SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Baixar para ler offline
Que educação? Que tecnologias?
Para quem? Com quais objetivos?
de post-its a celulares: como as tecnologias podem
melhorar a aprendizagem
São Paulo, 18 de agosto de 2014
biancasantana@gmail.com
nome
de onde vem
para onde vai
Quais sãos suas expectativas em relação ao curso?
Quais sãos suas expectativas em relação ao curso?
Quais sãos suas expectativas em relação ao curso, depois de
ouvir as colegas?
Expectativas do grupo em relação ao curso
http://www.wordle.net/
Nuvem de palavras
Muito boa para visualizar!
Muito ruim para trabalhar...
Para construir textos de forma
colaborativa:
http://pad.w3c.br/
Para construir nosso programa de
curso de forma colaborativa:
SÓ UM EXERCÍCIO!
http://pad.w3c.br/p/educacaoetecnologias
Como compartilhar esse
conhecimento com mais pessoas?
https://pt.wikiversity.org
Página do nosso curso na
wikiversidade?
https://pt.wikiversity.org/w/index.php?
title=De_post-its_a_celulares:
_como_as_tecnologias_podem_melhorar_a_ap
rendizagem&action=edit&redlink=1
VALENDO!
Colaboração? Magda Floriana Damiani
“Segundo Parrilla (1996, apud ARNAIZ, HERRERO, GARRIDO e DE
HARO, 1999), grupos colaborativos são aqueles em que todos os componentes
compartilham as decisões tomadas e são responsáveis pela qualidade do que é
produzido em conjunto, conforme suas possibilidades e interesses.”
“Assim, para esse autor, na cooperação, há ajuda mútua na execução de tarefas, embora suas
finalidades geralmente não sejam fruto de negociação conjunta do grupo, podendo existir relações
desiguais e hierárquicas entre os seus membros. Na colaboração, por outro lado, ao trabalharem
juntos, os membros de um grupo se apóiam, visando atingir objetivos comuns negociados pelo
coletivo, estabelecendo relações que tendem à não-hierarquização, liderança compartilhada,
confiança mútua e co-responsabilidade pela condução das ações”
http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a13
Como concretizar a colaboração?
A partir do que desenhamos aqui hoje:
ferramenta: pad, nuvem de palavras, post-its, wiki, google
drive.
método:
diálogo; conhecimentos prévios; percepções, escuta dos
participantes; todo mundo é participante, até quem facilita
(sujeitos); produção coletiva (não é algo pronto); registro e
sistematização; negociação; tempo.
Educação e tecnologia como campo
(s)
Espaço estruturado de posições em que agentes e
instituições travam lutas a partir de suas posições e das
relações dinâmicas que estabelecem entre si.
Cada campo é composto por agentes, instituições, valores
e regras.
Bourdieu
Educação como campo
Quem são os agentes?
educandos, professores, merendeira, gestores…..
Quem são as instituições?
escolas, ongs, casa de lua, universidade, fundação wikimedia,
posto de saúde, revista etc
Quais são os valores / qual é o discurso?
diálogo….
Tecnologia como campo
Quem são os agentes?
Quem são as instituições?
Quais são os valores / qual é o discurso?
Educação e tecnologia como campo
Quem são os agentes?
Quem são as instituições?
Quais são os valores / qual é o discurso?
Para compreender o campo da tecnologia, um agente
André Lemos
Professor da Universidade Federal da Bahia,
na Faculdade de Comunicação.
Engenheiro (1984), Mestre em Política de
Ciência e Tecnologia pela COPPE/UFRJ
(1991) e Doutor em Sociologia pela Université
René Descartes, Paris V, Sorbonne (1995).
http://andrelemos.info
Bibliografia Básica
Adaptação da tese de doutorado.
“Este livro é fruto de um incômodo
pessoal que se traduz pela necessidade
de compreender o fenômeno técnico.
Este incômodo vem da mistura de
medo e fascinação que as novas
tecnologias exercem sobre as pessoas.
André Lemos analisa os impactos das
novas tecnologias na sociedade
contemporânea, através da descrição
da nova cultura tecnológica planetária:
a cibercultura.”
http://www.editorasulina.com.br/detalhes.php?id=289
Ele fala em cibercultura
Cibercultura = cultura
contemporânea
Cibercultura = relações entre as tecnologias
informacionais de comunicação e informação e a
cultura, emergentes a partir da convergência
informática/ telecomunicações na década de 1970
Relações dialéticas entre tecnológico e social!
Sem dilema Tostines...
Determinismo
Tecnologia = técnica?
Técnica
- conceito filosófico que diz respeito às artes práticas (do
grego, τεχνη= arte);
- perspectiva etnozoológica: relação com a natureza
mediada por artefatos como instinto humano;
- perspectiva genealógica-gestáltica: forma particular que
surge do conflito entre o homem e o mundo;
- para Heidegger é um modo de existência no mundo.
Técnica = tecnologia?
Tecnologia
- do grego (τεχνη — arte + λογια — estudo):estudo da
técnica;
- a técnica se transforma em tecnologia quando máquinas
tomam o lugar do homem como manipulador de
instrumentos na perspectiva genealógica-gestática;
- para Heidegger, é o processo de cientifização da técnica
e tecnização da ciência, fruto da Modernidade.
Fenômeno tecnológico na história
Neolítico: idade da pedra polida
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:
Neolitico-agricultura.svg
Egito Antigo
http://upload.wikimedia.
org/wikipedia/commons/3/3d/Tomb_of_
Nakht_(2).jpg
Grécia Clássica
http://upload.wikimedia.
org/wikipedia/commons/c/c8/The_Return_Of
_Agamemnon_-
_Project_Gutenberg_eText_14994.png
Fenômeno tecnológico na história
Império Romano
Renascimento
Idade Média
http://sitedoaran.com.
br/public/uploads/almanaques/201401281002
56.jpg
http://www.pentagon.
http://www.blogodisea.
com/wp-
content/uploads/2013/07/m
ecanismo-anticitera-partes.
jpg
Fenômeno tecnológico na história
http://1.bp.blogspot.
com/_YS472b0alpI/TS7vj0zdZ_I/AAAAAAAAAXE/Vh7AD0sOs
J4/s1600/26388-
la_revolucion_industrial_en_el_sector_primario_-_geografia.
http://www.lsg.musin.de/geschichte/Material/Bilder/ind-rev/fabrik.jpg
Revolução Industrial
Fenômeno tecnológico na história
A partir da segunda metade do
século XX:
Informática
Cibernética
Microeletrônica
Redes de Comunicação
Novas Tecnologias
Tecnologias de Informação e
Comunicação (TIC)
Tecnologias Digitais
http://upload.wikimedia.
org/wikipedia/commons/f/f3/Punched_card.jpg
http://farm5.staticflickr.
com/4060/4661409838_91
9824b9fa_z.jpg
http://upload.wikimedia.
org/wikipedia/commons/thumb/2/2c/ADSL_mode
m_router_internals_labeled.jpg/1280px-
ADSL_modem_router_internals_labeled.jpg
http://www.iutsrc.fr/iutsrc.fr/images/stories/120a.
jpg
http://farm3.staticflickr.
com/2218/5711804272_0c41030955_o.jpg
Desenvolvimento tecnológico no imaginário social
- fase da indiferença (até a Idade Média);
- fase do conforto (modernidade);
- fase da ubiquidade.
Para compreender o campo da
educação, outro agente e dois
conceitos
Paulo Freire
Paulo Reglus Neves Freire (Recife, 19 de setembro de 1921 — São Paulo, 2 de maio de
1997) foi um educador, pedagogista e filósofo brasileiro. É Patrono da Educação Brasileira.
Paulo Freire é considerado um dos pensadores mais notáveis na história da Pedagogia
mundial,1 tendo influenciado o movimento chamado pedagogia crítica.
A sua prática didática fundamentava-se na crença de que o educando assimilaria o objeto
de estudo fazendo uso de uma prática dialética com a realidade, em contraposição à por ele
denominada educação bancária, tecnicista e alienante: o educando criaria sua própria
educação, fazendo ele próprio o caminho, e não seguindo um já previamente construído;
libertando-se de chavões alienantes, o educando seguiria e criaria o rumo do seu
aprendizado. Destacou-se por seu trabalho na área da educação popular, voltada tanto para
a escolarização como para a formação da consciência política.
Fonte: Wikipédia
Educação Popular
- valoriza os saberes prévios e as realidades culturais na construção de novos
saberes;
- está implicada com o desenvolvimento de um olhar crítico, que facilita o
desenvolvimento da comunidade onde o educando está inserido;
- dialógica;
- escolar e não escolar;
- estratégia de participação popular para
a transformação social;
- valorização de todas e todos;
- epaço de relações, o que inclui afetos.
Educação Aberta
Práticas educativas de diversas
configurações possíveis, que
extrapolam o modelo de um professor
para muitos alunos com um currículo pré-
formulado e pouco flexível.
Educação Aberta, nas palavras de Tel Amiel
“Fomentar (ou ter a disposição) por meio de práticas,
recursos e ambientes abertos, variadas configurações de
ensino e aprendizagem, mesmo quando essas aparentam
redundância, reconhecendo a pluralidade de contextos e as
possibilidades educacionais para o aprendizado ao longo da
vida.”
Educação Aberta, nas palavras de Andreia
Inamorato Santos
“Relacionada à liberdade de o estudante decidir onde
estudar; estudar por módulos; autodidatismo certificado;
isenção de pagamentos; acessibilidade a portadores de
alguma deficiência física, provisão de recursos educacionais
abertos.”
Declaração de Cidade do Cabo para Educação Aberta:
“Estamos à beira de uma revolução global no ensino e na aprendizagem. Educadores
em todo o mundo estão desenvolvendo um vasto conjunto de recursos educacionais
na Internet, que são abertos e livres para todos usarem. Esses educadores estão
criando um mundo onde cada uma e todas as pessoas podem acessar e contribuir
para a soma de todo o conhecimento humano. Eles também estão plantando as
sementes de uma nova pedagogia, onde educadores e estudantes criam, moldam e
desenvolvem conhecimento de forma conjunta, aprofundando seus conhecimentos e
habilidades e melhorando sua compreensão durante o processo.”
Para compreender as relações entre
educação e tecnologias
Como campo!
Michelle Prazeres dá 7 parâmetros.
1. Cibercultura
Uma cultura de época.
○ aparatos tecnológicos digitais e capazes de rede (computador, celular, tablets,
etc.);
○ estruturas tecnológicas (como a internet), meios (como sites e blogs) e
produtos a eles relacionados (como softwares, games, etc.);
○ conteúdos e valores produzidos e que circulam nas redes;
○ universo mercadológico que os produz (empresas e instituições
relacionadas ao mercado de tecnologia); e
○ modelo mental e modos de percepção.
http://pixabay.com/pt/estrutura-redes-internet-rede-204728/
2: instâncias de socialização
Suas instituições (escola, mídia, poder
público, empresas, etc) produzem,
circulam, reproduzem e legitimam
discursos próprios e também
discursos comuns.
http://pixabay.com/pt/torre-computador-rede-%C3%ADcone-36266/
3: instrumentos ou aparatos
Educação para o desenvolvimento, para o
progresso.
Tecnologias para a qualidade e para a
inovação.
http://intergalacticrobot.blogspot.com.br/2014/04/visoes-de-utopia-percepcoes-sobre.html
4: conteúdos
A educação como conteúdo das tecnologias (aplicativos,
textos, imagens, sons, etc);
A tecnologia como conteúdo da educação (alfabetização
digital, etc).
A educação e a tecnologia como conteúdos que circulam
na esfera comunicacional (constroem e são construídos
pela vida em sociedade).
5: espaços ou grupos de valores e
representações
Tecnologia: inclusão, velocidade,
inovação, progresso, avanço,
agilidade, conectividade, mobilidade,
etc.
Educação: tradição, imersão,
aprendizado, conhecimento,
dedicação, disciplina, etc.
* valores “tradicionalmente” creditados a cada um dos campos. Ref:
socioreferenciamento.
http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A9todo_Paulo_Freire
6: representantes de modos de percepção
Educação aberta e educação bancária
Educação popular, educação dialógica.
>> Colaboração, participação e transmissão e recepção <<
Tecnologias livres e proprietárias.
Tecnologias abertas e fechadas.
7: podem estar associadas a
projetos de sociedade
Inovação
Reforma
Transformação
http://pixabay.com/pt/inova%C3%A7%C3%A3o-homem-bulbo-de-luz-id%C3%A9ia-258932/
A interface entre
educação e tecnologias
é um grande espaço
em potência
https://www.flickr.com/photos/lubrio/8046964426/
Quando ela se dá…
De forma instrumental;
De forma mercadológica;
De forma bancária (“top down”);
Sem colaboração e sem participação...
a transformação (da educação, das
relações, da sociedade) tende a existir?
Respeitando os contextos;
Pensando os objetivos;
Buscando transformar o espaço educativo;
De forma colaborativa e com participação dos
sujeitos… de forma orgânica…
a transformação tende a existir?
Quando ela se dá…
Os agentes e instituições que hoje são
legítimos e legitimados para construir esta
interrelação estão também construindo uma
visão (e um discurso) sobre esta relação.
Qual a visão majoritária / hegemônica?
Qual a sua visão?
Pensar a educação como campo e os espaços
educativos enquanto ambientes de aprendizagem
significativa, prazerosa, interessante, criativa,
colaborativa, participativa e com qualidade.
As tecnologias não necessariamente transformam.
E não transformam sozinhas. Mas podem ser um
elemento extremamente potente desta
transformação.
Do que tem sido discurso comum,
precisamos ponderar que:
● As tecnologias podem transformar a educação;
○ Podem melhorar as práticas em sala de aula/ cursos/
oficinas;
○ Podem melhorar a gestão da escola;
○ Podem aumentar o interesse e a motivação dos alunos;
○ Podem melhorar o rendimento dos alunos/ aprendizes.
Desde que...
“Acho que o uso de computadores no processo
de ensino aprendizagem, em
lugar de reduzir, pode expandir a capacidade
crítica e criativa (...) Depende de
quem usa a favor de quê e de quem e para
quê.” (FREIRE, 1995: 98)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Presencas remotas arb 2021
Presencas remotas arb 2021Presencas remotas arb 2021
Presencas remotas arb 2021AdrianaBruno9
 
Artigo filosofia andrea_caramaschi
Artigo  filosofia andrea_caramaschiArtigo  filosofia andrea_caramaschi
Artigo filosofia andrea_caramaschiAndrea Caramaschi
 
A importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagem
A importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagemA importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagem
A importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagemvaldeniDinamizador
 
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e culturalMultiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e culturalDenise Oliveira
 
Cibercultura e a corrente heloítica
Cibercultura e a corrente heloíticaCibercultura e a corrente heloítica
Cibercultura e a corrente heloíticaPatrícia helena
 
Desenvolvimento curricular e tecnologias exemplos
Desenvolvimento curricular e tecnologias exemplosDesenvolvimento curricular e tecnologias exemplos
Desenvolvimento curricular e tecnologias exemplosHenrique Santos
 
TICs e o processo ensino-aprendizagem
TICs e o processo ensino-aprendizagemTICs e o processo ensino-aprendizagem
TICs e o processo ensino-aprendizagemTatiane Martins
 
Educação a distância
Educação a distânciaEducação a distância
Educação a distânciaThiago Petra
 
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o ProfessorA ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o ProfessorLuis Borges Gouveia
 
EAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasEAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasRobson Santos da Silva
 
Internet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógica
Internet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógicaInternet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógica
Internet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógicaeduviecorr
 
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...Elaine Teixeira
 
Novas tecnologias educacionais
Novas tecnologias educacionais Novas tecnologias educacionais
Novas tecnologias educacionais Nanda Marraschi
 
Tecnologias-Mídias na Educação
Tecnologias-Mídias na EducaçãoTecnologias-Mídias na Educação
Tecnologias-Mídias na Educação161913
 
Conflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologiasConflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologiasRobério Barreto
 

Mais procurados (20)

Presencas remotas arb 2021
Presencas remotas arb 2021Presencas remotas arb 2021
Presencas remotas arb 2021
 
Artigo filosofia andrea_caramaschi
Artigo  filosofia andrea_caramaschiArtigo  filosofia andrea_caramaschi
Artigo filosofia andrea_caramaschi
 
A importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagem
A importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagemA importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagem
A importancia das novas TIC no processo ensino aprendizagem
 
2
22
2
 
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e culturalMultiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
Multiletramentos: conceitos e concepções, enfoques social, histórico e cultural
 
Cibercultura e a corrente heloítica
Cibercultura e a corrente heloíticaCibercultura e a corrente heloítica
Cibercultura e a corrente heloítica
 
Desenvolvimento curricular e tecnologias exemplos
Desenvolvimento curricular e tecnologias exemplosDesenvolvimento curricular e tecnologias exemplos
Desenvolvimento curricular e tecnologias exemplos
 
TICs e o processo ensino-aprendizagem
TICs e o processo ensino-aprendizagemTICs e o processo ensino-aprendizagem
TICs e o processo ensino-aprendizagem
 
Educação a distância
Educação a distânciaEducação a distância
Educação a distância
 
Corrente neocognivista
Corrente neocognivistaCorrente neocognivista
Corrente neocognivista
 
Disciplina Tecnologias curso de Serviço Social
Disciplina Tecnologias curso de Serviço SocialDisciplina Tecnologias curso de Serviço Social
Disciplina Tecnologias curso de Serviço Social
 
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o ProfessorA ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
A ESCOLA E OS NOVOS DESAFIOS: A Escola, o Digital e o Professor
 
EAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasEAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologias
 
Internet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógica
Internet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógicaInternet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógica
Internet e inclusão: otimismos exarcebados e lucidez pedagógica
 
Plano Ensino Servico Social da UFTM
Plano Ensino Servico Social da UFTMPlano Ensino Servico Social da UFTM
Plano Ensino Servico Social da UFTM
 
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
MULTILETRAMENTOS E LETRAMENTO DIGITAL NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA: UM RELAT...
 
Novas tecnologias educacionais
Novas tecnologias educacionais Novas tecnologias educacionais
Novas tecnologias educacionais
 
Te e curriculo
Te e curriculo Te e curriculo
Te e curriculo
 
Tecnologias-Mídias na Educação
Tecnologias-Mídias na EducaçãoTecnologias-Mídias na Educação
Tecnologias-Mídias na Educação
 
Conflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologiasConflitos de gerações tecnologias
Conflitos de gerações tecnologias
 

Semelhante a Que educação, que tecnologias, para quem, com quais objetivos?

Conhecimento em rede
Conhecimento em redeConhecimento em rede
Conhecimento em redeDiely Sampaio
 
Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2Israel serique
 
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Editora Moderna
 
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2Alice Costa
 
Mini curso tec_educ
Mini curso tec_educMini curso tec_educ
Mini curso tec_educAlice Lage
 
Teorias pedagógicas e as ciberculturas
Teorias pedagógicas e as ciberculturasTeorias pedagógicas e as ciberculturas
Teorias pedagógicas e as ciberculturasVanessa Borges
 
Novas tecnologias e educação
Novas tecnologias e educaçãoNovas tecnologias e educação
Novas tecnologias e educaçãoIsrael serique
 
Teoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasTeoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasElias Junior
 
Teorias pedagógicas pós modernas
Teorias pedagógicas pós modernasTeorias pedagógicas pós modernas
Teorias pedagógicas pós modernasAline Pereira
 
Comunidades de aprendizagem rede
Comunidades de aprendizagem redeComunidades de aprendizagem rede
Comunidades de aprendizagem redeMarilene dos Santos
 
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento” O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento” UNESP Marília
 
Restinga Sêca - Mônica Rosello Larrondo
Restinga Sêca - Mônica Rosello LarrondoRestinga Sêca - Mônica Rosello Larrondo
Restinga Sêca - Mônica Rosello LarrondoCursoTICs
 
Informatica I - Novas Tecnologias No Ensino da Matemática
Informatica I - Novas Tecnologias No Ensino da MatemáticaInformatica I - Novas Tecnologias No Ensino da Matemática
Informatica I - Novas Tecnologias No Ensino da MatemáticaMarcia Perroni
 
As novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professores
As novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professoresAs novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professores
As novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professoresMafuane Oliveira
 
Fundamentos e Práticas na EaD
Fundamentos e Práticas na EaDFundamentos e Práticas na EaD
Fundamentos e Práticas na EaDRafael Delmonego
 
Teoria pedagógica no contexto da cibercultura
Teoria pedagógica no contexto da ciberculturaTeoria pedagógica no contexto da cibercultura
Teoria pedagógica no contexto da ciberculturaSandro Alves De Azevedo
 
Trabalhopronto projeto 2011
Trabalhopronto projeto 2011Trabalhopronto projeto 2011
Trabalhopronto projeto 2011grupoodisseia
 
Projeto Interdisciplinar Odisséia
Projeto Interdisciplinar OdisséiaProjeto Interdisciplinar Odisséia
Projeto Interdisciplinar Odisséiagrupoodisseia
 

Semelhante a Que educação, que tecnologias, para quem, com quais objetivos? (20)

Conhecimento em rede
Conhecimento em redeConhecimento em rede
Conhecimento em rede
 
Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2Educação e cibercultura 2
Educação e cibercultura 2
 
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
Planejar 2011: planejando aulas para a Geração Y
 
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem   fase 2
Mobilidade e processos de ensinoaprendizagem fase 2
 
Mini curso tec_educ
Mini curso tec_educMini curso tec_educ
Mini curso tec_educ
 
Teorias pedagógicas e as ciberculturas
Teorias pedagógicas e as ciberculturasTeorias pedagógicas e as ciberculturas
Teorias pedagógicas e as ciberculturas
 
Novas tecnologias e educação
Novas tecnologias e educaçãoNovas tecnologias e educação
Novas tecnologias e educação
 
Teoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasTeoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneas
 
Teorias pedagógicas pós modernas
Teorias pedagógicas pós modernasTeorias pedagógicas pós modernas
Teorias pedagógicas pós modernas
 
Comunidades de aprendizagem rede
Comunidades de aprendizagem redeComunidades de aprendizagem rede
Comunidades de aprendizagem rede
 
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento” O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
O “Aprender a Aprender” e ilusões da “Sociedade do Conhecimento”
 
Restinga Sêca - Mônica Rosello Larrondo
Restinga Sêca - Mônica Rosello LarrondoRestinga Sêca - Mônica Rosello Larrondo
Restinga Sêca - Mônica Rosello Larrondo
 
Corrente neocognivista
Corrente neocognivistaCorrente neocognivista
Corrente neocognivista
 
Informatica I - Novas Tecnologias No Ensino da Matemática
Informatica I - Novas Tecnologias No Ensino da MatemáticaInformatica I - Novas Tecnologias No Ensino da Matemática
Informatica I - Novas Tecnologias No Ensino da Matemática
 
As novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professores
As novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professoresAs novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professores
As novas tecnologias da comunicação e informação, a escola e os professores
 
Fundamentos e Práticas na EaD
Fundamentos e Práticas na EaDFundamentos e Práticas na EaD
Fundamentos e Práticas na EaD
 
Teoria pedagógica no contexto da cibercultura
Teoria pedagógica no contexto da ciberculturaTeoria pedagógica no contexto da cibercultura
Teoria pedagógica no contexto da cibercultura
 
Trabalhopronto projeto 2011
Trabalhopronto projeto 2011Trabalhopronto projeto 2011
Trabalhopronto projeto 2011
 
Projeto Interdisciplinar Odisséia
Projeto Interdisciplinar OdisséiaProjeto Interdisciplinar Odisséia
Projeto Interdisciplinar Odisséia
 
PROPOSTA TEMÁTICA 03
PROPOSTA TEMÁTICA 03PROPOSTA TEMÁTICA 03
PROPOSTA TEMÁTICA 03
 

Mais de Bianca Santana

Feminismo e feminismo negro
Feminismo e feminismo negroFeminismo e feminismo negro
Feminismo e feminismo negroBianca Santana
 
Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...
Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...
Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...Bianca Santana
 
Marcos faerman e o jornalismo literário brasileiro
Marcos faerman e o jornalismo literário brasileiroMarcos faerman e o jornalismo literário brasileiro
Marcos faerman e o jornalismo literário brasileiroBianca Santana
 
"Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?"
"Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?""Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?"
"Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?"Bianca Santana
 
Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...
Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...
Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...Bianca Santana
 
Severinas: o que é ser mulher
Severinas: o que é ser mulherSeverinas: o que é ser mulher
Severinas: o que é ser mulherBianca Santana
 
Feminismo, cibercultura e os corpos das mulheres
Feminismo, cibercultura e os corpos das mulheresFeminismo, cibercultura e os corpos das mulheres
Feminismo, cibercultura e os corpos das mulheresBianca Santana
 
Mulher, cabelo e mídia
Mulher, cabelo e mídiaMulher, cabelo e mídia
Mulher, cabelo e mídiaBianca Santana
 
Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital Bianca Santana
 
Encontro 3: metodologias. interação presencial e a distância
Encontro 3:  metodologias. interação presencial e a distânciaEncontro 3:  metodologias. interação presencial e a distância
Encontro 3: metodologias. interação presencial e a distânciaBianca Santana
 
Encontro 5 recursos educacionais abertos
Encontro 5  recursos educacionais abertosEncontro 5  recursos educacionais abertos
Encontro 5 recursos educacionais abertosBianca Santana
 
Encontro 4 exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...
Encontro 4  exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...Encontro 4  exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...
Encontro 4 exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...Bianca Santana
 
Encontro 6: avaliação e sistematização
Encontro 6:  avaliação e sistematizaçãoEncontro 6:  avaliação e sistematização
Encontro 6: avaliação e sistematizaçãoBianca Santana
 
Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)
Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)
Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)Bianca Santana
 
Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...
Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...
Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...Bianca Santana
 
Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...
Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...
Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...Bianca Santana
 
Registrar e avaliar processos e resultados sempre adequando a rota ou inicia...
Registrar e avaliar processos e resultados sempre  adequando a rota ou inicia...Registrar e avaliar processos e resultados sempre  adequando a rota ou inicia...
Registrar e avaliar processos e resultados sempre adequando a rota ou inicia...Bianca Santana
 
Escrever para transformar dicas e reflexões para movimentos sociais
Escrever para transformar  dicas e reflexões para movimentos sociaisEscrever para transformar  dicas e reflexões para movimentos sociais
Escrever para transformar dicas e reflexões para movimentos sociaisBianca Santana
 

Mais de Bianca Santana (20)

Feminismo e feminismo negro
Feminismo e feminismo negroFeminismo e feminismo negro
Feminismo e feminismo negro
 
Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...
Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...
Um olhar transversal para as desigualdades de classa, raça, gênero e outros m...
 
Culltura digital
Culltura digitalCulltura digital
Culltura digital
 
Marcos faerman e o jornalismo literário brasileiro
Marcos faerman e o jornalismo literário brasileiroMarcos faerman e o jornalismo literário brasileiro
Marcos faerman e o jornalismo literário brasileiro
 
"Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?"
"Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?""Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?"
"Por que mulheres negras morrem mais por complicações obstétricas?"
 
Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...
Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...
Uma perspectiva feminista e do comum para a produção e circulação do conhecim...
 
Severinas: o que é ser mulher
Severinas: o que é ser mulherSeverinas: o que é ser mulher
Severinas: o que é ser mulher
 
Mulheres negras?
Mulheres negras?Mulheres negras?
Mulheres negras?
 
Feminismo, cibercultura e os corpos das mulheres
Feminismo, cibercultura e os corpos das mulheresFeminismo, cibercultura e os corpos das mulheres
Feminismo, cibercultura e os corpos das mulheres
 
Mulher, cabelo e mídia
Mulher, cabelo e mídiaMulher, cabelo e mídia
Mulher, cabelo e mídia
 
Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital
 
Encontro 3: metodologias. interação presencial e a distância
Encontro 3:  metodologias. interação presencial e a distânciaEncontro 3:  metodologias. interação presencial e a distância
Encontro 3: metodologias. interação presencial e a distância
 
Encontro 5 recursos educacionais abertos
Encontro 5  recursos educacionais abertosEncontro 5  recursos educacionais abertos
Encontro 5 recursos educacionais abertos
 
Encontro 4 exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...
Encontro 4  exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...Encontro 4  exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...
Encontro 4 exclusão digital e recursos que facilitam a apropriação das tecno...
 
Encontro 6: avaliação e sistematização
Encontro 6:  avaliação e sistematizaçãoEncontro 6:  avaliação e sistematização
Encontro 6: avaliação e sistematização
 
Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)
Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)
Encontro 2: Metodologias (e o improviso do cotidiano)
 
Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...
Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...
Tecnologias digitais na construção de um ambiente dialógico e aberto de ensin...
 
Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...
Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...
Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos Uma perspectiva de uso crític...
 
Registrar e avaliar processos e resultados sempre adequando a rota ou inicia...
Registrar e avaliar processos e resultados sempre  adequando a rota ou inicia...Registrar e avaliar processos e resultados sempre  adequando a rota ou inicia...
Registrar e avaliar processos e resultados sempre adequando a rota ou inicia...
 
Escrever para transformar dicas e reflexões para movimentos sociais
Escrever para transformar  dicas e reflexões para movimentos sociaisEscrever para transformar  dicas e reflexões para movimentos sociais
Escrever para transformar dicas e reflexões para movimentos sociais
 

Último

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

Que educação, que tecnologias, para quem, com quais objetivos?

  • 1. Que educação? Que tecnologias? Para quem? Com quais objetivos? de post-its a celulares: como as tecnologias podem melhorar a aprendizagem São Paulo, 18 de agosto de 2014 biancasantana@gmail.com
  • 3. Quais sãos suas expectativas em relação ao curso?
  • 4. Quais sãos suas expectativas em relação ao curso?
  • 5. Quais sãos suas expectativas em relação ao curso, depois de ouvir as colegas?
  • 6. Expectativas do grupo em relação ao curso http://www.wordle.net/
  • 7.
  • 8. Nuvem de palavras Muito boa para visualizar! Muito ruim para trabalhar...
  • 9. Para construir textos de forma colaborativa: http://pad.w3c.br/
  • 10. Para construir nosso programa de curso de forma colaborativa: SÓ UM EXERCÍCIO! http://pad.w3c.br/p/educacaoetecnologias
  • 11. Como compartilhar esse conhecimento com mais pessoas? https://pt.wikiversity.org
  • 12. Página do nosso curso na wikiversidade? https://pt.wikiversity.org/w/index.php? title=De_post-its_a_celulares: _como_as_tecnologias_podem_melhorar_a_ap rendizagem&action=edit&redlink=1 VALENDO!
  • 13. Colaboração? Magda Floriana Damiani “Segundo Parrilla (1996, apud ARNAIZ, HERRERO, GARRIDO e DE HARO, 1999), grupos colaborativos são aqueles em que todos os componentes compartilham as decisões tomadas e são responsáveis pela qualidade do que é produzido em conjunto, conforme suas possibilidades e interesses.” “Assim, para esse autor, na cooperação, há ajuda mútua na execução de tarefas, embora suas finalidades geralmente não sejam fruto de negociação conjunta do grupo, podendo existir relações desiguais e hierárquicas entre os seus membros. Na colaboração, por outro lado, ao trabalharem juntos, os membros de um grupo se apóiam, visando atingir objetivos comuns negociados pelo coletivo, estabelecendo relações que tendem à não-hierarquização, liderança compartilhada, confiança mútua e co-responsabilidade pela condução das ações” http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a13
  • 14. Como concretizar a colaboração? A partir do que desenhamos aqui hoje: ferramenta: pad, nuvem de palavras, post-its, wiki, google drive. método: diálogo; conhecimentos prévios; percepções, escuta dos participantes; todo mundo é participante, até quem facilita (sujeitos); produção coletiva (não é algo pronto); registro e sistematização; negociação; tempo.
  • 15. Educação e tecnologia como campo (s) Espaço estruturado de posições em que agentes e instituições travam lutas a partir de suas posições e das relações dinâmicas que estabelecem entre si. Cada campo é composto por agentes, instituições, valores e regras. Bourdieu
  • 16. Educação como campo Quem são os agentes? educandos, professores, merendeira, gestores….. Quem são as instituições? escolas, ongs, casa de lua, universidade, fundação wikimedia, posto de saúde, revista etc Quais são os valores / qual é o discurso? diálogo….
  • 17. Tecnologia como campo Quem são os agentes? Quem são as instituições? Quais são os valores / qual é o discurso?
  • 18. Educação e tecnologia como campo Quem são os agentes? Quem são as instituições? Quais são os valores / qual é o discurso?
  • 19. Para compreender o campo da tecnologia, um agente André Lemos Professor da Universidade Federal da Bahia, na Faculdade de Comunicação. Engenheiro (1984), Mestre em Política de Ciência e Tecnologia pela COPPE/UFRJ (1991) e Doutor em Sociologia pela Université René Descartes, Paris V, Sorbonne (1995). http://andrelemos.info
  • 20. Bibliografia Básica Adaptação da tese de doutorado. “Este livro é fruto de um incômodo pessoal que se traduz pela necessidade de compreender o fenômeno técnico. Este incômodo vem da mistura de medo e fascinação que as novas tecnologias exercem sobre as pessoas. André Lemos analisa os impactos das novas tecnologias na sociedade contemporânea, através da descrição da nova cultura tecnológica planetária: a cibercultura.” http://www.editorasulina.com.br/detalhes.php?id=289
  • 21. Ele fala em cibercultura Cibercultura = cultura contemporânea Cibercultura = relações entre as tecnologias informacionais de comunicação e informação e a cultura, emergentes a partir da convergência informática/ telecomunicações na década de 1970
  • 22. Relações dialéticas entre tecnológico e social! Sem dilema Tostines... Determinismo
  • 23. Tecnologia = técnica? Técnica - conceito filosófico que diz respeito às artes práticas (do grego, τεχνη= arte); - perspectiva etnozoológica: relação com a natureza mediada por artefatos como instinto humano; - perspectiva genealógica-gestáltica: forma particular que surge do conflito entre o homem e o mundo; - para Heidegger é um modo de existência no mundo.
  • 24. Técnica = tecnologia? Tecnologia - do grego (τεχνη — arte + λογια — estudo):estudo da técnica; - a técnica se transforma em tecnologia quando máquinas tomam o lugar do homem como manipulador de instrumentos na perspectiva genealógica-gestática; - para Heidegger, é o processo de cientifização da técnica e tecnização da ciência, fruto da Modernidade.
  • 25. Fenômeno tecnológico na história Neolítico: idade da pedra polida http://commons.wikimedia.org/wiki/File: Neolitico-agricultura.svg Egito Antigo http://upload.wikimedia. org/wikipedia/commons/3/3d/Tomb_of_ Nakht_(2).jpg Grécia Clássica http://upload.wikimedia. org/wikipedia/commons/c/c8/The_Return_Of _Agamemnon_- _Project_Gutenberg_eText_14994.png
  • 26. Fenômeno tecnológico na história Império Romano Renascimento Idade Média http://sitedoaran.com. br/public/uploads/almanaques/201401281002 56.jpg http://www.pentagon. http://www.blogodisea. com/wp- content/uploads/2013/07/m ecanismo-anticitera-partes. jpg
  • 27. Fenômeno tecnológico na história http://1.bp.blogspot. com/_YS472b0alpI/TS7vj0zdZ_I/AAAAAAAAAXE/Vh7AD0sOs J4/s1600/26388- la_revolucion_industrial_en_el_sector_primario_-_geografia. http://www.lsg.musin.de/geschichte/Material/Bilder/ind-rev/fabrik.jpg Revolução Industrial
  • 28. Fenômeno tecnológico na história A partir da segunda metade do século XX: Informática Cibernética Microeletrônica Redes de Comunicação Novas Tecnologias Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Tecnologias Digitais http://upload.wikimedia. org/wikipedia/commons/f/f3/Punched_card.jpg http://farm5.staticflickr. com/4060/4661409838_91 9824b9fa_z.jpg http://upload.wikimedia. org/wikipedia/commons/thumb/2/2c/ADSL_mode m_router_internals_labeled.jpg/1280px- ADSL_modem_router_internals_labeled.jpg http://www.iutsrc.fr/iutsrc.fr/images/stories/120a. jpg http://farm3.staticflickr. com/2218/5711804272_0c41030955_o.jpg
  • 29. Desenvolvimento tecnológico no imaginário social - fase da indiferença (até a Idade Média); - fase do conforto (modernidade); - fase da ubiquidade.
  • 30. Para compreender o campo da educação, outro agente e dois conceitos
  • 31. Paulo Freire Paulo Reglus Neves Freire (Recife, 19 de setembro de 1921 — São Paulo, 2 de maio de 1997) foi um educador, pedagogista e filósofo brasileiro. É Patrono da Educação Brasileira. Paulo Freire é considerado um dos pensadores mais notáveis na história da Pedagogia mundial,1 tendo influenciado o movimento chamado pedagogia crítica. A sua prática didática fundamentava-se na crença de que o educando assimilaria o objeto de estudo fazendo uso de uma prática dialética com a realidade, em contraposição à por ele denominada educação bancária, tecnicista e alienante: o educando criaria sua própria educação, fazendo ele próprio o caminho, e não seguindo um já previamente construído; libertando-se de chavões alienantes, o educando seguiria e criaria o rumo do seu aprendizado. Destacou-se por seu trabalho na área da educação popular, voltada tanto para a escolarização como para a formação da consciência política. Fonte: Wikipédia
  • 32. Educação Popular - valoriza os saberes prévios e as realidades culturais na construção de novos saberes; - está implicada com o desenvolvimento de um olhar crítico, que facilita o desenvolvimento da comunidade onde o educando está inserido; - dialógica; - escolar e não escolar; - estratégia de participação popular para a transformação social; - valorização de todas e todos; - epaço de relações, o que inclui afetos.
  • 33. Educação Aberta Práticas educativas de diversas configurações possíveis, que extrapolam o modelo de um professor para muitos alunos com um currículo pré- formulado e pouco flexível.
  • 34. Educação Aberta, nas palavras de Tel Amiel “Fomentar (ou ter a disposição) por meio de práticas, recursos e ambientes abertos, variadas configurações de ensino e aprendizagem, mesmo quando essas aparentam redundância, reconhecendo a pluralidade de contextos e as possibilidades educacionais para o aprendizado ao longo da vida.”
  • 35. Educação Aberta, nas palavras de Andreia Inamorato Santos “Relacionada à liberdade de o estudante decidir onde estudar; estudar por módulos; autodidatismo certificado; isenção de pagamentos; acessibilidade a portadores de alguma deficiência física, provisão de recursos educacionais abertos.”
  • 36. Declaração de Cidade do Cabo para Educação Aberta: “Estamos à beira de uma revolução global no ensino e na aprendizagem. Educadores em todo o mundo estão desenvolvendo um vasto conjunto de recursos educacionais na Internet, que são abertos e livres para todos usarem. Esses educadores estão criando um mundo onde cada uma e todas as pessoas podem acessar e contribuir para a soma de todo o conhecimento humano. Eles também estão plantando as sementes de uma nova pedagogia, onde educadores e estudantes criam, moldam e desenvolvem conhecimento de forma conjunta, aprofundando seus conhecimentos e habilidades e melhorando sua compreensão durante o processo.”
  • 37. Para compreender as relações entre educação e tecnologias Como campo! Michelle Prazeres dá 7 parâmetros.
  • 38. 1. Cibercultura Uma cultura de época. ○ aparatos tecnológicos digitais e capazes de rede (computador, celular, tablets, etc.); ○ estruturas tecnológicas (como a internet), meios (como sites e blogs) e produtos a eles relacionados (como softwares, games, etc.); ○ conteúdos e valores produzidos e que circulam nas redes; ○ universo mercadológico que os produz (empresas e instituições relacionadas ao mercado de tecnologia); e ○ modelo mental e modos de percepção. http://pixabay.com/pt/estrutura-redes-internet-rede-204728/
  • 39. 2: instâncias de socialização Suas instituições (escola, mídia, poder público, empresas, etc) produzem, circulam, reproduzem e legitimam discursos próprios e também discursos comuns. http://pixabay.com/pt/torre-computador-rede-%C3%ADcone-36266/
  • 40. 3: instrumentos ou aparatos Educação para o desenvolvimento, para o progresso. Tecnologias para a qualidade e para a inovação. http://intergalacticrobot.blogspot.com.br/2014/04/visoes-de-utopia-percepcoes-sobre.html
  • 41. 4: conteúdos A educação como conteúdo das tecnologias (aplicativos, textos, imagens, sons, etc); A tecnologia como conteúdo da educação (alfabetização digital, etc). A educação e a tecnologia como conteúdos que circulam na esfera comunicacional (constroem e são construídos pela vida em sociedade).
  • 42. 5: espaços ou grupos de valores e representações Tecnologia: inclusão, velocidade, inovação, progresso, avanço, agilidade, conectividade, mobilidade, etc. Educação: tradição, imersão, aprendizado, conhecimento, dedicação, disciplina, etc. * valores “tradicionalmente” creditados a cada um dos campos. Ref: socioreferenciamento. http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A9todo_Paulo_Freire
  • 43. 6: representantes de modos de percepção Educação aberta e educação bancária Educação popular, educação dialógica. >> Colaboração, participação e transmissão e recepção << Tecnologias livres e proprietárias. Tecnologias abertas e fechadas.
  • 44. 7: podem estar associadas a projetos de sociedade Inovação Reforma Transformação http://pixabay.com/pt/inova%C3%A7%C3%A3o-homem-bulbo-de-luz-id%C3%A9ia-258932/
  • 45. A interface entre educação e tecnologias é um grande espaço em potência https://www.flickr.com/photos/lubrio/8046964426/
  • 46. Quando ela se dá… De forma instrumental; De forma mercadológica; De forma bancária (“top down”); Sem colaboração e sem participação... a transformação (da educação, das relações, da sociedade) tende a existir?
  • 47. Respeitando os contextos; Pensando os objetivos; Buscando transformar o espaço educativo; De forma colaborativa e com participação dos sujeitos… de forma orgânica… a transformação tende a existir? Quando ela se dá…
  • 48. Os agentes e instituições que hoje são legítimos e legitimados para construir esta interrelação estão também construindo uma visão (e um discurso) sobre esta relação. Qual a visão majoritária / hegemônica? Qual a sua visão?
  • 49. Pensar a educação como campo e os espaços educativos enquanto ambientes de aprendizagem significativa, prazerosa, interessante, criativa, colaborativa, participativa e com qualidade. As tecnologias não necessariamente transformam. E não transformam sozinhas. Mas podem ser um elemento extremamente potente desta transformação.
  • 50. Do que tem sido discurso comum, precisamos ponderar que: ● As tecnologias podem transformar a educação; ○ Podem melhorar as práticas em sala de aula/ cursos/ oficinas; ○ Podem melhorar a gestão da escola; ○ Podem aumentar o interesse e a motivação dos alunos; ○ Podem melhorar o rendimento dos alunos/ aprendizes. Desde que...
  • 51. “Acho que o uso de computadores no processo de ensino aprendizagem, em lugar de reduzir, pode expandir a capacidade crítica e criativa (...) Depende de quem usa a favor de quê e de quem e para quê.” (FREIRE, 1995: 98)