VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 0.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 1.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 2.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 3.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 4.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 5.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 6.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 7.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 8.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 9.
Miss...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 10.
Mis...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 11.
Mis...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 12.
Mis...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 13.
Mis...
VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 14.
Mis...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Saúde da Saúde do Brasil-2013 – Uma Questão de Ponto de Vista

512 visualizações

Publicada em

O estudo “Saúde da Saúde do Brasil-2013 – Uma Questão de Ponto de Vista”

I.Trata dos recursos alocados na Saúde comparados com os repassados para Atenção Básica, Ambulatorial e Hospitalar. Para isso, tem-se:
0-Apresentação das Demandas-AIS.RO, Ofertas-AIS.RDID, Capacidade, Exclusões e Custo-Saúde no Custo-Brasil em 2013
1-Perfil das Receitas-AIS.RO\Necessárias e Suficientes - Dados-ANS\Heterogêneos
2-Perfil das Receitas-AIS.RO\Necessárias e Suficiente - Dados-ANS\Equalizados com Vidas-AIS.RO
3-Perfil das Receitas-AIS.RDID\Sinalizadas no Mercado de Serviços – Dados Equalizadas com Vidas-AIS.RDID
4-Perfil das Receitas-AIS.RDID\Repassadas para Atenção Básica, Ambulatorial e Hospitalar – Dados Equalizados com Vidas-AIS.RDID
5-Nanosíntese das Demandas-AIS.RO, Ofertas-AIS.RDID, Capacidade, Exclusões e Custo-Saúde no Custo-Brasil em 2013:
5.1\Demandas com Dados Nominais da ANS - Vidas com AIS.RO por Fonte; 5.2\Demandas com Dados-ANS Equalizados - Vidas com AIS.RO por Fonte; 5.3\Ofertas com Dados Equalizados - Vidas com AIS.RDID por Fonte; 5.4\Capacidade de Atendimentos com Recursos Disponíveis – Vidas com AIS.RO por Fonte; 5.5\Exclusões de Vidas com AIS por Fonte; 5.6\Custo-Saúde no Custo-Brasil por Fonte – dos Dados-ANS\Heterogêneos, dos Dados-ANS\Equalizados e dos Dados por Gestões-RDID.

II.Essa numerologia sinaliza que as lideranças da saúde estão equivocadas nos encaminhamentos dos pleitos do Setor de Saúde - aos olhos dos demais setores da sociedade. Ao que tudo indica, os Demais Setores da sociedade estão interessados no melhor para esse setor. Mas, querem discutir o Setor de Saúde indutor do desenvolvimento sustentado do Brasil.
Em outras palavras, os demais setores querem que as lideranças do Setor de Saúde se apresentem com projeto que demonstre “com quem”(recursos humanos/equipe e cargo-função - dignamente remunerados em carreira profissional), “com o que”(Investimentos\clínicos^cirúrgicos^laboratoriais^demais, Despesas Diretas, Despesas Indiretas), “para quem”(populações pediátrica, gestante, adulta e terceira idade - conforme perfis epidemiológicos), “como”(métricas dos processos aplicáveis) e “quando”(Benchmarkings a partir da situação atual na direção do seu Benchmark) eliminará os problemas estruturais da saúde ou Gestões-RDIDd(Recursos Desbalanceados, Inadequados e Desarticulados) dos gargalos técnicos, operacionais, administrativos, econômicos e financeiros.
A numerologia em questão sinaliza que o Setor de Saúde -ao focar o hoje e amanhã- tem tudo para seduzir os Demais Setores da sociedade. Ao final das contas, carece de mais R$ 180,751 bilhões/ano(632.992.353.305-452.241.292.142=180.751.061.163) e, em troca, devolverá à sociedade R$ 1,0943 trilhão/ano com a eliminação das Gestões-RDID e Exclusões de Vidas com AIS.
Em outras palavras, pode propor aos Demais Setores que o Setor de Saúde pode retornar à sociedade R$ 5,05 para cada R$ 1,00 adicional recebido.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Saúde da Saúde do Brasil-2013 – Uma Questão de Ponto de Vista

  1. 1. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 0. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde SAÚDE DA SAÚDE DO BRASIL-2013 – UMA QUESTÃO DE PONTO DE VISTA DOS RECURSOS ALOCADOS NA SAÚDE AOS REPASSADOS PARA ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR por Orlando Cândido dos Passos* - passos@siatoef.com.br Sumário: 0-Apresentação das Demandas-AIS.RO 1 , Ofertas-AIS.RDID 2 , Capacidade 3 , Exclusões 4 e Custo-Saúde no Custo-Brasil 5 em 2013 1-Perfil das Receitas-AIS.RONecessárias e Suficientes - Dados-ANSHeterogêneos 2-Perfil das Receitas-AIS.RONecessárias e Suficiente - Dados-ANSEqualizados com Vidas-AIS.RO 3-Perfil das Receitas-AIS.RDIDSinalizadas no Mercado de Serviços – Dados Equalizadas com Vidas-AIS.RDID 4-Perfil das Receitas-AIS.RDIDRepassadas para Atenção Básica, Ambulatorial e Hospitalar – Dados Equalizados com Vidas-AIS.RDID 5-NANOSÍNTESE DAS DEMANDAS-AIS.RO, OFERTAS-AIS.RDID, CAPACIDADE, EXCLUSÕES E CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL EM 2013: 5.1Demandas com Dados Nominais da ANS - Vidas com AIS.RO por Fonte; 5.2Demandas com Dados-ANS Equalizados - Vidas com AIS.RO por Fonte; 5.3Ofertas com Dados Equalizados - Vidas com AIS.RDID por Fonte; 5.4Capacidade de Atendimentos com Recursos Disponíveis – Vidas com AIS.RO por Fonte; 5.5Exclusões de Vidas com AIS por Fonte; 5.6Custo-Saúde no Custo-Brasil por Fonte – dos Dados-ANSHeterogêneos, dos Dados-ANSEqualizados e dos Dados por Gestões-RDID. Notas: 1 AIS.RO=Ações Integrais de Saúde(em unidades específicasUnEsp equalizadas com unidade equivalente a uma consulta médicaUnEqv) com Recursos Otimizados no momento de Qualidade Máxima com Remunerações Dignas em Carreira Profissional; 2 RDID=Recursos Desbalanceados, Inadequados e Desarticulados devidamente parametrizados ou Gestões-RDID dos gargalos técnicos, operacionais, administrativos, econômicos e financeiros – que gera Qualidade Insatisfatória; 3 Capacidade de Atendimento com os Recursos sinalizados como Disponíveis no mercado de serviços; 4 Exclusões de Vidas com AIS(pGestõesRDID=Capacidade-Ofertas e pFalta de Recursos=Demandas-Capacidade); 5 Custo-Saúde no Custo-Brasil dados pelas Exclusões que, por sua vez, potencializa os custos dos tratamentos tardios. *Autor do livro “SAÚDE MERECIDA, DEVIDA E RECEBIDA NO BRASIL COM MÉTRICAS INFERIDAS E DETERMINANTES” – que internaliza DADOS PRIMÁRIOS e DERIVADOS DAS FONTES OFICIAIS(públicas e privadas), tais como: *IBGE(Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticahttp://www.ibge.gov.br); *DataSUS(Base de Dados do Sistema Único de Saúdehttp://www.datasus.gov.br); *ANS(Agência Nacional de Saúde Suplementarhttp://www.ans.gov.br); *CNES(Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúdehttp://cnes.datasus.gov.br); *SIOPS(Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúdehttp://portalsaude.saude.gov.br); *SUS^FederalMinistério do Planejamento(http://www.planejamento.gov.br); *SUS^EstadualDespesas Liquidadas com Saúde pelos Governos Estaduais(http://www.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?siops/siops_indic/estado/anual/indufprv.def); *SUS^MunicipalDespesas Liquidadas com Saúde pelos Governos Municipais(http://siops.datasus.gov.br/rel_subfuncao.php); *Senado Federal(http://www9.senado.gov.br/portal/page/portal/orcamento_senado/SigaBrasil Orçamento da União); *Secretarias Estaduais de Saúde(consultas específicas vide sites estaduais de saúde); *Secretarias Municipais de Saúde(consultas específicas vide sites municipais de saúde); *Ministério da Fazenda(http://www.fazenda.gov.br); *Secretarias Estaduais de FazendaDemonstrativos da Execução da Despesa por Função/Subfunção conforme LRF(http://www.fazenda.UF.gov.br); *Secretarias Municipais de Finanças(para consultas específicas vide sites municipais); *Ministério do Planejamento(http://www.planejamento.gov.br); *Secretarias Estaduais de PlanejamentoDemonstrativos dos Orçamentos por Função/Subfunção(http://www.planejamento.UF.gov.br); *Secretarias Municipais de Planejamento, Orçamento e Gestão(vide portais dos municípios); *FGV-Dados(Base de Dados da Fundação Getúlio Vargashttp://portalibre.fgv.br); *IPEA(Instituto de Pesquisa Econômica Aplicadahttp://www.ipea.gov.br); *Banco Central do Brasil(http://www.bcb.gov.br/pt-br); *Outros(Abrafarma, Anahp, Bireme, CEBES, Febrapar, Fiocruz, Fipe, IESS, IESCUFRJ, NESP, Indicadores-Proahsa). Lembrando que os BDAtualizados da Metodologia-SIATOEF contida neste livro - conta com dados primários e derivados próprios decorrentes de atuações diretas em 2.164 LINHAS DE CUIDADOS ASSISTENCIAIS(654 são hospitais de médio e grande porte). Esse acervo viabilizou a arquitetura sistêmica -integrada e integradora- que, por sua vez, disponibiliza as métricas das leis-de-formação dos processos técnico-operacionais de ações integrais de saúde/linhas de cuidados assistenciais(AIS/LCA por equipes: médica, enfermagem, multiprofissional direta e multiprofissional indireta) - explicitadas nos seus termos econômico-financeiros, conforme validação dos mercados de fatores e de serviços. Trata-se de arquitetura sistêmica com modelagens de Programas de Procedimentos/LCA compondo IS(Instituições de Saúde) e AIS equalizados e articulados com seus Recursos(humanos, investimentos, despesas diretas e indiretas), Custos por Processos(indicadores de eficiência econômica, porque internaliza eficiência e eficácia técnico-operacionais respectivos), Receitas por Fontes(indicadoras de eficácia econômica – porque são embasadas nos seus Custos por Processos) e Desempenhos(diretos e sociais) – que disponibilizam MÉTRICAS INFERIDAS e MÉTRICAS DETERMINANTES, válidas nos MERCADOS DE FATORES e nos MERCADOS DE SERVIÇOS. Assim, os dados oficiais são internalizados e processados - assegurando a integridade satisfatória dos processos dos protocolos aplicáveis aos perfis epidemiológicos das populações pediátrica, gestante, adulta e terceira idade. A partir daí tem-se as consolidações em *DIAGNÓSTICO-LCA/IS.RDID0Situação Atual(MÉTRICAS INFERIDAS dos recursos desbalanceados, inadequados e desarticulados); *PROGNÓSTICO-LCA/IS.RONBenchmark(MÉTRICAS DETERMINANTES dos Recursos Otimizados no momento de Qualidade Máxima com Remunerações Dignas – em Carreira Profissional); *Tratamentos de RDID1 a RON-1Benchmarkings(EVENTOS eliminadores dos gargalos técnicos, operacionais, administrativos, econômicos e financeiros – convergindo para METAS e OBJETIVOS na direção de LCA/IS.RON) e Navegador Orçamentário por Processos-LCA/IS0aN ou Conformidades-LCA/IS0aN ou ferramenta de monitoramento e manutenção atualizada com planejamentos dinâmicos. O livro referenciado e sua ”EXTENSÃO-1” – está disponível nas principais bibliotecas Virtuais inclusive na do Ministério da Saúde. Vide hiperlinks: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_merecida_recebida_brasil.pdf e http://www.slideshare.net/SIATOEF/extenso-1-do-br09-res322-br09lrfspe09lrfspc09lrf
  2. 2. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 1. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 0-Apresentação das Demandas-AIS.RO, Ofertas-AIS.RDID, Capacidade, Exclusões e Custo-Saúde no Custo-Brasil em 2013 DOS RECURSOS ALOCADOS NA SAÚDE AOS REPASSADOS PARA ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR 0a-Apresentação dos Cenários-AIS.RO2013 com Dados-ANSHeterogêneos No âmbito da Administração –em todo o mundo- é inaceitável somar dados heterogêneos. No entanto, é o que se faz na ANS e, ao que parece, tem anuência plena das lideranças da saúde(operacionais e acadêmicas). Por isso, usando os BDAtualizados da Metodologia-SIATOEF(Sistema Integrador de Administração Técnico-Operacional e Econômico-Financeira para Instituições de Saúde), desenvolvido para essa finalidade, fiz as simulações dos Cenários-LCA/IS compondo AIS. Como resultante desses processamentos –integrados e integradores- tem-se o Brasil-2013 de 200,5 milhões de Vidas(IBGE+PopSitRua) - contemplando as seguintes coberturas: SUS com 63,317%126.941.241 Vidas(Total menos AMS e Particular); AMS com 35,683%71.538.242 Vidas(Beneficiários de Planos de Assistência Médica + Planos Exclusivamente Odontológicos) e Particular com 1%2.004.843 Vidas(valor próximo das amostragens SIATOEF). As RECEITAS necessárias ao atendimento dessas Demandas-AIS/LCA - seria de R$ 401,214 bilhões/ano no Ano-1 ou R$ 2.001,22/Vida-Ano com AIS.RO(Quadro Funcional com Remunerações Dignas em Carreira Profissional) ou 8,348% do PIB e de R$ 686,759 bilhões/ano no Ano-Médio ou R$ 3.425,50/Vida-Ano com AIS.RO ou 14,29% do PIB. Nessas RECEITAS têm- se as seguintes participações: SUS com 49,23%R$ 197,517 bilhões(21,024%União; 16,851%Estados e 11,355%Municípios) ou R$ 1.555,97/Vida-Ano com AIS.RO; AMS com 47,293%R$ 189,745 bilhões ou R$ 2.652,35/Vida-Ano com AIS.RO e Particular com 3,477%R$ 13.952 bilhões ou R$ 6.958,92/Vida-Ano com AIS.RO. Lembrando que os sistemas AMS e Particular atendem até os limites do que foi contratado. As amostragens da Metodologia-SIATOEF sinalizam que esses limites são de: AMS com 12,2467 UnEqv/Vida-Ano ou 35,438% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano. Particular com 14,1379 UnEqv/Vida-Ano ou 43,244% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano. As diferenças entre o CONTRATADO -tido como atendido- e a média de AIS ou 31,4807 UnEqv/Vida-Ano - resulta em EXCLUSÕES de 81.081.293 Vidas com AIS(79,9%SUS e 20,1%Não- SUS) – que, por sua vez, remete a tratamentos tardios com custos potencializados. Logo, tem-se a sinalização de deseconomias no valor de R$ 1,355 trilhão/ano(29,35%SUS e 70,65%Não-SUS) – contabilizadas pelos DEMAIS SETORES como CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL. Do exposto infere-se que a utilização dos DADOS HETEROGÊNEOS da ANS - com PROCESSAMENTOS SISTÊMICOS com MÉTRICAS INFERIDAS e DETERMINANTES de AIS/LCA conforme perfis epidemiológicos das populações(pediátrica, gestante, adulta e terceira idade) sinaliza contradições estranhas e desorbitadas. Agora imagine as contradições e desorbitamentos das posturas das lideranças da saúde(operacionais e acadêmicas) usando dados heterogêneos da saúde - de forma fragmentada. A probabilidade de acertarem é quase zero. 0b-Apresentação dos Cenários-AIS.RO2013 com Dados-ANSEqualizados No âmbito da Administração –em todo o mundo- é inaceitável somar dados heterogêneos. Por isso, usando os BDAtualizados da Metodologia-SIATOEF(Sistema Integrador de Administração Técnico-Operacional e Econômico-Financeira para Instituições de Saúde), desenvolvido para essa finalidade, fiz as simulações dos Cenários-LCA/IS.RO compondo AIS. Como resultante desses processamentos –integrados e integradores- tem-se que o Brasil-2013 de 200,5 milhões de Vidas(IBGE+PopSitRua) - contemplando as seguintes coberturas: SUS com 85,6583%171.731.496 Vidas com AIS.RO; AMS com 13,8813%27.829.921 Vidas com AIS.RO(Beneficiários de Planos de Assistência Médica + Planos Exclusivamente Odontológicos – equalizadas com UnEqv) e Particular com 0,4603%922.910 Vidas com AIS.RO. As RECEITAS necessárias ao atendimento dessas Demandas-AIS.RO - seria de R$ 347,447 bilhões/ano no Ano-1 ou R$ 1.733,04/Vida-Ano com AIS.RO(Quadro Funcional com Remunerações Dignas em Carreira Profissional) ou 7,23% do PIB e de R$ 632,992 bilhões/ano no Ano-Médio ou R$ 3.157,32/Vida-Ano com AIS.RO ou 13,171% do PIB. Nessas receitas têm- se as seguintes participações: SUS com 76,907%R$ 267,21 bilhões(32,843%União; 26,324%Estados e 17,739%Municípios) ou R$ 1.555,974/Vida-Ano com AIS.RO;
  3. 3. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 2. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde AMS com 21,245%R$ 73,815 bilhões ou R$ 2.652,354/Vida-Ano com AIS.RO e Particular com 1,848%R$ 6,4225 bilhões ou R$ 6.958,918/Vida-Ano com AIS.RO. Lembrando que os sistemas AMS e Particular atendem até os limites do que foi contratado. As amostragens da Metodologia-SIATOEF sinalizam que esses limites são de: Planos de Assistência Médica com 17,18979 UnEqv/Vida-Ano ou 54,6043% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano; Planos Exclusivamente Odontológicos com 0,80256 UnEqv/Vida-Ano ou 2,5494% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano e Particular com 15,60767 UnEqv/Vida-Ano ou 49,5786% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano. Nessas simulações inexistem diferenças entre o CONTRATADO -tido como atendido- e a média de AIS ou 31,4807 UnEqv/Vida-Ano e, portanto, inexistem EXCLUSÕES e CUSTO- SAÚDE NO CUSTO-BRASIL. Logo, o que não é contratado integra a Cobertura-SUS. Trata-se do atendimento pleno das Demandas-AIS/LCA.RO. Os Cenários-AIS.RO ou Benchmark – são EQUALIZADOS no momento de QUALIDADE MÁXIMA com REMUNERAÇÕES DIGNAS –em relação ao mercado comparável- com QUADRO FUNCIONAL em CARREIRA PROFISSIONAL no Ano-1 e no Ano-Médio. Nesse estudo, trata-se do “norte” das Demandas-AIS/LCA(sem exclusões e custo-saúde no custo-Brasil) que são indutoras do desenvolvimento sustentado do Brasil. 0c-Apresentação dos Cenários-AIS.RDID2013 com Dados-ANSEqualizados No âmbito da Administração –em todo o mundo- é inaceitável somar dados heterogêneos. Por isso, usando os BDAtualizados da Metodologia-SIATOEF(Sistema Integrador de Administração Técnico-Operacional e Econômico-Financeira para Instituições de Saúde), desenvolvido para essa finalidade, fiz as simulações dos Cenários-LCA/IS.RDID compondo AIS. Como resultante desses processamentos –integrados e integradores- tem-se que o Brasil-2013 de 200,5 milhões de Vidas(IBGE+PopSitRua) – sinalizando atender até 128,402 milhões de Vidas com AIS.RDID - contemplando as seguintes coberturas: SUS com 79,581%102.183.020 Vidas com AIS.RDID; AMS com 19,744%25.351.784 Vidas com AIS.RDID(Beneficiários de Planos de Assistência Médica + Planos Exclusivamente Odontológicos – equalizadas com UnEqv) e Particular com 0,675%866.978 Vidas com AIS.RDID. As OFERTAS-AIS/LCA.RDID sinaliza contar com RECEITAS de R$ 381,502 bilhões ou R$ 2.971,16/Vida-Ano com AIS.RDID SEM REMÉDIOS ou 7,938% do PIB e de R$ 452,241 bilhões/ano ou R$ 3.522,08/Vida-Ano com AIS.RDID COM REMÉDIOS ou 9,41% do PIB. Nessas receitas têm-se as seguintes participações: SUS com 68,103%R$ 259,816 bilhões(29,084%União; 23,311%Estados e 15,709%Municípios) ou R$ 2.542,66/Vida-Ano com AIS.RDID; AMS com 28,105%R$ 107,22 bilhões ou R$ 4.229,29/Vida-Ano com AIS.RDID e Particular com 3,792%R$ 14,466 bilhões ou R$ 16.685,27/Vida-Ano com AIS.RDID. Lembrando que os sistemas AMS e Particular atendem até os limites do que foi contratado. As amostragens da Metodologia-SIATOEF sinalizam que esses limites são de: Planos de Assistência Médica com 17,18979 UnEqv/Vida-Ano ou 54,6043% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano; Planos Exclusivamente Odontológicos com 0,80256 UnEqv/Vida-Ano ou 2,5494% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano e Particular com 15,6077 UnEqv/Vida-Ano ou 49,5786% da média de AIS - que é de 31,4807 UnEqv/Vida-Ano. As diferenças entre o CONTRATADO -tido como atendido- e a média de AIS ou 31,4807 UnEqv/Vida-Ano - resulta em EXCLUSÕES de 81.081.293 Vidas com AIS(96,9%SUS e 3,1%Não- SUS) que, por sua vez, remete a tratamentos tardios com custos potencializados. Logo, tem-se a sinalização de deseconomias no valor de R$ 1,0943 trilhão/ano(90,5%SUS e 9,5%Não- SUS) – contabilizadas pelos DEMAIS SETORES como CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL. Os CENÁRIOS-AIS.ROHETEROGÊNEOS comparados com os CENÁRIOS-AIS.ROEQUALIZADOS – explicita a Saúde da Saúde do Brasil-2013 com as seguintes indicações básicas: As DEMANDAS-AIS/LCA.RO de 200.484.327 Vidas(SUS=85,658%; AMS=13,881% e Particular=0,46% - com perfis epidemiológico de 2010) carece de 6,3114 bilhões de UnEqv(unidade equivalente a uma consulta médica) ou 31,48067 UnEqv/Vida-Ano com AIS.RO(recursos otimizados com QUALIDADE MÁXIMA e REMUNERAÇÕES DIGNAS em Carreira Profissional) – cujas RECEITAS necessárias são de R$ 347,447 bilhões/ano no Ano-1(SUS=76,907% com R$ 1.555,974/Vida-Ano cAIS.RO, AMS=21,245% com R$ 2.652,354/Vida-Ano cAIS.RO e Particular=1,848% com R$ 6.958,918/Vida-Ano cAIS.RO) ou R$ 1.733,038/Vida-Ano com AIS.RO.
  4. 4. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 3. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde Todavia, as OFERTAS-AIS.RDID sinalizam atender até 128.401.781 Vidas(SUS=79,581%; AMS=19,744% e Particular=0,675%) ou 4,0422 bilhões de UnEqv ou 31,48067 UnEqv/Vida-Ano com AIS.RDID(recursos desbalanceados, inadequados e desarticulados – implicando em qualidade insatisfatória) – cujas RECEITAS sinalizadas –como disponíveis no mercados de serviços- são de R$ 381,502 bilhões/ano SEM REMÉDIOS adquiridos diretamente pelos usuários(SUS=68,103% com R$ 2.542,66/Vida-Ano cAIS.RDID, AMS=28,105% com R$ 4.229,29/Vida-Ano cAIS.RDID e Particular=3,792% com R$ 16.685,27/Vida-Ano cAIS.RDID) ou R$ 2.971,16/Vida-Ano com AIS.RDID SEM REMÉDIOS. COM REMÉDIOS, esse valor passa para R$ 3.522,08/Vida-Ano com AIS.RDID(SUS com R$ 3.093,58/Vida- Ano cAIS.RDID, AMS=28,105% com R$ 4.780,21/Vida-Ano cAIS.RDID e Particular=3,792% com R$ 17.236,19/Vida-Ano cAIS.RDID). Essas OFERTAS-AIS.RDID explicitam EXCLUSÕES de 81.081.293 Vidas com AIS - por conta das GESTÕES-RDID dos GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS e FINANCEIROS. Trata-se de EXCLUSÕES potencializadoras dos custos dos tratamentos tardios –em relação aos precoces respectivos- gerando deseconomias no valor de R$ 1,0943 trilhão/ano(SUS=90,506%, AMS=8,33% e Particular=1,164%) – contabilizadas pelos DEMAIS SETORES como CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL. Em outras palavras, o SETOR DE SAÚDE ao eliminar as inaceitáveis EXCLUSÕES de VIDAS -do acesso à saúde- AGREGA R$ 5.458,23/Habitante- Ano(R$ 454,853/Vida-Mês) na sociedade. Agora se pode visualizar o “tamanho” acumulado das GESTÕES-RDID DOS GARGALOS TÉCNICOS, OPERACIONAIS, ADMINISTRATIVOS, ECONÔMICOS e FINANCEIROS. Para isso, basta dividir as RECEITAS MÉDIAS de AIS.RDID pelas RECEITAS MÉDIAS de AIS.RO –equalizadas em Vidas com AIS- e têm-se as sinalizações das EXCLUSÕES acumuladas, ou seja: DISCRIMINAÇÃO R$/VIDA-ANO CAIS.RO R$/VIDA-ANO CAIS.RDID RDID/RO: Ki 1.S U S 1.555,974 3.093,576 1,98819 2.SISTEMA-AMS 2.652,354 4.780,214 1,80225 3.SISTEMA-PARTICULAR 6.958,918 17.236,190 2,47685 TOTAL 1.733,038 3.522,080 2,03232 Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” Em outras palavras, o quadro anterior sinaliza que para cada 100 Vidas atendidas com AIS.RIDD o SUS EXCLUI 99, o Sistema-AMS exclui 80 e o Sistema-Particular EXCLUI 148. Na média geral tem-se 103 EXCLUSÕES para cada 100 Vidas atendidas com AIS.RDID. 0d-Apresentação dos Cenários-AIS.RDID2013 com os Valores dos Recursos Repassados para ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR No âmbito da Administração –em todo o mundo- é inaceitável somar dados heterogêneos. Por isso, usando os BDAtualizados da Metodologia-SIATOEF, desenvolvido para essa finalidade, fiz as simulações dos Cenários-LCA/IS.RDID compondo AIS – constantes em “0c”. Observe que o item “0c-Cenários-AIS.RDID2013 com Dados-ANSEqualizados” contempla os valores dos RECURSOS tidos como alocados no SETOR DE SAÚDE. São os valores ORÇAMENTÁRIOS na FUNÇÃO-SAÚDE. São os RECURSOS tidos como alocados no MERCADO DE SERVIÇOS DA SAÚDE visualizados pelos DEMAIS SETORES da sociedade. Mas, simultaneamente, tem-se a percepção dos RECURSOS destinados à ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL e HOSPITALAR. Para explicitar esses valores - se fez necessário ajustar os valores constantes em “0c”, ou seja: PARA O SUS – toma-se os valores dos RECURSOS alocados na FUNÇÃO-SAÚDE DOS ORÇAMENTOS-SUS menos os valores destinados aos seus PROJETOS ESPECÍFICOS(inclusive os recursos alocados em Hospitais de Ensino, Militares e de Servidores) e os dos PLANOS DE SAÚDE dos órgãos dos três poderes da UNIÃO, ESTADOS e MUNICÍPIOS. PARA OS SISTEMAS AMS E PARTICULAR – toma-se os valores dos RECURSOS constante em “0c” menos MARGENS DE LUCRO e ENCARGOS SOBRE FATURAMENTOS. Como resultante desses processamentos –integrados e integradores- tem-se que o Brasil-2013 de 200,5 milhões de Vidas(IBGE+PopSitRua) – sinaliza atender até 128,402 milhões de Vidas com AIS.RDID -sem considerar o impacto da redução referenciada- contempla as seguintes coberturas: SUS com 79,581%102.183.020 Vidas com AIS.RDID; AMS com 19,744%25.351.784 Vidas com AIS.RDID e
  5. 5. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 4. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde Particular com 0,675%866.978 Vidas com AIS.RDID. As OFERTAS-AIS/LCA.RDID da ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL e HOSPITALAR - sinaliza contar com RECEITAS de R$ 201,2024 bilhões ou R$ 1.566,98/Vida-Ano com AIS.RDID SEM REMÉDIOS(adquiridos diretamente pelos Usuários) ou 4,187% do PIB e de R$ 243,52 bilhões/ano ou R$ 1.896,54/Vida-Ano com AIS.RDID COM REMÉDIOS ou 5,067% do PIB. Nessas RECEITAS têm-se as seguintes participações: SUS com 65,775%R$ 132,341 bilhões(20,384%União; 25,075%Estados e 20,317%Municípios) ou R$ 1.295,14/Vida-Ano com AIS.RDID; AMS com 33,059%R$ 66,516 bilhões ou R$ 2.623,73/Vida-Ano com AIS.RDID e Particular com 1,166%R$ 2,345 bilhões ou R$ 2.705,13/Vida-Ano com AIS.RDID. Visão de Conjunto da Numerologia da Saúde da Saúde do Brasil-2013 Discriminação R$ 1.000 % do PIB VidasN o R$/Vida-Ano R$/UnEqv 1.AIS.RO^Equalizadas - no Ano 1 347.446.929 7,230% 200.484.327 1.733,04 55,051 2.AIS.RO com Dados-ANS(heterogêneos) - no Ano 1 401.213.520 8,348% 200.484.326 2.001,22 63,570 3.AIS.RDID^Equalizadas – Sem Remédios(adquiridos p/Usuários) 381.502.072 7,938% 128.401.781 2.971,16 94,380 4.AIS.RDID^EqualizadasAt.Básica^Ambulatorial^Hospitalar-Sem Remédios(adquiridos p/Usuários) 201.202.416 4,187% 128.401.781 1.566,98 49,776 1’.AIS.RO^Equalizadas – no Ano Médio 632.992.353 13,171% 200.484.327 3.157,32 100,294 2’.AIS.RO com Dados-ANS(heterogêneos) – no Ano Médio 686.758.943 14,290% 200.484.326 3.425,50 108,813 3’.AIS.RDID^Equalizadas – Com Remédios(adquiridos p/Usuários) 452.241.292 9,410% 128.401.781 3.522,08 111,881 4’.AIS.RDID^EqualizadasAt.Básica^Ambulatorial^Hospitalar-Com Remédios(adquiridos p/Usuários) 243.519.629 5,067% 128.401.781 1.896,54 60,245 Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” A partir do exposto se pode visualizar as percepções da Saúde da Saúde do Brasil-2013 – através das numerologias que refletem os seus vários pontos de vista. Para isso, é inescapável se ter métricas equalizadas aplicáveis nos vários Cenários-AIS – conforme perfis epidemiológicos das populações pediátrica, gestante, adulta e terceira idade. Em outras palavras, o Brasil-2013 para atender plenamente –com qualidade máxima e remunerações dignas- seus 200,5 milhões de habitantes - carece de R$ 347,447 bilhões no Ano-1 ou 7,23% do PIB ou R$ 1.733,04/Vida-Ano com AIS.RO - com QUADRO FUNCIONAL em CARREIRA PROFISSIONAL. Sem esse referencial, as discussões ficam sem “norte”. No limite, essa carreira profissional implica no aumento de R$ 285,545 bilhões/ano e o montante passa para R$ 632,992 bilhões/ano ou 13,17% do PIB ou R$ 3.157,32/Vida-Ano com AIS.RO. Enquanto isso, ao se processar as Demandas-AIS.RO sem equalizar os Dados-ANS(heterogêneos) - visualiza-se o SETOR DE SAÚDE desorbitado. O aparente atendimento pleno dos 200,5 milhões de habitantes - carece de R$ 401,214 bilhões no Ano-1 ou 8,348% do PIB ou R$ 2.001,22/Vida-Ano com AIS.RO que, por sua vez, é 15,5% maior que AIS.ROEqualizado. Esses valores passam para R$ 686,759 bilhões/ano ou 14,29% do PIB no Ano Médio(limite da Carreira Profissional) ou R$ 3.425,50/Vida-Ano com AIS.RO. Mas, os sistemas AMS e Particular atendem até o limite do CONTRATADO. Logo, em relação às COBERTURAS NOMINAIS, restam 81.081.293 VIDAS EXCLUÍDAS - que sinalizam gerar CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL de R$ 1,355 trilhão/ano. Ao se processar as Ofertas-AIS.RO devidamente equalizadas - visualiza-se o SETOR DE SAÚDE de 200,5 milhões de habitantes atendendo até 128,402 milhões de Vidas com AIS sob Recursos Desbalanceados, Inadequados e Desarticulados – com QUALIDADE INSATISFATÓRIA. Essas Ofertas-AIS.RDID sinalizam contar –no mercado de serviços- com R$ 381,05 bilhões SEM REMÉDIOS(adquiridos diretamente pelos Usuários) ou 7,938% do PIB ou R$ 2.971,16/Vida-Ano com AIS.RDID que, por sua vez, é 9,8% maior que AIS.ROEqualizado. Esses valores passam para R$ 452,241 bilhões/ano ou 9,41% do PIB COM REMÉDIOS(adquiridos diretamente pelos Usuários) ou R$ 3.552,08/Vida-Ano com
  6. 6. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 5. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde AIS.RDID. Nas consolidações finais, em relação às Demandas-AIS.RO, restam 81.081.293 VIDAS EXCLUÍDAS que, por sua vez, potencializam os custos dos tratamentos tardios. Assim, tem-se deseconomias sinalizadas no valor de R$ 1,094 trilhão/ano - que são contabilizadas pelos DEMAIS SETORES da sociedade como CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL. Agora se pode visualizar o sufoco da ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL e HOSPITALAR – onde se forma a percepção crua e dramática da “saúde direta” – a partir dos valores que lhes são repassados. Tratam-se dos valores das Ofertas-AIS.RDID menos: a.Valores dos programas específicos da UNIÃO, ESTADOS e MUNICÍPIOS - incluindo hospitais universitários, hospitais militares, hospitais de servidores e planos de saúde próprios e b.Valores das margens de lucro e dos encargos sobre faturamentos dos sistemas AMS e particular. Como resultante – tem-se as OFERTAS-AIS.RDID DA ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR “atendendo” até 128,402 milhões de Vidas com AIS sob Recursos Desbalanceados, Inadequados e Desarticulados – com QUALIDADE INSATISFATÓRIA. Essas OFERTAS-AIS.RDID sinalizam contar –no mercado de serviços- com R$ 201,202 bilhões SEM REMÉDIOS(adquiridos diretamente pelos Usuários) ou 4,187% do PIB ou R$ 1.566.98/Vida-Ano com AIS.RDID. Esses valores passam para R$ 243,52 bilhões/ano COM REMÉDIOS ou 5,067% do PIB ou R$ 1.896,54/Vida-Ano com AIS.RDID. Como tudo o mais permanece constante - nas consolidações finais, em relação às Demandas- AIS.RO, restam 81.081.293 VIDAS EXCLUÍDAS que, por sua vez, potencializam os custos dos tratamentos tardios. Assim, tem-se deseconomias sinalizadas no valor de R$ 1,094 trilhão/ano - que são contabilizadas pelos DEMAIS SETORES da sociedade como CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL. Observe que o atual SETOR DE SAÚDE ou Ofertas-AIS.RDID está sendo operacionalizado na base de R$ 2.971,16/Vida-Ano com AIS.RDID(onde SUS responde por 79,58% e o Não-SUS por 20,42%). Ao se comparar esta média com a média de R$ 1.566,98/Vida-Ano com AIS.RDID dos recursos repassados à ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR – tem-se a sinalização de que sua resolutividade baixa e, em relação as dos níveis de AIS.RO, corresponde a cerca de 1/3 da população brasileira{(1.566,98/2.971,16) x 128.401.781] = 67.718.676}. Mesmo tendo recursos alocados que dariam para atender todos os 200,5 milhões de 2013 e mais 4,5%. Visão de Conjunto dos Recursos Repassados à Atenção Básica, Ambulatorial e Hospitalar em Relação aos Recursos Alocados no Setor de Saúde Discriminação R$ 1.000 % s/Tot 1 % s/Tot 2 % s/Tot 3 % s/Tot 4 1.AIS.RO^Equalizadas - no Ano 1 347.446.929 100,00% 86,60% 91,07% 172,69% 2.AIS.RO com Dados-ANS(heterogêneos) - no Ano 1 401.213.520 115,47% 100,00% 105,17% 199,41% 3.AIS.RDID^Equalizadas – Sem Remédios(adquiridos p/Usuários) 381.502.072 109,80% 95,09% 100,00% 189,61% 4.AIS.RDID^EqualizadasAt.Básica^Ambulatorial^Hospitalar-Sem Remédios(adquiridos p/Usuários) 201.202.416 57,91% 50,15% 52,74% 100,00% 1’.AIS.RO^Equalizadas – no Ano Médio 5 632.992.353 182,18% 157,77% 165,92% 314,60% 2’.AIS.RO com Dados-ANS(heterogêneos) – no Ano Médio 6 686.758.943 197,66% 171,17% 180,01% 341,33% 3’.AIS.RDID^Equalizadas – Com Remédios(adquiridos p/Usuários) 7 452.241.292 130,16% 112,72% 118,54% 224,77% 4’.AIS.RDID^EqualizadasAt.Básica^Ambulatorial^Hospitalar-Com Remédios(adquiridos p/Usuários) 8 243.519.629 70,09% 60,70% 63,83% 121,03% Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” Notas: 1 Variação % em relação às DEMANDAS-AIS.RO com Dados-ANSEqualizados em Vidas com AIS.RO ou atendimento pleno das populações pediátrica, gestante, adulta e terceira idade conforme seus perfis epidemiológicos com QUALIDADE MÁXIMA e REMUNERAÇÕES DIGNAS no Ano-1 do QUADRO FUNCIONAL EM CARREIRA PROFISSIONAL. 2 Variação % em relação às Demandas-AIS.RO com Dados-ANSHeterogêneos – tudo o mais permanecendo constante ou atendimento pleno das populações pediátrica, gestante, adulta e terceira idade – considerando REMUNERAÇÕES DIGNAS no Ano-1 do QUADRO FUNCIONAL EM CARREIRA PROFISSIONAL. 3 Variação % em relação às OFERTAS-AIS.RDID com Dados-ANSEqualizados^Sem Remédios(adquiridos diretamente pelos Usuários) ou atendimento das populações com Recursos Desbalanceados, Inadequados e Desarticulados – explicitando QUALIDADE INSATISFATÓRIA. 4 Variação % em relação às OFERTAS-AIS.RDID com Dados-ANSEqualizados^Sem Remédios(adquiridos diretamente pelos Usuários) tidos como REPASSADOS à ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL e Hospitalar. Trata-se dos valores das Ofertas-AIS.RDID menos os valores destinados à SAÚDE que usados em programas específicos da União, Estados e Municípios. Além disso, tem-se as Margens de Lucro e Encargos sobre Faturamentos dos sistemas AMS e Particular. 5 O Ano Médio das DEMANDAS-AIS.RO com Dados-ANSEqualizados em Vidas com AIS.RO - contempla os valores do momento limite da CARREIRA PROFISSIONAL com REMUNERAÇÕES DIGNAS.
  7. 7. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 6. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 6 O Ano Médio das Demandas-AIS.RO com Dados-ANSHeterogêneos –contempla os valores do momento limite da CARREIRA PROFISSIONAL com REMUNERAÇÕES DIGNAS. 7 São os valores das OFERTAS-AIS.RDID – incluindo as DESPESAS COM REMÉDIOS ADQUIRIDOS DIRETAMENTE PELOS USUÁRIOS DO SETOR DE SAÚDE. Assim, podem ser comparadas com os valores das Demandas-AIS.RO. 8 São os valores das OFERTAS-AIS.RDID DA ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL e HOSPITALAR – incluindo as DESPESAS COM REMÉDIOS ADQUIRIDOS DIRETAMENTE PELOS USUÁRIOS DO SETOR DE SAÚDE. Assim, podem ser comparadas com os valores das Demandas-AIS.RO. Indicação Básica Essa numerologia sinaliza que as LIDERANÇAS DA SAÚDE estão equivocadas nos encaminhamentos dos pleitos do SETOR DE SAÚDE - aos olhos dos DEMAIS SETORES da sociedade. Ao que tudo indica, os DEMAIS SETORES da sociedade estão interessados no melhor para esse setor. Mas, querem discutir o SETOR DE SAÚDE INDUTOR DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO. Em outras palavras, os DEMAIS SETORES querem que as lideranças do SETOR DE SAÚDE se apresentem com PROJETO que demonstre “com quem”(RECURSOS HUMANOS/EQUIPE E CARGO-FUNÇÃO - DIGNAMENTE REMUNERADOS EM CARREIRA PROFISSIONAL), “com o que”(INVESTIMENTOSCLÍNICOS^CIRÚRGICOS^LABORATORIAIS^DEMAIS, DESPESAS DIRETAS, DESPESAS INDIRETAS), “para quem”(POPULAÇÕES PEDIÁTRICA, GESTANTE, ADULTA E TERCEIRA IDADE - CONFORME PERFIS EPIDEMIOLÓGICOS), “como”(MÉTRICAS DOS PROCESSOS APLICÁVEIS) e “quando”(BENCHMARKINGS A PARTIR DA SITUAÇÃO ATUAL NA DIREÇÃO DO SEU BENCHMARK) eliminará os PROBLEMAS ESTRUTURAIS DA SAÚDE ou GESTÕES-RDID(Recursos Desbalanceados, Inadequados e Desarticulados) dos gargalos técnicos, operacionais, administrativos, econômicos e financeiros. A numerologia em questão sinaliza que o SETOR DE SAÚDE -ao focar o hoje e amanhã- tem tudo para seduzir os DEMAIS SETORES da sociedade. Ao final das contas, CARECE DE MAIS R$ 180,751 BILHÕES/ANO(632.992.353.305-452.241.292.142=180.751.061.163) e, em troca, DEVOLVERÁ À SOCIEDADE R$ 1,0943 TRILHÃO/ANO com a eliminação das Gestões-RDID e Exclusões de Vidas com AIS. Em outras palavras, pode propor aos DEMAIS SETORES que o SETOR DE SAÚDE pode retornar à sociedade R$ 5,05 para cada R$ 1,00 adicional recebido. 0 100.000.000 200.000.000 300.000.000 400.000.000 500.000.000 600.000.000 700.000.000 AIS.RDID^EqualAtbAmbHosp-ComRem AIS.RDID^EqualComRemédios AIS.ROcDados-ANSAnoMédio AIS.RO^EqualizadoAnoMédio AIS.RDID^EqualAtbAmbHosp-SemRem AIS.RDID^EqualSemRemédios AIS.ROcDados-ANSAno1 AIS.RO^EqualizadoAno1 243.519.629 452.241.292 686.758.943 632.992.353 201.202.416 381.502.072 401.213.520 347.446.929 R$ 1.000
  8. 8. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 7. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 1-Perfil das Receitas-AIS.RO^Br2013 com os Dados-ANSHeterogêneos 1a-Receitas no Ano-1 e no Ano-Médio: Receitas Necessárias1 , Coberturas2 e R$/Vida com AIS.RO3 Notas: 1 Receitas necessárias com Remunerações Dignas com Quadro Funcional em Carreira Profissional. 2 Coberturas Equalizadas em Vidas com AIS.RO. 3 Cada Vida –conforme perfis epidemiológico de 2013- carece de 31,481 UnEqv/Ano(2,6234UnEqv/Mês). 4 UnEqv=Unidade Equivalente a Uma Consulta Médica de Clínico Geral que, por sua vez, equaliza as Unidades EspecíficasUnEsp(Consulta, Internação, Cirurgia, M 2 de Área Limpa, Kg de Roupa Lavada, M 3 de Oxigênio, etc). Discriminação Receitas-AIS.RO Cobertura em Vidas com AIS R$/Vidas com AIS.RO R$/UnEqv 4 Fontes R$ % s/Total VidasN o % s/Total R$/Vida-Ano R$/Vida-Mês 1-S U S 197.517.213.949 49,230% 126.941.241 63,317% 1.555,97 129,664 49,4263 a-Federal 84.350.869.593 21,024% 126.941.241 63,317% 664,49 55,374 21,1078 b-Estadual 67.607.076.761 16,851% 126.941.241 63,317% 532,59 44,382 16,9179 c-Municipal 45.559.267.595 11,355% 126.941.241 63,317% 358,90 29,908 11,4007 2-Sistema-AMS 189.744.766.633 47,293% 71.538.242 35,683% 2.652,35 221,030 84,2534 3-Sistema-Particular 13.951.538.988 3,477% 2.004.843 1,000% 6.958,92 579,910 221,0537 Total com RH em Carreira Profissional no Ano-1 401.213.519.571 100,000% 200.484.326 100,000% 2.001,22 166,768 63,5699 4-Pleitos no Congresso Nacional 285.545.423.831 71,170% 200.484.326 100,000% 1.424,28 118,690 45,2429 Total com RH em Carreira Profissional no Ano-Médio 686.758.943.402 171,170% 200.484.326 100,000% 3.425,50 285,458 108,8128 5-EXCLUSÕES DE VIDAS POR GESTÕES-RDIDN O 81.081.293 Gestões-RDID dos Problemas Estruturais(SUS79,92%) 6-CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASILR$ 1.354.691.532.911 /Ano - Deseconomias dos Problemas Estruturais(29,35%SUS) 7-QUALIDADE INSATISFATÓRIA DADA PELOS RECURSOS DESBALANCEADOS, INADEQUADOS E DESARTICULADOS Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” 1b-Participação Percentual das Receitas no Ano-1 e no Ano-Médio no PIB5 Produto Interno Bruto de 2013 5 Extrapolando PIBs disponibilizados pelo IPEAdata(“SÉRIES MAIS USADAS” - http:///www.ipeadata.gov.br) – com a combinação de inflação pelo IPCA mais crescimento tido como factível tem-se como PIB sinalizado para 2013 no valor de R$ 4.805.919.572.049. Discriminação Total SUS^Federal SUS^Estadual SUS^Municipal A M S Particular >Participação % das Receitas-AIS.ROAno1 no PIB 8,348% 1,755% 1,407% 0,948% 3,948% 0,290% >Participação % das Receitas-AIS.ROAnoMédio no PIB 14,290% 3,004% 2,408% 1,623% 6,758% 0,497% Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes”
  9. 9. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 8. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 2-Perfil das Receitas-AIS.RO^Br2013 - com Dados-ANSEqualizados 2a-Receitas no Ano-1 e no Ano-Médio: Receitas Necessárias1 , Coberturas2 e R$/Vida com AIS.RO3 Notas: 1 Receitas necessárias com Remunerações Dignas com Quadro Funcional em Carreira Profissional. 2 Coberturas Equalizadas em Vidas com AIS.RO. 3 Cada Vida –conforme perfis epidemiológico de 2013- carece de 31,481 UnEqv/Ano(2,6234UnEqv/Mês). 4 UnEqv=Unidade Equivalente a Uma Consulta Médica de Clínico Geral que, por sua vez, equaliza as Unidades EspecíficasUnEsp(Consulta, Internação, Cirurgia, M 2 de Área Limpa, Kg de Roupa Lavada, M 3 de Oxigênio, etc). Discriminação Receitas-AIS.RO Cobertura em Vidas com AIS R$/Vidas com AIS.RO R$/UnEqv 4 Fontes R$ % s/Total VidasN o % s/Total R$/Vida-Ano R$/Vida-Mês 1-S U S 267.209.667.498 76,907% 171.731.496 85,658% 1.555,974 129,664 41,1407 a-Federal 114.113.435.312 32,843% 171.731.496 85,658% 664,488 55,374 12,7496 b-Estadual 91.461.721.947 26,324% 171.731.496 85,658% 532,586 44,382 15,6835 c-Municipal 61.634.510.239 17,739% 171.731.496 85,658% 358,900 29,908 12,7076 2-Sistema-AMS 73.814.810.527 21,245% 27.829.921 13,881% 2.652,354 221,030 83,3441 3-Sistema-Particular 6.422.451.449 1,848% 922.910 0,460% 6.958,918 579,910 85,9300 Total com RH em Carreira Profissional no Ano-1 347.446.929.474 100,00% 200.484.327 100,00% 1.733,038 144,420 49,7758 4-Pleitos no Congresso Nacional 285.545.423.831 82,184% 200.484.327 100,00% 1.424,278 118,690 10,4689 Total com RH em Carreira Profissional no Ano-Médio 632.992.353.305 182,18% 200.484.327 100,00% 3.157,316 263,110 60,2447 5-EXCLUSÕES DE VIDAS POR GESTÕES-RDIDN O INEXISTE 6-CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASILR$ INEXISTE 7-QUALIDADE M Á X I M A Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” 2b-Participação Percentual das Receitas no Ano-1 e no Ano-Médio no PIB5 Produto Interno Bruto de 2013 5 Extrapolando PIBs disponibilizados pelo IPEAdata(“SÉRIES MAIS USADAS” - http:///www.ipeadata.gov.br) – com a combinação de inflação pelo IPCA mais crescimento tido como factível tem-se como PIB sinalizado para 2013 no valor de R$ 4.805.919.572.049. Discriminação Total SUS^Federal SUS^Estadual SUS^Municipal A M S Particular >Participação % das Receitas-AIS.ROAno1 no PIB 7,230% 2,374% 1,903% 1,282% 1,536% 0,134% >Participação % das Receitas-AIS.ROAnoMédio no PIB 13,171% 4,326% 3,467% 2,336% 2,798% 0,243% Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes”
  10. 10. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 9. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 3-Perfil das Receitas-AIS.RDID^Br2013 – com Dados-ANSEqualizados 3a-Receitas no Mercado de Serviços: Receitas Sinalizadas1 , Ofertas2 e R$/Vida com AIS.RDID3 Notas: 1 Receitas Sinalizadas no Mercado de Fatores. 2 Ofertas Equalizadas em Vidas com AIS.RDID. 3 Cada Vida é equalizada estatisticamente com 31,4807 UnEqv/Ano. 4 UnEqv=Unidade Equivalente a Uma Consulta Médica de Clínico Geral que, por sua vez, equaliza as Unidades EspecíficasUnEsp(Consulta, Internação, Cirurgia, M 2 de Área Limpa, Kg de Roupa Lavada, M 3 de Oxigênio, etc). Discriminação Receitas-AIS/LCA.RDID Ofertas em Vidas com AIS.RDID R$/Vida com AIS.RDID R$/UnEqv 4 Fontes R$ % s/Total VidasN o % s/Total R$/Vida-Ano R$/Vida-Mês 1-S U S 259.816.201.918 68,103% 102.183.020 79,581% 2.542,66 211,888 80,7688 a-Federal 110.956.013.037 29,084% 102.183.020 79,581% 1.085,86 90,488 34,4928 b-Estadual 88.931.053.429 23,311% 102.183.020 79,581% 870,31 72,526 27,6459 c-Municipal 59.929.135.452 15,709% 102.183.020 79,581% 586,49 48,874 18,6301 2-Sistema-AMS 107.220.115.912 28,105% 25.351.784 19,744% 4.229,29 352,441 134,3457 3-Sistema-Particular 14.465.754.079 3,792% 866.978 0,675% 16.685,27 1.390,439 530,0164 Total-AIS.RDID 381.502.071.909 100,00% 128.401.781 100,00% 2.971,16 247,597 94,3804 4-Despesas com Remédios Adquiridos Diretamente 70.739.220.233 18,54% 128.401.781 100,00% 550,92 45,910 17,5003 Total-AIS.RDID com Remédios 452.241.292.142 118,54% 128.401.781 100,00% 3.522,08 293,507 111,8807 5-EXCLUSÕES DE VIDAS POR GESTÕES-RDIDN O 81.081.293 Gestões-RDID dos Problemas Estruturais(SUS96,875%) 6-CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASILR$ 1.094.289.579.857 /Ano - Deseconomias dos Problemas Estruturais(90,506%SUS) 7-QUALIDADE INSATISFATÓRIA DADA PELOS RECURSOS DESBALANCEADOS, INADEQUADOS E DESARTICULADOS Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” 3b-Participação Percentual das Receitas-AIS.RDID no PIB5 Produto Interno Bruto de 2013 5 Extrapolando PIBs disponibilizados pelo IPEAdata(“SÉRIES MAIS USADAS” - http:///www.ipeadata.gov.br) – com a combinação de inflação pelo IPCA mais crescimento tido como factível tem-se como PIB sinalizado para 2013 no valor de R$ 4.805.919.572.049. Discriminação Total SUS^Federal SUS^Estadual SUS^Municipal A M S Particular >Participação % das Receitas-AIS.RDID Sem Remédios no PIB 7,938% 2,309% 1,850% 1,247% 2,231% 0,301% >Participação % das Receitas-AIS.RDID Com Remédios no PIB 9,410% 2,737% 2,194% 1,478% 2,645% 0,357% Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes”
  11. 11. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 10. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 4-PERFIL DAS RECEITAS-AIS.RDID^BR2013 REPASSADAS PARA ATENÇÃO BÁSICA, AMBULATORIAL E HOSPITALAR 4a-Receitas no Mercado de Serviços: Receitas Sinalizadas1 , Ofertas2 e R$/Vida com AIS.RDID3 Notas: 1 Receitas Sinalizadas no Mercado de Fatores: a)SUS sem Projetos Específicos e Planos de Saúde dos órgãos dos três poderes da União, Estado e Municípios; b)Sistemas-AMS^Particular sem Lucro e Encargos sobre Faturamentos. 2 Ofertas Equalizadas em Vidas com AIS.RDID. 3 Cada Vida é equalizada estatisticamente com 31,4807 UnEqv/Ano. 4 UnEqv=Unidade Equivalente a Uma Consulta Médica de Clínico Geral que, por sua vez, equaliza as Unidades EspecíficasUnEsp(Consulta, Internação, Cirurgia, M 2 de Área Limpa, Kg de Roupa Lavada, M 3 de Oxigênio, etc). Discriminação Receitas-AIS/LCA.RDID Ofertas em Vidas com AIS.RDID R$/Vida com AIS.RDID R$/UnEqv Fontes R$ % s/Total VidasN o % s/Total R$/Vida-Ano R$/Vida-Mês 1-S U S 132.340.943.359 65,775% 102.183.020 79,581% 1.295,14 107,928 107,928 a-Federal 41.012.693.457 20,384% 102.183.020 79,581% 401,37 33,447 33,447 b-Estadual 50.450.586.610 25,075% 102.183.020 79,581% 493,73 41,144 41,144 c-Municipal 40.877.663.292 20,317% 102.183.020 79,581% 400,04 33,337 33,337 2-Sistema-AMS 66.516.183.019 33,059% 25.351.784 19,744% 2.623,73 218,644 218,644 3-Sistema-Particular 2.345.290.028 1,166% 866.978 0,675% 2.705,13 225,428 225,428 Total-AIS.RDID 201.202.416.407 100,000% 128.401.781 100,00% 1.566,98 130,581 130,581 4-Despesas com Remédios Adquiridos Diretamente 42.317.212.104 21,032% 128.401.781 100,00% 329,57 27,464 27,464 Total-AIS.RDID com Remédios 243.519.628.511 121,032% 128.401.781 100,00% 1.896,54 158,045 158,045 5-EXCLUSÕES DE VIDAS POR GESTÕES-RDIDN O 81.081.293 Gestões-RDID dos Problemas Estruturais(SUS96,875%) 6-CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASILR$ 1.094.289.579.857 /Ano - Deseconomias dos Problemas Estruturais(90,506%SUS) 7-QUALIDADE INSATISFATÓRIA DADA PELOS RECURSOS DESBALANCEADOS, INADEQUADOS E DESARTICULADOS Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” 4b-Participação Percentual das Receitas-AIS.RDID da Atenção Básica, Ambulatorial e Hospitalar no PIB4 Produto Interno Bruto de 2013 4 Extrapolando PIBs disponibilizados pelo IPEAdata(“SÉRIES MAIS USADAS” - http:///www.ipeadata.gov.br) – com a combinação de inflação pelo IPCA mais crescimento tido como factível tem-se como PIB sinalizado para 2013 no valor de R$ 4.805.919.572.049. Discriminação Total SUS^Federal SUS^Estadual SUS^Municipal A M S Particular >Participação % das Receitas-AIS.RDID Sem Remédios no PIB 4,187% 0,853% 1,050% 0,851% 1,384% 0,049% >Participação % das Receitas-AIS.RDID Com Remédios no PIB 5,067% 1,033% 1,271% 1,029% 1,675% 0,059% Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes”
  12. 12. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 11. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 5-NANOSÍNTESE DAS DEMANDAS-AIS.RO1 , OFERTAS-AIS.RDID2 , CAPACIDADE 3 , EXCLUSÕES 4 E CUSTO-SAÚDE NO CUSTO-BRASIL EM 2013 DISCRIMINAÇÃO TOTAL S U S A M S PARTICULAR 1-Dados Nominais da ANSHeterogêneos: a-Demandas-AIS.ROSinalizadas com Dados-ANS 5 : - % 100,00% 63,3173% 35,6827% 1,0000% >Em UnEqv 6 N o 6.311.380.201 3.996.194.856 2.252.071.543 63.113.802 >Em Vidas 7 N o 200.484.326 126.941.241 71.538.242 2.004.843 b-Receitas Necessárias e SuficientesR$ 401.213.519.571 197.517.213.949 189.744.766.633 13.951.538.988 >R$/Vida-Ano com AIS.RO 2.001,221 1.555,974 2.652,354 6.958,918 c-Custos dos Recursos Necessários e SuficientesR$ 318.824.449.379 197.517.213.949 117.712.031.152 3.595.204.278 >R$/Vida-Ano 1.590,271 1.555,974 1.645,442 1.793,260 d-LucroR$ 49.288.420.528 0 41.199.210.903 8.089.209.625 >R$/Vida-Ano 245,847 0,000 575,905 4.034,834 e-Encargos sobre FaturamentosR$ 33.100.649.663 0 30.833.524.578 2.267.125.086 >R$/Vida-Ano 165,103 0,000 431,008 1.130,824 2-Dados-ANSEqualizados – em Vidas com AIS: 100,00% 76,907% 21,245% 1,848% a-Demandas-AIS.ROEqualizadas - Vidas com AIS - %: 100,00% 85,6583% 13,8813% 0,4603% >Em UnEqvN o 6.311.380.212 5.406.221.956 876.104.449 29.053.808 >Em VidasN o 200.484.327 171.731.496 27.829.921 922.910 b-Receitas Necessárias e Suficientes 8 R$ 347.446.929.474 267.209.667.498 73.814.810.527 6.422.451.449 >R$/Vida-Ano com AIS.RO 1.733,038 1.555,974 2.652,354 6.958,918 c-Custos dos Recursos Necessários e SuficientesR$ 314.657.205.178 267.209.667.498 45.792.521.345 1.655.016.335 >R$/Vida-Ano com AIS.RO 1.569,485 1.555,974 1.645,442 1.793,260 d-Lucro 9 R$ 19.751.169.225 0 16.027.382.471 3.723.786.754 >R$/Vida-Ano 98,517 0,000 575,905 4.034,834 e-Encargos sobre Faturamentos 10 R$ 13.038.555.071 0 11.994.906.711 1.043.648.361 >R$/Vida-Ano 65,035 0,000 431,008 1.130,824 Notas: 1 Ações Integrais de Saúde com Recursos Otimizados no momento de Qualidade Máxima com Remunerações Dignas; 2 Recursos Desbalanceados, Inadequados e Desarticulados com Qualidade Insatisfatória ou Gestões-RDID dos gargalos técnicos, operacionais, administrativos, econômicos e financeiros; 3 Capacidade de Atendimento com os Recursos Disponíveis; 4 Exclusões de Vidas com AIS; 5 Agência Nacional de Saúde Suplementar; 6 UnEqv=Unidade Equivalente a Uma Consulta Médica de Clínico Geral – sem procedimentos; 7 Número de habitantes dados pelo IBGE mais População em Situação de Rua sinalizada pelo MDS; 8 Receitas necessárias para atender plenamente as Demandas-AIS das populações pediátrica, gestante, adulta e terceira idade –conforme perfis epidemiológicos respectivos – incluindo Remunerações Dignas de todo o Quadro Funcional em Carreira Profissional no Ano-1; 9 Lucro tidos como praticados: AMS35% e Particular225% - incidentes sobre os custos respectivos; 10 Encargos sobre Faturamentos de 16,25% - incidentes sobre as receitas respectivas.
  13. 13. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 12. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 3-Ofertas-AIS.RDIDEqualizadas - Vidas com AIS: DISCRIMINAÇÃO TOTAL S U S A M S PARTICULAR a-Ofertas-AIS.RDID - em % s/Demanda Total: 64,0458% 50,9681% 12,6453% 0,4324% >Em UnEqvN o 4.042.173.634 3.216.789.553 798.091.049 27.293.032 >Em Vidas Atendidas com AIS.RDIDN o 128.401.781 102.183.020 25.351.784 866.978 b-Receitas Sinalizadas no Mercado de ServiçosR$ 381.502.071.909 259.816.201.918 107.220.115.912 14.465.754.079 >R$/Vida-Ano com AIS.RDID 2.971,159 2.542,655 4.229,293 16.685,269 c-Despesas SinalizadasR$ 328.677.674.966 259.816.201.918 66.516.183.019 2.345.290.028 >R$/Vida-Ano 2.559,759 2.542,655 2.623,728 2.705,133 d-Lucro 11 R$ 33.050.443.069 0 23.280.664.057 9.769.779.013 >R$/Vida-Ano 257,399 0,000 918,305 11.268,779 e-Encargos sobre Faturamentos 12 R$ 19.773.953.874 0 17.423.268.836 2.350.685.038 >R$/Vida-Ano 154,001 0,000 687,260 2.711,356 Notas: 11 Lucro sinalizados: AMS35% e Particular316,6% - incidentes sobre as DESPESAS respectivos; 12 Encargos sobre Faturamentos de 16,25% - incidentes sobre as receitas respectivas. 4-Capacidade de Atendimentos em Vidas com AIS: DISCRIMINAÇÃO TOTAL S U S A M S PARTICULAR a-Em UnEqvN o 6.594.666.785 5.256.636.365 1.272.590.418 65.440.002 >Capacidade de Atendimentos - em % s/Demanda Específica: 104,489% 97,233% 145,256% 225,237% >Capacidade de Atendimentos - em % s/Demanda Total: 104,489% 83,288% 20,163% 1,037% b-Em Vidas com AIS.RON o 209.483.074 166.979.831 40.424.507 2.078.736 5-Exclusões de Vidas com AIS 13 : DISCRIMINAÇÃO TOTAL S U S A M S PARTICULAR 5a-Com Dados Nominais da ANS: % s/Demanda Total 35,954% 12,349% 23,037% 0,568% 1-Total de Exclusões - em UnEqvN o 2.269.206.567 779.405.303 1.453.980.494 35.820.770 1-Total de Exclusões - em VidasN o 72.082.545 24.758.221 46.186.459 1.137.866 2-Exclusões por Gestões-RDID - em Vidas com AISN o 81.081.293 64.796.812 15.072.723 1.211.759 3-Exclusões p/Falta de Recursos - em Vidas com AISN o -8.998.748 -40.038.590 31.113.735 -73.893 5b-Com Dados-ANSEqualizadas: % s/Demanda Total 35,954% 34,690% 1,236% 0,028% 1-Total de Exclusões - em UnEqvN o 2.269.206.578 2.189.432.403 78.013.400 1.760.775 1-Total de Exclusões - em VidasN o 72.082.546 69.548.477 2.478.137 55.932 2-Exclusões por Gestões-RDID - em Vidas com AISN o 81.081.293 78.547.225 2.478.137 55.932 3-Exclusões p/Falta de Recursos - em Vidas com AISN o -8.998.748 -8.998.748 0 0 Notas: 13 Exclusões: a)Total=Demandas-Ofertas; b)PorGestõesRDID=Capacidade-Ofertas e c)PorFaltaRecursos=Demandas-Capacidade. Lembrando que por força contratual os sistemas AMSParticular não contam com Falta de Recursos.
  14. 14. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 13. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 6-Custo-Saúde no Custo BrasilCom Exclusões: DISCRIMINAÇÃO TOTAL S U S A M S PARTICULAR 6a-Dos Dados-ANSHeterogêneos: % 100,00% 29,352% 63,910% 6,737% 1-Operacionalização de AIS.RDID menos AIS.ROR$ 1.354.691.532.911 397.634.789.571 865.787.405.622 91.269.337.718 >R$/Vida-Ano 6.757,094 3.132,432 12.102,442 45.524,425 2-Receitas Necessárias e Suficientes para AIS.ROR$ 401.213.519.571 197.517.213.949 189.744.766.633 13.951.538.988 >R$/Vida-Ano 2.001,221 1.555,974 2.652,354 6.958,918 3-Modelo Operacional-Atual Com ExclusõesR$ 1.755.905.052.482 595.152.003.521 1.055.532.172.255 105.220.876.706 >R$/Vida-Ano 8.758,316 4.688,405 14.754,796 52.483,343 A-Receitas Sinalizada no Mercado de ServiçosR$ 381.502.071.909 259.816.201.918 107.220.115.912 14.465.754.079 >R$/Vida-Ano 1.902,902 2.046,744 1.498,780 7.215,404 B-Custo-Saúde no Custo-BrasilR$ 1.317.048.047.622 299.020.212.821 927.846.261.503 90.181.573.298 >R$/Vida-Ano 6.569,332 2.355,580 12.969,934 44.981,857 C-Custos dos Tempos AdicionaisR$ 57.354.932.951 36.315.588.781 20.465.794.841 573.549.330 >R$/Vida-Ano 286,082 286,082 286,082 286,082 6-Custo-Saúde no Custo BrasilCom Exclusões: DISCRIMINAÇÃO TOTAL S U S A M S PARTICULAR 6b-Dos Dados-ANSEqualizados: % 100,00% 89,459% 9,248% 1,293% 1-Operacionalização de AIS.RDID menos AIS.ROR$ 985.606.188.945 881.715.388.809 91.150.581.473 12.740.218.662 >R$/Vida-Ano 4.916,13 5.134,27 3.275,27 13.804,41 2-Receitas Necessárias e Suficientes para AIS.ROR$ 347.446.929.474 267.209.667.498 73.814.810.527 6.422.451.449 >R$/Vida-Ano 1.733,04 1.555,97 2.652,35 6.958,92 3-Modelo Operacional-Atual Com ExclusõesR$ 1.333.053.118.419 1.148.925.056.307 164.965.392.000 19.162.670.112 >R$/Vida-Ano 6.649,16 6.690,24 5.927,63 20.763,32 A-Receitas Sinalizadas no Mercado de ServiçosR$ 381.502.071.909 259.816.201.918 107.220.115.912 14.465.754.079 >R$/Vida-Ano 1.902,90 1.512,92 3.852,69 15.674,08 B-Custo-Saude no Custo-BrasilR$ 894.196.113.453 839.979.585.049 49.783.640.069 4.432.888.335 >R$/Vida-Ano 4.460,18 4.891,24 1.788,85 4.803,17 C-Custos dos Tempos AdicionaisR$ 57.354.933.056 49.129.269.339 7.961.636.019 264.027.698 >R$/Vida-Ano 286,082 286,082 286,082 286,082
  15. 15. VisãoOPERACIONALIZAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE COM QUALIDADE MÁXIMA, CUSTOS MÉDIOS MÍNIMOS E REMUNERAÇÕES DIGNAS 14. MissãoProcessos de Eliminações dos Desbalanceamentos, Inadequações e Desarticulações dos Recursos das Instituições de Saúde 6-Custo-Saúde no Custo BrasilCom Exclusões: DISCRIMINAÇÃO TOTAL S U S A M S PARTICULAR 6b'-Dos Dados-ANSEqualizados^Gestões-RDID: % 100,00% 90,506% 8,330% 1,164% 1-Operacionalização de AIS.RDID menos AIS.ROR$ 1.094.289.579.857 990.398.779.722 91.150.581.473 12.740.218.662 >R$/Vida-Ano 5.458,23 5.767,14 3.275,27 13.804,41 2-Receitas Necessárias e Suficientes para AIS.ROR$ 347.446.929.474 267.209.667.498 73.814.810.527 6.422.451.449 >R$/Vida-Ano 1.733,04 1.555,97 2.652,35 6.958,92 3-Modelo Operacional-Atual Com ExclusõesR$ 1.441.736.509.331 1.257.608.447.219 164.965.392.000 19.162.670.112 >R$/Vida-Ano 7.191,27 7.323,11 5.927,63 20.763,32 A-Receitas Sinalizadas no Mercado de Serviços- R$ 381.502.071.909 259.816.201.918 107.220.115.912 14.465.754.079 >R$/Vida-Ano 1.902,90 1.512,92 3.852,69 15.674,08 B-Custo-SaudeSPe no Custo-BrasilR$ 1.002.879.504.366 948.662.975.962 49.783.640.069 4.432.888.335 >R$/Vida-Ano 5.002,28 5.524,11 1.788,85 4.803,17 C-Custos dos Tempos Adicionais - R$ 57.354.933.056 49.129.269.339 7.961.636.019 264.027.698 >R$/Vida-Ano 286,082 286,082 286,082 286,082 Fonte: BDAtualizados do livro “Saúde Merecida, Devida e Recebida no Brasil com Métricas Inferidas e Determinantes” *Orlando Cândido dos Passos Experiência de mais de quatro décadas em administração executiva eou formuladora de soluções integradas e integradoras – nas fases de planejamento, implantação, operação, readequações e mistas - de INSTITUIÇÕES DE SAÚDE(IS) de qualquer porte(pública, filantrópica, privada e mista). Pesquisador independente, especialista em entrelaçamentos equalizados dos aspectos TÉCNICOS-IS com OPERACIONAIS-IS – usando adequadas FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS que, simultaneamente, fazem as explicitações ECONÔMICO-FINANCEIRAS respectivas. Com esse MODELO OPERACIONAL PARA INSTITUIÇÕES DE SAÚDEMOIS assegura-se a integridade das Informações-IS PÚBLICAS, FILANTRÓPICAS, PRIVADAS e MISTAS. Neste, os processamentos ocorrem sem renomenclaturarizações eou mutilações de conceitos universais validados. Trata-se de modelagens que internalizam as métricas das leis-de-formação dos processos dos protocolos das LINHAS DE CUIDADOS ASSISTENCIAIS-IS que atendem as populações pediátrica, gestante, adulta e terceira idade –conforme seus perfis epidemiológicos– devidamente equalizadas, entrelaçadas e contextualizadas. Vide os sites e confira: http://www.siatoef.com.br: *Elucic.Complementares/Algumas Comprovações e **Referenciais. http://www.slideshare.net/SIATOEF/ Na década de 1970 lecionou Micro-Economia, Econometria, Economia de Empresas em várias faculdades, tais como: São LuizSP, AnchietaJundiaí, FGV.EAESPConvênio com HCFMUSP. Palestrante convidado em Cursos de Especialização em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde e no Mestrado em Administração em Saúde do PROAHSA da FGV. Foi professor convidado para ministrar, esporadicamente em outros estados, a Disciplinas de Custos e Orçamentos - nos Cursos de Especialização em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde do PROAHSA da FGV. passos@siatoef.com.br

×