SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Tuberculose
  Descrição
  A tuberculose (TB) é um problema de saúde prioritário no Brasil, e juntamente com outros 21
países em desenvolvimento, alberga 80% dos casos mundiais da doença. Estima-se que, cerca
de um terço da população mundial, esteja infectada com o Mycobacterium tuberculosis, estando
sob risco de desenvolver a enfermidade. Em torno de oito milhões de casos novos e quase 3
milhões de mortes por tuberculose, ocorrem anualmente. Nos países desenvolvidos é mais
frequente entre as pessoas idosas, nas minorias étnicas e imigrantes estrangeiros. Nos países em
desenvolvimento, estima-se que ocorram 95% dos casos e 98% das mortes causadas pela
doença, ou seja, mais de 2,8 milhões de mortes por tuberculose e 7,5 milhões de casos novos,
atingindo a todos os grupos etários, com maior predomínio nos indivíduos economicamente ativos
(15-54 anos) da sociedade. No Brasil, os homens adoecem duas vezes mais do que as mulheres.
No país estima-se que, do total da população, mais de 50 milhões de pessoas estejam infectados
pelo M. tuberculosis, com aproximadamente 80 mil casos novos por ano. O número de mortes
pela doença, em nosso meio, é de 4 a 5 mil, anualmente. Com o surgimento, em 1981, da
síndrome de imunodeficiência adquirida (SIDA/aids), vem-se observando, tanto em países
desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, um crescente número de casos notificados
de tuberculose, em pessoas infectadas pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). A
associação (HIV/TB) constitui, nos dias atuais, um sério problema de saúde pública, podendo
levar ao aumento da morbidade e mortalidade pela TB, em muitos países.

 Período de incubação
  Após a infecção pelo M. tuberculosis, transcorrem, em média, 4 a 12 semanas para a detecção
das lesões primárias. A maioria dos novos casos de doença pulmonar ocorre em torno de 12
meses após a infecção inicial. A probabilidade de o indivíduo vir a ser infectado, e de que essa
infecção evolua para a doença, depende de múltiplas causas, destacando-se, dentre estas, a
idade avançada, as condições sócio-econômicas e algumas condições médicas (diabetes mellitus,
alcoolismo, silicose, uso prolongado de corticosteróides ou outros imunossupressores, neoplasias,
uso de drogas, infecção pelo HIV e pacientes submetidos a gastrectomia ou bypass intestinal). A
evolução do quadro clínico dependerá do indivíduo estar sendo infectado pela primeira vez (primo-
infecção), ou reinfectado (reinfecção exógena). A probabilidade de adoecer numa primo-infecção
depende da virulência do bacilo, da fonte infectante e das características genéticas dos indivíduos
infectados. Em novo contato, após uma infecção natural ou induzida pela BCG, a resistência
dependerá da resposta imunológica.

 Período de transmissibilidade
   A transmissão é plena enquanto o doente estiver eliminando bacilos, e não tiver iniciado o
tratamento. Com o esquema terapêutico recomendado, a transmissão é reduzida, gradativamente,
a níveis insignificantes, ao fim de poucos dias ou semanas. As crianças, com tuberculose
pulmonar, geralmente não são infectantes.
 Período de Infecção
  Um indivíduo que receba uma carga infecciosa de bacilos da tuberculose, pela primeira vez
(primo-infecção), e que 1 a 2 bacilos alcancem o pulmão, vencendo as defesas da árvore
respiratória, localizando-se nos alvéolos da periferia pulmonar, apresentará uma reação
inflamatória e exsudativa de tipo inespecífica. Aproximadamente, em 15 dias, os bacilos podem
multiplicar-se livremente, porque ainda não existe imunidade adquirida.       Nesse período, os
bacilos podem alcançar número superior a 105 e, partindo da lesão pulmonar, atingir a via linfo-
hematogênica, comprometendo os linfonodos e órgãos dos diversos sistemas e aparelhos,
principalmente o fígado, o baço, a medula óssea, os rins e o sistema nervoso. Essa disseminação
é considerada “benigna”, de poucos bacilos, que ficarão latentes, ou serão destruídos pela ação
da imunidade que se instalará. No início da 2a ou 3a semana, o organismo normal, reconhecendo
a presença de elemento estranho, é capaz de mobilizar seu sistema de defesa imunológico
específico, acontecendo a luta hospedeiro-invasor, visando a destruição ou inativação do agente
agressor. Passa a haver, então, no pulmão, no local da inoculação inicial, um foco pequeno,
arredondado, de 1 a 2 mm, esbranquiçado, de consistência amolecida e constituído,
principalmente, por material caseoso. Esse foco é circundado por afluxo celular de linfócitos,
células epitelióides (macrófagos ativados e modificados) e macrófagos (foco primário), localizado
principalmente no terço médio, compreendendo a parte inferior do lobo superior, lobo médio e,
particularmente, o ápice do lobo inferior. Normalmente, esse nódulo é único, e com as dimensões
mencionadas, mas há relatos da existência de múltiplos focos primários e de focos de maiores
dimensões. À associação do foco primário aos gânglios satélites da sua região, dá-se o nome de
Complexo Primário de Ranke. O foco pulmonar regressivo, que pode ser visto nas radiografias,
chama-se foco de Gohn. Cerca de 90% da população infectada consegue bloquear o avanço do
processo, a partir da formação do complexo primário de Ranke, permanecendo apenas como
infectados.
   Tuberculose primária – ocorre durante uma primo-infecção, pode evoluir tanto a partir do
foco pulmonar, quanto do foco ganglionar ou, então, em consequência da disseminação
hematogênica. Isso acontece em 5% dos primo-infectados.
   Tuberculose pós-primária – ocorre no organismo que tem sua imunidade desenvolvida,
tanto pela infecção natural quanto pelo BCG. Dos primo-infectados, 5% adoecerão tardiamente,
em consequência do recrudescimento de algum foco já existente no seu organismo (reativação
endógena). Também pode ocorrer a reinfecção exógena, ou seja, o paciente adoecer por receber
nova carga bacilar do exterior. O quadro clínico não apresenta nenhum sinal ou sintoma
característico. Observa-se, normalmente, comprometimento do estado geral, febre baixa
vespertina com sudorese, inapetência e emagrecimento. Quando a doença atinge os pulmões, o
indivíduo pode apresentar dor torácica e tosse produtiva, acompanhada ou não de escarros
hemoptóicos. A tosse produtiva é o sintoma mais frequente da forma pulmonar. Nas crianças
também é comum o comprometimento ganglionar mediastínico e cervical (forma primária), que se
caracteriza por lesões bipolares: parênquima e gânglios. Nos pacientes adultos, maiores de 15
anos, a tuberculose atinge os pulmões em cerca de 90% dos casos. Nos menores de 15 anos,
este percentual é de 75%, podendo, entretanto, se localizar em outras partes do organismo: rins,
ossos e meninges, dentre outras, em função das quais se expressará clinicamente. Uma das
formas mais graves é a tuberculose miliar, decorrente de disseminação hematogênica com
acometimento sistêmico, quadro tóxico infeccioso importante e grande risco de meningite. Os
pulmões se apresentam difusamente ocupados por pequenas lesões. Os demais órgãos também
podem ser acometidos por lesões idênticas.
   Na criança e adolescente, com suspeita de tuberculose, as manifestações clínicas podem ser
variadas. A maioria dos casos apresenta febre, habitualmente moderada, persistente por mais de
15 dias, e frequentemente vespertina. São comuns irritabilidade, tosse, perda de peso, sudorese
noturna, às vezes profusa. Muitas vezes, a suspeita de tuberculose é feita em casos de
pneumonia de evolução lenta, que não vem apresentando melhora com o uso de antimicrobianos
para bactérias comuns. Em crianças e adolescentes, há predomínio da localização pulmonar,
sobre as formas de tuberculose extrapulmonares. A suspeita deve ser realizada na presença de
linfadenopatia cervical ou axilar, após excluir adenite infecciosa aguda, com evidentes sinais
flogísticos. Na presença de reação forte ao PPD, está indicado o tratamento. Os achados
radiográficos mais sugestivos de tuberculose, nessa faixa etária, são: adenomegalias hilares e/ou
paratraqueais (gânglios mediastínicos aumentados de volume); pneumonias com qualquer
aspecto radiológico (de evolução lenta, às vezes associadas a adenomegalias mediastínicas, ou
que cavitam durante a evolução) e o infiltrado nodular difuso (padrão miliar). Deve-se sempre
investigar se houve contato prolongado com adulto doente de tuberculose pulmonar bacilífera, ou
com história de tosse por três semanas ou mais. Os casos suspeitos de tuberculose em crianças e
adolescentes devem ser encaminhados para a unidade de referência, para investigação e
confirmação do diagnóstico. Após definição do diagnóstico e estabelecido o tratamento, a criança
deverá voltar para acompanhamento na Unidade Básica de Saúde.

  Diagnóstico        Laboratorial
 Exame Bacteriológico: a pesquisa bacteriológica é o método mais importante, seguro, rápido e
de baixo custo para o diagnóstico, controle do tratamento e vigilância de resistência aos
tuberculostáticos. Pode ser realizado de duas maneiras:
Exame direto (pesquisa de BAAR): recomenda-se coleta de três amostras de secreção das
vias aéreas inferiores, em dias subseqüentes, pela manhã, antes do desjejum. Pacientes pobres
em escarro podem fazer a indução do mesmo a partir da nebulização com solução salina
hipertônica (NaCl 3%). É importante salientar que todo paciente com suspeita de tuberculose deve
permanecer em isolamento respiratório até que seja considerado não-bacilífero (três pesquisas de
BAAR no escarro negativas). Pode-se proceder ainda à pesquisa de BAAR nas fezes, quando da
presença de quadro diarréico sugestivo. Este material deve chegar rapidamente ao laboratório ou,
se necessário, ser conservado em geladeira até seu processamento. A pesquisa nas fezes deve
ser incentivada em todos os casos suspeitos, independente da forma de apresentação clínica;

  Cultura para micobactéria: está indicada nos casos suspeitos que se mantêm com baciloscopia
negativa, nas situações de falência terapêutica (para observação de resistência), nas formas
extrapulmonares (cultura do líquor, sangue, urina, fezes, aspirado ganglionar, líquido pleural,
líquido pericárdico e macerado de biópsia). Após o isolamento, quando disponível, é feito o teste
de sensibilidade aos tuberculostáticos e tipificação do bacilo.

  Prova Tuberculínea (PPD): representa um método auxiliar para o diagnóstico de pacientes não-
imunizados com BCG. Quando negativa, sugere a investigação de outras doenças que possam ter
apresentação semelhante à tuberculose. Quando positiva, indica contato atual ou pregresso com
a micobactéria, necessitando de outros achados que confirmem a infecção. Sabe-se que
indivíduos imunodeprimidos podem apresentar reação anérgica ao PPD, mesmo quando
gravemente enfermos pela doença. Apesar da interpretação dificultada em nosso meio, o PPD
ainda é solicitado de rotina, quando disponível, para todos pacientes com suspeita de tuberculose,
imunocompetentes ou não.

 Estudo Do Líquido Pleural/Pericárdico: o líquido deve ser enviado para o Laboratório de
Bacteriologia e também para o Laboratório de Anatomia Patológica para exame de citologia; o
exsudato é a característica dos derrames cavitários por tuberculose. A celularidade costuma ser
baixa, mas sempre com predomínio de linfócitos (acima de 90%). Nos derrames pleurais, o líquido
costuma ser pobre em células mesoteliais. O aumento da ADA (adenosina deaminase) guarda
certa especificidade com os derrames tuberculosos, especialmente se seu valor encontra-se
acima de 40UI/l e há combinação com outros fatores sugestivos, como idade inferior a 45 anos,
pleocitose às custas de linfócitos e proteínas=4,5g/dl. Sempre que possível, o procedimento de
drenagem de derrame pleural (seja para fins de alívio ou diagnóstico) deve ser seguido de biópsia
de pleura, com envio do fragmento para o Laboratório de Anatomia Patológica.

 Estudo do Líquor: geralmente de aspecto límpido ou discretamente turvo, com celularidade
aumentada, porém inferior a 500céls./mm3, com predomínio de linfócitos, hipoglicorraquia
(<40mg/dl), hiperproteinorraquia intensa e exames bacteriológico e micológico negativos. Apesar
da baixa taxa de crescimento, o material deve ser cultivado para micobactéria.

  Estudo Anatomo-Patológico: a presença de reação granulomatosa, com ou sem necrose
caseosa, e ainda, a presença de bacilos álcool-ácido resistentes (BAAR) fazem o diagnóstico de
tuberculose. O material a ser estudado pode ser resultado de biópsia de linfonodos enfartados ou
fistulizados, de pleura, pericárdio, mucosa gastrintestinal, bexiga, rins, pele, medula óssea ou
fígado. Ultimamente temos tido boa experiência com o diagnóstico presuntivo de tuberculose à
análise de biópsia hepática. Portanto, em casos de difícil diagnóstico, com vistas ao início da
terapêutica específica, sugerimos a biópsia hepática de rotina para estes pacientes, desde que
tenham condições clínicas para tal procedimento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasosMônica Firmida
 
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2helonasc
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5Inês Santos
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisJosy Farias
 
Tuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfTuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfJuliana Ledur
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarErick Bragato
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOIsmael Costa
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Clebson Reinaldo
 
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDPneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDLiga De Pediatria Med Unicid
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesRenato Varges - UFF
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsDessa Reis
 
Tuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográficaTuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográficaTCC_FARMACIA_FEF
 

Mais procurados (19)

Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
 
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
Guia de-vigilancia-em-saude-2017-volume-2
 
Resumo tuberculose grupo 5
Resumo   tuberculose grupo 5Resumo   tuberculose grupo 5
Resumo tuberculose grupo 5
 
Tuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitaisTuberculose em hospitais
Tuberculose em hospitais
 
Tuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdfTuberculose infantil pdf
Tuberculose infantil pdf
 
Kaio
KaioKaio
Kaio
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIOTuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
Tuberculose, Hanseníase, Meningites - 2016 - UNIRIO
 
Tuberculose slide
Tuberculose slideTuberculose slide
Tuberculose slide
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
Assistência de enfermagem aos paciente portadores de doenças infecciosas aula...
 
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICIDPneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
Pneumonias na Infância - Liga de Pediatria UNICID
 
Ii unidade aula 1
Ii unidade   aula 1Ii unidade   aula 1
Ii unidade aula 1
 
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato VargesMycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
Mycobacteruim tuberculosis - Renato Varges
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográficaTuberculose revisão bibliográfica
Tuberculose revisão bibliográfica
 

Semelhante a Tuberculose

Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdCatiaprof
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdCatiaprof
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsCms Nunes
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeamaroalmeida74
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhIsmael Costa
 
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014Cândida Mirna
 
Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014José Ripardo
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioIsmael Costa
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dotsDessa Reis
 
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptcarlasuzane2
 
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteProjecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteNick Addams Pensador
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geralescola
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarlukeni2015
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialguestfced19
 

Semelhante a Tuberculose (20)

Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºdRenata thays e gabryella damascena 1ºd
Renata thays e gabryella damascena 1ºd
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
 
Aprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserhAprim sp2e 3-ebserh
Aprim sp2e 3-ebserh
 
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
 
Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014Informe técnico campanha influenza- 2014
Informe técnico campanha influenza- 2014
 
Aprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirioAprimore sp3-unirio
Aprimore sp3-unirio
 
Varicela 4
Varicela 4Varicela 4
Varicela 4
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
pneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.pptpneumonia-7c2b0.ppt
pneumonia-7c2b0.ppt
 
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT TeteProjecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
Projecto de Pesquisa Nick Alberto - ISPT Tete
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Condições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravosCondições de saúde, doenças e agravos
Condições de saúde, doenças e agravos
 
Trabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficialTrabalho de biologia oficial
Trabalho de biologia oficial
 

Tuberculose

  • 1. Tuberculose Descrição A tuberculose (TB) é um problema de saúde prioritário no Brasil, e juntamente com outros 21 países em desenvolvimento, alberga 80% dos casos mundiais da doença. Estima-se que, cerca de um terço da população mundial, esteja infectada com o Mycobacterium tuberculosis, estando sob risco de desenvolver a enfermidade. Em torno de oito milhões de casos novos e quase 3 milhões de mortes por tuberculose, ocorrem anualmente. Nos países desenvolvidos é mais frequente entre as pessoas idosas, nas minorias étnicas e imigrantes estrangeiros. Nos países em desenvolvimento, estima-se que ocorram 95% dos casos e 98% das mortes causadas pela doença, ou seja, mais de 2,8 milhões de mortes por tuberculose e 7,5 milhões de casos novos, atingindo a todos os grupos etários, com maior predomínio nos indivíduos economicamente ativos (15-54 anos) da sociedade. No Brasil, os homens adoecem duas vezes mais do que as mulheres. No país estima-se que, do total da população, mais de 50 milhões de pessoas estejam infectados pelo M. tuberculosis, com aproximadamente 80 mil casos novos por ano. O número de mortes pela doença, em nosso meio, é de 4 a 5 mil, anualmente. Com o surgimento, em 1981, da síndrome de imunodeficiência adquirida (SIDA/aids), vem-se observando, tanto em países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento, um crescente número de casos notificados de tuberculose, em pessoas infectadas pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). A associação (HIV/TB) constitui, nos dias atuais, um sério problema de saúde pública, podendo levar ao aumento da morbidade e mortalidade pela TB, em muitos países. Período de incubação Após a infecção pelo M. tuberculosis, transcorrem, em média, 4 a 12 semanas para a detecção das lesões primárias. A maioria dos novos casos de doença pulmonar ocorre em torno de 12 meses após a infecção inicial. A probabilidade de o indivíduo vir a ser infectado, e de que essa infecção evolua para a doença, depende de múltiplas causas, destacando-se, dentre estas, a idade avançada, as condições sócio-econômicas e algumas condições médicas (diabetes mellitus, alcoolismo, silicose, uso prolongado de corticosteróides ou outros imunossupressores, neoplasias, uso de drogas, infecção pelo HIV e pacientes submetidos a gastrectomia ou bypass intestinal). A evolução do quadro clínico dependerá do indivíduo estar sendo infectado pela primeira vez (primo- infecção), ou reinfectado (reinfecção exógena). A probabilidade de adoecer numa primo-infecção depende da virulência do bacilo, da fonte infectante e das características genéticas dos indivíduos infectados. Em novo contato, após uma infecção natural ou induzida pela BCG, a resistência dependerá da resposta imunológica. Período de transmissibilidade A transmissão é plena enquanto o doente estiver eliminando bacilos, e não tiver iniciado o tratamento. Com o esquema terapêutico recomendado, a transmissão é reduzida, gradativamente, a níveis insignificantes, ao fim de poucos dias ou semanas. As crianças, com tuberculose pulmonar, geralmente não são infectantes. Período de Infecção Um indivíduo que receba uma carga infecciosa de bacilos da tuberculose, pela primeira vez (primo-infecção), e que 1 a 2 bacilos alcancem o pulmão, vencendo as defesas da árvore respiratória, localizando-se nos alvéolos da periferia pulmonar, apresentará uma reação inflamatória e exsudativa de tipo inespecífica. Aproximadamente, em 15 dias, os bacilos podem multiplicar-se livremente, porque ainda não existe imunidade adquirida. Nesse período, os bacilos podem alcançar número superior a 105 e, partindo da lesão pulmonar, atingir a via linfo- hematogênica, comprometendo os linfonodos e órgãos dos diversos sistemas e aparelhos, principalmente o fígado, o baço, a medula óssea, os rins e o sistema nervoso. Essa disseminação é considerada “benigna”, de poucos bacilos, que ficarão latentes, ou serão destruídos pela ação da imunidade que se instalará. No início da 2a ou 3a semana, o organismo normal, reconhecendo a presença de elemento estranho, é capaz de mobilizar seu sistema de defesa imunológico específico, acontecendo a luta hospedeiro-invasor, visando a destruição ou inativação do agente agressor. Passa a haver, então, no pulmão, no local da inoculação inicial, um foco pequeno,
  • 2. arredondado, de 1 a 2 mm, esbranquiçado, de consistência amolecida e constituído, principalmente, por material caseoso. Esse foco é circundado por afluxo celular de linfócitos, células epitelióides (macrófagos ativados e modificados) e macrófagos (foco primário), localizado principalmente no terço médio, compreendendo a parte inferior do lobo superior, lobo médio e, particularmente, o ápice do lobo inferior. Normalmente, esse nódulo é único, e com as dimensões mencionadas, mas há relatos da existência de múltiplos focos primários e de focos de maiores dimensões. À associação do foco primário aos gânglios satélites da sua região, dá-se o nome de Complexo Primário de Ranke. O foco pulmonar regressivo, que pode ser visto nas radiografias, chama-se foco de Gohn. Cerca de 90% da população infectada consegue bloquear o avanço do processo, a partir da formação do complexo primário de Ranke, permanecendo apenas como infectados. Tuberculose primária – ocorre durante uma primo-infecção, pode evoluir tanto a partir do foco pulmonar, quanto do foco ganglionar ou, então, em consequência da disseminação hematogênica. Isso acontece em 5% dos primo-infectados. Tuberculose pós-primária – ocorre no organismo que tem sua imunidade desenvolvida, tanto pela infecção natural quanto pelo BCG. Dos primo-infectados, 5% adoecerão tardiamente, em consequência do recrudescimento de algum foco já existente no seu organismo (reativação endógena). Também pode ocorrer a reinfecção exógena, ou seja, o paciente adoecer por receber nova carga bacilar do exterior. O quadro clínico não apresenta nenhum sinal ou sintoma característico. Observa-se, normalmente, comprometimento do estado geral, febre baixa vespertina com sudorese, inapetência e emagrecimento. Quando a doença atinge os pulmões, o indivíduo pode apresentar dor torácica e tosse produtiva, acompanhada ou não de escarros hemoptóicos. A tosse produtiva é o sintoma mais frequente da forma pulmonar. Nas crianças também é comum o comprometimento ganglionar mediastínico e cervical (forma primária), que se caracteriza por lesões bipolares: parênquima e gânglios. Nos pacientes adultos, maiores de 15 anos, a tuberculose atinge os pulmões em cerca de 90% dos casos. Nos menores de 15 anos, este percentual é de 75%, podendo, entretanto, se localizar em outras partes do organismo: rins, ossos e meninges, dentre outras, em função das quais se expressará clinicamente. Uma das formas mais graves é a tuberculose miliar, decorrente de disseminação hematogênica com acometimento sistêmico, quadro tóxico infeccioso importante e grande risco de meningite. Os pulmões se apresentam difusamente ocupados por pequenas lesões. Os demais órgãos também podem ser acometidos por lesões idênticas. Na criança e adolescente, com suspeita de tuberculose, as manifestações clínicas podem ser variadas. A maioria dos casos apresenta febre, habitualmente moderada, persistente por mais de 15 dias, e frequentemente vespertina. São comuns irritabilidade, tosse, perda de peso, sudorese noturna, às vezes profusa. Muitas vezes, a suspeita de tuberculose é feita em casos de pneumonia de evolução lenta, que não vem apresentando melhora com o uso de antimicrobianos para bactérias comuns. Em crianças e adolescentes, há predomínio da localização pulmonar, sobre as formas de tuberculose extrapulmonares. A suspeita deve ser realizada na presença de linfadenopatia cervical ou axilar, após excluir adenite infecciosa aguda, com evidentes sinais flogísticos. Na presença de reação forte ao PPD, está indicado o tratamento. Os achados radiográficos mais sugestivos de tuberculose, nessa faixa etária, são: adenomegalias hilares e/ou paratraqueais (gânglios mediastínicos aumentados de volume); pneumonias com qualquer aspecto radiológico (de evolução lenta, às vezes associadas a adenomegalias mediastínicas, ou que cavitam durante a evolução) e o infiltrado nodular difuso (padrão miliar). Deve-se sempre investigar se houve contato prolongado com adulto doente de tuberculose pulmonar bacilífera, ou com história de tosse por três semanas ou mais. Os casos suspeitos de tuberculose em crianças e adolescentes devem ser encaminhados para a unidade de referência, para investigação e confirmação do diagnóstico. Após definição do diagnóstico e estabelecido o tratamento, a criança deverá voltar para acompanhamento na Unidade Básica de Saúde. Diagnóstico Laboratorial Exame Bacteriológico: a pesquisa bacteriológica é o método mais importante, seguro, rápido e de baixo custo para o diagnóstico, controle do tratamento e vigilância de resistência aos tuberculostáticos. Pode ser realizado de duas maneiras:
  • 3. Exame direto (pesquisa de BAAR): recomenda-se coleta de três amostras de secreção das vias aéreas inferiores, em dias subseqüentes, pela manhã, antes do desjejum. Pacientes pobres em escarro podem fazer a indução do mesmo a partir da nebulização com solução salina hipertônica (NaCl 3%). É importante salientar que todo paciente com suspeita de tuberculose deve permanecer em isolamento respiratório até que seja considerado não-bacilífero (três pesquisas de BAAR no escarro negativas). Pode-se proceder ainda à pesquisa de BAAR nas fezes, quando da presença de quadro diarréico sugestivo. Este material deve chegar rapidamente ao laboratório ou, se necessário, ser conservado em geladeira até seu processamento. A pesquisa nas fezes deve ser incentivada em todos os casos suspeitos, independente da forma de apresentação clínica; Cultura para micobactéria: está indicada nos casos suspeitos que se mantêm com baciloscopia negativa, nas situações de falência terapêutica (para observação de resistência), nas formas extrapulmonares (cultura do líquor, sangue, urina, fezes, aspirado ganglionar, líquido pleural, líquido pericárdico e macerado de biópsia). Após o isolamento, quando disponível, é feito o teste de sensibilidade aos tuberculostáticos e tipificação do bacilo. Prova Tuberculínea (PPD): representa um método auxiliar para o diagnóstico de pacientes não- imunizados com BCG. Quando negativa, sugere a investigação de outras doenças que possam ter apresentação semelhante à tuberculose. Quando positiva, indica contato atual ou pregresso com a micobactéria, necessitando de outros achados que confirmem a infecção. Sabe-se que indivíduos imunodeprimidos podem apresentar reação anérgica ao PPD, mesmo quando gravemente enfermos pela doença. Apesar da interpretação dificultada em nosso meio, o PPD ainda é solicitado de rotina, quando disponível, para todos pacientes com suspeita de tuberculose, imunocompetentes ou não. Estudo Do Líquido Pleural/Pericárdico: o líquido deve ser enviado para o Laboratório de Bacteriologia e também para o Laboratório de Anatomia Patológica para exame de citologia; o exsudato é a característica dos derrames cavitários por tuberculose. A celularidade costuma ser baixa, mas sempre com predomínio de linfócitos (acima de 90%). Nos derrames pleurais, o líquido costuma ser pobre em células mesoteliais. O aumento da ADA (adenosina deaminase) guarda certa especificidade com os derrames tuberculosos, especialmente se seu valor encontra-se acima de 40UI/l e há combinação com outros fatores sugestivos, como idade inferior a 45 anos, pleocitose às custas de linfócitos e proteínas=4,5g/dl. Sempre que possível, o procedimento de drenagem de derrame pleural (seja para fins de alívio ou diagnóstico) deve ser seguido de biópsia de pleura, com envio do fragmento para o Laboratório de Anatomia Patológica. Estudo do Líquor: geralmente de aspecto límpido ou discretamente turvo, com celularidade aumentada, porém inferior a 500céls./mm3, com predomínio de linfócitos, hipoglicorraquia (<40mg/dl), hiperproteinorraquia intensa e exames bacteriológico e micológico negativos. Apesar da baixa taxa de crescimento, o material deve ser cultivado para micobactéria. Estudo Anatomo-Patológico: a presença de reação granulomatosa, com ou sem necrose caseosa, e ainda, a presença de bacilos álcool-ácido resistentes (BAAR) fazem o diagnóstico de tuberculose. O material a ser estudado pode ser resultado de biópsia de linfonodos enfartados ou fistulizados, de pleura, pericárdio, mucosa gastrintestinal, bexiga, rins, pele, medula óssea ou fígado. Ultimamente temos tido boa experiência com o diagnóstico presuntivo de tuberculose à análise de biópsia hepática. Portanto, em casos de difícil diagnóstico, com vistas ao início da terapêutica específica, sugerimos a biópsia hepática de rotina para estes pacientes, desde que tenham condições clínicas para tal procedimento.