SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Tuberculose
Deolinda Almeida
9ºA Nº14
O que é a Tuberculose?


A tuberculose é uma doença
infecciosa cuja história é tão antiga
quanto a própria civilização.



Em 1882, Robert Koch comunicava a
sua grande descoberta: o bacilo
causador da tuberculose havia sido
identificado.



O agente etiológico da tuberculose é
o Mycobacterium Tuberculosis, uma
bactéria em forma de
bastões, popularmente conhecida
como Bacilo de Koch.



A tuberculose pulmonar é a forma
mais comum da doença.

2

sábado, 26 de Outubro de
2013
Transmissão
A transmissão da tuberculose é feita de forma direta, de homem
para homem, por meio de pacientes que tem o bacio da tuberculose
no escarro.
A inalação de partículas em suspensão no ar constituem a principal
via de contaminação:










3

Tosse;
Espirros;
Suspiros e outras manobras respiratórias;

sábado, 26 de Outubro de
2013
Sintomas
Os sintomas incluem:













4

Tosse prolongada com duração de
mais de três semanas;
Dor no peito;
Febre;
Calafrios;
Suores noturnos;
Perda de apetite;
Perda de peso;
Cansaço fácil;

sábado, 26 de Outubro de
2013


A infeção inicia-se quando o bacilo atinge os
alvéolos pulmonares e pode-se espalhar para os
nódulos linfáticos e daí, através da corrente
sanguínea para tecidos mais distantes onde a
doença se desenvolve: a parte superior dos
pulmões, os rins, o cérebro e os ossos.



Normalmente, o sistema imunológico é capaz de
conter a multiplicação do bacilo, evitando a sua
disseminação em 90% dos casos.

Infeção

A resposta imunológica do organismo mata a
maioria dos bacilos, levando à formação de uma
granuloma*.



Contágio e
Evolução

(* é uma formação de uma
estrutura microscópica
específica que se assemelha a
um grânulo)

5

sábado, 26 de Outubro de
2013


Entretanto, o bacilo da tuberculose supera as defesas e
começa a multiplicar-se, resultando na progressão de
uma simples infeção por tuberculose. Isto pode ocorrer
logo após a infeção, ou, vários anos após a infeção.



Em pessoas infetadas com HIV, têm muito mais chances
de desenvolverem complicações. Outras situações de
risco incluem: o abuso de drogas, infeção de recente
tuberculose nos últimos 2anos, diabetes, cancro na
cabeça ou pescoço, doenças no sangue, ou baixo peso
corporal.



Contágio e
Evolução

Outros locais do corpo afetados incluem: a pleura, o
sistema nervoso central, o sistema linfático, o sistema
genitourinário, ossos e articulações, ou pode ser
disseminada pelo corpo (tuberculose militar).

6

Evolução

sábado, 26 de Outubro de
2013
Diagnóstico
O diagnóstico é feito via análise
dos sintomas e radiografia do
tórax.
Exames laboratoriais das
secreções pulmonares e escarro
do indivíduo são procedimentos
confirmados.





7

sábado, 26 de Outubro de
2013
Diagnóstico
Baciloscopia
A baciloscopia é um exame
realizado com o escarro do
paciente suspeito de ser vítima de
tuberculose. Para o exame, são
necessárias duas amostras. Uma
deve ser colhida no momento da
identificação do sintomático
respiratório e a outra na manhã
seguinte, com o paciente em jejum
após enxaguar a boca com água.



8

Exame Físico



Um exame físico é feito para
avaliar a saúde geral do paciente e
descobrir outros fatores que
podem afetar o plano de
tratamento da tuberculose.

sábado, 26 de Outubro de
2013
Diagnóstico
Radiografia do Tórax


Na tuberculose pulmonar
ativa, infiltrações, consolidações e/ou
cavidades são frequentes na parte
superior dos pulmões com ou sem
linfadenopatia.



No entanto, lesões podem aparecer
em qualquer lugar nos pulmões.



Em pessoas com HIV, qualquer
anormalidade pode indicar a
tuberculose, ou o raio-X dos pulmões
pode até mesmo parecer inteiramente
normal.

9

sábado, 26 de Outubro de
2013
Tratamento




O tratamento é feito à base de antibióticos, com duração de
aproximadamente seis meses. É imprescindível que este não seja
interrompido – facto que pode ocorrer, principalmente, devido aos efeitos
colaterais, tais como enjoos, vómitos, indisposição e mal estar geral.
As medicações são distribuídas gratuitamente pelo sistema de
saúde, através de seus postos municipais de atendimento; o seu uso
incorreto ou a interrupção do tratamento sem ordem do médico leva ao
aparecimento de bacilos resistentes, dificultando a cura.

10

sábado, 26 de Outubro de
2013
Prevenção


A imunização com a vacina BCG dá entre 50% a 80% de resistência à
doença. Em áreas tropicais onde a incidência de mycobactérias atípicas é
elevada (a exposição a algumas “mycobactérias” não transmissoras de
tuberculose dá alguma proteção contra a tuberculose), a eficácia da BCG é
bem menor.



No Reino Unido adolescentes de 15anos são normalmente vacinadas
durante o período escolar.

11

sábado, 26 de Outubro de
2013
Curiosidades


Morrem mais pessoas de tuberculose, em todo o mundo, do que de
qualquer outra doença infecciosa durável.



A tuberculose mata aproximadamente dois milhões de pessoas por ano.
98% das quais em países desenvolvidos.



Um terço da população mundial encontra-se infetada.



A OMS declarou a tuberculose como uma emergência mundial.

12

sábado, 26 de Outubro de
2013
Conclusão


A tuberculose é uma doença transmitida de uma pessoa para a outra pelo
ar, quando o doente fala, tosse ou espirra em ambientes fechados.



Atinge principalmente os pulmões, mas outros órgãos também podem ser
afetados.



Antigamente era uma doença mortal, mas hoje a tuberculose tem
cura, desde que o doente faça o tratamento correto.

13

sábado, 26 de Outubro de
2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tubercolose
TubercoloseTubercolose
Tubercolose
135nanny
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
TAS2214
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
Inês Santos
 

Mais procurados (20)

3 tuberculose
3 tuberculose3 tuberculose
3 tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tubercolose
TubercoloseTubercolose
Tubercolose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Kaio
KaioKaio
Kaio
 
Aula tuberculose
Aula tuberculoseAula tuberculose
Aula tuberculose
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose - TB
Tuberculose - TBTuberculose - TB
Tuberculose - TB
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 

Destaque

Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
ITPAC PORTO
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
Erick Bragato
 
Tuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfTuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdf
Juliana Ledur
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Tuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de Resistência
Tuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de ResistênciaTuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de Resistência
Tuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de Resistência
Flávia Salame
 

Destaque (17)

Trab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D TuberculoseTrab Pronto D Tuberculose
Trab Pronto D Tuberculose
 
Tuberculose Aula
Tuberculose   AulaTuberculose   Aula
Tuberculose Aula
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Tuberculose slide
Tuberculose slideTuberculose slide
Tuberculose slide
 
Tuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano BiologiaTuberculose - 12ºano Biologia
Tuberculose - 12ºano Biologia
 
La tuberculosis
La tuberculosis La tuberculosis
La tuberculosis
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
Tuberculose  Tuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfTuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdf
 
Historia tuberculose
Historia tuberculoseHistoria tuberculose
Historia tuberculose
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Tuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de Resistência
Tuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de ResistênciaTuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de Resistência
Tuberculose Pulmonar - Prevençao de contaminação e Mecanismos de Resistência
 
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM SIDA E TUBERCUL...
 

Semelhante a Tuberculose

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Maria Eliane Santos
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Catiaprof
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Cms Nunes
 

Semelhante a Tuberculose (20)

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Tuberculose[1]
Tuberculose[1]Tuberculose[1]
Tuberculose[1]
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteProjecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
 
Tuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdfTuberculose (1).pdf
Tuberculose (1).pdf
 
Apresentação em powerpoint sobre a turbucolose
Apresentação em powerpoint sobre a turbucoloseApresentação em powerpoint sobre a turbucolose
Apresentação em powerpoint sobre a turbucolose
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
 
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.pptTuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
Tuberculose para Profissionais de UBS 2008.ppt
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdfAula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
Aula 11 - Prevenção e Controle da Hanseníase e Tuberculose - Parte II.pdf
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
 
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RSCapacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
Capacitação dos ACS sobre Tb em Santa Maria - RS
 
TB.pptx
TB.pptxTB.pptx
TB.pptx
 
tuberculose.pptx
tuberculose.pptxtuberculose.pptx
tuberculose.pptx
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 

Último (10)

Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 

Tuberculose

  • 2. O que é a Tuberculose?  A tuberculose é uma doença infecciosa cuja história é tão antiga quanto a própria civilização.  Em 1882, Robert Koch comunicava a sua grande descoberta: o bacilo causador da tuberculose havia sido identificado.  O agente etiológico da tuberculose é o Mycobacterium Tuberculosis, uma bactéria em forma de bastões, popularmente conhecida como Bacilo de Koch.  A tuberculose pulmonar é a forma mais comum da doença. 2 sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 3. Transmissão A transmissão da tuberculose é feita de forma direta, de homem para homem, por meio de pacientes que tem o bacio da tuberculose no escarro. A inalação de partículas em suspensão no ar constituem a principal via de contaminação:      3 Tosse; Espirros; Suspiros e outras manobras respiratórias; sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 4. Sintomas Os sintomas incluem:          4 Tosse prolongada com duração de mais de três semanas; Dor no peito; Febre; Calafrios; Suores noturnos; Perda de apetite; Perda de peso; Cansaço fácil; sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 5.  A infeção inicia-se quando o bacilo atinge os alvéolos pulmonares e pode-se espalhar para os nódulos linfáticos e daí, através da corrente sanguínea para tecidos mais distantes onde a doença se desenvolve: a parte superior dos pulmões, os rins, o cérebro e os ossos.  Normalmente, o sistema imunológico é capaz de conter a multiplicação do bacilo, evitando a sua disseminação em 90% dos casos. Infeção A resposta imunológica do organismo mata a maioria dos bacilos, levando à formação de uma granuloma*.  Contágio e Evolução (* é uma formação de uma estrutura microscópica específica que se assemelha a um grânulo) 5 sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 6.  Entretanto, o bacilo da tuberculose supera as defesas e começa a multiplicar-se, resultando na progressão de uma simples infeção por tuberculose. Isto pode ocorrer logo após a infeção, ou, vários anos após a infeção.  Em pessoas infetadas com HIV, têm muito mais chances de desenvolverem complicações. Outras situações de risco incluem: o abuso de drogas, infeção de recente tuberculose nos últimos 2anos, diabetes, cancro na cabeça ou pescoço, doenças no sangue, ou baixo peso corporal.  Contágio e Evolução Outros locais do corpo afetados incluem: a pleura, o sistema nervoso central, o sistema linfático, o sistema genitourinário, ossos e articulações, ou pode ser disseminada pelo corpo (tuberculose militar). 6 Evolução sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 7. Diagnóstico O diagnóstico é feito via análise dos sintomas e radiografia do tórax. Exames laboratoriais das secreções pulmonares e escarro do indivíduo são procedimentos confirmados.   7 sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 8. Diagnóstico Baciloscopia A baciloscopia é um exame realizado com o escarro do paciente suspeito de ser vítima de tuberculose. Para o exame, são necessárias duas amostras. Uma deve ser colhida no momento da identificação do sintomático respiratório e a outra na manhã seguinte, com o paciente em jejum após enxaguar a boca com água.  8 Exame Físico  Um exame físico é feito para avaliar a saúde geral do paciente e descobrir outros fatores que podem afetar o plano de tratamento da tuberculose. sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 9. Diagnóstico Radiografia do Tórax  Na tuberculose pulmonar ativa, infiltrações, consolidações e/ou cavidades são frequentes na parte superior dos pulmões com ou sem linfadenopatia.  No entanto, lesões podem aparecer em qualquer lugar nos pulmões.  Em pessoas com HIV, qualquer anormalidade pode indicar a tuberculose, ou o raio-X dos pulmões pode até mesmo parecer inteiramente normal. 9 sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 10. Tratamento   O tratamento é feito à base de antibióticos, com duração de aproximadamente seis meses. É imprescindível que este não seja interrompido – facto que pode ocorrer, principalmente, devido aos efeitos colaterais, tais como enjoos, vómitos, indisposição e mal estar geral. As medicações são distribuídas gratuitamente pelo sistema de saúde, através de seus postos municipais de atendimento; o seu uso incorreto ou a interrupção do tratamento sem ordem do médico leva ao aparecimento de bacilos resistentes, dificultando a cura. 10 sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 11. Prevenção  A imunização com a vacina BCG dá entre 50% a 80% de resistência à doença. Em áreas tropicais onde a incidência de mycobactérias atípicas é elevada (a exposição a algumas “mycobactérias” não transmissoras de tuberculose dá alguma proteção contra a tuberculose), a eficácia da BCG é bem menor.  No Reino Unido adolescentes de 15anos são normalmente vacinadas durante o período escolar. 11 sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 12. Curiosidades  Morrem mais pessoas de tuberculose, em todo o mundo, do que de qualquer outra doença infecciosa durável.  A tuberculose mata aproximadamente dois milhões de pessoas por ano. 98% das quais em países desenvolvidos.  Um terço da população mundial encontra-se infetada.  A OMS declarou a tuberculose como uma emergência mundial. 12 sábado, 26 de Outubro de 2013
  • 13. Conclusão  A tuberculose é uma doença transmitida de uma pessoa para a outra pelo ar, quando o doente fala, tosse ou espirra em ambientes fechados.  Atinge principalmente os pulmões, mas outros órgãos também podem ser afetados.  Antigamente era uma doença mortal, mas hoje a tuberculose tem cura, desde que o doente faça o tratamento correto. 13 sábado, 26 de Outubro de 2013