SlideShare uma empresa Scribd logo

Tuberculose dots

Dessa Reis
Dessa Reis
Dessa Reisauxiliar de consultorio dentario em IABAS

Tuberculose dots

1 de 36
Tuberculose
Um mal antigo que tem cura...
Ela é transmitida e adquirida pelo
 ar que respiramos ( vias aéreas
           superiores ).
Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro


       Indicadores Epidemiológicos
 Total de casos em 2001                17.354
 Casos novos                           14.470
 Taxa de incidência em 2001     104 / 100.000 hab
 Mortalidade em 2001             6,7 / 100.000 hab
 Co – infecção HIV em 1998    1071 casos / 1600 est.
 Extrapulmonar sem anti                 68 %
HIV
 Abandono =                           25 %
                                           SES RJ
Como podemos reconhecer a doença?
      Observando estes sintomas:
UTosse crônica (o grande marcador da doença é a tosse durante mais de
21 dias = 3 semanas);
UFebre;   /   Suor noturno (que chega a molhar o lençol)
UDor no tórax (barriga);
UPerda de peso lenta e progressiva (emagrecimento);
UQuem tem tuberculose não sente fome, fica anoréxico (sem apetite) e com
adinamia (sem disposição para nada).
  Tuberculose            A pessoa que entra em contato pela primeira vez com o
  Pulmonar...           bacilo de Koch não tem, ainda, resistência natural, mas
                        adquire. Se o organismo não estiver debilitado, consegue
                        matar o microorganismo antes que este se instale como
                        doença. É, também, estabelecida a proteção contra futuras
                        infecções pelo bacilo.
                         A propagação da tuberculose está intimamente ligada às
                        condições de vida da população.
                        Sua prevalência é maior nas periferias das grandes cidades.
Nem todos adoecem...
           Infecção não é sinônimo de doença
V 10% das pessoas infectadas adoecem, metade durante os 2
   primeiros anos após a infecção e a outra metade ao longo da vida.
V O risco de progressão da infecção para a doença aumenta na
   presença de situações que debilitem o sistema imunológico da
   pessoa, como, por exemplo:
V Diabetes Mellitus (DM);
V Infecção pelo HIV;
V Tratamento prolongado com corticosteroídes;
V Terapia imunossupressora;
V Doenças renais crônicas, entre outras.
Quando infectada, a pessoa pode desenvolver tuberculose doença em
   qualquer fase da vida.
Isto acontece quando o sistema imune não pode mais manter os
   bacilos “sob controle” e eles se multiplicam rapidamente.
Desenvolvimento da Doença
                     Quando as gotículas inaladas, contendo os bacilos de
                     Koch atingem os alvéolos, a infecção pode se iniciar. Os
                     bacilos multiplicam-se nos alvéolos e um pequeno número
                     entra na circulação sangüínea disseminando-se por todo o
                     corpo. Dentro de 2 a 10 semanas, no entanto, o sistema
                     imune usualmente intervém, impedindo que os bacilos
                     continuem a se multiplicar e prevenindo disseminação
                     posterior
                                               Órgãos mais acometidos pela doença
 Grupos de risco com maior probabilidade de
 apresentar tuberculose:
0Os sintomáticos respiratórios;
0Contatos de casos de tuberculose;
0Residentes em comunidades fechadas;
0Etilistas, usuários de drogas e mendigos
0Imunodeprimidos
0Profissionais da área de Saúde em situações
especiais.
0Suspeitos radiológicos

Recomendados

Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseITPAC PORTO
 
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida PintoTuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida PintoAMLDRP
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
TuberculoseTAS2214
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarlukeni2015
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Flávia Salame
 
tuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formastuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formasdouglas870578
 
Agente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúdeAgente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúdeSheilla Sandes
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaMario Gandra
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOIsmael Costa
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarErick Bragato
 
Guia de vigilância epidemiológica
Guia de vigilância epidemiológicaGuia de vigilância epidemiológica
Guia de vigilância epidemiológicaRodrigo Abreu
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresJonathan Sampaio
 
Tubercolose
TubercoloseTubercolose
Tubercolose135nanny
 

Mais procurados (20)

Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
tuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formastuberculose - princípios e formas
tuberculose - princípios e formas
 
Agente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúdeAgente comunitário de saúde
Agente comunitário de saúde
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Imunização
ImunizaçãoImunização
Imunização
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Guia de vigilância epidemiológica
Guia de vigilância epidemiológicaGuia de vigilância epidemiológica
Guia de vigilância epidemiológica
 
Principais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalaresPrincipais infecçoes hospitalares
Principais infecçoes hospitalares
 
Tubercolose
TubercoloseTubercolose
Tubercolose
 

Destaque

Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsDessa Reis
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsCms Nunes
 
Folheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaFolheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaDessa Reis
 
Tratamento da tuberculose
Tratamento da tuberculoseTratamento da tuberculose
Tratamento da tuberculoseEdienny Viana
 
DOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la Tuberculosis
DOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la TuberculosisDOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la Tuberculosis
DOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la Tuberculosisscaneando
 
Saúde - UFRJ-2013 lei 8112
Saúde - UFRJ-2013 lei 8112Saúde - UFRJ-2013 lei 8112
Saúde - UFRJ-2013 lei 8112Ismael Costa
 
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos ContatosTuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos ContatosFlávia Salame
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemLuciane Santana
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...Jonathan Sampaio
 

Destaque (18)

Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
 
Tuberculose
Tuberculose Tuberculose
Tuberculose
 
Co infecção tuberculose hiv
Co infecção tuberculose hivCo infecção tuberculose hiv
Co infecção tuberculose hiv
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Folheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaFolheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescencia
 
Tratamento da tuberculose
Tratamento da tuberculoseTratamento da tuberculose
Tratamento da tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
DOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la Tuberculosis
DOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la TuberculosisDOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la Tuberculosis
DOTS/TAES COMUNITARIO. Una estrategia de atención para la Tuberculosis
 
Saúde - UFRJ-2013 lei 8112
Saúde - UFRJ-2013 lei 8112Saúde - UFRJ-2013 lei 8112
Saúde - UFRJ-2013 lei 8112
 
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos ContatosTuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
Tuberculose - Aula 02 - Tratamento e Controle dos Contatos
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
 
Avaliação do Idoso
Avaliação do IdosoAvaliação do Idoso
Avaliação do Idoso
 
Saude bucal1.ppt odonto soc
Saude bucal1.ppt odonto socSaude bucal1.ppt odonto soc
Saude bucal1.ppt odonto soc
 
Slide bacterias
Slide bacteriasSlide bacterias
Slide bacterias
 
Guia para apresentação de uma Tese
Guia para apresentação de uma TeseGuia para apresentação de uma Tese
Guia para apresentação de uma Tese
 

Semelhante a Tuberculose dots

Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisJosy Farias
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011cipasap
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdCatiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdCatiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdCatiaprof
 
Tuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfTuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfesd1assaoka
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesRenato Varges - UFF
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5Inês Santos
 
2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.pptGeniViana
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhIsmael Costa
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geralescola
 
Nati e geêh
Nati e geêhNati e geêh
Nati e geêhCatiaprof
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioIsmael Costa
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
TuberculoseNanewww
 

Semelhante a Tuberculose dots (20)

Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
 
Kaio
KaioKaio
Kaio
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfTuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdf
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
 
2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Nati e geêh
Nati e geêhNati e geêh
Nati e geêh
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 

Mais de Dessa Reis

2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdfDessa Reis
 
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdfDessa Reis
 
slider para grupo de tabagismo
slider para grupo de tabagismoslider para grupo de tabagismo
slider para grupo de tabagismoDessa Reis
 
Resnha filme sicko
Resnha filme sickoResnha filme sicko
Resnha filme sickoDessa Reis
 
Folheto Saúde da Criança
Folheto Saúde da CriançaFolheto Saúde da Criança
Folheto Saúde da CriançaDessa Reis
 
Folheto Gestantes
Folheto GestantesFolheto Gestantes
Folheto GestantesDessa Reis
 
Balas frenéticas
Balas frenéticasBalas frenéticas
Balas frenéticasDessa Reis
 
Controle do diabetes
Controle do diabetes Controle do diabetes
Controle do diabetes Dessa Reis
 
1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolasDessa Reis
 
3 lista de comparecimento teatro de fantoche
3   lista de comparecimento teatro de fantoche3   lista de comparecimento teatro de fantoche
3 lista de comparecimento teatro de fantocheDessa Reis
 
Cms raul barroso
Cms raul barrosoCms raul barroso
Cms raul barrosoDessa Reis
 
Diabetes x saude bucal
Diabetes x saude bucalDiabetes x saude bucal
Diabetes x saude bucalDessa Reis
 
Grupo de amamentação
Grupo de amamentação Grupo de amamentação
Grupo de amamentação Dessa Reis
 
Piercing Por que não usar
Piercing Por que não usarPiercing Por que não usar
Piercing Por que não usarDessa Reis
 
Seminário dorothea elizabeth orem
Seminário dorothea elizabeth oremSeminário dorothea elizabeth orem
Seminário dorothea elizabeth oremDessa Reis
 
Seminário distanásia
Seminário distanásiaSeminário distanásia
Seminário distanásiaDessa Reis
 
Visita técnica no CMS APN
Visita técnica no CMS APNVisita técnica no CMS APN
Visita técnica no CMS APNDessa Reis
 
Relatório final praticas assistenciais
Relatório final praticas assistenciais Relatório final praticas assistenciais
Relatório final praticas assistenciais Dessa Reis
 
Tipos de cobertura
Tipos de coberturaTipos de cobertura
Tipos de coberturaDessa Reis
 

Mais de Dessa Reis (20)

2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
2ª Edição Jornal Vilar Carioca.pdf
 
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
1ª Edição do Jornal do Vilar Carioca.pdf
 
slider para grupo de tabagismo
slider para grupo de tabagismoslider para grupo de tabagismo
slider para grupo de tabagismo
 
Resnha filme sicko
Resnha filme sickoResnha filme sicko
Resnha filme sicko
 
Folheto Saúde da Criança
Folheto Saúde da CriançaFolheto Saúde da Criança
Folheto Saúde da Criança
 
Folheto Gestantes
Folheto GestantesFolheto Gestantes
Folheto Gestantes
 
Balas frenéticas
Balas frenéticasBalas frenéticas
Balas frenéticas
 
Controle do diabetes
Controle do diabetes Controle do diabetes
Controle do diabetes
 
1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas1   diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
1 diagnostico das condições de promoção de saude das escolas
 
3 lista de comparecimento teatro de fantoche
3   lista de comparecimento teatro de fantoche3   lista de comparecimento teatro de fantoche
3 lista de comparecimento teatro de fantoche
 
Cms raul barroso
Cms raul barrosoCms raul barroso
Cms raul barroso
 
Diabetes x saude bucal
Diabetes x saude bucalDiabetes x saude bucal
Diabetes x saude bucal
 
Grupo de amamentação
Grupo de amamentação Grupo de amamentação
Grupo de amamentação
 
Piercing Por que não usar
Piercing Por que não usarPiercing Por que não usar
Piercing Por que não usar
 
Seminário dorothea elizabeth orem
Seminário dorothea elizabeth oremSeminário dorothea elizabeth orem
Seminário dorothea elizabeth orem
 
Seminário distanásia
Seminário distanásiaSeminário distanásia
Seminário distanásia
 
Visita técnica no CMS APN
Visita técnica no CMS APNVisita técnica no CMS APN
Visita técnica no CMS APN
 
Relatório final praticas assistenciais
Relatório final praticas assistenciais Relatório final praticas assistenciais
Relatório final praticas assistenciais
 
Semiologia a1
Semiologia a1Semiologia a1
Semiologia a1
 
Tipos de cobertura
Tipos de coberturaTipos de cobertura
Tipos de cobertura
 

Tuberculose dots

  • 1. Tuberculose Um mal antigo que tem cura...
  • 2. Ela é transmitida e adquirida pelo ar que respiramos ( vias aéreas superiores ).
  • 3. Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Indicadores Epidemiológicos  Total de casos em 2001 17.354  Casos novos 14.470  Taxa de incidência em 2001 104 / 100.000 hab  Mortalidade em 2001 6,7 / 100.000 hab  Co – infecção HIV em 1998 1071 casos / 1600 est.  Extrapulmonar sem anti 68 % HIV  Abandono = 25 % SES RJ
  • 4. Como podemos reconhecer a doença? Observando estes sintomas: UTosse crônica (o grande marcador da doença é a tosse durante mais de 21 dias = 3 semanas); UFebre; / Suor noturno (que chega a molhar o lençol) UDor no tórax (barriga); UPerda de peso lenta e progressiva (emagrecimento); UQuem tem tuberculose não sente fome, fica anoréxico (sem apetite) e com adinamia (sem disposição para nada). Tuberculose A pessoa que entra em contato pela primeira vez com o Pulmonar... bacilo de Koch não tem, ainda, resistência natural, mas adquire. Se o organismo não estiver debilitado, consegue matar o microorganismo antes que este se instale como doença. É, também, estabelecida a proteção contra futuras infecções pelo bacilo. A propagação da tuberculose está intimamente ligada às condições de vida da população. Sua prevalência é maior nas periferias das grandes cidades.
  • 5. Nem todos adoecem... Infecção não é sinônimo de doença V 10% das pessoas infectadas adoecem, metade durante os 2 primeiros anos após a infecção e a outra metade ao longo da vida. V O risco de progressão da infecção para a doença aumenta na presença de situações que debilitem o sistema imunológico da pessoa, como, por exemplo: V Diabetes Mellitus (DM); V Infecção pelo HIV; V Tratamento prolongado com corticosteroídes; V Terapia imunossupressora; V Doenças renais crônicas, entre outras. Quando infectada, a pessoa pode desenvolver tuberculose doença em qualquer fase da vida. Isto acontece quando o sistema imune não pode mais manter os bacilos “sob controle” e eles se multiplicam rapidamente.
  • 6. Desenvolvimento da Doença Quando as gotículas inaladas, contendo os bacilos de Koch atingem os alvéolos, a infecção pode se iniciar. Os bacilos multiplicam-se nos alvéolos e um pequeno número entra na circulação sangüínea disseminando-se por todo o corpo. Dentro de 2 a 10 semanas, no entanto, o sistema imune usualmente intervém, impedindo que os bacilos continuem a se multiplicar e prevenindo disseminação posterior Órgãos mais acometidos pela doença Grupos de risco com maior probabilidade de apresentar tuberculose: 0Os sintomáticos respiratórios; 0Contatos de casos de tuberculose; 0Residentes em comunidades fechadas; 0Etilistas, usuários de drogas e mendigos 0Imunodeprimidos 0Profissionais da área de Saúde em situações especiais. 0Suspeitos radiológicos
  • 7. Transmissão da Tuberculose 1 º passo 2 º passo 3 º passo Apesar de A disseminação Os bacilos de também atingir acontece pelo ar. O tuberculose vários órgãos espirro de uma jogados no ar do corpo, a pessoa infectada permanecem em doença só é joga no ar cerca de suspensão transmitida 2 milhões de durante horas. por quem bacilos. Pela tosse, Quem respira estiver cerca de 3,5 mil em um ambiente infectado com partículas são por onde passou o bacilo nos liberadas. um tuberculoso pulmões. pode se infectar.
  • 8. Tuberculose Primária ... Granuloma tuberculoso (reação do organismo em deter o bacilo quando a imunidade está normal) Após um período de 15 dias, os bacilos passam a se multiplicar facilmente nos pulmões, pois ainda não há proteção natural do organismo contra a doença. Se o sistema de defesa não conseguir “segurar” o bacilo, instala-se a tuberculose primária, caracterizada por pequenas lesões (nódulos) nos pulmões. Como o bacilo de koch se reproduz e desenvolve rapidamente em áreas do corpo com muito oxigênio, o pulmão é o principal órgão atingido pela tuberculose. Diagnóstico O diagnóstico da tuberculose deverá ser fundamentado nos seguintes métodos: exame específico ( baciloscopia e cultura); radiografia e prova tuberculínica entre outros mais especializados.
  • 9. Exames Específicos I Baciloscopia (BAAR): Exame feito diretamente do escarro, é o método prioritário, porque permite descobrir a fonte de infecção, que é o doente bacilífero. Por ser um método simples e seguro, deve ser praticado em todos os serviços de saúde que disponham de laboratório. A baciloscopia direta deverá ser indicada para todos os sintomáticos respiratórios ( indivíduos com tosse e expectoração por 4 semanas ou mais). Também é utilizada para acompanhar mensalmente a evolução bacteriológica do cliente durante o tratamento. Recomenda-se para diagnóstico, a coleta de 2 amostras, sendo a 1 ª colhida no ato da consulta e outra no dia seguinte em jejum logo pela manhã. Cultura do bacilo : É indicado para suspeitos de tuberculose pulmonar persistentemente negativo ao exame direto, e para diagnósticos das formas extrapulmonares, como a meníngea, renal, pleural e ganglionar. Também está indicada para a suspeita de resistência bacteriana às drogas, deve ser acompanhadade teste de sensibilidade. Nos casos de outras microbactérias que não da tuberculose, além da cultura, deverá ser feita a tipificação do bacilo.
  • 10. Raio X Radiografia de tórax Está indicado nas seguintes situações: Sintomáticos respiratórios negativos à baciloscopia direta, Comunicantes ( contatos ) de todas as idades sem sintomatologia respiratória, Suspeitos de tuberculose extrapulmonar e Portadores de HIV ou clientes com AIDS Vantagens do Raio X O exame radiológico desses grupos, permite a seleção de portadores de imagens suspeitas de tuberculose, sendo indispensável o exame bacteriológico para diagnóstico correto. Tem importante papel na diferenciação das formas de tuberculose de apresentação atípica e no diagnóstico de outras pneumopatias entre os pacientes com AIDS. A abreugrafia indiscriminada em pessoas aparentemente sadias, não está indicada por ter baixo rendimento, inclusive por expor a população à radiação desnecessária.
  • 11. Prova Tuberculínica - tabela É indicada como método auxiliar no diagnóstico da TB em pessoas não vacinadas com a BCG. A prova tuberculínica positiva isoladamente, indica apenas a infecção e não necessariamente a instalação da doença. A prova tuberculínica mais usada no Brasil é a vacina PPD-Rt23 que deve ser administrada intradérmica na dose de 0,1 ml na parte anterior do ante-braço esquerdo e a avaliação em milímetros ( leitura após 72 hs ) deve seguir a tabela abaixo: ⇒0-4 mm = não reator ( infectados ou analérgicos ) ⇒5-9 mm = reator fraco ( infectados pelo BK, por microbactérias atípicas ou vacinados com BCG, ⇒10 mm ou mais = reator forte ( infectados pelo BK, doentes ou não, ou vacinados recentemente com BCG. ⇒Todos os indivíduos infectados pelo HIV devem ser submetidos à prova tuberculínica, nesses casos, considera-se reator aquele que apresentar enduração maior ou igual a 5 mm e , não reator os que apresentarem enduração inferior a 4 mm.
  • 12. Investigação de casos ... Investigação e acompanhamento dos contatos Vacinação com BCG (nos primeiros 30 dias de vida) Teste PPD QUIMIOPROFILAXIA Quanto maior o número de Unidades Básicas de Saúde (UBS) e de equipes do PSF desenvolvendo as ações de controle da tuberculose: maior abrangência da procura de sintomáticos respiratórios mais rápido o início do tratamento mais adequada a supervisão direta do tratamento maior a garantia de cura do doente mais rápida e eficaz a interrupção da transmissão da doença. Os casos positivos devem ser NOTIFICADOS com a ficha do SINAN a Vigilância Epidemiológica do município e encaminhado a Secretaria Estadual de Saúde.
  • 13. Prevenção As equipes do PSF, os agentes comunitários de saúde e os profissionais de saúde da vigilância epidemiológica devem mobilizar a comunidade para identificar os “tossidores crônicos” em: Y Famílias Y Clubes e associações Y Igrejas Y Comunidades fechadas (presídios, manicômios, asilos, etc.) Encaminhá-los para fazer exame de escarro (BAAR) ou colher em local arejado. Casos para encaminhar para unidade de saúde Antecedentes, ou evidências clínicas, de hepatopatia aguda (hepatite) ou crônica (cirrose, hepatopatia alcoólica). O paciente é doente de AIDS ou soro positivo para o HIV. Antecedentes ou evidências clínicas de nefropatias (insuficiência renal crônica, pacientes em regime de diálise).
  • 14. Avaliação dos Contatos Domiciliares de Casos de Tuberculose Pulmonar Baciloscopia Positiva (Adultos) A d u lt o A s s in t o m á t ic o ( I) S in t o m á t ic o O r ie n t a ç ã o E x a m e d e E s c a rro P o s it iv o N e g a t iv o T ra ta m e n to O r ie n t a ç ã o
  • 15. Avaliação dos Contatos Domiciliares de Casos de Tuberculose Pulmonar Baciloscopia Positiva (Crianças) C r ia n ç a s a té 1 5 a n o s N ã o v a c in a d a s V a c in a d a s PPD A s s in t o m á t ic o S in t o m á t ic o ( II) N ã o R e a to r R e a to r O r ie n ta ç ã o R X d e T ó ra x BCG R X d e T ó ra x S u g e s t iv o d e T b + N o rm a l S in t o m a s C lín ic o s S u g e s t iv o d e T b + N o rm a l e s e m S in t o m a s C lín ic o s S in t o m a s C lín ic o s T ra ta m e n to O r ie n t a ç ã o M e d ic a ç ã o S in t o m á t ic a A c o m p a n h a m e n to T ra ta m e n to Q u im io p r o f ila x ia
  • 16. Quimioprofilaxia uma ação preventiva A quimioprofilaxia deve ser administrada a pessoas infectadas pelo M. tuberculosis, com a isoniazida na dosagem de 10 mg/kg de peso, com total máximo de 300 mg diariamente, durante seis meses. Existe consenso de que a quimioprofilaxia deve ser dirigida aos grupos de alto risco de tuberculose, entre estes, especialmente os co-infectados pelo HIV e pelo M. tuberculosis. Indicações da quimiprofilaxia EM CRIANÇAS Recém-nascidos co-habitantes de foco tuberculoso ativo. A isoniazida é administrada por três meses e, após esse período, faz-se a prova tuberculinica. Se a criança for reatora, a quimioprofilaxia deve ser mantida por mais três meses; senão, interrompe-se o uso da isoniazida e vacina-se com BCG. Crianças menores de 15 anos, sem sinais compatíveis com tuberculose ativa, contato de tuberculoses bacilíferos, não vacinadas com BCG e reatores à tuberculina de 10 e mais mm; crianças vacinadas com BCG, mas com resposta à tuberculina igual ou superior a 15 mm.
  • 17. Quimioprofilaxia preventiva em adultos Indicações da quimiprofilaxia EM ADULTOS Indivíduos com viragem tuberculínica recente (até doze meses), isto é, que tiveram um aumento na resposta tuberculínica de, no mínimo, 10 mm. População indígena. Neste grupo, a quimioprofilaxia está indicada em todo o contato de tuberculose bacilífero, reator forte ao PPD, independente da idade e do estado vacinal, após avaliação clínica e afastada a possibilidade de tuberculose-doença, através de baciloscopia e do exame radiológico. lmunodeprimidos por uso de drogas ou por doenças imunodepressoras e contatos intra- domiciliares de tuberculosos, sob criteriosa decisão médica. Indicações da quimioprofilaxia Reatores fortes à tuberculina, sem sinais de tuberculose ativa, mas com condições clínicas associadas a alto risco de desenvolvê-la, como: Alcoolismo. Diabetes Melitus insulinodependente. Silicose e Nefropatias graves . Sarcoidose e Linfomas. Pacientes com uso prolongado de corticoesteróides em dose de imunodepressão. Pacientes submetidos à quimioterapia antineoplásica. PPortadores de imagens radiográficas compatível com tuberculose inativa sem história de quimioterapia prévia.
  • 18. Quimioprofilaxia em HIV + Indivíduos sem sinais e sintomas sugestivos de tuberculose. A . Com radiografia de tórax normal e : 1) Reação ao PPD maior ou igual a 5 mm, 2) Contatos intra-domiciliares ou institucionais de tuberculose Indicações bacilífera, ou 3) PPD não reator com enduração entre 0-4 mm com registro documental de ter sido reator ao teste tuberculínico e não ter sido submetido à tratamento ou quimioprofilaxia anteriormente. B . com radiografia de tórax normal: presença de cicatriz radiológica de TB, sem tratamento anterior ( afastada a possibilidade de TB doença) através de exame de escarro e radiografias anteriores, independentemente do resultado do teste tuberculínico (PPD). Esquema Isoniazida VO, 5-10 mg/kg/dia (dose máxima de 300 mg/dia por 6 meses consecutivos.
  • 19. Tratamento - Indicação dos esquemas O Tratamento deve ser feito preferencialmente nas unidades de saúde e é uma doença que exige notificação compulsória. O tratamento básico é feito com 3 drogas por um período de 6 meses utilizando esquemas do Ministério da Saúde de acordo com a necessidade do cliente, não havendo diferença entre gestantes, adultos e crianças . O tratamento O esquema I pode ser usado, sem problemas, pelas gestantes em qualquer período da gestação e em dose plena. As gestantes com indicação de retratamento podem usar o esquema IR. O esquema III deve ser realizado em unidades mais complexas. Sempre que possível, deve-se realizar o teste de sensibilidade às drogas no início do tratamento para definir claramente a possibilidade de sucesso deste esquema ou sua modificação. Casos de falência do esquema III devem ser considerados como portadores de tuberculose multirresistente (TBMR) e encaminhados para unidades de referência capacitadas para o acompanhamento deste tipo de pacientes.
  • 20. Tuberculose em crianças e adolescentes As manifestações clínicas sugestivas de tuberculose na criança e adolescente podem ser variadas: Febre moderada, freqüentemente vespertina, por mais de 15 dias, irritabilidade, tosse, perda de peso e sudorese noturna; pneumonia de evolução lenta sem melhora com o uso de antibióticos; Linfadenopatia cervical ou axilar, após excluir adenite infecciosa aguda com evidentes sinais flogísticos. Os casos suspeitos de tuberculose em crianças e adolescentes devem ser encaminhados para a unidade de referência para investigação e confirmação do diagnóstico. Após definição do diagnóstico e estabelecido o tratamento a criança deverá voltar para acompanhamento e tratamento na UBS. Em crianças menores de 5 anos, que apresentem dificuldade para ingerir os comprimidos, recomenda-se o uso das drogas em forma de xarope ou suspensão.
  • 21. Esquema I ( Básico ) Dose (mg/kg/dia) por Peso (kg) Fases do Drogas Até 20 kg Entre 20 e Entre 35e Mais de 45 kg Tratamento 35 kg 45 kg 1a fase R 10 300 450 600 H 10 200 300 400 (2 meses) Z 35 1000 1500 2000 2a fase R 10 300 450 600 (4 meses) H 10 200 300 400 R = Rifampicina H = Isoniazida Z = Pirazimida
  • 22. Esquema IR (para abandono ou falência do esquema I) Dose (mg/kg/dia) por Peso (kg) Fases do Drogas Até 20 kg Entre 20 e Entre 35 e Mais de 45 kg Tratamento 35 kg 45 kg 1a fase R 10 300 450 600 H 10 200 300 400 (2 meses) Z 35 1000 1500 2000 E 25 600 800 1200 2a fase R 10 300 450 600 (4 meses) H 10 200 300 400 E 25 600 800 1200 R = Rifampicina H = Isoniazida Z = Pirazimida E = Etambutol
  • 23. Esquema III (reforçado - para falência dos esquemas I / IR e multiresistentes) por Peso (kg) Dose (mg/kg/dia) Fases do Drogas Até 20 kg Entre 20 e Entre 35 e Mais de 45 kg Tratamento 35 kg 45 kg 1a fase S 20 500 1000 1000 Z 35 1000 1500 2000 (3 meses) E 25 600 800 1200 Et 12 250 500 750 2a fase E 25 600 800 1200 (9 meses) Et 12 250 500 750 S = Estreptomicina injetável Z = Pirazimida E = Etambutol Et = Etionamida
  • 24. Tratamento I Como pudemos observar, o tratamento mais rápido e menos agressivo é o Esquema I composto por 3 medicamentos e no prazo de 6 meses para se alcançar a cura. O abandono ou a resistência aos medicamentos levam ao Esquema IR, porém devemos fazer todos os esforços para que não seja necessário entrar no Esquema III, pois nesse esquema é imprescindível o uso de Estreptomicina injetável diário o que é mais doloroso e difícil de conscientizar o cliente.
  • 25. DOTS = Tratamento Observado de Curta Duração É uma estratégia de âmbito nacional, usada para tentar fazer com que os clientes bacilíferos possam tratarem-se até a cura, diminuindo assim os riscos da transmissão em massa dos bacilos, o que causaria uma epidemia avassaladora e para isso conta-se com a supervisão das doses. A primeira coisa a ser feita é a orientação do cliente da necessidade do tratamento até a alta por cura e o fato de que ele deixará de contaminar seus familiares e amigos logo após o início do tratamento. Qualquer pessoa poderá se responsabilizar (desde que seja capacitado em casos especiais) pela medicação que será levada ao cliente todo dia pela manhã e deverá assistir ao cliente tomá-la na sua frente para que a estratégia alcance sua eficácia que é fazer com que o doente siga seu tratamento até a cura total.. O local (residência, unidade de saúde, local de trabalho etc ) e a freqüência da supervisão (diária ou três vezes na semana), deve ser definida pela equipe de profissionais de saúde em conjunto com o doente e sua família., mediante a avaliação de cada caso.
  • 26. Estratégia do DOTS para os casos especiais Atenção especial para os casos bacilíferos nas situações Etilistas ( alcoólatras ) Casos de re-infecção ou retratamento Mendigos e população fechada ( abrigos, manicômios e presídios ) Usuários de drogas HIV + (AIDS)
  • 27. Como conseguir a adesão ao DOTS Estabelecer uma relação de confiança com o paciente e a família, atender com respeito no acolhimento. Explicar ao paciente a natureza da sua doença, a duração do tratamento, a importância da regularidade no uso das drogas e as graves conseqüências advindas da interrupção ou do abandono do tratamento, inclusive ao uso de injetável no Esquema III para que o cliente aceite melhor o tratamento. Realização mensal da baciloscopia de controle, sendo indispensáveis as do 2º, 4º e 6º meses de tratamento, nos esquemas básico (esquema I) e esquema básico + etambutol (esquema IR) e no 3º, 6º, 9º e 12º meses, nos casos do esquema III e esquemas especiais. O paciente deve sempre ser orientado sobre como obter a amostra de escarro corretamente.
  • 28. Acompanhamento dos casos O Agente Comunitário de Saúde deverá fazer visitas domiciliares freqüentes para orientar e observar o cliente. O acompanhamento clínico visando à identificação de queixas e de sintomas que possam avaliar a evolução da doença após a introdução dos medicamentos e a detecção de manifestações adversas com seu uso. Nas Unidades com recursos de exame radiológico, este pode ser utilizado periodicamente para acompanhar a regressão ou o agravamento das lesões na forma pulmonar da doença, em especial na ausência de expectoração. Reações Adversas A maioria dos pacientes completa o tratamento sem sentir qualquer efeito adverso das drogas. Os principais fatores relacionados às reações adversas são: 0Dosagem inadequada; 0Horário da tomada dos medicamentos; 0Idade e estado nutricional do doente; 0Etilismo, disfunção hepática e/ou renal e à co-infecção pelo HIV.
  • 29. Efeitos colaterais e ações educativas Efeitos menores Efeito Droga Conduta Irritação gástrica Rifampicina Reformular os (náuseas e vômito) Isoniazida horários para tomar Epigastralgia e dor Pirazinamida os medicamentos e abdominal avaliar se há melhora do quadro Artralgia ou artrite Pirazinamida Tomar AAS ( ácido Isoniazida acetil salicílico ) Neuropatia periférica Isoniazida Tomar com ( queimação das Etambutol piridoxina (Vitamina extremidades ) B6) Cefaléias e mudança de Isoniazida Orientar comportamento (euforia, insônia, ansiedade e sonolência ) Suor e urina cor de Rifampicina Orientar que é laranja normal por causa do efeito e da cor do medicamento Prurido cutâneo ( Isoniazida Medicar com anti- coceira ) Rifampicina histamínico Hiperuricemia ( com ou Pirazinamida Orientação dietética ( sem sintomas ) Etambutol dieta hipopurínica ) Febre Rifampicina Orientar Isoniazida
  • 30. Indicações de hospitalização Meningoencefalite. Indicações cirúrgicas em decorrência da tuberculose. Complicações graves da tuberculose. Intolerância medicamentosa incontrolável em ambulatório. Intercorrências clínicas e/ou cirúrgicas graves. Estado geral que não permita tratamento em ambulatório. Em casos sociais, como ausência de residência fixa ou grupos com maior possibilidade de abandono, especialmente se for um caso de retratamento ou falência. O tempo de internação deve ser reduzido ao mínimo possível.
  • 31. Condições de alta Alta por Cura Pulmonares inicialmente positivos. A alta por cura será dada quando, ao completar o tratamento o paciente apresentar duas baciloscopias negativas: uma na fase de acompanhamento e outra no final do tratamento (cura bacteriológica comprovada). Alta por completar o tratamento A alta será dada com base em critérios clínicos e radiológicos, quando: O paciente não tiver realizado o exame de escarro por ausência de expectoração, e tiver alta com base em dados clínicos e exames complementares (cura clínica não comprovada bacteriologicamente); Casos de TB pulmonar inicialmente negativos; Casos de TB extra pulmonar Alta por abandono de tratamento Será dada ao doente que deixou de comparecer à Unidade por mais de 30 dias consecutivos, após a data prevista para seu retorno; nos casos de tratamento supervisionado, o prazo de 30 dias conta a partir da última tomada da droga. TENTAR EVITAR O ABANDONO EFETUANDO VISITA DOMICILIAR!
  • 32. Outras condições de alta Alta por mudança de diagnóstico Será dada quando for constatado erro no diagnóstico. Alta por óbito Será dada por ocasião do conhecimento da morte do paciente, durante o tratamento e independentemente da causa. Alta por falência Quando houver persistência da positividade do escarro ao final do 4º ou 5º mês de tratamento. Os doentes que no início do tratamento são fortemente positivos (+ + ou + + +) e mantêm essa situação até o 4º mês, ou os que apresentam positividade inicial seguida de negativação e nova positividade por 2 meses consecutivos, a partir do 4º mês de tratamento, são classificados como caso de falência. Observação: Quando o caso for encerrado por falência e o paciente iniciar novo tratamento, deverá ser registrado como caso de retratamento no Livro de Registro. Alta por transferência Será dada quando o doente for transferido para outro Serviço de Saúde. A transferência deve ser processada através de documento que informará sobre o diagnóstico e o tratamento realizado até aquele momento. Deve-se buscar a confirmação de que o paciente compareceu à Unidade para a qual foi transferido e o resultado do tratamento, no momento da avaliação da equipe..
  • 33. Resumo A Tuberculose é uma doença grave, mas tem cura. Devemos observar os sintomas e encaminhar os sintomáticos ao posto mais próximo ou colher a amostra no local e após o diagnóstico correto, iniciar o tratamento. A responsabilidade do tratamento é do cliente, da família, amigos e dos profissionais de saúde em conjunto. Quando o cliente pára o tratamento por qualquer motivo, ele não só cria resistência aos medicamentos, mas expõe os familiares e a população em geral aos bacilos e a infecção da tuberculose.
  • 34. Conclusão Devemos fazer todo possível para que o cliente infectado sintomático compareça a uma Unidade de Saúde para exame e posterior tratamento até a alta por cura, também ser capaz de identificar os sintomas secundários como possíveis sintomas da TB e conscientizar os familiares e os profissionais de saúde para que o tratamento tenha êxito e diminua a contaminação da população com o bacilo que se transmite facilmente pelo ar.
  • 35. PACS de MANGUARIBA Supervisoras Enf ª Clarice Salazar Enf ª Naimara Cal e Enf ª Inácia ACS Alzira Maria Andréa dos Santos Aparecida de Paula Átila Fernandes Cláudia Braga Edinalva de Castro Eleonora Mallek Fabiana Domingues Kátia Bittencourt Márcia Freitas Maria das Graças Nancy das Dores Rita de Cássia Rosangela dos Santos Viviane Aparecida