CONTROLE DE TUBERCULOSE EMHOSPITAIS, UNIDADES DE PRONTO  ATENDIMENTO, URGÊNCIA E         EMERGÊNCIA                JOSIMEI...
INTRODUÇÃO   A OMS declarou a Tuberculose como emergência mundial em 993: Maior causa de morte por doença infecciosa em ...
ASPECTOS HÍSTÓRICOS   Tempos pré- históricos - Múmia no Peru   Preparos exóticos, mudanças de clima   Século XIX: Sanat...
O QUE É?
É uma doença grave, transmitida pelo ar. A tuberculose pode atingir todos  os órgãos do corpo, mas atinge em         espec...
Tuberculose               Dados Epidemiológicos Atuais   Casos anuais são estimados em 6,2 milhões de doentes no mundo, c...
Tuberculose        EPIDEMIOLOGIA – TRANSMISSÃO   A infecção pelo bacilo da tuberculose pode ocorrer em qualquer idade. ...
TuberculoseEPIDEMIOLOGIA - TRANSMISSÃO   10% das pessoas infectadas adoecem, metade durante os dois    primeiros anos apó...
PROCESSO DEDISSEMINAÇÃO DA  TUBERCULOSE
1º PASSO: Apesar de atingir vários    órgãos do corpo, a doença só étransmitida por quem estiver infectado      com o bac...
2º PASSO: A disseminaçãoacontece pelo ar. O espirro deuma pessoa infectada joga no  ar, cerca de 2 milhões de bacilos. Pe...
3º PASSO: Os bacilos da tuberculosejogados no ar permanecem em suspensão   durante horas. Quem respira em umambiente por ...
A TUBERCULOSE  PULMONAR     PROCESSO  INFLAMATÓRIO:
O indivíduo que entra em contato pela  primeira vez com o bacilo de Koch   não tem, ainda, resistência natural.    Mas adq...
TUBERCULOSE  PRIMÁRIA
Após um período de 15 dias, os bacilos passam a se multiplicar facilmente nos  pulmões, pois ainda não há proteção natural...
CAVERNATUBERCULOSA
Com o tempo e sem tratamento, o avanço  da doença começa a provocar sintomas                mais graves.De pequenas lesões...
Processo Inflamatório da Tuberculose             Pulmonar
Tipos de tuberculose         A tuberculose não é uma doença         A tuberculose não é uma doença         exclusivamente ...
Tuberculose extra-pulmonar As infecções extra-pulmonares normalmente ocorrem anos depois da infecção pulmonar ou mesmo da...
Tuberculose   Tuberculose na colunaTuberculose  na pele  na pele
tuberculose do  tuberculose dosistema nervososistema nervoso     central      central
IMPORTANTE
O tratamento interrompido  fortalece o bacilo e pode trazer   de volta a doença que causou         pavor no passado.Pode t...
POR QUE NOS PULMÕES?
Como o bacilo de Koch se    reproduz e se desenvolve rapidamente em áreas do corpocom muito oxigênio, o pulmão é o princip...
TUBERCULOSE RESISTENTE
Atualmente, consiste na principal     preocupação mundial em relação a                   doença.O abandono do tratamento f...
SINTOMAS
 Tosse crônica ( o grande marcador da doença é a tosse durante mais de 21 dias);                  Febre;   Suor noturno...
SINAIS CLÍNICOS
DIAGNÓSTICO
Diagnóstico ClínicoInvestigar Sempre os Pacientes que Apresentem:•   Tosse por mais de três semanas;•   Febre•   Sudorese•...
Diagnóstico Epidemiológico•   A propagação da tuberculose está intimamente    ligada às condições de vida da população.•  ...
Diagnóstico Epidemiológico–   História de contato, intradomiciliar ou não, com uma    pessoa com tuberculose;–   Indivíduo...
Diagnóstico Laboratorial - Baciloscopia   Baciloscopia do Escarro:    –   Principal exame diagnóstico para TB pulmonar;  ...
Diagnóstico Laboratorial - BaciloscopiaA baciloscopia direta do escarro deve ser solicitada para:   – Tosse por três ou ma...
E como saber se você é portador assintomático da bactéria da tuberculose? Existeum teste chamado de PPD ou teste da tuber...
PPD
   Em pessoas saudáveis, uma inflamação com o    centro eldorado maior que 15mm (1,5 cm) é    considerado positivo.    Em...
IMPORTANTE!! Ospacientes deixam de transmitir tuberculose após aproximadamente 15 dias de tratamento. Porém, podem voltar...
TRATAMENTO
Quadro 1. Esquema básico para adultos e             adolescentes – 2RHZE/4RHRegime       Fármacos e  Faixa de         Unid...
O tratamento dura em torno de 6   meses. Se o tuberculoso tomar as medicações corretamente, as chances        de cura cheg...
PROFILAXIA E CONTROLE••   Vacina BCG – 1º mês de vida•   Identificação precoce dos doentes e tratamento•    Programa de Tr...
ESTRATÉGIAS ESPECIAIS DE BUSCA ATIVA DE CASOS SUSPEITOS DE TBInterromper a cadeia de transmissão-  descoberta precoce     ...
ESTRATÉGIAS ESPECIAIS DE BUSCA  ATIVA DE CASOS SUSPEITOS DE TBNos Hospitais gerais, clínicas e Emergência: Interrogatório...
ESTRATÉGIAS ESPECIAIS DE BUSCA ATIVA DE CASOS SUSPEITOS DE TB Os  funcionários devem ser capacitados p  busca ativa e man...
MEDIDAS DE CONTROLE DA TUBERCULOSE         EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE-               BIOSSEGURANÇAMEDIDAS ADMINISTRATIVAS: ...
MEDIDAS DE CONTROLE DA TUBERCULOSE         EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE-               BIOSSEGURANÇAMEDIDAS DE CONTROLE AMBIEN...
ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS             LABORATORIAIS   colher pelo menos duas amostras de baciloscopia de todos os S...
ACESSO AOS MEDICAMENTOS DE P/TRATAMENTO DE TB NOS HOSPITAIS E UPAS Enviar solicitação do esquema indicado à Vigilãncia  E...
TuberculoseTratamento interrompido fortalece o bacilo e pode trazer de volta a  doença que causou pavor no             pas...
Obrigada!!
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tuberculose em hospitais

2.499 visualizações

Publicada em

Tuberculose em hospitais

  1. 1. CONTROLE DE TUBERCULOSE EMHOSPITAIS, UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO, URGÊNCIA E EMERGÊNCIA JOSIMEIRE SANTIAGO FARIAS ENFERMEIRA/ CCIH/HEGAB 14/06/2012
  2. 2. INTRODUÇÃO A OMS declarou a Tuberculose como emergência mundial em 993: Maior causa de morte por doença infecciosa em adultos 6,2 bilhões de pessoas(1/3 da população mundial) infectadas pelo Micobacterium tuberculosis. No Brasil em 2011 foram notificados 69.245 casos novos. Bahia- 3º lugar em número de casos, com 343 óbitos. Foram notificados em 2011 5.061 casos novos...Descentralização para as UBS – diagnósticos ainda em hospitais....Estruturar a rede para fazer diagnósticos o mais precocemente possívelObjetivo: Diminuir o sofrimento humano, Reduzir os casos graves e óbitos, Implantar as medidas de biossegurança necessárias à proteção dos profissionais de saúde, outros pacientes e visistantes.
  3. 3. ASPECTOS HÍSTÓRICOS Tempos pré- históricos - Múmia no Peru Preparos exóticos, mudanças de clima Século XIX: Sanatórios, isolamentos, montanhas Diagnóstico :1824-estetoscópio, 1882 Robert Koch – Mycobacterium tuberculosis( bacilo de koch) Final século XIX, invenção do Rx 1908 Albert Calmette e Camille Guérin – isolamento da cepa do Bacilo Calmette-Guérim (BCG) 1ª aplicação em criança:1921 1944:Invenção do 1º antibiótico estreptomicina(garganta da galinha).
  4. 4. O QUE É?
  5. 5. É uma doença grave, transmitida pelo ar. A tuberculose pode atingir todos os órgãos do corpo, mas atinge em especial os pulmões. O micro organismo causador da doença é o bacilo de Koch, cientificamente chamado Mycobacterium tuberculosis.
  6. 6. Tuberculose Dados Epidemiológicos Atuais Casos anuais são estimados em 6,2 milhões de doentes no mundo, com 2 milhão de óbitos. A cada segundo uma pessoa é infectada 80% dos casos de tuberculose estão concentrados em 22 países. Apenas um destes está situado na América Latina, o Brasil. No Brasil, estima-se que mais de 63 milhões de pessoas estão infectadas pelo bacilo da tuberculose. Por ano são notificados aproximadamente 71 mil casos novos e de 4,6 mil mortes em decorrência da doença. Pessoas idosas, minorias étnicas e imigrantes estrangeiros são os mais atingidos nos países desenvolvidos. Nos países em desenvolvimento, o predomínio é da população economicamente ativa (de 15 a 54 anos) e os homens adoecem duas vezes mais do que as mulheres.
  7. 7. Tuberculose  EPIDEMIOLOGIA – TRANSMISSÃO A infecção pelo bacilo da tuberculose pode ocorrer em qualquer idade. Nem todas as pessoas expostas ao bacilo da tuberculose se tornam infectadas. Estima-se que uma pessoas infectada, se não tratada, pode contaminar outras 15 no espaço de um ano. A probabilidade que a TB seja transmitida depende de alguns fatores:  Da contagiosidade do doente bacilífero fonte da infecção;  Do tipo de ambiente onde a exposição ocorreu;  Da duração da exposição.
  8. 8. TuberculoseEPIDEMIOLOGIA - TRANSMISSÃO  10% das pessoas infectadas adoecem, metade durante os dois primeiros anos após a infecção e a outra metade ao longo da vida.  O risco de progressão da infecção para a doença aumenta na presença de situações que debilitem o sistema imunológico da pessoa, como, por exemplo:  Diabetes Mellitus (DM);  Infecção pelo HIV;  Tratamento prolongado com corticosteroídes;  Terapia imunossupressora;  Doenças renais crônicas, entre outras.
  9. 9. PROCESSO DEDISSEMINAÇÃO DA TUBERCULOSE
  10. 10. 1º PASSO: Apesar de atingir vários órgãos do corpo, a doença só étransmitida por quem estiver infectado com o bacilo nos pulmões.
  11. 11. 2º PASSO: A disseminaçãoacontece pelo ar. O espirro deuma pessoa infectada joga no ar, cerca de 2 milhões de bacilos. Pela tosse cerca de 3,5 mil partículas são liberadas.
  12. 12. 3º PASSO: Os bacilos da tuberculosejogados no ar permanecem em suspensão durante horas. Quem respira em umambiente por onde passou um tuberculoso pode se infectar.
  13. 13. A TUBERCULOSE PULMONAR PROCESSO INFLAMATÓRIO:
  14. 14. O indivíduo que entra em contato pela primeira vez com o bacilo de Koch não tem, ainda, resistência natural. Mas adquire, se o organismo não estiver desabilitado, consegue matar o micro-organismo antes que ele se instale como doença. É, também,estabelecida a proteção contra futuras infecções pelo bacilo.
  15. 15. TUBERCULOSE PRIMÁRIA
  16. 16. Após um período de 15 dias, os bacilos passam a se multiplicar facilmente nos pulmões, pois ainda não há proteção natural do organismo contra a doença. Se o sistema de defesa não conseguir “encurralar” o bacilo, instala-se a tuberculose primária, caracterizada por pequenas lesões (nódulos) nos pulmões.
  17. 17. CAVERNATUBERCULOSA
  18. 18. Com o tempo e sem tratamento, o avanço da doença começa a provocar sintomas mais graves.De pequenas lesões, os bacilos cavam as chamadas cavernas tuberculosas, no pulmão, que costuma inflamar com frequência e sangrar.A tosse, nesse caso, não é seca, mas com secreção purulenta e sangue. É a chamada Hemoptise.
  19. 19. Processo Inflamatório da Tuberculose Pulmonar
  20. 20. Tipos de tuberculose A tuberculose não é uma doença A tuberculose não é uma doença exclusivamente pulmonar, isto é, que exclusivamente pulmonar, isto é, que atinge apenas os pulmões. Ela atinge apenas os pulmões. Ela também se manifesta em outros também se manifesta em outros órgãos e, nesse caso, é chamada de órgãos e, nesse caso, é chamada de tuberculose extra pulmonar e pode tuberculose extra pulmonar e pode ocorrer nos linfonodos, no sistema ocorrer nos linfonodos, no sistema urogenital, nos ossos, nas urogenital, nos ossos, nas articulações, no fígado, no baço, no articulações, no fígado, no baço, no sistema nervoso central e na pele. sistema nervoso central e na pele. Os sinais e sintomas associados a Os sinais e sintomas associados a cada uma dessas localizações são cada uma dessas localizações são variados e dependentes do órgão variados e dependentes do órgão acometido e do estado imunológico do acometido e do estado imunológico do indivíduo. indivíduo.
  21. 21. Tuberculose extra-pulmonar As infecções extra-pulmonares normalmente ocorrem anos depois da infecção pulmonar ou mesmo da contaminação assintomática. O quadro em geral é de febre persistente e emagrecimento importante sem identificação da causa.
  22. 22. Tuberculose Tuberculose na colunaTuberculose na pele na pele
  23. 23. tuberculose do tuberculose dosistema nervososistema nervoso central central
  24. 24. IMPORTANTE
  25. 25. O tratamento interrompido fortalece o bacilo e pode trazer de volta a doença que causou pavor no passado.Pode também causar um outro tipo de tuberculose, a Tuberculose Resistente.
  26. 26. POR QUE NOS PULMÕES?
  27. 27. Como o bacilo de Koch se reproduz e se desenvolve rapidamente em áreas do corpocom muito oxigênio, o pulmão é o principal órgão atingido pela tuberculose.
  28. 28. TUBERCULOSE RESISTENTE
  29. 29. Atualmente, consiste na principal preocupação mundial em relação a doença.O abandono do tratamento faz com que os bacilos tornam-se resistentes aos medicamentos e estes deixam de surtir efeito.A tuberculose resistente pode desencadear uma nova onda da doença virtualmente incurável em todo mundo.
  30. 30. SINTOMAS
  31. 31.  Tosse crônica ( o grande marcador da doença é a tosse durante mais de 21 dias);  Febre;  Suor noturno (que chega a molhar o lençol),  Dor no tórax;  Perda de peso lenta e progressiva;  Anorexia (falta de apetite e magreza);Adinamia (não tem disposição para nada).
  32. 32. SINAIS CLÍNICOS
  33. 33. DIAGNÓSTICO
  34. 34. Diagnóstico ClínicoInvestigar Sempre os Pacientes que Apresentem:• Tosse por mais de três semanas;• Febre• Sudorese• Emagrecimento• Astenia
  35. 35. Diagnóstico Epidemiológico• A propagação da tuberculose está intimamente ligada às condições de vida da população.• Sua prevalência é maior nas grandes cidades.
  36. 36. Diagnóstico Epidemiológico– História de contato, intradomiciliar ou não, com uma pessoa com tuberculose;– Indivíduo oriundo de população que vive em comunidade fechada (manicômios, presídios, abrigos, asilos, e outros);– Trabalhadores da área de saúde (principalmente aqueles que trabalham com tuberculose e/ou AIDS);– Populações de rua.
  37. 37. Diagnóstico Laboratorial - Baciloscopia Baciloscopia do Escarro: – Principal exame diagnóstico para TB pulmonar; – Informação acerca da transmissibilidade (pacientes bacilíferos são os epidemiologicamente importantes) – Detecta até 80% dos casos de TB pulmonar.
  38. 38. Diagnóstico Laboratorial - BaciloscopiaA baciloscopia direta do escarro deve ser solicitada para: – Tosse por três ou mais semanas; – Alterações pulmonares na radiografia de tórax; – Contatos de casos de TB pulmonar bacilíferos.
  39. 39. E como saber se você é portador assintomático da bactéria da tuberculose? Existeum teste chamado de PPD ou teste da tuberculina que é feito através da inoculação subcutânea de proteínas do bacilo de Koch morto. Após 48-72h é feita a avaliação do grau de reação do corpo ao material inoculado. O teste de PPD só fica positivo após 12 semanas da exposição a pessoas infectadas.
  40. 40. PPD
  41. 41.  Em pessoas saudáveis, uma inflamação com o centro eldorado maior que 15mm (1,5 cm) é considerado positivo. Em diabéticos e renais crônicos ou em profissionais de saúde expostos freqüentemente a pessoas infectadas, um resultado maior que 10mm (1 cm) também é considerado positivo. Em pessoas com SIDA (AIDS) ou outra causa de imunossupressão 5 mm(0,5cm) já é considerado positivo. Doentes com o PPD positivo são candidatos ao tratamento contra tuberculose latente, objetivando impedir uma futura reativação do bacilo.
  42. 42. IMPORTANTE!! Ospacientes deixam de transmitir tuberculose após aproximadamente 15 dias de tratamento. Porém, podem voltar a ser bacilíferos (transmissores do bacilo) se não completarem o curso de 6 meses de antibióticos. A tuberculose não tratada leva a sepse grave e morte.
  43. 43. TRATAMENTO
  44. 44. Quadro 1. Esquema básico para adultos e adolescentes – 2RHZE/4RHRegime Fármacos e Faixa de Unidades/dose doses em mg peso Meses2RHZE RHZE 20 a 35kg 2 comprimidosFase 150/75/400/275 36 a 50kg 3 comprimidos 2intensiva >50kg 4 comprimidos4RH RH 20 a 35kg 1 cápsula 300/200Fase de 300/200 ou 36 a 50kg 1 cápsula 300/200 + 1 cápsula 4manutenção 150/100 150/100 >50kg 2 cápsulas 300/200
  45. 45. O tratamento dura em torno de 6 meses. Se o tuberculoso tomar as medicações corretamente, as chances de cura chegam a 95%. É fundamental não interromper o tratamento, mesmo que os sintomas desapareçam.O tratamento das formas latentes descrito anteriormente é feito apenas com a Isoniazida, também por 6 meses.
  46. 46. PROFILAXIA E CONTROLE•• Vacina BCG – 1º mês de vida• Identificação precoce dos doentes e tratamento• Programa de Tratamento Supervisionado para evitar abandono
  47. 47. ESTRATÉGIAS ESPECIAIS DE BUSCA ATIVA DE CASOS SUSPEITOS DE TBInterromper a cadeia de transmissão- descoberta precoce dos pacientes bacilíferos(...), q são a única fonte de infecção da doença.Estratégia prioritária: Busca ativa de SINTOMÁTICOS RESPIRATÓRIOS – diagnóstico precoce/ interromper cadeia de transmissão
  48. 48. ESTRATÉGIAS ESPECIAIS DE BUSCA ATIVA DE CASOS SUSPEITOS DE TBNos Hospitais gerais, clínicas e Emergência: Interrogatório de todos os pacientes sobre a presença e duração de tosse antes do atendimento, Os casos suspeitos devem ser isolados até o resultado da baciloscopia, (fluxo) Casos descobertos em hospitais: desfecho desfavorável↔ gravidade do caso, descontinuidade de tratamento pós alta.
  49. 49. ESTRATÉGIAS ESPECIAIS DE BUSCA ATIVA DE CASOS SUSPEITOS DE TB Os funcionários devem ser capacitados p busca ativa e manejo adequado dos casos A transferência do paciente p/ outros hospitais deve ser com Ficha de Referência/Contra-Referência Solicitar previamente a vaga, Proceder Isolamento Respiratório após diagnóstico de Tb positivo
  50. 50. MEDIDAS DE CONTROLE DA TUBERCULOSE EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE- BIOSSEGURANÇAMEDIDAS ADMINISTRATIVAS: Identificar imediatamente os SR Munir os SR de máscaras cirúrgicas, priorizar atendimento e promover isolamento, Assegurar de imediato exames diagnóstico e iniciar tratamento dos casos detectados, Só internar pacientes c/ Tb se tiver indicação clínica, permanecer em isolamento respiratório. Os demais encaminhar p tratamento na Atenção Básica, Evitar atendimento de pacientes suspeitos de tb em salas próximas às pessoas, crianças ˂5anos, idosos e imunodeprimidos, Evitar permanência ou internações desnecessárias na instituição. Suspender isolamento em caso de 2 baciloscopias negativas...
  51. 51. MEDIDAS DE CONTROLE DA TUBERCULOSE EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE- BIOSSEGURANÇAMEDIDAS DE CONTROLE AMBIENTAL: Utilizar salas de espera bem ventiladas Local adequado p/ coleta de escarro(privacidade do pcte) Promover quartos/ enfermarias de isolameto de acordo c/ a necessidade da instituição.MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL: Máscara N95 ou PFF2 é o EPI indicado. Deve ser usado nos casos: - Profissionais de saúde nas áreas críticas(quarto de isolamento resp. ambulatório de referência p/ SR, pacientes bacilíferos. -Pessoas que entrem no isolamento( visitantes, profissionais de saúde da unidade e do laboratório), -Profissionais q transportam suspeitos de tb ou bacilíferos em ambulâncias
  52. 52. ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS LABORATORIAIS colher pelo menos duas amostras de baciloscopia de todos os SR, uma no 1º dia do atendimento outra no 2º dia em jejum Assegurar que seja colhido das vias aéreas inferior(catarro) Acondicionar adequadamente e encaminhar imediatamente ao Lab. Registrar todas as baciloscopias no livro de registro adequado (...). Solicitar a Cultura nos casos definidos pelo MS e encaminhar pa/ o LACEM sob refrigeração em até 48 hs. Fazer tese de sensibilidade (PPD) nos casos indicados( tb. resistente, antecedentes de tratamento prévio de tb. Baciloscopia positiva no 2º mês de tratamento, falência de tratamento e em investigação em populações de risco.
  53. 53. ACESSO AOS MEDICAMENTOS DE P/TRATAMENTO DE TB NOS HOSPITAIS E UPAS Enviar solicitação do esquema indicado à Vigilãncia Epidemiológica do Município.ALTA HOSPITALAR: Observar as seguintes instruções: Encaminhar o paciente à UBS c/ Ficha de Transferência, contendo resultados de exames laboratoriais e tratamento realizado durante o internamento. Informar ao paciente sobre a continuidade do tratamento e em qual unidade fará, Pacientes com reação ao tratamento encaminhar para às Unidades de Referência Secundária, Fornecer ao paciente medicação para no mínimo 10 dias de tratamento. Entrar em contato c a UBS para saber se a paciente compareceu lá.
  54. 54. TuberculoseTratamento interrompido fortalece o bacilo e pode trazer de volta a doença que causou pavor no passado.
  55. 55. Obrigada!!

×