Resumo teorias de enfermagem

12.513 visualizações

Publicada em

Resumo das teorias de enfermagem

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
276
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo teorias de enfermagem

  1. 1. TEORIAS ADMINISTRATIVAS E TEORIAS DE ENFERMAGEM André Reis Arquivo disponível em http://materialenfermagem.blogspot.com
  2. 2. http://materialenfermagem.blogspot.com RESUMO - TEORIAS ADMINISTRATIVAS E TEORIAS DE ENFERMAGEM 1. TEORIAS ADMINISTRATIVAS Teoria Teórico Propostas da teoria, princí- pios e críticas Influência na Enfer- magem CIENTÍFICA Frederick Taylor Propostas: # Aumento da produção pela eficiência do nível operacional; # Homem econômico, movido pela re- muneração salarial. * Escalas diárias * Divisão de atividades * Assistência fragmentada * Dificuldade em ver o ho- mem como ser holístico. Princípios: # Divisão do tra- balho; Especialização do operário; # Padronização de tarefas; #Trabalhadores possuíam incenti- vos salariais e prêmios de acor- do com a produ- ção. Críticas: # Aspecto mecanicis- ta; # Homem como peça de engrenagem; # Padronização bloqueia a criativida- de e a iniciativa. CLÁSSICA Henry Fayol Propostas: # Eficiência da organização através de estrutura compatível com funcionamento. (anatomistas e fisiologistas); # 6 funções da empresa: Técnica, co- mercial, financeira, de segurança, contá- bil e administrativa; # Quanto mais organizada é a empresa, maior é a produção. * Organogramas represen- tativos da hierarquização do serviço de enfermagem nos hospitais. Princípios: # Divisão horizon- tal do trabalho (subordinação do empregado ao chefe imediato); # Autoridade e responsabilidade; # Disciplina; # Unidade de comando e dire- ção; # Remuneração do pessoal; # Centralização, subordinação e hierarquia. Críticas: # Não admite a in- formalidade do rela- cionamento interpes- soal; # Inibe a criatividade. DAS RELAÇÕES HUMANAS Elton Mayo Propostas: # Enfatizar as pessoas, ao invés da estru- tura; # Preocupação com o Homem no Traba- lho, ao invés de preocupar-se com os métodos de trabalho, normas e regras; # “Homem social”, motivado pela intera- ção social; * Liderança como estratégia para con- duzir grupos; * Comunicação adequada (registros de enfermagem). Princípios: # Recompensa social; # Enfoque em temas como: motivação, lide- rança, comunica- ção dinâmica de grupo. Crítica: # Forma paternalista de administração.
  3. 3. http://materialenfermagem.blogspot.com BUROCRÁTICA OU ESTRUTURALISTA Max Weber Propostas: # Organização vista sob ponto estrutural: # Enfoque na racionalidade, no mínimo detalhamento; # Organização, controle, autoridade e poder de dominação; # Divisão sistemática de trabalho. * Caracterização da enfer- magem como profissão técnica especializada. Princípios: # Valorização da especialização profissional; # Remuneração de acordo com o cargo; # Possibilidade de ascensão profis- sional. Crítica: # Valorização de normas e regras em detrimento do con- tingente humano. COMPORTAMENTA- LISTA Kurt Lewin Propostas: # Preocupação com o processo de trabalho e com a dinâmica da or- ganização; # Ênfase nas pessoas; # "Homem administrativo", que visa a forma satisfatória da realização do traba- lho. * Visão dos subordinados como profissionais irres- ponsáveis e resistentes a mudanças. Princípios: # Estudo da moti- vação humana. Crítica: # Valoriza o homem, mas impõe uma hierarquia de neces- sidades. DE SISTEMAS Ludwig Ber- talanffy Propostas: # Propõe a organização como um sis- tema; # Os sistemas existem dentro de outros sistemas; # Os sistemas são abertos (intercâmbio com o meio externo) ou fechados (sem intercâmbio com o meio externo); # As funções de um sistema dependem da retroalimentação (feedback). * Criação de subsistemas dentro de um sistema prin- cipal. Princípios: # Entradas → Processo → Saí- das (resultados). Crítica: Não há. CONTINGENCIAL Lawrence e Lorsch Propostas: # A organização funciona de formas diferentes em diferentes condições, devido à influência do ambiente ex- terno. "Tudo depende". # Existe uma relação entre as variáveis ambientais e as variáveis técnico adminis- trativas. * Não relatada em literatu- ra. Princípios: # Divisão depar- tamental da orga- nização. # União dos di- versos departa- mentos para o alcance dos obje- tivos da organiza- ção. Crítica: Não há.
  4. 4. http://materialenfermagem.blogspot.com 2. TEORIAS DE ENFERMAGEM E SUAS IDEALIZADORAS Teóricas Síntese da teoria Florence Nigthingale (séc. XIX) * Os profissionais de enfermagem precisam ter prepa- ração formal para exercer a profissão; * O ambiente interfere na saúde dos indivíduos. * Ambiente adequado inclui ar puro e boa iluminação. Hildegard Peplau (1952) * É necessário desenvolver uma relação interpessoal entre paciente e enfermeiro. * O diálogo (comunicação) é o principal meio de esta- belecimento desta relação. * A relação interpessoal enfermeiro x paciente faz parte da enfermagem atual. Faye Abdellah (1960) * Há necessidade de prestar assistência ao indivíduo como um todo. * Esta assistência deve atender as necessidades físi- cas, emocionais,intelectuais, sociais e espirituais; * Necessidades de: conforto, higiene e segurança, equilíbrio fisiológico, fatores sociais e psicológicos, fatores sociais e comunitários. Virgínia Henderson (1964) * O paciente deve ser ajudado para obter independên- cia. * 14 necessidades de Henderson: Respirar bem, comer e beber, eliminar, movimentar-se e manter postura, dormir e descansar, vestir-se e des- pir-se, manter a temperatura corpórea normal, manter o corpo limpo e arrumado, evitar perigos do ambiente, comunicar-se, adorar de acordo com a própria fé, traba- lhar com satisfação, recrear-se, aprender. Joyce Travelbee (1966) * Enfermagem é um processo interpessoal que envolve enfermeiro e paciente. * Enfermagem tem o objetivo de ajudar paciente e famí- lia a enfrentar a doença. Dorothy Johnson (1968) * Deve-se reduzir o estresse para que o paciente possa se recuperar o mais rápido possível. * o enfermeiro deve agir para atender as necessidades do paciente. * O enfermeiro deve perceber a incapacidade do paci- ente de adaptar-se e propiciar assistência para a solu- ção dos problemas encontrados. Martha Rogers (1968) * O ser humano é unificado; o indivíduo e o ambiente estão em constante troca de energia desenvolvimento e mudança; o processo de vida evolui irreversivelmente; * Deve-se ajudar o paciente a alcançar seu nível máxi- mo de bem estar; * "Homem Unitário" se desenvolve ao longo da vida. Imogene King (1971) * Deve-se usar a comunicação para ajudar o paciente a restabelecer uma adaptação positiva ao seu meio am- biente. * Processo de enfermagem > dinâmica interpessoal entre enfermeiro e paciente, que estabelecem metas a serem alcançadas.
  5. 5. http://materialenfermagem.blogspot.com Dorothea Orem (1971) * Teoria do autocuidado > autocuidado, déficit de autocuidado e sistema de enfermagem. * A assistência de enfermagem é necessária quando o paciente está incapacitado de atender suas necessidades biológicas, psicológicas, de desenvolvimento ou sociais . * Deve-se observar até que ponto o paciente é auto- suficiente. Myra Levine (1973) * As pessoas são dependentes de suas relações com os outros; * A enfermagem é interação humana; * Princípios de conservação: 1 - da energia do paciente, 2 - da integridade estrutural, 3 - da integridade pessoal, 4 - da integridade social. Callista Roy (1976) * Pessoas > ambiente > saúde > enfermagem com- põem o modelo de Roy; * As pessoas são sistemas adaptativos vivos cujos comportamentos são respostas de adaptação ou respostas ineficientes; * Necessidades: 1) Fisiológicas, 2) autoconceito positi- vo, 3) desempenho de papel social, 4 - equilíbrio e interdependência.

×