Ervas e plantas aromáticas

12.446 visualizações

Publicada em

1 comentário
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.446
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
709
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
468
Comentários
1
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ervas e plantas aromáticas

  1. 1. Ervas e Plantas Aromáticas
  2. 2. OrégãosOrégãos Origanum virensOrigemVárias espécies do género Origanum são nativas do Mediterrâneo, todas usadascomo tempero. A influência do clima, tempo e fertilidade do solo na composiçãodos óleos essenciais é que dão o seu aroma característico É uma planta muitoparecida com a manjerona, que tem um sabor um pouco diferente devido aoscompostos fenólicos presentes nos seus óleos aromáticos.O Orégão tem alta atividade antioxidante pela presença de ácido fenólico eflavonoides. Adicionalmente tem propriedades antimicrobianas contra bactériascomo Listeria monocytogenes e outros patógenos presentes nos alimentos, o quefaz com que ajude a preservar alimentos.
  3. 3. AS propriedades terapêuticasÉ indicada no tratamento e prevenção da gripe. Imune estimulante e antiviral,aumenta as resistências contra o vírus da gripe, sendo também útil em tosses erouquidão.Esta planta cresce espontaneamente em Portugal e as suas folhas sãotradicionalmente muito utilizadas na culinária.Os óleos voláteis existentes no orégão incluem timol e carvacrol, ambos potentesagentes antibacterianos, capazes de combater as “Pseudomonas aeruginosa” e a“Staphylococcus áureos”.Entre todos os seus constituintes fitoquímicos, destaca-se o carvacrol (uma dassubstâncias mais importantes em Fitoterapia), pelas suas propriedades antitumorais, anticancerígenas, analgésicas, anti-inflamatórias, hepatoprotectoras eantiplaquetárias.Esta planta é eficaz contra bactérias como as salmonelas (Salmonellatyphimurium), Escherichia coli e Staphylococcus aureus, sendo por isso muitoeficaz como antibiótico no tratamento de gastroenterites, infeções urinárias epneumonias, prospectivamente.O orégão contém numerosos fito nutrientes - incluindo timol e ácido rosmarínico -potentes agentes antioxidantes para prevenção de danos a nível das estruturascelulares do organismo.
  4. 4. Administração do orégão- Alimento: Em saladas, pizzas, marisco e massas.- Comprimidos: 200 a 400 mg por dia.- Chá: ½ colher de sopa para uma chávena.- Óleo essencial: Podem ser utilizadas cinco a dez gotas em água a ferver e fazerum aerossol com o vapor de água.
  5. 5. Características e CuriosidadesEmbora muitas pessoas se lembrem apenas de “pizza” ao falar em orégãos, o seusabor quente, balsâmico e aromático torna-o um tempero indispensável nascozinhas mediterrânea e mexicana. É também conhecido como “manjeronasilvestre” em muitas partes da Europa, uma vez que está intimamente relacionadocom a erva que hoje conhecemos como manjerona doce. É um arbusto depequeno porte com hastes multi-ramificadas, cobertas com pequenas folhas ovaisverde-acinzentado e pequenas flores brancas ou rosadas.É uma erva muito popular cujo nome significa "alegria da montanha"; o seu nomederiva das palavras gregas "Orós"(montanha) e"ganos"(alegria), uma vez que eranão só um símbolo de felicidade como embelezava as zonas em que era cultivada.
  6. 6. O Orégão – Rico em nutrientesO orégão é uma boa fonte de fibras; estas ao obrigar o organismo a produzir maissais biliares e a baixar o colesterol, ajudam a prevenir o cancro do cólon.Não é por acaso, que uma das razões porque as dietas alimentares ricas em fibrase têm mostrado eficazes na redução dos níveis elevados de colesterol e do riscode cancro do cólon.O orégão é também uma fonte abundante de nutrientes, rico em ferro, manganês,fibras, cálcio, vitaminas A e C (através da sua concentração de pró-vitamina Acarotenoidsl ike beta-caroteno) e ômega-3.
  7. 7. Chá de orégãosO chá de Oregão é excelente para aliviar a diarreia e flatulências, mas tambémajuda a aliviar os transtornos de estômago.Gargarejar com este chá alivia dor de dentes, dor de garganta ou inflamações quesurgem na boca.Para fazer o chá, coloque numa panela 1 litro de água a ferver e depois adicione 1colher de sopa de orégãos em infusão durante 15 minutos. Coar e beber 2 a 3chávenas de chá por dia.
  8. 8. escolher e conservar o orégãoSempre que possível, escolha orégãos frescos, pois o sabor é muito superior aosorégãos secos.Os orégãos frescos têm as folhas de um tom verde luminoso, de aparência frescae viçosa e o talo duro. Evitar molhos que tenham folhas murchas ou amarelas, poisisso indica que os orégãos não estão em boas condições.Se optar por comprar orégãos secos, prefira os de cultura orgânica, pois este tipode cultivo dá-lhe mais garantia de qualidade.Os orégãos frescos devem ser guardados na geladeira embrulhados em papel ounum pano levemente húmido. Também podem ser congelados, inteiros oupicados, e guardados em recipientes hermeticamente fechados; pode congelar atotalidade dos orégãos, ou congelar pequenas porções, separadamente, edescongelar apenas a porção necessária, consoante a quantidade de alimentosque quer temperar.Os orégãos secos devem ser guardados num frasco de vidro hermeticamentefechado em lugar seco, fresco e escuro e assim manter-se-ão em boas condiçõesdurante aproximadamente seis meses.
  9. 9. SalsaA salsa, salsinha ou perrexil é uma planta herbácea bienal, podendo-se tambémcultivar como anual. Forma uma roseta empenachada de folhas muito divididas, asalsa pode alcançar 15 cm de altura e possui talos floríferos que podem chegar aexceder 60 cm com pequenas flores verdes amareladas. Natural da Europa, a salsa (conhecida também por salsinha, salsa-de-cheiro ousalsa-hortense) foi trazida para o Brasil no início da colonização. O cultivo da salsafaz-se há mais de trezentos anos, sendo uma das plantas aromáticas maispopulares da gastronomia mundial.
  10. 10. Variedades de salsaAs variedades são agrupadas pelo tipo de folha em: lisas (mais cultivadas noBrasil), crespas e muito crespas. Há, ainda, variedades cultivadas na Europa, cujoproduto comestível são as raízes, que atingem cerca de 15cm de comprimento e 4a 5cm de diâmetro.A variedade de salsa grande Petroselinum crispum tuberosum, possui uma raizengrossada axonomorfa, parecida com a cherivia, esta é a que se consume comohortaliça crua ou cozida. Esta variedade tem folhas maiores e mais rugosas que asalsa comum, sendo mais semelhantes à espécie silvestre.As folhas de todos os tipos de salsa são ricas em vitaminas A, B1, B2, C e D, isto seconsumidas cruas, pois caso sejam cozinhadas perdem parte dos seuscomponentes vitamínicos.O cultivo da salsa é indicada para regiões de clima ameno, desenvolvendo-semelhor sob temperaturas entre 8 e 22ºC. Temperaturas acima desta ocasiona oaparecimento precoce de flores e as temperaturas abaixo desta retarda o seudesenvolvimento.
  11. 11. Benefícios na saúdeOs flavonoides da salsa, especialmente a luteolina, têm mostrado que funcionamcomo antioxidantes, que combinam com os radicais de oxigênio e ajuda a evitardanos nas células.Além de seus óleos voláteis e flavonoides, a salsa é uma excelente fonte de doisnutrientes vitais que são igualmente importantes para a prevenção de muitasdoenças: a vitamina C e vitamina A (nomeadamente através da sua concentraçãode pró-vitamina A de carotenoides, betacaroteno ).A Salsa é uma boa fonte de ácido fólico, uma das mais importantes vitaminas Bpois, desempenha vários papéis no corpo, sendo um de seus mais importantes orelacionado com a saúde cardiovascular, em que é necessária a sua participaçãono processo de conversão da homocisteína em moléculas benignas.
  12. 12. Colheita e embalagemA colheita inicia-se entre 50 e 70 dias, dependendo do cultivar, efetuando novacolheita a cada 30 dias. O corte é feito quando as plantas atingem cerca de 10 cmde talo. Corta-se a planta pela base ou, o que é mais aconselhado, apenas asfolhas mais desenvolvidas, assim, a produção será maior e mais prolongada.
  13. 13. CebolinhoCebolinhoAllium schoenoprasum - O Cebolinho possui folhas muito finas, altas, verdes ecilíndricas. É um membro da família da cebola, com o sabor evidente, mas muitomais disfarçado da cebola. As folhas amarelas nas plantas podem aparecer devidoà falta de luz, ou somente de causa natural - a folha interna pode receber uma ouduas folhas amarelas. É uma planta que apresenta um crescimento muito vertical.Nomes populares: Cebolinha, Cebolinho, Cebolinha miúda, Cebolinha galega.Origem:Cultivado em hortas e plantações na Europa e na Ásia.É uma planta bolbosa cujas folhas verdes e flores azuladas esféricas têm um saborpicante a alho-porro e são ricas em vitaminas A e C. Delicioso em saladas etemperos, sabe bem ter o cebolinho à mão de semear e de colher.
  14. 14. PROPRIEDADESEspécie muito polimórfica que cresce em tufos compactos e pode atingir os 30 cmde altura. A Cebolinha possui folhas muito finas, cilíndricas, semelhantes às dascebolas e forma pequenos bolbos. O cebolinho tem várias flores que estãoagrupadas numa cabeça globular ou umbela. A cor vai desde o rosa até aopúrpura. O fruto é uma cápsula, com sementes de cor preta, muito parecidas comas da cebola. O Cebolinho prefere sol ou sombra parcial é resistente ao frio, a temperaturaótima para a produção varia entre os 17Cº e os 25Cº.A Rega é regular, pois é essencial para manter as folhas do Cebolinho verdes.O Cebolinho multiplica-se por semente e por divisão de tufos. Para multiplicar ocebolinho, cada três anos, no princípio da Primavera ou em meados do Outono,devemos levantar e dividir os tufos dos anos anteriores e voltar a plantá-los a umadistância de 20 cm um dos outros. Flores do cebolinho
  15. 15. Colheita e conservaçãoCortar as folhas sempre que necessário a 5 cm do solo. Nas zonas frias podem sercolhidas até a altura das primeiras geadas, já que nessa época a planta entra emdormência só voltando a brotar na em Fevereiro, Março.Os cebolinhos podem ser secos no forno e guardados em recipientes fechados. Asfolhas podem ser picadas e congeladas ou serem guardadas no frigorífico emrecipientes herméticos
  16. 16. AdministraçãoAplicações medicinais:Partes utilizadas: bolbo, flores, folhas.Propriedades: anti-helmíntica, digestiva, diurética, hipotensora.Receitas medicinais: Tisana digestiva – deitam-se 10 grs. de cebolinho em ½chávena de água a ferver e filtra-se o líquido. A dose adequada é de uma chávenadepois das refeições. Uso caseiro: A planta do cebolinho é utilizada para elaborar produtos para repeliros pulgões, míldio, pragas e fungos que impedem o desenvolvimento normal dasculturas. Pode-se preparar uma infusão com as folhas para expulsar estes fungos epragas.
  17. 17. Funcho O funcho é crocante e ligeiramente doce, adicionando uma contribuição refrescante e popular na cozinha mediterrânica. Na maioria das vezes associada à cozinha italiana, não se esqueça de adicionar este à seleção de legumes frescos do Outono até ao início da Primavera, quando se encontra prontamente disponível e no seu melhor.É composto de um verde pálido ou lâmpada branca sobreposta, com caulesarranjados. As hastes são cobertas com penas de folhas verdes perto da qual as florescrescem e produzem sementes de funcho. O bolbo, caule, folhas e sementes sãocomestíveis. A erva-doce pertence à família Umbelífera e, portanto, intimamenterelacionada com a salsa, cenoura, endro e coentro. O nome cientifico do funcho é Foeniculum vulgare.
  18. 18. Propriedades do funchoO funcho é nativo da bacia do Mediterrâneo, com variedades na Macaronésia e no MédioOriente, onde ocorre no estado silvestre, mas é hoje cultivado, sob diversas formasvarietais, em todas as regiões temperadas e subtropicais.O funcho é uma planta herbácea perene, de caules eretos múltiplos, com até dois metros dealtura (mas em geral com menos de 80 centímetros), de cor verde intenso, por vezes glauco,tornando-se azulada quando em locais expostos à secura e a intensa radiação solar.A raiz é rizomatosa, esbranquiçada e muito suculenta, armazenado grande quantidade deágua. As folhas são longas (até 40 cm) e delgadas, finamente dissecadas, terminandoem segmentos filiformes a aciculares (com cerca de 0,5 mm de diâmetro), muitoflexíveis, mas que, quando expostos à secura, endurecem exteriormente paraevitar a perda de água.O fruto é uma semente seca, fortemente aromática, ovoide, de 4 a 9 mm decomprimento e 2 a 4 mm de largura, achatada e com entalhes longitudinaissimétricos em ambos os lados. Sementes de funcho
  19. 19. Benefícios para a Saúde Funcho é fonte de vitamina C O funcho é uma excelente fonte de vitamina C. É também uma ótima fibra, possui potássio, manganês, ácido fólico e molibdênio. Além disso, a erva-doce é uma boa fonte de nicena, assim como de fósforo, minerais, cálcio, magnésio, ferro e cobre. Além dos seus fitonutrientes, o bolbo de erva-doce é uma excelente fonte de vitamina C, a principal massa de água solúvel antioxidante capaz de neutralizar os radicais livres em todos os ambientes aquosos do corpo. Se não forem controlados, esses radicais livres causam danos celulares que resultam na dor e deterioração das articulações, o que ocorre em condições como a osteoartrite e a artrite reumatoide. A vitamina C encontrada no bolbo de erva-doce é diretamente antimicrobiana e também necessária para o bom funcionamento do sistema imunológico.Como uma boa fonte da fibra, o bolbo de erva-doce pode ajudar a reduzir osníveis de colesterol elevados. E uma vez que a fibra também remove toxinaspotencialmente cancerígenas do cólon, o bolbo de erva-doce também pode serútil na prevenção do câncer de cólon.
  20. 20. Variedades e curiosidadesPelas suas características aromáticas e pelos usos medicinais do anetol, o funchotem sido utilizado desde a antiguidade, sendo já cultivado no Antigo Egipto.Na Grécia Antiga era designado por μάραθον (marathon), estando na origem donome Maratona (que afinal, em português seria Funchal), o local da mítica batalhade Maratona travada em 490 a.C. entre gregos e persas. A mitologia grega diz quePrometeu usou um talo de funcho para roubar fogo dos deuses.Uma variedade de funcho, originária da Macaronésia e designada por F. vulgareazoricum (Mill.) Thel., caracterizada por caules mais suculentos e doces e menorconcentração de óleos essenciais, o que os torna facilmente comestível em fresco,é hoje comercializada com a designação varietal de Florence. Esta forma da plantaé espontânea nos Açores e na Madeira. A sua abundância está na origem do nomeda cidade do Funchal.
  21. 21. Pimenta MalaguetaCapsicum L. é o género de plantas, cujos frutos mais conhecidos são as variedadesdoces – pimentos ou pimentões – e as variedades picantes – as pimentas, tambémchamadas piripiri (em Portugal e Moçambique), Gindungo e Kaombo (Angola) oumalaguetas, mas com inúmeras espécies e cultivares conhecidos por vários outrosnomes. São plantas da família Solanaceae, à qual pertencem também o tomate e abatata.Estas pimentas não têm qualquer relação botânica com a Pimenta preta (tambémchamada pimenta do reino, pimenta redonda ou pimenta em grão), Piper nigrum.As pimentas podem ser utilizadas para fins medicinais e culinários sob a forma deespeciaria ou em molhos, enquanto que os pimentos são geralmente usados comohortaliça ou vegetal.
  22. 22. VariedadesOs frutos são bagas cónicas ou subesféricas em que o espaço entre o mesocarpo e oendocarpo está cheio de ar. O interior apresenta 2 a 4 nervuras verticais onde seseguram as sementes, embora a maioria delas esteja presa do lado do pedúnculo. Acor destes frutos apresenta igualmente uma enorme variedade, desde o verde(geralmente o fruto imaturo ao amarelo, laranja, vermelho, roxo ou castanho.Várias espécies de Capsicum são cultivadas e cada uma tem vários cultivares emétodos de preparação que lhes conferem diferentes aspetos, nomes e características.A espécie C. annuum produz os pimentos ou pimentões, a paprika (também, por vezes,chamada colorau) e várias variedades de pimentas mexicanas, como o poblano, ojalapeño, o Anaheim, o New Mexico e o Serrano. A espécie C. frutescens produzpimentas conhecidas pelos nomes de caiena, tabasco, arbol, aji e pequin, enquantoque a C. chinense produz alguns dos chilis mais picantes, como os habaneros. A espécieC. pubescens produz o rocoto sul-americano e C. baccatum o chiltepin.
  23. 23. O PicanteAs substâncias que dão às pimentas o sabor picante são o alcalóide lipófilocapsicina ou capsaicina (8-metil-N-vanilil-6-nonenamida) e mais quatro outroscompostos relacionados, coletivamente chamados capsaicinóides. Cada umadestes compostos tem um efeito diferente na boca e as suas diferentes proporçõessão responsáveis pelas diferentes sensações produzidas pelas diferentesvariedades.O picante é medido na escala de Scoville: o pimento verde tem um valor de zerounidades Scoville, os jalapeños, 3000–6000 e os habaneros até 300 000 unidades.O recorde de picante em unidades Scoville foi registrado no Livro Guinness deRecordes para um piripiri da Índia, chamado Naga Jolokia ou Naga Morich(pimenta-veneno), que teria 855 000 unidades Scoville.É na extremidade do fruto próxima ao pedúnculo que são produzidas assubstâncias que dão o sabor picante, por isso, quando se removem as sementes eas membranas onde elas se prendem, pode reduzir-se muito o picante(dependendo também do grau de maturação do fruto).
  24. 24. Pimentas na CulináriaOs pimentos podem ser comidos crus, normalmente em salada, mas também podemser cozinhados, por exemplo em caldeiradas ou outros guisados e também sãoótimos recheados.A culinária asiática está frequentemente associada as pimentas, embora a plantafosse desconhecida na Ásia até o início da colonização europeia. Nas Américas, ascomidas apimentadas estão associadas principalmente a culinária mexicana e donordeste do Brasil.
  25. 25. Pimentas ornamentaisAs plantas de pimenta são também usadas como ornamentais em jardins e dentrode casa. Existem atualmente variedades, distribuídas por lojas especializadas emplantas ornamentais, em que a cor, forma, quantidade e duração dos frutos éselecionada para as tornar mais atrativas.

×