SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 81
Baixar para ler offline
CRIAÇÃO E PRODUÇÃO AUDIOVISUAL
CURSO: RELAÇÕES PÚBLICA
2015-2
Função do Audiovisual
Perfil dos profissional de produção
Processos de produção:
- Pré produção
Conteúdo
Funções do vídeo institucional
Vídeo é “um meio de transporte de
imagens apto a sintetizar com
propriedade a televisão e o cinema”.
“[...] o vídeo surge, servindo como
uma alternativa de corporificação de
de um universo de códigos
dispersos; um veículo capaz de
socializar definitivamente a
mensagem” Candido José de
Almeida (1985: 8).
Funções do vídeo institucional
•  O vídeo é um facilitador da comunicação
entre uma organização e os seus públicos.
•  Muito disso se deve ao fato de as pessoas
estarem acostumadas com a linguagem
audiovisual.
•  É um dos métodos mais eficazes para
transmitir uma ideia.
•  O vídeo também é uma importante
ferramenta de comunicação dirigida de uma
organização e pode ser utilizado para várias
finalidades, conforme aponta Waldir Gutierrez
Fortes (2002).
Funções do vídeo institucional
•  As empresas têm utilizado as técnicas da
comunicação para promoverem suas imagens
organizacionais.
“institucional é a área das relações públicas que estabelece e
institui formas sociais para garantir a continuidade do sistema
social organização-públicos” (Steffen, 2007: 39).
•  Institucional é um termo atrelado ao mecanismo da
comunicação que, neste caso, “dá-se pelos diversos
instrumentos que implantam ações associadas aos
interesses e necessidades da sociedade”.
•  Nesse sentido procura conquistar credibilidade,
afinidade e reconhecimento de seus públicos.
Funções do vídeo institucional
•  Quando se fala em vídeos institucionais
estamos nos referindo às produções
audiovisuais utilizadas na comunicação dirigida
auxiliar da empresa.
•  É um veículo importante entre a empresa e os
seus vários públicos, já que tem um grande
poder de atração para todos os tipos de
audiência.
•  Na visão de Margarida Kunsch (2002: 186),
comunicação dirigida “é a comunicação direta e
segmentada com os públicos específicos que
queremos atingir” e “dependendo do público
usaremos determinado veículo, com linguagem
apropriada e específica”.
Funções do vídeo institucional
Normalmente, o cliente faz um programa institucional para
vender/apresentar a imagem da empresa para seus clientes,
instituições financeiras, investidores, fornecedores, órgãos
governamentais e comunidade. Um institucional mostra, na
verdade, o conceito da empresa e sua filosofia ( Xavier e
Zupardo, 2004: 76).
Os RPs têm ao seu dispor uma série de meios audiovisuais
que facilitam o processo de comunicação dirigida com os
públicos, atingindo seus objetivos de forma direta e muito
rápida. O vídeo institucional é um deles, justamente porque
seu objetivo é “mostrar a empresa (histórico, ramo de
atividade, principais produtos, estrutura física e
organizacional, tecnologia, missão e visão da empresa,
relações sociais e com o meio ambiente)” (Xavier e Zupardo,
2004: 76).
Funções do vídeo institucional
•  Atualmente o vídeo institucional tem a
função de atender as demandas do
mercado.
•  Há uma demanda nova: 96% das
pessoas que acessam a internet assistem
a vídeos online.
•  O vídeo também pode Enriquecer as
reuniões
•  Melhorar a comunicação interna.
•  Possibilitar eventos mais dinâmicos.
Perfil do profissional de produção
•  Organização;
•  Espírito de equipe;
•  Comunicação;
•  Liderança;
•  Responsabilidade;
•  Criatividade.	
  
Perfil do profissional de produção
•  Posto de gasolina
•  Não basta investimento em propaganda
•  Treinamento
•  Especialistas em comunicação: suporte
estrutura funcional, recursos humanos, até a
chegada do produto ao mercado;
•  Transmitir mensagem e dialogar por meio de
técnicas audiovisuais com o público, com o
pessoal interno;
Perfil do profissional de produção
•  Tente se lembrar de 12 novas campanhas veiculadas na Tv nos
últimos seis meses.
•  Além de atender as empresas presentes na grande mídia, há
também as indústrias (embalagens, químicas, agronegócio,
engenharia, meio ambiente, hospitais, restaurantes, usinas,
transporte, petróleo), entidades de classe, autopeças,
laboratórios, entre outras.
•  Também elabora cursos, programas de segurança no trabalho,
treinamentos, programas motivacionais, de apoio a marketing,
vendas, demonstração de produtos, lançamentos de produtos
para revenda, integração de pessoal, institucionais, relatórios,
peças de teatro, eventos, tudo que possa suprir as
necessidades de uma organização no contato com o seu
público.
Casas Bahia - Filme comemorativo dos 60 ano	
  
•  Neste filme especialmente montado para a internet, músicos de
várias cidades do país interpretam uma versão estendida da
canção criada para comemorar os 60 anos da Casas Bahia.
Contando com os mais avançados recursos de produção de
áudio, a captação das vozes e instrumentos foi feita nas próprias
locações. Assim, todas as participações foram gravadas ao vivo,
garantindo a autenticidade e a emoção.
Casas Bahia - Filme comemorativo dos 60 ano	
  
Organograma de uma equipe. Livro Cinema e a Produção de Chris Rodrigues
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Diretor: define estética e as abordagens criativas da produção.
Se for contratado, ele pode desempenhar o papel tradicional do
cargo, trabalhando com os artistas, a equipe técnica e o
produtor para visualizar as cenas.
•  O diretor supervisiona o roteiro, a seleção do elenco e
ensaia com os artistas, lapidando a abordagem estética
geral.
Diretor técnico: trabalha no switcher. Responsável por cenas
que envolvam muitas câmeras e “chama as tomadas” à medida
que elas entram na sala de controle, criando uma edição inicial
nesse processo.
•  Diretores, assistentes de direção e diretores técnicos fazem
parte de categorias diferentes e, desse modo, têm cachês
diferentes. Embora cada projeto seja singular, ele só vai para
frente se o produtor e o diretor trabalharem juntos de forma
coesa e colaborativa.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Assistente de Direção: É a conexão entre o
diretor, o produtor, a equipe técnica e os artistas.
•  Ajuda a criar o cronograma de filmagem,
mantendo a equipe dentro do cronograma do
dia.
•  Também é responsável por cronometrar o
programa ou segmentos durante a gravação.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Diretor de Fotografia: dá vida à visão criativa do
diretor.
•  Pode trabalhar diretamente com a câmera ou
supervisionar o operador (ou operadores) de
câmera.
•  É o especialista nas questões de iluminação e
formatos de vídeo e filme, e no uso de gruas e
plataformas móveis para câmera.
•  Pode trazer para a produção profissionais
experientes com quem já trabalha e pode
ajudar a criar o cronograma de filmagens.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Diretor de arte: A textura estética, o planejamento e o
“visual” de uma produção são elementos essenciais de todo
projeto.
•  Trabalha em conjunto com o produtor e o diretor para
criar o ambiente no qual a ação ocorrerá.
•  Sabe quais câmeras serão usadas e qual será o ângulo
gravado.
•  Usa storyboard ou esboços para desenhar o que será
captado pela câmera.
•  O orçamento tem um impacto sobre as escolhas, embora
o diretor de arte inteligente seja capaz de improvisar e
planejar cuidadosamente.
•  Pode trabalhar com equipe adicional como como
designers, cênicos, cenógrafos e equipe de apoio.
Reclame - No novo quadro, "Profissões”
Diretor de fotografia, Lito Mendes
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Sonoplasta/Operador de Áudio: As
sutilezas do planejamento de áudio podem
se perder no estágio de pré-produção, de
modo que um bom produtor contrata um
sonoplasta, que possa capturar com clareza
os diálogos, sons de fundo, sons especiais
na locação (sirene, pássaros, tráfego,
conversas de fundo) e outros sons
ambientes. Ele sabe como utilizar microfones
como booms, microfones sem fio, pequenos
microfones de lapela.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Supervisor de Pós-Produção: consulta o produtor para
tomar decisões iniciais sobre detalhes de pós-produção
[Escolha do editor e as instalações da ilha de edição, o
sonoplasta e as instalações para mixagem de som, música e
outros elementos da fase de pós-produção].
•  Em algumas produções, o supervisor é contratado
durante a fase de produção e organiza sistemas para
assistir às cenas gravadas no dia, arrumá-las, rotulá-las e
armazená-las. Sua responsabilidade geral é estar bem
preparado para o estágio de pós-produção.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Produtor: Responsável por tornar o projeto realidade,
desde o conceito do programa até seu
desenvolvimento e exibição ou distribuição final.
•  Há produtores de áreas específicas de um projeto,
representando uma parte primordial em uma grande
equipe de produtores.
•  O bom profissional além de saber detalhes, também
tem uma visão clara do quadro geral da produção: o
mercado atual, saber como estão a audiência, as
tendências do dia. É necessário ler publicações
especializadas, assistir ativamente a programas de
gêneros específicos e buscar oportunidades de
aprendizado.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
•  É responsável por satisfazer o cliente e o telespectador, e
articular toda a equipe.
•  Sem um produtor não há projeto.
•  Ter facilidade para resolver problemas
•  Saber lidar com diversas tarefas
•  Ser um intermediário
•  Querer saber tudo
•  No estúdio, ele é responsável em dar suporte ao
programa, ou seja, recepcionar o convidado na porta da
emissora ou do estúdio; posicionar o convidado no local
pré-determinado, verificar se não está faltando nada
dentro do estúdio (por exemplo, água para a
apresentadora ou convidado); levar microfone de mão,
caso o apresentador solicite, etc.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Coordenador de Produção: Dirige a
produção e os demais produtores, com
autoridade de agir em nome do time de
produção. É ele quem gerencia as
necessidades práticas e, juntamente com os
diretores, organiza um orçamento e o
cronograma a ser aprovado pelo executivo. É
a pessoa responsável em verificar se todas as
pautas estão em andamento e fechadas. É a
ponte entre a produção e o diretor.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Produtor de Externa: Responsável em verifica se
todos os equipamentos estão em ordem. Ele recebe a
pauta do produtor responsável.
•  Nela está descrito onde será gravada a matéria
(lugar aberto ou fechado. Dia ou Noite). Ele passará
as coordenadas ao cinegrafista, qual o ângulo ele
quer usar, dá o aval do áudio, etc...
•  Ele viabiliza a produção, conversando e combinando
o que for necessário com as pessoas envolvidas. Ele
também colhe todas as autorizações de imagem das
pessoas entrevistadas.
•  O produtor de externa é o elo entre o entrevistado e
o cinegrafista.
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Coordenador de Externa: É responsável
em solicitar equipe, equipamentos para
gravações de matérias. Verificar se os
produtores saíram da emissora para
gravação na hora correta, monitorar se a
equipe que saiu já está gravando, se está
ocorrendo algum imprevisto.... Ele é
responsável por assistir os vts finalizados
antes de ir ao ar.
Vídeo	
  Ins+tucional	
  Bayer:	
  Elements	
  of	
  Fascina+on 	
  	
  
Funções no audiovisual
Departamento de Produção	
  
Produtor executivo: É quem cuida da
parte financeira e burocrática de uma
produção.
•  Presta conta do dinheiro gasto, libera
verba para a produção comprar materiais
necessários para o trabalho diário ou
para uma pauta do dia.
•  Providencia os cachês de artistas e/ou
modelos.
•  Tem o controle para que não exceda a
verba predestinada no orçamento.
Funções no audiovisual
Equipe técnica de apoio
Equipe de roteiristas
-  Pesquisador: A maioria dos projetos exige certo grau de pesquisa.
Uma história de época, por exemplo, envolve pesquisa de detalhes
arquitetônicos, aspectos culturais, costumes e maneirismos ao
falar.
-  Redatores e Revisões do roteiro: Durante o processo de escrita,
o redator do roteiro original pode começar a trabalhar com outros
roteiristas, formando uma equipe. O roteirista pode ser substituído
devido a “diferenças criativas” com o produtor, ou deixar o projeto
por causa de compromissos anteriores. O conceito inicial do
projeto pode mudar durante o processo criativo ou devido a
exigência do cliente ou da rede de TV e o roteirista pode não estar
disposto a fazer essas mudanças.
Funções no audiovisual
Equipe técnica de apoio
Equipe visual
- Artista que desenvolve o storyboard: Trabalha
com o produtor ou diretor, examinando cada cena do
roteiro. Passa o conceito das cenas para o papel,
desenhando à mão ou usando um software para
desenvolvimento de storyboard.
- Diretor de Iluminação: Trabalha com o diretor de
fotografia ou acumula as duas posições. Ele projeta a
iluminação para a produção, determina o melhor lugar para
colocação do equipamento e decide qual é o melhor tipo de
luz e voltagem. No estúdio, o diretor de iluminação
supervisiona a colocação dos cabos e onde serão
pendurados os refletores de iluminação, além de optar pelo
uso de difusores, gelatinas e painéis para várias luzes.
Funções no audiovisual
Equipe técnica de apoio
Equipe visual
-  Operador de câmera/cinegrafista: Profissional que opera a
câmera. Recebe a orientação do produtor ou diretor para realizar o
enquadramento, plano de câmara e/ou movimento da cena a ser
realizada.
-  Assistente de câmera: Auxilia o operador de câmera, mantém as
baterias das câmeras carregadas e disponíveis, muda e cuida das
lentes, além de montar o equipamento e desmontá-lo para cada tomada.
Rotula cada tomada, trabalha com o continuísta e preenche os relatórios
de câmera para o editor.
-  Iluminador: Trabalha em conjunto com o diretor de fotografia e
operadores de câmera para definir a iluminação e ajustá-la durante as
filmagens, supervisiona a instalação de diversas gelatinas e filtros e
supervisiona as fontes de energia e geradores. Normalmente tem um
auxiliar [ Assistente de iluminação].
IGAM	
  –	
  Ins+tuto	
  Mineiro	
  de	
  Gestão	
  das	
  Águas
	
  	
  
Funções no audiovisual
Equipe técnica de apoio
Equipe de áudio
-  Operador do microfone boom: No departamento de
áudio, o operador do microfone boom trabalha junto com o
operador de câmera, apontando o boom para captar o áudio da
cena, sem deixar que o microfone apareça no enquadramento da
câmera.
-  Técnico de som: Normalmente há várias fontes sonoras em
uma produção. O técnico de áudio opera a mesa de som,
colocando cada fonte de som em um canal de áudio exclusivo
para, na fase de pós-produção, o áudio ser mixado.
-  Assistente de áudio: Responsável pelo equipamento de
áudio, por etiquetar as fitas de áudio, separar os microfones e
cabos de áudio dos cabos elétricos, colocar os microfones no
estúdio ou no artista, fixar os cabos para evitar que as pessoas
tropecem e ocultar os cabos para que não apareçam na imagem.
Funções no audiovisual
Equipe Administrativa
-  Secretária de Produção
-  Supervisor de roteiro ou
continuísta
-  Produtor de Locação
-  Chefe de Alimentação
-  Chefe de Transportes
-  Segundo e terceiro Assistente de
Direção
-  Assistente de Produção
-  Estagiários
Funções no audiovisual
Equipe	
  de	
  Arte	
  
•  Cenógrafo
•  Decorador
•  Produtor de objetos
•  Assistentes
•  Figurinista ou estilista
•  Equipe de efeitos
visuais
INSTITUCIONAL MILLENNIUM BCP -
PROCESSO DE PRODUÇÃO
AUDIOVISUAL	
  
1
PRÉ- PRODUÇÃO
2
PRODUÇÃO
3
PÓS-PRODUÇÃO
•  Fase onde são feitos os
levantamentos das
necessidades gerais
para a realização.
•  Na fase de pré-
produção as ideias
básicas e os métodos
de produção são
desenvolvidos e o
processo tem início.
•  É a fase de definições e
planejamento.
•  A hora de produzir é
onde tudo acontece.
•  Pós-Produção é a fase
da montagem do
quebra-cabeça. Para
programas de auditório
e/ou revista eletrônica,
novela, série, é a fase
de juntar tudo que foi
gravado na fase da
produção e ordenar
numa ordem
cronológica na ilha de
edição.
PLANEJAMENTO
•  Ideia
•  Objetivo
•  Público-alvo
PROCESSO DE PRODUÇÃO
AUDIOVISUAL	
  
PROCESSO DE PRODUÇÃO
AUDIOVISUAL	
  
PRÉ PRODUÇÃO	
  
•  A etapa começa quando há verba disponível, ou seja
houve uma fase anterior.
•  Seja captação de recurso ou um contrato.
•  É uma organização sistemática de como será conduzida
a captação de imagens.
•  Sem um cronograma, análise técnica e uma divisão
eficiente de planos por dia é impossível dar conta de
todos os detalhes.
•  Tempo é dinheiro.
•  É a fase de se ocupar com os pormenores técnicos de
organização.
•  As etapas podem acontecer junto com outras.
PRÉ PRODUÇÃO	
  
•  Realização de reuniões com a produção, direção,
equipe operacional, técnica e cenografia onde
sugestões e acertos deverão acontecer, norteando
melhor as necessidades.
•  Contratação do restante dos profissionais.
•  Alugar estúdio, contratação de cenotécnico.
•  Comprar de fitas, cartões ou outras mídias, materiais de
consumo e materiais diversos da área elétrica e de
maquinaria (fitas-crepe, sprays de ar e antirreflexo etc);
•  Agendamento e realização de visitas finais às locações
com os diretores de fotografia, de arte, de som, de
elétrica e de maquinaria;
PRÉ PRODUÇÃO	
  
•  Testes de câmera, lente, som entre outros.
•  Cartas de Autorização e contratação de locações, atores, da
equipe técnica, equipamentos, confecção ou produção de
figurino.
•  Fazer ordem do dia do primeiro dia de gravação;
•  Preparar os blocos de boletim de câmera e continuidade, entre
outros e imprimi-los.
•  Encaminhar para a produção executiva cópia de todos os
contratos e acertos de despesas com os prazos de pagamentos.
•  Retirada de equipamentos nos fornecedores, checar e testar.
•  Fazer ensaios dos atores com o diretor.
•  Confecção de um mapa dos horários de entrada e saída e
distribuir para a equipe. Inclusive mapa de transporte.
•  Planejamento de alimentação e água, quando necessário
hospedagem.
PRÉ PRODUÇÃO
Briefing
•  Conheça seu cliente
•  Conheça seu público
•  Reuniões com o cliente são importantes! Grave a conversa!
•  Evite interromper o cliente durante a fala dele.
•  Anote as dúvidas e pergunte no final.
•  Não crie nada na hora.
Não Tem Segredo – Roteiro - TV Paulo Freire
PRÉ PRODUÇÃO
Argumento e Roteiro
•  fazer as ideias e inspiração
chegar ao papel de forma
concreta.
•  Organizar as ideias para criar
um roteiro coerente e com
início, meio e fim.
•  Responder as perguntas:
1.  O que gravar?
2.  Qual a finalidade?
3.  Qual o público?
4.  Como gravar?
PRÉ PRODUÇÃO
Roteiro
•  É a forma escrita de qualquer produção
audiovisual. Pode ser escrito por um ou
vários profissionais.
PRÉ PRODUÇÃO
Roteiro
•  O roteirista escreve para alguém falar, portanto, não
pense apenas nas imagens, ou, não pense apenas no
texto. Um complementa o outro.
•  O vocabulário escolhido deve conter termos usuais do
cotidiano, para que ninguém fique tentando lembrar o
que aquela palavra significa e esquecer de prestar
atenção nos próximos minutos do vídeo.
•  Cuidados:
•  Evite gerúndios
•  Cacófatos
•  Gírias
•  Excesso de adjetivos pode derrubar um bom
argumento
•  Modere o uso de superlativos (melhor efeito no
momento de vender uma ideia ou produto)
PRÉ PRODUÇÃO
Roteiro
•  O uso de um apresentador é um recurso para sustentar o
argumento e solucionar o problema de lacunas de
imagens.
•  O que importa em um roteiro empresarial é criar um
envolvimento com o espectador, de maneira que, durante
a apresentação do programa, a sua atenção fique
realmente voltada para as informações que estão sendo
transmitidas. O público tem que acreditar no que está
vendo e ouvindo. Porque se é empresarial, é real.
•  Um bom roteiro deve sugerir para o diretor responsável e
prever para o editor do filme diversas mudanças de
andamento, com o objetivo de prender a atenção do
espectador e de fixar pontos importantes da narrativa.
•  O roteiro não é um trabalho operacional.
PRÉ PRODUÇÃO
Roteiro
•  O roteiro é a receita, as palavras e as imagens, os
ingredientes, que precisam de camadas de criatividade,
credibilidade, emoção, humor sensibilidade, clareza e
objetividade.
•  A forma, o impacto dos argumentos e visual devem
sempre ter um sabor único, que surpreenda e agrade o
público alvo e o cliente.
•  O roteirista, ao descrever as imagens de um vídeo,
informa se é dia ou noite, a estação do ano, se a cena
acontece ao ar livre ou é interna.
•  A partir disto a produção começa a trabalhar e tomar
providências quanto a iluminação, guarda-roupa,
maquiagem.
•  Para que tudo possa ser bem entendido pelo diretor de
cena e, principalmente, pelo cliente.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
INSTITUCIONAL:
Objetivo: mostrar a empresa (histórico da empresa,
ramo de atividade, principais produtos, estrutura
física e organizacional, tecnologia, missão e visão da
empresa, relações sociais e com o meio ambiente).
Publico alvo: o que for do interesse do cliente.
Conteúdo: a partir do briefing do cliente
(necessidades do momento).
Duração: em média, de 5 a 8 minutos ou conforme a
exigência do cliente.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
INSTITUCIONAL:
•  Normalmente, o cliente faz um programa
institucional para vender/apresentar a
imagem da empresa para seus clientes,
instituições financeiras, investidores,
fornecedores, órgãos governamentais e
comunidade.
•  Apresenta o conceito da empresa e sua
filosofia.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
INSTITUCIONAL:
•  Pode usar uma apresentador, atores, um locutor em “off”, ou
apenas um show de imagens, música e letreiros.
•  Evite encher o texto [ off ] com muitos números.
•  A estrutura organizacional mostra o que realmente a
empresa é. Você pode usar a própria “missão” da empresa
para destacar a organização. Todos os departamentos,
políticas, feitos que demonstram pioneirismo, avanços
tecnológicos são destacados nessa parte do roteiro.
•  A preocupação com a comunidade e com o meio ambiente.
•  O fechamento do vídeo é o ápice.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
INTEGRAÇÃO
Objetivo: familiarizar o novo funcionário com a
filosofia da empresa e com a estrutura
organizacional ou informar os funcionários que já
integram o quadro da empresa sobre novas
políticas de recursos humanos ou outros
posicionamentos estruturais e organizacionais.
Público alvo: novos funcionários ou funcionários
que já fazem parte do quadro da empresa.
Conteúdo: a partir do briefing do cliente.
Duração: em média, de 8 a 10 minutos.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
TREINAMENTO
Objetivo: transmitir uma instrução e promover um
aprendizado.
Público alvo: depende do conteúdo (vendedores,
operadores de equipamentos, equipe de
segurança, visitantes)
Conteúdo: a partir do briefing do cliente, que
enfoca uma instrução para atender a uma
necessidade específica.
Duração: o tempo necessário.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
TREINAMENTO
Objetivo: transmitir uma instrução e promover um
aprendizado.
Público alvo: depende do conteúdo (vendedores,
operadores de equipamentos, equipe de
segurança, visitantes)
Conteúdo: a partir do briefing do cliente, que
enfoca uma instrução para atender a uma
necessidade específica.
Duração: o tempo necessário.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
PROMOCIONAL
Objetivo: divulgar algum tipo de promoção ou
concurso.
Público alvo: equipe interna, representantes
comerciais.
Conteúdo: detalhes sobre o funcionamento da
promoção.
Duração: em média, de 4 a 7 minutos.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
LANÇAMENTO DE PRODUTO OU SERVIÇO
Objetivo: divulgar características, vantagens e
benefícios de um produto ou serviço.
Público alvo: equipe interna, clientes, fornecedores,
distribuidores, formadores de opinião, representantes
comerciais.
Conteúdo: detalhes do produto ou serviço, dados de
pesquisa, pretensões do cliente.
Duração: depende do cliente
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
Programa sobre um produto
Objetivo: divulgar um produto
Público alvo: equipe interna da empresa,
revendedores, distribuidores, clientes e
consumidores.
Conteúdo: características do produto.
Duração: depende do cliente.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
videojornal
Objetivo: divulgar notícias do cotidiano da
empresa e manter a integração e o espírito
participativo dos funcionários.
Público alvo: equipe interna da empresa.
Conteúdo: tudo o que está sendo
realizado ou pretendido pela empresa.
Duração: em média, de 5 a 10 minutos.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
APRESENTAÇÃO DE “CASE”
Objetivo: contar um “case” de sucesso do cliente.
Público alvo: profissionais de marketing,
propaganda, recursos humanos, formadores de
opinião, comunidade acadêmica, acionistas,
investidores.
Conteúdo: a partir do briefing do cliente.
Duração: conforme regras do organizador do
evento.
PRÉ PRODUÇÃO
Tipos de roteiro empresarial
Programa motivacional
Objetivo: motivar ou incentivar um comportamento ou
ação.
Público alvo: depende do conteúdo definido pelo cliente.
Conteúdo: a partir do briefing do cliente, para atender a uma
necessidade específica.
Duração: em média, de 3 a 5 minutos.
PRÉ PRODUÇÃO
Roteiro
•  Geralmente após o roteiro
finalizado é feita a sua decupagem
através de storyboards que são
organizadores gráficos que visam
pré-visualizar a produção, ou
plantas baixas.
•  Vantagens do storyboard :
- Apoia o planejamento, informando o
que deve ser adquirido;
- Informa visualmente todas as
etapas;
- Possibilita um maior controle e êxito
no projeto.
PRÉ PRODUÇÃO
Planejamento
•  É o primeiro contato entre produtor e o diretor
para deliberarem a respeito da equipe que
comporá a produção.
•  No caso de atores ou apresentadores geralmente
é o casting.
•  Planejamento: como será desenvolvida a
produção.
•  Criação de organograma com as principais fases.
•  Quantidades de diárias, equipamentos,
contratação de membros da equipe, locações,
autorizações de uso de imagem.
•  Gastos da produção e adequação ao orçamento
disponível.
PRÉ PRODUÇÃO
Analise Técnica
•  É de suma importância uma vez que é o
momento de saber exatamente qual será
o custo e qual tempo para a realização.
•  Normalmente cada equipe cuida de
fazer a própria tabela analisando os
itens que lhe dizem respeito.
•  Feito isso, tudo é passado para a
produção, que irá organizar cada tabela
numa outra geral e maior; será assim
definido o cronograma e repassado a
todos.
PRÉ PRODUÇÃO
Analise Técnica
•  Em geral produzida pelo Assistente
de Direção, lista todas as
necessidades que estão explícitas e
implícitas no.
•  Cada equipe posteriormente fará a
sua análise técnica levantando as
necessidades particulares de cada
área.
PRÉ PRODUÇÃO
Analise Técnica
•  A análise técnica que são tabelas em que se
discriminam todos os itens necessários para a
produção afim de se ter uma visão mais ampla
e total.
•  Estudo por parte de cada equipe técnica das
necessidades de cada departamento.
•  Após essa lista de necessidades tem-se o
orçamento real, ou seja, quanto exatamente
será gasto para realizá-lo e quanto tempo será
necessário.
•  Tabelas que discriminam todos os itens como:
cenário, fotografia, maquinaria, elétrica, figurino,
objeto de cena, maquiagem.
PRÉ PRODUÇÃO
Analise Técnica
•  A análise técnica que são tabelas em que se
discriminam todos os itens necessários para a
produção afim de se ter uma visão mais ampla
e total.
•  Estudo por parte de cada equipe técnica das
necessidades de cada departamento.
•  Após essa lista de necessidades tem-se o
orçamento real, ou seja, quanto exatamente
será gasto para realizá-lo e quanto tempo será
necessário.
•  Tabelas que discriminam todos os itens como:
cenário, fotografia, maquinaria, elétrica, figurino,
objeto de cena, maquiagem.
BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA
KELLISON, Cathrine. Produção e direção para TV e vídeo. Rio de Janeiro: Campus,
2006.
LUCENA, Luiz Carlos. Como fazer documentários: conceito, linguagem e prática de
produção. São Paulo: Summus editorial, 2012.
MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1997.
MOLETTA, Alex. Criação de curta metragem em vídeo digital: uma proposta de
produção de baixo custo. São Paulo: Summus, 2009.
PIMENTA, Maria Alzira. Comunicação Empresarial. Ed. Alinea, 7ª Edição, 2010.
XAVIER, Carlos; ZUPARDO, Eveleine. Entregando o ouro para os mocinhos: o roteiro
audiovisual na comunicação das empresas. São Paulo: Zennex Publishing, 2004.
Site:
http://proex.ufabc.edu.br/uab/prodvideo/m3aula10_direcao.pdf
	
  
BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA
Roteiro:
•  Da	
  criação	
  ao	
  roteiro	
  
Doc	
  Comparato	
  
hFps://oficinaseda2012.files.wordpress.com/2012/05/da-­‐criacao-­‐ao-­‐roteiro-­‐doc-­‐
comparato.pdf	
  
•  O	
  Manual	
  do	
  Roteiro,	
  de	
  Syd	
  Field	
  	
  
hFp://disciplinas.stoa.usp.br/pluginfile.php/247033/mod_resource/content/1/Syd
%20Field.pdf	
  
•  O	
  Herói	
  de	
  Mil	
  Faces,	
  de	
  Joseph	
  Campbell	
  
hFps://projetophronesis.files.wordpress.com/2009/08/joseph-­‐campbell-­‐o-­‐heroi-­‐de-­‐mil-­‐
faces-­‐rev.pdf	
  
•  A	
  Jornada	
  do	
  Escritor,	
  de	
  Cristopher	
  Vogler	
  
hFps://ccstabasco.files.wordpress.com/2011/02/
christopher20vogler20-­‐20a20jornada20do20escritor.pdf	
  
•  O	
  Roteirista	
  Profissional,	
  de	
  Marcos	
  Rey	
  
•  O	
  Poder	
  do	
  Clímax,	
  de	
  Luiz	
  Carlos	
  Maciel	
  
•  Por	
  Dentro	
  do	
  Roteiro,	
  de	
  Tom	
  Stempel	
  
•  Story	
  –	
  Substância,	
  Estrutura,	
  Es+lo	
  e	
  os	
  Princípios	
  da	
  Escrita	
  de	
  Roteiro,	
  de	
  Robert	
  
McKee	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteConrado Melo
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiroprofealbattaiola
 
Produção Audiovisual - A função do som pdf
Produção Audiovisual - A  função do som pdfProdução Audiovisual - A  função do som pdf
Produção Audiovisual - A função do som pdfUNIP. Universidade Paulista
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Mauricio Fonteles
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematograficaprofealbattaiola
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisualMarcioveras
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPedro Almeida
 
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoProdução e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoPedro Almeida
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualThiago Assumpção
 
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTEWORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTERICARDO BARROS DE MIRANDA
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLaércio Góes
 
O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]videoparatodos
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualThiago Assumpção
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualFeliciano Novo
 
UFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptx
UFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptxUFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptx
UFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptxEli Ramalho
 
Do roteiro ao plano visual / plano de produção
Do roteiro ao plano visual / plano de produçãoDo roteiro ao plano visual / plano de produção
Do roteiro ao plano visual / plano de produçãoArmando Bulcao
 

Mais procurados (20)

Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
 
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do RoteiroAnimação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
Animação 1 - Roteiro (4) Decupagem e Formatacao do Roteiro
 
Produção Audiovisual - A função do som pdf
Produção Audiovisual - A  função do som pdfProdução Audiovisual - A  função do som pdf
Produção Audiovisual - A função do som pdf
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem CinematograficaAnimação 1 - Linguagem Cinematografica
Animação 1 - Linguagem Cinematografica
 
Som de cinema
Som de cinemaSom de cinema
Som de cinema
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisual
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
 
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoProdução e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisual
 
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTEWORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
 
O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]O Projeto Audiovisual 2[1]
O Projeto Audiovisual 2[1]
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
 
Planos de câmera
Planos de câmeraPlanos de câmera
Planos de câmera
 
EAV- Paisagem sonora 1
EAV- Paisagem sonora 1EAV- Paisagem sonora 1
EAV- Paisagem sonora 1
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização Audiovisual
 
UFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptx
UFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptxUFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptx
UFCD9394 videografismo e composição I- Introdução e Conceitos.pptx
 
Do roteiro ao plano visual / plano de produção
Do roteiro ao plano visual / plano de produçãoDo roteiro ao plano visual / plano de produção
Do roteiro ao plano visual / plano de produção
 

Destaque

RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3UNIP. Universidade Paulista
 
Proposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos Públicos
Proposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos PúblicosProposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos Públicos
Proposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos PúblicosRommel Carvalho
 
Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1
Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1
Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1CEMP2010
 
Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+Érica Alves
 
ComunicaçãO Audiovisual
ComunicaçãO AudiovisualComunicaçãO Audiovisual
ComunicaçãO AudiovisualJoao Casanova
 
Produção audiovisual para mídias digitais
Produção audiovisual para mídias digitaisProdução audiovisual para mídias digitais
Produção audiovisual para mídias digitaisCristina Felix
 

Destaque (12)

RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
 
Tc campo teorico da comunicação
Tc campo teorico da comunicaçãoTc campo teorico da comunicação
Tc campo teorico da comunicação
 
Proposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos Públicos
Proposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos PúblicosProposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos Públicos
Proposta de Modelo de Classificação de Riscos de Contratos Públicos
 
Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1
Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1
Propaganda Institucional e Relações Públicas Parte 1
 
Eav 5 terror e suspense 2
Eav 5   terror e suspense 2Eav 5   terror e suspense 2
Eav 5 terror e suspense 2
 
CCM cultura e internet
CCM cultura e internet CCM cultura e internet
CCM cultura e internet
 
FOTOGRAFIA E AUDIOVISUAL
FOTOGRAFIA E AUDIOVISUALFOTOGRAFIA E AUDIOVISUAL
FOTOGRAFIA E AUDIOVISUAL
 
TC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de FrankfurtTC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de Frankfurt
 
TC ESCOLA FRANCESA
TC ESCOLA FRANCESATC ESCOLA FRANCESA
TC ESCOLA FRANCESA
 
Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+Plano de negócios Agência Add+
Plano de negócios Agência Add+
 
ComunicaçãO Audiovisual
ComunicaçãO AudiovisualComunicaçãO Audiovisual
ComunicaçãO Audiovisual
 
Produção audiovisual para mídias digitais
Produção audiovisual para mídias digitaisProdução audiovisual para mídias digitais
Produção audiovisual para mídias digitais
 

Semelhante a RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual aula 2

Produção Visual, direção de artes. Produção audio-visual
Produção Visual, direção de artes. Produção audio-visualProdução Visual, direção de artes. Produção audio-visual
Produção Visual, direção de artes. Produção audio-visualLinkinNatura
 
Produção oficina
Produção oficinaProdução oficina
Produção oficinaatovirtual
 
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...Mauro Coelho
 
Ppt rpicture
Ppt rpicturePpt rpicture
Ppt rpictureRpicture
 
Apresentação vcomunicantes 2013
Apresentação vcomunicantes 2013Apresentação vcomunicantes 2013
Apresentação vcomunicantes 2013Turisbuilding SA
 
Produção Audiovisual FMU
Produção Audiovisual FMUProdução Audiovisual FMU
Produção Audiovisual FMUFMU - Oficial
 
PLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃO
PLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃOPLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃO
PLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃOArmando Bulcao
 
Adobe Premiere
Adobe PremiereAdobe Premiere
Adobe Premierewlsilva
 
Trabalhar com video
Trabalhar com videoTrabalhar com video
Trabalhar com videoPedro Heitor
 
Projeto portfólio narrativa transmídia 5º semestre módulo comunicação trans...
Projeto portfólio narrativa transmídia   5º semestre módulo comunicação trans...Projeto portfólio narrativa transmídia   5º semestre módulo comunicação trans...
Projeto portfólio narrativa transmídia 5º semestre módulo comunicação trans...pablonaba
 
Manual 2 do organizador 40
Manual 2 do organizador 40Manual 2 do organizador 40
Manual 2 do organizador 40SOMOSMAISQUE1
 
Melhore as suas apresentações
Melhore as suas apresentaçõesMelhore as suas apresentações
Melhore as suas apresentaçõesCampus Sanofi
 

Semelhante a RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual aula 2 (20)

Produção Visual, direção de artes. Produção audio-visual
Produção Visual, direção de artes. Produção audio-visualProdução Visual, direção de artes. Produção audio-visual
Produção Visual, direção de artes. Produção audio-visual
 
Produção oficina
Produção oficinaProdução oficina
Produção oficina
 
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do film...
 
Ppt rpicture
Ppt rpicturePpt rpicture
Ppt rpicture
 
Produtor de rtvc
Produtor de rtvcProdutor de rtvc
Produtor de rtvc
 
Apresentação vcomunicantes 2013
Apresentação vcomunicantes 2013Apresentação vcomunicantes 2013
Apresentação vcomunicantes 2013
 
D.A - Aula 1.pdf
D.A - Aula 1.pdfD.A - Aula 1.pdf
D.A - Aula 1.pdf
 
Apresentação Final.pptx
Apresentação Final.pptxApresentação Final.pptx
Apresentação Final.pptx
 
Produção Audiovisual FMU
Produção Audiovisual FMUProdução Audiovisual FMU
Produção Audiovisual FMU
 
Videolearning
VideolearningVideolearning
Videolearning
 
PLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃO
PLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃOPLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃO
PLANEJAMENTO VISUAL E PRÉVISUALIZAÇÃO
 
Adobe Premiere
Adobe PremiereAdobe Premiere
Adobe Premiere
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Aula reportagem tv
Aula reportagem tvAula reportagem tv
Aula reportagem tv
 
Trabalhar com video
Trabalhar com videoTrabalhar com video
Trabalhar com video
 
Projeto portfólio narrativa transmídia 5º semestre módulo comunicação trans...
Projeto portfólio narrativa transmídia   5º semestre módulo comunicação trans...Projeto portfólio narrativa transmídia   5º semestre módulo comunicação trans...
Projeto portfólio narrativa transmídia 5º semestre módulo comunicação trans...
 
O filme comercial
O filme comercialO filme comercial
O filme comercial
 
Manual 2 do organizador 40
Manual 2 do organizador 40Manual 2 do organizador 40
Manual 2 do organizador 40
 
Melhore as suas apresentações
Melhore as suas apresentaçõesMelhore as suas apresentações
Melhore as suas apresentações
 
Talent Acquisition
Talent AcquisitionTalent Acquisition
Talent Acquisition
 

Mais de UNIP. Universidade Paulista

Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...
Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...
Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...UNIP. Universidade Paulista
 
Alice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogo
Alice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogoAlice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogo
Alice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogoUNIP. Universidade Paulista
 

Mais de UNIP. Universidade Paulista (19)

Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2
 
Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2
 
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interfaceABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
 
Artigo academico e plágio
Artigo academico e plágioArtigo academico e plágio
Artigo academico e plágio
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
 
CCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshareCCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshare
 
CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2
 
CCM - Sonho acordado 2
CCM - Sonho acordado 2CCM - Sonho acordado 2
CCM - Sonho acordado 2
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
 
Eav audio e imersão 2
Eav audio e imersão 2Eav audio e imersão 2
Eav audio e imersão 2
 
Eav 6 holodock e transmídia 2
Eav 6  holodock e transmídia 2Eav 6  holodock e transmídia 2
Eav 6 holodock e transmídia 2
 
Eav 4 edição de audio e audacity
Eav 4 edição de audio e audacity Eav 4 edição de audio e audacity
Eav 4 edição de audio e audacity
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
 
TC - ESCOLAS AMERICANAS
TC - ESCOLAS AMERICANASTC - ESCOLAS AMERICANAS
TC - ESCOLAS AMERICANAS
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Eav aula 2 c
 
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
 
ALICIA EN EL BOSQUE DEL ESPEJO:
ALICIA EN EL BOSQUE DEL ESPEJO: ALICIA EN EL BOSQUE DEL ESPEJO:
ALICIA EN EL BOSQUE DEL ESPEJO:
 
Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...
Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...
Oficina Imagem Complexa e Analise de Imagem na Contemporaneidade na Semana de...
 
Alice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogo
Alice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogoAlice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogo
Alice Através do Espelho: Interfaces, Alice e videojogo
 

Último

Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual aula 2

  • 1. CRIAÇÃO E PRODUÇÃO AUDIOVISUAL CURSO: RELAÇÕES PÚBLICA 2015-2
  • 2. Função do Audiovisual Perfil dos profissional de produção Processos de produção: - Pré produção Conteúdo
  • 3. Funções do vídeo institucional Vídeo é “um meio de transporte de imagens apto a sintetizar com propriedade a televisão e o cinema”. “[...] o vídeo surge, servindo como uma alternativa de corporificação de de um universo de códigos dispersos; um veículo capaz de socializar definitivamente a mensagem” Candido José de Almeida (1985: 8).
  • 4. Funções do vídeo institucional •  O vídeo é um facilitador da comunicação entre uma organização e os seus públicos. •  Muito disso se deve ao fato de as pessoas estarem acostumadas com a linguagem audiovisual. •  É um dos métodos mais eficazes para transmitir uma ideia. •  O vídeo também é uma importante ferramenta de comunicação dirigida de uma organização e pode ser utilizado para várias finalidades, conforme aponta Waldir Gutierrez Fortes (2002).
  • 5. Funções do vídeo institucional •  As empresas têm utilizado as técnicas da comunicação para promoverem suas imagens organizacionais. “institucional é a área das relações públicas que estabelece e institui formas sociais para garantir a continuidade do sistema social organização-públicos” (Steffen, 2007: 39). •  Institucional é um termo atrelado ao mecanismo da comunicação que, neste caso, “dá-se pelos diversos instrumentos que implantam ações associadas aos interesses e necessidades da sociedade”. •  Nesse sentido procura conquistar credibilidade, afinidade e reconhecimento de seus públicos.
  • 6.
  • 7. Funções do vídeo institucional •  Quando se fala em vídeos institucionais estamos nos referindo às produções audiovisuais utilizadas na comunicação dirigida auxiliar da empresa. •  É um veículo importante entre a empresa e os seus vários públicos, já que tem um grande poder de atração para todos os tipos de audiência. •  Na visão de Margarida Kunsch (2002: 186), comunicação dirigida “é a comunicação direta e segmentada com os públicos específicos que queremos atingir” e “dependendo do público usaremos determinado veículo, com linguagem apropriada e específica”.
  • 8. Funções do vídeo institucional Normalmente, o cliente faz um programa institucional para vender/apresentar a imagem da empresa para seus clientes, instituições financeiras, investidores, fornecedores, órgãos governamentais e comunidade. Um institucional mostra, na verdade, o conceito da empresa e sua filosofia ( Xavier e Zupardo, 2004: 76). Os RPs têm ao seu dispor uma série de meios audiovisuais que facilitam o processo de comunicação dirigida com os públicos, atingindo seus objetivos de forma direta e muito rápida. O vídeo institucional é um deles, justamente porque seu objetivo é “mostrar a empresa (histórico, ramo de atividade, principais produtos, estrutura física e organizacional, tecnologia, missão e visão da empresa, relações sociais e com o meio ambiente)” (Xavier e Zupardo, 2004: 76).
  • 9.
  • 10. Funções do vídeo institucional •  Atualmente o vídeo institucional tem a função de atender as demandas do mercado. •  Há uma demanda nova: 96% das pessoas que acessam a internet assistem a vídeos online. •  O vídeo também pode Enriquecer as reuniões •  Melhorar a comunicação interna. •  Possibilitar eventos mais dinâmicos.
  • 11.
  • 12. Perfil do profissional de produção •  Organização; •  Espírito de equipe; •  Comunicação; •  Liderança; •  Responsabilidade; •  Criatividade.  
  • 13. Perfil do profissional de produção •  Posto de gasolina •  Não basta investimento em propaganda •  Treinamento •  Especialistas em comunicação: suporte estrutura funcional, recursos humanos, até a chegada do produto ao mercado; •  Transmitir mensagem e dialogar por meio de técnicas audiovisuais com o público, com o pessoal interno;
  • 14.
  • 15. Perfil do profissional de produção •  Tente se lembrar de 12 novas campanhas veiculadas na Tv nos últimos seis meses. •  Além de atender as empresas presentes na grande mídia, há também as indústrias (embalagens, químicas, agronegócio, engenharia, meio ambiente, hospitais, restaurantes, usinas, transporte, petróleo), entidades de classe, autopeças, laboratórios, entre outras. •  Também elabora cursos, programas de segurança no trabalho, treinamentos, programas motivacionais, de apoio a marketing, vendas, demonstração de produtos, lançamentos de produtos para revenda, integração de pessoal, institucionais, relatórios, peças de teatro, eventos, tudo que possa suprir as necessidades de uma organização no contato com o seu público.
  • 16. Casas Bahia - Filme comemorativo dos 60 ano   •  Neste filme especialmente montado para a internet, músicos de várias cidades do país interpretam uma versão estendida da canção criada para comemorar os 60 anos da Casas Bahia. Contando com os mais avançados recursos de produção de áudio, a captação das vozes e instrumentos foi feita nas próprias locações. Assim, todas as participações foram gravadas ao vivo, garantindo a autenticidade e a emoção.
  • 17. Casas Bahia - Filme comemorativo dos 60 ano  
  • 18. Organograma de uma equipe. Livro Cinema e a Produção de Chris Rodrigues
  • 19. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Diretor: define estética e as abordagens criativas da produção. Se for contratado, ele pode desempenhar o papel tradicional do cargo, trabalhando com os artistas, a equipe técnica e o produtor para visualizar as cenas. •  O diretor supervisiona o roteiro, a seleção do elenco e ensaia com os artistas, lapidando a abordagem estética geral. Diretor técnico: trabalha no switcher. Responsável por cenas que envolvam muitas câmeras e “chama as tomadas” à medida que elas entram na sala de controle, criando uma edição inicial nesse processo. •  Diretores, assistentes de direção e diretores técnicos fazem parte de categorias diferentes e, desse modo, têm cachês diferentes. Embora cada projeto seja singular, ele só vai para frente se o produtor e o diretor trabalharem juntos de forma coesa e colaborativa.
  • 20. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Assistente de Direção: É a conexão entre o diretor, o produtor, a equipe técnica e os artistas. •  Ajuda a criar o cronograma de filmagem, mantendo a equipe dentro do cronograma do dia. •  Também é responsável por cronometrar o programa ou segmentos durante a gravação.
  • 21. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Diretor de Fotografia: dá vida à visão criativa do diretor. •  Pode trabalhar diretamente com a câmera ou supervisionar o operador (ou operadores) de câmera. •  É o especialista nas questões de iluminação e formatos de vídeo e filme, e no uso de gruas e plataformas móveis para câmera. •  Pode trazer para a produção profissionais experientes com quem já trabalha e pode ajudar a criar o cronograma de filmagens.
  • 22. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Diretor de arte: A textura estética, o planejamento e o “visual” de uma produção são elementos essenciais de todo projeto. •  Trabalha em conjunto com o produtor e o diretor para criar o ambiente no qual a ação ocorrerá. •  Sabe quais câmeras serão usadas e qual será o ângulo gravado. •  Usa storyboard ou esboços para desenhar o que será captado pela câmera. •  O orçamento tem um impacto sobre as escolhas, embora o diretor de arte inteligente seja capaz de improvisar e planejar cuidadosamente. •  Pode trabalhar com equipe adicional como como designers, cênicos, cenógrafos e equipe de apoio.
  • 23. Reclame - No novo quadro, "Profissões” Diretor de fotografia, Lito Mendes
  • 24. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Sonoplasta/Operador de Áudio: As sutilezas do planejamento de áudio podem se perder no estágio de pré-produção, de modo que um bom produtor contrata um sonoplasta, que possa capturar com clareza os diálogos, sons de fundo, sons especiais na locação (sirene, pássaros, tráfego, conversas de fundo) e outros sons ambientes. Ele sabe como utilizar microfones como booms, microfones sem fio, pequenos microfones de lapela.
  • 25. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Supervisor de Pós-Produção: consulta o produtor para tomar decisões iniciais sobre detalhes de pós-produção [Escolha do editor e as instalações da ilha de edição, o sonoplasta e as instalações para mixagem de som, música e outros elementos da fase de pós-produção]. •  Em algumas produções, o supervisor é contratado durante a fase de produção e organiza sistemas para assistir às cenas gravadas no dia, arrumá-las, rotulá-las e armazená-las. Sua responsabilidade geral é estar bem preparado para o estágio de pós-produção.
  • 26. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Produtor: Responsável por tornar o projeto realidade, desde o conceito do programa até seu desenvolvimento e exibição ou distribuição final. •  Há produtores de áreas específicas de um projeto, representando uma parte primordial em uma grande equipe de produtores. •  O bom profissional além de saber detalhes, também tem uma visão clara do quadro geral da produção: o mercado atual, saber como estão a audiência, as tendências do dia. É necessário ler publicações especializadas, assistir ativamente a programas de gêneros específicos e buscar oportunidades de aprendizado.
  • 27. Funções no audiovisual Departamento de Produção   •  É responsável por satisfazer o cliente e o telespectador, e articular toda a equipe. •  Sem um produtor não há projeto. •  Ter facilidade para resolver problemas •  Saber lidar com diversas tarefas •  Ser um intermediário •  Querer saber tudo •  No estúdio, ele é responsável em dar suporte ao programa, ou seja, recepcionar o convidado na porta da emissora ou do estúdio; posicionar o convidado no local pré-determinado, verificar se não está faltando nada dentro do estúdio (por exemplo, água para a apresentadora ou convidado); levar microfone de mão, caso o apresentador solicite, etc.
  • 28. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Coordenador de Produção: Dirige a produção e os demais produtores, com autoridade de agir em nome do time de produção. É ele quem gerencia as necessidades práticas e, juntamente com os diretores, organiza um orçamento e o cronograma a ser aprovado pelo executivo. É a pessoa responsável em verificar se todas as pautas estão em andamento e fechadas. É a ponte entre a produção e o diretor.
  • 29. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Produtor de Externa: Responsável em verifica se todos os equipamentos estão em ordem. Ele recebe a pauta do produtor responsável. •  Nela está descrito onde será gravada a matéria (lugar aberto ou fechado. Dia ou Noite). Ele passará as coordenadas ao cinegrafista, qual o ângulo ele quer usar, dá o aval do áudio, etc... •  Ele viabiliza a produção, conversando e combinando o que for necessário com as pessoas envolvidas. Ele também colhe todas as autorizações de imagem das pessoas entrevistadas. •  O produtor de externa é o elo entre o entrevistado e o cinegrafista.
  • 30. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Coordenador de Externa: É responsável em solicitar equipe, equipamentos para gravações de matérias. Verificar se os produtores saíram da emissora para gravação na hora correta, monitorar se a equipe que saiu já está gravando, se está ocorrendo algum imprevisto.... Ele é responsável por assistir os vts finalizados antes de ir ao ar.
  • 31. Vídeo  Ins+tucional  Bayer:  Elements  of  Fascina+on    
  • 32. Funções no audiovisual Departamento de Produção   Produtor executivo: É quem cuida da parte financeira e burocrática de uma produção. •  Presta conta do dinheiro gasto, libera verba para a produção comprar materiais necessários para o trabalho diário ou para uma pauta do dia. •  Providencia os cachês de artistas e/ou modelos. •  Tem o controle para que não exceda a verba predestinada no orçamento.
  • 33. Funções no audiovisual Equipe técnica de apoio Equipe de roteiristas -  Pesquisador: A maioria dos projetos exige certo grau de pesquisa. Uma história de época, por exemplo, envolve pesquisa de detalhes arquitetônicos, aspectos culturais, costumes e maneirismos ao falar. -  Redatores e Revisões do roteiro: Durante o processo de escrita, o redator do roteiro original pode começar a trabalhar com outros roteiristas, formando uma equipe. O roteirista pode ser substituído devido a “diferenças criativas” com o produtor, ou deixar o projeto por causa de compromissos anteriores. O conceito inicial do projeto pode mudar durante o processo criativo ou devido a exigência do cliente ou da rede de TV e o roteirista pode não estar disposto a fazer essas mudanças.
  • 34. Funções no audiovisual Equipe técnica de apoio Equipe visual - Artista que desenvolve o storyboard: Trabalha com o produtor ou diretor, examinando cada cena do roteiro. Passa o conceito das cenas para o papel, desenhando à mão ou usando um software para desenvolvimento de storyboard. - Diretor de Iluminação: Trabalha com o diretor de fotografia ou acumula as duas posições. Ele projeta a iluminação para a produção, determina o melhor lugar para colocação do equipamento e decide qual é o melhor tipo de luz e voltagem. No estúdio, o diretor de iluminação supervisiona a colocação dos cabos e onde serão pendurados os refletores de iluminação, além de optar pelo uso de difusores, gelatinas e painéis para várias luzes.
  • 35. Funções no audiovisual Equipe técnica de apoio Equipe visual -  Operador de câmera/cinegrafista: Profissional que opera a câmera. Recebe a orientação do produtor ou diretor para realizar o enquadramento, plano de câmara e/ou movimento da cena a ser realizada. -  Assistente de câmera: Auxilia o operador de câmera, mantém as baterias das câmeras carregadas e disponíveis, muda e cuida das lentes, além de montar o equipamento e desmontá-lo para cada tomada. Rotula cada tomada, trabalha com o continuísta e preenche os relatórios de câmera para o editor. -  Iluminador: Trabalha em conjunto com o diretor de fotografia e operadores de câmera para definir a iluminação e ajustá-la durante as filmagens, supervisiona a instalação de diversas gelatinas e filtros e supervisiona as fontes de energia e geradores. Normalmente tem um auxiliar [ Assistente de iluminação].
  • 36. IGAM  –  Ins+tuto  Mineiro  de  Gestão  das  Águas    
  • 37. Funções no audiovisual Equipe técnica de apoio Equipe de áudio -  Operador do microfone boom: No departamento de áudio, o operador do microfone boom trabalha junto com o operador de câmera, apontando o boom para captar o áudio da cena, sem deixar que o microfone apareça no enquadramento da câmera. -  Técnico de som: Normalmente há várias fontes sonoras em uma produção. O técnico de áudio opera a mesa de som, colocando cada fonte de som em um canal de áudio exclusivo para, na fase de pós-produção, o áudio ser mixado. -  Assistente de áudio: Responsável pelo equipamento de áudio, por etiquetar as fitas de áudio, separar os microfones e cabos de áudio dos cabos elétricos, colocar os microfones no estúdio ou no artista, fixar os cabos para evitar que as pessoas tropecem e ocultar os cabos para que não apareçam na imagem.
  • 38. Funções no audiovisual Equipe Administrativa -  Secretária de Produção -  Supervisor de roteiro ou continuísta -  Produtor de Locação -  Chefe de Alimentação -  Chefe de Transportes -  Segundo e terceiro Assistente de Direção -  Assistente de Produção -  Estagiários
  • 39. Funções no audiovisual Equipe  de  Arte   •  Cenógrafo •  Decorador •  Produtor de objetos •  Assistentes •  Figurinista ou estilista •  Equipe de efeitos visuais
  • 41. PROCESSO DE PRODUÇÃO AUDIOVISUAL   1 PRÉ- PRODUÇÃO 2 PRODUÇÃO 3 PÓS-PRODUÇÃO •  Fase onde são feitos os levantamentos das necessidades gerais para a realização. •  Na fase de pré- produção as ideias básicas e os métodos de produção são desenvolvidos e o processo tem início. •  É a fase de definições e planejamento. •  A hora de produzir é onde tudo acontece. •  Pós-Produção é a fase da montagem do quebra-cabeça. Para programas de auditório e/ou revista eletrônica, novela, série, é a fase de juntar tudo que foi gravado na fase da produção e ordenar numa ordem cronológica na ilha de edição. PLANEJAMENTO •  Ideia •  Objetivo •  Público-alvo
  • 44. PRÉ PRODUÇÃO   •  A etapa começa quando há verba disponível, ou seja houve uma fase anterior. •  Seja captação de recurso ou um contrato. •  É uma organização sistemática de como será conduzida a captação de imagens. •  Sem um cronograma, análise técnica e uma divisão eficiente de planos por dia é impossível dar conta de todos os detalhes. •  Tempo é dinheiro. •  É a fase de se ocupar com os pormenores técnicos de organização. •  As etapas podem acontecer junto com outras.
  • 45. PRÉ PRODUÇÃO   •  Realização de reuniões com a produção, direção, equipe operacional, técnica e cenografia onde sugestões e acertos deverão acontecer, norteando melhor as necessidades. •  Contratação do restante dos profissionais. •  Alugar estúdio, contratação de cenotécnico. •  Comprar de fitas, cartões ou outras mídias, materiais de consumo e materiais diversos da área elétrica e de maquinaria (fitas-crepe, sprays de ar e antirreflexo etc); •  Agendamento e realização de visitas finais às locações com os diretores de fotografia, de arte, de som, de elétrica e de maquinaria;
  • 46. PRÉ PRODUÇÃO   •  Testes de câmera, lente, som entre outros. •  Cartas de Autorização e contratação de locações, atores, da equipe técnica, equipamentos, confecção ou produção de figurino. •  Fazer ordem do dia do primeiro dia de gravação; •  Preparar os blocos de boletim de câmera e continuidade, entre outros e imprimi-los. •  Encaminhar para a produção executiva cópia de todos os contratos e acertos de despesas com os prazos de pagamentos. •  Retirada de equipamentos nos fornecedores, checar e testar. •  Fazer ensaios dos atores com o diretor. •  Confecção de um mapa dos horários de entrada e saída e distribuir para a equipe. Inclusive mapa de transporte. •  Planejamento de alimentação e água, quando necessário hospedagem.
  • 47. PRÉ PRODUÇÃO Briefing •  Conheça seu cliente •  Conheça seu público •  Reuniões com o cliente são importantes! Grave a conversa! •  Evite interromper o cliente durante a fala dele. •  Anote as dúvidas e pergunte no final. •  Não crie nada na hora.
  • 48. Não Tem Segredo – Roteiro - TV Paulo Freire
  • 49. PRÉ PRODUÇÃO Argumento e Roteiro •  fazer as ideias e inspiração chegar ao papel de forma concreta. •  Organizar as ideias para criar um roteiro coerente e com início, meio e fim. •  Responder as perguntas: 1.  O que gravar? 2.  Qual a finalidade? 3.  Qual o público? 4.  Como gravar?
  • 50. PRÉ PRODUÇÃO Roteiro •  É a forma escrita de qualquer produção audiovisual. Pode ser escrito por um ou vários profissionais.
  • 51. PRÉ PRODUÇÃO Roteiro •  O roteirista escreve para alguém falar, portanto, não pense apenas nas imagens, ou, não pense apenas no texto. Um complementa o outro. •  O vocabulário escolhido deve conter termos usuais do cotidiano, para que ninguém fique tentando lembrar o que aquela palavra significa e esquecer de prestar atenção nos próximos minutos do vídeo. •  Cuidados: •  Evite gerúndios •  Cacófatos •  Gírias •  Excesso de adjetivos pode derrubar um bom argumento •  Modere o uso de superlativos (melhor efeito no momento de vender uma ideia ou produto)
  • 52. PRÉ PRODUÇÃO Roteiro •  O uso de um apresentador é um recurso para sustentar o argumento e solucionar o problema de lacunas de imagens. •  O que importa em um roteiro empresarial é criar um envolvimento com o espectador, de maneira que, durante a apresentação do programa, a sua atenção fique realmente voltada para as informações que estão sendo transmitidas. O público tem que acreditar no que está vendo e ouvindo. Porque se é empresarial, é real. •  Um bom roteiro deve sugerir para o diretor responsável e prever para o editor do filme diversas mudanças de andamento, com o objetivo de prender a atenção do espectador e de fixar pontos importantes da narrativa. •  O roteiro não é um trabalho operacional.
  • 53. PRÉ PRODUÇÃO Roteiro •  O roteiro é a receita, as palavras e as imagens, os ingredientes, que precisam de camadas de criatividade, credibilidade, emoção, humor sensibilidade, clareza e objetividade. •  A forma, o impacto dos argumentos e visual devem sempre ter um sabor único, que surpreenda e agrade o público alvo e o cliente. •  O roteirista, ao descrever as imagens de um vídeo, informa se é dia ou noite, a estação do ano, se a cena acontece ao ar livre ou é interna. •  A partir disto a produção começa a trabalhar e tomar providências quanto a iluminação, guarda-roupa, maquiagem. •  Para que tudo possa ser bem entendido pelo diretor de cena e, principalmente, pelo cliente.
  • 54.
  • 55. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial INSTITUCIONAL: Objetivo: mostrar a empresa (histórico da empresa, ramo de atividade, principais produtos, estrutura física e organizacional, tecnologia, missão e visão da empresa, relações sociais e com o meio ambiente). Publico alvo: o que for do interesse do cliente. Conteúdo: a partir do briefing do cliente (necessidades do momento). Duração: em média, de 5 a 8 minutos ou conforme a exigência do cliente.
  • 56. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial INSTITUCIONAL: •  Normalmente, o cliente faz um programa institucional para vender/apresentar a imagem da empresa para seus clientes, instituições financeiras, investidores, fornecedores, órgãos governamentais e comunidade. •  Apresenta o conceito da empresa e sua filosofia.
  • 57. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial INSTITUCIONAL: •  Pode usar uma apresentador, atores, um locutor em “off”, ou apenas um show de imagens, música e letreiros. •  Evite encher o texto [ off ] com muitos números. •  A estrutura organizacional mostra o que realmente a empresa é. Você pode usar a própria “missão” da empresa para destacar a organização. Todos os departamentos, políticas, feitos que demonstram pioneirismo, avanços tecnológicos são destacados nessa parte do roteiro. •  A preocupação com a comunidade e com o meio ambiente. •  O fechamento do vídeo é o ápice.
  • 58.
  • 59. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial INTEGRAÇÃO Objetivo: familiarizar o novo funcionário com a filosofia da empresa e com a estrutura organizacional ou informar os funcionários que já integram o quadro da empresa sobre novas políticas de recursos humanos ou outros posicionamentos estruturais e organizacionais. Público alvo: novos funcionários ou funcionários que já fazem parte do quadro da empresa. Conteúdo: a partir do briefing do cliente. Duração: em média, de 8 a 10 minutos.
  • 60.
  • 61. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial TREINAMENTO Objetivo: transmitir uma instrução e promover um aprendizado. Público alvo: depende do conteúdo (vendedores, operadores de equipamentos, equipe de segurança, visitantes) Conteúdo: a partir do briefing do cliente, que enfoca uma instrução para atender a uma necessidade específica. Duração: o tempo necessário.
  • 62. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial TREINAMENTO Objetivo: transmitir uma instrução e promover um aprendizado. Público alvo: depende do conteúdo (vendedores, operadores de equipamentos, equipe de segurança, visitantes) Conteúdo: a partir do briefing do cliente, que enfoca uma instrução para atender a uma necessidade específica. Duração: o tempo necessário.
  • 63.
  • 64. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial PROMOCIONAL Objetivo: divulgar algum tipo de promoção ou concurso. Público alvo: equipe interna, representantes comerciais. Conteúdo: detalhes sobre o funcionamento da promoção. Duração: em média, de 4 a 7 minutos.
  • 65. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial LANÇAMENTO DE PRODUTO OU SERVIÇO Objetivo: divulgar características, vantagens e benefícios de um produto ou serviço. Público alvo: equipe interna, clientes, fornecedores, distribuidores, formadores de opinião, representantes comerciais. Conteúdo: detalhes do produto ou serviço, dados de pesquisa, pretensões do cliente. Duração: depende do cliente
  • 66. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial Programa sobre um produto Objetivo: divulgar um produto Público alvo: equipe interna da empresa, revendedores, distribuidores, clientes e consumidores. Conteúdo: características do produto. Duração: depende do cliente.
  • 67. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial videojornal Objetivo: divulgar notícias do cotidiano da empresa e manter a integração e o espírito participativo dos funcionários. Público alvo: equipe interna da empresa. Conteúdo: tudo o que está sendo realizado ou pretendido pela empresa. Duração: em média, de 5 a 10 minutos.
  • 68. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial APRESENTAÇÃO DE “CASE” Objetivo: contar um “case” de sucesso do cliente. Público alvo: profissionais de marketing, propaganda, recursos humanos, formadores de opinião, comunidade acadêmica, acionistas, investidores. Conteúdo: a partir do briefing do cliente. Duração: conforme regras do organizador do evento.
  • 69.
  • 70. PRÉ PRODUÇÃO Tipos de roteiro empresarial Programa motivacional Objetivo: motivar ou incentivar um comportamento ou ação. Público alvo: depende do conteúdo definido pelo cliente. Conteúdo: a partir do briefing do cliente, para atender a uma necessidade específica. Duração: em média, de 3 a 5 minutos.
  • 71.
  • 72. PRÉ PRODUÇÃO Roteiro •  Geralmente após o roteiro finalizado é feita a sua decupagem através de storyboards que são organizadores gráficos que visam pré-visualizar a produção, ou plantas baixas. •  Vantagens do storyboard : - Apoia o planejamento, informando o que deve ser adquirido; - Informa visualmente todas as etapas; - Possibilita um maior controle e êxito no projeto.
  • 73.
  • 74. PRÉ PRODUÇÃO Planejamento •  É o primeiro contato entre produtor e o diretor para deliberarem a respeito da equipe que comporá a produção. •  No caso de atores ou apresentadores geralmente é o casting. •  Planejamento: como será desenvolvida a produção. •  Criação de organograma com as principais fases. •  Quantidades de diárias, equipamentos, contratação de membros da equipe, locações, autorizações de uso de imagem. •  Gastos da produção e adequação ao orçamento disponível.
  • 75. PRÉ PRODUÇÃO Analise Técnica •  É de suma importância uma vez que é o momento de saber exatamente qual será o custo e qual tempo para a realização. •  Normalmente cada equipe cuida de fazer a própria tabela analisando os itens que lhe dizem respeito. •  Feito isso, tudo é passado para a produção, que irá organizar cada tabela numa outra geral e maior; será assim definido o cronograma e repassado a todos.
  • 76. PRÉ PRODUÇÃO Analise Técnica •  Em geral produzida pelo Assistente de Direção, lista todas as necessidades que estão explícitas e implícitas no. •  Cada equipe posteriormente fará a sua análise técnica levantando as necessidades particulares de cada área.
  • 77. PRÉ PRODUÇÃO Analise Técnica •  A análise técnica que são tabelas em que se discriminam todos os itens necessários para a produção afim de se ter uma visão mais ampla e total. •  Estudo por parte de cada equipe técnica das necessidades de cada departamento. •  Após essa lista de necessidades tem-se o orçamento real, ou seja, quanto exatamente será gasto para realizá-lo e quanto tempo será necessário. •  Tabelas que discriminam todos os itens como: cenário, fotografia, maquinaria, elétrica, figurino, objeto de cena, maquiagem.
  • 78. PRÉ PRODUÇÃO Analise Técnica •  A análise técnica que são tabelas em que se discriminam todos os itens necessários para a produção afim de se ter uma visão mais ampla e total. •  Estudo por parte de cada equipe técnica das necessidades de cada departamento. •  Após essa lista de necessidades tem-se o orçamento real, ou seja, quanto exatamente será gasto para realizá-lo e quanto tempo será necessário. •  Tabelas que discriminam todos os itens como: cenário, fotografia, maquinaria, elétrica, figurino, objeto de cena, maquiagem.
  • 79.
  • 80. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA KELLISON, Cathrine. Produção e direção para TV e vídeo. Rio de Janeiro: Campus, 2006. LUCENA, Luiz Carlos. Como fazer documentários: conceito, linguagem e prática de produção. São Paulo: Summus editorial, 2012. MACHADO, Arlindo. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1997. MOLETTA, Alex. Criação de curta metragem em vídeo digital: uma proposta de produção de baixo custo. São Paulo: Summus, 2009. PIMENTA, Maria Alzira. Comunicação Empresarial. Ed. Alinea, 7ª Edição, 2010. XAVIER, Carlos; ZUPARDO, Eveleine. Entregando o ouro para os mocinhos: o roteiro audiovisual na comunicação das empresas. São Paulo: Zennex Publishing, 2004. Site: http://proex.ufabc.edu.br/uab/prodvideo/m3aula10_direcao.pdf  
  • 81. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA Roteiro: •  Da  criação  ao  roteiro   Doc  Comparato   hFps://oficinaseda2012.files.wordpress.com/2012/05/da-­‐criacao-­‐ao-­‐roteiro-­‐doc-­‐ comparato.pdf   •  O  Manual  do  Roteiro,  de  Syd  Field     hFp://disciplinas.stoa.usp.br/pluginfile.php/247033/mod_resource/content/1/Syd %20Field.pdf   •  O  Herói  de  Mil  Faces,  de  Joseph  Campbell   hFps://projetophronesis.files.wordpress.com/2009/08/joseph-­‐campbell-­‐o-­‐heroi-­‐de-­‐mil-­‐ faces-­‐rev.pdf   •  A  Jornada  do  Escritor,  de  Cristopher  Vogler   hFps://ccstabasco.files.wordpress.com/2011/02/ christopher20vogler20-­‐20a20jornada20do20escritor.pdf   •  O  Roteirista  Profissional,  de  Marcos  Rey   •  O  Poder  do  Clímax,  de  Luiz  Carlos  Maciel   •  Por  Dentro  do  Roteiro,  de  Tom  Stempel   •  Story  –  Substância,  Estrutura,  Es+lo  e  os  Princípios  da  Escrita  de  Roteiro,  de  Robert   McKee