O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Leptospirose

21.465 visualizações

Publicada em

Leptospirose

  1. 1. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO – IFPE CAMPUS PESQUEIRA COORDENADORIA DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM - BACHARELADO LEPTOSPIROSE PESQUEIRA – PE 2011
  2. 2. LEPTOSPIROSE Doença infecciosa febril de início abrupto, que pode variar desde um processo inaparente até formas graves com alta letalidade. (MS, 2010)
  3. 3. AGENTE CAUSADOR É causada por bactéria do gênero Leptospira que possui cerca de 14 espécies patogênicas, sendo a mais importante a L. interrogans. Essa bactéria tem como reservatórios essenciais animais domésticos sinantrópicos e selvagens tais como: ratos, caninos, suínos, bovinos, equinos, ovinos e caprinos sendo o rato o reservatório mais comum. GOMES, 2011
  4. 4.  O gênero Leptospira pertence à família Leptospiraceae, distribuídas em 3 diferentes gêneros: Leptospira, Leptonema e Turneriella. São bactérias com 0,1 a 0,2 mm de diâmetro e 6-12 mm de comprimento; forma fina e espiralada; apresentam extremidades com ganchos; móveis GOMES, 2011 graças a dois flagelos
  5. 5. MODO DE TRANSMISSÃO A infecção humana resulta da exposição direta ou indireta à urina de animais infectados. O microrganismo penetra na pele com lesões, em pele íntegra imersa por tempo elevado em água contaminada ou através das mucosas. A transmissão entre humanos é rara.
  6. 6.  PERÍODO DE INCUBAÇÃO: de 01 a 30 dias(em média, de 05 a 14 dias); PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE: os animais infectados podem eliminar a leptospira através da urina durante meses, anos ou por toda a vida;
  7. 7.  A doença é bifásica com apresentações clínicas distintas. Está dividida em: FASE PRECOCE (ou septicêmica); FASE TARDIA (ou imune).
  8. 8. FASE PRECOCE Duração de 3 a 7 dias, início súbito de febre, cefaléia, mialgias (dor muscular), anorexia, náuseas e vômitos, podendo apresentar ainda dor torácica, diarreia, tosse seca.
  9. 9. FASE TARDIA Inicia após a primeira semana da doença; A manifestação clássica é a síndrome de Weil, caracterizada pela tríade: icterícia rubínica, insuficiência renal aguda – IRA e hemorragias, mais comumente pulmonar; Pode ocorrer ainda cefaléia intensa, sinais de irritação meníngea, miocardite, arritmias, distúrbios neurológicos, petéquias.
  10. 10. DIAGNÓSTICO A suspeita clínica deve ser confirmada através de exames laboratoriais específicos Na primeira semana (fase precoce) as leptospiras podem ser encontradas no sangue; Na fase tardia as leptospiras podem ser encontradas na urina. Os testes mais utilizados são o ELISA-IgM e a microaglutinação (MAT).
  11. 11. TRATAMEMTO É feito a base de antibióticos independente da fase; Na fase precoce deve-se usar a Amoxacilina 500mg em adultos e 50mg/kg/dia em crianças durante 5 a 7 dias, ou ainda a Doxicilina 100mg. Na fase tardia utiliza-se Penicilina G Cristalina1,5 milhões de UI, Anpicilina 1g ou Cefotaxina 1g.
  12. 12. TRATAMENTO Reposição hídrica; Assistência cardiorrespiratória; Nutrição enteral ou parenteral; Transfusão de sangue; Proteção gástrica.
  13. 13. ASPÉCTOS EPDEMIOLÓGICOS No Brasil é uma doença endêmica podendo ser epidêmica em épocas de chuvas devido a ocorrência de enchentes associadas a condições inadequadas de saneamento básico e alta infestação de roedores infectados
  14. 14. BRASIL: CASOSCONFIRMADOS Casos confirmados no Brasil em 2010: 3.758 casos, sendo 271 casos em Pernambuco; Casos confirmados no Brasil em 2011: 4.732 casos, sendo 363 casos em Pernambuco.
  15. 15. PREVENÇÃO E CONTROLE Controle dos roedores; Descarte e acondicionamento adequado do lixo; Tratamento adequado da água; Eliminação de objetos ou materiais em geral em desuso que possam servir de abrigo para roedores; Imunização de animais domésticos (cães, bovinos e suínos) com vacinas de uso veterinário. Vigilância sanitária de alimentos de consumo humano. Evitar exposição a água de enchentes por
  16. 16. A leptospirose é um problema de saúde pública. Toda a população devefazer sua parte eliminando osfocos de roedores a partir dodescarte adequado do lixo. OGoverno por sua vez deve darsuporte a população melhorandoas condições de saneamentobásico, tratamento da água ecoleta adequada do lixo.
  17. 17. REFERÊNCIAS BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamentos de Vigilância Epidemiológica. Doenças Infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8 ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010, p. 274-282. BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Leptospirose: o que é e como prevenir. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/folder/leptos_folder.pdf. Acesso em: 27 fev 2012. GOMES, Marcos. Gênero Leptospira spp. Microbiologia Clínica Veterinária Vet 3225 Área de Bacteriologia, UFRGS, 2011.

×