SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Orçamento Participativo

                 Módulo   5
Orçamento Participativo
e gestão democrática
Um instrumento democrático de gestão que assegura
a participação da população na definição das
prioridades dos investimentos públicos para Porto
Alegre, onde foi implantado em 1989. Essa é a proposta
do Orçamento Participativo (OP), que tornou-se um
exemplo mundial de ação conjunta entre governo
e sociedade, e, na capital gaúcha, vem somando
forças, desde 2005, com a Governança Solidária Local
(GSL). Para fortalecer e qualificar ainda mais o OP, é
preciso conhecer seu funcionamento, sua estrutura e
suas instâncias governamentais e sociais. O objetivo
do CapacitaPOA - sistema permanente de ensino é
contribuir para o entendimento desse processo, a fim
de preparar os participantes para atuarem de forma
cada vez mais integrada, cooperativa e solidária,
propícia à consolidação de um modelo de participação
e governança. Bom aprendizado!


                                                         3
Orçamento Participativo


                          Mas e a novela, Lurdes? Termina semana que vem, tudo vai
                          acontecer agora.

                          A Lurdes, uma das líderes da
                          comunidade, já conhecia essa desculpa:
                          as pessoas inventam qualquer coisa pra
                          ficar em casa, pra não ter que ir a uma
                          reunião, pra não sair do sossego e de
                          perto da família, sabe como é. Além do mais,
                          reuniões são em geral chatas, as pessoas falam, falam, falam e
                          nem sempre as coisas se resolvem. A Lurdes sabia como era,
                          estava há 30 anos nessa.
                          Mas a Lurdes sabia também que não tinha outro jeito de
                          conseguir as coisas a não ser indo à luta. Sabia disso aos
                          mesmos 30 anos, quando fez a primeira greve – na época em
                          que era operária. Não era fácil, pois a democracia ainda não
                          havia sido conquistada novamente no país, e o governo não
                          era nada tolerante com quem se metia a reivindicar salário ou
                          eleição pra presidente.
                          Da militância por direitos políticos para a luta por moradia foi
                          um pulo. Em 1983, ela ajudou a organizar a Uampa – a União
                          das Associações de Moradores de Porto Alegre. Tinha história
                          a dona Lurdes, sempre na linha de frente. Quando começou o
                          Orçamento Participativo em Porto Alegre, lá no final dos anos
                          1980, adivinha quem saiu na foto? Pois é, a dona Lurdes.
                          – Deixa que eu gravo aqui em casa e depois tu vê, Ernestina.
                          Botar luz aqui na comunidade e tirar esse “gatos” da rua não é
                          mais importante não?
                          – É claro que é, mas vocês não conseguem isso sem mim? Se
                          eu for, vai fazer diferença? Se eu não for, vai fazer diferença?
                          Eu li que hoje tem o casamento da Dorinha na novela...
                          – Deixa de ser boba, Tina. Novela tem uma atrás da outra.
                          Assembleia do OP não é todo dia. Tem que aproveitar.


4
– Ah, tá bom. Vamos lá.
No ônibus.
– Não entendo, Lu. Não são os políticos que fazem as leis?
Não são eles que decidem as coisas? A gente não vota neles
pra isso?
– Claro que sim, Tina. Isso é a democracia. A gente vota,
escolhe os representantes e eles fazem as leis, aplicam o
dinheiro dos nossos impostos, governam. É pra isso que a
gente vota.
– Então?
– Então que não chega, né? Quando a gente voltou a eleger
prefeito em Porto Alegre, lá nos anos 1980, eu fui fiscal de
comunidade.
– Sério?
A cara da Tina indicava que ela não tinha a menor ideia do
que se tratava.


                                                               5
Orçamento Participativo


                          – Sério. Na época, acho que era 1986, 1987, foram criados os
                          conselhos populares. E tinha umas pessoas que foram ser os
                          fiscais do governo nas comunidades. Era um negócio bacana,
                          tanto que alguns existem até hoje. A gente começou a
                          pensar em outras formas da população participar, para decidir
                          coisas como orçamento da cidade. Ali começou a nascer a
                          ideia do OP.
                          – E depois? Conta mais

                          – Bom, o Orçamento Participativo mesmo
                          a gente só conseguiu criar em 1989. A
                          participação popular está prevista na
                          Constituição de 1988, vê só, mas com
                          o OP a gente começou a fazer isso na
                          prática. De reunião em reunião, a gente
                          foi discutindo o que era mais importante
                          pra cada bairro e pra cada comunidade.
                          Era uma peleia daquelas, mas um negócio legal, que vem se
                          fortalecendo a cada ano.
                          – Mas não é complicado? Sei lá, cada cabeça uma sentença, né?
                          – Claro, no início é. Cada um quer saber de priorizar as coisas na
                          sua comunidade, na sua rua, de preferência na frente da sua casa.
                          A Ernestina riu.
                          – Começou pequeninho, com só quatro regiões. Mas aos
                          poucos a coisa foi se ajeitando, crescendo. Agora a cidade
                          está organizada em 17 regiões.
                          – Bah, 17?
    Veja mais sobre       – É. O OP também achou melhor criar reuniões por temas, sabe?
    o funcionamento
                          Transporte numa reunião, saúde na outra, educação e assim por
    da prefeitura
    na cartilha           diante. Fica mais fácil, né? Além disso, as pessoas que cuidam lá
    Conhecendo a          do processo organizaram três bases de participação: regional,
    PMPA.
                          temática e institucional. Nessa última aí se inserem as secretarias
                          da prefeitura que vão fazer as obras decididas pela população,

6
Base legal do OP
- Constituição Federal de 1988 - prevê participação
popular no processo decisório orçamentário a partir de
mecanismos como o Orçamento Participativo (OP).
Artigo 5º, Inciso 33 – “Todos têm direito a receber dos órgãos
públicos informações de seu interesse particular, ou de
interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei,
sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo
seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado”.
No âmbito dos municípios há um dispositivo específico
na CF/88 que ampara a participação da sociedade civil na
elaboração dos orçamentos e no planejamento da gestão
municipal.
Inciso XII do artigo 29 – “Estabelece, como preceito a ser
seguido pelos Municípios, a cooperação das associações
representativas no planejamento municipal.”
- Lei Orgânica de Porto Alegre - define um marco
normativo para o OP, estabelecendo que população pode
conhecer e decidir sobre o orçamento anual do município
de forma direta, em encontros por região e por tema.
Artigo 116, parágrafo 1 – “Fica garantida a participação da
comunidade, a partir das regiões do município, nas etapas
de elaboração, definição e acompanhamento da execução
do Plano Plurianual, das diretrizes orçamentárias e do
orçamento anual”.
- Lei de Responsabilidade Fiscal: entre os seus objetivos,
está aumentar a transparência nos processos ligados ao
orçamento, o que inclui a participação popular:
O Artigo 48, parágrafo único, prevê que o Orçamento
Anual do município, do estado e da União seja feito
através de audiências públicas, consultando a população
sobre onde os recursos devem ser gastos. Depois de
aprovado o orçamento, no momento de sua execução,
os governos devem prestar contas do que estão fazendo
com o dinheiro público, na forma de publicação.

                                                                    7
Orçamento Participativo


                          entende? Nós decidimos nas bases regionais, aquelas 17 regiões
                          que te falei, e nas discussões por temas, que sáo os Fóruns
                          Temáticos. A prefeitura se reúne na base institucional e decide
                          como tirar as coisas do papel e transformar em obras. É fácil.


                          Base temática
                              Circulação, Transporte e Mobilidade Urbana
                              Saúde e Assistência Social
                              Educação, Esporte e Lazer
                              Cultura
                              Desenvolvimento Econômico, Tributação e Turismo
                              Habitação, Organização da Cidade e
                              Desenvolvimento Urbano e Ambiental


                          – É, parece. Mas pra mim ainda tá confuso, Lu.
                          – Pra quem vai a primeira vez, pode levar um susto mesmo.
                          Aquele monte de gente votando isso e aquilo, debatendo, se
                          informando.




8
– Votando? Mas é eleição? Nós não votamos o ano passado?
A Lurdes dava risada da amiga.
– Não é isso, Tina. Olha só: agora estamos na fase de eleger
as prioridades. É assim: cada um que vai na assembleia do
OP escolhe, em ordem de importância, quatro prioridades
temáticas que quer na sua região. Assim: tem uma baita
lista, com vários temas. Lá eu te mostro. Deixa eu lembrar:
tem saúde, pavimentação, habitação, saneamento
básico. Ih, é um monte de coisa. Depois que a gente
vota, a prefeitura faz a apuração dos votos e anuncia as
prioridades que ganharam.
– A prefeitura é que apura? Mas e se não gostar do resultado?
– Ah, a gente fica em cima, apura os votos junto. Tem que fiscalizar.
– E eu vou poder votar? Nunca fui lá.
                                                                        Os conselheiros (as)
– É claro que pode. Quanto mais gente estiver lá, do nosso              são os representantes
lado, melhor. Mais delegados a gente pode eleger. Aí os                 das Regiões ou
                                                                        das Temáticas, que
delegados ajudam a organizar as reuniões com os conselheiros
                                                                        compõem o Conselho
do OP, recolhem as propostas temáticas e fazem o meio de                do Orçamento
campo com a prefeitura, né? São 34 conselheiros titulares para          Participativo (COP),
                                                                        órgão que planeja,
as 17 regiões e 12 para as seis temáticas. Isso dá 46 – e ainda
                                                                        propõe, fiscaliza
têm outros 46 que são suplentes. Têm dois representantes                e decide sobre o
(titular e suplente) da Uampa e outros dois do sindicato dos            conjunto de receitas
                                                                        e despesas do
funcionários da prefeitura – mesma coisa, um titular e um
                                                                        orçamento municipal.
suplente. Aí já tem 96 pessoas, além de mais quatro carinhas da
prefeitura. Mas eles não têm direito a voto, só observam. Eu sou
uma das delegadas da nossa comunidade.
– Tu foi eleita? O que tu faz?
– Delegado é uma figura no OP que atua na base das                      Estabelece metas
                                                                        e diretrizes gerais
comunidades. A gente é que faz o leva e traz de decisões                que orientam
e demandas de um lado e de outro nos Fóruns Regionais                   as ações do
e temáticos. Os conselheiros não, eles estão mais ligados à             governo para
                                                                        cada quatro anos.
elaboração do orçamento municipal, do plano plurianual, essas
coisas que fazem lá no Conselho do Orçamento Participativo

                                                                                                9
Orçamento Participativo


                 Plano de    (COP). E são responsáveis por colocar o plano de investimentos
        investimentos é a
                             do OP lá dentro. Tu não votava em mim pra delegada?
         publicação anual
        que contém todas     – Votava. Mas tinha mais gente concorrendo? Não conheço
          as demandas de
          serviços e obras   ninguém lá da comunidade que participa do OP.
            definidas pela
                             – Da comunidade tinha pouca gente, mas tem uma
           população nos
       Fóruns Regionais e    comunidade do lado da nossa, outra mais pra cima, duas
                Temáticos    lá na subida do morro, outra perto do colégio. Assim foi




10
juntando gente. Além de mim, tem mais cinco pessoas
                                                                 Os delegados
que representam a nossa comunidade no OP. Quanto                 (as) são os
mais gente, mais representantes pode colocar lá. Os              representantes
                                                                 diretos da
delegados representam o que a comunidade decidiu,
                                                                 população no
não tem erro. É um delegado pra cada dez pessoas que             processo de
forem nas assembleias.                                           participação
                                                                 popular.
– Quer dizer que 60 pessoas da nossa comunidade foram na
assembleia regional?
– É por aí. Mas tem que estar identificado, tem que mostrar
de alguma forma que é de lá mesmo. O negócio é sério, não
tem fantasma lá.
A Tina riu.
– Isso tá melhor que novela. Tem até fantasma...
– Não tem fantasma, Tina. Não tem!!!
– Tá, mas e isso dura o ano todo? Eu te vejo indo a um monte
de reuniões, quase todo o mês.
– Só para em fevereiro, que ninguém é de ferro. Tem carnaval,
                                                                Grande encontro
piscina... Mas em março já começou, lá com as reuniões que      da população
vão preparar as assembleias, aí começam também as reuniões      para empossar
                                                                os(as) novos(as)
dos Fóruns Regionais (FROPs) e Temáticos do OP que reúnem
                                                                conselheiros(as)
os delegados. Essas reuniões acontecem durante todo o ano,      do OP e entregar
de quinze em quinze dias, geralmente. Um momento legal          ao governo a
                                                                hierarquização das
é a assembleia municipal, mas essa só em julho. É quando        obras e serviços
a gente entrega as demandas hierarquizadas para o prefeito,     demandados para
todo mundo junto, as 17 regiões e as seis temáticas. Aí é uma   toda a cidade.
                                                                Na assembleia
maravilha, tem a posse dos novos conselheiros, debates sobre    municipal é
temas, é uma baita de uma reunião.                              reservado espaço à
                                                                discussão de temas
– Julho? Bah, tá pertinho.                                      de caráter geral.
– É. Agora nós estamos decidindo as prioridades regionais e
temáticas nas reuniões dos Fóruns de Delegados. São dois
meses nessa.



                                                                                     11
Orçamento Participativo



                          Calendário do OP
                          MARÇO/ABRIL
                          Reuniões preparatórias
                          ABRIL/MAIO/JUNHO
                          Assembleias regionais e temáticas e hierarquização das
                          obras e serviços (Fórum de Delegados)
                          JULHO
                          Assembleia municipal
                          JULHO/AGOSTO/SETEMBRO
                          Análise das propostas dos investimentos
                          AGOSTO/SETEMBRO
                          Discussão e votação da Matriz Orçamentária
                          OUTUBRO/DEZEMBRO
                          Detalhamento do Plano de Investimentos e Serviços
                          (Hierarquização das demandas)
                          NOVEMBRO/DEZEMBRO
                          Discussão do Regimento Interno nas regiões e temáticas
                          DEZEMBRO/JANEIRO
                          Discussão e votação do Regimento Interno
                          FEVEREIRO
                          Recesso


                          – Tu não cansa, Lu?
                          – Às vezes dá vontade de ficar em casa, sim. Às vezes a
                          discussão fica complicada. Mas tem que respeitar, democracia
                          é assim mesmo, a gente aprende a conviver com as diferenças,
                          aprende a aceitar os defeitos dos outros, aprende a admirar as
                          qualidades. É um negócio muito bom pra todo mundo. Depois
                          que a gente decide as prioridades, pra onde vai o dinheiro
                          dos investimentos e tal, o GPO cadastra as propostas...
                          – GPO? Que é isso, Lu? Já me perdi de novo.


12
– É uma sigla, guria. Gabinete de Programação Orçamentária. É
onde a prefeitura encaixa as prioridades do OP pra incluir nos
gastos do próximo ano. Antes de aprovar o que a gente decidiu,
tem que fazer uma análise técnica e de viabilidade, para ver se
dá para fazer. As três primeiras prioridades que somarem mais
pontos vão ser incluídas no orçamento da prefeitura. É o que a
gente chama de matriz orçamentária.
                                                                    Mais informações
– Bah, que difícil.                                                 sobre a Câmara
                                                                    de Vereadores
– É, é uma parte difícil mesmo. Mas a gente tem que aprender        na cartilha
pra poder ganhar com isso, né? Depois que a matriz é                Democracia e
aprovada, a prefeitura manda pra Câmara de Vereadores e             Participação.
eles têm que aprovar a execução pro próximo ano.
– Execução? Bah, que tri. Já apareceu fantasma, execução...
– Não é isso, Tina. Não é executar alguém, é aplicar o orçamento.
Aplicar o que a gente decidiu nas assembleias e nos FROPs.
– Dã, eu sei. Tava só tirando onda contigo...
– Sei. Mas ainda não acabou. Pra melhorar a
qualidade do OP, a prefeitura examina e usa três
critérios para distribuir os recursos, que são
escassos: população, carência e prioridade.
– Como assim?
– As prioridades mais votadas ganham mais
pontos. E quanto mais gente uma região tiver,
mais peso na hora de ganhar recursos. Assim, até
25 mil habitantes é um ponto. Mais de 90 mil, quatro
pontos. É justo, né? As prioridades devem atingir sempre
mais pessoas, que são as que precisam mais.
– É, é justo. E depois?
– Por último, a carência do serviço ou da
infraestrutura proposta: quanto mais necessário,
mais peso na hora de incluir na matriz. Lembra da
matriz orçamentária, né?


                                                                                       13
Orçamento Participativo


                          – Sim!!!!!
                          – Então. O cálculo de pontuação vai ser transformado em valor
                          de investimento no ano que vem. É complicadinho, mas é
                          democrático. No ano passado, a nossa região ganhou R$ 400
                          mil em investimento porque fez uma pontuação bem boa.
                          – Bah, que dinheirama.
                          – É pouco pro tanto que a gente precisa, mas é um
                          investimento que a gente sabe que vai ficar aqui. Que vai
                          beneficiar quem batalhou por ele. Por isso que quanto mais
                          gente nas assembleias, melhor.
                          A Ernestina deitou a cabeça no ombro da Lu. Dormiu
                          um pouquinho e sonhou com uma comunidade de ruas
                          calçadas, de casinhas pintadas, com crianças nas escolas. Mas
                          foi só um tantinho de tempo, porque o ônibus chegou.
                          – Acorda, mulher. Chegamos. Tava sonhando – disse a Lu.
                          – Pior que tava. Mas vamos entrar que já sei que o sonho tá lá
                          dentro, pertinho da mão.




                          Dica!
                          Se você gostou de acompanhar a jornada de Ernestina
                          e Lurdes rumo à assembleia do OP, é hora de embarcar
                          em outra viagem, agora pela internet. No site www2.
                          portoalegre.rs.gov.br/op/ você encontra informações
                          sobre as prioridades da cidade e as prestações de contas
                          dos últimos anos, o que inclui o acompanhamento das
                          obras e serviços decididos pela população. Também
                          confere o calendário atualizado das assembleias
                          regionais e temáticas, assim como os nomes dos
                          conselheiros de todas as regiões e temas, além de outros
                          dados sobre a atuação do OP em Porto Alegre.
                          Gerência do Orçamento Participativo:
                          (51) 3289.6661 / 3289.6691

14
Expediente
Prefeitura Municipal de Porto Alegre
Secretaria de Coordenação Política e Governança Local
Produção: Signi - Estratégias para Sustentabilidade
Coordenação: Cristiane Ostermann (MTb 8256)
e Karen Mendes Santos (MTb 7816)
Edição: Carol Lopes
Textos: Flávio Ilha
Conselho Editorial: Adriana Burger, Adriana Furtado,
Ana Paula Dixon, Beatriz Rosane Lang, Cézar Busatto,
Débora Balzan Fleck, Eloisa Strehlau, Francesco Conti, Ilmo Wilges,
Jandira Feijó, Jorge Barcellos, Júlio Pujol, Lisandro Wottrich,
Luciano Fedozzi, Plinio Alexandre Zalewski Vargas, Ricardo Erig,
Rodrigo Puggina, Simone Dani, Themis Regina Barreto Krumenauer
e Valéria Bassani.
Projeto gráfico: Carolina Fillmann | Design de Maria
Diagramação: Daniela Olmos
Ilustrações: Marcelo Germano
Revisão: Press Revisão
Impressão: Hotprint
Tiragem: 1.500 exemplares
Apoio à produção das cartilhas: Departamento Municipal de Água e
Esgotos - DMAE
Novembro | 2010


                                                                      15
Orçamento Participativo
                 Módulo 5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Agir racional - Razão e Sociedade
Agir racional - Razão e SociedadeAgir racional - Razão e Sociedade
Agir racional - Razão e Sociedade
 
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educaçãoPiaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
Piaget, vygotsky e wallon – tripé teórico da educação
 
Ética Aristóteles
Ética AristótelesÉtica Aristóteles
Ética Aristóteles
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
CULTURA: DEFINIÇÕES
CULTURA: DEFINIÇÕESCULTURA: DEFINIÇÕES
CULTURA: DEFINIÇÕES
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
 
Ciência com consciência
 Ciência com consciência Ciência com consciência
Ciência com consciência
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
O belo e o feio
O belo e o feioO belo e o feio
O belo e o feio
 
fake news no cotidiano escolar
fake news no cotidiano escolarfake news no cotidiano escolar
fake news no cotidiano escolar
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
 
As regras do método sociológico
As regras do método sociológico As regras do método sociológico
As regras do método sociológico
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Rousseau
RousseauRousseau
Rousseau
 
O que são valores?
O que são valores?O que são valores?
O que são valores?
 
Slides trabalho empirismo 25tp 22
Slides trabalho empirismo 25tp 22Slides trabalho empirismo 25tp 22
Slides trabalho empirismo 25tp 22
 
ética e moral
ética e moralética e moral
ética e moral
 
Teste de alienação. Filosofia. Prof. Noe Assunção
Teste de alienação. Filosofia. Prof. Noe AssunçãoTeste de alienação. Filosofia. Prof. Noe Assunção
Teste de alienação. Filosofia. Prof. Noe Assunção
 
Hfc aula introdução ao existencialismo
Hfc aula introdução ao existencialismoHfc aula introdução ao existencialismo
Hfc aula introdução ao existencialismo
 
Igualdade de gênero
Igualdade de gêneroIgualdade de gênero
Igualdade de gênero
 

Destaque

Orçamento Participativo
Orçamento ParticipativoOrçamento Participativo
Orçamento ParticipativoJoão da Mata
 
Cartilha porto alegre
Cartilha porto alegreCartilha porto alegre
Cartilha porto alegrePaulo Rosa
 
Sildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento ParticipativoSildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento ParticipativoHigor Victor
 
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...André Luís M. S. Leão
 
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULARORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULARProfessora Josete
 
Orcamento participativo e_socialismo
Orcamento participativo e_socialismoOrcamento participativo e_socialismo
Orcamento participativo e_socialismoEdinho Silva
 
Aplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidores
Aplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidoresAplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidores
Aplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidoresLeandro Schmidt
 

Destaque (12)

Orçamento Participativo
Orçamento ParticipativoOrçamento Participativo
Orçamento Participativo
 
Orçamento Participativo
Orçamento ParticipativoOrçamento Participativo
Orçamento Participativo
 
Cartilha porto alegre
Cartilha porto alegreCartilha porto alegre
Cartilha porto alegre
 
Orçamento Participativo Digital 2011
Orçamento Participativo Digital 2011Orçamento Participativo Digital 2011
Orçamento Participativo Digital 2011
 
Orçamento participativo
Orçamento participativoOrçamento participativo
Orçamento participativo
 
Sildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento ParticipativoSildes Orçamento Participativo
Sildes Orçamento Participativo
 
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...
ORÇAMENTO PARTICIPATIVO: EXPERIENCIAS ATUAIS E POSSIBILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO...
 
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULARORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
ORÇAMENTO PÚBLICO E PARTICIPAÇÃO POPULAR
 
Orcamento participativo e_socialismo
Orcamento participativo e_socialismoOrcamento participativo e_socialismo
Orcamento participativo e_socialismo
 
Aplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidores
Aplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidoresAplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidores
Aplicação da ferramenta pdca na redução de reclamação de consumidores
 
Cartilha - Orcamento Público
Cartilha - Orcamento PúblicoCartilha - Orcamento Público
Cartilha - Orcamento Público
 
Sus Aula2
Sus Aula2Sus Aula2
Sus Aula2
 

Semelhante a Cartilha - Orcamento Participativo

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012
ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012
ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012cnisbrasil
 
Cartilha de olho no legislativo
Cartilha de olho no legislativoCartilha de olho no legislativo
Cartilha de olho no legislativoJosé Ripardo
 
Discurso ferreirinha 1jan2013
Discurso ferreirinha 1jan2013Discurso ferreirinha 1jan2013
Discurso ferreirinha 1jan2013BlogdoFerreirinha
 
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009Peabirus
 
Edição 68 DO SERRANO ( ANO II) VERSO
Edição 68  DO SERRANO ( ANO II) VERSOEdição 68  DO SERRANO ( ANO II) VERSO
Edição 68 DO SERRANO ( ANO II) VERSOEcos Alcântaras
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2CETUR
 
Cartilha sobre eleições
Cartilha sobre eleiçõesCartilha sobre eleições
Cartilha sobre eleiçõesBernadetecebs .
 
Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais"
Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais" Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais"
Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais" Development Workshop Angola
 
Casa dos conselhos de paracambi
Casa dos conselhos de paracambiCasa dos conselhos de paracambi
Casa dos conselhos de paracambiMarcia Marques
 
Carta programa psdb pirituba 2011 2012
Carta programa psdb pirituba 2011   2012Carta programa psdb pirituba 2011   2012
Carta programa psdb pirituba 2011 2012Psdb Pirituba Pirituba
 
Comitê Popular de Luta
Comitê Popular de LutaComitê Popular de Luta
Comitê Popular de LutaComunicaoPT
 
Comitê Popular de Luta
Comitê Popular de LutaComitê Popular de Luta
Comitê Popular de LutaComunicaoPT
 
Zong 1ª Edição
Zong 1ª EdiçãoZong 1ª Edição
Zong 1ª Ediçãorevistazong
 

Semelhante a Cartilha - Orcamento Participativo (20)

Cartilha - Conhecendo a PMPA
Cartilha - Conhecendo a PMPACartilha - Conhecendo a PMPA
Cartilha - Conhecendo a PMPA
 
Cartilha - Ferramentas de Informação
Cartilha - Ferramentas de InformaçãoCartilha - Ferramentas de Informação
Cartilha - Ferramentas de Informação
 
ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012
ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012
ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012
 
Cartilha de olho no legislativo
Cartilha de olho no legislativoCartilha de olho no legislativo
Cartilha de olho no legislativo
 
Jabes ribeiro
Jabes ribeiroJabes ribeiro
Jabes ribeiro
 
Discurso ferreirinha 1jan2013
Discurso ferreirinha 1jan2013Discurso ferreirinha 1jan2013
Discurso ferreirinha 1jan2013
 
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
Revista CEPAM - Fortalecendo Municípios - Novembro de 2009
 
Edição 68 DO SERRANO ( ANO II) VERSO
Edição 68  DO SERRANO ( ANO II) VERSOEdição 68  DO SERRANO ( ANO II) VERSO
Edição 68 DO SERRANO ( ANO II) VERSO
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
Curso Gestores - Cidades Socialistas - Aula 8 Módulo 2
 
Cartilha sobre eleições
Cartilha sobre eleiçõesCartilha sobre eleições
Cartilha sobre eleições
 
Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais"
Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais" Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais"
Debate: "O papel das Comissões de Moradores nas autarquias locais"
 
Casa dos conselhos de paracambi
Casa dos conselhos de paracambiCasa dos conselhos de paracambi
Casa dos conselhos de paracambi
 
Guaianas 066
Guaianas 066Guaianas 066
Guaianas 066
 
Guaianas 066
Guaianas 066Guaianas 066
Guaianas 066
 
Carta programa psdb pirituba 2011 2012
Carta programa psdb pirituba 2011   2012Carta programa psdb pirituba 2011   2012
Carta programa psdb pirituba 2011 2012
 
Dia Nacional Do Sexo
Dia Nacional Do SexoDia Nacional Do Sexo
Dia Nacional Do Sexo
 
Comitê Popular de Luta
Comitê Popular de LutaComitê Popular de Luta
Comitê Popular de Luta
 
Comitê Popular de Luta
Comitê Popular de LutaComitê Popular de Luta
Comitê Popular de Luta
 
Zong 1ª Edição
Zong 1ª EdiçãoZong 1ª Edição
Zong 1ª Edição
 
Edição nº 70_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinville
Edição nº 70_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinvilleEdição nº 70_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinville
Edição nº 70_do_primeira_pauta,_o_jornal_laboratório_do_ielusc,_joinville
 

Mais de CapacitaPOA - SistemaPGLP (15)

Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
Cartilha - Conceitos Básicos de Democracia
 
Cartilha - Direitos do Consumidor
Cartilha - Direitos do ConsumidorCartilha - Direitos do Consumidor
Cartilha - Direitos do Consumidor
 
Cartilha - Democracia e Participação
Cartilha - Democracia e ParticipaçãoCartilha - Democracia e Participação
Cartilha - Democracia e Participação
 
Cartilha - Governanca Solidária Local
Cartilha - Governanca Solidária LocalCartilha - Governanca Solidária Local
Cartilha - Governanca Solidária Local
 
Cartilha - Direitos Humanos
Cartilha - Direitos HumanosCartilha - Direitos Humanos
Cartilha - Direitos Humanos
 
Mpe e sociedade civil
Mpe e sociedade civilMpe e sociedade civil
Mpe e sociedade civil
 
Modelo de Gestão
Modelo de GestãoModelo de Gestão
Modelo de Gestão
 
Governança Solidária Local
Governança Solidária LocalGovernança Solidária Local
Governança Solidária Local
 
Ferramentas de Informação ObservaPOA
Ferramentas de Informação   ObservaPOAFerramentas de Informação   ObservaPOA
Ferramentas de Informação ObservaPOA
 
Direitos humanos mp
Direitos humanos   mpDireitos humanos   mp
Direitos humanos mp
 
Direito do Consumidor
Direito do ConsumidorDireito do Consumidor
Direito do Consumidor
 
Democracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e ParticipativaDemocracia Representativa e Participativa
Democracia Representativa e Participativa
 
Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
Conhecendo a estrutura da Prefeitura de Porto Alegre (PMPA)
 
Conceito de Direitos Humanos
Conceito de Direitos Humanos Conceito de Direitos Humanos
Conceito de Direitos Humanos
 
CapacitaPOA apresentacao
CapacitaPOA apresentacaoCapacitaPOA apresentacao
CapacitaPOA apresentacao
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 

Cartilha - Orcamento Participativo

  • 2.
  • 3. Orçamento Participativo e gestão democrática Um instrumento democrático de gestão que assegura a participação da população na definição das prioridades dos investimentos públicos para Porto Alegre, onde foi implantado em 1989. Essa é a proposta do Orçamento Participativo (OP), que tornou-se um exemplo mundial de ação conjunta entre governo e sociedade, e, na capital gaúcha, vem somando forças, desde 2005, com a Governança Solidária Local (GSL). Para fortalecer e qualificar ainda mais o OP, é preciso conhecer seu funcionamento, sua estrutura e suas instâncias governamentais e sociais. O objetivo do CapacitaPOA - sistema permanente de ensino é contribuir para o entendimento desse processo, a fim de preparar os participantes para atuarem de forma cada vez mais integrada, cooperativa e solidária, propícia à consolidação de um modelo de participação e governança. Bom aprendizado! 3
  • 4. Orçamento Participativo Mas e a novela, Lurdes? Termina semana que vem, tudo vai acontecer agora. A Lurdes, uma das líderes da comunidade, já conhecia essa desculpa: as pessoas inventam qualquer coisa pra ficar em casa, pra não ter que ir a uma reunião, pra não sair do sossego e de perto da família, sabe como é. Além do mais, reuniões são em geral chatas, as pessoas falam, falam, falam e nem sempre as coisas se resolvem. A Lurdes sabia como era, estava há 30 anos nessa. Mas a Lurdes sabia também que não tinha outro jeito de conseguir as coisas a não ser indo à luta. Sabia disso aos mesmos 30 anos, quando fez a primeira greve – na época em que era operária. Não era fácil, pois a democracia ainda não havia sido conquistada novamente no país, e o governo não era nada tolerante com quem se metia a reivindicar salário ou eleição pra presidente. Da militância por direitos políticos para a luta por moradia foi um pulo. Em 1983, ela ajudou a organizar a Uampa – a União das Associações de Moradores de Porto Alegre. Tinha história a dona Lurdes, sempre na linha de frente. Quando começou o Orçamento Participativo em Porto Alegre, lá no final dos anos 1980, adivinha quem saiu na foto? Pois é, a dona Lurdes. – Deixa que eu gravo aqui em casa e depois tu vê, Ernestina. Botar luz aqui na comunidade e tirar esse “gatos” da rua não é mais importante não? – É claro que é, mas vocês não conseguem isso sem mim? Se eu for, vai fazer diferença? Se eu não for, vai fazer diferença? Eu li que hoje tem o casamento da Dorinha na novela... – Deixa de ser boba, Tina. Novela tem uma atrás da outra. Assembleia do OP não é todo dia. Tem que aproveitar. 4
  • 5. – Ah, tá bom. Vamos lá. No ônibus. – Não entendo, Lu. Não são os políticos que fazem as leis? Não são eles que decidem as coisas? A gente não vota neles pra isso? – Claro que sim, Tina. Isso é a democracia. A gente vota, escolhe os representantes e eles fazem as leis, aplicam o dinheiro dos nossos impostos, governam. É pra isso que a gente vota. – Então? – Então que não chega, né? Quando a gente voltou a eleger prefeito em Porto Alegre, lá nos anos 1980, eu fui fiscal de comunidade. – Sério? A cara da Tina indicava que ela não tinha a menor ideia do que se tratava. 5
  • 6. Orçamento Participativo – Sério. Na época, acho que era 1986, 1987, foram criados os conselhos populares. E tinha umas pessoas que foram ser os fiscais do governo nas comunidades. Era um negócio bacana, tanto que alguns existem até hoje. A gente começou a pensar em outras formas da população participar, para decidir coisas como orçamento da cidade. Ali começou a nascer a ideia do OP. – E depois? Conta mais – Bom, o Orçamento Participativo mesmo a gente só conseguiu criar em 1989. A participação popular está prevista na Constituição de 1988, vê só, mas com o OP a gente começou a fazer isso na prática. De reunião em reunião, a gente foi discutindo o que era mais importante pra cada bairro e pra cada comunidade. Era uma peleia daquelas, mas um negócio legal, que vem se fortalecendo a cada ano. – Mas não é complicado? Sei lá, cada cabeça uma sentença, né? – Claro, no início é. Cada um quer saber de priorizar as coisas na sua comunidade, na sua rua, de preferência na frente da sua casa. A Ernestina riu. – Começou pequeninho, com só quatro regiões. Mas aos poucos a coisa foi se ajeitando, crescendo. Agora a cidade está organizada em 17 regiões. – Bah, 17? Veja mais sobre – É. O OP também achou melhor criar reuniões por temas, sabe? o funcionamento Transporte numa reunião, saúde na outra, educação e assim por da prefeitura na cartilha diante. Fica mais fácil, né? Além disso, as pessoas que cuidam lá Conhecendo a do processo organizaram três bases de participação: regional, PMPA. temática e institucional. Nessa última aí se inserem as secretarias da prefeitura que vão fazer as obras decididas pela população, 6
  • 7. Base legal do OP - Constituição Federal de 1988 - prevê participação popular no processo decisório orçamentário a partir de mecanismos como o Orçamento Participativo (OP). Artigo 5º, Inciso 33 – “Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado”. No âmbito dos municípios há um dispositivo específico na CF/88 que ampara a participação da sociedade civil na elaboração dos orçamentos e no planejamento da gestão municipal. Inciso XII do artigo 29 – “Estabelece, como preceito a ser seguido pelos Municípios, a cooperação das associações representativas no planejamento municipal.” - Lei Orgânica de Porto Alegre - define um marco normativo para o OP, estabelecendo que população pode conhecer e decidir sobre o orçamento anual do município de forma direta, em encontros por região e por tema. Artigo 116, parágrafo 1 – “Fica garantida a participação da comunidade, a partir das regiões do município, nas etapas de elaboração, definição e acompanhamento da execução do Plano Plurianual, das diretrizes orçamentárias e do orçamento anual”. - Lei de Responsabilidade Fiscal: entre os seus objetivos, está aumentar a transparência nos processos ligados ao orçamento, o que inclui a participação popular: O Artigo 48, parágrafo único, prevê que o Orçamento Anual do município, do estado e da União seja feito através de audiências públicas, consultando a população sobre onde os recursos devem ser gastos. Depois de aprovado o orçamento, no momento de sua execução, os governos devem prestar contas do que estão fazendo com o dinheiro público, na forma de publicação. 7
  • 8. Orçamento Participativo entende? Nós decidimos nas bases regionais, aquelas 17 regiões que te falei, e nas discussões por temas, que sáo os Fóruns Temáticos. A prefeitura se reúne na base institucional e decide como tirar as coisas do papel e transformar em obras. É fácil. Base temática Circulação, Transporte e Mobilidade Urbana Saúde e Assistência Social Educação, Esporte e Lazer Cultura Desenvolvimento Econômico, Tributação e Turismo Habitação, Organização da Cidade e Desenvolvimento Urbano e Ambiental – É, parece. Mas pra mim ainda tá confuso, Lu. – Pra quem vai a primeira vez, pode levar um susto mesmo. Aquele monte de gente votando isso e aquilo, debatendo, se informando. 8
  • 9. – Votando? Mas é eleição? Nós não votamos o ano passado? A Lurdes dava risada da amiga. – Não é isso, Tina. Olha só: agora estamos na fase de eleger as prioridades. É assim: cada um que vai na assembleia do OP escolhe, em ordem de importância, quatro prioridades temáticas que quer na sua região. Assim: tem uma baita lista, com vários temas. Lá eu te mostro. Deixa eu lembrar: tem saúde, pavimentação, habitação, saneamento básico. Ih, é um monte de coisa. Depois que a gente vota, a prefeitura faz a apuração dos votos e anuncia as prioridades que ganharam. – A prefeitura é que apura? Mas e se não gostar do resultado? – Ah, a gente fica em cima, apura os votos junto. Tem que fiscalizar. – E eu vou poder votar? Nunca fui lá. Os conselheiros (as) – É claro que pode. Quanto mais gente estiver lá, do nosso são os representantes lado, melhor. Mais delegados a gente pode eleger. Aí os das Regiões ou das Temáticas, que delegados ajudam a organizar as reuniões com os conselheiros compõem o Conselho do OP, recolhem as propostas temáticas e fazem o meio de do Orçamento campo com a prefeitura, né? São 34 conselheiros titulares para Participativo (COP), órgão que planeja, as 17 regiões e 12 para as seis temáticas. Isso dá 46 – e ainda propõe, fiscaliza têm outros 46 que são suplentes. Têm dois representantes e decide sobre o (titular e suplente) da Uampa e outros dois do sindicato dos conjunto de receitas e despesas do funcionários da prefeitura – mesma coisa, um titular e um orçamento municipal. suplente. Aí já tem 96 pessoas, além de mais quatro carinhas da prefeitura. Mas eles não têm direito a voto, só observam. Eu sou uma das delegadas da nossa comunidade. – Tu foi eleita? O que tu faz? – Delegado é uma figura no OP que atua na base das Estabelece metas e diretrizes gerais comunidades. A gente é que faz o leva e traz de decisões que orientam e demandas de um lado e de outro nos Fóruns Regionais as ações do e temáticos. Os conselheiros não, eles estão mais ligados à governo para cada quatro anos. elaboração do orçamento municipal, do plano plurianual, essas coisas que fazem lá no Conselho do Orçamento Participativo 9
  • 10. Orçamento Participativo Plano de (COP). E são responsáveis por colocar o plano de investimentos investimentos é a do OP lá dentro. Tu não votava em mim pra delegada? publicação anual que contém todas – Votava. Mas tinha mais gente concorrendo? Não conheço as demandas de serviços e obras ninguém lá da comunidade que participa do OP. definidas pela – Da comunidade tinha pouca gente, mas tem uma população nos Fóruns Regionais e comunidade do lado da nossa, outra mais pra cima, duas Temáticos lá na subida do morro, outra perto do colégio. Assim foi 10
  • 11. juntando gente. Além de mim, tem mais cinco pessoas Os delegados que representam a nossa comunidade no OP. Quanto (as) são os mais gente, mais representantes pode colocar lá. Os representantes diretos da delegados representam o que a comunidade decidiu, população no não tem erro. É um delegado pra cada dez pessoas que processo de forem nas assembleias. participação popular. – Quer dizer que 60 pessoas da nossa comunidade foram na assembleia regional? – É por aí. Mas tem que estar identificado, tem que mostrar de alguma forma que é de lá mesmo. O negócio é sério, não tem fantasma lá. A Tina riu. – Isso tá melhor que novela. Tem até fantasma... – Não tem fantasma, Tina. Não tem!!! – Tá, mas e isso dura o ano todo? Eu te vejo indo a um monte de reuniões, quase todo o mês. – Só para em fevereiro, que ninguém é de ferro. Tem carnaval, Grande encontro piscina... Mas em março já começou, lá com as reuniões que da população vão preparar as assembleias, aí começam também as reuniões para empossar os(as) novos(as) dos Fóruns Regionais (FROPs) e Temáticos do OP que reúnem conselheiros(as) os delegados. Essas reuniões acontecem durante todo o ano, do OP e entregar de quinze em quinze dias, geralmente. Um momento legal ao governo a hierarquização das é a assembleia municipal, mas essa só em julho. É quando obras e serviços a gente entrega as demandas hierarquizadas para o prefeito, demandados para todo mundo junto, as 17 regiões e as seis temáticas. Aí é uma toda a cidade. Na assembleia maravilha, tem a posse dos novos conselheiros, debates sobre municipal é temas, é uma baita de uma reunião. reservado espaço à discussão de temas – Julho? Bah, tá pertinho. de caráter geral. – É. Agora nós estamos decidindo as prioridades regionais e temáticas nas reuniões dos Fóruns de Delegados. São dois meses nessa. 11
  • 12. Orçamento Participativo Calendário do OP MARÇO/ABRIL Reuniões preparatórias ABRIL/MAIO/JUNHO Assembleias regionais e temáticas e hierarquização das obras e serviços (Fórum de Delegados) JULHO Assembleia municipal JULHO/AGOSTO/SETEMBRO Análise das propostas dos investimentos AGOSTO/SETEMBRO Discussão e votação da Matriz Orçamentária OUTUBRO/DEZEMBRO Detalhamento do Plano de Investimentos e Serviços (Hierarquização das demandas) NOVEMBRO/DEZEMBRO Discussão do Regimento Interno nas regiões e temáticas DEZEMBRO/JANEIRO Discussão e votação do Regimento Interno FEVEREIRO Recesso – Tu não cansa, Lu? – Às vezes dá vontade de ficar em casa, sim. Às vezes a discussão fica complicada. Mas tem que respeitar, democracia é assim mesmo, a gente aprende a conviver com as diferenças, aprende a aceitar os defeitos dos outros, aprende a admirar as qualidades. É um negócio muito bom pra todo mundo. Depois que a gente decide as prioridades, pra onde vai o dinheiro dos investimentos e tal, o GPO cadastra as propostas... – GPO? Que é isso, Lu? Já me perdi de novo. 12
  • 13. – É uma sigla, guria. Gabinete de Programação Orçamentária. É onde a prefeitura encaixa as prioridades do OP pra incluir nos gastos do próximo ano. Antes de aprovar o que a gente decidiu, tem que fazer uma análise técnica e de viabilidade, para ver se dá para fazer. As três primeiras prioridades que somarem mais pontos vão ser incluídas no orçamento da prefeitura. É o que a gente chama de matriz orçamentária. Mais informações – Bah, que difícil. sobre a Câmara de Vereadores – É, é uma parte difícil mesmo. Mas a gente tem que aprender na cartilha pra poder ganhar com isso, né? Depois que a matriz é Democracia e aprovada, a prefeitura manda pra Câmara de Vereadores e Participação. eles têm que aprovar a execução pro próximo ano. – Execução? Bah, que tri. Já apareceu fantasma, execução... – Não é isso, Tina. Não é executar alguém, é aplicar o orçamento. Aplicar o que a gente decidiu nas assembleias e nos FROPs. – Dã, eu sei. Tava só tirando onda contigo... – Sei. Mas ainda não acabou. Pra melhorar a qualidade do OP, a prefeitura examina e usa três critérios para distribuir os recursos, que são escassos: população, carência e prioridade. – Como assim? – As prioridades mais votadas ganham mais pontos. E quanto mais gente uma região tiver, mais peso na hora de ganhar recursos. Assim, até 25 mil habitantes é um ponto. Mais de 90 mil, quatro pontos. É justo, né? As prioridades devem atingir sempre mais pessoas, que são as que precisam mais. – É, é justo. E depois? – Por último, a carência do serviço ou da infraestrutura proposta: quanto mais necessário, mais peso na hora de incluir na matriz. Lembra da matriz orçamentária, né? 13
  • 14. Orçamento Participativo – Sim!!!!! – Então. O cálculo de pontuação vai ser transformado em valor de investimento no ano que vem. É complicadinho, mas é democrático. No ano passado, a nossa região ganhou R$ 400 mil em investimento porque fez uma pontuação bem boa. – Bah, que dinheirama. – É pouco pro tanto que a gente precisa, mas é um investimento que a gente sabe que vai ficar aqui. Que vai beneficiar quem batalhou por ele. Por isso que quanto mais gente nas assembleias, melhor. A Ernestina deitou a cabeça no ombro da Lu. Dormiu um pouquinho e sonhou com uma comunidade de ruas calçadas, de casinhas pintadas, com crianças nas escolas. Mas foi só um tantinho de tempo, porque o ônibus chegou. – Acorda, mulher. Chegamos. Tava sonhando – disse a Lu. – Pior que tava. Mas vamos entrar que já sei que o sonho tá lá dentro, pertinho da mão. Dica! Se você gostou de acompanhar a jornada de Ernestina e Lurdes rumo à assembleia do OP, é hora de embarcar em outra viagem, agora pela internet. No site www2. portoalegre.rs.gov.br/op/ você encontra informações sobre as prioridades da cidade e as prestações de contas dos últimos anos, o que inclui o acompanhamento das obras e serviços decididos pela população. Também confere o calendário atualizado das assembleias regionais e temáticas, assim como os nomes dos conselheiros de todas as regiões e temas, além de outros dados sobre a atuação do OP em Porto Alegre. Gerência do Orçamento Participativo: (51) 3289.6661 / 3289.6691 14
  • 15. Expediente Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria de Coordenação Política e Governança Local Produção: Signi - Estratégias para Sustentabilidade Coordenação: Cristiane Ostermann (MTb 8256) e Karen Mendes Santos (MTb 7816) Edição: Carol Lopes Textos: Flávio Ilha Conselho Editorial: Adriana Burger, Adriana Furtado, Ana Paula Dixon, Beatriz Rosane Lang, Cézar Busatto, Débora Balzan Fleck, Eloisa Strehlau, Francesco Conti, Ilmo Wilges, Jandira Feijó, Jorge Barcellos, Júlio Pujol, Lisandro Wottrich, Luciano Fedozzi, Plinio Alexandre Zalewski Vargas, Ricardo Erig, Rodrigo Puggina, Simone Dani, Themis Regina Barreto Krumenauer e Valéria Bassani. Projeto gráfico: Carolina Fillmann | Design de Maria Diagramação: Daniela Olmos Ilustrações: Marcelo Germano Revisão: Press Revisão Impressão: Hotprint Tiragem: 1.500 exemplares Apoio à produção das cartilhas: Departamento Municipal de Água e Esgotos - DMAE Novembro | 2010 15