obra está dividida em 10 cantos, com número variável de estrofes. O tema do poema é a história de Portugal desde os primórdios até o tempo de Camões, com uma narrativa idealizada e alusões frequentes à mitologia e cultura clássica. É, geralmente, considerada a obra maior da literatura portuguesa, quer pela qualidade poética reconhecida, quer pelo sentimento patriótico de que faz testemunho.Ao longo de dez cantos, Os Lusíadas possui 1.102 estrofes de versos decassílabos, ou seja, de dez sílabas rímicas, somando ao todo 8.816 versos. • O esquema rímico de cada estrofe é AB AB AB CC. Os primeiros seis versos são cruzados e os dois últimos emparelhados.
  • 8. • 1 As armas e os barões assinalados Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados, Passaram ainda além da Taprobana Em perigos e guerras esforçados, Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; 2 E também as memórias gloriosas Daqueles Reis, que foram dilatando A Fé, o Império, e as terras viciosas De África e de Ásia andaram devastando; E aqueles, que por obras valerosas Se vão da lei da morte libertando; Cantando espalharei por toda parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte. 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Cale-se de Alexandro e de Trajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram: Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta.
  • 9. • 4 E vós, Tágides minhas, pois criado Tendes em mim um novo engenho ardente, Se sempre em verso humilde celebrado Foi de mim vosso rio alegremente, Dai-me agora um som alto e sublimado, Um estilo grandíloquo e corrente, Porque de vossas águas, Febo ordene Que não tenham inveja às de Hipocrene. 5 Dai-me uma fúria grande e sonorosa, E não de agreste avena ou frauta ruda, Mas de tuba canora e belicosa, Que o peito acende e a cor ao gesto muda; Dai-me igual canto aos feitos da famosa Gente vossa, que a Marte tanto ajuda; Que se espalhe e se cante no universo, Se tão sublime preço cabe em verso. 6 E vós, ó bem nascida segurança Da Lusitana antiga liberdade, E não menos certíssima esperança De aumento da pequena Cristandade; Vós, ó novo temor da Maura lança, Maravilha fatal da nossa idade, Dada ao mundo por Deus, que todo o mande, Para do mundo a Deus dar parte grande;
  • 10. • Além de narrar o caminho para a descoberta das índias, a epopeia fala sobre as grandes navegações, o império português no Oriente, os reis e heróis de Portugal, dentre outros fatos que o tornam um poema histórico, enciclopédico. Em paralelo, desenvolve-se também uma história mitológica, envolvendo lutas entre os deuses do Olimpo: Vênus e Marte, Baco e Netuno. • Em Os Lusíadas podemos encontrar ideais renascentistas, imperialistas e nacionalistas, cristãos e pagãos, épicos e líricos, ufanistas e críticos, clássicos e barrocos. Com esta quantidade de contrapontos que se cruzam, Camões foi reconhecido como grande literato, elaborando uma obra com uma linguagem muito rica.
  • 11. • Quanto à história, o enredo é dividido em cinco partes, como manda a tradição clássica a uma epopeia. São elas: 1. Proposição - Apresentação da obra e síntese do assunto, ressaltando o heroísmo, o antropocentrismo, o ufanismo, dentre outras características do homem. 2. Invocação das Tágides - É um pedido do autor às musas Tágides, ninfas do rei Tejo, para virem lhe dar inspiração. 3. Dedicatória ao Rei D. Sebastião - O rei é apresentado como um menino, aos 14 anos assumindo o trono, exaltando-o como jovem e esperança da pátria. 4. Narração - Parte mais consistente da história, como já dito, foca-se em três pontos principais: a viagem de Vasco da Gama às Índias, a narrativa da história de Portugal e as lutas e intervenções dos deuses do Olimpo. Ao mesmo tempo, o autor faz descrições de fenômenos como a tromba marítima, e disserta sobre a moral, o ouro, as riquezas, entre outros interesses do homem renascentista. 5. Epílogo - última parte, contém críticas do poeta, lamentações sobre a realidade, exortações ao rei, etc. O tom destas últimas 12 estrofes é pessimista, criticando a decadência do país, e reforçando a exaltação ao Rei D. Sebastião.