Seminário dorothea elizabeth orem

624 visualizações

Publicada em

dorothea ainda nao achei o finalizado

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
624
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário dorothea elizabeth orem

  1. 1. Seminário Dorothea Elizabeth Orem Disciplina: Bases Fundamentas da Enfermagem Profª: Roberta Alunos: Andressa Freitas dos Reis Ana Cátia de Almeida Ana Carolina P Cruz Lilia Mendel Curityba Luciana de Almeida Munique Lutavanha Wilson Cezar Carneiro Reis
  2. 2. DOROTHEA ELIZABETH OREM Dorothea E. Orem nasceu em Baltimore, Maryland-EUA em 1914. Seu pai era um trabalhador da construção civil e pescador, e sua mãe dona de casa. Iniciou seus estudos de enfermagem no Providence Hospital School of Nursing, em Washington e concluiu nos anos 30. Em 1939 obteve o grau de Bacharel em Ciências em Educação de enfermagem e Mestre em Ciências em Educação de Enfermagem em 1945 pela Catholic University of América. Entre os títulos e graus honorários recebidos incluem o de Doutora em Ciências Georgetown University em 1976, Doutora em Ciências da Incamat Word College em 1980 e doutora em Humane Letters Llinois Westem University em 1988. Em 1992 foi nomeada membro honorário da América Academy of Nursing. Como profissional de enfermagem trabalhou como enfermeira de equipe e particular, educadora de enfermagem, administradora e consultora de enfermagem.
  3. 3. Continuação... No período entre 1949 a 1957 foi assessora de serviços institucionais do Conselho de Saúde do estado de Indiana e entre 1957 e 59 participou como consultora para Secretaria de Educação do Departamento de Saúde, Educação e Bem-estar em um projeto com objetivo de melhorar o treinamento de enfermagem prática, o que a levou a publicar em 1959 o conceito de enfermagem como autocuidado. Dando continuidade no desenvolvimento do seus conceitos de enfermagem de autocuidado publicou em 1971 Nursing: Concepts of practice em quatro edições. A primeira enfocava o individuo; a segunda unidade multipessoais-família, grupos e comunidades; a terceira apresentava geral teoria de enfermagem de Orem constituída por três bases teóricas relacionadas autocuidado, déficit de autocuidado e sistemas de enfermagem e a quarta dando ênfase à criança, os grupos e a sociedade.
  4. 4. Continuação... A primeira enfocava o individuo; a segunda unidade multipessoais-família, grupos e comunidades; a terceira apresentava geral teoria de enfermagem de Orem constituída por três bases teóricas relacionadas autocuidado, déficit de autocuidado e sistemas de enfermagem e a quarta dando ênfase à criança, os grupos e a sociedade. Orem faleceu em 22 de junho de 2007, pouco antes de completar 93 anos, na cidade de Savannah, GA, Estados Unidos, em sua residência. O conceito de Capacidade de Autocuidado serviu de base para a elaboração da Appraisal of Self-care Agency (ASA) Scale, que foi adaptada e validada à cultura brasileira por Silva;Kimura (2002), sendo denominada Escala para avaliar as capacidades de autocuidado (EACAC).
  5. 5. A TEORIA DE ENFERMAGEM DO DÉFICIT DE AUTOCUIDADO Segundo Orem (2006), a teoria de enfermagem do déficit do autocuidado está constituída por três teorias que também foram criadas por essa autora, que são as seguintes: 1 - Teoria de autocuidado: Refere-se à realização do autocuidado em si, assim como explica e justifica por que o autocuidado é necessário à saúde. 2 - Teoria do déficit do autocuidado: Consiste em explicar quando e por que a enfermagem torna-se necessária e imprescindível à pessoa em relação ao processo cuidativo. É mais abrangente do que a teoria anterior. 3 - Teoria do sistema de enfermagem: Relaciona-se ao fato da pessoa estar em situação de déficit de autocuidado e para compensá-lo, necessita do cuidado de enfermagem. Logo essa teoria se limita em explicar a maneira pela qual as pessoas são ajudadas pela enfermagem.
  6. 6. Orem (1995) afirma que o desenvolvimento e a operabilidade das Capacidades de Autocuidado podem ser afetados, entre outros fatores pela cultura, experiência de vida, estado de saúde, padrões de vida, doenças, sistema familiar, idade, sexo e escolaridade. Uma pessoa com o potencial de satisfazer as suas necessidades de saúde, é conhecida como agente de autocuidado. Cada agente de autocuidado tem requerimentos para satisfazer as necessidades de saúde de natureza universal, etapa de desenvolvimento e de desvio da saúde. Se fosse viável ordená-las quanto à sua formação e desenvolvimento em um triângulo, poderia ser dito que as capacidades fundamentais estão na base, as operações de autocuidado no ápice e os componentes de poder localizados como uma ponte entre ambas (Orem, 2001).
  7. 7. • Orem (2001) denominou self-care agency a capacidade do indivíduo para se engajar em ações de autocuidado. É o poder de tornar-se agente do seu autocuidado e desenvolver-se no processo de viver o dia-a-dia por meio de uma sucessão espontânea de aprendizagem. As capacidades de autocuidado incluem os seguintes componentes ou habilidades para a ação deliberada: incorporar ou excluir coisas específicas, a partir da compreensão de seus significados; compreender a necessidade de mudar ou regular as coisas observadas; adquirir conhecimentos sobre o curso de ação a ser seguido para a regulação; decidir o que fazer, agir para alcançar a mudança ou atingir a regulação.
  8. 8. Orem (2001) esclarece também que, embora o autocuidado seja requerido de cada indivíduo, há situações nas quais o enfermeiro assume o papel de agente de autocuidado para aqueles indivíduos que estão total ou parcialmente, incapazes de desempenhar o autocuidado. Há outras situações nas quais o enfermeiro proporciona orientação e suporte (apoio) aos indivíduos, a fim de ajudá-los a adquirir a competência tradicional para o autocuidado. Estas situações em que o enfermeiro assume a posição de agente de autocuidado dependem de três fatores: 1) estado de saúde do indivíduo que inclui o seu crescimento e desenvolvimento, estado de envelhecimento e requisitos relativos ao ambiente; 2) a patologia e as desordens de estrutura e funcionamento do indivíduo; 3) o poder de tornar-se agente, ou seja, a capacidade de habilidades para se engajar em ações de autocuidado, envolvendo desenvolvimento mental, maturidade pessoal, efetividade social e competência para ações deliberadas.
  9. 9. • 2 - Ações de autocuidado: são as práticas ou as atividades que as pessoas iniciam e realizam em benefício próprio com a finalidade de manter a vida, saúde e qualidade de vida. As práticas de autocuidado são condutas aprendidas e demonstradas, sendo determinadas por diversos fatores, incluindo a cultura do grupo ao qual ela pertence. É a ação que contribui à integridade da estrutura funcionamento e desenvolvimento das pessoas. A prática de autocuidado envolve a deliberação plena frente aquilo que está sendo realizado. É a realização consciente de algo que pressupõe a decisão da pessoa em querer realizá-lo.
  10. 10. • 3 - Demanda de autocuidado terapêutico: É a soma de medidas necessárias de autocuidado em momentos específicos, ou durante um determinado período de tempo, para cobrir ou atender todos os requisitos de autocuidado necessários à pessoa. Refere-se ao conjunto de atividades requeridas para o atendimento aos requisitos de autocuidado universais, de desenvolvimento e desvio da saúde.
  11. 11. • 4 - O termo déficit de autocuidado consiste no resultado deficitário após a relação entre as capacidades de autocuidado e a demanda de autocuidado terapêutico. Nesta relação às capacidades de autocuidado são inferiores as demandas, demonstrando com isso a necessidade da pessoa em obter conhecimento, habilidades e experiências para nivelar ou superar as demandas próprias daquele momento ou período de vida. Como exemplo pode-se considerar o fato de uma pessoa ter a necessidade de ingesta hídrica, porém não possui esse conhecimento e consequentemente não é realizado.
  12. 12. • 5 - O último conceito central, denominado agência (capacidade) de enfermagem (formação em enfermagem) relaciona-se àquelas habilidades especializadas, que permitem aos profissionais de enfermagem proporcionar atenção que compensa ou ajuda a superar as deficiências de autocuidado relacionadas com a saúde. É a capacidade complexa requerida pelas ações de enfermagem, que por sua vez, necessitam de conhecimentos ou capacitação própria que são adquiridos ao longo da formação profissional. O enfermeiro é o agente oficialmente reconhecido para ajudar as pessoas a adquirir competências para o conhecimento e a prática do autocuidado.
  13. 13. • --> Totalmente compensatório, quando a pessoa é incapaz de engajar-se nas ações de autocuidado. • --> Parcialmente compensatório refere-se ao fato, tanto o enfermeiro quanto o paciente desempenham as ações de autocuidado. • --> Apoio e educação estão relacionados com o fato da pessoa que se encontra sob orientação e assistência, é capaz de aprender e desempenhar as ações de autocuidado terapêutico. • •
  14. 14. O sistema de enfermagem é classificado em: • Estas três teorias se integram em forma inclusiva, segundo se observa na FIGURA 1.

×