SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia de Pernambuco
Departamento Acadêmico de Sistemas, Processos e Controles
Industriais - DACI
Processos Biotecnológicos Industriais
ANÁLISE TECNOLOGICA DA FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA
Aldo Henrique Francisco da Silva Reis
Gabriela Sá Lucena da Silva
Gildelayne Medeiros da Silva
Marcos Gomes da Silva Junior
Plinio Antoninho de Freitas
Sulamita Cristina Vera Cruz
Recife 04 Outubro de 2016
Sumário
1. INTRODUÇÃO ......................................................................................................................3
2. MATERIAIS UTILIZADOS..................................................................................................4
2.1 Microorganismo:...............................................................................................................4
2.2 Materiais: ..........................................................................................................................4
2.3 Soluções:...........................................................................................................................4
2.4 Equipamentos: ..................................................................................................................5
3. METODOS.............................................................................................................................6
5. RESULTADOS E DISCUSSÕES ..........................................................................................8
3
1. INTRODUÇÃO
A fermentação é um processo de liberação de energia que ocorre sem a participação do
oxigênio (processo anaeróbio). A fermentação compreende um conjunto de reações
enzimaticamente controladas, através das quais uma molécula orgânica é degradada em
compostos mais simples, liberando energia. A glicose é uma das substâncias mais empregadas
pelos microrganismos como ponto de partida na fermentação. [1]
Esse tipo de fermentação é realizado por diversos microrganismos, destacando-se os
chamados “fungos de cerveja”, da espécie Saccharomyces cerevisiae. O homem utiliza os
dois produtos dessa fermentação: o álcool etílico empregado há milênios na fabricação de
bebidas alcoólicas (vinhos, cervejas, cachaças etc.), e o gás carbônico importante na
fabricação do pão, um dos mais tradicionais alimentos da humanidade. Mais recentemente
tem-se utilizado esses fungos para a produção industrial de álcool combustível. [1]
A aula pratica teve como objetivo, desenvolver experimentalmente e acompanhar um
processo de fermentação alcoólica, utilizando como matéria prima o caldo de cana e como
microrganismo fermentador levedura comercial.
4
2. MATERIAIS UTILIZADOS
2.1 Microorganismo:
 2 (dois) Saches Levedura comercial (Saccharomyces cerevisae) da marca Dona
Benta.
2.2 Materiais:
 Balões volumétricos de 200 ml;
 Bastão de vidro;
 Béqueres;
 Erlenmeyer;
 Frasco de com tampa rosqueada;
 Pipetas volumétricas de 20 e 25 ml;
 Provetas;
 Buretas;
 Mangueira
2.3 Soluções:
 Caldo de cana;
 NaOH 24%;
 NaOH 0,025 N;
 HCl 6 N;
 Nitrato de cálcio
 Fehling A
5
 Fehling B
 Água destilada;
 Fenolftaleína 1%;
 Azul de metileno 1%.
2.4 Equipamentos:
 Banho-maria à 60°C;
 Ebuliômetro;
 Phmetro ;
 Chapa aquecedora;
 densimetro;
 Régua de correlação;
 Termômetro.
6
3. METODOS (A pratica foi realizada em dois dias).
Primeiro dia: Primeiramente, com o auxilio de algodão, 500 ml de caldo foi filtrado para
retirar restos de bagaço e colocado em um erlenmeyer de 1000 mL sendo homogeneizado
com um bastão. Em seguida foi determinado o Brix (percentagem em peso de sólidos em uma
solução), enchendo uma proveta com a amostra, e imergindo cuidadosamente o densimetro,
até o ponto de afloramento, tomando o cuidado de não molhar a haste acima deste ponto.
Aguardou-se algum tempo para que o densímetro não se encoste à parede da proveta,
posteriormente foi feita a leitura do Brix que deu 24, então foi necessário realizar uma
diluição para atingir o Brix desejado de 15.
Para a Determinação de Açúcares redutores Totais (ART), usamos o método de Lane –
Eynon foi transferido 25 mL do mosto para um balão volumétrico de 200mL; completou o
volume com água à aferição do balão e homogeneizou bem; Pipetou-se 20mL deste caldo
diluído para outro balão volumétrico de 200mL.
Em seguida foi feito o processo analítico, em que foi adicionado aproximadamente 50
mL de água destilada; em seguida, aqueceu em Banho Maria até 65ºC e foi adicionado um
termômetro para controle da temperatura; ao retirar do banho - Maria e adicionou 10 mL de
solução de HCl 6N. Deixamos esfriar espontaneamente até a temperatura ambiente (repouso
de aproximadamente 30min.); Para a neutralização, foi utilizado uma solução de NaOH a 24%
uma solução alcoólica de fenoftaleína a 1% como indicador. Posteriormente resfriamos em
água corrente até temperatura ambiente e completamos o volume a aferição do balão com
água destilada.
Foi preparado o licor de Fehling, que posteriormente foi titulado com a solução anterior.
Para sua preparação foi adicionado, em um erlenmeyer de 500 mL, 5 mL de solução de
Fehling A e 5 mL de solução de Fehling B. Para realizar a titulação foi necessário ambientar a
bureta de 50 mL com a solução que sofreu a inversão da sacarose e a aferiu.
Com o auxílio de uma chapa aquecedora, colocamos o erlenmeyer, que continha o licor
de Fehling, e fizemos a titulação. Primeiramente, abrimos a válvula e deixamos cair 10 mL da
amostra e esperamos até o ponto de ebulição. Manteve a ebulição por aproximadamente 2
minutos e em seguida foi colocado 2 a 3 gotas de azul de metileno a 1% no erlenmeyer e por
fim foi feito a titulação e anotamos o volume gasto.
Para a acidez sulfúrica (indica a quantidade total de ácido, expressos em ácido sulfúrico,
presente na solução), primeiramente foi transferido 25 mL do mosto para um balão
volumétrico de 200 mL e foi completado com água à aferição do balão e se fez a
7
homogeneização. Para o procedimento analítico do mesmo, foi transferido 20 mL da amostra
preparada para um erlenmeyer de 200 mL e adicionamos ± 50 mL de água destilada junto a
três gotas de solução alcoólica de fenolftaleína a 1%. Ambientamos a bureta com um pouco
de solução 0,025N de hidróxido de sódio e a enchemos. Fizemos a titulação e anotamos
volume gasto de NaOH 0,025N. Fizemos em triplicata.
Para a fermentação, foi transferido 300ml de mosto para um kitasato de 1000 mL, foi
adicionado os dois saches de fermento biológico, acoplamos uma mangueira e introduzimos
em um frasco que continha hidróxido de cálcio, e deixamos descansar por 24h.
Segundo dia: Foram feitos os mesmos procedimentos, Brix, pH, e acidez sulfúrica, mas
dessa vez com o caldo já fermentado, não foi determinado os açucares redutores totais pois os
açúcares presentes já foram consumidas na glicólise e transformada em etanol e subprodutos.
Por ultimo foi feito teor alcoólico, colocando 50 mL da amostra fermentada, que foi
separada antes dos procedimentos anteriores, no ebuliometro (figura 1) sob a chama. Ao
entrar em ebulição foi verificada o seu ponto de ebulição e comparar na régua de correlação
onde será dado o teor em graus Gay-Lussac (GL).
Figura 1 - Ebuliômetro
8
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES
Pimeiro dia: O caldo de cana teve um pH 5 e um Brix em 24°. Como não está nos
parâmetros adequados (14 – 18°) tivemos que fazer uma diluição para 15°, utilizando a
seguinte fórmula:
C1 x V1 = C2 x V2
Onde:
C1: Concentração inicial
V1: Volume da amostra
C2: Concentração desejada
V2: Volume que queremos descobrir
24 x 300 = 15 x V2
V2 = 480 mL
Com isso verificamos que era preciso adicionar 180 mL de água destilada.
Na titulação para encontrar o total de ácido presente na amostra, expresso em acidez
sulfúrica, gastamos 1,5 mL de NaOH 0,025N. Com esse resultado, calculamos o teor da
acidez, usando regra de três:
NaOH 1N _____________ 49g H2SO4
1 ml de NaOH 0,025N_____________ x
x = 49 x 0,025 / 1000 = 1,225 / 1000g H2SO4
1 ml NaOH 0,025N _____________ 1,225 / 1000 g H2SO4
Vg ml NaOH 0,025N _____________ y
y = Vg x 1,225 / 1000g H2SO4
20 ml amostra _____________ vg x 1,225 / 1000
200ml amostra _____________ z
z = 200 / 20 x Vg x 1,225 / 1000 z = Vg x 1,225 / 100
25ml _____________ Vg x 1,225 / 100
100ml _____________ w
9
w = Vg x 100 x 1,225 /100 w = Vg x 0,049g de H2SO4
Acidez do Mosto = Vg x 0,049g de H2SO4
Onde:
Vg = Volume gasto na titulação
Acidez do Mosto = 1,5 x 0,049g de H2SO4 = 0,0735g
Para os Açucares Redutores Totais (ART), utilizamos 35 mL de solução com sacarose
invertida, onde ocorreu a precipitação do óxido cúprico, havendo assim, a mudança de
coloração do azul para o marrom tijolo. Para a medição do teor dos açúcares totais, fizemos
regras de três:
Vg ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ 0,05g de glicose
200ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ x
x = 200 x 0,05g / Vg x = 10 / Vg
25ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ 10 / Vg
200ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ y
y = 200 x (10/Vg) / 25 y = 80 / Vg
25ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ 80 / Vg
100ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ z
z = 100 x (80/Vg) / 25
z = ART % mosto = 320 / Vg
Onde:
Vg: Volume gasto
z: Teor de ART na amostra
z = 320 / 35 = 9,14%
10
Como utilizamos o método de Lane – Eynon, então, se fez necessário o licor de Fehling.
Entretanto, como o caldo da cana, na sua matéria – prima é a sacarose e como o Fehling não
reage a esse composto, por não ser um açúcar redutor, então se deve fazer a sua hidrolise.
Para isso, utilizou 10 mL HCl que é um catalisador inespecífico, ou seja, quebra qualquer tipo
de ligação glicosídica, até que os produtos finais sejam monossacarídeos acompanhado de um
aquecimento até 65°. A titulação na chapa quente se deve ao fato que, como o óxido cúprico
reage facilmente com o O2 do ar, então é necessário que o licor esteja em constante
aquecimento (Figura 2).
Segundo dia: No segundo dia, com a amostra já fermentada, o pH diminuiu e foi para
3,9 e o Brix foi zero, pois quando ocorre a formação do vinho, o Brix é zero ou negativo,
devido ao consumo de açucares pela levedura.
O gás carbônico obtido no processo indica o início da reação de fermentação e expulsa o
oxigênio do ar presente, inicialmente, no interior do sistema, evitando dessa maneira a
formação de ácido acético, o que daria à bebida um gosto ruim. O borbulhamento do gás na
solução de Ca(OH)2 provoca a formação de um precipitado branco de carbonato de cálcio, o
CaCO3 :
CO2(g) + Ca(OH)2(aq) → CaCO3(s) + H2O(l)
Para a acidez sulfúrica, fio gasto o volume médio de 8,5 mL de NaOH 0,025 N e, fazendo
os mesmos cálculos do primeiro dia, encontramos o valor da acidez de 0,416 g.
Para o teor alcoólico, em 94,5 °C houve a estabilização e verificando a régua de
correlação, encontramos o teor alcoólico, que foi de 8,1° Gay-Lussac.
Para verificarmos o teor alcoólico, é necessário que haja fermentação. A fermentação
alcoólica é um processo em que uma levedura realiza um caminho longo até a produção do
etanol. Primeiramente, as leveduras secretam invertase, para que a sacarose da cana hidrolise
Figura: 2
11
e forme glicose e frutose. Essa glicose servirá para a formação de piruvato, através da
glicólise. Com o piruvato, as leveduras fazem a fermentação alcoólica e formam etanol e do
CO2 em forma de gás. Porém, na glicólise e na própria fermentação, existem os subprodutos
produzidos nas reações que são: Glicerol (figura 3), ácido acético (figura 4), acetoína (figura
5), 2,3 butanodiol (figura 6), ácido lático (figura 7), ácido succinico (figura 8).
Figura 3: Formação do subproduto glicerol
Figura 4: Formação do subproduto ácido acético
12
Figura 5: Formação do subproduto acetoína
Figura 6: Formação do subproduto 2,3 butanodiol
Figura 7: Formação do ácido lático
13
Figura 8: Formação do subproduto ácido succionico.
14
5. CONCLUSÃO
Contudo vemos que a fermentação alcoólica é um processo complexo, que começa na
hidrolise da sacarose e segue até a formação do etanol, e para que isso aconteça de forma
eficientemente, procedimentos devem ser feitos para analisar a qualidade do produto, como
fazer a análise da acidez que deve ser inferior a 0,8 gramas, do ART, que está ligado ao tempo
em que a cana foi colhida e moída, deve está entre 13 a 17,5% que no caldo analisado foi
obtido um valor inferior ao mínimo, e verificar também o teor alcoólico que o caldo pode
oferecer que deve está entre 7° a 9°, sendo nesta analise o caldo analisado, apresentou
resultado satisfatório.
15
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
[1] Fermentação, Só Biologia. Disponível em
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/bioquimica/bioquimica3.php Acessado em 15 de
Outubro de 2016 ás 14:20.
[2] Materiais disponibilizados pelo professora Cristina Maria do Nascimento.
Experimentos realizados no Laboratório de Microbiologia do IFPE.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioGabriela Begalli
 
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃOFERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃODanillo Rodrigues
 
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016Acqua Blue Fitnnes
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosUERGS
 
50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de química50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de químicaEmiliano Alvarez
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃOEzequias Guimaraes
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoDhion Meyg Fernandes
 
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDoseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDavid Quintino
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreDhion Meyg Fernandes
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaarceariane87
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeAlex Junior
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaLuaneGS
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textualgracacruz
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Jenifer Rigo Almeida
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Railane Freitas
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas713773
 

Mais procurados (20)

Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatorio 5
 
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃOFERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA NA PRODUÇÃO DE PÃO
 
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
Relatorio da aula pratica microbiologia 04 09 2016
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
 
50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de química50 experimentos simples de química
50 experimentos simples de química
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Relatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de PrecipitaçãoRelatório - Volumetria de Precipitação
Relatório - Volumetria de Precipitação
 
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDoseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
 
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscinaRelatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
Relatorio analitica 2 determinação de cloro ativo em produto para piscina
 
Medida de volume
Medida de volumeMedida de volume
Medida de volume
 
MUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCALMUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCAL
 
Solubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e MiscibilidadeSolubilidade e Miscibilidade
Solubilidade e Miscibilidade
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
Relatório 03 - Química Analítica Quantitativa 1 - Dosagem de AAS e Mg(OH)2
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 

Semelhante a Relatório sobre-fermentação-alcoólica

Semelhante a Relatório sobre-fermentação-alcoólica (20)

Titulometria ou volumetria de neutralização
Titulometria ou volumetria de neutralizaçãoTitulometria ou volumetria de neutralização
Titulometria ou volumetria de neutralização
 
Aula prática de saponificação
Aula prática de saponificaçãoAula prática de saponificação
Aula prática de saponificação
 
Cap26
Cap26Cap26
Cap26
 
Cap10
Cap10Cap10
Cap10
 
ciclohexeno
ciclohexeno ciclohexeno
ciclohexeno
 
Padronização naoh e h cl
Padronização naoh e h clPadronização naoh e h cl
Padronização naoh e h cl
 
Adolpho lutz leite
Adolpho lutz leiteAdolpho lutz leite
Adolpho lutz leite
 
Adolpho lutz leite
Adolpho lutz leiteAdolpho lutz leite
Adolpho lutz leite
 
Cap27
Cap27Cap27
Cap27
 
Cap21
Cap21Cap21
Cap21
 
Resumo prova
Resumo provaResumo prova
Resumo prova
 
Resultados titulação
Resultados titulaçãoResultados titulação
Resultados titulação
 
Ap1
Ap1Ap1
Ap1
 
sisteses.pdf
sisteses.pdfsisteses.pdf
sisteses.pdf
 
RELATÓRIO PRÁTICA 03 LAB ANALITICA.pdf
RELATÓRIO PRÁTICA 03 LAB ANALITICA.pdfRELATÓRIO PRÁTICA 03 LAB ANALITICA.pdf
RELATÓRIO PRÁTICA 03 LAB ANALITICA.pdf
 
Relatorio de cloreto numa amostra
Relatorio de cloreto numa amostraRelatorio de cloreto numa amostra
Relatorio de cloreto numa amostra
 
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?' Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
Relatório- APL 2.1 'Soluções: Como se preparam?'
 
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
 
Cap12
Cap12Cap12
Cap12
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
 

Mais de Aldo Henrique

Industria do Cimento
Industria do CimentoIndustria do Cimento
Industria do CimentoAldo Henrique
 
Relatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaRelatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaAldo Henrique
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Aldo Henrique
 
Atividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAtividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAldo Henrique
 

Mais de Aldo Henrique (6)

Cilclo do cálcio
Cilclo do cálcioCilclo do cálcio
Cilclo do cálcio
 
Industria do Cimento
Industria do CimentoIndustria do Cimento
Industria do Cimento
 
Relatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaRelatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo Hexanona
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017
 
Cromatologia
CromatologiaCromatologia
Cromatologia
 
Atividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAtividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasil
 

Último

Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 

Último (20)

Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 

Relatório sobre-fermentação-alcoólica

  • 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco Departamento Acadêmico de Sistemas, Processos e Controles Industriais - DACI Processos Biotecnológicos Industriais ANÁLISE TECNOLOGICA DA FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA Aldo Henrique Francisco da Silva Reis Gabriela Sá Lucena da Silva Gildelayne Medeiros da Silva Marcos Gomes da Silva Junior Plinio Antoninho de Freitas Sulamita Cristina Vera Cruz Recife 04 Outubro de 2016
  • 2. Sumário 1. INTRODUÇÃO ......................................................................................................................3 2. MATERIAIS UTILIZADOS..................................................................................................4 2.1 Microorganismo:...............................................................................................................4 2.2 Materiais: ..........................................................................................................................4 2.3 Soluções:...........................................................................................................................4 2.4 Equipamentos: ..................................................................................................................5 3. METODOS.............................................................................................................................6 5. RESULTADOS E DISCUSSÕES ..........................................................................................8
  • 3. 3 1. INTRODUÇÃO A fermentação é um processo de liberação de energia que ocorre sem a participação do oxigênio (processo anaeróbio). A fermentação compreende um conjunto de reações enzimaticamente controladas, através das quais uma molécula orgânica é degradada em compostos mais simples, liberando energia. A glicose é uma das substâncias mais empregadas pelos microrganismos como ponto de partida na fermentação. [1] Esse tipo de fermentação é realizado por diversos microrganismos, destacando-se os chamados “fungos de cerveja”, da espécie Saccharomyces cerevisiae. O homem utiliza os dois produtos dessa fermentação: o álcool etílico empregado há milênios na fabricação de bebidas alcoólicas (vinhos, cervejas, cachaças etc.), e o gás carbônico importante na fabricação do pão, um dos mais tradicionais alimentos da humanidade. Mais recentemente tem-se utilizado esses fungos para a produção industrial de álcool combustível. [1] A aula pratica teve como objetivo, desenvolver experimentalmente e acompanhar um processo de fermentação alcoólica, utilizando como matéria prima o caldo de cana e como microrganismo fermentador levedura comercial.
  • 4. 4 2. MATERIAIS UTILIZADOS 2.1 Microorganismo:  2 (dois) Saches Levedura comercial (Saccharomyces cerevisae) da marca Dona Benta. 2.2 Materiais:  Balões volumétricos de 200 ml;  Bastão de vidro;  Béqueres;  Erlenmeyer;  Frasco de com tampa rosqueada;  Pipetas volumétricas de 20 e 25 ml;  Provetas;  Buretas;  Mangueira 2.3 Soluções:  Caldo de cana;  NaOH 24%;  NaOH 0,025 N;  HCl 6 N;  Nitrato de cálcio  Fehling A
  • 5. 5  Fehling B  Água destilada;  Fenolftaleína 1%;  Azul de metileno 1%. 2.4 Equipamentos:  Banho-maria à 60°C;  Ebuliômetro;  Phmetro ;  Chapa aquecedora;  densimetro;  Régua de correlação;  Termômetro.
  • 6. 6 3. METODOS (A pratica foi realizada em dois dias). Primeiro dia: Primeiramente, com o auxilio de algodão, 500 ml de caldo foi filtrado para retirar restos de bagaço e colocado em um erlenmeyer de 1000 mL sendo homogeneizado com um bastão. Em seguida foi determinado o Brix (percentagem em peso de sólidos em uma solução), enchendo uma proveta com a amostra, e imergindo cuidadosamente o densimetro, até o ponto de afloramento, tomando o cuidado de não molhar a haste acima deste ponto. Aguardou-se algum tempo para que o densímetro não se encoste à parede da proveta, posteriormente foi feita a leitura do Brix que deu 24, então foi necessário realizar uma diluição para atingir o Brix desejado de 15. Para a Determinação de Açúcares redutores Totais (ART), usamos o método de Lane – Eynon foi transferido 25 mL do mosto para um balão volumétrico de 200mL; completou o volume com água à aferição do balão e homogeneizou bem; Pipetou-se 20mL deste caldo diluído para outro balão volumétrico de 200mL. Em seguida foi feito o processo analítico, em que foi adicionado aproximadamente 50 mL de água destilada; em seguida, aqueceu em Banho Maria até 65ºC e foi adicionado um termômetro para controle da temperatura; ao retirar do banho - Maria e adicionou 10 mL de solução de HCl 6N. Deixamos esfriar espontaneamente até a temperatura ambiente (repouso de aproximadamente 30min.); Para a neutralização, foi utilizado uma solução de NaOH a 24% uma solução alcoólica de fenoftaleína a 1% como indicador. Posteriormente resfriamos em água corrente até temperatura ambiente e completamos o volume a aferição do balão com água destilada. Foi preparado o licor de Fehling, que posteriormente foi titulado com a solução anterior. Para sua preparação foi adicionado, em um erlenmeyer de 500 mL, 5 mL de solução de Fehling A e 5 mL de solução de Fehling B. Para realizar a titulação foi necessário ambientar a bureta de 50 mL com a solução que sofreu a inversão da sacarose e a aferiu. Com o auxílio de uma chapa aquecedora, colocamos o erlenmeyer, que continha o licor de Fehling, e fizemos a titulação. Primeiramente, abrimos a válvula e deixamos cair 10 mL da amostra e esperamos até o ponto de ebulição. Manteve a ebulição por aproximadamente 2 minutos e em seguida foi colocado 2 a 3 gotas de azul de metileno a 1% no erlenmeyer e por fim foi feito a titulação e anotamos o volume gasto. Para a acidez sulfúrica (indica a quantidade total de ácido, expressos em ácido sulfúrico, presente na solução), primeiramente foi transferido 25 mL do mosto para um balão volumétrico de 200 mL e foi completado com água à aferição do balão e se fez a
  • 7. 7 homogeneização. Para o procedimento analítico do mesmo, foi transferido 20 mL da amostra preparada para um erlenmeyer de 200 mL e adicionamos ± 50 mL de água destilada junto a três gotas de solução alcoólica de fenolftaleína a 1%. Ambientamos a bureta com um pouco de solução 0,025N de hidróxido de sódio e a enchemos. Fizemos a titulação e anotamos volume gasto de NaOH 0,025N. Fizemos em triplicata. Para a fermentação, foi transferido 300ml de mosto para um kitasato de 1000 mL, foi adicionado os dois saches de fermento biológico, acoplamos uma mangueira e introduzimos em um frasco que continha hidróxido de cálcio, e deixamos descansar por 24h. Segundo dia: Foram feitos os mesmos procedimentos, Brix, pH, e acidez sulfúrica, mas dessa vez com o caldo já fermentado, não foi determinado os açucares redutores totais pois os açúcares presentes já foram consumidas na glicólise e transformada em etanol e subprodutos. Por ultimo foi feito teor alcoólico, colocando 50 mL da amostra fermentada, que foi separada antes dos procedimentos anteriores, no ebuliometro (figura 1) sob a chama. Ao entrar em ebulição foi verificada o seu ponto de ebulição e comparar na régua de correlação onde será dado o teor em graus Gay-Lussac (GL). Figura 1 - Ebuliômetro
  • 8. 8 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES Pimeiro dia: O caldo de cana teve um pH 5 e um Brix em 24°. Como não está nos parâmetros adequados (14 – 18°) tivemos que fazer uma diluição para 15°, utilizando a seguinte fórmula: C1 x V1 = C2 x V2 Onde: C1: Concentração inicial V1: Volume da amostra C2: Concentração desejada V2: Volume que queremos descobrir 24 x 300 = 15 x V2 V2 = 480 mL Com isso verificamos que era preciso adicionar 180 mL de água destilada. Na titulação para encontrar o total de ácido presente na amostra, expresso em acidez sulfúrica, gastamos 1,5 mL de NaOH 0,025N. Com esse resultado, calculamos o teor da acidez, usando regra de três: NaOH 1N _____________ 49g H2SO4 1 ml de NaOH 0,025N_____________ x x = 49 x 0,025 / 1000 = 1,225 / 1000g H2SO4 1 ml NaOH 0,025N _____________ 1,225 / 1000 g H2SO4 Vg ml NaOH 0,025N _____________ y y = Vg x 1,225 / 1000g H2SO4 20 ml amostra _____________ vg x 1,225 / 1000 200ml amostra _____________ z z = 200 / 20 x Vg x 1,225 / 1000 z = Vg x 1,225 / 100 25ml _____________ Vg x 1,225 / 100 100ml _____________ w
  • 9. 9 w = Vg x 100 x 1,225 /100 w = Vg x 0,049g de H2SO4 Acidez do Mosto = Vg x 0,049g de H2SO4 Onde: Vg = Volume gasto na titulação Acidez do Mosto = 1,5 x 0,049g de H2SO4 = 0,0735g Para os Açucares Redutores Totais (ART), utilizamos 35 mL de solução com sacarose invertida, onde ocorreu a precipitação do óxido cúprico, havendo assim, a mudança de coloração do azul para o marrom tijolo. Para a medição do teor dos açúcares totais, fizemos regras de três: Vg ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ 0,05g de glicose 200ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ x x = 200 x 0,05g / Vg x = 10 / Vg 25ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ 10 / Vg 200ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ y y = 200 x (10/Vg) / 25 y = 80 / Vg 25ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ 80 / Vg 100ml ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ ─ z z = 100 x (80/Vg) / 25 z = ART % mosto = 320 / Vg Onde: Vg: Volume gasto z: Teor de ART na amostra z = 320 / 35 = 9,14%
  • 10. 10 Como utilizamos o método de Lane – Eynon, então, se fez necessário o licor de Fehling. Entretanto, como o caldo da cana, na sua matéria – prima é a sacarose e como o Fehling não reage a esse composto, por não ser um açúcar redutor, então se deve fazer a sua hidrolise. Para isso, utilizou 10 mL HCl que é um catalisador inespecífico, ou seja, quebra qualquer tipo de ligação glicosídica, até que os produtos finais sejam monossacarídeos acompanhado de um aquecimento até 65°. A titulação na chapa quente se deve ao fato que, como o óxido cúprico reage facilmente com o O2 do ar, então é necessário que o licor esteja em constante aquecimento (Figura 2). Segundo dia: No segundo dia, com a amostra já fermentada, o pH diminuiu e foi para 3,9 e o Brix foi zero, pois quando ocorre a formação do vinho, o Brix é zero ou negativo, devido ao consumo de açucares pela levedura. O gás carbônico obtido no processo indica o início da reação de fermentação e expulsa o oxigênio do ar presente, inicialmente, no interior do sistema, evitando dessa maneira a formação de ácido acético, o que daria à bebida um gosto ruim. O borbulhamento do gás na solução de Ca(OH)2 provoca a formação de um precipitado branco de carbonato de cálcio, o CaCO3 : CO2(g) + Ca(OH)2(aq) → CaCO3(s) + H2O(l) Para a acidez sulfúrica, fio gasto o volume médio de 8,5 mL de NaOH 0,025 N e, fazendo os mesmos cálculos do primeiro dia, encontramos o valor da acidez de 0,416 g. Para o teor alcoólico, em 94,5 °C houve a estabilização e verificando a régua de correlação, encontramos o teor alcoólico, que foi de 8,1° Gay-Lussac. Para verificarmos o teor alcoólico, é necessário que haja fermentação. A fermentação alcoólica é um processo em que uma levedura realiza um caminho longo até a produção do etanol. Primeiramente, as leveduras secretam invertase, para que a sacarose da cana hidrolise Figura: 2
  • 11. 11 e forme glicose e frutose. Essa glicose servirá para a formação de piruvato, através da glicólise. Com o piruvato, as leveduras fazem a fermentação alcoólica e formam etanol e do CO2 em forma de gás. Porém, na glicólise e na própria fermentação, existem os subprodutos produzidos nas reações que são: Glicerol (figura 3), ácido acético (figura 4), acetoína (figura 5), 2,3 butanodiol (figura 6), ácido lático (figura 7), ácido succinico (figura 8). Figura 3: Formação do subproduto glicerol Figura 4: Formação do subproduto ácido acético
  • 12. 12 Figura 5: Formação do subproduto acetoína Figura 6: Formação do subproduto 2,3 butanodiol Figura 7: Formação do ácido lático
  • 13. 13 Figura 8: Formação do subproduto ácido succionico.
  • 14. 14 5. CONCLUSÃO Contudo vemos que a fermentação alcoólica é um processo complexo, que começa na hidrolise da sacarose e segue até a formação do etanol, e para que isso aconteça de forma eficientemente, procedimentos devem ser feitos para analisar a qualidade do produto, como fazer a análise da acidez que deve ser inferior a 0,8 gramas, do ART, que está ligado ao tempo em que a cana foi colhida e moída, deve está entre 13 a 17,5% que no caldo analisado foi obtido um valor inferior ao mínimo, e verificar também o teor alcoólico que o caldo pode oferecer que deve está entre 7° a 9°, sendo nesta analise o caldo analisado, apresentou resultado satisfatório.
  • 15. 15 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Fermentação, Só Biologia. Disponível em http://www.sobiologia.com.br/conteudos/bioquimica/bioquimica3.php Acessado em 15 de Outubro de 2016 ás 14:20. [2] Materiais disponibilizados pelo professora Cristina Maria do Nascimento. Experimentos realizados no Laboratório de Microbiologia do IFPE.