O desenvolvimento do comércio em Lisboa na época medieval<br />Catarina<br />Jorge<br />Mariana<br />Vânia <br />Vasco<br ...
Em torno dos velhos castelos  senhoriais, junto aos portos ou as vias de circulação, de origem romana ou de fundação mais ...
O desenvolvimento Urbano em Lisboa dependeu da proximidade dos eixos de comunicação, da facilidade dos transportes terrest...
Lisboa era  então o mais opulento centro comercial de toda a África e de uma grande Parte da Europa. É abundante de todas ...
Nas zonas rurais, as principais actividades artesanais eram o fabrico de utensílios em madeira e barro e a tecelagem.<br /...
Os mesteirais espalhavam-se logicamente por toda  cidade , mas com mais incidência na zona ribeirinha e correaria.<br />Os...
As cidades medievais eram super-lotadas, barulhentas, escuras e tinham cheiro de estábulo. só as ruas mais largas eram pav...
De dia, as ruas ficavam apinhadas de gente: ferreiros, sapateiros, vendedores de tecido, açougueiros, dentistas... Bastava...
O que hoje subsiste de "medieval" em Lisboa pode ser encontrado nos antigos bairros de Alfama e Mouraria, no alto e na ver...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cidade deLisboa

1.061 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.061
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cidade deLisboa

  1. 1. O desenvolvimento do comércio em Lisboa na época medieval<br />Catarina<br />Jorge<br />Mariana<br />Vânia <br />Vasco<br />História A<br />10 H1 <br />Ano lectivo: 2009/2010<br />Professora: Gabriela Freire<br />
  2. 2. Em torno dos velhos castelos senhoriais, junto aos portos ou as vias de circulação, de origem romana ou de fundação mais recente, as cidades aumentam em numero e em tamanho. <br />Para alem de crescerem, as cidades transformam-se. Antes eram sobretudo , centros políticos ,militares ou religiosos, a partir do séc. XII as cidades passam a assumir um feição essencialmente económica.<br />Nelas se estabelecem mercadores, banqueiros, artesãos, lojistas, que as animam e enriquecem . <br />
  3. 3. O desenvolvimento Urbano em Lisboa dependeu da proximidade dos eixos de comunicação, da facilidade dos transportes terrestres, do estabelecimento e dinamismo de uma rede comercial. Não é por acaso que as urbes de maior dimensão como Guimarães , Porto, Coimbra, Santarém Lisboa e Évora se localizavam no eixo Norte-sul Paralelo á costa atlântica, com a qual facilmente comunicavam.<br />
  4. 4. Lisboa era então o mais opulento centro comercial de toda a África e de uma grande Parte da Europa. É abundante de todas as mercadorias tem ouro e prata. Não faltam ferreiros . <br />Lisboa é o núcleo de um importante sistema económico de trocas localizando se em pequenas propriedades em que predomina a cultura Hortícola, que poderá ter influenciado a localização dos dois mercados centrais de hortaliças: Praça da figueira e Praça da ribeira.<br />
  5. 5. Nas zonas rurais, as principais actividades artesanais eram o fabrico de utensílios em madeira e barro e a tecelagem.<br />Nas cidades, os artesãos organizavam-se por ruas de acordo com a sua especialidade. As suas oficinas eram simultaneamente lojas onde vendiam os seus produtos ao público<br />
  6. 6. Os mesteirais espalhavam-se logicamente por toda cidade , mas com mais incidência na zona ribeirinha e correaria.<br />Os Ofícios existentes na cidade medieval portuguesa eram os sapateiros, Os soqueiros, os correeiros, os tanoeiros, Os ferreiros, os artesãos , os alfaiates, os carpinteiros, os ourives, tintureiros, entre outros. <br />
  7. 7. As cidades medievais eram super-lotadas, barulhentas, escuras e tinham cheiro de estábulo. só as ruas mais largas eram pavimentadas. As outras eram sujas, com esterco e lama. Na maioria eram apenas vielas estreitas onde não se podia passar com duas mulas sem derrubar os quiosques dos vendeiros.<br />
  8. 8. De dia, as ruas ficavam apinhadas de gente: ferreiros, sapateiros, vendedores de tecido, açougueiros, dentistas... Bastava o comerciante abrir as venezianas de sua casa para transformá-la numa banca de mercadorias. Ficavam também cheias de animais: cães, mulas, porcos, cavalos, galinhas... À noite, eram silenciosas e muito escuras: não havia iluminação pública. Era comum o toque de recolher decretado pelas municipalidades, como prevenção contra assaltos e assassinatos".<br />
  9. 9. O que hoje subsiste de "medieval" em Lisboa pode ser encontrado nos antigos bairros de Alfama e Mouraria, no alto e na vertente sul do monte onde podemos ver o que resta do castelo de S.Jorge.<br />

×