Laboratório de Comunicação Popular - Aula 4

730 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
730
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
111
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Laboratório de Comunicação Popular - Aula 4

  1. 1. O textojornalístico
  2. 2. Matéria / ArtigoMatéria ou reportagem: É um texto jornalísticocom um fato de interesse público transformado emuma narrativa que apresenta em seu conteúdoeventos importantes do mesmo. Para sertransformado em matéria, o fato deve ser realmentede interesse geral e novo, e ter algumaspropriedades como credibilidade, precisão,consistência e clareza;Artigo: É um tipo de texto jornalístico que prioriza aopinião, mas pode também conter informações.Geralmente são de autoria de personalidades quenão são necessariamente funcionários do jornal,mas podem ser convidados para abordar com suavisão temas específicos do cotidiano.
  3. 3. Estrutura dotextojornalístico
  4. 4. Pirâmide invertidaÉ a forma de estrutura mais tradicional do texto noticioso.Caracteriza-se pelo agrupamento hierarquizado dasinformações básicas do fato. Existe uma ordem consagrada depirâmide invertida que é utilizada por praticamente todos osjornais no mundo:Título > Lide > Sub-lide > Corpo da matéria < / > IntertítulosLembrando que a organização de pirâmide invertida não relataos fatos de uma notícia em sua ordem cronológica, nem ainverte. Ela existe para priorizar as informações maisimportantes de um fato.
  5. 5. Título (parte 1)Tem como objetivo principal chamar a atenção do leitor.Na construção de uma reportagem, é a última etapa a serrealizada, pois resume de forma direta e em poucaspalavras o fato noticioso.Dependendo da publicação, o título pode ser livre, queoferece a possibilidade de ter menos caracteres, oucontado, que de acordo com a fonte utilizada e disposiçãona página tem um número padrão de toques (Ex: um títulode 20 toques pode ter no máximo dois caracteres a maisou a menos);Algumas publicações utilizam também subtítulos, quepode aprofundar resumidamente a matéria em uma ouduas linhas.
  6. 6. Exemplos de bons títulos:Título (parte 2)
  7. 7. Lide / lead (parte 1)É o primeiro parágrafo do texto noticioso. Ele sintetiza o fatotransformado em notícia, e contém a maioria das informaçõesrelevantes para o público.No lide são respondidas as principais perguntas sobre a notíciaproduzida:- Quem?: O sujeito ativo ou passivo do fato;- O que?: A ação executada ou sofrida pelo sujeito principal do fato;- Como?: O modo ou a forma como a ação foi executada ou sofrida;- Quando?: A circunstância ou o contexto temporal do fato;- Onde?: O local ou circunstância espacial da ação;- Por que?: O motivo que provocou ou desencadeou o fatoexecutado ou sofrido.
  8. 8. Existem vários tipos de lide que podem ser usados de acordo coma publicação e o impacto que o jornalista deseja provocar nopúblico-alvo:Lide simples: Se refere a apenas um fato principal;Lide composto: Abre a notícia anunciando vários fatos importantesque se interligam em uma grande matéria principal;Lide integral: Relaciona todas as informações objetivas sobre ofato, geralmente respondendo todas as principais perguntas sobreo mesmo (Quem? O que? Como? Quando? Onde? Por que?);Lide suspense ou dramático: Elaborado com o objetivo deprovocar emoções no público;Lide / lead (parte 2a)
  9. 9. Lide relâmpago: Anuncia o fato de uma forma extremamenteresumida, geralmente em uma ou duas frases no máximo;Lide citação: Anuncia o fato usando como recurso o discursodireto;Lide contraste: O fato é apresentado através de uma situaçãoantagônica;Lide documentário: Faz uma contextualização histórica do fato;Lide pessoal: Utiliza o fato para interagir diretamente com o leitor,geralmente por meio de uma pergunta retórica.Lide / lead (parte 2b)
  10. 10. Lide / lead (parte 3)Exemplo de um bom lide:
  11. 11. Sub-lideÉ uma invenção do jornalismobrasileiro, que tem como finalidadeaprofundar o lide e ligá-lo ao corpo damatéria. Ele equivale ao segundoparágrafo do texto e contéminformações acessórias quepossibilitam o desdobramento dofato.Geralmente o lide e o sub-lidecontém de três a cinco linhas cadaum, com média de 70 toques(caracteres).
  12. 12. Corpo da matériaÉ o desenvolvimento da notícia como umtodo, e o aprofundamento do lide e do sub-lide. No corpo da matéria podem serapresentados os elementos acessórioscomo dados, números, e a descrição dofato em seus pormenores.Quando o lide não consegue respondertodas as perguntas relacionadas à notícia,o corpo da matéria deve conter asrespostas para as perguntas “Como?” e“Por que?”, além de se possível oferecerdesdobramentos respondendo uma dasquestões que não aparece no lide: “Paraque?”.
  13. 13. IntertítuloÉ um título curto aplicado dentroda matéria, usado para destacardeterminado tema sem retirá-lo docorpo principal do texto. Nomáximo são utilizadas trêspalavras para redigir um intertítulo;Além de servir para recortar umtema acessório que mereça certodestaque, também é usado paradar movimento e leveza noprocesso de diagramação.
  14. 14. A linguagemjornalística
  15. 15. Características gerais (parte 1)• Tem como característica principal aobjetividade, utilizando muito mais alinguagem denotativa (quando a palavra éutilizada com seu sentido comum) do que aconotativa (Quando é utilizada com um sentidodiferente daquele que lhe é comum, porexemplo no sentido figurado ou metáforas);• Foca na informação como principal referencialno texto para atingir o público;• Busca o ideal de imparcialidade, evitandoexpressões que denunciem a opinião do autorda matéria;
  16. 16. Características gerais (parte 2)• Constrói uma narrativa, usando o modelosujeito – verbo – predicado (objetos,complementos e adjuntos adverbiais),utilizando-se sempre de verbos que exprimamação, e pode ser escrita tanto na voz ativaquanto na voz passiva, dependendo dodestaque que se queira dar a ação ou aopersonagem da matéria;• Sempre busca criar uma empatia com opúblico, na maioria das vezes projetando nopúblico os sentimentos envolvidos na notícia.
  17. 17. Como escrever um bom texto:regras básicas• Use frases curtas e simples, sem orações ouintercalações complexas (apostos, travessões eparênteses), sempre na ordem direta da língua (sujeito -verbo - complementos);• Evite locuções com mais de dois verbos (ex.: vinhadeixando de fazer);• Utilize palavras, expressões e variantes conhecidas naforma coloquial, mas que são aceitas no registro formalda língua portuguesa;• Evite repetições excessivas e ambiguidades, visandofacilitar a percepção e a memorização das informaçõesdo texto.
  18. 18. Critérios ecuidadosextras
  19. 19. Critérios e cuidados extras:geral (parte 1)PeriodicidadeÉ o período determinado em que o veículo jornalístico distribui ou veiculasua produção para o público-alvo.Toda a produção jornalística é norteada levando em consideração o tempoexistente entre suas edições para a elaboração de matérias.Dead-lineNo jornalismo, significa o prazo final para o fechamento de uma edição. Ojornalista deve estar com o material redigido, revisado e com todas asindicações de fotos, recursos artísticos, boxes e outros efeitos textuais nomomento determinado para este fechamento.O atraso na entrega do material prejudica a veiculação da matéria emRádio e TV, e a impressão e distribuição do jornal impresso.
  20. 20. Critérios e cuidados extras:geral (parte 2)FactualidadeDe acordo com a factualidade do assunto, a matéria jornalística pode serclassificada como “quente” ou “fria”:Matéria quente: Aquela que contém informações inéditas e que requerpublicação imediata.Matéria fria: Aquela que a maioria das informações são atemporais, e porconta disso não tem a necessidade de publicação imediata. Veja gaveta.Quando a matéria é “fria” e pode ser guardada, o termo usado para dizerque ela pode ser reaproveitada em um momento posterior é que ela está“engavetada”.
  21. 21. Critérios e cuidados extras:ImpressoLimite de espaçoExistem algumas medidas pré-determinadas de materiais impressos,principalmente jornais, que são utilizadas por quase todos os jornais dopaís, salvo raras exceções. As mais comuns são:• Standard:Altura: 540 mm / Largura: 297 mm / Número de colunas: 06;• Tablóide simples:Altura: 297 mm / Largura: 260 mm / Número de colunas: 05;• Tablóide americano:Altura: 350 mm / Largura: 260 mm / Número de colunas: 05;• Berliner (formato alemão):Altura: 400 mm / Largura: 260 mm / Número de colunas: 05.
  22. 22. Critérios e cuidados extras:texto para rádio (parte 1)FormataçãoPadrão: Fonte Arial Black, tamanho 14, espaçamento 1,5;Vírgula ( , ): Além da função gramatical, serve para criar uma pequenapausa para variação na entonação e rápida renovação do ar. Suamarcação no texto é representada por uma barra ( / );Deve-se tomar o cuidado de não colocar virgula demais no texto (criandomuitos obstáculos e dificultando uma locução natural) ou de menos(deixando o locutor sem fôlego para apresentar o texto);Ponto ( . ): Significa o final de uma unidade fônica e gramatical e servepara a renovação completa do ar. Sua marcação no texto é representadapor três barras ( /// ). Quando o texto é totalmente finalizado, ademarcação é representada por várias barras ( /////////////////////////////////// ).
  23. 23. Critérios e cuidados extras:texto para rádio (parte 2a)Outras especificaçõesNumerais Cardinais: Do número zero ( 0 ) até o número nove ( 9 ), onumeral é escrito por extenso. Após o número dez ( 10 ), ele é escrito daforma convencional. Sempre que um número for grande e quebrado, épossível aproximá-lo para um valor redondo usando um conectivo (ex.:2.978 > “cerca de três mil” / 8012 > “pouco mais de oito mil”);Numerais Ordinais, Romanos e Frações: Sempre são escritos porextenso (ex.: primeiro, décimo sexto, quinquagésimo oitavo, um terço, umquinze avos, etc);Símbolos ( R$, % ): Seguem a regra dos numerais cardinais, mas adenominação dos símbolos é sempre escrita por extenso (ex: oito porcento, 25 reais, 100 por cento, etc);
  24. 24. Critérios e cuidados extras:texto para rádio (parte 2b)Sinais de expressão ( ! / ? ): Podem ser usados para que o locutor dêênfase na sentença, mas este uso deve ter moderação (ex.: “Até quando?/// Até quando o buraco desta rua vai continuar aberto? /// É um absurdo!”);Nomes estrangeiros: Escrever da forma fonética aportuguesada maispróxima do que ele pode ser lido e compreendido (ex.: Hollywood >“Roliúde” / Google > “Gúgol”);Rimas, cacofonias e repetições de palavras: Evite-as, e no caso de tera necessidade de usar uma palavra por muitas vezes, procure sinônimosou expressões conhecidas que identifiquem com clareza a mesma (ex.:deputado = parlamentar = congressista).

×