Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensa

1.745 visualizações

Publicada em

nao e' muita coisa, mas serve por muito para quem esta a procura dessa materia.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensa

  1. 1. 3 Índice Conteúdos Paginas introdução ....................................................................................................................................... 4 A Teoria De Motivação De Frederick Herzberg............................................................................. 5 Factores Higiénicos ..................................................................................................................... 5 Factores Motivacionais ............................................................................................................... 5 A Satisfação No Cargo ................................................................................................................ 6 A Insatisfação No Cargo ............................................................................................................. 6 Herarquia De Necessidades vs. Factores De Higiénicos - Motivação ....................................... 7 Conclusão........................................................................................................................................ 9 Referencias Bibliográficas ............................................................................................................ 10 3
  2. 2. 4 INTRODUÇÃO O presente trabalho abordará a cerca da Teoria de Motivação de Frederick Herzberg, abordara mais concretamente dos factores Motivacionais e factores Higiénicos com os seus respectivos exemplos e demonstrações com base nas figuras que vão ilustrar como estes factores se manifestam para melhor compreensão. Tem como objectivo dar uma abordagem clara de apresentar exemplos explicando a teoria de motivação de Frederick Herzberg. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica. 4
  3. 3. 5 A TEORIA DE MOTIVAÇÃO DE FREDERICK HERZBERG Segundo Herzberg (1966), sugere que existe um conjunto de factores que motivam apenas no sentido negativo, isto é só afecta a motivação se não forem satisfeitas. Enquanto Moslow fundamenta a teoria de motivação nas diferentes necessidades humanas (abordagem intra-orientada), Herzberg licença sua teoria no ambiente externo e no trabalho do individuo (abordagem entra-orientada). Para Herzberg a motivação das pessoas depende de dois factores: a) Factores Higiénicos – referem-se as condições que rodeiam a pessoa em quanto trabalham, englobando as condições físicas do trabalho, o salário, os benefícios sociais, as politicas da empresa o tipo de supervisão recebido, o clima de relações entre a direcção e os empregados, os regulamentos internos as oportunidades existentes etc. Correspondem a perspectiva ambiental. Constituem os factores tradicionalmente utilizados pelas organizações para se obter motivação dos empregados. Com tudo, os factores higiénicos são muito limitados em sua capacidade de influenciar poderosamente o comportamento dos empregados. A expressão “ higiene” e serve exactamente para reflectir seu carácter preventivo e profilático e para mostrar que se destinam simplesmente a evitar fontes de insatisfação do meio ambiente ou ameaças potenciais ao seu equilíbrio. Quando esses factores higiénicos são óptimos simplesmente evitam a insatisfação uma vez que influencia sobre o comportamento não consegue elevar substancial e duradouramente a satisfação. Porem quando são precários provoca insatisfação. Por isso são chamados factores insatisfacientes. Incluem: Condições do trabalho e conforto; Politicas de organização e Administração; Relações com o supervisor; Competência técnica do supervisor Salários e premio de produção; Culturas organizacionais; Benefícios e serviços sociais; Segurança no cargo e; Relações com os colegas de trabalho e com os subordinados. b) Factores Motivacionais – referem se ao conteúdo do cargo em si. Produzem efeitos duradouros de satisfação e de aumento de produtividade de excelência, isto é acima dos níveis normais, o termo motivação envolve sentimentos de motivação de crescimento e de 5
  4. 4. 6 reconhecimento profissional manifestado por meio de exercício das tarefas e actividades que oferecem excelente desafio e significado para o trabalho. Quando os factores motivacionais óptimos, envolvem substancialmente a satisfação, quando estão precários, provocam a ausência de satisfação por isso é chamada factores satisfacientes, constituem o próprio conteúdo do cargo. Incluem: Deslocação de responsabilidade; Liberdade de decidir como executor do trabalho; Progressão de carreira; Uso pleno das habilidades pessoais; Estabelecimento de objectivos e avaliação relacionadas com eles; Simplificação do cargo (pelo próprio ocupantes); Aplicação ou enriquecimento do cargo (horizontal ou verticalmente); Tipo de trabalho; Auto-realização e; Reconhecimento pela performance. Para esta teoria enfatiza que para proporcionar uma contínua e elevada motivação no trabalho, o cargo deve ser flexível e gradativamente desafiantes, no sentido de acompanhar o desenvolvimento pessoal e profissional pessoa. Em essência a teoria dos dois factores afirma que: 1. A satisfação no cargo é a função do conteúdo ou actividade desafiadora e estimulante do cargo, e estas são chamados de factores motivadores. 2. A insatisfação no cargo é função do ambiente, da supervisão, dos colegas e do contexto geral do cargo, e estas são chamados de factores higiénicos. Herzberg chegou á conclusão de que os factores responsáveis pela satisfação profissional são totalmente desligados e distintos dos factores responsáveis pela insatisfação profissional; “ o oposto de satisfação profissional não seria insatisfação, mas sim nenhuma satisfação profissional; e da mesma maneira, o oposto de insatisfação profissional seria nenhuma insatisfação profissional e não a satisfação. 6
  5. 5. 7 Não satisfação (-) (neutralidade) Insatisfação (-) Factores motivacionais Factores higiénicos (+)Satisfação Nenhuma (+) Insatisfação Figura que ilustra a Teoria dos dois factores: os satrisfacientes e os insatisfacientes com dois contínuos separadores. Segundo Herzberg para introduzir maior doze de motivação no trabalho, propõem o enriquecimento de tarefas (Job enrichment), que consiste deliberadamente ampliar a responsabilidade, os objectivo e o desafio de tarefas do cargo. Na parte Relacionada com os Subsistemas de Aplicação de Recursos Humanos serão debatidos alguns aspectos enriquecimento das tarefas ou enriquecimento do cargo. Na prática, a abordagem de Herzberg enfatiza aqueles factores que, tradicionalmente, são negligenciados e desprezados pelas organizações em favor dos factores insatisfacientes, nas tentativas para elevar o desempenho e a satisfação do pessoal. Ate certo ponto, são conclusões de Herzberg coincide com a teoria de Maslow de que os níveis de mais baixos de necessidades humanas têm relativamente pequeno efeito motivacional quando o padrão de vida é elevado. As abordagens de Maslow e de Herzberg apresentam alguns pontos de concordância que permitem uma configuração mais ampla e rica a respeito da motivação do comportamento humano. Não a bastante, apresentam também importantes diferença. HERARQUIA DE NECESSIDADES DE MASLOW vs. FACTORES HIGIÉNICOS - MOTIVAÇÃO DE HERZBERG Necessidades de auto Realização O trabalho em si, Responsabilidade Progresso e Crescimento. Motivacionais Necessidades de auto Estima Realização, Reconhecimento e Status. Necessidades Sociais Necessidades de Segurança Necessidades Fisiológicas Higiénicos Relações interpessoais, Supervisão Colegas e Subordinados. Supervisão Técnica Politicas administravas Empresariais Segurança no Cargo Condições físicas de Trabalho salário Vida Pessoal 7
  6. 6. 8 A figura acima representada, ilustra a comparação dos dois modelos de Motivação de Herzberg e Maslow para melhor compressão e também para sabermos diferencias melhor acerca da motivação tendo em conta que estes autores as suas teorias coincidem “de que os níveis mais baixos de necessidades humanas tem relativamente pequeno efeito motivacional quando o padrão de vida é elevado”. 8
  7. 7. 9 CONCLUSÃO Neste trabalho abordámos acerca da teoria de motivação e génese de Frederick Herzberg, e constatamos que segundo Herzberg a um conjunto de factores que só motivam no sentido negativo, isto é só afecta a motivação si não forem satisfeitas as suas necessidades. Não só como também demos a conhecer exemplos dos factores Motivacionais e factores Higiénicos, que nessa abordagem constatamos que a um ponto que estas duas teorias coincidem, a teoria de Herzberg e a teoria de Maslow, que demos a conhecer com base uma comparação dos dois modelos Motivação. A teoria de Herzberg tem como objectivo, deliberadamente ampliar a responsabilidade, os objectivos e o desafio de tarefas do cargo. Desta feita é de salientar que cumprimos com todos os objectivos que nos tínhamos proposto. Este trabalho foi muito importante para o nosso conhecimento, o aprofundamento deste tema permitiu-nos ficar a compreender melhor acerca da Teoria de Motivação segundo Herzberg e sua maneira de pensar para a satisfação das necessidades humanos dentro e fora das organizações. Além de ter-nos permitido desenvolver competências de investigação, também pudemos aperfeiçoar acerca dos Factores Motivacionais – Higiénicos. 9
  8. 8. 10 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS HERZBERG, Frederick, MAUSNER, Bernard, SNYDERMAN, Barbara. The motivation to work. New York: Jonh Wile & Sons, 1959. HERZBERG, Frederick. Work and nature of man. Cleveland: The World Publishing, 1966. DAVIS, Keith. Human behavior at work: human relations and organizational behavior. New York: McGraw Hill, 1977.p. 59. KORMAN, Abraham K. Industrial and organizational psychology. Englewood Cliffs: PrenticeHall, 1971.p. 147. 10

×