Enfermagem Contextualizada Sistemicamente na Administração do Setor de Saúde

270 visualizações

Publicada em

1.O estudo “Enfermagem Contextualizada Sistemicamente na Administração do Setor de Saúde” foi apresentado no VII SIEN\Simpósio Internacional de Enfermagem Hospital Albert Einstein – na Hospitalar\Feira+Fórum de 2014.

2.Lembrando que esse estudo é derivado dos BD\Atualizados do livro “SAÚDE DA SAÚDE DO BRASIL COM SUAS VERDADES CONVENIENTES NAS OFERTAS E DEMANDAS” – disponível na ABRASCO-Livros - livraria da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva\ENSP^Fiocruz(http://www.abrasco.org.br).

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Enfermagem Contextualizada Sistemicamente na Administração do Setor de Saúde

  1. 1. 1.INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA AS LIDERANÇAS DO SETOR DE SAÚDE ESTÃO VISUALIZANDO MUITAS “VERDADES PARCIAIS” QUE, POR SUA VEZ, FREQUENTEMENTE, SÃO TIDAS COMO CONFLITANTES PARA AS LIDERANÇAS DOS DEMAIS SETORES DA SOCIEDADE. SÃO “VERDADES” QUE NÃO SINALIZAM COMO ELIMINAR OS PROBLEMAS ESTRUTURAIS DO SETOR DE SAÚDE OU GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS E FINANCEIROS. ENQUANTO ISSO, SE PERDE O FOCO EM QUE ADMINISTRAR SAÚDE É UMA BOA FORMA DE PROMOVER O DESENVOLVIMENTO. ESSA MÁXIMA SURGIU COM O ADVENTO DA ONU, LEMBRANDO QUE NAQUELA OCASIÃO O BRASIL FOI UM DOS PRINCIPAIS CRIADORES DA OMS. MAS, PASSADOS 65 ANOS DE OMS E 25 DE SUS – O SETOR DE SAÚDE DO BRASIL-2013 CONTEMPLA STATUS DE AMARRAS E NÃO DE INDUTOR DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO. ESSE STATUS RESULTA DO SETOR DE SAÚDE NÃO SABER USAR OS PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS PARA FINS DE ADMINISTRAÇÃO E, POR ISSO, CONTINUARÁ ACENTUANDO SEUS GARGALOS, TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS E FINANCEIROS OU SEUS PROBLEMAS ESTRUTURAIS. PARECE CLARO QUE “ADMINISTRAÇÃO-FINANCEIRA” COM PREÇOS FICTÍCIOS NÃO APLICÁVEIS EM AÇÕES INTEGRAIS DE SAÚDE(AIS) É LEVADA A TERMO SEM MÉTRICAS INFERIDAS E DETERMINANTES – E, POR ISSO, OS ÂMBITOS DE GESTÃO, ADMINISTRAÇÃO E GOVERNANÇA PASSAM AO LARGO. RESSALTE-SE QUE O PRINCÍPIO BÁSICO PARA SE OPERACIONALIZAR O SUS COM ADMINISTRAÇÃO CONTINUA SENDO IGNORADO – PORQUE AS LIDERANÇAS DA SAÚDE NÃO SABEM APLICAR O ART. 7ºLEI ORGÂNICA DA SAÚDE. ESTE ARTIGO ESTABELECE QUE “AS AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE E OS SERVIÇOS PRIVADOS CONTRATADOS OU CONVENIADOS QUE INTEGRAM O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE-SUS, SÃO DESENVOLVIDOS DE ACORDO COM AS DIRETRIZES PREVISTAS NO ART. 198 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, OBEDECENDO AINDA AOS SEGUINTES PRINCÍPIOS:..” – PRECONIZANDO NO SEU ITEM VII A “UTILIZAÇÃO DA EPIDEMIOLOGIA PARA O ESTABELECIMENTO DE PRIORIDADES, A ALOCAÇÃO DE RECURSOS E A ORIENTAÇÃO PROGRAMÁTICA”. E, O PIOR, ATÉ O MOMENTO, AS LIDERANÇAS DA SAÚDE NÃO SINALIZAM PRIORIZAR A INTERNALIZAÇÃO DAS PROFICIÊNCIAS OU HABILIDADES PARA O DOMÍNIO DAS MÉTRICAS INFERIDAS E DETERMINANTES DE AIS CONFORME PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS DAS POPULAÇÕES PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE. POR ISSO, ESTÃO EM “VOO QUASE CEGO” – PORQUE NÃO CONTAM COM AS FERRAMENTAS BÁSICAS PARA ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE: *DIAGNÓSTICO-AIS.RDID0 1 , *PROGNÓSTICO- AIS.RON 2 BENCHMARK, *TRATAMENTOS DE RDID1 A RON-1 3 BENCHMARKINGS E *NAVEGADOR ORÇAMENTÁRIO POR PROCESSOS-AIS0AN OU CONFORMIDADES- AIS0AN 4 . NOTAS: 1 AIS.RDID0 OU SITUAÇÃO ATUAL - COM AS MÉTRICAS INFERIDAS EM T0 EXPLICITANDO A QUALIDADE INSATISFATÓRIA DOS RECURSOS DESBALANCEADOS, INADEQUADOS E DESARTICULADOS PELOS SEUS PROBLEMAS ESTRUTURAIS OU GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS E FINANCEIROS – QUE, POR SUA VEZ, CONTEMPLA EXCLUSÕES, RECORRÊNCIAS E CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL; OBSERVATÓRIO SAÚDE DA SAÚDE DO BRASIL COM MODELO OPERACIONAL PARA INSTITUIÇÕES DE SAÚDEMOIS passos@siatoef. com.br VII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ENFERMAGEM HOSPITAL ALBERT EINSTEIN TRABALHO CIENTÍFICO: AMBIENTE HOSPITALAR/AMBULATORIAL ENFERMAGEM CONTEXTUALIZADA SISTEMICAMENTE NA ADMINISTRAÇÃO DO SETOR DE SAÚDE por Orlando Cândido dos Passos
  2. 2. 2 AIS.RON OU BECHMARK - COM AS MÉTRICA DETERMINANTES DE RECURSOS OTIMIZADOS EM TN EXPLICITANDO QUALIDADE MÁXIMA EM ADEQUADOS POSTOS DE TRABALHOS COM REMUNERAÇÕES DIGNAS EM CARREIRA PROFISSIONAL NO ANO MÉDIO LIMITE OU MOMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE GESTÕES DE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA TÉCNICO-OPERACIONAL DE SAÚDE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE PERENIDADE; 3 TRATAMENTOS DE RDID1 A RON-1BECHMARKINGS - COM AS MÉTRICAS DE T1 A TN-1 EXPLICITANDO OS EVENTOS ELIMINADORES DAS GESTÕES-RDID DOS GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS E FINANCEIROS –EM REDE DE PRECEDÊNCIA- QUE CONVERGEM PARA METAS E OBJETIVOS NA DIREÇÃO DAS DEMANDAS-AIS.RON e 4 CONFORMIDADES-AIS0AN OU FERRAMENTA DE MONITORAMENTO E MANUTENÇÃO ATUALIZADAS -ATRAVÉS DE PLANEJAMENTOS DINÂMICOS- ONDE SE TEM AS MÉTRICAS DE MAIOR EFICIÊNCIA E EFICÁCIA TÉCNICO-OPERACIONAIS DE T0 A TN – QUE, POR SUA VEZ, EXPLICITAM O LIMITE SUPERIOR DE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA ECONÔMICO-FINANCEIRA CORRESPONDENTE. 2.OBJETIVOS VIABILIZAR A ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE COM AS MÉTRICAS INFERIDAS E DETERMINANTES DAS LEIS-DE-FORMAÇÃO DOS PROCESSOS DOS PROTOCOLOS TÉCNICO- OPERACIONAIS DE AIS DAS POPULAÇÕES PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE CONFORME SEUS PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS. NO SETOR DE SAÚDE – ESSAS MÉTRICAS DEVEM SER DIRETAS E SOCIAIS -EM CÍRCULO VIRTUOSO ONDE TODOS GANHAM- QUE DEVEM SER MONITORADOS COM MANUTENÇÃO ATUALIZADA – QUE, POR SUA VEZ, DEVEM CONVERGIR PARA SUA EXPRESSÃO GERAL, VÁLIDA NOS MERCADOS DE FATORES E DE SERVIÇO: RT = CT + LB + EF + REM  CT = RHMÉD + RHENF + RHMULTDIR + RHMULTINDIR + DD + DI + DR + RI ONDE: *RT=RECEITAS TOTAIS E MÉDIAS DO SUS, AMS E PARTICULAR NOS MERCADO DE SERVIÇOS; *CT=CUSTOS TOTAIS E MÉDIOS DO SUS, AMS E PARTICULAR NO MERCADO DE FATORES; *LB=MARGENS DE LUCRO BRUTO - TOTAIS E MÉDIAS DOS SISTEMAS-AMSPARTICULAR; *EF=ENCARGOS S/FATURAMENTOS DOS SISTEMAS-AMSPARTICULAR; *REM=REMÉDIOS ADQUIRIDOS DIRETAMENTE PELOS USUÁRIOS; *RHMÉD =CUSTOS TOTAIS E MÉDIOS DAS EQUIPES MÉDICAS; *RH ENF =CUSTOS TOTAIS E MÉDIOS DAS EQUIPES DE ENFERMAGEM; *RH MULTDIR =CUSTOS TOTAIS E MÉDIOS DAS EQUIPES MULTIPROFISSIONAIS DIRETAS; *RHMULTINDIR = CUSTOS TOTAIS E MÉDIOS DAS EQUIPES MULTIPROFISSIONAIS INDIRETAS; *DD=DESPESAS DIRETAS – ALOCADAS DIRETAMENTE NOS PROCEDIMENTOS EOU NAS SUAS LCAS; *DI=DESPESAS INDIRETAS – QUE NÃO SÃO CLASSIFICÁVEIS COMO DD; *DR=DEPRECIAÇÃO PARA REPOSIÇÕES – CONFORME LEGISLAÇÃO VIGENTE E *RI=REMUNERAÇÃO DE INVESTIMENTOS PARA AMORTIZAÇÕES E JUROS – CONFORME TAXAS DE MERCADO. Lembrando que a FINALIDADE DA ADMINISTRAÇÃO NO MODELO OPERACIONAL PARA INSTITUIÇÕES DE SAÚDE(IS) - consiste na operacionalização das IS focando as métricas referenciadas nos PROJETOS DE VIABILIDADE TÉCNICO-OPERACIONAIS INTEGRADOS COM OS ECONÔMICO-FINANCEIROS RESPECTIVOS. SIMULTANEAMENTE, AO LONGO DO TEMPO, CADA IS DEVE INTERNALIZAR NOVOS CONHECIMENTOS E TECNOLOGIAS, VISANDO AUMENTOS DE DESEMPENHOS QUE ASSEGUREM A INDISPENSÁVEL SAÚDE ECONÔMICO-FINANCEIRA DE PERENIDADE OU QUALIDADE MÁXIMA EM ADEQUADOS POSTOS DE TRABALHOS COM REMUNERAÇÕES DIGNAS EM CARREIRA PROFISSIONAL. 3.METODOLOGIA-SIATOEF SISTEMA INTEGRADOR DE ADMINISTRAÇÃO TÉCNICO-OPERACIONAL COM ECONÔMICO-FINANCEIRO OU MOISMODELO OPERACIONAL PARA INSTITUIÇÕES DE SAÚDE A METODOLOGIA-SIATOEF OU MOIS COMPREENDE ARQUITETURA SISTÊMICA DE MÚLTIPLAS CAMADAS COM MODELAGENS DAS LEIS-DE-FORMAÇÃO DOS PROCESSOS TÉCNICO-OPERACIONAIS DE AÇÕES INTEGRAIS DE SAÚDE/LINHAS DE CUIDADOS ASSISTENCIAIS -CONFORME PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS DAS POPULAÇÕES PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE- EQUALIZADAS E ARTICULADAS COM SEUS *RECURSOS(HUMANOS, INVESTIMENTOS, DESPESAS DIRETAS E INDIRETAS), *CUSTOS POR PROCESSOS(INDICADORES DE EFICIÊNCIA ECONÔMICA – PORQUE INTERNALIZA OS DE EFICIÊNCIA E EFICÁCIA TÉCNICO-OPERACIONAIS RESPECTIVOS - DO SUS, AMS E PARTICULAR), *RECEITAS POR FONTES(INDICADORAS DE EFICÁCIA ECONÔMICA PORQUE OS PV SÃO EMBASADO EM CUSTOS POR PROCESSOS - DOS CLIENTES-SUS, AMS E PARTICULAR) E *DESEMPENHOS(DIRETOS E SOCIAIS). TRATA-SE DE PROCESSAMENTOS SISTÊMICOS QUE DISPONIBILIZAM MÉTRICAS INFERIDAS E DETERMINANTES –BÁSICAS PARA AS DECISÕES OPERACIONAIS,
  3. 3. TÁTICAS E ESTRATÉGICAS- VÁLIDAS NOS MERCADOS DE FATORES E DE SERVIÇOS. A PARTIR DAÍ TEM-SE AS FERRAMENTAS DE ADMINISTRAÇÃO DE GESTÕES E GOVERNANÇA DA SAÚDE EM NÍVEL DE PROCEDIMENTO/LCA COMPONDO IS E AIS. COMO ILUSTRAÇÃO GRÁFICA GERAL TEM-SE: 3a.FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS BÁSICAS–INTEGRADAS E INTEGRADORAS- PARA NAVEGAÇÃO ORÇAMENTÁRIA POR PROCESSOS-AIS/LCA - DE RDID0 À RON: 3b.FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS DE 3a COMPOSTAS PELAS MODELAGENS DE ARTICULAÇÕES DE PROCESSAMENTOS MÚLTIPLOS E SIMULTÂNEOS DAS COMPLEXIDADES DINÂMICAS E DE DETALHES-AIS - DE RDID0 À RON: PROGNÓSTICO-AIS/LCA.RON BENCHMARKN DIAGNÓSTICO-AIS/LCA.RDID0 SITUAÇÃO ATUAL PARAMETRIZADA TRATAMENTOS-AIS/LCA DE RDID1 A RON-1 BENCHMARKINGS1aN-1 CONFORMIDADES-AIS/LCA0aNTÉCNICO-OPERACIONAIS E ECONÔMICO-FINANCEIRAS ARTICULAÇÕES ORGANIZACIONAIS COM VISÃO OPERACIONAL-AIS/LCA.RON POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS^POLÍTICA SALARIAL-AIS/LCA.RON OFERTAS-AIS.RDID0 RECURSOS HUMANOS-AIS.RDID0 INVESTIMENTOS-AIS.RDID0 DESPESAS DIRETAS-AIS.RDID0 DESPESAS INDIRETAS-AIS.RDID0 CUSTOS POR PROCESSOS-AIS.RDID0 RECEITAS POR FONTES-AIS.RDID0 DESEMPENHOS-AIS.RDID0 DEMANDAS-AIS.RON RECURSOS HUMANOS-AIS.RON INVESTIMENTOS-AIS.RON DESPESAS DIRETAS-AIS.RON DEPESAS INDIRETAS-AIS.RON CUSTOS POR PROCESSOS-AIS.RON RECEITAS POR FONTES-AIS.RON DESEMPENHOS-AIS.RON
  4. 4. 3c.CONSOLIDAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS/LINHAS DE CUIDADOS ASSISTENCIAIS POR EQUIPE(MÉDICA, ENFERMAGEM, MULTIPROFISSIONAL DIRETA E INDIRETA) -DE RDID0 À RON- E GRUPO: ATENÇÃO BÁSICA ATENÇÃO EM AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES ATENÇÃO EM UNIDADES DE PROGRAMAS ESPECIAIS ATENÇÃO DE EMERGÊNCIAS E URGÊNCIAS ATENÇÃO NOS AMBIENTES DE INTERNAÇÕES EM ENFERMARIAS ATENÇÃO NOS AMBIENTES DE INTERNAÇÕES ESPECIAIS^UTIS ATENÇÃO EM CENTROS CIRÚRGICOS ATENÇÃO EM CENTROS GINECO-OBSTÉTRICOS AT.NOS SERVIÇOS AUXILIARES DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS PROGRAMAS DE ENSINO E PESQUISA NA ASSISTÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES DE APOIO DIRETO PROGRAMAS DAS UNIDADES DE APOIO INDIRETO
  5. 5. 4.RESULTADOS - MÉTRICAS-AIS.RDID0INFERIDAS E MÉTRICAS- AIS.RONDETERMINANTES 4a.SAÚDE MERECIDA, DEVIDA E RECEBIDA NO BRASIL-2013 EM VIDAS COM AISOFERTAS, DEMANDAS E CAPACIDADE COM RECURSOS DISPONÍVEIS OBSERVE QUE AS DEMANDAS DE SAÚDE DO BRASIL-2013 SÃO DE 201,156 MILHÕES DE VIDAS COM AIS CUJOS DADOS-ANS(HETEROGÊNEOS) SINALIZAM AS COBERTURAS DE 63,06%SUS E NÃO-SUS36,94%. TODAVIA, AO SE EQUALIZAR OS DADOS-ANS EM VIDAS COM AIS – TEM-SE QUE A COBERTURA- SUS É DE 85,525% E A DO NÃO-SUS CORRESPONDE A 14,475%. ENQUANTO ISSO, OS RECURSOS TIDOS COMO DISPONÍVEIS NO MERCADO DE SERVIÇOS SINALIZAM CAPACIDADE DE ATENDIMENTO DE 208,031 MILHÕES DE VIDAS COM AIS.ROANO1 (3,42% MAIOR QUE AS DEMANDAS-AIS.RO DE 2013). NO ENTANTO, AS GESTÕES-RDID DOS GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS E FINANCEIROS – SINALIZAM QUE O SETOR DE SAÚDE ATUAL SÓ ATENDEU ATÉ 129,551 MILHÕES DE VIDAS COM AIS.RDID(64,4% DAS DEMANDAS-AIS.RO DE 2013). E O PIOR, OS RECURSOS TIDOS COMO REPASSADOS À ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR OU ATENÇÃO DIRETA – SINALIZA QUE AS OFERTAS-RDIDATDIRETA ATENDEU ATÉ 68,533 MILHÕES DE VIDAS COM AIS.RDID(34,07% DAS DEMANDAS-AIS.RO DE 2013). DISCRIMINAÇÃO DEMANDASMERECIDA 5 DEMANDASMERECIDA 6 CAPACIDADEDEVIDA 7 OFERTAS.RDIDRECEBIDA 8 OFERTAS.RDIDRECEBIDA 9 COM DADOS-ANSNOMINAIS C/DADOS-ANSEQUALIZADOS C/RECURSOS DISPONÍVEIS CONF.REC.MERC.DE SERVIÇOS CONF.REC.NA ATENÇÃODIRETA FONTES VIDAS CAISN O % S/TOTBR VIDAS CAISN O % S/TOTBR VIDAS CAISN O % S/TOTBR VIDAS CAISN O % S/TOTBR VIDAS CAISN O % S/TOTBR S U S 126.850.310 63,061% 172.038.421 85,525% 165.645.152 82,347% 102.978.610 51,194% 52.453.567 26,076% Sistema-AMS 10 72.293.660 35,939% 28.194.194 14,016% 40.312.420 20,040% 25.683.620 12,768% 15.933.357 7,921% Particular 2.011.555 1,00% 922.910 0,459% 2.072.972 1,031% 888.682 0,442% 145.778 0,072% Brasil-2013 201.155.525 100,00% 201.155.525 100,00% 208.030.544 103,42% 129.550.913 64,403% 68.532.702 34,070% FONTE: BDATUALIZADOS DO LIVRO “SAÚDE MERECIDA, DEVIDA E RECEBIDA NO BRASIL COM MÉTRICAS INFERIDAS E DETERMINANTES” NOTAS: 5 DEMANDAS-AIS DO SUS, AMS E PARTICULAR EM VIDAS - COM OS DADOS NOMINAIS(HETEROGÊNEOS) DA ANS; 6 DEMANDAS-AIS DO SUS, AMS E PARTICULAR – COM OS DADOS-ANS EQUALIZADOS EM VIDAS COM AIS.RO; 7 CAPACIDADES DE ATENDIMENTOS DO SUS, AMS E PARTICULAR -EM VIDAS COM AIS.RO- COM OS VALORES DOS RECURSOS TIDOS COMO DISPONÍVEIS NO MERCADO DE SERVIÇOS; 8 OFERTAS-AIS.RDID DO SUS, AMS E PARTICULAR - EQUALIZADAS EM VIDAS COM AIS.RDID, CONSIDERANDO OS TOTAIS DOS VALORES DOS RECURSOS TIDOS COMO DISPONÍVEIS NO MERCADO DE SERVIÇOS; 9 OFERTAS-LCA.RDID DO SUS, AMS E PARTICULAR - EQUALIZADAS EM VIDAS COM AIS.RDID, CONSIDERANDO OS VALORES DOS RECURSOS TIDOS COMO REPASSADOS À ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR. TRATA-SE DOS VALORES TOTAIS DOS RECURSOS DAS OFERTAS-AIS.RDID(NOTA 4) MENOS: A.OS RECURSOS DOS PROGRAMAS ESPECÍFICOS INCLUSIVE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS, MILITARES E DE SERVIDORES E PLANOS DE SAÚDE DOS ÓRGÃOS DAS TRÊS ESFERAS DE GOVERNO E B.SISTEMAS AMS E PARTICULAR – SEM ENCARGOS SOBRE FATURAMENTOS E MARGENS DE LUCRO. OS VALORES RESULTANTES SÃO DIVIDIDOS PELOS PV-MÉDIOS DAS OFERTAS-AIS.RDID E 10 AMS=ASSISTÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR(MEDICINA DE GRUPO, COOPERATIVAS MÉDICAS, PLANOS PRÓPRIOS DAS EMPRESAS, CIEFAS, SEGURADORAS).
  6. 6. 4b.CUSTOS MÉDIOS DOS CENÁRIOS DAS OFERTAS-AIS.RDID E DEMANDAS-AIS.RO COM PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS DAS POPULAÇÕES PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE DO BRASIL-2013 - EM R$/VIDA-ANO COM AIS: DISCIMINAÇÃO PV RECURSOS HUMANOSRH DESPESA DESPESA DEPRE- REM.DE LUCRO ENCARGOS REMÉDIO EQ.MÉD EQ.ENFERM MULTDIR MULTINDIR TOTAL DIRETA INDIRETA CIAÇÃO INVEST BRUTO S/FAT 1.Ofertas - em R$/Vida-Ano com AIS.RDID: 1.1.Em R$/Vida-Ano com AIS.RDID Sem Remédios 2.949,75 798,24 547,59 321,45 302,03 1.969,32 335,19 41,12 85,29 109,16 256,24 153,44 0,00 % sobre Total 100,0% 27,06% 18,56% 10,90% 10,24% 66,76% 11,36% 1,39% 2,89% 3,70% 8,69% 5,20% 0,00% 1.1a.SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RDID S/Remédios 2.523,01 758,52 532,01 321,07 302,65 1.914,25 357,51 43,85 90,97 116,43 0,00 0,00 0,00 % sobre Total 100,0% 30,06% 21,09% 12,73% 12,00% 75,87% 14,17% 1,74% 3,61% 4,61% 0,00% 0,00% 0,00% 1.1b.Não-SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RDID S/Remédios 4.603,52 952,17 607,96 322,92 299,65 2.182,71 248,68 30,50 63,28 80,99 1.249,29 748,07 0,00 % sobre Total 100,0% 20,68% 13,21% 7,01% 6,51% 47,41% 5,40% 0,66% 1,37% 1,76% 27,14% 16,25% 0,00% 1.2.Em R$/Vida-Ano com AIS.RDID Com Remédios 3.497,61 798,24 547,59 321,45 302,03 1.969,32 335,19 41,12 85,29 109,16 256,24 153,44 547,86 % sobre Total 100,0% 22,82% 15,66% 9,19% 8,64% 56,30% 9,58% 1,18% 2,44% 3,12% 7,33% 4,39% 15,66% 1.2a.SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RDID C/Remédios 3.112,48 758,52 532,01 321,07 302,65 1.914,25 357,51 43,85 90,97 116,43 0,00 0,00 589,47 % sobre Total 100,0% 24,37% 17,09% 10,32% 9,72% 61,50% 11,49% 1,41% 2,92% 3,74% 0,00% 0,00% 18,94% 1.2b.Não-SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RDID C/Remédios 4.990,16 952,17 607,96 322,92 299,65 2.182,71 248,68 30,50 63,28 80,99 1.249,29 748,07 386,63 % sobre Total 100,0% 19,08% 12,18% 6,47% 6,00% 43,74% 4,98% 0,61% 1,27% 1,62% 25,04% 14,99% 7,75% 2.Demandas - em R$/Vida-Ano com AIS.RO: 2.1.Em R$/Vida-Ano com AIS.RO no Ano 1 1.748,41 502,01 352,10 187,02 173,54 1.214,67 215,87 26,48 54,93 70,30 100,03 66,13 Em DD % sobre Total 100,0% 28,71% 20,14% 10,70% 9,93% 69,47% 12,35% 1,51% 3,14% 4,02% 5,72% 3,78% 2.1a.SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RO no Ano 1 1.568,51 497,65 349,04 185,39 172,03 1.204,12 214,00 26,25 54,45 69,69 0,00 0,00 Em DD % sobre Total 100,0% 31,73% 22,25% 11,82% 10,97% 76,77% 13,64% 1,67% 3,47% 4,44% 0,00% 0,00% 2.1b.Não-SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RO no Ano 1 2.811,33 527,76 370,16 196,61 182,44 1.276,98 226,95 27,84 57,75 73,91 691,06 456,84 Em DD % sobre Total 100,0% 18,77% 13,17% 6,99% 6,49% 45,42% 8,07% 0,99% 2,05% 2,63% 24,58% 16,25% 2.2.Em R$/Vida-Ano com AIS.RO no Ano Médio 3.181,28 1.094,20 767,45 407,63 378,26 2.647,54 215,87 26,48 54,93 70,30 100,03 66,13 Em DD % sobre Total 100,0% 34,39% 24,12% 12,81% 11,89% 83,22% 6,79% 0,83% 1,73% 2,21% 3,14% 2,08% 2.2a.SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RO no Ano Médio 2.986,71 1.083,78 760,14 403,75 374,65 2.622,32 214,00 26,25 54,45 69,69 0,00 0,00 Em DD % sobre Total 100,0% 36,29% 25,45% 13,52% 12,54% 87,80% 7,17% 0,88% 1,82% 2,33% 0,00% 0,00% 2.2b.Não-SUS: R$/Vida-Ano cAIS.RO no Ano Médio 4.330,90 1.155,79 810,65 430,58 399,55 2.796,56 226,95 27,84 57,75 73,91 691,06 456,84 Em DD % sobre Total 100,0% 26,69% 18,72% 9,94% 9,23% 64,57% 5,24% 0,64% 1,33% 1,71% 15,96% 10,55% Fonte: BDAtualizados do livro "SAÚDE DA SAÚDE DO BRASIL COM SUAS VERDADES CONVENIENTES NAS OFERTAS E DEMANDAS"
  7. 7. 4c.SUMÁRIO DAS OFERTAS-AIS.RDID CONFORME PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS DAS POPULAÇÕES PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE DO BRASIL-2013 - EM NÚMERO E R$ 1.000: DISCRIMINAÇÃO SEM REMÉDIOS ADQUIRIDOS PELOS USUÁRIOS COM REMÉDIOS ADQUIRIDOS PELOS USUÁRIOS TOTAL S U S A M S PART TOTAL S U S A M S PART 1-COBERTURA - EM VIDAS COM AISNO 129.550.913 102.978.610 25.683.620 888.682 129.550.913 102.978.610 25.683.620 888.682 % SOBRE TOTAL 100,00% 79,489% 19,825% 0,686% 100,00% 79,489% 19,825% 0,686% 2-RECURSOS HUMANOS EQUALIZADOS 11 NO 3.278.757 2.595.750 660.307 22.700 3.278.757 2.595.750 660.307 22.700 2.1-EQUIPE MÉDICANO 404.242 300.652 100.125 3.464 404.242 300.652 100.125 3.464 2.2-EQUIPE DE ENFERMAGEMNO 1.846.060 1.467.607 365.796 12.657 1.846.060 1.467.607 365.796 12.657 % SOBRE TOTAL 56,30% 56,54% 55,40% 55,76% 56,30% 56,54% 55,40% 55,76% 2.3-EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DIRETANO 411.423 331.029 77.762 2.632 411.423 331.029 77.762 2.632 2.4-EQUIPE MULTIPROFISSIONAL INDIRETANO 617.032 496.461 116.624 3.947 617.032 496.461 116.624 3.947 3-LEITOSNO 595.163 413.158 176.047 5.958 595.163 413.158 176.047 5.958 4-EDIFICAÇÕES - ÁREA EM M 2 66.220.561 51.967.614 13.706.367 546.580 66.220.561 51.967.614 13.706.367 546.580 % SOBRE TOTAL 100,00% 78,48% 20,70% 0,83% 100,00% 78,48% 20,70% 0,83% 5-RECEITASMERCADO DE SERVIÇOS - EM R$ MIL 382.142.428 259.816.202 107.784.348 14.541.878 453.118.475 320.518.522 117.732.434 14.867.519 R$/VIDA-ANO COM AIS 2.949,75 2.523,01 4.196,62 16.363,42 3.497,61 3.112,48 4.583,95 16.729,85 5.1-RECURSOS HUMANOSR$ MIL 255.126.557 197.126.946 56.001.766 1.997.845 255.126.557 197.126.946 56.001.766 1.997.845 5.1A-EQUIPE MÉDICAR$ MIL 103.412.775 78.111.314 24.475.773 825.688 103.412.775 78.111.314 24.475.773 825.688 5.1B-EQUIPE DE ENFERMAGEMR$ MIL 70.940.704 54.785.706 15.575.877 579.121 70.940.704 54.785.706 15.575.877 579.121 5.1C-EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DIRETAR$ MIL 41.644.396 33.063.650 8.273.145 307.601 41.644.396 33.063.650 8.273.145 307.601 5.1D-EQUIPE MULTIPROF.INDIRETAR$ MIL 39.128.682 31.166.276 7.676.971 285.435 39.128.682 31.166.276 7.676.971 285.435 5.2-DESPESAS DIRETASR$ MIL 43.424.183 36.816.096 6.380.465 227.621 43.424.183 36.816.096 6.380.465 227.621 5.3-DEPESAS INDIRETASR$ MIL 5.326.487 4.515.927 782.639 27.920 5.326.487 4.515.927 782.639 27.920 5.4-DEPRECIAÇÃO PARA REPOSIÇÕESR$ MIL 11.049.216 9.367.799 1.623.500 57.918 11.049.216 9.367.799 1.623.500 57.918 5.5-REM.DE INVEST.P/AMORTIZ.E JUROSR$ MIL 14.141.405 11.989.433 2.077.846 74.126 14.141.405 11.989.433 2.077.846 74.126 5.6-LUCROR$ MIL 33.196.568 0 23.403.176 9.793.393 33.196.568 0 23.403.176 9.793.393 5.7-ENCARGOS S/FATURAMENTOSR$ MIL 19.878.012 0 17.514.957 2.363.055 19.878.012 0 17.514.957 2.363.055 6-REMÉDIOS ADQUIRIDOS P/USUÁRIOSR$ MIL 0 0 0 0 70.976.047 60.702.320 9.948.086 325.641 Fonte: BDAtualizados do livro "SAÚDE DA SAÚDE DO BRASIL COM SUAS VERDADES CONVENIENTES NAS OFERTAS E DEMANDAS" NOTA: 11 OS NÚMEROS DOS RH-AIS.RDID SÃO OS DE INDIVÍDUOS 2 0 CBO-2002 DADOS PELO MS^CNES EM JUN2012 AJUSTADOS PARA 2013 – COM INCLUSÃO DE TERCEIRIZADOS ESTIMADOS POR AMOSTRAGEM.
  8. 8. 4d.SUMÁRIO DAS DEMANDAS-AIS.RO CONFORME PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS DAS POPULAÇÕES PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE DO BRASIL-2013 - EM NÚMERO E R$ 1.000: DISCRIMINAÇÃO ANO 1 DA CARREIRA PROFISSIONAL ANO MÉDIO DA CARREIRA PROFISSIONAL TOTAL S U S A M S PART TOTAL S U S A M S PART 1-COBERTURA - EM VIDAS COM AISNO 201.155.525 172.038.421 28.194.194 922.910 201.155.525 172.038.421 28.194.194 922.910 % SOBRE TOTAL 100,00% 85,525% 14,016% 0,459% 100,00% 85,525% 14,016% 0,459% 2-REC.HUMANOS EQUALIZADOS COM 40 H/S12 NO 2.273.226 1.944.178 318.618 10.430 2.273.226 1.944.178 318.618 10.430 2.1-EQUIPE MÉDICANO 291.904 249.651 40.914 1.339 291.904 249.651 40.914 1.339 2.2-EQUIPE DE ENFERMAGEMNO 1.014.441 867.602 142.185 4.654 1.014.441 867.602 142.185 4.654 % SOBRE TOTAL 44,63% 44,63% 2.3-EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DIRETANO 364.898 312.080 51.145 1.674 364.898 312.080 51.145 1.674 2.4-EQUIPE MULTIPROFISSIONAL INDIRETANO 601.982 514.846 84.375 2.762 601.982 514.846 84.375 2.762 3-LEITOSNO 243.531 208.280 34.134 1.117 243.531 208.280 34.134 1.117 4-EDIFICAÇÕES - ÁREA EM M 2 30.405.250 25.778.323 4.467.549 159.378 30.405.250 25.778.323 4.467.549 159.378 % SOBRE TOTAL 100,00% 84,78% 14,69% 0,52% 100,00% 84,78% 14,69% 0,52% 5-RECEITASMERCADO DE SERVIÇOS - EM R$ MIL 351.701.852 269.844.113 75.383.538 6.474.200 639.931.844 513.828.451 118.105.115 7.998.278 R$/VIDA-ANO COM AIS 1.748,408 1.568,511 2.673,726 7.014,989 3.181,279 2.986,708 4.188,987 8.666,373 5.1-RECURSOS HUMANOSR$ MIL 244.336.888 207.154.858 35.901.264 1.280.766 532.566.880 451.139.195 78.622.840 2.804.844 5.1A-EQUIPE MÉDICAR$ MIL 100.981.857 85.614.916 14.837.613 529.327 220.104.270 186.451.067 32.493.990 1.159.212 5.1B-EQUIPE DE ENFERMAGEMR$ MIL 70.826.645 60.048.582 10.406.804 371.259 154.376.712 130.773.032 22.790.632 813.048 5.1C-EQUIPE MULTIPROF.DIRETAR$ MIL 37.619.654 31.894.873 5.527.586 197.195 81.997.369 69.460.247 12.105.270 431.852 5.1D-EQUIPE MULTIPROF.INDIRETAR$ MIL 34.908.732 29.596.487 5.129.261 182.985 76.088.530 64.454.850 11.232.949 400.732 5.2-DESPESAS DIRETASR$ MIL 43.424.183 36.816.096 6.380.465 227.621 43.424.183 36.816.096 6.380.465 227.621 5.3-DEPESAS INDIRETASR$ MIL 5.326.487 4.515.927 782.639 27.920 5.326.487 4.515.927 782.639 27.920 5.4-DEPRECIAÇÃO PARA REPOSIÇÕESR$ MIL 11.049.216 9.367.799 1.623.500 57.918 11.049.216 9.367.799 1.623.500 57.918 5.5-REM.DE INVEST.P/AMORTIZ.E JUROSR$ MIL 14.141.405 11.989.433 2.077.846 74.126 14.141.405 11.989.433 2.077.846 74.126 5.6-LUCROR$ MIL 20.121.791 0 16.368.000 3.753.791 20.121.791 0 16.368.000 3.753.791 5.7-ENCARGOS S/FATURAMENTOSR$ MIL 13.301.882 0 12.249.825 1.052.058 13.301.882 0 12.249.825 1.052.058 6-REMÉDIOS ADQUIRIDOS P/USUÁRIOSR$ MIL Em DD Em DD Em DD Em DD Em DD Em DD Em DD Em DD Fonte: BDAtualizados do livro "SAÚDE DA SAÚDE DO BRASIL COM SUAS VERDADES CONVENIENTES NAS OFERTAS E DEMANDAS" NOTA: 12 OS NÚMEROS DOS RH-AIS.RO SÃO OS NECESSÁRIOS E SUFICIENTES SINALIZADOS PELAS DEMANDAS-AIS.RO DAS POPULAÇÕES –PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE- CONFORME SEUS PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS – DEVIDAMENTE EQUALIZADOS COM 40 HORAS/SEMANA.
  9. 9. 5.CONCLUSÕES PARA SE OPERACIONALIZAR O SETOR DE SAÚDE COM O QUE SE ENTENDE POR ADMINISTRAÇÃO - É INESCAPÁVEL INTERNALIZAR OS PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS DECODIFICADOS PARA ESSA FINALIDADE – PARA QUE SE TENHAM AS MÉTRICAS INFERIDAS E DETERMINANTES APLICÁVEIS EM AIS/LCA. PARA ISSO, AS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE CARECEM DE NOVAS PROFICIÊNCIAS PARA IMPLEMENTAR AS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS DO MOISMODELO OPERACIONAL PARA INSTITUIÇÕES DE SAÚDE. LEMBRANDO QUE, ATÉ O MOMENTO, ESTÃO SENDO “ADMINISTRADAS” -FOCADA NO FINANCEIRO- COM MODELO OPERACIONAL DE INDÚSTRIACOMÉRCIO QUE, POR SUA VEZ, NÃO CAPTA AS ESPECIFICIDADES DAS LEIS-DE-FORMAÇÃO DOS PROCESSOS DOS PROTOCOLOS TÉCNICO-OPERACIONAIS DE AIS/LCA. ENQUANTO ISSO, AS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COMPONDO O SETOR DE SAÚDE CONTINUARÃO EM “VOO QUASE CEGO” – ACENTUANDO SEUS PROBLEMAS ESTRUTURAIS OU GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS E FINANCEIROS. SÃO AS MÉTRICAS DAS CONFORMIDADES-AIS/LCA0aN QUE VIABILIZA AGENDA POSITIVA PARA INTERAGIR COM OS DEMAIS SETORES DA SOCIEDADE – PORQUE DEMONSTRAM QUANTO CADA PLEITO-SAÚDE AGREGA DA E NA SOCIEDADE. SABE-SE QUE O SETOR DE SAÚDE É EXTREMAMENTE SISTÊMICO E FORTEMENTE INTENSIVO DE RECURSOS HUMANOS. VEJA EM “4b.2” QUE SE O BRASIL-2013 ESTIVESSE ATENDENDO SUAS DEMANDAS-AIS.RO NO ANO 1 DE SUA CARREIRA PROFISSIONAL, OS RECURSOS HUMANOS REPRESENTARIAM 69,47% DAS RECEITAS- AIS.RO -NECESSÁRIAS E SUFICIENTES– COM RH^SUS=76,77%. ESSA PARTICIPAÇÃO SERIA DE 83,22% NO ANO MÉDIO(LIMITE) – COM RH^SUS=87,8%. NESSES CENÁRIOS, CONFORME “4d”, AS EQUIPES DE ENFERMAGEM REPRESENTARIAM 44,63% DAS RECEITAS-AIS/LCA.RO – ONDE AS MÉDIAS EM R$/VIDA-ANO COM AIS.ROANO1 SÃO DE: BRASILR$ 1.748,41; SUSR$ 1.568,51 e Não-SUSR$ 2.811,33. ESSA MÉDIAS EM R$/VIDA-ANO COM AIS.ROANOMÉDIO SÃO DE: BRASILR$ 3.181,28; SUSR$ 2.986,71 E NÃO-SUSR$ 4.330,90. EM “4b.1” TEM-SE OS REFERENCIAIS DO ÂMBITO DA LRF(LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL). TRATA-SE SUMÁRIO DAS OFERTAS-AIS.RDIDSEM OS REMÉDIOS ADQUIRIDOS PELOS USUÁRIOS DO BRASIL-2013 – QUE SINALIZAM OS RECURSOS HUMANOS REPRESENTANDO 66,76% DA RECEITA TOTAL -NO MERCADO DE SERVIÇOS- COM SUS=75,87%. PELA LRF, O LIMITE MÉDIO DOS RECURSOS HUMANOS PARA O SUS É DE 55,73%(SUSFEDERAL =50% E SUSEST^MUN =60%). A DIFERENÇA OCORRE POR CONTA DAS TERCEIRIZAÇÕES DE RH E DE SERVIÇOS NO SUS. LEMBRANDO QUE AS TERCEIRIZAÇÕES DE SERVIÇOS-SUS AUMENTAM OS CUSTOS MÉDIOS EM 25%, PELO MENOS. COMO COROLÁRIO DIRETO – SE TEM MENOS RECURSOS ALOCADOS NA ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR. ESSES REFERENCIAIS DE PARTICIPAÇÃO SINALIZAM QUE APOIO FINANCEIRO ADICIONAL -SEM PROJETO DE SUSNOVO , ELIMINADOR DE SEUS PROBLEMAS ESTRUTURAIS- ACENTUARÁ OS GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS E FINANCEIROS E A REJEIÇÃO DOS DEMAIS SETORES DA SOCIEDADE. ISSO É INESCAPÁVEL DADA A NATUREZA SISTÊMICA EXTREMADA DESSE IMPORTANTE SETOR. LOGO, APOIO FINANCEIRO ADICIONAL PARA O SETOR DE SAÚDE NÃO PODERÁ SER DESTINADO A RECURSOS HUMANOS E SIM PARA TERCEIRIZAÇÕES, DESPESAS DIRETAS, DESPESAS INDIRETAS E CUSTO DE CAPITAL - QUE, POR SUA VEZ, JÁ ESTÃO MUITO INFLADOS. NESSE CENÁRIO, AS EXPECTATIVAS DE FUTURO PROMISSOR PARA AS EQUIPES DE ENFERMAGEM - PARECE COMPROMETIDA. NO ATUAL MODELO DE “ADMINISTRAÇÃO”, AO QUE PARECE, SE PRIORIZA MAIS FORTEMENTE AS EQUIPES MÉDICAS, INVESTIMENTOS(CUSTO DE CAPITAL=DR+RI), DESPESAS DIRETASINDIRETAS E TERCEIRIZAÇÕES. O SETOR DE SAÚDE DO BRASIL-2013 -EM RELAÇÃO ÀS REMUNERAÇÕES DIGNAS EM CARREIRA PROFISSIONAL NO PRIMEIRO ANO- SINALIZA REMUNERAÇÃO MÉDIA DAS EQUIPES DE ENFERMAGEM(ENFERMEIRO, TÉCNICO, AUXILIAR) COM DEFASAGEM DE 81,69%. ENQUANTO ISSO, AS DEMAIS EQUIPES CONTAM COM AS SEGUINTES DEFASAGENS: *MÉDICA COM 35,23%; *MULTIPROFISSIONAL DIRETA COM 1,85% E *MULTIPROFISSIONAL INDIRETA COM -8,55% E OS *DEMAIS GRUPOS DE CUSTOS COM 21,92%(DESPESA DIRETA + DESPESA INDIRETA + DEPRECIAÇÃO P/REPOSIÇÕES + REMUNERAÇÃO DE INVESTIMENTOS P/AMORTIZAÇÕES E JUROS + LUCRO BRUTO + ENCARGOS S/FATURAMENTOS). PELO EXPOSTO, PARECE EVIDENTE, QUE A ENFERMAGEM CARECE SE EMPENHAR FORTEMENTE NA OPERACIONALIZAÇÃO DE MAIS LIDERANÇAS - NOS ÂMBITOS DA ADMINISTRAÇÃO DE GESTÕES E GOVERNANÇA DO SETOR DE SAÚDE. MAS, A EFICIÊNCIA E EFICÁCIA DESSAS LIDERANÇAS EXIGE A INTERNALIZAÇÃO DE NOVAS PROFICIÊNCIAS PARA INTERAGIR COM AGENDA POSITIVA – DE PROJETOS COM MÉTRICAS-AIS/LCA, VÁLIDAS NOS MERCADOS DE FATORES E DE SERVIÇOS.

×