Planejamento pastoral sto antonio

369 visualizações

Publicada em

Aspectos teológicos para o planejamento pastoral

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
369
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejamento pastoral sto antonio

  1. 1.  Para sermos verdadeiras comunidades, não basta estarmos juntos, ou repetirmos a mesma profissão de fé, mas é preciso que estejamos em sintonia, como verdadeiros cúmplices em um projeto comum. Não podemos nos apegar às nossas estruturas já prontas, mas precisamos aproveitar-nos do que já temos, para descobrir, constantemente, a melhor forma de realizarmos nossa ação evangelizadora.
  2. 2.  O primeiro motivo que nos leva a planejar é a necessidade de realizarmos ações EFICAZES, transformadoras. Nisto nós temos um compromisso a partir da nossa fé. Não podemos conviver com as injustiças gritantes que estão aí.  Um segundo motivo importante que nos leva a planejar é a ESCASSEZ DE RECURSOS. Quanto menos recursos eu tenho, mais a minha ação precisa ser planejada.  Existe ainda um terceiro motivo que nos obriga a realizar ações planejadas. É a COMPLEXIDADE DA AÇÃO. É a complexidade dos problemas. Quanto mais complexos forem os problemas ao meu redor mais eu preciso planejar, pois a complexidade dos problemas vai me absorvendo e eu necessariamente vou cair num ativismo.
  3. 3.  É o registro das decisões tomadas participativamente pelo grupo que esteve envolvido no processo de planejamento. Planejar não é fazer PLANO e nem tampouco escrever um cronograma ou um calendário de atividades pura e simplesmente. Nisso tudo o mais importante é o PROCESSO de tomada decisões (o planejamento), e não o registro dessas decisões (o plano em si).
  4. 4.  De acordo com o projeto de Aparecida,  tudo vai ser orientado para a missão permanente, mas não sentido sentido de converter e trazer de volta para a Igreja os afastados ou indiferentes na fé. O compromisso com a missão aqui é retomado e reafirmado a fim de transformar a realidade e conseqüentemente a vida do povo latino americano que vive às margens da vida, em condições sub-humanas, “pobres e descartáveis”. É uma ação pastoral que tem como meta a vida em plenitude para nossos povos.
  5. 5.  Para alcançar tal objetivo é necessário caminhar de mãos dadas evangelização e promoção humana. Trata-se de libertar integralmente as pessoas, fazendo-as sujeito da evangelização e de seu próprio desenvolvimento. Esta é a missão das Igrejas e missão dos discípulos e missionários de Jesus Cristo. Mas para isso as Igrejas, os cristãos, precisam de mudança e conversão.
  6. 6.  Precisa-se de uma Igreja em estado permanente de missão, uma Igreja samaritana comprometida com o ser humano, especialmente os que sofrem. A comunidade eclesial é convocada à promoção da vida a partir da opção preferencial pelos pobres, pois os rostos sofredores dos pobres são rostos sofredores de Cristo. Implica também abandonar todo tipo de comodismo e a pastoral do improviso e avançar para uma pastoral pensada e planejada organicamente que busque ser uma resposta consciente eficaz a atender às exigências do mundo de hoje, sem de modo algum eximir os leigos, participarem do discernimento, da tomada de decisões, do planejamento e da execução, bem como valorizar o protagonismo da mulher.

×