O bem viver - viver na Amazônia

571 visualizações

Publicada em

Princípios para viver ética e ecologicamente na Amazônia e no planeta Terra

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
571
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O bem viver - viver na Amazônia

  1. 1. O BemViver como princípio ético para a Amazônia
  2. 2. Nesta perspectiva dois aspectos são centrais Estes dois aspectos são os pilares para uma ética do BemViver. O sentido de pertença à natureza O sentido da comunidade.
  3. 3. Bem – viver  Na construção do “bem viver”, dois eixos são sumamente importantes: o “bem viver” para todos, quer dizer, o combate contra uma sociedade de classes e privilégios, e o “bem viver” para sempre, que é o “bem viver” com memória histórica, o bem viver não apenas dos sobreviventes e vencedores, mas o bem viver que dá voz e ouvido aos vencidos.
  4. 4. O BemViver Ser feliz, como indivíduo viver bem, como ser social em família e sociedade duas tarefas conjuntas que procuramos solucionar a vida inteira No centro da primeira está a felicidade própria do indivíduo, o núcleo da segunda são costumes e prescrições culturais, a moral, a virtude e a lei da sociedade.
  5. 5. Lutas sociais – equilíbrio entre felicidade individual e moral social  Praticamente todas as lutas sociais representam tentativas de equilibrar felicidade individual e moral social, ou, como se diz no mundo andino, são buscas de harmonia, de harmonia sociocultural entre o individuo e o coletivo, e harmonia entre os seres humanos e a natureza da qual são parte integrante.  Essa busca de harmonia se transformou em lutas políticas.A harmonia não é dada. Ela é uma conquista que exige vigilância permanente.
  6. 6. o capitalismo  Nova colonização pelo capital, pela ideologia do desenvolvimento, pelo consumo e pela competição, procuramos curar as patologias do desequilíbrio que se manifesta pela acumulação, pelo crescimento desenfreado e pela aceleração.  Procuramos novos conceitos de propriedade e desenvolvimento para construir novas realidades.  Procuramos bem-estar sem crescimento. No meio de lutas pela redistribuição dos bens (terra, água, ar) e pelo reconhecimento do outro procuramos desvincular o bem- estar do crescimento predatório (agrotóxicos, expansão sobre a propriedade dos outros, consumo autodestrutivo).  Percebemos que o capitalismo não tem patologias. Ele é a patologia.
  7. 7. Independência não gerou vida para todos  A Independência dos países latino-americanos nem sempre foi um avanço em direção do bem viver. Os mecanismos da colonização e de uma sociedade escravocrata podem também continuar em países independentes. As elites mestiças, crioulas e brancas que assumiram os governos ditos independentes, muitas vezes reproduziram os mecanismos de dominação no interior de seus países. No Brasil, a escravidão continuou. Nos países emancipados, afro-americanos e indígenas, geralmente, não participaram do “bem viver” pós- colonial.
  8. 8. Desafios ao “bem viver” hoje  A exploração irracional atinge não só operários, indígenas ou migrantes, mas também a nossa irmã natureza. A devastação de florestas e da biodiversidade, “coloca em perigo a vida de milhões de pessoas”, em especial a vida dos “camponeses e indígenas, que são expulsos para as terras improdutivas e para as grandes cidades para viverem amontoados nos cinturões de miséria” (DAp 473).  Acreditamos que um outro mundo é possível, porque o atual tripé crescimento econômico, segurança social e democracia política não oferece perspectivas do bem viver universal. Não entramos no jogo de alternativas perversas: democracia com fome e miséria, ou bem-estar material sem participação, sem liberdade política e sem horizonte de sentido, ou prosperidade econômica do país com
  9. 9. A construção do bem viver é uma construção cultural (não natural). Quem quer construir o bem viver, é contracultural. Essa construção significa: descolonizar as instituições políticas, - desmercantilizar os saberes, a fé, a escola, saúde, - desprivatizar o que deve ser de domínio público, - na patologia da aceleração somos o freio de emergência.
  10. 10. Essência do “viver bem”: a) Priorizar a vida e os direitos cósmicos Viver Bem significa buscar a vivência em comunidade, onde todos os integrantes se preocupam com todos. O mais importante não é o ser humano (como afirma o socialismo) nem o dinheiro (como postula o capitalismo), mas a vida com mais simplicidade possível.Viver bem significa dar prioridade aos direitos cósmicos antes que aos Direitos Humanos. É mais importante falar sobre os direitos da Mãe Terra do que falar sobre os direitos humanos. b) Construção do consenso Viver Bem significa buscar o consenso entre todos. Na hora de conflitos se procura chegar a um ponto de neutralidade em que todos coincidam. Procura-se aprofundar a democracia para que não haja submissão. Submeter a minoria à maioria não é “viver bem”.
  11. 11. Essência do “viver bem”: c) Respeitar as diferenças Para viver em harmonia é necessário respeitar a diferença. O respeito se estende a todos os seres que habitam o planeta (animais, plantas). O respeito vai além da tolerância. Aceitar a diferença significa também aceitar a semelhança. d)Ver na diferença a complementaridade Nas comunidades, a criança se complementa com o avô, o homem com a mulher, a terra com a água, a humanidade com os vegetais. e) Equilíbrio (não-exclusão dos opostos) BemViver significa levar uma vida equilibrada com todos os seres dentro de uma comunidade e com a natureza.Vivemos atualmente num projeto que exclui. Democracia, justiça, meios de comunicação, terra, natureza – em tudo se mostram mecanismos de exclusão
  12. 12. Essência do “viver bem”:  f)Valorizar a identidade  Viver bem significa valorizar e recuperar a identidade. Esta identidade tem como base valores que resistiram mais de 500 anos e que foram transmitidos pelas famílias e nas comunidades que viveram em harmonia com a natureza e o cosmos.  g) Saber comer, beber, dançar, trabalhar  Em tudo prevalece o equilíbrio e os aprendizados ancestrais. O trabalho é algo comunitário e festivo e não produção de mais-valia.  h) Saber se comunicar  BemViver é saber se comunicar. Rezar significa comunicar (cacique Babau). O diálogo é o resultado desta boa comunicação ancestral nas comunidades (oralidade!).
  13. 13. Essência do “viver bem”:  i) Escutar os anciãos BemViver significa ler as rugas dos avós para poder continuar o caminho.“Nossos avós são bibliotecas ambulantes”.

×