Aula 16 Motivação

21.573 visualizações

Publicada em

2 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12.177
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • http://www.aaafaap.org.br/netmail/sabe_se_promov.htm
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • http://www.erudito.fea.usp.br/PortalFEA/repositorio/157/documentos/ead610/apresentacoes/cap12/cap12_t07.swf
  • Aula 16 Motivação

    1. 1. Conhecendo a força que estimula o comportamento das pessoas.
    2. 2. "Merecem louvor os homens que em si mesmos encontraram o impulso, e subiram nos seus próprios ombros.” Séneca
    3. 3. Olá pessoal, na aula de hoje, vamos falar sobre motivação... E aí, me respondam vocês estão motivados, para iniciar esse estudo?
    4. 4. Veja a seguir quais são os objetivos da nossa aula de hoje:
    5. 5. Conhecer as principais teorias motivacionais.
    6. 6. Mostrar a importância da motivação no contexto organizacional.
    7. 7. Compreender a diferença entre a motivação intrínseca e extrínseca.
    8. 8. Então vamos lá...
    9. 9. Todo ser humano necessita de um motivo para desenvolver e desempenhar qualquer tipo de ação ou atividade.
    10. 10. A motivação pode ser definida como um desejo de se exercer altos níveis de esforço em direção a determinados objetivos, organizacionais ou pessoais, condicionados pela capacidade de satisfazer algumas necessidades individuais.
    11. 11. Vamos apresentar agora os tipos de motivação:
    12. 12. Existem dois tipos de motivação: •A motivação extrínseca refere-se a uma valorização que vem do meio externo: pode ser um elogio de um colega, o reconhecimento do chefe. Extrínseca •A motivação intrínseca refere-se a um reconhecimento e uma valorização interna do próprio indivíduo está relacionada à satisfação pessoal em alcançar um objetivo pretendido. Intrínseca
    13. 13. Agora que você já conhece os dois tipos de motivação, vamos ver algumas das principais teorias motivacionais:
    14. 14. A primeira teoria que mencionaremos é a teoria de Maslow, conhecida como uma das mais importantes teorias motivacionais.
    15. 15. Antes porém vamos conhecer um pouco seu autor.
    16. 16. Abraham Maslow, psicólogo americano considerado o pai da teoria da motivação e autor da famosa pirâmide das necessidades que leva o seu nome. Durante a II Guerra Mundial, e perante uma situação internacional bastante conflituosa, Maslow desenvolveu sua obra sobre a teoria da motivação humana. As suas questões-chave eram: o que é que as pessoas pretendem da vida? De que é que necessitam para serem felizes? O que é que faz com que procurem certos objetivos?
    17. 17. Essa aí, é a pirâmide de Maslow
    18. 18. Segundo Maslow, as necessidades dos seres humanos obedecem a uma hierarquia, ou seja, uma escala de valores a serem transpostos. Isto significa que no momento em que o indivíduo realiza uma necessidade, surge outra em seu lugar, exigindo sempre que as pessoas busquem meios para satisfazê-la.
    19. 19. O comportamento humano, neste contexto, foi objeto de análise pelo próprio Taylor, quando enunciava os princípios da Administração Científica. A diferença entre Taylor e Maslow é que o primeiro somente enxergou as necessidades básicas como elemento motivacional, enquanto o segundo percebeu que o indivíduo não sente única e exclusivamente necessidade financeira.
    20. 20. Conheça mais sobre a Teoria de Maslow.
    21. 21. Vejamos agora uma outra teoria motivacional bastante famosa. Também conhecida como teoria dos dois fatores de Frederick Herzberg
    22. 22. Herzberg desenvolveu sua teoria com base em entrevistas feitas com 200 engenheiros e contadores da indústria de Pittsburgh. Sua pesquisa procurava identificar quais as consequências de determinados tipos de comportamento na vida profissional dos entrevistados, visando determinar os fatores que os levaram a se sentirem excepcionalmente felizes e aqueles que os fizeram sentir-se infelizes na situação de trabalho.
    23. 23. Ele verificou que alguns fatores que causavam satisfação estavam relacionados à própria tarefa, as relações do homem com o que ele faz, o reconhecimento pela realização da tarefa, a natureza da tarefa, responsabilidade, promoção profissional e capacidade de melhor executar o serviço.
    24. 24. Esses fatores, Herzberg denominou de fatores motivadores. Mas, também constatou alguns fatores que causam insatisfação, como o tipo de supervisão recebida no trabalho, a natureza das relações interpessoais, condições do ambiente de trabalho e até mesmo o próprio salário recebido pelo trabalhador. Esses fatores foram chamados de fatores higiênicos, porque criam as condições básicas para que o indivíduo possa trabalhar.
    25. 25. • Ou fatores extrínsecos, pois se localizam no ambiente que rodeia as pessoas e abrange as condições dentro das quais elas desempenham seu trabalho. Fatores Higiênicos: •Ou fatores intrínsecos, pois estão relacionados com a natureza das tarefas que o indivíduo executa. Assim sendo, os fatores motivacionais estão sob controle do indivíduo pois estão relacionados com aquilo que ele faz e desempenha. Fatores Motivacionais:
    26. 26. Conheça melhor a teoria de Frederick Herzberg
    27. 27. Vamos ver agora a terceira teoria motivacional, a “Teoria X e Teoria Y de Douglas McGregor”.
    28. 28. As teorias X e Y, desenvolvidas na década de 50, por Douglas McGregor, mostram a possibilidade de duas formas de gerenciar a produtividade humana dentro das organizações.
    29. 29. •As pessoas são preguiçosas e indolentes; •As pessoas evitam o trabalho;Teoria X •As pessoas evitam a responsabilidade, a fim de se sentirem mais seguras;Teoria X •As pessoas precisam ser controladas e dirigidas; •As pessoas são ingênuas e sem iniciativa. Teoria X
    30. 30. •As pessoas são esforçadas e gostam de ter responsabilidades; •O trabalho é uma atividade tão natural como brincar ou descansar; Teoria Y •As pessoas procuram e aceitam responsabilidades e desafios;Teoria Y •As pessoas podem ser automotivadas e autodirigidas; •As pessoas são criativas e competentes. Teoria Y
    31. 31. Para saber um pouco mais sobre a “Teoria X e a Teoria Y” e seu autor:
    32. 32. Notamos que, em determinadas empresas que adotam a teoria X, muito embora as mesmas alcancem alguns objetivos, os níveis de satisfação de seus colaboradores ficam seriamente comprometidos.
    33. 33. Não podemos confundir a teoria Y com liberdade excessiva ou falta de controle nas organizações.
    34. 34. A teoria é uma forma diferenciada de administrar os recursos humanos dentro do ambiente organizacional e muitas empresas alcançam grandes êxitos com ela.
    35. 35. Agora, vamos falar sobre autoestima e compreender a sua relação com a motivação:
    36. 36. Autoestima é a capacidade de sentirmos a vida e estarmos de bem com ela.
    37. 37. Quanto maior a nossa autoestima, maior é a nossa vontade de crescer, não necessariamente no sentido profissional ou financeiro, mas dentro daquilo que esperamos viver durante nossa vida. E consequentemente quanto mais nossa autoestima estiver abalada, menos desejamos fazer, sendo assim, realizaremos menos também.
    38. 38. Veja a seguir algumas dicas para melhorar a sua autoestima:
    39. 39. 1º Pare de ter pensamentos negativos acerca de si. Comece a pensar nas suas qualidades e nos aspectos positivos que superam as partes negativas. Todas as noites enumere algumas das coisas em que você é muito bom. Isto irá reforçar a sua imagem perante si mesmo e, consequentemente, a sua autoestima.
    40. 40. 2º Não tente atingir a perfeição, concentre-se antes em atingir seus objetivos. Há quem fique paralisado na busca da perfeição e não faz nada na vida. Não deixe que isto lhe aconteça.
    41. 41. 3º Encare os erros como oportunidades para aprender. Aceite os seus erros como normais, porque muitas pessoas os cometem. Errar também faz parte da aprendizagem e do crescimento pessoal.
    42. 42. 4º Experimente novas atividades e novas abordagens para enfrentar os antigos problemas. Tenha orgulho nas coisas novas que aprende.
    43. 43. 5º Conheça os seus limites, aquilo que consegue mudar e aquilo que não consegue mudar e que tem de aceitar. Se estiver infeliz com suas características físicas como seu peso e sua aparência, mude-a para melhorar. Se, se trata de alguma coisa que não pode mudar como sua altura, aceite que é assim e mude a forma como olha para si mesmo.
    44. 44. 6º Pratique atividades físicas. Elas te ajudarão a se compreender e se sentir melhor.
    45. 45. Agora, leia a história a seguir:
    46. 46. E aqui chegamos ao fim de mais uma aula e também ao final de nosso curso, espero que tenha gostado de tudo que viu e ouviu e aprendido um pouco com as nossas aulas.
    47. 47. Não esqueça de acessar o ambiente e cumprir as últimas atividades do curso.
    48. 48. Desejamos a você muita sorte nessa nova etapa que você está prestes a iniciar. Espero que lembre de algumas coisas que falamos em nossas aulas, pois com certeza irá precisar delas em algum momento.
    49. 49. Atividades 1.) Dados os fatores motivadores e as imagens abaixo; classifique-os (E) motivação Extrínseca e (I) motivação intrínseca. A. ( ) B. ( ) C. ( ) D. ( )
    50. 50. Atividades 2.) Relacione alguns fatores que você considera como motivadores para sua vida. 3.) Leia reflita e comente a história relatada no texto, relacionando algumas lições que podemos aprender com ela. E fazendo uma relação com as teorias motivacionais apresentadas nessa aula.
    51. 51. Luiz Ricardo Siles RASC – Recuperação e Assistência Cristã

    ×