SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Prova de Literatura – dia 10/10

Realismo

Período: 2ª fase da Revolução Industrial
Oposição ao idealismo romântico. Não há envolvimento sentimental
Corrente sociológica: Positivismo – rejeição de qualquer explicação
metafísica da realidade / pautava-se nos experimentos físicos
Descrição fiel dos fatos / da realidade
Características:
       Objetivismo
       Imparcialidade / Impessoalismo
       Universalismo
       Personagens esféricas – mais complexas e dinâmicas, pois evoluíam
       psicologicamente ao longo do texto.
       Contemporaneidade - O que interessa é o presente
       Detalhismo
       Linguagem culta, porém direta.
       Mulher não idealizada, mostrada com defeitos e qualidades.
       Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais
       Herói problemático, cheio de fraquezas e manias.
       Narrativa lenta, exploração do tempo psicológico.
       Denúncias em relação à sociedade francesa.
       Temas – tratamento diferenciado
       Narrador em 3ª pessoa - onisciente
       Retratação das classes mais altas – análises psicológicas do
       comportamento da sociedade


Naturalismo

Realismo científico
Realismo exagerado
Determinismo e cientificismo
Homem: meio, raça e momento.
Romance de tese – análise dos personagens – narrador em 3ª pessoa
(distanciamento)
Personagens animalizados
A principal característica do Naturalismo é o cientificismo exagerado que
transformou o homem e a sociedade em objetos de experiências.
Descrições minuciosas e linguagem simples
Preferência por temas como miséria, adultério, crimes, problemas sociais,
taras sexuais e etc. A exploração de temas patológicos traduz a vontade de
analisar todas as podridões sociais e humanas sem se preocupar com a
reação do público.
Ao analisar os problemas sociais, o naturalista mostra uma vontade de
reformar a sociedade, ou seja, denunciar estes problemas era uma forma de
tentar reformar a sociedade.
Baseado nas correntes sociológicas materialista: positivismo, determinismo
e darwinismo.
       Positivismo:
       Foi uma corrente filosófica iniciada por Auguste Comte, onde as
       ideias de percepção humanas são baseadas na observação, exatidão,
       deixando de lado teorias e especulações da Teologia e Metafísica.

     Determinismo:
     Crença em que os acontecimentos ocorrem de uma maneira já fixada,
     num plano sobrenatural ou pelas leis da Natureza. É o princípio em que
todos osfenómenos estão ligados uns aos outros, por meio de relações
     ou leis necessárias. As ações do homem são determinadas pelo meio.

     Darwinismo:
   Seleção natural – busca por sobrevivência. Os indivíduos que
   apresentassem      características  menos     favoráveis    encontrariam
   dificuldade para competir, reproduzir e sobreviver. Dessa forma, através
   da seleção natural, os indivíduos com características desfavoráveis
   tenderiam a quase desaparecer com o passar dos tempos.

Realismo                       Naturalismo
Romance documental             Romance experimental
Individualidade                Coletividade
Análise exterior e interior    Análise exterior
Ênfase psicológica             Ênfase biológica – comprovar a tese científica
Classes sociais dominantes     Classes sociais dominadas
Interpretação indireta         Interpretação direta
Classes mais altas             Classes mais baixas

Obras:
         O Cortiço – Aluísio de Azevedo
            Romance de tese
            Personagens psicologicamente superficiais (tipos sociais)
            João Romão – capitalista explorador
            Bertoleza – trabalhador escravo
            Miranda – Burguês
            Jerônimo – Disciplina no trabalho
            Piedade – Mulher europeia
            Rita Baiana – mulher brasileira
            Personagem principal: o cortiço (ganha vida tal qual um
            personagem)
            Narrador: 3ª pessoa – onisciente
            Tempo: Linear / Brasil do séc. XIX.
            Espaço: cortiço (pobres) + sobrado do Miranda (burguesia
            ascendente)
            Miscigenação / mistura das raças que de acordo com o
            determinismo não será positiva.
            Enredo
            João Romão + Bertoleza
                 X
            Miranda – briga por pedaço de terra/ Miranda recebe título de
            Barão / ascensão financeira e social

            Moradores do cortiço – sem nenhuma ambição – produto da
            organização e do dinamismo do cortiço.
            Rita Baiana – Piedade + Jerônimo (má influência do meio sobre o
            homem)

            Pontos importantes
            Cortiço – organismo vivo (biológico)
            Tese: mistura de raças – degradação humana
            Crítica às diferenças sociais
            Meio, raça e momento histórico determinam o comportamento
            dos personagens.
Germinal –Émile Zola
Objetivo: reconstruir a sociedade francesa da segunda metade do
séc. XIX.
A obra Germinal de Émile Zola, que inclusive consagrou um dos
maiores escritores de todos os tempos, nos apresenta a vida do
jovem Étienne Lantier que luta intensamente em busca de uma
transformação político e social da situação na qual vivia a França
especialmente a cidade de Montsou no séc. XIX.
O "Germinal", nos mostra a situação de miséria em que se
encontravam os mineiros franceses; as relações entre capitalistas
e operários; as greves e o sindicalismo; as necessidades humanas
em contraste com as necessidades materiais.
Critica a sociedade burguesa
Visão do homem como um animal, movido pela eterna satisfação
de suas necessidades biológicas e pela adaptação ao seu meio.
Repetidas vezes, Zola descreve as ações e o comportamento de
seus personagens humanos como próprias de animais, ou então
descreve animais como dotados de comportamento quase
humano.
A ação humana é muito influenciada por questões patológicas. O
desenvolvimento da vida de seus personagens depende muito das
doenças as quais os mesmos estão submetidos. Obviamente, isso
decorre da busca de fundamentação científica para descrever o
comportamento humano pelo autor. Assim, enquanto os
mineradores, por estarem em contato com mais doenças, já são
descritos fisicamente e psicologicamente como adultos logo na
puberdade, os jovens burgueses mesmo depois dos vinte anos
ainda são vistos como crianças.
O determinismo pelo meio. Sendo o homem um animal como
todos os outros, vive em busca de se adaptar ao seu meio.
Portanto, o meio é um fator determinante ao comportamento
humano; é mais forte do que qualquer ação individual.
O instinto. Apesar de viver em uma época em que as pessoas
intelectualizadas tinham plena fé no desenvolvimento científico e
na racionalidade humana, Zola põe na irracionalidade, isto é, nos
surtos emocionais de seus personagens, um fator de extrema
importância no enredo.
O niilismo. O sofrimento e a injustiça são elementos frequentes
no comportamento humano. Mas, para uma sociedade de animais
medíocres, irracionais e presos ao seu meio, por mais revoltante
que ele seja, como a sociedade humana, melhoras são
praticamente impossíveis.


O Primo Basílio –Eça de Queirós
Eça de Queiroz ataca uma das instituições mais sólidas: o
casamento. Com personagens despidos de virtude, situações
dramáticas geradas a partir de sentimentos fúteis e
mesquinharias, lances amorosos com motivações vulgares e
medíocres – apesar de tudo isso, ao mesmo tempo em que
ataca, desperta o interesse da sociedade lisboeta.
Embora o adultério fosse tema já trabalhado pelo Romantismo,
Eça de Queiroz explora o erotismo quando detalha a relação
entre os amantes. Inova também ao incluir diálogos sobre
homossexualismo. O autor, que já mostrara sua opção por uma
literatura ácida e nada sentimental em O Crime do Padre Amaro,
cria personagens fisicamente decadentes – cheios de doenças e
catarros – e de comportamento sexual promíscuo.
O Primo Basílio é uma obra naturalista e realista. A escola
    realista propõe uma criação literária apoiada na análise objetiva
    da realidade. O narrador aparece como um observador imparcial,
    que vê os acontecimentos com neutralidade e que domina as
    informações sobre o contexto no qual o enredo acontece. O
    Naturalismo traz uma preocupação a mais: tenta introduzir o
    método científico na obra literária e, com isso, intensifica e
    amplia as tendências básicas do Realismo.
Personagens:
    Os personagens que recheiam a obra de Eça de Queirós na sua
    fase naturalista, como em O Primo Basílio, são planos, ou seja,
    são o oposto dos personagens de grande intensidade interior e
    psicológica – os personagens esféricos. Em O Primo Basílio, toda
    a intensidade é reservada para a trama. Os personagens apenas
    são por ela envolvidos e arrastados. Ou seja, a realidade objetiva
    é que molda e define a vida dos homens.
Estilo e linguagem:
    A obra de Eça adapta o texto literário ao ritmo e à modulação da
    língua falada. Assim, rejuvenesce a linguagem literária,
    mesclando-a com recursos de abordagem mais próximos do
    jornalismo.
    Detalhismo
    Fotografia lírica dos ambientes
    Visão crua dos personagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Laplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologiaLaplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologia
FelipeMiguel12
 
Etnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicasEtnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicas
Ana Estrela
 
Antropologia segundo Franz Boaz
Antropologia segundo Franz BoazAntropologia segundo Franz Boaz
Antropologia segundo Franz Boaz
Laís Uchôa
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologia
lukinha10
 

Mais procurados (20)

Naturalismo e Realismo
Naturalismo e RealismoNaturalismo e Realismo
Naturalismo e Realismo
 
Exercício de realismo
Exercício de realismoExercício de realismo
Exercício de realismo
 
Exercícios realismo-naturalismo
Exercícios realismo-naturalismoExercícios realismo-naturalismo
Exercícios realismo-naturalismo
 
Trabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismoTrabalho portugues realismo naturalismo
Trabalho portugues realismo naturalismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
O Romantismo
O Romantismo O Romantismo
O Romantismo
 
Laplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologiaLaplantine.françoise. aprender antropologia
Laplantine.françoise. aprender antropologia
 
Camponeses: Um olhar nos primórdios da modernidade.
Camponeses: Um olhar nos primórdios da modernidade.Camponeses: Um olhar nos primórdios da modernidade.
Camponeses: Um olhar nos primórdios da modernidade.
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)Aprender antropologia (françois laplantine)
Aprender antropologia (françois laplantine)
 
Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01Realismo naturalismo 01
Realismo naturalismo 01
 
Castro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-culturalCastro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-cultural
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Etnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicasEtnografia do-estado questoes metodologicas
Etnografia do-estado questoes metodologicas
 
Antropologia segundo Franz Boaz
Antropologia segundo Franz BoazAntropologia segundo Franz Boaz
Antropologia segundo Franz Boaz
 
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasilAntropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
 
Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologia
 

Destaque

I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS) I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS)
Isaquel Silva
 
Prova literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médioProva literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médio
Geo Honório
 
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Isabella Silva
 
CONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIO
CONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIOCONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIO
CONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIO
supletivoariquemes
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Edcléia Xavier
 
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
Isaquel Silva
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
IFMA
 

Destaque (15)

O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
 
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS) I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 2º ANO (COM GABARITOS)
 
Prova literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médioProva literatura 2° ano médio
Prova literatura 2° ano médio
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
 
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
Atividade de 2_ano_3_trimestre_professores_diversos_
 
Conteúdos provão ensino médio
Conteúdos provão ensino médioConteúdos provão ensino médio
Conteúdos provão ensino médio
 
CONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIO
CONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIOCONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIO
CONTEUDO PROVÃO ENSINO MÉDIO
 
Exercícios literatura escolas literárias (3)
Exercícios literatura   escolas literárias (3)Exercícios literatura   escolas literárias (3)
Exercícios literatura escolas literárias (3)
 
Conteúdos provão ensino médio
Conteúdos provão ensino médioConteúdos provão ensino médio
Conteúdos provão ensino médio
 
Análise o primo basílio
Análise   o primo basílioAnálise   o primo basílio
Análise o primo basílio
 
Lista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literaturaLista de exercícios 2º ano em literatura
Lista de exercícios 2º ano em literatura
 
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO ENSINO MÉDIO
 
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & TricksHow to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
How to Make Awesome SlideShares: Tips & Tricks
 
Getting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShareGetting Started With SlideShare
Getting Started With SlideShare
 

Semelhante a Prova de literatura

Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Ajudar Pessoas
 

Semelhante a Prova de literatura (20)

Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Revisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismoRevisão realismo e naturalismo
Revisão realismo e naturalismo
 
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMO
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Realismo Vs Naturalismo
Realismo Vs NaturalismoRealismo Vs Naturalismo
Realismo Vs Naturalismo
 
Naturalismo
Naturalismo Naturalismo
Naturalismo
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
 
O cortiço - Naturalismo
O cortiço - NaturalismoO cortiço - Naturalismo
O cortiço - Naturalismo
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
Um Índio Didático. Notas para o estudo de representações - Everardo Pereira G...
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 

Mais de Isabella Silva

Hist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_micaHist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_mica
Isabella Silva
 
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestreLista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Isabella Silva
 
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_svMovimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Isabella Silva
 
Impressionismo pré pas
Impressionismo pré  pasImpressionismo pré  pas
Impressionismo pré pas
Isabella Silva
 
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestreRevisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Isabella Silva
 
Questionário de filosofia
Questionário de filosofiaQuestionário de filosofia
Questionário de filosofia
Isabella Silva
 

Mais de Isabella Silva (20)

Hist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_micaHist ria e_termodin_mica
Hist ria e_termodin_mica
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
 
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestreLista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
Lista de exerc_cios_ondas_harm_nicas_f_sica_i_fabio_jorge_2_ano_3_trimestre
 
Efeito doppler sv
Efeito doppler svEfeito doppler sv
Efeito doppler sv
 
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_svMovimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
Movimento harmonico f_sica_i_2_ano_fabio_jorge_sv
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
 
Inglês
InglêsInglês
Inglês
 
Impressionismo pré pas
Impressionismo pré  pasImpressionismo pré  pas
Impressionismo pré pas
 
Impressionismo 01
Impressionismo   01Impressionismo   01
Impressionismo 01
 
Fotografia atualizada
Fotografia atualizadaFotografia atualizada
Fotografia atualizada
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Revisão de visuais
Revisão de visuaisRevisão de visuais
Revisão de visuais
 
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestreRevisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
Revisão prova parcial de cenicas 3 º trimestre
 
Digitalizar0012
Digitalizar0012Digitalizar0012
Digitalizar0012
 
Adverbios
AdverbiosAdverbios
Adverbios
 
Revisão coordenadas
Revisão coordenadasRevisão coordenadas
Revisão coordenadas
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Parcial biologia
Parcial   biologiaParcial   biologia
Parcial biologia
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Questionário de filosofia
Questionário de filosofiaQuestionário de filosofia
Questionário de filosofia
 

Prova de literatura

  • 1. Prova de Literatura – dia 10/10 Realismo Período: 2ª fase da Revolução Industrial Oposição ao idealismo romântico. Não há envolvimento sentimental Corrente sociológica: Positivismo – rejeição de qualquer explicação metafísica da realidade / pautava-se nos experimentos físicos Descrição fiel dos fatos / da realidade Características: Objetivismo Imparcialidade / Impessoalismo Universalismo Personagens esféricas – mais complexas e dinâmicas, pois evoluíam psicologicamente ao longo do texto. Contemporaneidade - O que interessa é o presente Detalhismo Linguagem culta, porém direta. Mulher não idealizada, mostrada com defeitos e qualidades. Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais Herói problemático, cheio de fraquezas e manias. Narrativa lenta, exploração do tempo psicológico. Denúncias em relação à sociedade francesa. Temas – tratamento diferenciado Narrador em 3ª pessoa - onisciente Retratação das classes mais altas – análises psicológicas do comportamento da sociedade Naturalismo Realismo científico Realismo exagerado Determinismo e cientificismo Homem: meio, raça e momento. Romance de tese – análise dos personagens – narrador em 3ª pessoa (distanciamento) Personagens animalizados A principal característica do Naturalismo é o cientificismo exagerado que transformou o homem e a sociedade em objetos de experiências. Descrições minuciosas e linguagem simples Preferência por temas como miséria, adultério, crimes, problemas sociais, taras sexuais e etc. A exploração de temas patológicos traduz a vontade de analisar todas as podridões sociais e humanas sem se preocupar com a reação do público. Ao analisar os problemas sociais, o naturalista mostra uma vontade de reformar a sociedade, ou seja, denunciar estes problemas era uma forma de tentar reformar a sociedade. Baseado nas correntes sociológicas materialista: positivismo, determinismo e darwinismo. Positivismo: Foi uma corrente filosófica iniciada por Auguste Comte, onde as ideias de percepção humanas são baseadas na observação, exatidão, deixando de lado teorias e especulações da Teologia e Metafísica. Determinismo: Crença em que os acontecimentos ocorrem de uma maneira já fixada, num plano sobrenatural ou pelas leis da Natureza. É o princípio em que
  • 2. todos osfenómenos estão ligados uns aos outros, por meio de relações ou leis necessárias. As ações do homem são determinadas pelo meio. Darwinismo: Seleção natural – busca por sobrevivência. Os indivíduos que apresentassem características menos favoráveis encontrariam dificuldade para competir, reproduzir e sobreviver. Dessa forma, através da seleção natural, os indivíduos com características desfavoráveis tenderiam a quase desaparecer com o passar dos tempos. Realismo Naturalismo Romance documental Romance experimental Individualidade Coletividade Análise exterior e interior Análise exterior Ênfase psicológica Ênfase biológica – comprovar a tese científica Classes sociais dominantes Classes sociais dominadas Interpretação indireta Interpretação direta Classes mais altas Classes mais baixas Obras: O Cortiço – Aluísio de Azevedo Romance de tese Personagens psicologicamente superficiais (tipos sociais) João Romão – capitalista explorador Bertoleza – trabalhador escravo Miranda – Burguês Jerônimo – Disciplina no trabalho Piedade – Mulher europeia Rita Baiana – mulher brasileira Personagem principal: o cortiço (ganha vida tal qual um personagem) Narrador: 3ª pessoa – onisciente Tempo: Linear / Brasil do séc. XIX. Espaço: cortiço (pobres) + sobrado do Miranda (burguesia ascendente) Miscigenação / mistura das raças que de acordo com o determinismo não será positiva. Enredo João Romão + Bertoleza X Miranda – briga por pedaço de terra/ Miranda recebe título de Barão / ascensão financeira e social Moradores do cortiço – sem nenhuma ambição – produto da organização e do dinamismo do cortiço. Rita Baiana – Piedade + Jerônimo (má influência do meio sobre o homem) Pontos importantes Cortiço – organismo vivo (biológico) Tese: mistura de raças – degradação humana Crítica às diferenças sociais Meio, raça e momento histórico determinam o comportamento dos personagens.
  • 3. Germinal –Émile Zola Objetivo: reconstruir a sociedade francesa da segunda metade do séc. XIX. A obra Germinal de Émile Zola, que inclusive consagrou um dos maiores escritores de todos os tempos, nos apresenta a vida do jovem Étienne Lantier que luta intensamente em busca de uma transformação político e social da situação na qual vivia a França especialmente a cidade de Montsou no séc. XIX. O "Germinal", nos mostra a situação de miséria em que se encontravam os mineiros franceses; as relações entre capitalistas e operários; as greves e o sindicalismo; as necessidades humanas em contraste com as necessidades materiais. Critica a sociedade burguesa Visão do homem como um animal, movido pela eterna satisfação de suas necessidades biológicas e pela adaptação ao seu meio. Repetidas vezes, Zola descreve as ações e o comportamento de seus personagens humanos como próprias de animais, ou então descreve animais como dotados de comportamento quase humano. A ação humana é muito influenciada por questões patológicas. O desenvolvimento da vida de seus personagens depende muito das doenças as quais os mesmos estão submetidos. Obviamente, isso decorre da busca de fundamentação científica para descrever o comportamento humano pelo autor. Assim, enquanto os mineradores, por estarem em contato com mais doenças, já são descritos fisicamente e psicologicamente como adultos logo na puberdade, os jovens burgueses mesmo depois dos vinte anos ainda são vistos como crianças. O determinismo pelo meio. Sendo o homem um animal como todos os outros, vive em busca de se adaptar ao seu meio. Portanto, o meio é um fator determinante ao comportamento humano; é mais forte do que qualquer ação individual. O instinto. Apesar de viver em uma época em que as pessoas intelectualizadas tinham plena fé no desenvolvimento científico e na racionalidade humana, Zola põe na irracionalidade, isto é, nos surtos emocionais de seus personagens, um fator de extrema importância no enredo. O niilismo. O sofrimento e a injustiça são elementos frequentes no comportamento humano. Mas, para uma sociedade de animais medíocres, irracionais e presos ao seu meio, por mais revoltante que ele seja, como a sociedade humana, melhoras são praticamente impossíveis. O Primo Basílio –Eça de Queirós Eça de Queiroz ataca uma das instituições mais sólidas: o casamento. Com personagens despidos de virtude, situações dramáticas geradas a partir de sentimentos fúteis e mesquinharias, lances amorosos com motivações vulgares e medíocres – apesar de tudo isso, ao mesmo tempo em que ataca, desperta o interesse da sociedade lisboeta. Embora o adultério fosse tema já trabalhado pelo Romantismo, Eça de Queiroz explora o erotismo quando detalha a relação entre os amantes. Inova também ao incluir diálogos sobre homossexualismo. O autor, que já mostrara sua opção por uma literatura ácida e nada sentimental em O Crime do Padre Amaro, cria personagens fisicamente decadentes – cheios de doenças e catarros – e de comportamento sexual promíscuo.
  • 4. O Primo Basílio é uma obra naturalista e realista. A escola realista propõe uma criação literária apoiada na análise objetiva da realidade. O narrador aparece como um observador imparcial, que vê os acontecimentos com neutralidade e que domina as informações sobre o contexto no qual o enredo acontece. O Naturalismo traz uma preocupação a mais: tenta introduzir o método científico na obra literária e, com isso, intensifica e amplia as tendências básicas do Realismo. Personagens: Os personagens que recheiam a obra de Eça de Queirós na sua fase naturalista, como em O Primo Basílio, são planos, ou seja, são o oposto dos personagens de grande intensidade interior e psicológica – os personagens esféricos. Em O Primo Basílio, toda a intensidade é reservada para a trama. Os personagens apenas são por ela envolvidos e arrastados. Ou seja, a realidade objetiva é que molda e define a vida dos homens. Estilo e linguagem: A obra de Eça adapta o texto literário ao ritmo e à modulação da língua falada. Assim, rejuvenesce a linguagem literária, mesclando-a com recursos de abordagem mais próximos do jornalismo. Detalhismo Fotografia lírica dos ambientes Visão crua dos personagens