O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Propriedades gerais da materia

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Propriedades da matéria
Propriedades da matéria
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 49 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Quem viu também gostou (20)

Anúncio

Semelhante a Propriedades gerais da materia (20)

Mais de Lucas Mariano da Cunha e Silva (13)

Anúncio

Propriedades gerais da materia

  1. 1. Propriedades gerais da matéria Propriedades específicas da matéria Professor Ms. Lucas Mariano da Cunha e Silva
  2. 2.  A matéria tem 9 propriedades gerais, isto é, 9 características comuns a toda e qualquer porção de matéria:  Inércia;  Massa;  Extensão;  Impenetrabilidade;  Compressibilidade;  Elasticidade;  Indestrutibilidade;  Divisibilidade;  Descontinuidade.
  3. 3.  A matéria conserva seu estado de repouso ou de movimento, a menos que uma força aja sobre ela. No jogo de sinuca, por exemplo, a bola só entra em movimento quando impulsionada pelo jogador, e demora algum tempo até parar de novo
  4. 4.  É uma propriedade relacionada com a quantidade de matéria e é medida geralmente em quilogramas. A massa é a medida da inércia. Quanto maior a massa de um corpo, maior a sua inércia. Massa e peso são duas coisas diferentes. A massa de um corpo pode ser medida em uma balança. O peso é uma força medida pelos dinamômetros.
  5. 5.  Toda matéria ocupa um lugar no espaço. Todo corpo tem extensão. Seu corpo, por exemplo, tem a extensão do espaço que você ocupa.
  6. 6.  Duas porções de matéria não podem ocupar o mesmo lugar ao mesmo tempo. Comprove a impenetrabilidade da matéria: ponha água em um copo e marque o nível da água com esparadrapo. Em seguida, adicione 3 colheres de sal. Resultado: o nível da água subiu. Isto significa que duas porções de matéria (água e sal), não podem ocupar o mesmo lugar no espaço (interior do copo) ao mesmo tempo.
  7. 7.  Quando a matéria está sofrendo a ação de uma força, seu volume diminui. Veja o caso do ar dentro da seringa: ele se comprime.
  8. 8.  Portanto podemos definir compressibilidade como capacidade da matéria se submetida à ação de forças externas (pressão), o volume ocupado pode diminuir.  Dependendo do tipo de matéria, a compressão pode ser maior ou menor. O ar, por exemplo, é altamente compressível; já a água se comprime muito pouco.  Desta forma temos: Os gases são facilmente comprimidos. Os líquidos são comprimidos até um certo ponto. Nos sólidos quase não se percebe a compressão.
  9. 9.  A matéria volta ao volume e à forma iniciais quando cessa a compressão.  No exemplo anterior, basta soltar o êmbolo da seringa que o ar volta ao volume e à forma iniciais.
  10. 10.  Desta forma podemos definir elasticidade como uma propriedade em que a matéria, dentro de um certo limite, se submetida à ação de uma força causando deformação, ela retornará à forma original, assim que essa força deixar de agir. Isto ocorre porque seus espaços interatômicos e intermoleculares diminuem ou aumentam.
  11. 11. Quando um pedaço de lenha é queimado, os materiais que fazem parte da composição da madeira se transformam em cinza e fumaça. Essa transformação mostra que não houve destruição da matéria, mas sim a transformação em outra matéria.
  12. 12. Desta forma podemos concluir que a matéria não pode ser criada nem destruída, apenas transformada. E esse fato, que é um dos princípios básicos da Química, se deve à característica de indestrutibilidade da matéria.
  13. 13.  Com o auxílio de um martelo, podemos reduzir a pó um pedaço de giz, de grafite, de granito, de madeira, etc. Isso é possível porque a matéria pode ser dividida em pequenas partículas. Da mesma forma, com um gota de anilina podemos tingir a água contida num copo.
  14. 14.  Isso ocorre porque a anilina tem a propriedade de dividir-se em partículas muito pequenas, que se espalham pela água.  Toda matéria pode ser dividida sem alterar a sua constituição, até um limite máximo ao qual chamamos de átomo.
  15. 15.  Toda matéria é descontínua, por mais compacta que pareça. Existem espaços entre uma molécula e outra e esses espaços podem ser maiores ou menores tornando a matéria mais ou menos dura.
  16. 16.  São propriedades comuns a determinados grupos de matérias, identificadas pela função que desempenham. Exemplos: ácidos, bases, sais, óxidos, álcoois, éter, etc.
  17. 17.  São propriedades comuns a determinados grupos de matérias, identificadas pela função que desempenham. Exemplos: ácidos, bases, sais, óxidos, álcoois, éter, etc.
  18. 18.  vinagre = solução de ácido acético;  limão = contém ácido cítrico e ácido ascórbico;  bateria = contém solução de ácido sulfúrico.
  19. 19.  leite de magnésia = suspensão aquosa de hidróxido de magnésio;  soda cáustica = contém hidróxido de sódio;  detergente = contém hidróxido de amônio.
  20. 20.  sal de cozinha = constituído fundamentalmente de cloreto de sódio;  adubo = mistura de sais de fósforo entre eles o fosfato de cálcio;  bicarbonato de sódio = sal usado como antiácido estomacal.
  21. 21.  extintor = existem vários tipos de extintores, sendo os mais comuns os de gelo seco (gás carbônico);  cal = óxido de cálcio.
  22. 22.  Além das propriedades gerais que acabamos de estudar, a matéria apresenta outras propriedades, como cor, brilho e sabor. O sal, por exemplo, apresenta sabor, já a água destilada não. Portanto, as propriedades que são características de cada substância se denominam propriedades específicas da matéria.  São classificadas em: Físicas; Químicas; Organolépticas
  23. 23.  São propriedades que caracterizam fisicamente a matéria. As propriedades físicas importantes são: os pontos de fusão, solidificação, ebulição e liquefação da matéria; a condutividade; o magnetismo; a solubilidade; a dureza; a maleabilidade; a ductibilidade; a densidade; o calor específico.
  24. 24.  São as temperaturas nas quais a matéria passa da fase sólida para a fase líquida e da fase líquida para a fase sólida respectivamente, sempre em relação a uma determinada pressão atmosférica.
  25. 25.  São as temperaturas nas quais a matéria passa da fase líquida para a fase gasosa e da fase gasosa para a líquida respectivamente, sempre em relação a uma determinada pressão atmosférica.
  26. 26.  Certas matérias conduzem bem o calor e a eletricidade, como é o caso dos metais. O mesmo não acontece com outras substâncias, como o iodo, a água e o fósforo, que se apresentam resistentes na condução do calor e da eletricidade.
  27. 27.  Quando uma determinada matéria tem a propriedade de atrair o ferro, significa que ela apresenta propriedade magnética. Um exemplo de substância magnética natural é a magnetita (pedra imã natural), um minério de ferro.
  28. 28.  É a resistência que uma espécie de matéria apresenta ao ser riscada por outra.  Quanto maior a resistência ao risco, mais dura é a matéria.  Escala de dureza de Mohs  Friedrich Mohs, um mineralogista alemão, criou uma tabela de dez minerais, com dureza relativa. Quanto mais alto o número, mais duro o mineral. Os minerais de valores numéricos altos (6, 7, 8) riscam os de valores relativos mais baixos (1, 2, 3, 4)
  29. 29. Dureza Mineral Fórmula Química 1 Talco, (pode ser arranhado facilmente com a unha) Mg3Si4O10(OH)2 2 Gipsita (ou Gesso), (pode ser arranhado com unha com um pouco mais de dificuldade) CaSO4·2H2O 3 Calcita, (pode ser arranhado com uma moeda de cobre) CaCO3 4 Fluorita, (pode ser arranhada com uma faca de cozinha) CaF2 5 Apatita, (pode ser arranhada dificilmente com uma faca de cozinha) Ca5(PO4)3(OH-,Cl-,F-) 6 Feldspato / Ortoclásio, (pode ser arranhado com uma liga de aço) KAlSi3O8 7 Quartzo, (capaz de arranhar o vidro. Ex.: Ametista) SiO2 8 Topázio, (Capaz de arranhar o quartzo) Al2SiO4(OH-,F-)2 9 Corindon, (Capaz de arranhar o Topázio) Al2O3 10 Diamante, (Mineral mais duro que existe, pode arranhar qualquer outro e é arranhado apenas por outro diamante ) C
  30. 30. O diamante é a matéria mais dura que se conhece, é utilizado em brocas que cortam o mármore e em estiletes de cortar vidro.
  31. 31. Propriedade que permite à matéria ser moldada. A matéria que pode ser facilmente transformada em lâminas é considerada maleável. Exemplos: ferro, alumínio, prata, ouro e chumbo.
  32. 32. É a propriedade que permite a matéria ser transformada em fio. É o que acontece com os metais: os fios de cobre, por exemplo, são usados para conduzir a eletricidade que chega em nossa casa.
  33. 33. É a quantidade de calor necessária para aumentar em 1 grau Celsius (1oC) a temperatura de 1 grama de massa de qualquer matéria. Veja alguns valores que indicam o calor específico medidos à 15oC: Água: 1,000 cal/goC); álcool etílico: 0,540 cal/goC; alumínio: 0,215 cal/goC; ferro: 0,110 cal/goC; zinco: 0,093 cal/goC.
  34. 34. Também chamada de densidade absoluta ou massa específica (d) de um corpo definido como a relação entre a massa do material e o volume por ele ocupado. Essa definição é expressa da seguinte forma: V m d 
  35. 35. onde: m = massa do corpo (kg ou g) V = volume ocupado pelo corpo (cm3 ou mL e L ) d = densidade (kg/L ou g/L ou g/cm3) Para sólidos e líquidos, a densidade é normalmente expressa em g/cm3, para gases, costuma-se expressar a densidade em g/L.
  36. 36.  Caracterizam quimicamente os materiais através de reações químicas. Por exemplo: Combustão
  37. 37.  Quando a matéria queima (combustível), significa que ela está reagindo com o oxigênio do ar. Essa propriedade se chama combustão. Para que ocorra combustão, é fundamental a presença do oxigênio (comburente).  Um exemplo disso é a queima da vela: se você colocar um copo virado sobre a vela acesa, a chama vai consumir o oxigênio contido no interior do copo e, nesse instante, a vela se apaga.
  38. 38. São as propriedades capazes de impressionar os nossos sentidos, como: Cor; Brilho; Sabor; Odor.
  39. 39. Cor: a matéria pode ser colorida ou incolor. Esta propriedade é percebida pela visão; Brilho: a capacidade de uma substância de refletir luz é a que determina o seu brilho. Percebemos o brilho pela visão;
  40. 40. Sabor: uma substância pode ser insípida (sem sabor) ou sápida (com sabor). Esta propriedade é percebida pelo paladar; Odor: a matéria pode ser inodora (sem cheiro) ou odorífera (com cheiro). Esta propriedade é percebida pelo olfato.
  41. 41. A matéria se apresenta em 3 estados físicos: sólido, líquido e gasoso.
  42. 42. Sólido: No estado sólido, o corpo tem forma e volume definidos. A matéria em estado sólido pode se apresentar compacta, em pedaços ou em pó. Os corpos são formados pela reunião de moléculas, e entre as moléculas desenvolvem-se duas forças: coesão (força que tende a aproximar as moléculas entre si) e repulsão (força que tende a afastá-las umas das outras). No estado sólido, a força de coesão é muito forte. Por isso, o movimento das moléculas é pequeno e elas apenas vibram.
  43. 43. Líquido: No estado líquido, a matéria tem forma variável e volume definidos. As moléculas tem menos força de coesão do que nos sólidos. Por isso, elas se deslocam mais.
  44. 44. Gasoso: No estado gasoso, a matéria tem forma e volume variáveis. Nos gases, as moléculas se movem livremente e com grande velocidade. A força de coesão é mínima e a de repulsão é enorme.
  45. 45. Fusão: É a passagem do estado sólido para o líquido. Solidificação: É a passagem do estado líquido para o sólido. Vaporização: É a passagem do estado líquido para o gasoso. Condensação (liquefação): É a passagem do estado gasoso para o estado líquido. Sublimação: É a passagem direta do estado sólido para o gasoso ou vice-versa.
  46. 46. Todo líquido diminui seu volume quando passa para o estado sólido. Porque a água congelada aumenta de volume?

×