SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
AULA 1
Objeto - Quando um corpo possui um formato específico, que o
torna útil para um determinado fim, como uma mesa de madeira,
um copo de vidro ou uma engrenagem de aço, passa a ser
denominado objeto.
Energia
Energia
Energia
movimento
Cinética –
associada ao
(diretamente
proporcional à velocidade do
corpo).
A existência da matéria depende diretamente da
existência de energia.
A palavra energia deriva do grego enérgeia, que
significa “força em ação”.
Energia é a grandeza que mede a capacidade de
um sistema realizar trabalho.
Formas de Energia
Energia Potencial Gravitacional –
Energia associada à posição de um corpo em
relação a um nível de referência.
Energia Potencial Elástica –
Energia associada a deformações
elásticas (esticar uma mola, elástico,
etc.).
Energia Mecânica – Soma das
Energias Potencial e Cinética de
um corpo.
Podemos dizer que energia é o que coloca um corpo em
movimento (ou na potência, na possibilidade de um
movimento, de realizar trabalho).
Sendo assim, a energia não se perde, mas sim, se
transforma de um tipo em outro. E pode ser
armazenada. Essa é a chamada Lei da conservação de
energia.
Afinal, o que é matéria?
Chamamos de matéria tudo aquilo que tem massa e
ocupa um lugar no espaço. A madeira, o ferro e o vidro
são exemplos de matéria.
Uma porção delimitada da matéria é chamada de corpo.
Por exemplo, um pedaço de madeira ou um caco de
vidro.
Quando um corpo é usado como utensílio ou ferramenta
pelo homem, temos um objeto.
Propriedades Gerais
Propriedades Específicas
As propriedades da matéria que podem ser observadas
em um corpo podem ser classificadas em:
São as propriedades da matéria observadas em
qualquer corpo, independente da substância da qual é
constituído. São elas:
EXTENSÃO
INÉRCIA
IMPENETRABILIDADE MASSA
ELASTICIDADE
INDESTRUTIBILIDADE
As propriedades gerais mais importantes da matéria são:
ELASTICIDADE
MASSA
EXTENSÃO
IMPENETRABILIDADE
INDESTRUTIBILIDADE
INÉRCIA
IMPENETRABILIDADE
É a propriedade que os
corpos têm de não ocuparem
o mesmo lugar no espaço ao
mesmo tempo.
EXTENSÃO
É a propriedade que a matéria
tem de ocupar um lugar no espaço, ou
seja, toda matéria ocupa um lugar no
espaço, o que corresponde ao seu
volume.
MASSA
Corresponde à quantidade de
matéria que forma um corpo. Para
medirmos a massa, utilizamos, como
unidade de medida principal, o
quilograma.
INÉRCIA
Naturalmente os corpos têm a
tendência de manter seu estado de
repouso ou de movimento em trajetória
reta. A medida da inércia corresponde à da
massa de um corpo, portanto, quanto
maior é a massa de um corpo, maior será
sua inércia.
ELASTICIDADE
É a propriedade que um corpo
tem de voltar a sua forma inicial,
cessada a força a que estava submetido.
INDESTRUTIBILIDADE
tem de não poder
a propriedade que a
ser
É
matéria
criada nem destruída, apenas
transformada.
COMPRESSIBILIDADE
É a propriedade da matéria que
consiste em ter o seu volume reduzido
quando submetida a determinada
pressão.
DIVISIBILIDADE
É a propriedade que a
matéria tem de reduzir-se a
extremamente
partículas
pequenas.
Sólido Líquido Vapor
Estados Físicos da Matéria
Estados físicos da matéria ou fases são as diferentes formas de como
uma substância pode se apresentar no espaço.
Os principais são:
Mudanças de Estado Físico
Absorvem calor
(transformações endotérmicas)
Liberam calor
(transformações exotérmicas)
Solidificação
Condensação
(Liquefação)
Sólido (ordem) Líquido
Fusão Vaporização
Sublimação
Vapor ou gás (desordem)
Ponto de Fusão/Solidificação
• Ponto de Fusão (PF) é a temperatura em que uma
substância muda do estado sólido para o estado líquido.
• Ponto de Solidificação (PS) corresponde ao processo
inverso, embora as temperaturas sejam equivalentes.
Ponto de Ebulição/Liquefação
• Ponto de Ebulição (PE) a temperatura em que uma
substância muda do estado líquido para o estado de
vapor.
• Ponto de Liquefação (PL) ou de Condensação (PC)
corresponde ao processo inverso, embora as
temperaturas sejam equivalentes.
Matéria constituída por
mais de um tipo de
molécula
Essas misturas podem ser
HOMOGÊNEAS ou
HETEROGÊNEAS...
Misturas
Misturas Homogêneas
Misturas que possuem apenas um
único aspecto, isto é, as
mesmas propriedades químicas
em toda a sua extensão.
Exemplo:
água + açúcar dissolvido
Misturas que apresentam mais
de um aspecto, isto é, têm
propriedades distintas em sua
extensão.
Misturas Heterogêneas
Exemplo:
óleo
água
Mistura eutética e Mistura azeotrópica
Existem misturas que, como exceção, se comportam como se
fossem substâncias puras no processo de fusão, isto é, a
temperatura mantém-se inalterada no início ao fim da fusão. Essas
são chamadas misturas eutéticas.
Exemplos: ligas metálicas em geral. A solda (Estanho e Chumbo);
bronze (cobre com estanho).
Existem misturas que, como exceção, se comportam como se
fossem substâncias puras em relação à ebulição, isto é, a
temperatura mantém-se inalterada do início ao fim da ebulição.
Essas são chamadas misturas azeotrópicas.
Exemplos: álcool etílico + água, acetona + metanol, álcool etílico +
clorofórmio.
Não é conhecida nenhuma mistura que seja eutética e azeotrópica
simultaneamente.
SEPARAÇÃO DE MISTURAS
Separação de misturas é o processo utilizado para separar
duas ou mais substâncias diferentes.
A necessidade de separar essas substâncias surge por
diversos motivos. São exemplos, a separação da água para
obter sal, a separação de poluentes no tratamento da
água e a própria separação de lixo.
▶Decantação:
▶Processo utilizado para separar misturas heterogêneas
dos tipos líquido-sólido e líquido-líquido. Baseia-se na
diferença de densidade.
▶Exemplo: água barrenta.
• Filtração comum: É utilizada para
separar misturas de um líquido com
um sólido não dissolvido, quando o
tamanho das partículas do sólido é
relativamente grande e, assim,
existe uma diferença acentuada
entre o tamanho das partículas do
sólido e o tamanho dos poros do
papel de filtro.
• Exemplo: água e areia.
▶Centrifugação: É utilizada para separar misturas
imiscíveis do tipo sólido-sólido ou líquido-líquido. É uma
maneira acelerada de se realizar a decantação.
▶Exemplo: plasma dos glóbulos vermelhos; nata do leite.
• Cristalização: Todos os
componentes da mistura são
dissolvidos em um líquido que, em
seguida, sofre evaporação
provocando a cristalização
separada de cada componente. A
cristalização fracionada é usada,
por exemplo, nas salinas para a
obtenção de sais a partir da água
do mar.
▶Destilação: É utilizada para separar misturas
homogêneas do tipo sólido-líquido, nas quais os
componentes têm pontos de ebulição muito diferentes.
Ex: água e cloreto de sódio.
• Cromatografia: Nesse
processo, os componentes de
uma mistura de sólidos em
solução são separados e
identificados pela cor. Em dos
primeiros processos usados
foi a cromatografia em papel.
Ex: tinta da caneta.
• Separação magnética:
Separa misturas do tipo
sólido-sólido nas quais um
dos componentes tem
propriedades magnéticas e
é atraído por um ímã. Ex:
Ferro e areia.
• Catação: Método baseado na
diferença de tamanho e de
aspectos visíveis das partículas
de uma mistura de sólidos
granulados. Um dos sólidos é
retirado com pinças ou com as
mãos. Ex: mistura de feijão e
impurezas.
• Peneiração: Utilizado quando uma
mistura de sólidos granulados, cujo
tamanho das partículas é
sensivelmente diferente, é colocada
sobre uma peneira e submetida à
agitação. Ex: mistura de areia fina e
pedregulhos.
• Ventilação: O sólido mais leve é
separado por uma corrente de ar.
Ex: grãos de café e cascas.
• Levigação: O sólido mais leve
é separado por água
corrente. Ex: ouro e areia. A
areia, mais leve, é arrastada
por um fluxo de água.
• Flotação: O sólido mais leve (menos
denso) flutua em um líquido,
enquanto o mais denso sedimenta.
Ex: serragem e areia, por adição de
água. Na mineração, para separar a
areia do minério. Neste caso, o
minério é pulverizado e tratado com
óleo para flutuar na água.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx

aula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.ppt
aula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.pptaula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.ppt
aula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.ppt
Edna Vidal
 
Fenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matériaFenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matéria
Carlos Priante
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
Pedro Araújo
 
Matéria 9° ano
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° ano
adriana
 
6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial
ISJ
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
matheusrl98
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
Roberta Almeida
 
Capítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidasCapítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidas
Kaires Braga
 
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Rejane Conceição
 

Semelhante a aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx (20)

aula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.ppt
aula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.pptaula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.ppt
aula 01 - Princípios físico-químicos laboratoriais.ppt
 
Matéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedadesMatéria e suas propriedades
Matéria e suas propriedades
 
Noções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânicaNoções básicas de química inorgânica
Noções básicas de química inorgânica
 
Pré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º anoPré requisitos - quimica A 10º ano
Pré requisitos - quimica A 10º ano
 
Propriedades da matéria - explicação sobe propriedades das matérias.pptx
Propriedades da matéria - explicação sobe propriedades das matérias.pptxPropriedades da matéria - explicação sobe propriedades das matérias.pptx
Propriedades da matéria - explicação sobe propriedades das matérias.pptx
 
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
1-introducao-a-quimica-e-sistemas-materiaisdocx.pptx
 
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo   classificação, propriedades e transformações da matériaResumo   classificação, propriedades e transformações da matéria
Resumo classificação, propriedades e transformações da matéria
 
Ciencias 9ºano
Ciencias 9ºanoCiencias 9ºano
Ciencias 9ºano
 
Fenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matériaFenômenos e propriedades da matéria
Fenômenos e propriedades da matéria
 
Apostila dom paulo
Apostila dom pauloApostila dom paulo
Apostila dom paulo
 
Sem título 1
Sem título 1Sem título 1
Sem título 1
 
Propriedades específicas da matéria
Propriedades específicas  da matériaPropriedades específicas  da matéria
Propriedades específicas da matéria
 
Matéria 9° ano
Matéria   9° anoMatéria   9° ano
Matéria 9° ano
 
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
"Somos Físicos" Substâncias e Misturas
 
6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial6º ano cap 14 a água uma subst especial
6º ano cap 14 a água uma subst especial
 
Ap. de química 1a etapa
Ap. de química   1a etapaAp. de química   1a etapa
Ap. de química 1a etapa
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
 
Propriedades da matéria
Propriedades da matériaPropriedades da matéria
Propriedades da matéria
 
Capítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidasCapítulo 1: Matéria e medidas
Capítulo 1: Matéria e medidas
 
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
Aula 1 De FíSica Ppt [Recuperado]
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

aula1-quimem-1 ano ensino191027025831.pptx

  • 2.
  • 3. Objeto - Quando um corpo possui um formato específico, que o torna útil para um determinado fim, como uma mesa de madeira, um copo de vidro ou uma engrenagem de aço, passa a ser denominado objeto.
  • 4. Energia Energia Energia movimento Cinética – associada ao (diretamente proporcional à velocidade do corpo). A existência da matéria depende diretamente da existência de energia. A palavra energia deriva do grego enérgeia, que significa “força em ação”. Energia é a grandeza que mede a capacidade de um sistema realizar trabalho. Formas de Energia
  • 5. Energia Potencial Gravitacional – Energia associada à posição de um corpo em relação a um nível de referência. Energia Potencial Elástica – Energia associada a deformações elásticas (esticar uma mola, elástico, etc.). Energia Mecânica – Soma das Energias Potencial e Cinética de um corpo.
  • 6. Podemos dizer que energia é o que coloca um corpo em movimento (ou na potência, na possibilidade de um movimento, de realizar trabalho). Sendo assim, a energia não se perde, mas sim, se transforma de um tipo em outro. E pode ser armazenada. Essa é a chamada Lei da conservação de energia. Afinal, o que é matéria? Chamamos de matéria tudo aquilo que tem massa e ocupa um lugar no espaço. A madeira, o ferro e o vidro são exemplos de matéria.
  • 7. Uma porção delimitada da matéria é chamada de corpo. Por exemplo, um pedaço de madeira ou um caco de vidro. Quando um corpo é usado como utensílio ou ferramenta pelo homem, temos um objeto. Propriedades Gerais Propriedades Específicas As propriedades da matéria que podem ser observadas em um corpo podem ser classificadas em:
  • 8. São as propriedades da matéria observadas em qualquer corpo, independente da substância da qual é constituído. São elas: EXTENSÃO INÉRCIA IMPENETRABILIDADE MASSA ELASTICIDADE INDESTRUTIBILIDADE
  • 9. As propriedades gerais mais importantes da matéria são: ELASTICIDADE MASSA EXTENSÃO IMPENETRABILIDADE INDESTRUTIBILIDADE INÉRCIA
  • 10. IMPENETRABILIDADE É a propriedade que os corpos têm de não ocuparem o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo. EXTENSÃO É a propriedade que a matéria tem de ocupar um lugar no espaço, ou seja, toda matéria ocupa um lugar no espaço, o que corresponde ao seu volume.
  • 11. MASSA Corresponde à quantidade de matéria que forma um corpo. Para medirmos a massa, utilizamos, como unidade de medida principal, o quilograma. INÉRCIA Naturalmente os corpos têm a tendência de manter seu estado de repouso ou de movimento em trajetória reta. A medida da inércia corresponde à da massa de um corpo, portanto, quanto maior é a massa de um corpo, maior será sua inércia.
  • 12. ELASTICIDADE É a propriedade que um corpo tem de voltar a sua forma inicial, cessada a força a que estava submetido. INDESTRUTIBILIDADE tem de não poder a propriedade que a ser É matéria criada nem destruída, apenas transformada.
  • 13. COMPRESSIBILIDADE É a propriedade da matéria que consiste em ter o seu volume reduzido quando submetida a determinada pressão. DIVISIBILIDADE É a propriedade que a matéria tem de reduzir-se a extremamente partículas pequenas.
  • 14. Sólido Líquido Vapor Estados Físicos da Matéria Estados físicos da matéria ou fases são as diferentes formas de como uma substância pode se apresentar no espaço. Os principais são:
  • 15.
  • 16. Mudanças de Estado Físico Absorvem calor (transformações endotérmicas) Liberam calor (transformações exotérmicas) Solidificação Condensação (Liquefação) Sólido (ordem) Líquido Fusão Vaporização Sublimação Vapor ou gás (desordem)
  • 17. Ponto de Fusão/Solidificação • Ponto de Fusão (PF) é a temperatura em que uma substância muda do estado sólido para o estado líquido. • Ponto de Solidificação (PS) corresponde ao processo inverso, embora as temperaturas sejam equivalentes. Ponto de Ebulição/Liquefação • Ponto de Ebulição (PE) a temperatura em que uma substância muda do estado líquido para o estado de vapor. • Ponto de Liquefação (PL) ou de Condensação (PC) corresponde ao processo inverso, embora as temperaturas sejam equivalentes.
  • 18. Matéria constituída por mais de um tipo de molécula Essas misturas podem ser HOMOGÊNEAS ou HETEROGÊNEAS... Misturas Misturas Homogêneas Misturas que possuem apenas um único aspecto, isto é, as mesmas propriedades químicas em toda a sua extensão. Exemplo: água + açúcar dissolvido
  • 19. Misturas que apresentam mais de um aspecto, isto é, têm propriedades distintas em sua extensão. Misturas Heterogêneas Exemplo: óleo água
  • 20.
  • 21. Mistura eutética e Mistura azeotrópica Existem misturas que, como exceção, se comportam como se fossem substâncias puras no processo de fusão, isto é, a temperatura mantém-se inalterada no início ao fim da fusão. Essas são chamadas misturas eutéticas. Exemplos: ligas metálicas em geral. A solda (Estanho e Chumbo); bronze (cobre com estanho). Existem misturas que, como exceção, se comportam como se fossem substâncias puras em relação à ebulição, isto é, a temperatura mantém-se inalterada do início ao fim da ebulição. Essas são chamadas misturas azeotrópicas. Exemplos: álcool etílico + água, acetona + metanol, álcool etílico + clorofórmio. Não é conhecida nenhuma mistura que seja eutética e azeotrópica simultaneamente.
  • 22. SEPARAÇÃO DE MISTURAS Separação de misturas é o processo utilizado para separar duas ou mais substâncias diferentes. A necessidade de separar essas substâncias surge por diversos motivos. São exemplos, a separação da água para obter sal, a separação de poluentes no tratamento da água e a própria separação de lixo. ▶Decantação: ▶Processo utilizado para separar misturas heterogêneas dos tipos líquido-sólido e líquido-líquido. Baseia-se na diferença de densidade. ▶Exemplo: água barrenta.
  • 23.
  • 24. • Filtração comum: É utilizada para separar misturas de um líquido com um sólido não dissolvido, quando o tamanho das partículas do sólido é relativamente grande e, assim, existe uma diferença acentuada entre o tamanho das partículas do sólido e o tamanho dos poros do papel de filtro. • Exemplo: água e areia. ▶Centrifugação: É utilizada para separar misturas imiscíveis do tipo sólido-sólido ou líquido-líquido. É uma maneira acelerada de se realizar a decantação. ▶Exemplo: plasma dos glóbulos vermelhos; nata do leite.
  • 25.
  • 26. • Cristalização: Todos os componentes da mistura são dissolvidos em um líquido que, em seguida, sofre evaporação provocando a cristalização separada de cada componente. A cristalização fracionada é usada, por exemplo, nas salinas para a obtenção de sais a partir da água do mar. ▶Destilação: É utilizada para separar misturas homogêneas do tipo sólido-líquido, nas quais os componentes têm pontos de ebulição muito diferentes. Ex: água e cloreto de sódio.
  • 27. • Cromatografia: Nesse processo, os componentes de uma mistura de sólidos em solução são separados e identificados pela cor. Em dos primeiros processos usados foi a cromatografia em papel. Ex: tinta da caneta. • Separação magnética: Separa misturas do tipo sólido-sólido nas quais um dos componentes tem propriedades magnéticas e é atraído por um ímã. Ex: Ferro e areia.
  • 28. • Catação: Método baseado na diferença de tamanho e de aspectos visíveis das partículas de uma mistura de sólidos granulados. Um dos sólidos é retirado com pinças ou com as mãos. Ex: mistura de feijão e impurezas. • Peneiração: Utilizado quando uma mistura de sólidos granulados, cujo tamanho das partículas é sensivelmente diferente, é colocada sobre uma peneira e submetida à agitação. Ex: mistura de areia fina e pedregulhos.
  • 29. • Ventilação: O sólido mais leve é separado por uma corrente de ar. Ex: grãos de café e cascas. • Levigação: O sólido mais leve é separado por água corrente. Ex: ouro e areia. A areia, mais leve, é arrastada por um fluxo de água.
  • 30. • Flotação: O sólido mais leve (menos denso) flutua em um líquido, enquanto o mais denso sedimenta. Ex: serragem e areia, por adição de água. Na mineração, para separar a areia do minério. Neste caso, o minério é pulverizado e tratado com óleo para flutuar na água.