SlideShare uma empresa Scribd logo
Assistência
a criança com
Microcefalia:
Experiência do
Piauí
MICROCEFALIA – DEFINIÇÃO E
INDICADORES
CONCEITO: é uma condição em que uma criança apresenta a medida da
cabeça substancialmente menor,quandocomparada com a de outras crianças do
mesmo sexo eidade.
Oaumentosúbitodecasoscomeçounosegundosemestrede2015.Em2017,noBrasil
Jásão2205casos.NoPiauío aumento de casos se deu apartir de outubro de
2015.
Novembrode2015-oMinistériodaSaúdedecretouaocorrênciadesseeventocomo
EmergênciadeSaúde Pública de Importância Nacional (ESPIN).
Fonte:BRASIL,2017
Diante do aumento súbito de casos de microcefalia, a
Secretaria de Estado da Saúde do Piauí tomou uma
série de medidas de forma a conter a epidemia e
prestar a assistência as crianças diagnosticadas.
Criação do Comitê Estadual
Portaria 190/2015
Data – 18/11/2015
• Reuniões mensais para discussão e encaminhamentos
• Participação de instituições governamentais e nãogovernamentais
Publicação do Decreto governamental em dezembro de 2015 –
Plano de Contingência da Dengue, Zika e Chicungunya e de
abordagem Emergencial nos casos de microcefalia –
Decreto 16.326/2015
Encaminhamento das
crianças logo após o parto
e pelo município – via
telefone
Consulta médica e
realização de exames
para fechamento de
diagnóstico
Atendimento de
enfermagem
Envio de amostras ao Lacen
UST (MDER) e TC (CEIR)
Casos confirmados encaminhar
ao CEIR para reabilitação
Acompanhamento ambulatorial
de pediatras, neuropediatras,
fisioterapeutas, fonoaudióloga,
terapeuta ocupacional e
nutricionista
IMPLANTAÇÃO DO CENTRO ESTADUAL
DE REFERÊNCIA EM MICROCEFALIA
ACOMPANHAMENTO DO CENTRO DE
REFERÊNCIA ATÉ AGOSTO DE
2017:
Procedimentos Número
Nº de Atendimentos ( 1ª Vez
e subsequentes) 707
Casos Confirmados 107
Casos descartados 100
Em investigação 04
Exames (sorologias, UST,
TC, liquor, Teste
orelhinha,
mapeamento)
688
Número de casos de microcefalia confirmados, descartados e em
investigação no Piauí, Agosto 2017.
Fonte: RESP/ SESAPI/MS, 2017
0
20
40
60
80
100
120
Confirmados Descartados em
Investigação
112 98
9
Distribuição espacial dos casos de microcefalia confirmados
nos municípios do Piauí. Agosto/2017
Fonte: RESP/ SESAPI/MS, 2017
ESTIMULAÇÃO PRECOCE:
CENTRO INTEGRADO DE REABILITAÇÃO
(CEIR) - Teresina
APAAS (PICOS) –
APAES
NASFs
Curso aos Pais (por 3 meses):
Medicina,AssistênciaSocial,Psicologia,Fonoaudiologia,Terapia
Ocupacionale Fisioterapia
Grupo Acolher (por 3 meses):
Psicologia
GrupodeEstimulaçãoPrecoce(1vez
porsemana): Psicologia e
Fonoaudiologia
FisioterapiaIndividual(2vezespor
semana)
Terapia Ocupacional Individual (1
vez por semana)
Atendimentosocial(buscaativa,
avaliaçãosocial)
TERAPIAS CEIR -
PROGRAMA DE
ESTIMULAÇÃO PRECOCE
ATUALMENTE SÃO 84 CRIANÇAS COM
MICROCEFALIA E SUAS FAMÍLIAS
ATENDIDAS NO CEIR
Foto em Homenagem ao Dia das Mães –
Clínica de Microcefalia do CEIR –Maio/2017
COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO À SAÚDE
DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
 Informar o número de casos confirmados de microcefalia com
diagnóstico, atendimentos realizados na atenção especializada ena
atenção básica, famílias em situação de vulnerabilidade social atendidos
e as crianças em estimulação precoce.
OBJETIVOS:
Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação das ações realizadas as crianças
notificadas com microcefalia com preenchimento de planilha e envio quinzenal
para a CGSCAM/MS
FLUXO DE RECEBIMENTO DE DADOS PARA
ELABORAÇÃO DA PLANILHA PELA COORDENAÇÃO
DA SAÚDE DA CRIANÇA - SESAPI
COORDENAÇÃODE
ATENÇÃOÀ SAÚDE DA
CRIANÇA E
ADOLESCENTE – Planilha
Assistência-
CGSCAM/MS
DADOSDORESP– NOTIFICAÇÃO
DASCRIANÇAS COM
MICROCEFALIA– EPIDEDIOLOGIA/
SESAPI
ACOMPANHAMENTO NA ESF
NOS MUNICÍIOS
ESTIMULAÇÃO
PRECOCE –
CEIR/APAE/NASF/
CER ?
ACOMPANHAMENT
O DAS CRIANÇAS
PELA ASSISTÊNCIA
SOCIAL
CRIANÇAS
DIAGNOSTICADAS PELO
CENTRO DE REFERÊNCIA
ESTADUAL EM
MICROCEFALIA-MDER
Gerência de Vigilância – Coordenação de
Epidemiologia - SESAPI
• Comunicação com os serviços que fazem a notificação
dos casos
• Organização das planilhas para envio das planilhas
semanais do RESP para o MS
• Busca ativa nos municípios
• Mobilização dos municípios no combate ao mosquito
Gerência de Atenção Básica
SESAPI
• Monitoramento das ESF no acompanhamento das crianças com microcefalia por
uma equipe multiprofissional composta por técnicos das áreas da Saúde da
Criança e Gerência de Atenção Básica.
• Curso de Qualificação em Estimulação Precoce voltado para equipes dos
Núcleo de Apoio à Saúde da Família –NASF; composto por fisioterapeutas,
psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos .
• Foram capacitados 200 profissionais.
• Dos 56 municípios convidados, 34 atenderam aos pré-requisitos:
ter casos de microcefalia residente no município; NASF com
equipe mínima formada por fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais
e fonoaudiólogos.
• Aprovados em CIB - Resolução n°036 de 15 de abril de 2016.
• Destinação do recurso no valor de R$7.000,00(parcela única) para 34
municípios. Transferência do Fundo Estadual para Fundo Municipal de
Saúde. Compra de equipamentos por lista padronizada pela SESAPI.
• Monitoramento da aquisição dos equipamentos e da utilização da sala de
estimulação precoce ;
• Monitoramento da distribuição dos repelentes para gestantes;
• Articulação com o MS para a habilitação de 2 NASFs
Curso de Qualificação em Estimulação Precoce
voltado para equipes dos Núcleo de Apoio à
Saúde da Família –NASF
Participação de cerca de 200 profissionais do NASF e APAES de 56 municípios
SALAS DE ESTIMULAÇÃO
PRECOCE - NASF
Pesquisa em andamento:
• Estudo Clínico e Epidemiológico dos casos de
microcefalia congênita registrados no Piauí a
partir de 2015 – FIOCRUZ – PI
• Desenvolvimento da cavidade oral de bebês com
microcefalia associada ao Zika vírus – Estudo
prospectivo - PPSUS
• Perfil antropométrico e o tipo de aleitamento das
crianças com microcefalia acompanhadas em
um Centro de Reabilitação
• Dentre outros...
Em reconhecimento ao trabalho realizado no
Estado, na confirmação dos casos das crianças
com microcefalia, em 2016 o Piauí foi reconhecido
pelo Ministério da Saúde como experiência exitosa
por possuir o menor número de investigação no
Brasil em abril de 2016
DESAFIOS PROPOSTOS:
• Aumentar o número de centros de reabilitação no
Estado – qualificar mais centros, salas nos NASF
funcionando nos municípios;
• Manter as crianças na estimulação precoce;
• Iniciar a discussão com a escola sobre a inclusão das
crianças;
• Aumentar as medidas de proteção social para as
crianças
DESAFIOS PROPOSTOS:
• E as crianças depois de 3 anos que tipo de
acompanhamento vai ser realizado??????
SAÚDE
Secretaria deEstado
daSaúde/ SESAPI
PiauíGOVERNO DOESTADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
Gustavo Henrique
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Sala de-vacina
Sala de-vacinaSala de-vacina
Sala de-vacina
Yane Silva
 
investigação epidemiológica
investigação epidemiológicainvestigação epidemiológica
investigação epidemiológica
danilo oliveira
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Nadja Salgueiro
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMORELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
Mayara Dos Santos Camuzzi
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Professor Robson
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
Cândida Mirna
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Wagner Lima Teixeira
 
Síndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain BarréSíndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain Barré
Mairimed
 
Sarampo
SarampoSarampo
Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014
Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014
Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014
Nina Silva
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
Flavio Salomao-Miranda
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
Beatriz Cordeiro
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
Ana Carolina Costa
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Sandra Flôr
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 

Mais procurados (20)

Aula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantilAula 12 -_imunizacao infantil
Aula 12 -_imunizacao infantil
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Sala de-vacina
Sala de-vacinaSala de-vacina
Sala de-vacina
 
investigação epidemiológica
investigação epidemiológicainvestigação epidemiológica
investigação epidemiológica
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMORELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO II DE ENFERMAGEM - RESUMO
 
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor RobsonDengue Casos Clínicos - Professor Robson
Dengue Casos Clínicos - Professor Robson
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
 
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
Introdução de enfermagem ( apostila para vcs meus amigos de enfermagem)
 
Síndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain BarréSíndrome de Guillain Barré
Síndrome de Guillain Barré
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014
Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014
Questões de provas e simulados probabilidade e estatística junho 2014
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIADOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSORIA
 
Aula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res MedAula Vig Epidemiologica Res Med
Aula Vig Epidemiologica Res Med
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 

Semelhante a Assistência a criança com Microcefalia

PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
Portal da Inovação em Saúde
 
Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...
Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...
Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...
Portal da Inovação em Saúde
 
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
Portal da Inovação em Saúde
 
AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...
AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...
AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...
Portal da Inovação em Saúde
 
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – AlagoasCrianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Portal da Inovação em Saúde
 
PNAISC.pdf
PNAISC.pdfPNAISC.pdf
PNAISC.pdf
ShesterDamaceno1
 
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Boas praticas 2015_final_web
Boas praticas 2015_final_webBoas praticas 2015_final_web
Boas praticas 2015_final_web
Angelica Martins
 
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
Tania Fonseca
 
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúdeSeminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Governo do Estado do Ceará
 
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPIICT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULARPROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
Portal da Inovação em Saúde
 
Cobertura vacinal
Cobertura vacinalCobertura vacinal
Cobertura vacinal
Fernanda Marinho
 
Sintonia da saúde 26-07-17
Sintonia da saúde 26-07-17Sintonia da saúde 26-07-17
Sintonia da saúde 26-07-17
Jornal Correio do Sul
 
Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...
Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...
Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...
Portal da Inovação em Saúde
 
Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...
Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...
Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...
Portal da Inovação em Saúde
 
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptxpnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
TaisdeJesusSantos
 
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticasOrganização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Márcio Cristiano de Melo
 
Protocolo hipo
Protocolo hipoProtocolo hipo
Protocolo hipo
Adriana Lima
 

Semelhante a Assistência a criança com Microcefalia (20)

PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
PANORAMA DAS AÇÕES DE MONITORAMENTO DAS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZI...
 
Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...
Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...
Balanço da Emergência de Saúde Pública: avanços e desafios atuais para a vigi...
 
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
A EXPERIÊNCIA DE RECIFE Intervenção e integração dos serviços de atenção à sa...
 
AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...
AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...
AMPLIAÇÃO E DESCENTRALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA ÀS CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNIT...
 
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – AlagoasCrianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
Crianças com síndrome congênita associada à infecção pelo vírus Zika – Alagoas
 
PNAISC.pdf
PNAISC.pdfPNAISC.pdf
PNAISC.pdf
 
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
Construindo um protocolo único para uma atenção integral à primeira infância ...
 
Boas praticas 2015_final_web
Boas praticas 2015_final_webBoas praticas 2015_final_web
Boas praticas 2015_final_web
 
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
ApresentaçãO Ser SaúDavel MarçO 2010
 
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúdeSeminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
Seminário Internacional Mais Infância: Henrique javi saúde
 
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPIICT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
CT Epidemiologia - 21.03.16 - Microcefalia e/ou alterações do SNC ESPII
 
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULARPROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR
 
Cobertura vacinal
Cobertura vacinalCobertura vacinal
Cobertura vacinal
 
Sintonia da saúde 26-07-17
Sintonia da saúde 26-07-17Sintonia da saúde 26-07-17
Sintonia da saúde 26-07-17
 
Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...
Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...
Ministério da Saúde implementa ação que assegura o cuidado às crianças com sí...
 
Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...
Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...
Fortalecimento da Atenção Básica na articulação das Redes de Atenção à Saúde ...
 
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptxpnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
 
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticasOrganização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
Organização da Atenção à Saúde da Criança: PNAISC como orientadora das práticas
 
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptxAula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
Aula - Linhas de cuidado na saúde da criança.pptx
 
Protocolo hipo
Protocolo hipoProtocolo hipo
Protocolo hipo
 

Mais de Portal da Inovação em Saúde

Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Portal da Inovação em Saúde
 
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Portal da Inovação em Saúde
 
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Caracterização dos casos de  MPOX - IIERCaracterização dos casos de  MPOX - IIER
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Portal da Inovação em Saúde
 
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no AmazonasPerfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Portal da Inovação em Saúde
 
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-GoiásResultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Portal da Inovação em Saúde
 
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CEHospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Portal da Inovação em Saúde
 
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Portal da Inovação em Saúde
 
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Portal da Inovação em Saúde
 
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
Portal da Inovação em Saúde
 
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPAESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
Portal da Inovação em Saúde
 
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José AlencarHospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Portal da Inovação em Saúde
 
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Portal da Inovação em Saúde
 
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Portal da Inovação em Saúde
 
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMSPós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Portal da Inovação em Saúde
 
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-CovidEstratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Portal da Inovação em Saúde
 
Leitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passoLeitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passo
Portal da Inovação em Saúde
 
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em SaúdeProjeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Portal da Inovação em Saúde
 
Comunidade de Fala
Comunidade de FalaComunidade de Fala
Comunidade de Fala
Portal da Inovação em Saúde
 
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Portal da Inovação em Saúde
 
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptxAPRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
Portal da Inovação em Saúde
 

Mais de Portal da Inovação em Saúde (20)

Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
 
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil:  perspect...
Da organização do grupo de pesquisadores à Rede de Pesquisa Brasil: perspect...
 
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
Caracterização dos casos de  MPOX - IIERCaracterização dos casos de  MPOX - IIER
Caracterização dos casos de MPOX - IIER
 
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no AmazonasPerfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
Perfil clínico-epidemiológico dos casos de Mpox no Amazonas
 
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-GoiásResultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS  Goiânia-Goiás
Resultados da Pesquisa Mpox da Plataforma Clínica Global OMS Goiânia-Goiás
 
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CEHospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
Hospital São José de Doenças Infecciosas – SES CE
 
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
Surto de MPX – experiência do Município de Florianópolis.
 
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
Projeto Plataforma Clínica Global para Mpox da OMS: experiência do município ...
 
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
7 - APRESENTACAO MPOX_POA_Natália Aredes.pptx
 
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPAESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
ESTUDO DE CoORTE RETROSPECTIVO PÓS-COVID UBS SANTA CECÍLIA / HCPA
 
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José AlencarHospital da Criança de Brasília José Alencar
Hospital da Criança de Brasília José Alencar
 
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
Identificação de casos de Pós-Covid em Florianópolis-SC: resultados da cooper...
 
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
Compartilhando experiências da Rede Colaborativa Brasil - Pesquisa Pós-Covid ...
 
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMSPós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
Pós-Covid no âmbito da Plataforma Clínica Global OMS
 
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-CovidEstratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
Estratégia digital para a identificação de casos Pós-Covid
 
Leitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passoLeitura em voz alta passo a passo
Leitura em voz alta passo a passo
 
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em SaúdeProjeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
Projeto Epa de Saúde Mental na Atenção Primária em Saúde
 
Comunidade de Fala
Comunidade de FalaComunidade de Fala
Comunidade de Fala
 
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
Pré-conferências de caráter territorial como proposta estratégica para potenc...
 
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptxAPRESENTAÇÃO PAULO.pptx
APRESENTAÇÃO PAULO.pptx
 

Último

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
profafernandacesa
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 

Último (7)

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia  voltada a ASB.pptxintrodução a psicologia  voltada a ASB.pptx
introdução a psicologia voltada a ASB.pptx
 
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 

Assistência a criança com Microcefalia

  • 2. MICROCEFALIA – DEFINIÇÃO E INDICADORES CONCEITO: é uma condição em que uma criança apresenta a medida da cabeça substancialmente menor,quandocomparada com a de outras crianças do mesmo sexo eidade. Oaumentosúbitodecasoscomeçounosegundosemestrede2015.Em2017,noBrasil Jásão2205casos.NoPiauío aumento de casos se deu apartir de outubro de 2015. Novembrode2015-oMinistériodaSaúdedecretouaocorrênciadesseeventocomo EmergênciadeSaúde Pública de Importância Nacional (ESPIN). Fonte:BRASIL,2017
  • 3. Diante do aumento súbito de casos de microcefalia, a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí tomou uma série de medidas de forma a conter a epidemia e prestar a assistência as crianças diagnosticadas.
  • 4. Criação do Comitê Estadual Portaria 190/2015 Data – 18/11/2015 • Reuniões mensais para discussão e encaminhamentos • Participação de instituições governamentais e nãogovernamentais
  • 5. Publicação do Decreto governamental em dezembro de 2015 – Plano de Contingência da Dengue, Zika e Chicungunya e de abordagem Emergencial nos casos de microcefalia – Decreto 16.326/2015
  • 6. Encaminhamento das crianças logo após o parto e pelo município – via telefone Consulta médica e realização de exames para fechamento de diagnóstico Atendimento de enfermagem Envio de amostras ao Lacen UST (MDER) e TC (CEIR) Casos confirmados encaminhar ao CEIR para reabilitação Acompanhamento ambulatorial de pediatras, neuropediatras, fisioterapeutas, fonoaudióloga, terapeuta ocupacional e nutricionista IMPLANTAÇÃO DO CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM MICROCEFALIA
  • 7. ACOMPANHAMENTO DO CENTRO DE REFERÊNCIA ATÉ AGOSTO DE 2017: Procedimentos Número Nº de Atendimentos ( 1ª Vez e subsequentes) 707 Casos Confirmados 107 Casos descartados 100 Em investigação 04 Exames (sorologias, UST, TC, liquor, Teste orelhinha, mapeamento) 688
  • 8. Número de casos de microcefalia confirmados, descartados e em investigação no Piauí, Agosto 2017. Fonte: RESP/ SESAPI/MS, 2017 0 20 40 60 80 100 120 Confirmados Descartados em Investigação 112 98 9
  • 9. Distribuição espacial dos casos de microcefalia confirmados nos municípios do Piauí. Agosto/2017 Fonte: RESP/ SESAPI/MS, 2017
  • 10. ESTIMULAÇÃO PRECOCE: CENTRO INTEGRADO DE REABILITAÇÃO (CEIR) - Teresina APAAS (PICOS) – APAES NASFs
  • 11. Curso aos Pais (por 3 meses): Medicina,AssistênciaSocial,Psicologia,Fonoaudiologia,Terapia Ocupacionale Fisioterapia Grupo Acolher (por 3 meses): Psicologia GrupodeEstimulaçãoPrecoce(1vez porsemana): Psicologia e Fonoaudiologia FisioterapiaIndividual(2vezespor semana) Terapia Ocupacional Individual (1 vez por semana) Atendimentosocial(buscaativa, avaliaçãosocial) TERAPIAS CEIR - PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE
  • 12. ATUALMENTE SÃO 84 CRIANÇAS COM MICROCEFALIA E SUAS FAMÍLIAS ATENDIDAS NO CEIR Foto em Homenagem ao Dia das Mães – Clínica de Microcefalia do CEIR –Maio/2017
  • 13. COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE  Informar o número de casos confirmados de microcefalia com diagnóstico, atendimentos realizados na atenção especializada ena atenção básica, famílias em situação de vulnerabilidade social atendidos e as crianças em estimulação precoce. OBJETIVOS: Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação das ações realizadas as crianças notificadas com microcefalia com preenchimento de planilha e envio quinzenal para a CGSCAM/MS
  • 14. FLUXO DE RECEBIMENTO DE DADOS PARA ELABORAÇÃO DA PLANILHA PELA COORDENAÇÃO DA SAÚDE DA CRIANÇA - SESAPI COORDENAÇÃODE ATENÇÃOÀ SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE – Planilha Assistência- CGSCAM/MS DADOSDORESP– NOTIFICAÇÃO DASCRIANÇAS COM MICROCEFALIA– EPIDEDIOLOGIA/ SESAPI ACOMPANHAMENTO NA ESF NOS MUNICÍIOS ESTIMULAÇÃO PRECOCE – CEIR/APAE/NASF/ CER ? ACOMPANHAMENT O DAS CRIANÇAS PELA ASSISTÊNCIA SOCIAL CRIANÇAS DIAGNOSTICADAS PELO CENTRO DE REFERÊNCIA ESTADUAL EM MICROCEFALIA-MDER
  • 15. Gerência de Vigilância – Coordenação de Epidemiologia - SESAPI • Comunicação com os serviços que fazem a notificação dos casos • Organização das planilhas para envio das planilhas semanais do RESP para o MS • Busca ativa nos municípios • Mobilização dos municípios no combate ao mosquito
  • 16. Gerência de Atenção Básica SESAPI • Monitoramento das ESF no acompanhamento das crianças com microcefalia por uma equipe multiprofissional composta por técnicos das áreas da Saúde da Criança e Gerência de Atenção Básica. • Curso de Qualificação em Estimulação Precoce voltado para equipes dos Núcleo de Apoio à Saúde da Família –NASF; composto por fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos . • Foram capacitados 200 profissionais. • Dos 56 municípios convidados, 34 atenderam aos pré-requisitos: ter casos de microcefalia residente no município; NASF com equipe mínima formada por fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos. • Aprovados em CIB - Resolução n°036 de 15 de abril de 2016.
  • 17. • Destinação do recurso no valor de R$7.000,00(parcela única) para 34 municípios. Transferência do Fundo Estadual para Fundo Municipal de Saúde. Compra de equipamentos por lista padronizada pela SESAPI. • Monitoramento da aquisição dos equipamentos e da utilização da sala de estimulação precoce ; • Monitoramento da distribuição dos repelentes para gestantes; • Articulação com o MS para a habilitação de 2 NASFs
  • 18. Curso de Qualificação em Estimulação Precoce voltado para equipes dos Núcleo de Apoio à Saúde da Família –NASF
  • 19. Participação de cerca de 200 profissionais do NASF e APAES de 56 municípios
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Pesquisa em andamento: • Estudo Clínico e Epidemiológico dos casos de microcefalia congênita registrados no Piauí a partir de 2015 – FIOCRUZ – PI • Desenvolvimento da cavidade oral de bebês com microcefalia associada ao Zika vírus – Estudo prospectivo - PPSUS • Perfil antropométrico e o tipo de aleitamento das crianças com microcefalia acompanhadas em um Centro de Reabilitação • Dentre outros...
  • 39. Em reconhecimento ao trabalho realizado no Estado, na confirmação dos casos das crianças com microcefalia, em 2016 o Piauí foi reconhecido pelo Ministério da Saúde como experiência exitosa por possuir o menor número de investigação no Brasil em abril de 2016
  • 40. DESAFIOS PROPOSTOS: • Aumentar o número de centros de reabilitação no Estado – qualificar mais centros, salas nos NASF funcionando nos municípios; • Manter as crianças na estimulação precoce; • Iniciar a discussão com a escola sobre a inclusão das crianças; • Aumentar as medidas de proteção social para as crianças
  • 41. DESAFIOS PROPOSTOS: • E as crianças depois de 3 anos que tipo de acompanhamento vai ser realizado??????