SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Avaliação da Aprendizagem em Processo
Caderno do Professor
6º Ano do Ensino Fundamental
Língua Portuguesa
São Paulo
Agosto de 2015
9ª Edição
Avaliação da Aprendizagem em Processo
Língua Portuguesa – Gabarito de Prova
6º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais
QUESTÕES A B C D
1 X
2 X
3 X
4 X
5 X
6 X
7 X
8 X
9 X
10 X
11 X
12 X
13 X
14 X
15 X
16 X
17 X
18 X
19 X
20 X
21 X
22 X
23 X
24 X
No Caderno do Professor há dois itens comentados com o objetivo de subsidiar
o professor na análise reflexiva, no Ensino Fundamental dos Anos Finais e
Ensino Médio.
Questões Comentadas – Ensino Fundamental – Anos Finais
Série/Ano Habilidade Questões
5ª Série/6º Ano
Reconhecer os elementos da
narrativa (personagem, enredo,
tempo, espaço ou foco
narrativo).
07 e 24
Identificar o uso adequado dos
modos verbais em
funcionamento no texto (modos
indicativo, subjuntivo e
imperativo).
6ª Série/7º Ano
Identificar relações lógico-
discursivas decorrentes do uso
de elementos de referenciação
(pronome relativo, indefinido ou
interrogativo) em notícias,
relatos de experiência, crônicas
ou contos. 05 e 07
Identificar tema/assunto
principal em um texto (relato de
experiência).
7ª Série/8º Ano
Identificar marcas de variação
linguística em textos do ponto
de vista do léxico, da morfologia
ou da sintaxe.
05 e 19
Reconhecer diferentes formas
de tratar uma informação na
comparação de textos que se
referem ao mesmo tema.
8ª Série/9º Ano
Identificar recursos semânticos
expressivos (figuras de
linguagem: metáfora ou
comparação).
13 e 20
Estabelecer relações entre
textos verbais e não verbais.
No Caderno do Professor há dois itens comentados com o objetivo de subsidiar o
professor na análise reflexiva, no Ensino Fundamental dos Anos Finais e Ensino
Médio.
Questões Comentadas – Ensino Médio
Série/Ano Habilidade Questões
1ª Série
Reconhecer os elementos constitutivos da
organização de um gênero textual (textos
informativos: o convite de casamento e o folheto
de divulgação).
06 e 20
Inferir informações implícitas em um texto
(tema/assunto principal).
2ª Série
Identificar recursos semânticos expressivos em
um texto – figuras de linguagem:
metáfora/metonímia/personificação/gradação/antít
ese.
05 e 17
Estabelecer relações entre a tese e os
argumentos para sustentá-la.
3ª Série
Identificar os argumentos em um texto. 06 e 20
Reconhecer o efeito de sentido produzido pela
exploração de recursos morfossintáticos
(advérbios e diminutivos).
Matriz de Referência para Avaliação de Língua Portuguesa - 2º bimestre
6ª Ano do Ensino Fundamental
Questões Descrição da Habilidade
17 e 21
Localizar informação explícita em um texto
06 e 13
Identificar a sequência de acontecimentos em um texto.
07 e 19
Reconhecer os elementos da narrativa (personagem,
enredo, tempo, espaço ou foco narrativo).
01 e 02
Reconhecer traços característicos (rima, versos,
estrofes) do gênero letra de música/poema.
03 e 22
Inferir uma informação implícita em um texto (crônica,
conto, miniconto, poema, ou letra de música).
04 e 05
Reconhecer traços característicos de um gênero
(romance, crônica, conto ou fábula).
11 e 15
Reconhecer os efeitos de sentido produzidos pelo uso
de conotação ou denotação em um texto (crônica, letra
de música ou poema).
14 e 18
Reconhecer os elementos da estrutura de diferentes
suportes textuais (livro, jornal ou revista).
20 e 23
Identificar marcadores temporais em um texto, do ponto
de vista do léxico, da morfologia ou da sintaxe.
12 e 24
Identificar o uso adequado dos modos verbais em
funcionamento no texto (modos indicativo, subjuntivo e
imperativo).
08 e16
Identificar vocábulos que, por sinonímia, substituem
outros vocábulos presentes no texto em que se
inserem.
09 e 10
Reconhecer os usos da norma padrão ou de outras
variedades linguísticas em diferentes situações de uso
social.
Leia o texto e responda à questão 01.
O Caderno
Toquinho e Mutinho
Sou eu que vou seguir você
Do primeiro rabisco até o be-a-bá.
Em todos os desenhos coloridos vou estar:
A casa, a montanha, duas nuvens no céu
E um sol a sorrir no papel.
Sou eu que vou ser seu colega,
Seus problemas ajudar a resolver.
Te acompanhar nas provas bimestrais, você vai ver.
Serei de você confidente fiel,
Se seu pranto molhar meu papel.
Sou eu que vou ser seu amigo,
Vou lhe dar abrigo, se você quiser.
Quando surgirem seus primeiros raios de mulher
A vida se abrirá num feroz carrossel
E você vai rasgar meu papel.
O que está escrito em mim
Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer.
A vida segue sempre em frente, o que se há de fazer.
Só peço a você um favor, se puder:
Não me esqueça num canto qualquer.
Disponível em: <http://www.toquinho.com.br/pagina.php?musica=1>. Acesso em: 11 de junho de 2015.
Habilidade
Reconhecer traços característicos (rima,
versos, estrofes) do gênero letra de
música/poema.
Questões 01 e 02
Questão 01
Os versos “Serei sempre seu confidente fiel / Se seu pranto molhar meu papel.”
rimam com outros versos presentes na alternativa:
(A) “Só peço a você um favor, se puder: / Não me esqueça num canto qualquer.”.
(B) “O que está escrito em mim / Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer.”.
(C) “A vida se abrirá num feroz carrossel / E você vai rasgar meu papel.”.
(D) “Sou eu que vou ser seu colega, / Seus problemas ajudar a resolver.”.
Leia o texto e responda às questões 2 e 3.
Paraíso
José Paulo Paes
Se esta rua fosse minha,
eu mandava ladrilhar,
não para automóveis matar gente,
mas para criança brincar.
Se esta mata fosse minha,
eu não deixava derrubar.
Se cortarem todas as árvores,
onde é que os pássaros vão morar?
Se este rio fosse meu,
eu não deixava poluir.
Joguem esgotos noutra parte,
que os peixes moram aqui.
Se este mundo fosse meu,
eu fazia tantas mudanças
que ele seria um paraíso
de bichos, plantas e crianças.
PAES, José Paulo. Il. Luiz Maia. Paraíso. In: Poemas para brincar. 13. ed. São Paulo: Ática, 1998.
Habilidade
Reconhecer traços característicos (rima,
versos, estrofes) do gênero letra de
música/poema.
Questões 01 e 02
Questão 02
O verso “eu fazia tantas mudanças” rima com outro verso presente na alternativa:
(A)”Joguem esgotos noutra parte,...”
(B) “...que ele seria um paraíso...”
(C)”...de bichos, plantas e crianças.”
(D) “Se este mundo fosse meu...”
Habilidade
Inferir uma informação implícita em um
texto (crônica,conto,miniconto, poema ou
letra de música).
Questões 03 e 22
Questão 03
No texto, o mundo descrito pelo poeta
(A) precisa construir esgotos nas matas.
(B) precisa ser transformado num paraíso.
(C) tem muita rua que precisa ser ladrilhada.
(D) apresenta muitos bichos, plantas e crianças.
Leia o texto abaixo e responda às questões 4 e 5.
O Lobo e o Cão
Esopo - adaptado por Joseph Shafan
Em um caminho, encontraram-se um Lobo e um Cão. O Lobo, vendo a vitalidade
do Cão, disse:- Tenho inveja de te ver tão gordo, com o pescoço grosso e o pelo
reluzente. Digo isso porque ando sempre magro e arrepiado. O Cão respondeu: -
Se fizeres o mesmo que eu, também engordarás. Estou em uma casa, onde me
dão de comer e tratam-me bem, enquanto meu trabalho é somente latir quando
percebo ladrões próximos da casa. Por isso, se queres, podes vir comigo. O
Lobo, aceitando, passou a caminhar junto com o Cão, mas em dado momento
perguntou: - O que é isso companheiro, que vejo? Teu pescoço está todo
esfolado[1]
. O Cão respondeu: - Para que de dia eu não morda aos que entram na
casa, sou preso com uma corda. De noite me soltam e assim fico até pela manhã,
quando tornam a me prender. O Lobo, ouvindo isso, disse: - Vou dispensar tua
fartura pra mim. A troco de não ser cativo[2]
, prefiro me empenhar pelo meu
sustento e, se necessário, jejuar[3]
, desde que esteja livre. Dizendo isso, se foi.
Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ea000378.pdf>. Acesso em 11 de junho de
2015.
Habilidade
Reconhecer traços característicos de um
gênero (romance, crônica, conto ou fábula).
Questões 04 e 05
Vocabulário:
[1]
Esfolado: que se arranhou. Disponível em:<http://www.aulete.com.br/esfolado>. Acesso em 11 de junho de 2015.
(adaptado)
[2]
Cativo: aquele que está preso. Disponível em:<http://www.aulete.com.br/cativo>. Acesso em 11 de junho de 2015.
(adaptado)
[3]
Jejuar: deixar de se alimentar. Disponível em:<http://www.aulete.com.br/jejuar>Acesso em 11 de junho de 2015.
(adaptado)
Questão 04
De acordo com a leitura da fábula, a alternativa que descreve os personagens é:
(A) Lobo, arrepiado e magro; cão, mal alimentado.
(B) Cão, obediente; lobo, gordo.
(C) Cão, com pescoço grosso; lobo, magro.
(D) Lobo, arrepiado; cão, magro.
Habilidade
Reconhecer traços característicos de um
gênero (romance, crônica, conto ou fábula).
Questões 04 e 05
Questão 05
A moral desta história pode ser:
(A) Mais vale um pássaro na mão do que dois voando.
(B) Quem espera algo sempre alcança.
(C) O invejoso não reconhece o que os outros fazem.
(D) Mais vale a fome do que a escravidão.
Leia o texto e responda às questões 6, 7 e 8.
O futebol e a matemática
Moacyr Scliar
Modelo matemático prevê gols no futebol
Mundo, 23 mar. 1999
O técnico reuniu o time dois dias antes da partida com o tradicional adversário.
Tinha uma importante comunicação a fazer.
— Meus amigos, hoje começa uma nova fase na vida do nosso clube. Até
agora, cada um jogava o futebol que sabia. Eu ensinava alguma coisa, é verdade,
mas a gente se guiava mesmo era pelo instinto. Isso acabou. Graças a um dos
nossos diretores, que é um cara avançado e sabe das coisas, nós vamos jogar de
maneira completamente diferente. Nós vamos jogar de maneira científica.
Abriu uma pasta e de lá tirou uma série de tabelas e gráficos feitos em
computador.
— Sabem o que é isso? É o modelo matemático para o nosso jogo. Foi feito
com base em todas as partidas que jogamos contra o nosso adversário, desde
1923. Está tudo aqui, cientificamente analisado. E está aqui também a previsão
para a nossa partida. Eles provaram estatisticamente que o adversário vai marcar
um gol aos 12 minutos do primeiro tempo. Nós vamos empatar aos 24 minutos do
segundo tempo e vamos marcar o gol da vitória aos 43 minutos. Portanto, não
percam a calma. Esperem pelo segundo tempo. É aí que vamos ganhar.
Os jogadores se olharam, perplexos. Mas ciência é ciência, tudo o que eles
tinham a fazer era jogar de acordo com o modelo matemático.
Veio o grande dia. Estádio lotado, começou a partida, e, tal como previsto, o
adversário fez um gol aos 12 minutos. E aí sucedeu o inesperado.
Um jogador chamado Fuinha, um rapaz magrinho, novo no time, pegou a bola,
invadiu a área, chutou forte e empatou. Cinco minutos depois, fez mais um gol. E
outro. E outro. O jogo terminou com o marcador de 7 a 1, um escore nunca
registrado na história dos dois times.
Todos se cumprimentavam, felizes. Só o técnico não estava muito satisfeito:
— Gostei muito de sua atuação, Fuinha, mas você não me obedeceu. Por que
não seguiu o modelo matemático?
O rapaz fez uma cara de triste:
— Ah, seu Osvaldo, eu nunca fui muito bom nessa tal de matemática. Aliás, foi
por isso que o meu pai me tirou do colégio e me mandou jogar futebol. Se eu
soubesse fazer contas, não estaria aqui, jogando para o senhor.
— O técnico suspirou. Acabara de concluir: uma coisa é o modelo matemático.
Outra coisa é a vida propriamente dita, nela incluída o futebol.
SCLIAR, Moacyr. O futebol e a matemática. In: Prosas Urbanas. São Paulo: Global Editora, 2006, p.15-
18.
Habilidade
Identificar a sequência de acontecimentos
de um texto.
Questões 06 e 13
Questão 06
O time adversário marcou um gol aos 12 minutos do primeiro tempo. Em seguida,
(A) o técnico se reuniu com o time e Fuinha fez o gol.
(B) o jogador Fuinha fez o gol de empate e depois outros.
(C) o técnico ficou insatisfeito e se reuniu com os jogadores.
(D) os jogadores se olharam perplexos, mas voltaram a jogar.
Habilidade
Reconhecer os elementos da narrativa
(personagem, enredo, tempo, espaço ou
foco narrativo).
Questões 07 e 19
QUESTÃO 07
O que deixou o técnico insatisfeito foi o
(A) jogo ser entre dois times que eram adversários tradicionais.
(B) jogador novo não frequentar a escola e ser bom em matemática.
(C) jogador novo ter marcado os gols antes do momento certo.
(D) início da nova fase do clube: o uso da matemática e das estatísticas.
Comentários e Recomendações Pedagógicas
As narrativas, conforme Gancho (1993, p. 9-11), estão estruturadas em cinco
elementos: fatos (enredo) vividos pelas personagens, em tempo e lugar
determinados; narrador, elemento organizador de todos os outros componentes e
intermediário entre os fatos acontecidos e o autor, entre a história e o leitor.
O texto O futebol e a matemática parte de uma situação inicial, em que são
apresentados os fatos, o tempo, o espaço e as personagens dispostos em uma
condição de equilíbrio que, quando rompido, dá origem ao conflito narrativo.
Dessa forma começa o processo de transformação dos fatos que culminam no
clímax e caminham para o desfecho, consequência final do desequilíbrio com o
término da narrativa.
A questão requer a identificação do conflito gerador do enredo, que pode ser
estabelecido entre duas personagens, entre a personagem e o ambiente, por
exemplo. É o momento da história em que o leitor pode criar expectativas e
hipóteses em relação aos fatos do enredo.
Além de conflito entre personagens, entre personagens e ambiente, “[...]
podemos encontrar nas narrativas os conflitos morais, religiosos, econômicos e
psicológicos; este último seria o conflito interior de uma personagem que vive uma
crise emocional.” (GANCHO, 1993, p.11).
Ao assinalar a alternativa C (“jogador novo ter marcado os gols antes do
momento certo.”), o aluno pôde perceber que o jogador novo, Fuinha, desagradou
o técnico por não seguir ordens, desprezar as previsões e o modelo matemático,
conseguir empatar o jogo logo após o gol do adversário e, logo em seguida,
marcar outros gols, não esperando pelo segundo tempo para dar a vitória ao time,
conforme previsão do técnico. As demais alternativas contém fatos presentes no
texto, porém não são eles que deixaram o técnico insatisfeito. As alternativas (A)
e (D) contêm fatos presentes no texto, porém não são eles que deixaram o
técnico insatisfeito. Quanto à alternativa (B), ela não está correta, porque o jovem
jogador não era bom em matemática e, por isso, seu pai o mandou jogar futebol.
É importante que o professor chame a atenção para os elementos da narrativa,
propondo questionamentos que levem à reflexão sobre:
 Fato - corresponde à ação que vai ser narrada (O quê?).
 Tempo - em que linha temporal aconteceu o fato (Quando?).
 Lugar - descrição de onde aconteceu o fato (Onde?).
 Personagens - participantes ou observadores da ação (Com quem?).
 Causa - razão pela qual aconteceu o fato (Por quê?).
 Modo - de que forma aconteceu o fato (Como?).
● Consequências - Resultado do desenrolar da ação que provoca um
determinado desfecho.
O aluno pode ser estimulado a perceber o fato que instaurou o conflito para,
depois, conhecer o clímax e tomar consciência de como se deu o desfecho da
narrativa, com a mediação do professor. A mesma estratégia pode ser realizada
também em narrativas mais longas.
Para o professor revisitar o assunto, sugerimos os livros Como analisar
narrativas, de Cândida Vilares Gancho1
(2004), que também pode ser
encontrado no site <http://www.slideshare.net/letrasuast/candida-vilares-gancho-
como-analisar-narrativas-pdf-rev> (Acesso em: 28 de julho de 2015) e O Enredo,
de Samira Nahid de Mesquita2
(1994), ambos da Série Princípios, da editora
Ática.
Outras sugestões podem ser encontradas no Portal do Professor:
<http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=25199.>
(Acesso em: 28 de julho de 2015).
Habilidade
Identificar vocábulos ou expressões que
substituem, por sinonímia, outros
vocábulos ou expressões presentes no
texto.
Questões 08 e 16
Questão 08
Em “O jogo terminou com o marcador de 7 a 1, um escore nunca registrado na
história dos dois times”, a palavra em destaque pode ser substituída por
(A) placar.
(B) torneio.
(C) amistoso.
(D) drible.
Leia o texto e responda às questões 9 e 10.
Conversa entre namorados!
- Oi.
- Oi...você não estava trabalhando?
- Sim, estava.
- Então, por que você está me ligando?
1
GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, 2004.
2
MESQUITA, Samira Nahid. O Enredo. São Paulo: Ática, 1994, p. 22-23.
- Ah... tive uma folga de 30 minutos e resolvi ligar pra você.
- Que bom que você ligou, preciso falar com você.
- Por quê? O que aconteceu?
- Bobinho... não aconteceu nada, só estava com saudades e queria te falar que te
amo muito!
- Ah gata, eu também te amo muito. Não sei o que seria de mim sem você.
- Amor, o seu tempo é tão curto, não precisava se preocupar comigo.
- Amor, pra falar com você, faço qualquer coisa, além do mais quando a gente
conversa fico de boa pra enfrentar um dia de trabalho. Te amo minha linda...
Disponível em:<http://vidadeadolecentes.loveblog.com.br/438319/conversa-entre-namorados/>. Acesso em:
03 de junho de 2015.
Habilidade
Reconhecer os usos da norma padrão ou
de outras variedades linguísticas em
diferentes situações de uso social.
Questões 09 e 10
Questão 09
O trecho do texto que se apresenta na linguagem formal é:
(A) “[...] e resolvi ligar pra você”.
(B) “Bobinho...não aconteceu nada.”
(C) “[...] além do mais quando a gente conversa [...]”.
(D) “Não sei o que seria de mim sem você.”
Habilidade
Reconhecer os usos da norma padrão ou
de outras variedades linguísticas em
diferentes situações de uso social.
Questões 09 e 10
Questão 10
As palavras e/ou expressões que indicam o uso de uma linguagem que procura
se aproximar do modo como nos expressamos, em uma conversa informal, estão
presentes em:
(A) “Ah gata...”; “...fico de boa...”
(B) “...fico de boa”; “Por quê?”
(C) “...só estava com saudades”; “fico de boa...”
(D) “Ah gata”...; “...não precisava se preocupar comigo”
Leia o poema e responda às questões 11 e 12.
Infância
A Abgar Renault
Carlos Drummond de Andrade
Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre as mangueiras
lia a história de Robinson Crusoé
Comprida história que não acaba mais.
No meio dia branco de luz uma voz que aprendeu
a ninar nos longes da senzala — e nunca esqueceu
chamava para o café.
[...]
café gostoso
café bom.
Minha mãe ficava sentada cosendo
olhando para mim:
— Psiu... Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito.
E dava um suspiro... que fundo!
Lá longe meu pai campeava
No mato sem fim da fazenda.
Eu não sabia que a minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé.
ANDRADE. Carlos Drummond de. Antologia Poética. São Paulo: Abril Cultural, 1982. p. 56-57.
Habilidade
Reconhecer os efeitos de sentido
produzidos pelo uso da conotação ou
denotação em um texto (crônica, letra de
música ou poema).
Questões 11 e 15
Questão 11
“Lá longe meu pai campeava / No mato sem fim da fazenda / Eu não sabia que a
minha história / era mais bonita que a de Robinson Crusoé”.
A expressão destacada significa que a fazenda era
(A) muito grande.
(B) coberta de mato.
(C) bastante bela.
(D) cheia de história.
Habilidade
Identificar o uso adequado dos modos
verbais em funcionamento no texto
(modos indicativo, subjuntivo e
imperativo).
Questões 12 e 24
Questão 12
O verso que revela ações que aconteciam sempre na infância do poeta é:
(A) “comprida história que não acaba mais.”
(B) “...uma voz que aprendeu / a ninar nos longes da senzala.”
(C) “Para o berço onde pousou / um mosquito.”
(D) “Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.”
Leia o texto e responda à questão 13.
Branca de Neve e os sete anões
Adaptado do conto dos Irmãos Grimm
Há muito tempo, num reino distante, viviam um rei, uma rainha e sua filhinha, a
princesa Branca de Neve. Sua pele era branca como a neve, os lábios vermelhos
como o sangue e os cabelos pretos como o ébano.
Um dia, a rainha ficou muito doente e morreu. O rei, sentindo-se muito sozinho,
casou-se novamente.
O que ninguém sabia é que a nova rainha era uma feiticeira cruel, invejosa e
muito vaidosa. Ela possuía um espelho mágico, para o qual perguntava todos os
dias:
— Espelho, espelho meu! Há no mundo alguém mais bela do que eu?
— És a mais bela de todas as mulheres, minha rainha! — respondia ele.
Branca de Neve crescia e ficava cada vez mais bonita, encantadora e meiga.
Todos gostavam muito dela, exceto a rainha, pois tinha medo que Branca de
Neve se tornasse mais bonita que ela.
Depois que o rei morreu, a rainha obrigava a princesa a vestir-se com trapos e a
trabalhar na limpeza e na arrumação de todo o castelo. Branca de Neve passava
os dias lavando, passando e esfregando, mas não reclamava. Era meiga,
educada e amada por todos.
Um dia, como de costume, a rainha perguntou ao espelho:
— Espelho, espelho meu! Há no mundo alguém mais bela do que eu?
— Sim, minha rainha! Branca de Neve é agora a mais bela!
A rainha ficou furiosa, pois queria ser a mais bela para sempre. Imediatamente
mandou chamar seu melhor caçador e ordenou que ele matasse a princesa e
trouxesse seu coração numa caixa.
No dia seguinte, ele convidou a menina para um passeio na floresta, mas não a
matou.
— Princesa, — disse ele — a rainha ordenou que eu a mate, mas não posso fazer
isso. Eu a vi crescer e sempre fui leal a seu pai.
— A rainha?! Mas, por quê? — perguntou a princesa.
— Infelizmente não sei, mas não vou obedecer à rainha dessa vez. Fuja,
princesa, e, por favor, não volte ao castelo, porque ela é capaz de matá-la!
Branca de Neve correu pela floresta muito assustada, chorando, sem ter para
onde ir.
O caçador matou uma gazela, colocou seu coração numa caixa e levou para a
rainha, que ficou bastante satisfeita, pensando que a enteada estava morta.
Anoiteceu. Branca de Neve vagou pela floresta até encontrar uma cabana. Era
pequena e muito graciosa. Parecia habitada por crianças, pois tudo ali era
pequeno.
A casa estava muito desarrumada e suja, mas Branca de Neve lavou a louça, as
roupas e varreu a casa. No andar de cima da casinha encontrou sete caminhas,
uma ao lado da outra. A moça estava tão cansada que juntou as caminhas,
deitou-se e dormiu.
Os donos da cabana eram sete anõezinhos que, ao voltarem para casa, se
assustaram ao ver tudo arrumado e limpo.
[...]
Disponível em:<http://www.educacional.com.br/projetos/ef1a4/contosdefadas/brancadeneve.html>. Acesso
em: 11 de junho de 2015.
Habilidade
Identificar a sequência de acontecimentos
de um texto.
Questões 06 e 13
Questão 13
A madrasta da Branca de Neve, como sempre, consultou o espelho que lhe
respondeu que agora a menina era a mais bela. A rainha chamou o caçador e
ordenou a morte da menina. Então
(A) o homem convidou Branca de Neve para um passeio e pediu para
que ela fugisse.
(B) Branca de Neve, com medo, fugiu para a floresta e lá encontrou uma
cabana.
(C) o homem matou uma gazela, retirou o coração e levou Branca de Neve
à floresta.
(D) Branca de Neve, assustada, fugiu para a floresta e lá encontrou os
anõezinhos.
Leia o texto e responda à questão 14.
Disponível em: <http://jornaldabaixada.uol.com.br/>. Acesso em 10 de junho de 2015. (adaptado)
Habilidade
Reconhecer elementos da estrutura de
diferentes suportes textuais (livro, jornal ou
revista).
Questões 14 e 18
Questão 14
O texto acima é a página inicial de jornal, pois apresenta
(A) reportagens.
(B) classificados.
(C) manchetes.
(D) propagandas.
Leia o texto e responda à questão 15.
Se Essa Rua Fosse Minha
Cantigas Populares
Se essa rua, se essa rua fosse minha
Eu mandava, eu mandava ladrilhar
Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante
Só pra ver, só pra ver meu bem passar.
Nessa rua, nessa rua tem um bosque
Que se chama, que se chama solidão
Dentro dele, dentro dele mora um anjo
Que roubou, que roubou meu coração.
Se eu roubei, se eu roubei teu coração
Tu roubaste, tu roubaste o meu também
Se eu roubei, se eu roubei teu coração
Foi porque, só porque te quero bem.
ALMEIDA, Theodora Maria Mendes de. (Coordenação). Il. Gustavo Thompson Flores. Se esta rua fosse
minha. In: Quem canta seus males espanta. São Paulo: Caramelo. 1998.
Habilidade
Reconhecer os efeitos de sentido
produzidos pelo uso de conotação ou
denotação em um texto (crônica, letra de
música ou poema).
Questões 11 e 15
Questão 15
Em “Que roubou, que roubou meu coração”, as palavras destacadas significam
(A) ter se apaixonado por alguém.
(B) ser um destruidor de coração.
(C) cuidar do coração de alguém.
(D) fazer alguém gostar de você.
Leia o texto e responda às questões 16 e 17.
Chihuahua
Ricardo Azevedo
Entre as quase duzentas raças de cachorro existentes no planeta, talvez a dos
chihuahuas seja uma das mais interessantes e dignas de nota. Ocorre que, por
razões ainda desconhecidas, os chihuahuas costumam nascer raquíticos e
doentios. Por essa razão, pegam quase tudo quanto é doença, desde sarampo,
caxumba, hepatite e catapora, até asma, lombriga, coqueluche e pé-de-atleta. É
muito comum encontrar na rua cães chihuahuas capengando de suéter, touca,
meia de lã e lenço com álcool no pescoço, em pleno dia de sol.
Como se sentem mal, passam a infância dentro de casa, não jogam bola, não
brincam de pique, não pulam cercas nem sabem nadar.
Preferem ficar em casa pálidos, com olheiras, de rabo entre as pernas e acabam
virando resmungões, encabulados e medrosos. Alguns chihuahuas passam o
resto da vida assim. Outros, um dia dizem: “Chega!”, começam a cuidar de si
mesmos, saem de casa para fazer amigos, vão à luta, fazem esportes, aprendem
a latir de alegria e acabam transformando-se em dobermanns bonitões e seguros
de si. Dá gosto ver um chihuahua dizendo: “Chega!” e lutando para mudar de
vida, mas isso leva tempo.
AZEVEDO, Ricardo. A outra enciclopédia canina. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1999. p.
27.
Habilidade
Identificar vocábulos ou expressões que
substituem, por sinonímia, outros
vocábulos ou expressões presentes no
texto.
Questões 08 e 16
Questão 16
Em “Ocorre que, por razões ainda desconhecidas, os chihuahuas costumam
nascer raquíticos e doentios.” A palavra, em destaque, pode ser substituída por
(A) fracos.
(B) medrosos.
(C) animados.
(D) fortes.
Habilidade
Localizar uma informação explícita em um
texto.
Questões 17 e 21
Questão 17
A informação presente no texto é:
(A) Há duzentas raças de cães chihuahuas no planeta.
(B) Os chihuahuas costumam nascer raquíticos.
(C) Os chihuahuas quase nunca ficam doentes.
(D) Os chihuahuas passam a infância brincando.
Leia o texto e responda à questão 18.
Disponível em: <http://super.abril.com.br/superarquivo/286>. Acesso em: 10 de junho de 2015.
Habilidade
Reconhecer elementos da estrutura de
diferentes suportes textuais (livro, jornal ou
revista).
Questões 14 e 18
Questão 18
O texto acima é uma capa de revista, pois apresenta
(A) linguagem visual e reportagem.
(B) linguagem escrita e imagem.
(C) imagem e propaganda.
(D) imagem e receita.
Leia o trecho do texto "Cinderela" e responda às questões 19 e 20.
Era uma vez um homem cuja primeira esposa tinha morrido, e que tinha casado
novamente com uma mulher muito arrogante. Ela tinha duas filhas que se
pareciam em tudo com ela. O homem tinha uma filha de seu primeiro casamento.
Era uma moça meiga e bondosa, muito parecida com a mãe.
A nova esposa mandava a jovem fazer os serviços mais sujos da casa e dormir
no sótão, enquanto as “irmãs” dormiam em quartos com chão encerado.
Quando o serviço da casa estava terminado, a pobre moça sentava-se junto à
lareira, e sua roupa ficava suja de cinzas. Por esse motivo, as malvadas irmãs
zombavam dela. Embora Cinderela tivesse que vestir roupas velhas, era ainda
cem vezes mais bonita que as irmãs, com seus vestidos esplêndidos. [...]
Disponível em:<http://www.educacional.com.br/projetos/ef1a4/contosdefadas/cinderela.html>. Acesso em: 11
de junho de 2015.
Habilidade
Reconhecer os elementos da narrativa
(personagem, enredo, tempo, espaço ou
foco narrativo).
Questões 07 e 19
Questão 19
No conto de fadas,
(A) Cinderela era uma moça meiga e bondosa como o pai.
(B) as malvadas irmãs de Cinderela eram tão bonitas quanto ela.
(C) as irmãs de Cinderela vestiam roupas muito luxuosas.
(D) a madrasta de Cinderela era uma mulher simples e bondosa.
Habilidade
Identificar marcadores temporais em um
texto, do ponto de vista do léxico, da
morfologia ou da sintaxe.
Questões 20 e 23
Questão 20
O trecho do texto que contém uma expressão que marca tempo é:
(A) “Embora Cinderela tivesse que vestir roupas velhas...”.
(B) “A nova esposa mandava a jovem fazer os serviços mais sujos da
casa...”.
(C) “O homem tinha uma filha de seu primeiro casamento.”
(D) “Era uma vez um homem cuja primeira esposa tinha morrido...”.
Leia o texto e responda às questões 21 e 22.
História de uma gata
Enriquez - Bardotti - Chico Buarque/1977
Para o musical infantil Os saltimbancos
Me alimentaram
Me acariciaram
Me aliciaram
Me acostumaram
O meu mundo era o apartamento
Detefon, almofada e trato
Todo dia filé-mignon
Ou mesmo um bom filé...de gato
Me diziam, todo momento
Fique em casa, não tome vento
Mas é duro ficar na sua
Quando à luz da lua
Tantos gatos pela rua
Toda a noite vão cantando assim
Nós, gatos, já nascemos pobres
Porém, já nascemos livres
Senhor, senhora ou senhorio
Felino, não reconhecerás
De manhã eu voltei pra casa
Fui barrada na portaria
Sem filé e sem almofada
Por causa da cantoria
Mas agora o meu dia a dia
É no meio da gataria
Pela rua virando lata
Eu sou mais eu, mais gata
Numa louca serenata
Que de noite sai cantando assim
Nós, gatos, já nascemos pobres
Porém, já nascemos livres
Senhor, senhora ou senhorio
Felino, não reconhecerás
Disponível em:<http://www.chicobuarque.com.br/construcao/mestre.asp?pg=historia_77.htm>. Acesso em: 11
de junho de 2015.
Habilidade
Localizar informação explícita em um
texto.
Questões 17 e 21
Questão 21
A alternativa que confirma as informações do texto é:
(A) Os gatos nascem pobres e em apartamento.
(B) A gata voltou para casa e foi bem recebida na portaria.
(C) O dia a dia da gata é no meio da gataria e na portaria.
(D) O mundo da gata era o apartamento, trato e filé de gato.
Habilidade
Inferir uma informação implícita em um
texto (crônica, conto, miniconto, poema ou
letra de música).
Questões 03 e 22
Questão 22
A leitura do texto nos permite entender que a gata
(A) não podia tomar vento porque era muito doente.
(B) ficou triste quando perdeu a vida boa no apartamento.
(C) quando foi viver na rua, passou a comer filé de gato.
(D) está feliz, apesar de ter deixado a vida boa que tinha.
Leia o trecho do conto “O Fantasma Camarada” e responda às questões 23 e 24.
[...]
O dia passou normalmente. Fiz uns desenhos, dona Lucinha falou umas coisas.
Não me lembro na verdade como eram as aulas do pré-primário.
Na hora do lanche tinha uma coisa que sempre acontecia. A gente ficava em
mesinhas de quatro pessoas. Na minha mesa se sentava uma menina, a Sandra.
Na garrafinha da lancheira, ela trazia sempre leite frio. Ninguém fazia isso. Em
geral era suco de uva. Mas com a Sandra era leite.
E toda vez ela derramava leite em cima da mesa. Com o tempo, a mesa foi
ficando com cheiro de leite azedado. Naquele dia aconteceu de novo. A Sandra
derramou o leite. Era bem nojento. Eu imaginava o leite entrando pela garganta
dela e azedando na barriga. Mas tenho de admitir que suco de uva na barriga
também deve ser nojento.
[...]
COELHO, Marcelo. Il. Luiz Maia. A professora de desenho e outras histórias. 4. Reimpressão. São
Paulo: Cia das Letrinhas, 1999. p.34.
Habilidade
Identificar marcadores temporais em um
texto, do ponto de vista do léxico, da
morfologia ou da sintaxe.
Questões 20 e 23
Questão 23
O trecho do texto que contém uma expressão que marca tempo é
(A) “Fiz uns desenhos, dona Lucinha falou umas coisas”.
(B) “Naquele dia aconteceu de novo”.
(C) “Eu imaginava o leite entrando pela garganta dela...”.
(D) “Mas com a Sandra era leite”.
Habilidade
Identificar o uso adequado dos modos
verbais em funcionamento no texto
(modos indicativo, subjuntivo e
imperativo).
Questões 12 e 24
Questão 24
Assinale a alternativa em que o narrador personagem mostra um fato que
costumava acontecer frequentemente.
(A) “[...] dona Lucinha falou umas coisas.”
(B) “[...] suco de uva na barriga também deve ser nojento.”
(C) “A gente ficava em uma mesinha de quatro pessoas.”
(D) “O dia passou normalmente.”
Comentários e Recomendações Pedagógicas
A questão requer a indicação do uso adequado dos modos verbais em
funcionamento no texto. No trecho lido, ressaltou-se a ideia expressa pelo uso do pretérito
imperfeito do modo indicativo, com ações que aconteceram no passado, mas que não se
concluíam e, sim, repetiam-se constantemente, como o que acontece na alternativa (C) “A
gente ficava em uma mesinha de quatro pessoas.”. Essa ação e outras encontradas no
texto, como, por exemplo, “Na hora do lanche tinha uma coisa que sempre acontecia.” “Na
minha mesa se sentava uma menina, a Sandra.” “Na garrafinha da lancheira, ela trazia
sempre leite frio.” “Ninguém fazia isso.”, contrapõem-se a algumas outras ações, cujos
verbos estão no pretérito perfeito indicando que iniciaram e finalizaram (fiz, falou, passou,
derramou, presentes nas alternativas A e D). A informação contida na alternativa B, com a
locução verbal “deve ser”, traz a ideia de algo atemporal, e portanto, também está
incorreta.
O emprego dos pretéritos perfeito e imperfeito do indicativo pode ser melhor
observado a partir das definições desses dois tempos verbais:
a) pretérito perfeito simples: indica uma ação que se produziu em certo momento do
passado. (CUNHA, 1985, p. 443)3
b) pretérito imperfeito: designa um fato passado, mas não concluído (imperfeito = não
perfeito, inacabado). Encerra, pois, uma ideia de continuidade, de duração do processo
verbal mais acentuada do que os outros tempos pretéritos, razão por que se presta
especialmente para descrições e narrações de acontecimentos passados. (CUNHA, 1985,
p.439)4
.
Para que os alunos desenvolvam a habilidade, o professor pode, sempre que levar
textos (não só os literários) aos alunos, chamar atenção ao uso dos verbos e ao sentido
que estão expressando.
3
CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1885.
4
CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1885.
HabilidadeAVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO
Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional
Coordenador: Olavo Nogueira Batista Filho
Departamento de Avaliação Educacional
Diretor: William Massei
Assistente Técnica: Maria Julia Filgueira Ferreira
Centro de Aplicação de Avaliações
Diretora: Cyntia Lemes da Silva
Equipe Técnica DAVED participante da AAP
Ademilde Ferreira de Souza, Cristiane Dias Mirisola, Isabelle Regina de Amorim
Mesquita, Juvenal de Gouveia, Patricia Barros Monteiro, Silvio Santos de
Almeida, Soraia Calderoni Statonato
Coordenadoria de Gestão da Educação Básica
Coordenadora: Ghisleine Trigo Silveira
Departamento de Desenvolvimento Curricular e de Gestão da Educação
Básica
Diretora: Regina Aparecida Resek Santiago
Centro do Ensino Fundamental dos Anos Finais e Ensino Médio - CEFAF
Diretora: Valéria Tarantello de Georgel
Equipe Curricular de Língua Portuguesa
Angela Maria Baltieri Souza, Claricia Akemi Eguti, Idê Moraes dos Santos, Katia
Regina Pessoa, Mara Lucia David, Marcos Rodrigues Ferreira, Roseli Cordeiro
Cardoso, Rozeli Frasca Bueno Alves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do Adolescente
A Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do AdolescenteA Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do Adolescente
A Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do AdolescenteValéria Barreto
 
atividade poema O SOL E A MENINA.docx
atividade poema O SOL E A MENINA.docxatividade poema O SOL E A MENINA.docx
atividade poema O SOL E A MENINA.docxJoao Paulo Souza
 
Atividades referente ao filme; Extraordinário
Atividades referente ao filme; ExtraordinárioAtividades referente ao filme; Extraordinário
Atividades referente ao filme; ExtraordinárioFrancilene Barbbosa
 
Alfabetização 28 palavras_parte I
Alfabetização 28 palavras_parte IAlfabetização 28 palavras_parte I
Alfabetização 28 palavras_parte IIsa ...
 
Avaliação bimestral II Língua Portuguesa 2º Bimestre - 4º Ano
Avaliação bimestral II Língua Portuguesa   2º Bimestre - 4º AnoAvaliação bimestral II Língua Portuguesa   2º Bimestre - 4º Ano
Avaliação bimestral II Língua Portuguesa 2º Bimestre - 4º AnoCristhianeGuimaraes
 
Atividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anosAtividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anosaldreatrindade
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoRose Tavares
 
APOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdf
APOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdfAPOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdf
APOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdfGeaneFerreira15
 
Avaliação frase oração periodo oitavo ano
Avaliação frase oração periodo  oitavo anoAvaliação frase oração periodo  oitavo ano
Avaliação frase oração periodo oitavo anoCris Hoffmann
 
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdfATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdfLuciene Moreira
 
RELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADO
RELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADORELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADO
RELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADOUFMA e UEMA
 
História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?Alba Marilia
 
Interpretação de texto vidas secas
Interpretação de texto   vidas secasInterpretação de texto   vidas secas
Interpretação de texto vidas secasdpport
 
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino FundamentalGênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino FundamentalPaulo Alves de Araujo
 

Mais procurados (20)

A Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do Adolescente
A Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do AdolescenteA Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do Adolescente
A Turma da Monica em: O Estatuto da Criança e do Adolescente
 
atividade poema O SOL E A MENINA.docx
atividade poema O SOL E A MENINA.docxatividade poema O SOL E A MENINA.docx
atividade poema O SOL E A MENINA.docx
 
Atividades referente ao filme; Extraordinário
Atividades referente ao filme; ExtraordinárioAtividades referente ao filme; Extraordinário
Atividades referente ao filme; Extraordinário
 
Alfabetização 28 palavras_parte I
Alfabetização 28 palavras_parte IAlfabetização 28 palavras_parte I
Alfabetização 28 palavras_parte I
 
Avaliação bimestral II Língua Portuguesa 2º Bimestre - 4º Ano
Avaliação bimestral II Língua Portuguesa   2º Bimestre - 4º AnoAvaliação bimestral II Língua Portuguesa   2º Bimestre - 4º Ano
Avaliação bimestral II Língua Portuguesa 2º Bimestre - 4º Ano
 
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...   Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano     ...
Atividade de português: Orações coordenadas sindéticas – 8º ou 9º ano ...
 
Slide sítio com atividades
Slide sítio com atividadesSlide sítio com atividades
Slide sítio com atividades
 
Atividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anosAtividade de segmentação 1º e 2º anos
Atividade de segmentação 1º e 2º anos
 
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinhoInterpretação de tirinhas menino maluquinho
Interpretação de tirinhas menino maluquinho
 
APOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdf
APOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdfAPOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdf
APOSTILA DE LEITURA SÍLABAS COMPLEXAS (1).pdf
 
Avaliação frase oração periodo oitavo ano
Avaliação frase oração periodo  oitavo anoAvaliação frase oração periodo  oitavo ano
Avaliação frase oração periodo oitavo ano
 
Dia da árvore
Dia da árvoreDia da árvore
Dia da árvore
 
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdfATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
ATIVIDADE- MEIOS DE COMUNICAÇÃO.pdf
 
RELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADO
RELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADORELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADO
RELATÓRIO DA EJA- DORALICE DOURADO
 
Saresp 4ª série
Saresp 4ª sérieSaresp 4ª série
Saresp 4ª série
 
História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?História na Lata: Qual a cor do amor?
História na Lata: Qual a cor do amor?
 
WORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLO
WORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLOWORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLO
WORD: AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - I CICLO
 
Interpretação de texto vidas secas
Interpretação de texto   vidas secasInterpretação de texto   vidas secas
Interpretação de texto vidas secas
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º CICLO - ...
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO  DO ENSINO FUNDAMENTAL -  1º CICLO - ...AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO  DO ENSINO FUNDAMENTAL -  1º CICLO - ...
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º CICLO - ...
 
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino FundamentalGênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
Gênero textual: O Poema 3º Ano do Ensino Fundamental
 

Semelhante a O futebol segundo a matemática: modelo prevê gols cientificamente

textos gêneros 7 ano caderno de atividades
textos gêneros 7 ano caderno de atividadestextos gêneros 7 ano caderno de atividades
textos gêneros 7 ano caderno de atividadesDodySantos
 
Avaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docxAvaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docxEdilmaBrando1
 
Fabulas sequencia didatica_4_e_5_ano
Fabulas sequencia didatica_4_e_5_anoFabulas sequencia didatica_4_e_5_ano
Fabulas sequencia didatica_4_e_5_anoAldneide Almeida
 
Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...
Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...
Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...weleslima
 
apostila_5º_ano_outubro_04113753.pdf
apostila_5º_ano_outubro_04113753.pdfapostila_5º_ano_outubro_04113753.pdf
apostila_5º_ano_outubro_04113753.pdfLindinhaSilva1
 
7°série ef tarde
7°série ef tarde7°série ef tarde
7°série ef tardeBreno Fostek
 
e1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdf
e1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdfe1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdf
e1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdfLucianaAquino20
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Cláudia Heloísa
 
Atividade com gabarito interpretação
Atividade com gabarito interpretaçãoAtividade com gabarito interpretação
Atividade com gabarito interpretaçãoProfessora sonhadora
 
Aap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranet
Aap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranetAap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranet
Aap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranetE.E. Mario Martins Pereira
 
Portugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdf
Portugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdfPortugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdf
Portugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdfAdryasophiaRochapied
 
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresProalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresAna Paula Ferreira
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Colgiopice
 

Semelhante a O futebol segundo a matemática: modelo prevê gols cientificamente (20)

textos gêneros 7 ano caderno de atividades
textos gêneros 7 ano caderno de atividadestextos gêneros 7 ano caderno de atividades
textos gêneros 7 ano caderno de atividades
 
Avaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docxAvaliacao_Portugues_Av1.docx
Avaliacao_Portugues_Av1.docx
 
Fabulas sequencia didatica_4_e_5_ano
Fabulas sequencia didatica_4_e_5_anoFabulas sequencia didatica_4_e_5_ano
Fabulas sequencia didatica_4_e_5_ano
 
Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...
Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...
Fabulassequenciadidatica4e5ano 140323192858-phpapp02 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CI...
 
apostila_5º_ano_outubro_04113753.pdf
apostila_5º_ano_outubro_04113753.pdfapostila_5º_ano_outubro_04113753.pdf
apostila_5º_ano_outubro_04113753.pdf
 
7°série ef tarde
7°série ef tarde7°série ef tarde
7°série ef tarde
 
e1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdf
e1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdfe1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdf
e1558dc9-1b30-4dc9-91e5-424b09ea0945.pdf
 
Crônica e Conto
Crônica e ContoCrônica e Conto
Crônica e Conto
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Atividade com gabarito interpretação
Atividade com gabarito interpretaçãoAtividade com gabarito interpretação
Atividade com gabarito interpretação
 
Aap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranet
Aap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranetAap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranet
Aap lp ago 2015_caderno do professor_3 em_intranet
 
Portugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdf
Portugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdfPortugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdf
Portugues Interpretação de Texto Ortografia e Gramatica 4º e 5º ano.pdf
 
Apostila língua portuguesa
Apostila língua portuguesaApostila língua portuguesa
Apostila língua portuguesa
 
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritoresProalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
Proalfa e sugestões para melhorar o desempenho nos descritores
 
Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)Avalport9 pip prova (2)
Avalport9 pip prova (2)
 
Fichas gramaticais
Fichas gramaticaisFichas gramaticais
Fichas gramaticais
 
Slides olimpíadas de língua portuguea
Slides  olimpíadas de língua portugueaSlides  olimpíadas de língua portuguea
Slides olimpíadas de língua portuguea
 
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
Gêneros textuais fábula, tira, História em Quadrinhos (HQ), textos expositivo...
 
Caderno 7 ano
Caderno 7 anoCaderno 7 ano
Caderno 7 ano
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 

Mais de Andréa Sousa Silveira Silva (6)

Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
Aap lp ago 2015 caderno do professor_2 em_intranet (3)
 
A cartomante
A cartomanteA cartomante
A cartomante
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
2ª etapa da ii gincana literária
2ª etapa da ii gincana literária 2ª etapa da ii gincana literária
2ª etapa da ii gincana literária
 
Aval de leitura comédias para se ler na escola
Aval de leitura comédias para se ler na escolaAval de leitura comédias para se ler na escola
Aval de leitura comédias para se ler na escola
 
Deveres do aluno e do pai eca
Deveres do aluno e do pai ecaDeveres do aluno e do pai eca
Deveres do aluno e do pai eca
 

Último

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

O futebol segundo a matemática: modelo prevê gols cientificamente

  • 1. Avaliação da Aprendizagem em Processo Caderno do Professor 6º Ano do Ensino Fundamental Língua Portuguesa São Paulo Agosto de 2015 9ª Edição
  • 2. Avaliação da Aprendizagem em Processo Língua Portuguesa – Gabarito de Prova 6º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais QUESTÕES A B C D 1 X 2 X 3 X 4 X 5 X 6 X 7 X 8 X 9 X 10 X 11 X 12 X 13 X 14 X 15 X 16 X 17 X 18 X 19 X 20 X 21 X 22 X 23 X 24 X
  • 3. No Caderno do Professor há dois itens comentados com o objetivo de subsidiar o professor na análise reflexiva, no Ensino Fundamental dos Anos Finais e Ensino Médio. Questões Comentadas – Ensino Fundamental – Anos Finais Série/Ano Habilidade Questões 5ª Série/6º Ano Reconhecer os elementos da narrativa (personagem, enredo, tempo, espaço ou foco narrativo). 07 e 24 Identificar o uso adequado dos modos verbais em funcionamento no texto (modos indicativo, subjuntivo e imperativo). 6ª Série/7º Ano Identificar relações lógico- discursivas decorrentes do uso de elementos de referenciação (pronome relativo, indefinido ou interrogativo) em notícias, relatos de experiência, crônicas ou contos. 05 e 07 Identificar tema/assunto principal em um texto (relato de experiência). 7ª Série/8º Ano Identificar marcas de variação linguística em textos do ponto de vista do léxico, da morfologia ou da sintaxe. 05 e 19 Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos que se referem ao mesmo tema. 8ª Série/9º Ano Identificar recursos semânticos expressivos (figuras de linguagem: metáfora ou comparação). 13 e 20 Estabelecer relações entre textos verbais e não verbais.
  • 4. No Caderno do Professor há dois itens comentados com o objetivo de subsidiar o professor na análise reflexiva, no Ensino Fundamental dos Anos Finais e Ensino Médio. Questões Comentadas – Ensino Médio Série/Ano Habilidade Questões 1ª Série Reconhecer os elementos constitutivos da organização de um gênero textual (textos informativos: o convite de casamento e o folheto de divulgação). 06 e 20 Inferir informações implícitas em um texto (tema/assunto principal). 2ª Série Identificar recursos semânticos expressivos em um texto – figuras de linguagem: metáfora/metonímia/personificação/gradação/antít ese. 05 e 17 Estabelecer relações entre a tese e os argumentos para sustentá-la. 3ª Série Identificar os argumentos em um texto. 06 e 20 Reconhecer o efeito de sentido produzido pela exploração de recursos morfossintáticos (advérbios e diminutivos).
  • 5. Matriz de Referência para Avaliação de Língua Portuguesa - 2º bimestre 6ª Ano do Ensino Fundamental Questões Descrição da Habilidade 17 e 21 Localizar informação explícita em um texto 06 e 13 Identificar a sequência de acontecimentos em um texto. 07 e 19 Reconhecer os elementos da narrativa (personagem, enredo, tempo, espaço ou foco narrativo). 01 e 02 Reconhecer traços característicos (rima, versos, estrofes) do gênero letra de música/poema. 03 e 22 Inferir uma informação implícita em um texto (crônica, conto, miniconto, poema, ou letra de música). 04 e 05 Reconhecer traços característicos de um gênero (romance, crônica, conto ou fábula). 11 e 15 Reconhecer os efeitos de sentido produzidos pelo uso de conotação ou denotação em um texto (crônica, letra de música ou poema). 14 e 18 Reconhecer os elementos da estrutura de diferentes suportes textuais (livro, jornal ou revista). 20 e 23 Identificar marcadores temporais em um texto, do ponto de vista do léxico, da morfologia ou da sintaxe. 12 e 24 Identificar o uso adequado dos modos verbais em funcionamento no texto (modos indicativo, subjuntivo e imperativo). 08 e16 Identificar vocábulos que, por sinonímia, substituem outros vocábulos presentes no texto em que se inserem. 09 e 10 Reconhecer os usos da norma padrão ou de outras variedades linguísticas em diferentes situações de uso social.
  • 6. Leia o texto e responda à questão 01. O Caderno Toquinho e Mutinho Sou eu que vou seguir você Do primeiro rabisco até o be-a-bá. Em todos os desenhos coloridos vou estar: A casa, a montanha, duas nuvens no céu E um sol a sorrir no papel. Sou eu que vou ser seu colega, Seus problemas ajudar a resolver. Te acompanhar nas provas bimestrais, você vai ver. Serei de você confidente fiel, Se seu pranto molhar meu papel. Sou eu que vou ser seu amigo, Vou lhe dar abrigo, se você quiser. Quando surgirem seus primeiros raios de mulher A vida se abrirá num feroz carrossel E você vai rasgar meu papel. O que está escrito em mim Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer. A vida segue sempre em frente, o que se há de fazer. Só peço a você um favor, se puder: Não me esqueça num canto qualquer. Disponível em: <http://www.toquinho.com.br/pagina.php?musica=1>. Acesso em: 11 de junho de 2015. Habilidade Reconhecer traços característicos (rima, versos, estrofes) do gênero letra de música/poema. Questões 01 e 02 Questão 01 Os versos “Serei sempre seu confidente fiel / Se seu pranto molhar meu papel.” rimam com outros versos presentes na alternativa: (A) “Só peço a você um favor, se puder: / Não me esqueça num canto qualquer.”. (B) “O que está escrito em mim / Comigo ficará guardado, se lhe dá prazer.”. (C) “A vida se abrirá num feroz carrossel / E você vai rasgar meu papel.”. (D) “Sou eu que vou ser seu colega, / Seus problemas ajudar a resolver.”.
  • 7. Leia o texto e responda às questões 2 e 3. Paraíso José Paulo Paes Se esta rua fosse minha, eu mandava ladrilhar, não para automóveis matar gente, mas para criança brincar. Se esta mata fosse minha, eu não deixava derrubar. Se cortarem todas as árvores, onde é que os pássaros vão morar? Se este rio fosse meu, eu não deixava poluir. Joguem esgotos noutra parte, que os peixes moram aqui. Se este mundo fosse meu, eu fazia tantas mudanças que ele seria um paraíso de bichos, plantas e crianças. PAES, José Paulo. Il. Luiz Maia. Paraíso. In: Poemas para brincar. 13. ed. São Paulo: Ática, 1998. Habilidade Reconhecer traços característicos (rima, versos, estrofes) do gênero letra de música/poema. Questões 01 e 02 Questão 02 O verso “eu fazia tantas mudanças” rima com outro verso presente na alternativa: (A)”Joguem esgotos noutra parte,...” (B) “...que ele seria um paraíso...” (C)”...de bichos, plantas e crianças.” (D) “Se este mundo fosse meu...” Habilidade Inferir uma informação implícita em um texto (crônica,conto,miniconto, poema ou letra de música). Questões 03 e 22
  • 8. Questão 03 No texto, o mundo descrito pelo poeta (A) precisa construir esgotos nas matas. (B) precisa ser transformado num paraíso. (C) tem muita rua que precisa ser ladrilhada. (D) apresenta muitos bichos, plantas e crianças. Leia o texto abaixo e responda às questões 4 e 5. O Lobo e o Cão Esopo - adaptado por Joseph Shafan Em um caminho, encontraram-se um Lobo e um Cão. O Lobo, vendo a vitalidade do Cão, disse:- Tenho inveja de te ver tão gordo, com o pescoço grosso e o pelo reluzente. Digo isso porque ando sempre magro e arrepiado. O Cão respondeu: - Se fizeres o mesmo que eu, também engordarás. Estou em uma casa, onde me dão de comer e tratam-me bem, enquanto meu trabalho é somente latir quando percebo ladrões próximos da casa. Por isso, se queres, podes vir comigo. O Lobo, aceitando, passou a caminhar junto com o Cão, mas em dado momento perguntou: - O que é isso companheiro, que vejo? Teu pescoço está todo esfolado[1] . O Cão respondeu: - Para que de dia eu não morda aos que entram na casa, sou preso com uma corda. De noite me soltam e assim fico até pela manhã, quando tornam a me prender. O Lobo, ouvindo isso, disse: - Vou dispensar tua fartura pra mim. A troco de não ser cativo[2] , prefiro me empenhar pelo meu sustento e, se necessário, jejuar[3] , desde que esteja livre. Dizendo isso, se foi. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ea000378.pdf>. Acesso em 11 de junho de 2015. Habilidade Reconhecer traços característicos de um gênero (romance, crônica, conto ou fábula). Questões 04 e 05 Vocabulário: [1] Esfolado: que se arranhou. Disponível em:<http://www.aulete.com.br/esfolado>. Acesso em 11 de junho de 2015. (adaptado) [2] Cativo: aquele que está preso. Disponível em:<http://www.aulete.com.br/cativo>. Acesso em 11 de junho de 2015. (adaptado) [3] Jejuar: deixar de se alimentar. Disponível em:<http://www.aulete.com.br/jejuar>Acesso em 11 de junho de 2015. (adaptado)
  • 9. Questão 04 De acordo com a leitura da fábula, a alternativa que descreve os personagens é: (A) Lobo, arrepiado e magro; cão, mal alimentado. (B) Cão, obediente; lobo, gordo. (C) Cão, com pescoço grosso; lobo, magro. (D) Lobo, arrepiado; cão, magro. Habilidade Reconhecer traços característicos de um gênero (romance, crônica, conto ou fábula). Questões 04 e 05 Questão 05 A moral desta história pode ser: (A) Mais vale um pássaro na mão do que dois voando. (B) Quem espera algo sempre alcança. (C) O invejoso não reconhece o que os outros fazem. (D) Mais vale a fome do que a escravidão. Leia o texto e responda às questões 6, 7 e 8. O futebol e a matemática Moacyr Scliar Modelo matemático prevê gols no futebol Mundo, 23 mar. 1999 O técnico reuniu o time dois dias antes da partida com o tradicional adversário. Tinha uma importante comunicação a fazer. — Meus amigos, hoje começa uma nova fase na vida do nosso clube. Até agora, cada um jogava o futebol que sabia. Eu ensinava alguma coisa, é verdade, mas a gente se guiava mesmo era pelo instinto. Isso acabou. Graças a um dos nossos diretores, que é um cara avançado e sabe das coisas, nós vamos jogar de maneira completamente diferente. Nós vamos jogar de maneira científica. Abriu uma pasta e de lá tirou uma série de tabelas e gráficos feitos em computador. — Sabem o que é isso? É o modelo matemático para o nosso jogo. Foi feito com base em todas as partidas que jogamos contra o nosso adversário, desde 1923. Está tudo aqui, cientificamente analisado. E está aqui também a previsão para a nossa partida. Eles provaram estatisticamente que o adversário vai marcar um gol aos 12 minutos do primeiro tempo. Nós vamos empatar aos 24 minutos do segundo tempo e vamos marcar o gol da vitória aos 43 minutos. Portanto, não percam a calma. Esperem pelo segundo tempo. É aí que vamos ganhar. Os jogadores se olharam, perplexos. Mas ciência é ciência, tudo o que eles tinham a fazer era jogar de acordo com o modelo matemático. Veio o grande dia. Estádio lotado, começou a partida, e, tal como previsto, o adversário fez um gol aos 12 minutos. E aí sucedeu o inesperado.
  • 10. Um jogador chamado Fuinha, um rapaz magrinho, novo no time, pegou a bola, invadiu a área, chutou forte e empatou. Cinco minutos depois, fez mais um gol. E outro. E outro. O jogo terminou com o marcador de 7 a 1, um escore nunca registrado na história dos dois times. Todos se cumprimentavam, felizes. Só o técnico não estava muito satisfeito: — Gostei muito de sua atuação, Fuinha, mas você não me obedeceu. Por que não seguiu o modelo matemático? O rapaz fez uma cara de triste: — Ah, seu Osvaldo, eu nunca fui muito bom nessa tal de matemática. Aliás, foi por isso que o meu pai me tirou do colégio e me mandou jogar futebol. Se eu soubesse fazer contas, não estaria aqui, jogando para o senhor. — O técnico suspirou. Acabara de concluir: uma coisa é o modelo matemático. Outra coisa é a vida propriamente dita, nela incluída o futebol. SCLIAR, Moacyr. O futebol e a matemática. In: Prosas Urbanas. São Paulo: Global Editora, 2006, p.15- 18. Habilidade Identificar a sequência de acontecimentos de um texto. Questões 06 e 13 Questão 06 O time adversário marcou um gol aos 12 minutos do primeiro tempo. Em seguida, (A) o técnico se reuniu com o time e Fuinha fez o gol. (B) o jogador Fuinha fez o gol de empate e depois outros. (C) o técnico ficou insatisfeito e se reuniu com os jogadores. (D) os jogadores se olharam perplexos, mas voltaram a jogar. Habilidade Reconhecer os elementos da narrativa (personagem, enredo, tempo, espaço ou foco narrativo). Questões 07 e 19 QUESTÃO 07 O que deixou o técnico insatisfeito foi o (A) jogo ser entre dois times que eram adversários tradicionais. (B) jogador novo não frequentar a escola e ser bom em matemática. (C) jogador novo ter marcado os gols antes do momento certo. (D) início da nova fase do clube: o uso da matemática e das estatísticas.
  • 11. Comentários e Recomendações Pedagógicas As narrativas, conforme Gancho (1993, p. 9-11), estão estruturadas em cinco elementos: fatos (enredo) vividos pelas personagens, em tempo e lugar determinados; narrador, elemento organizador de todos os outros componentes e intermediário entre os fatos acontecidos e o autor, entre a história e o leitor. O texto O futebol e a matemática parte de uma situação inicial, em que são apresentados os fatos, o tempo, o espaço e as personagens dispostos em uma condição de equilíbrio que, quando rompido, dá origem ao conflito narrativo. Dessa forma começa o processo de transformação dos fatos que culminam no clímax e caminham para o desfecho, consequência final do desequilíbrio com o término da narrativa. A questão requer a identificação do conflito gerador do enredo, que pode ser estabelecido entre duas personagens, entre a personagem e o ambiente, por exemplo. É o momento da história em que o leitor pode criar expectativas e hipóteses em relação aos fatos do enredo. Além de conflito entre personagens, entre personagens e ambiente, “[...] podemos encontrar nas narrativas os conflitos morais, religiosos, econômicos e psicológicos; este último seria o conflito interior de uma personagem que vive uma crise emocional.” (GANCHO, 1993, p.11). Ao assinalar a alternativa C (“jogador novo ter marcado os gols antes do momento certo.”), o aluno pôde perceber que o jogador novo, Fuinha, desagradou o técnico por não seguir ordens, desprezar as previsões e o modelo matemático, conseguir empatar o jogo logo após o gol do adversário e, logo em seguida, marcar outros gols, não esperando pelo segundo tempo para dar a vitória ao time, conforme previsão do técnico. As demais alternativas contém fatos presentes no texto, porém não são eles que deixaram o técnico insatisfeito. As alternativas (A) e (D) contêm fatos presentes no texto, porém não são eles que deixaram o técnico insatisfeito. Quanto à alternativa (B), ela não está correta, porque o jovem jogador não era bom em matemática e, por isso, seu pai o mandou jogar futebol. É importante que o professor chame a atenção para os elementos da narrativa, propondo questionamentos que levem à reflexão sobre:  Fato - corresponde à ação que vai ser narrada (O quê?).  Tempo - em que linha temporal aconteceu o fato (Quando?).  Lugar - descrição de onde aconteceu o fato (Onde?).  Personagens - participantes ou observadores da ação (Com quem?).  Causa - razão pela qual aconteceu o fato (Por quê?).
  • 12.  Modo - de que forma aconteceu o fato (Como?). ● Consequências - Resultado do desenrolar da ação que provoca um determinado desfecho. O aluno pode ser estimulado a perceber o fato que instaurou o conflito para, depois, conhecer o clímax e tomar consciência de como se deu o desfecho da narrativa, com a mediação do professor. A mesma estratégia pode ser realizada também em narrativas mais longas. Para o professor revisitar o assunto, sugerimos os livros Como analisar narrativas, de Cândida Vilares Gancho1 (2004), que também pode ser encontrado no site <http://www.slideshare.net/letrasuast/candida-vilares-gancho- como-analisar-narrativas-pdf-rev> (Acesso em: 28 de julho de 2015) e O Enredo, de Samira Nahid de Mesquita2 (1994), ambos da Série Princípios, da editora Ática. Outras sugestões podem ser encontradas no Portal do Professor: <http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=25199.> (Acesso em: 28 de julho de 2015). Habilidade Identificar vocábulos ou expressões que substituem, por sinonímia, outros vocábulos ou expressões presentes no texto. Questões 08 e 16 Questão 08 Em “O jogo terminou com o marcador de 7 a 1, um escore nunca registrado na história dos dois times”, a palavra em destaque pode ser substituída por (A) placar. (B) torneio. (C) amistoso. (D) drible. Leia o texto e responda às questões 9 e 10. Conversa entre namorados! - Oi. - Oi...você não estava trabalhando? - Sim, estava. - Então, por que você está me ligando? 1 GANCHO, Cândida Vilares. Como analisar narrativas. São Paulo: Ática, 2004. 2 MESQUITA, Samira Nahid. O Enredo. São Paulo: Ática, 1994, p. 22-23.
  • 13. - Ah... tive uma folga de 30 minutos e resolvi ligar pra você. - Que bom que você ligou, preciso falar com você. - Por quê? O que aconteceu? - Bobinho... não aconteceu nada, só estava com saudades e queria te falar que te amo muito! - Ah gata, eu também te amo muito. Não sei o que seria de mim sem você. - Amor, o seu tempo é tão curto, não precisava se preocupar comigo. - Amor, pra falar com você, faço qualquer coisa, além do mais quando a gente conversa fico de boa pra enfrentar um dia de trabalho. Te amo minha linda... Disponível em:<http://vidadeadolecentes.loveblog.com.br/438319/conversa-entre-namorados/>. Acesso em: 03 de junho de 2015. Habilidade Reconhecer os usos da norma padrão ou de outras variedades linguísticas em diferentes situações de uso social. Questões 09 e 10 Questão 09 O trecho do texto que se apresenta na linguagem formal é: (A) “[...] e resolvi ligar pra você”. (B) “Bobinho...não aconteceu nada.” (C) “[...] além do mais quando a gente conversa [...]”. (D) “Não sei o que seria de mim sem você.” Habilidade Reconhecer os usos da norma padrão ou de outras variedades linguísticas em diferentes situações de uso social. Questões 09 e 10 Questão 10 As palavras e/ou expressões que indicam o uso de uma linguagem que procura se aproximar do modo como nos expressamos, em uma conversa informal, estão presentes em: (A) “Ah gata...”; “...fico de boa...” (B) “...fico de boa”; “Por quê?” (C) “...só estava com saudades”; “fico de boa...” (D) “Ah gata”...; “...não precisava se preocupar comigo”
  • 14. Leia o poema e responda às questões 11 e 12. Infância A Abgar Renault Carlos Drummond de Andrade Meu pai montava a cavalo, ia para o campo. Minha mãe ficava sentada cosendo. Meu irmão pequeno dormia. Eu sozinho menino entre as mangueiras lia a história de Robinson Crusoé Comprida história que não acaba mais. No meio dia branco de luz uma voz que aprendeu a ninar nos longes da senzala — e nunca esqueceu chamava para o café. [...] café gostoso café bom. Minha mãe ficava sentada cosendo olhando para mim: — Psiu... Não acorde o menino. Para o berço onde pousou um mosquito. E dava um suspiro... que fundo! Lá longe meu pai campeava No mato sem fim da fazenda. Eu não sabia que a minha história era mais bonita que a de Robinson Crusoé. ANDRADE. Carlos Drummond de. Antologia Poética. São Paulo: Abril Cultural, 1982. p. 56-57. Habilidade Reconhecer os efeitos de sentido produzidos pelo uso da conotação ou denotação em um texto (crônica, letra de música ou poema). Questões 11 e 15
  • 15. Questão 11 “Lá longe meu pai campeava / No mato sem fim da fazenda / Eu não sabia que a minha história / era mais bonita que a de Robinson Crusoé”. A expressão destacada significa que a fazenda era (A) muito grande. (B) coberta de mato. (C) bastante bela. (D) cheia de história. Habilidade Identificar o uso adequado dos modos verbais em funcionamento no texto (modos indicativo, subjuntivo e imperativo). Questões 12 e 24 Questão 12 O verso que revela ações que aconteciam sempre na infância do poeta é: (A) “comprida história que não acaba mais.” (B) “...uma voz que aprendeu / a ninar nos longes da senzala.” (C) “Para o berço onde pousou / um mosquito.” (D) “Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.” Leia o texto e responda à questão 13. Branca de Neve e os sete anões Adaptado do conto dos Irmãos Grimm Há muito tempo, num reino distante, viviam um rei, uma rainha e sua filhinha, a princesa Branca de Neve. Sua pele era branca como a neve, os lábios vermelhos como o sangue e os cabelos pretos como o ébano. Um dia, a rainha ficou muito doente e morreu. O rei, sentindo-se muito sozinho, casou-se novamente. O que ninguém sabia é que a nova rainha era uma feiticeira cruel, invejosa e muito vaidosa. Ela possuía um espelho mágico, para o qual perguntava todos os dias: — Espelho, espelho meu! Há no mundo alguém mais bela do que eu? — És a mais bela de todas as mulheres, minha rainha! — respondia ele.
  • 16. Branca de Neve crescia e ficava cada vez mais bonita, encantadora e meiga. Todos gostavam muito dela, exceto a rainha, pois tinha medo que Branca de Neve se tornasse mais bonita que ela. Depois que o rei morreu, a rainha obrigava a princesa a vestir-se com trapos e a trabalhar na limpeza e na arrumação de todo o castelo. Branca de Neve passava os dias lavando, passando e esfregando, mas não reclamava. Era meiga, educada e amada por todos. Um dia, como de costume, a rainha perguntou ao espelho: — Espelho, espelho meu! Há no mundo alguém mais bela do que eu? — Sim, minha rainha! Branca de Neve é agora a mais bela! A rainha ficou furiosa, pois queria ser a mais bela para sempre. Imediatamente mandou chamar seu melhor caçador e ordenou que ele matasse a princesa e trouxesse seu coração numa caixa. No dia seguinte, ele convidou a menina para um passeio na floresta, mas não a matou. — Princesa, — disse ele — a rainha ordenou que eu a mate, mas não posso fazer isso. Eu a vi crescer e sempre fui leal a seu pai. — A rainha?! Mas, por quê? — perguntou a princesa. — Infelizmente não sei, mas não vou obedecer à rainha dessa vez. Fuja, princesa, e, por favor, não volte ao castelo, porque ela é capaz de matá-la! Branca de Neve correu pela floresta muito assustada, chorando, sem ter para onde ir. O caçador matou uma gazela, colocou seu coração numa caixa e levou para a rainha, que ficou bastante satisfeita, pensando que a enteada estava morta. Anoiteceu. Branca de Neve vagou pela floresta até encontrar uma cabana. Era pequena e muito graciosa. Parecia habitada por crianças, pois tudo ali era pequeno. A casa estava muito desarrumada e suja, mas Branca de Neve lavou a louça, as roupas e varreu a casa. No andar de cima da casinha encontrou sete caminhas, uma ao lado da outra. A moça estava tão cansada que juntou as caminhas, deitou-se e dormiu. Os donos da cabana eram sete anõezinhos que, ao voltarem para casa, se assustaram ao ver tudo arrumado e limpo. [...] Disponível em:<http://www.educacional.com.br/projetos/ef1a4/contosdefadas/brancadeneve.html>. Acesso em: 11 de junho de 2015. Habilidade Identificar a sequência de acontecimentos de um texto. Questões 06 e 13
  • 17. Questão 13 A madrasta da Branca de Neve, como sempre, consultou o espelho que lhe respondeu que agora a menina era a mais bela. A rainha chamou o caçador e ordenou a morte da menina. Então (A) o homem convidou Branca de Neve para um passeio e pediu para que ela fugisse. (B) Branca de Neve, com medo, fugiu para a floresta e lá encontrou uma cabana. (C) o homem matou uma gazela, retirou o coração e levou Branca de Neve à floresta. (D) Branca de Neve, assustada, fugiu para a floresta e lá encontrou os anõezinhos. Leia o texto e responda à questão 14. Disponível em: <http://jornaldabaixada.uol.com.br/>. Acesso em 10 de junho de 2015. (adaptado)
  • 18. Habilidade Reconhecer elementos da estrutura de diferentes suportes textuais (livro, jornal ou revista). Questões 14 e 18 Questão 14 O texto acima é a página inicial de jornal, pois apresenta (A) reportagens. (B) classificados. (C) manchetes. (D) propagandas. Leia o texto e responda à questão 15. Se Essa Rua Fosse Minha Cantigas Populares Se essa rua, se essa rua fosse minha Eu mandava, eu mandava ladrilhar Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante Só pra ver, só pra ver meu bem passar. Nessa rua, nessa rua tem um bosque Que se chama, que se chama solidão Dentro dele, dentro dele mora um anjo Que roubou, que roubou meu coração. Se eu roubei, se eu roubei teu coração Tu roubaste, tu roubaste o meu também Se eu roubei, se eu roubei teu coração Foi porque, só porque te quero bem. ALMEIDA, Theodora Maria Mendes de. (Coordenação). Il. Gustavo Thompson Flores. Se esta rua fosse minha. In: Quem canta seus males espanta. São Paulo: Caramelo. 1998. Habilidade Reconhecer os efeitos de sentido produzidos pelo uso de conotação ou denotação em um texto (crônica, letra de música ou poema). Questões 11 e 15
  • 19. Questão 15 Em “Que roubou, que roubou meu coração”, as palavras destacadas significam (A) ter se apaixonado por alguém. (B) ser um destruidor de coração. (C) cuidar do coração de alguém. (D) fazer alguém gostar de você. Leia o texto e responda às questões 16 e 17. Chihuahua Ricardo Azevedo Entre as quase duzentas raças de cachorro existentes no planeta, talvez a dos chihuahuas seja uma das mais interessantes e dignas de nota. Ocorre que, por razões ainda desconhecidas, os chihuahuas costumam nascer raquíticos e doentios. Por essa razão, pegam quase tudo quanto é doença, desde sarampo, caxumba, hepatite e catapora, até asma, lombriga, coqueluche e pé-de-atleta. É muito comum encontrar na rua cães chihuahuas capengando de suéter, touca, meia de lã e lenço com álcool no pescoço, em pleno dia de sol. Como se sentem mal, passam a infância dentro de casa, não jogam bola, não brincam de pique, não pulam cercas nem sabem nadar. Preferem ficar em casa pálidos, com olheiras, de rabo entre as pernas e acabam virando resmungões, encabulados e medrosos. Alguns chihuahuas passam o resto da vida assim. Outros, um dia dizem: “Chega!”, começam a cuidar de si mesmos, saem de casa para fazer amigos, vão à luta, fazem esportes, aprendem a latir de alegria e acabam transformando-se em dobermanns bonitões e seguros de si. Dá gosto ver um chihuahua dizendo: “Chega!” e lutando para mudar de vida, mas isso leva tempo. AZEVEDO, Ricardo. A outra enciclopédia canina. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1999. p. 27. Habilidade Identificar vocábulos ou expressões que substituem, por sinonímia, outros vocábulos ou expressões presentes no texto. Questões 08 e 16
  • 20. Questão 16 Em “Ocorre que, por razões ainda desconhecidas, os chihuahuas costumam nascer raquíticos e doentios.” A palavra, em destaque, pode ser substituída por (A) fracos. (B) medrosos. (C) animados. (D) fortes. Habilidade Localizar uma informação explícita em um texto. Questões 17 e 21 Questão 17 A informação presente no texto é: (A) Há duzentas raças de cães chihuahuas no planeta. (B) Os chihuahuas costumam nascer raquíticos. (C) Os chihuahuas quase nunca ficam doentes. (D) Os chihuahuas passam a infância brincando. Leia o texto e responda à questão 18. Disponível em: <http://super.abril.com.br/superarquivo/286>. Acesso em: 10 de junho de 2015.
  • 21. Habilidade Reconhecer elementos da estrutura de diferentes suportes textuais (livro, jornal ou revista). Questões 14 e 18 Questão 18 O texto acima é uma capa de revista, pois apresenta (A) linguagem visual e reportagem. (B) linguagem escrita e imagem. (C) imagem e propaganda. (D) imagem e receita. Leia o trecho do texto "Cinderela" e responda às questões 19 e 20. Era uma vez um homem cuja primeira esposa tinha morrido, e que tinha casado novamente com uma mulher muito arrogante. Ela tinha duas filhas que se pareciam em tudo com ela. O homem tinha uma filha de seu primeiro casamento. Era uma moça meiga e bondosa, muito parecida com a mãe. A nova esposa mandava a jovem fazer os serviços mais sujos da casa e dormir no sótão, enquanto as “irmãs” dormiam em quartos com chão encerado. Quando o serviço da casa estava terminado, a pobre moça sentava-se junto à lareira, e sua roupa ficava suja de cinzas. Por esse motivo, as malvadas irmãs zombavam dela. Embora Cinderela tivesse que vestir roupas velhas, era ainda cem vezes mais bonita que as irmãs, com seus vestidos esplêndidos. [...] Disponível em:<http://www.educacional.com.br/projetos/ef1a4/contosdefadas/cinderela.html>. Acesso em: 11 de junho de 2015. Habilidade Reconhecer os elementos da narrativa (personagem, enredo, tempo, espaço ou foco narrativo). Questões 07 e 19 Questão 19 No conto de fadas, (A) Cinderela era uma moça meiga e bondosa como o pai. (B) as malvadas irmãs de Cinderela eram tão bonitas quanto ela. (C) as irmãs de Cinderela vestiam roupas muito luxuosas. (D) a madrasta de Cinderela era uma mulher simples e bondosa.
  • 22. Habilidade Identificar marcadores temporais em um texto, do ponto de vista do léxico, da morfologia ou da sintaxe. Questões 20 e 23 Questão 20 O trecho do texto que contém uma expressão que marca tempo é: (A) “Embora Cinderela tivesse que vestir roupas velhas...”. (B) “A nova esposa mandava a jovem fazer os serviços mais sujos da casa...”. (C) “O homem tinha uma filha de seu primeiro casamento.” (D) “Era uma vez um homem cuja primeira esposa tinha morrido...”. Leia o texto e responda às questões 21 e 22. História de uma gata Enriquez - Bardotti - Chico Buarque/1977 Para o musical infantil Os saltimbancos Me alimentaram Me acariciaram Me aliciaram Me acostumaram O meu mundo era o apartamento Detefon, almofada e trato Todo dia filé-mignon Ou mesmo um bom filé...de gato Me diziam, todo momento Fique em casa, não tome vento Mas é duro ficar na sua Quando à luz da lua Tantos gatos pela rua Toda a noite vão cantando assim Nós, gatos, já nascemos pobres Porém, já nascemos livres Senhor, senhora ou senhorio Felino, não reconhecerás De manhã eu voltei pra casa Fui barrada na portaria Sem filé e sem almofada Por causa da cantoria Mas agora o meu dia a dia É no meio da gataria Pela rua virando lata Eu sou mais eu, mais gata Numa louca serenata
  • 23. Que de noite sai cantando assim Nós, gatos, já nascemos pobres Porém, já nascemos livres Senhor, senhora ou senhorio Felino, não reconhecerás Disponível em:<http://www.chicobuarque.com.br/construcao/mestre.asp?pg=historia_77.htm>. Acesso em: 11 de junho de 2015. Habilidade Localizar informação explícita em um texto. Questões 17 e 21 Questão 21 A alternativa que confirma as informações do texto é: (A) Os gatos nascem pobres e em apartamento. (B) A gata voltou para casa e foi bem recebida na portaria. (C) O dia a dia da gata é no meio da gataria e na portaria. (D) O mundo da gata era o apartamento, trato e filé de gato. Habilidade Inferir uma informação implícita em um texto (crônica, conto, miniconto, poema ou letra de música). Questões 03 e 22 Questão 22 A leitura do texto nos permite entender que a gata (A) não podia tomar vento porque era muito doente. (B) ficou triste quando perdeu a vida boa no apartamento. (C) quando foi viver na rua, passou a comer filé de gato. (D) está feliz, apesar de ter deixado a vida boa que tinha. Leia o trecho do conto “O Fantasma Camarada” e responda às questões 23 e 24. [...] O dia passou normalmente. Fiz uns desenhos, dona Lucinha falou umas coisas. Não me lembro na verdade como eram as aulas do pré-primário. Na hora do lanche tinha uma coisa que sempre acontecia. A gente ficava em mesinhas de quatro pessoas. Na minha mesa se sentava uma menina, a Sandra.
  • 24. Na garrafinha da lancheira, ela trazia sempre leite frio. Ninguém fazia isso. Em geral era suco de uva. Mas com a Sandra era leite. E toda vez ela derramava leite em cima da mesa. Com o tempo, a mesa foi ficando com cheiro de leite azedado. Naquele dia aconteceu de novo. A Sandra derramou o leite. Era bem nojento. Eu imaginava o leite entrando pela garganta dela e azedando na barriga. Mas tenho de admitir que suco de uva na barriga também deve ser nojento. [...] COELHO, Marcelo. Il. Luiz Maia. A professora de desenho e outras histórias. 4. Reimpressão. São Paulo: Cia das Letrinhas, 1999. p.34. Habilidade Identificar marcadores temporais em um texto, do ponto de vista do léxico, da morfologia ou da sintaxe. Questões 20 e 23 Questão 23 O trecho do texto que contém uma expressão que marca tempo é (A) “Fiz uns desenhos, dona Lucinha falou umas coisas”. (B) “Naquele dia aconteceu de novo”. (C) “Eu imaginava o leite entrando pela garganta dela...”. (D) “Mas com a Sandra era leite”. Habilidade Identificar o uso adequado dos modos verbais em funcionamento no texto (modos indicativo, subjuntivo e imperativo). Questões 12 e 24 Questão 24 Assinale a alternativa em que o narrador personagem mostra um fato que costumava acontecer frequentemente. (A) “[...] dona Lucinha falou umas coisas.” (B) “[...] suco de uva na barriga também deve ser nojento.” (C) “A gente ficava em uma mesinha de quatro pessoas.” (D) “O dia passou normalmente.”
  • 25. Comentários e Recomendações Pedagógicas A questão requer a indicação do uso adequado dos modos verbais em funcionamento no texto. No trecho lido, ressaltou-se a ideia expressa pelo uso do pretérito imperfeito do modo indicativo, com ações que aconteceram no passado, mas que não se concluíam e, sim, repetiam-se constantemente, como o que acontece na alternativa (C) “A gente ficava em uma mesinha de quatro pessoas.”. Essa ação e outras encontradas no texto, como, por exemplo, “Na hora do lanche tinha uma coisa que sempre acontecia.” “Na minha mesa se sentava uma menina, a Sandra.” “Na garrafinha da lancheira, ela trazia sempre leite frio.” “Ninguém fazia isso.”, contrapõem-se a algumas outras ações, cujos verbos estão no pretérito perfeito indicando que iniciaram e finalizaram (fiz, falou, passou, derramou, presentes nas alternativas A e D). A informação contida na alternativa B, com a locução verbal “deve ser”, traz a ideia de algo atemporal, e portanto, também está incorreta. O emprego dos pretéritos perfeito e imperfeito do indicativo pode ser melhor observado a partir das definições desses dois tempos verbais: a) pretérito perfeito simples: indica uma ação que se produziu em certo momento do passado. (CUNHA, 1985, p. 443)3 b) pretérito imperfeito: designa um fato passado, mas não concluído (imperfeito = não perfeito, inacabado). Encerra, pois, uma ideia de continuidade, de duração do processo verbal mais acentuada do que os outros tempos pretéritos, razão por que se presta especialmente para descrições e narrações de acontecimentos passados. (CUNHA, 1985, p.439)4 . Para que os alunos desenvolvam a habilidade, o professor pode, sempre que levar textos (não só os literários) aos alunos, chamar atenção ao uso dos verbos e ao sentido que estão expressando. 3 CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1885. 4 CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1885.
  • 26. HabilidadeAVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional Coordenador: Olavo Nogueira Batista Filho Departamento de Avaliação Educacional Diretor: William Massei Assistente Técnica: Maria Julia Filgueira Ferreira Centro de Aplicação de Avaliações Diretora: Cyntia Lemes da Silva Equipe Técnica DAVED participante da AAP Ademilde Ferreira de Souza, Cristiane Dias Mirisola, Isabelle Regina de Amorim Mesquita, Juvenal de Gouveia, Patricia Barros Monteiro, Silvio Santos de Almeida, Soraia Calderoni Statonato Coordenadoria de Gestão da Educação Básica Coordenadora: Ghisleine Trigo Silveira Departamento de Desenvolvimento Curricular e de Gestão da Educação Básica Diretora: Regina Aparecida Resek Santiago Centro do Ensino Fundamental dos Anos Finais e Ensino Médio - CEFAF Diretora: Valéria Tarantello de Georgel Equipe Curricular de Língua Portuguesa Angela Maria Baltieri Souza, Claricia Akemi Eguti, Idê Moraes dos Santos, Katia Regina Pessoa, Mara Lucia David, Marcos Rodrigues Ferreira, Roseli Cordeiro Cardoso, Rozeli Frasca Bueno Alves