SlideShare uma empresa Scribd logo

Tuberculose

1 de 23
Baixar para ler offline
Maria de Fátima Sakamoto – RGM nº 76.618-6 Hellen Deandre Nascimento – RGM nº 76.810-3 Flávia da Cruz Oliveira – RGM nº 76.812-0 Telma Santos Silva – RGM nº 76.823-5 Elisabeth Batista Borges – RGM nº 76.824-3 Elaine Cristina B. da Silva – RGM nº 77.395-6 Adriana Aparecida Barbetta – RGM nº 77.538-0 Luciana Queli Figueiredo – RGM nº 78.464-8 Patrícia de O. Claudino – RGM nº 78.813-9 Érica Vieira F. S. Almeida – RGM nº 78.840-6 TRABALHO DE EPIDEMIOLOGIA: TUBERCULOSE Orientadora: Profa. Hilda Laurentin. São Paulo 2009
TUBERCULOSE •  A TB é uma doença infecciosa cuja história é tão antiga quanto a própria civilização.  •  Em 1882, Robert Koch comunicava a sua grande descoberta: o bacilo causador da TB havia sido identificado. •  O agente etiológico da TB é o  Mycobacterium Tuberculosis  ( M. tuberculosis ), uma bactéria em forma de bastões, popularmente conhecida como Bacilo de Koch (B.K.). •  A TB pulmonar é a forma mais comum de apresentação da doença.
Epidemiologia Segundo a organização Mundial de Saúde (OMS), a  M. Tuberculosis  já infecta um terço da população mundial, a grande maioria habitantes de países pobres ou em desenvolvimento. Etiologia O bacilo é bastante frágil e facilmente destruído quando exposto a radiação ultravioleta do sol. Não tem capacidade de viver muitas horas fora do parasitismo e tem crescimento muito lento. Possui elevada proporção de mutantes resistentes ao tratamento.
* Extrapulmonar exceto meníngea Fonte: TBWEB - junho/09 Tabela I: DISTRIBUIÇÃO DE CASOS DE TUBERCULOSE SEGUNDO FAIXA ETÁRIA E FORMA CLÍNICA NO ESTADO DE SP – 2008. 16406 190 2849 13367 1377 2945 9045 TOTAL 45 1 6 38 7 3 28 IDADE IGN. 15805 177 2729 12899 1170 2824 8905 15 ANOS E MAIS 556 12 114 430 200 118 112 0 A 14 ANOS N/Realizada ou sem inform Negativa Bacilífero Total Meníngea Extrapulmonar* Total Pulm.Bacilosc. Pulm.Bacilosc. Pulm. 2008 CASOS NOVOS 19024 233 3133 15658 1584 3528 10546 TOTAL 47 1 6 40 7 5 28 IDADE IGN. 18399 219 3002 15178 1375 3400 10403 15 ANOS E MAIS 578 13 125 440 202 123 115 0 A 14 ANOS N/Realizada ou sem inform Negativa Bacilífero Meníngea Extrapulmonar* Total Pulm.Bacilosc. Pulm.Bacilosc. Pulm. Total TOTAL DE CASOS (NOVOS + RETRATAMENTOS) 2008
2007 Mundo 9 milhões casos novos  1,8 milhões óbitos ano Brasil 72 mil casos novos 4,5 mil óbitos ano
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Recomendados

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
TuberculoseTAS2214
 
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida PintoTuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida Pinto
Tuberculose (trabalho/apresentação ppt) - Ana Margarida PintoAMLDRP
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Flávia Salame
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesRenato Varges - UFF
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarlukeni2015
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Coqueluche
Coqueluche  Coqueluche
Coqueluche
 
Tuberculose slide
Tuberculose slideTuberculose slide
Tuberculose slide
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
 
Tubercolose
TubercoloseTubercolose
Tubercolose
 
Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Meningite
Meningite Meningite
Meningite
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
Saúde coletiva - Caxumba (Parotidite infecciosa)
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 

Semelhante a Tuberculose

Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOIsmael Costa
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhIsmael Costa
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioIsmael Costa
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsDessa Reis
 
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteProjecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteNick Addams Pensador
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011cipasap
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoFlávia Salame
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoFlávia Salame
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsDessa Reis
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsCms Nunes
 
10. Aula Tuberculose PDF.pdf
10. Aula Tuberculose PDF.pdf10. Aula Tuberculose PDF.pdf
10. Aula Tuberculose PDF.pdfFlaviaAlves91
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisJosy Farias
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemLuciane Santana
 
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novoCurso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novoDouglas Lício
 
2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.pptGeniViana
 

Semelhante a Tuberculose (20)

Aula 1_Tuberculose.pdf
Aula 1_Tuberculose.pdfAula 1_Tuberculose.pdf
Aula 1_Tuberculose.pdf
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteProjecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
10. Aula Tuberculose PDF.pdf
10. Aula Tuberculose PDF.pdf10. Aula Tuberculose PDF.pdf
10. Aula Tuberculose PDF.pdf
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
 
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de EnfermagemTuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
Tuberculose, Diagnóstico de Enfermagem
 
3 tuberculose
3 tuberculose3 tuberculose
3 tuberculose
 
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novoCurso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
 
2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt2- hanse e TB.ppt
2- hanse e TB.ppt
 

Mais de Maria de Fatima Sakamoto (8)

Histerectomia
HisterectomiaHisterectomia
Histerectomia
 
Toque terapêutico
Toque terapêuticoToque terapêutico
Toque terapêutico
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Placenta Previa
Placenta PreviaPlacenta Previa
Placenta Previa
 
Aids na 3a. idade.Ppt
Aids na 3a. idade.PptAids na 3a. idade.Ppt
Aids na 3a. idade.Ppt
 
Caso Controle
Caso ControleCaso Controle
Caso Controle
 
Trabalho Carne Suina E Javali
Trabalho Carne Suina E JavaliTrabalho Carne Suina E Javali
Trabalho Carne Suina E Javali
 
Saneamento Ambiental Trabalho
Saneamento Ambiental  TrabalhoSaneamento Ambiental  Trabalho
Saneamento Ambiental Trabalho
 

Tuberculose

  • 1. Maria de Fátima Sakamoto – RGM nº 76.618-6 Hellen Deandre Nascimento – RGM nº 76.810-3 Flávia da Cruz Oliveira – RGM nº 76.812-0 Telma Santos Silva – RGM nº 76.823-5 Elisabeth Batista Borges – RGM nº 76.824-3 Elaine Cristina B. da Silva – RGM nº 77.395-6 Adriana Aparecida Barbetta – RGM nº 77.538-0 Luciana Queli Figueiredo – RGM nº 78.464-8 Patrícia de O. Claudino – RGM nº 78.813-9 Érica Vieira F. S. Almeida – RGM nº 78.840-6 TRABALHO DE EPIDEMIOLOGIA: TUBERCULOSE Orientadora: Profa. Hilda Laurentin. São Paulo 2009
  • 2. TUBERCULOSE • A TB é uma doença infecciosa cuja história é tão antiga quanto a própria civilização. • Em 1882, Robert Koch comunicava a sua grande descoberta: o bacilo causador da TB havia sido identificado. • O agente etiológico da TB é o Mycobacterium Tuberculosis ( M. tuberculosis ), uma bactéria em forma de bastões, popularmente conhecida como Bacilo de Koch (B.K.). • A TB pulmonar é a forma mais comum de apresentação da doença.
  • 3. Epidemiologia Segundo a organização Mundial de Saúde (OMS), a M. Tuberculosis já infecta um terço da população mundial, a grande maioria habitantes de países pobres ou em desenvolvimento. Etiologia O bacilo é bastante frágil e facilmente destruído quando exposto a radiação ultravioleta do sol. Não tem capacidade de viver muitas horas fora do parasitismo e tem crescimento muito lento. Possui elevada proporção de mutantes resistentes ao tratamento.
  • 4. * Extrapulmonar exceto meníngea Fonte: TBWEB - junho/09 Tabela I: DISTRIBUIÇÃO DE CASOS DE TUBERCULOSE SEGUNDO FAIXA ETÁRIA E FORMA CLÍNICA NO ESTADO DE SP – 2008. 16406 190 2849 13367 1377 2945 9045 TOTAL 45 1 6 38 7 3 28 IDADE IGN. 15805 177 2729 12899 1170 2824 8905 15 ANOS E MAIS 556 12 114 430 200 118 112 0 A 14 ANOS N/Realizada ou sem inform Negativa Bacilífero Total Meníngea Extrapulmonar* Total Pulm.Bacilosc. Pulm.Bacilosc. Pulm. 2008 CASOS NOVOS 19024 233 3133 15658 1584 3528 10546 TOTAL 47 1 6 40 7 5 28 IDADE IGN. 18399 219 3002 15178 1375 3400 10403 15 ANOS E MAIS 578 13 125 440 202 123 115 0 A 14 ANOS N/Realizada ou sem inform Negativa Bacilífero Meníngea Extrapulmonar* Total Pulm.Bacilosc. Pulm.Bacilosc. Pulm. Total TOTAL DE CASOS (NOVOS + RETRATAMENTOS) 2008
  • 5. 2007 Mundo 9 milhões casos novos 1,8 milhões óbitos ano Brasil 72 mil casos novos 4,5 mil óbitos ano
  • 6.
  • 7.
  • 8. Período de incubação: A maioria dos novos casos ocorre nos 2 primeiros anos após a infecção inicial. Período de transmissibilidade: - Enquanto o doente estiver eliminando bacilos e não houver iniciado o tratamento. - Com o início do tratamento, a transmissão é reduzida, gradativamente, em 2 semanas.
  • 9. Após a transmissão do BK pela via inalatória, quatro situações podem ocorrer: • Eliminação do Bacilo de Koch O bacilo inalado pode ser fagocitado e destruído por macrófagos alveolares antes de sua multiplicação. • Infecção Latente Cerca de 95% das infecções passam despercebidas, deixando apenas a positivação do teste tuberculínico.
  • 10.
  • 11. Bacilífero Exposição Sistema Imunológico Impede desenvolvimento da TB (90%). Multiplicação do bacilo (TB primária) – 5% Reativação (Deficiência Imunológica) – 5%
  • 13.
  • 14. Forma cutânea Forma geniturinária (bexiga, rim) Forma Meningoencefálica
  • 16. Diagnóstico Etiológico/Laboratorial Com a suspeita deve-se coletar escarro (baciloscopia), inicialmente 3 amostras: pela manhã, em jejum e antes da higiene oral. Baciloscopia direta do escarro : são necessários 5.000 bacilos/ml de escarro para que seja positivo. Cultura do bacilo: feita em meio especial, no qual os bacilos podem levar 4 semanas para crescer (feita nos casos em que o paciente abandonou tratamento prévio ou o fez de forma incorreta, e nos casos de portadores de HIV). Diagnóstico por imagem: a radiografia do tórax é o exame mais utilizado. A tomografia computadorizada pode ser também de grande valia em alguns casos.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. Busca ativa e descoberta de casos • Tem como objetivo identificar precocemente as pessoas que estão transmitindo a tuberculose. • Permite a identificação precoce dos doente com tuberculose; • Corta a cadeia de transmissão do bacilo da tuberculose na comunidade, se, na descoberta, for iniciado o tratamento e realizado corretamente até a cura; • É uma medida de biossegurança para os pacientes, e principalmente para os profissionais de saúde da Unidade de Atendimento;
  • 21.
  • 22. CONCLUSÃO: A TB é uma doença infecciosa grave, mas que, quando diagnosticada precocemente, e tratada de forma adequada, tem cura. A propagação da Síndrome da lmunodeficiência Adquirida (AIDS), o empobrecimento da população, a urbanização caótica e a ausência de busca de informação, bem como o abandono do tratamento por parte dos doentes de TB, vem dificultando o controle da doença. A busca ativa e o tratamento supervisionado aumentam as possibilidades de cura e diminuem o abandono. A equipe de enfermagem tem um papel importante no que tange à conscientização da população quanto a importância do diagnóstico e tratamento, bem como no esclarecimento da gravidade do abandono do tratamento e as consequências que isso acarreta ao paciente e à comunidade.
  • 23. Referências: www.cve.saude.sp.gov.br/tuberculose/. Acessado em 17.08.2009, as 17h38m. Hinrichsen, Sylvia Lemos. DIP - Doenças Infecciosas e Parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. Saúde, Ministério da. Secretaria de Vigilância em Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 7ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. www.sciencephoto.com. Acessado em 07.09.2009, as 10h30m.