SlideShare uma empresa Scribd logo
EDIÇÃO DE ÁUDIO E VÍDEO
DIGITAIS
CURSO: TECNOLOGIA JOGOS DIGITAIS
Prof° José Geraldo de Oliveira
CONTEÚDO
Edição de som: algumas perspectivas
Audacity: Configuração Básicas.
Gravação e edição de faixa de áudio no Audacity.
Edição de efeitos especiais produzidos em sala de aula e criação de biblioteca
sonora
• Em um filme o conjunto de
sons que ouvimos chamamos
banda sonora.
• É constituída por elementos
distintos e um conjunto dos
vários sons em relação entre
si. Ou seja, tudo o que
ouvimos:
1. DIÁLOGOS
2. MÚSICA
3. EFEITOS
PERSPECTIVAS DA EDIÇÃO DE SOM
• Diálogos: quase sempre gravados posteriormente
em estúdio especialmente em cenas de exterior.
• Efeitos Sonoros: tipicamente subdivididos em
duas categorias: a paisagem sonora e os efeitos
especiais.
• Música: elemento criado com o objetivo de
conduzir emocionalmente a audiência.
PERSPECTIVAS DA EDIÇÃO DE SOM
• Quando bem elaborados, os diálogos dos
personagens são determinantes para a imersão do
espectador na história, além de ajudar na
identificação entre o público e os protagonistas.
• Determinar o ritmo dos diálogos, escolher bem o
vocabulário, dosar a quantidade de frases: tudo isso
é de suma importância na confecção de um roteiro
bem-sucedido.
A construção das frases a serem ditas em cena merece
tanta atenção quanto a elaboração dos elementos
visuais 9...) Há de se ter um cuidado especial na
redação. Não se trata apenas de reproduzir a fala
coloquial do dia a dia – o chamado discurso naturalista
– como muitos roteiristas supõem. É preciso algo mais:
o diálogo tem de fazer mais sentido, comunicar mais
Cada palavra conta ( Daniel Obeid).
DIÁLOGOS
• Os diálogos costumam ser a parte que, regra
geral, centra a atenção do espectador.
Mas se, no cinema, o som é vococêntrico e verbocêntrico,
isso deve-se, desde logo, ao fato de as pessoas, no seu
comportamento e reações quotidianas, também o serem.
Se o ser humano ouvir vozes no meio de outros sons que
o rodeiam (sopro do vento, música, veículos), são essas
vozes que captam e concentram logo sua atenção
(CHION, 2008, p.13).
• Os diálogos são o centro das atenções do
conjunto dos elementos sonoros; privilegiado
e determinante para a compreensão narrativa
do filme.
• Muitos filmes se estruturam toda a construção
narrativa em termos de diálogos.
DIÁLOGOS
• A utilização da voz pode também sofrer
vários efeitos e manipulações para atingir
determinados objetivos que façam parte da
estratégia narrativa do filme.
• Em Cidadão Kane, Orson Welles, quando
Kane e Leland falam, manipula a tonalidade
e o volume de modo a que estes sejam
indicativos da relação de poder que está
estabelecida entre esses dois personagens.
• No caso de 2001: Odisseia no Espaço de
Staney. Kubrick, a voz do computador HAL
é processada de forma a acentuar a
diferença em relação à voz mais grave e
moderada dos astronautas.
DIÁLOGOS
• Como exceção temos os casos
dos monólogos interiores
(discurso meta diegético ou interior
subjetivo) e da narração (discurso
não diegético) que não necessitam
de um sincronismo com a imagem
no mesmo nível que os diálogos
visualmente explícitos.
• Genericamente é possível, com
relativa facilidade modificar os
parâmetros essenciais do formato
sonoro de diálogos ou qualquer
outro som, nos sistemas de pós
produção de áudio atuais.
DIÁLOGOS
• volume com que
percebemos um
determinado som, que
pode ser manipulado
muito facilmente em
cada som individual
transformando a sua
curva envolvente (a
envolvente representa
a variação de volume
ao longo do tempo).
AMPLITUDE
• Corresponde à frequência
fundamental do som que
normalmente identificamos
como a nota musical de
determinado som.
• Ao transformarmos a
tonalidade tornamos o som
mais grave ou mais agudo
aproximadamente da mesma
forma que transformamos o
som de um registo em disco
de vinil ao variarmos as
rotações do gira discos.
TONALIDADE
• Característica que permite
distinguir dois sons com a mesma
tonalidade, mas originados por
fontes com características
físicas distintas (o som de uma
flauta a tocar a nota Lá 440Hz é
claramente diferente do som de
um piano a tocar a mesma nota).
• Podemos modificar o timbre de
qualquer som através de filtros
digitais como reverberação ou
equalização transformando assim
a noção do espaço físico em que o
som ocorre.
TIMBRE
• Corresponde à simulação do
posicionamento no espação físico da
fonte sonora.
• Em sistemas de som Stereo é possível a
manipulação da panorâmica (desvio de um
som para a esquerda ou direita da
audiência) e a profundidade pode ser
simulada variando apenas o volume de som
(som mais distante tem um volume mais
baixo que o som mais próximo).
• Em sistemas de Som Surround a
manipulação espacial é muito mais flexível
sendo normalmente possível o recurso a
dois monitores sonoros frontais (Esquerda e
direita), dois laterais, dois na retaguarda e
um subwoffer central (para amplificar som
muito graves tipicamente abaixo dos 80hz).
ESPACIALIZAÇÃO
• Em sistemas não lineares digitais editar e
transformar a duração de som ou o seu
posicionamento temporal é extremamente
simples e facilita toda a problemática do
sincronismo entre o som e a imagem.
• Em sistemas não lineares digitais editar e
transformar a duração de som ou o seu
posicionamento temporal é extremamente
simples e facilita toda a problemática do
sincronismo entre o som e a imagem.
• Um outro aspecto muito importante do
domínio da acústica, que não corresponde
verdadeiramente a um fenômeno sonoro,
mas sim a uma caraterística da percepção
humana, é a audição seletiva.
O POSICIONAMENTO TEMPORAL E DURAÇÃO
• A música é um elemento da banda sonora indissociável do
filme.
• Raros filmes, sobretudo de ficção, que não utilizam a
música.
• Pode ser original, sujeita às determinações que o próprio
filme apresenta, sobretudo no que se refere ao tempo e à
sua relação com os momentos do filme que vão inclui-la.
• Pode-se, também, recorrer a música já existente.
• Os filmes de Quentin Tarantino.
MÚSICA
• Uma cena sem som fica abstrata. O som
acrescenta valores expressivos e informativos a
uma cena, neste sentido materializa aquela
imagem.
Em particular, tudo aquilo que na tela é choque, queda
ou explosão mais ou menos simulados ou realizados
com materiais pouco resistentes, adquire com o som
uma consistência e uma materialidade que se impõem
(CHION, 2008: 12).
• Além de materializar, é importante notar que o
efeito sonoro só funciona com uma sincronia
entre a imagem e o som [Princípio da síncrise].
É estabelecer uma relação imediata e necessária entre
qualquer coisa que se vê e qualquer coisa que se ouve
(CHION, 2008: 12).
MÚSICA
• Funciona de forma contrária à música empática,
assim “manifesta uma diferença ostensiva
relativamente à situação […], o que tem por efeito
não a suspensão da emoção, mas, pelo contrário, o
seu reforço, inscrevendo-a num fundo
cósmico.”(CHION,2008, p.14 e 15)
MÚSICA ANEMPÁTICA
• A música acompanha o ritmo e dinâmica da cena
acentuando-o. Isso acontece de acordo com o valor cultural
de cada sociedade.
MÚSICA EMPÁTICA
• Tipicamente ao longo da narrativa a música
nunca é interrompida abruptamente (a menos
que se pretenda um efeito especifico como a
surpresa).
• Mas continuamente pode ir modificando o seu
teor de acordo com os pontos em que a
narrativa visual é emocionalmente acentuada.
• A música sofre acentuações sem interromper
a fluxo contínuo.
• Os Hit points existem em função da imagem
e são utilizados para acentuar momentos
mais fortes, ou para fazer a transição de uma
forma suave entre momentos musicais
distintos (por exemplo numa mudança de
cena).
MÚSICA – HIT POINTS
MÚSICA – HIT POINTS
• O Leit Motif corresponde a
uma peça musical que é
associada a um determinado
personagem.
• Depois de estabelecido o Leit
Motiv (a música aparece
simultaneamente com o
personagem algumas vezes no
início da narrativa), basta que
este seja introduzido
sonoramente na narrativa para
que o público assuma a
presença do personagem ainda
que esta não esteja presente
no enquadramento.
MÚSICA – Leit Motiv
• A narração ou voz em off,
embora não se trate
propriamente de diálogo,
também é podemos colocar na
dimensão específica da
utilização de vozes.
• A voz off pode desempenhar
uma extrema importância na
estrutura narrativa.
• Veja-se o caso de Barry
Lyndon de Kubrick
DIÁLOGOS
• Alfred Hitchcock utilizava a música
de uma maneira bastante criativa.
• Algumas das composições mais
emblemáticas dos filmes de
Hitchcock são de autoria de Bernard
Herrmann (1911-1975), compositor
americano que se notabilizou
precisamente por possuir uma
percepção aguda do papel que a
música pode desempenhar em
conjunto com as imagens.
• Da sua colaboração com Hitchcock
nasceram músicas como por
exemplo: O Homem que Sabia
Demais; Vertigo e Psico.
MÚSICA
• Os efeitos sonoros são uma parte igualmente
poderosa a que se recorre.
• Todos o conjunto de sons que permitem
reforçar (ou contradizer) uma determinada ideia
ou situação.
• As vezes a separação entre música e e efeitos
torna-se imperceptível : isto acontece quando a
música perde as suas “qualidades musicais”
propriamente ditas para, através da textura do
próprio som, fazer valer uma ideia: utilizar
glissandos de violino, com caráter aleatório
para acompanhar uma situação de discussão e
agressão, é um exemplo do tal efeito cuja
relação com a música é muito próxima.
EFEITOS SONOROS
• Além do papel de simulação da realidade psico-acústica
como a conhecemos, frequentemente são utilizados para a
introdução de novas realidade e conceitos sonoros, sendo
que neste momento, em que estão instituídas plataformas e
edição não linear, as possibilidades criativas são maiores do
que nunca.
EFEITOS SONOROS
Som Presente
• Corresponde ao universo diegético e pode
ocorrer dentro ou fora do enquadramento.
Som ausente
• Corresponde a uma situação em que no
enquadramento temos a correspondência
visual a um som, mas não o ouvimos.
• Ex: Duas pessoas conversando dentro de
um café, mas o nosso ponto de vista é no
exterior.
• Não ouvimos o diálogo por causa da barreira
da janela e o ruído da rua, embora seja
possível ver as pessoas conversando).
EFEITOS SONOROS [Som Presente/Ausente ]
MÁSCARA AUDITIVA
• Efeito sonoro ou musical utilizado
tipicamente para conceber a sonorização
em excertos de avanço no tempo,
condensando o tempo real, ou para ocultar
informação redundante.
IMPOSIÇÃO DO AMBIENTE
• Um efeito sonoro é muitas vezes suficiente
para estabelecer o ambiente de uma cena.
• O som de uma gaivota é suficiente para
criar no público a sensação de que a cena
se passa perto do mar, ou um galo a
cantar numa cena escura dá a ideia de ser
madrugada.
EFEITOS SONOROS [ Máscara auditiva]
SOBREPOSIÇÃO
• Sempre que na transição entre duas cenas o som
se mantém em continuidade.
• As vezes utilizado de forma irónica ou para para
impor uma passagem temporal.
ANTECIPAÇÃO
• Sempre que num corte um som correspondente à
cena seguinte começa a ser ouvido antes da
transição, permitindo antecipar a ação que vai
iniciar.
SEGUNDO DE ANTECIPAÇÃO
• Um segundo de silêncio antes de um evento de
grande impacto, como uma explosão ou um tiro
faz com que o efeito do evento seja muito mais
EFEITOS SONOROS
EXAGERO DE EFEITOS
SONOROS
• O exagero de fenômenos
auditivos especialmente os
diegéticos, pode ter um efeito
dramático ou cômico.
• Em geral ao criarmos diálogo ou
efeitos sonoros, devemos ter em
mente que o som na produção
áudio visual tem o objetivo de
criar uma experiência auditiva no
público de forma a que este
transcenda o suporte da narrativa
emergindo-se o mais possível
neste mundo virtual.
EFEITOS SONOROS
Pode existir eventuais ambiguidades entre estas três dimensões, o que só
revela que não se trata de categorias absolutamente estáticas.As bandas
sonoras mais eficientes são precisamente aquelas em que todos estes
elementos fluem muito naturalmente, fazendo-nos passar a ideia de que
tudo se encontra no lugar certo e de que não há nada nem a mais nem a
menos, evidenciando uma unidade intrínseca ( JORGE: 2009).
• A importância da música, diálogos e efeitos e a relação entre si, torna-
se evidente quando equacionamos a dimensão espacial do som.
• Todos os sons têm necessariamente uma fonte e o posicionamento
dessa fonte no contexto do filme vai ser decisivo para a compreensão
desses elementos no seu todo, bem como do modo como eles se ligam
entre si.
• Os sons cuja fonte é perceptível no espaço
narrativo do filme.
• Todos sons cuja fonte está no espaço contextual
do filme [os diálogos, o som da chuva, o som dos
objetos que estão no plano ou o som de uma
banda a tocar no próprio local.
• Não importa aqui se a fonte é visível no plano (in
– no dizer de M. Chion, ou se a fonte não está
visível no plano, mas é suposto fazer parte desse
mesmo plano – fora-de-campo, segundo Chion).
• O som de um carro que se aproxima, mas que o
espectador ainda não vê não deixa de ser
diegético .
• O que conta é que é suposto fazer parte do
enquadramento espacial da narração a
possibilidade de surgir um automóvel ou de
passar um avião.
SONS DIEGÉTICOS
• Som Diegético: sonoridades objetivas; todo o
universo sonoro que é perceptível pelos
personagens em cena, tais como a paisagem sonora
(o som dos carros numa cidade, o ruído de uma
multidão, os pássaros no campo, a música num bar,
etc), ou o diálogo entre personagens. Os sons
diegéticos podem decorrer dentro do enquadramento
visual da cena ou não (on screen / off screen).
• Som não Diegeético: sonoridades subjetivas; todo o
som imposto na cena que não é percepcionado pelos
personagens, mas que tem um papel muito
importante na interpretação da cena, ainda que de
uma forma quase subliminar para a audiência; sons
não diegéticos são tipicamente, voz de narração,
música de fundo ou efeitos sonoros especiais.
SOM DIEGÉTICO e NÃO DIEGÉTICO
• Som Meta Diegético: sonoridades subjetivas;
sonoridade que traduz o imaginário de uma
personagem normalmente com o seu estado de
espírito alterado ou em alucinação.
• Um dos primeiros exemplos de utilização do discurso
meta diegético em cinema ocorre em Chantagens e
confissões [Alfred Hitchock.1929]
• A personagem Alice (Anny Ondra) após ter
assassinado um atacante com uma faca se encontra
à mesa na loja dos seus pais e ouve a conversa de
uma personagem feminina também presente. Aos
poucos a forma como Alice observa esta conversa
vai-se alterando unicamente para a repetição
consecutiva da palavras "Knife, Knife, Knife,...” [faca]
como reflexo subjetivo do seu estado de espírito
perturbado.
SOM META DIEGÉTICO
• Um outro aspecto muito importante do
domínio da acústica, que não
corresponde verdadeiramente a um
fenômeno sonoro, mas sim a uma
caraterística da percepção humana, é a
audição seletiva.
• É uma capacidade humana que permite,
num ambiente ruidoso focar um
determinado som e percebe-lo com mais
clareza que o restante do som ambiente
[Ex: uma festa].
• A simulação de audição seletiva em
expressão cinematográfica pode ser
atingida por simples manipulação dos
volumes individuais dos vários sons,
sendo que a opção da focagem sonora
é do criador e não da audiência.
AUDIÇÃO SELETIVA
The Player [Robert Altman- 1992]
AUDIÇÃO SELETIVA
The Player [ Robert Altman- 1992] a focagem sonora é levada ao extremo.
Um plano sequência de 5 minutos onde a câmera percorre um ambiente com
muitos personagens que entram e saem de cena, sendo focados
sucessivamente os diferentes diálogos dos personagens que passam.
• A edição é um trabalho de tratamento de
som que é determinante para a obtenção
dos resultados desejados.
• Uma etapa cuja tarefa fundamental é o
tratamento e montagem dos sons em
função da estratégia narrativa.
• Embora pareça um “parceiro natural” da
imagem, o som nem sempre vem atrelado
à imagem ou consequência direta dela.
• Na própria captação, há uma estratégia
prévia envolvida: temos que saber o que
captar e como vamos captar.
• O processo de captação é seletivo e,
como tal, sustentado num conjunto de
opções previamente definidas pelos
responsáveis.
EDIÇÃO DE ÁUDIO
• Um filme nunca é constituído só de sons
diegéticos – e mesmo esses necessitam
quase sempre de voltar a ser trabalhados.
• A atividade de bruitage, como uma re-
gravação para substituir sons diegéticos
que, por um motivo ou por outro, não
servem, é um bom exemplo de como o
som requer invariavelmente um trabalho
de edição.
• Muitas vezes os próprios diálogos deve
ser regravados.
• ADR [automated dialog recording] é
processo que visa substituir a gravação
das vozes dos atores efetuada no local da
filmagem.
• A fase de edição não pretende apenas trabalhar
ao nível dos sons diegéticos [ Efeitos, música ou
narração].
• A edição é ferramentas a dispor de quem finaliza
o filme e que devem ser passíveis de uso criativo.
• Nesta fase da edição é determinante a ideia de
sentido.
• Que história estamos a contar?
• O que é que queremos dizer?
• Que sentido é que isto pode suscitar?
• São algumas das questões que devem ser
colocadas durante a fase de edição de modo a
que haja um linha de orientação em relação ao
som, uma vez que já vimos que ele não é nunca
um simples acompanhante “neutro” da imagem.
EDIÇÃO DE ÁUDIO
• Ao assistir a um filme ouvimos vários tipos de sons.
Somos capazes de ouvir diferentes sons
simultaneamente, mas que só irá proporcionar um
efeito positivo se conseguirmos perceber a sua
diferença.
• O ouvido humano tem limites quanto à capacidade
de audição e discernimento dos sons.
• O ruído branco [ luz branca] caracteriza-se por ser
um excesso de frequências (de sons individuais) em
que, como consequência desse excesso, já nenhum
desses sons é distinguível.
• O nosso ouvido é capaz, no conjunto, de distinguir
os sons individuais. Mas isso tem limites.
• Essa capacidade não é muito extensa.
• Facilmente nos dispersamos quando somos
colocados em situações de excesso de informação
auditiva.
EDIÇÃO DE ÁUDIO
• Geralmente são cinco as camadas que o ouvido é
capaz de compreender até que surja a tal
incapacidade de distinção.
• Num filme, o diálogo constitui uma camada, o telefone
tocando, ao fundo, outra, o som de chuva e assim
consecutivamente.
• Mais do que cinco será, na prática uma situação de
ruído: estamos ouvindo, mas não estamos retirando
qualquer informação clara e distinta do que ouvimos.
• É importante que cada um desses cinco sons ocupe
um lugar distinto no espectro sonoro. O ouvido
humano capta sons que se situam, grosso modo,
entre os 20 e os 20 000 hz.
• Esses sons precisam estar ao longo de todo o
espectro de frequências.
EDIÇÃO DE ÁUDIO
• Ter capacidade de compreensão de cinco camadas não significa que
se seja capaz de compreender cinco diálogos simultaneos.
• Esta regra só funciona se os sons forem efetivamente distintos entre
si:
1) diálogo;
2) som de chuva e vento;
3) Música;
4) carros passando na rua;
5) sons de pessoas que dialogam entre si, ao fundo.
• Estes sons são substancialmente diferentes entre si e cobrem uma
margem considerável do espectro de frequências.
• Separadamente notamos que se se trata de sons que não suscitam
confusão quanto à sua natureza.
• TWO-AND-A-HALF - Cães ladrando ( confusão)
EDIÇÃO DE ÁUDIO
• No processo de edição, a obtenção de
densidade: os sons devem estar lá e de
modo convincente, o espaço cênico
não pode estar despido de sons.
• A mixagem também deve visar a
clareza: todos os sons presentes têm
que estar de modo que podem ser
percebidos, separadamente, mesmo
estando em conjunto com outros sons
distintos.
• Esta clareza e densidade é percebida
quando a mixagem é bem realizada:
Os sons marcam a sua presença não
atrapalhando uns aos outros.
• Quando a mixagem é bem feita temos
a sensação de naturalidade.
• O que é natural não suscita
interrogações.
EDIÇÃO DE ÁUDIO [ clareza sonora]
• O som reforça a atenção visual.
• O fato da imagem ser
acompanhada de som reforça a
compreensão dessa mesma
imagem.
• Por outro lado pode caracterizar
e alterar o modo como
interpretar essa mesma
imagem.
• A mesma sequência de
imagens, com envolvimentos
sonoros distintos, tem a
capacidade de suscitar
significações completamente
distintas.
FUNÇÃO DO SOM
• O objetivo de todo o trabalho de som num
filme [ da captação até a pós-produção]
deve ter como objetivo tornar credível o
som que se ouve.
• O espectador não pode assistir um filme
e, de repente, sentir desconfortável ao
ouvir um som que não se se coadunar, de
forma alguma, com o que está a ser visto.
• Em qualquer que seja a opção narrativa, o
som tem que ser claro e eficiente ao
desempenhar o seu papel nesse contexto.
• Ken Dancyger sobre esta dinâmica entre
o som e a imagem no contexto da
narrativa fílmica introduz duas noções:
1. Pontuação
2. Amplificação.
FUNÇÃO DO SOM
PONTUAÇÃO
• A capacidade que o som tem de
acentuar o objetivo, a ideia a ser
transmitida pela imagem.
• Tornar identificável, sem qualquer
margem para dúvidas, o sentido
narrativo em causa.
• Se pretende demonstrar alegria, é
para aí que todos os elementos
sonoros do filme apontam.
• A ideia central é a de que o som
reforça o que a imagem pretende
desenvolver.
DIÁLOGOSFUNÇÃO DO SOM
AMPLIFICAÇÃO
• É a capacidade que o som tem de nos transportar para além da
imagem, ou até, de alterar o próprio sentido da imagem.
• Por exemplo: quando o som de um trem significa mais do que esse
trem em andamento como em Os 39 Degraus de A. Hitchcock.
• Quando à imagem de uma mulher que depara com um corpo morto se
junta o silvo de um comboio, esse mesmo silvo dá uma dimensão
extra ao fato de a mulher deparar com o corpo: pretende sugerir um
impacto, como se o comboio gritasse por ela, como se o grito dela
fosse insuficiente para transmitir aquilo que ela verdadeiramente
sente, recorrendo para isso a um som muito mais forte do que um
grito humano.
• Ir além do significado que está na imagem. Não é mais amplificação
como simples reforço expressivo, mas como alteração e introdução
de um novo sentido, ficando o próprio realismo físico da cena
colocado em causa.
FUNÇÃO DO SOM
• O ET de Steve Spielberg nos é
apresentado como um ser misterioso e
estranho.
• Porém os sons que emanam dessa
criatura são muito próximos do humano,
infantis mesmo.
• Não temos medo ou repulsa, mas uma
certa simpatia e afetividade.
• Se o ET fosse acompanhado de sons
grotescos e ruídos estranhos, a nossa
compreensão dela seria completamente
diferente.
• Contrário do Alien de James Cameron.
• A simples manipulação do som possibilita
uma dinâmica expandida de efeitos.
FUNÇÃO DO SOM
• Este asincronismo reforça as
capacidades do som, na medida em que
ele não tem que ser necessariamente
apenas um reforço da imagem.
• Uma discrepância, dissonância ou
inconguência até, entre o som e a
imagem pode permitir um caráter
bastante revelador para o contexto da
história.
• Martin Scorsese em Taxi-Driver utiliza
este recurso com base na música
(Bernard Herrmann). Aquela música era
uma forma de antecipação, um sinal que
é dado ao espectador, e que ele apenas
mais tarde resolve; trata-se de apontar
para um sentido que só́ posteriormente
vem a ser desenvolvido.
FUNÇÃO DO SOM
• O som cumpre um papel decisivo ao longo
de todo o processo de criação. As suas
possibilidades são imensas e mais serão
se formos capazes de projetar e
desenvolver um trabalho criativo e
coerente em torno de todo o som do filme.
As técnicas de edição de som e mixagem é
portadora de sentido - e é um significado que
não é absorvido pela ideologia do visível. A
verdade ideológica da trilha sonora cobre o
que escapa aos olhos. Para o ouvido, é
precisamente esse órgão que se abre para a
realidade interior do indivíduo - não
exatamente invisível , mas irreconhecível
dentro da garantia do puramente visível (
Doane, 1985: 61).
FUNÇÃO DO SOM
BARBOSA, Álvaro. O Som em Ficção Cinematográfica disponível em
http://www.abarbosa.org/docs/som_para_ficcao.pdf
BORDWELL, David & THOMPSON, Kristin (1985) – «Fundamental Aesthetics of the Sound in the Cinema»
in WEIS, Elisabeth & BELTON, John [ed.] (1985) – Film Sound, Theory and Practice, New York, Columbia
University Press.
BORDWELL, David & THOMPSON, Kristin (1994) – Film History, an Introduction, New York, McGraw-Hill.
BRESSON, Robert (1975) – Note sur le Cinématographe, Paris, Gallimard.
CHION, Michel (1982) – La Voix au Cinéma, Paris, Éd de L’Étoile.
CHION, Michel (1994) – Le Son au Cinéma, Paris, Éd de L’Étoile.
COOPER, Pat & DANCYGER, Ken (2000) – Writing the Short Film, Boston, Focal Press.
DANCYGER, Ken (1997) – The Technique of Film and Video Editing, Boston, Focal Press.
DOANE, Mary A. (1985) – «The Voice in the Cinema: the Articulation of Body and Space» in WEIS,
Elisabeth & BELTON,
John [ed.] (1985) – Film Sound, Theory and Practice, New York, Columbia University Press. GRILO, João
M. (1997) – A Ordem no Cinema, Lisboa, Relógio d’Água.
MURCH, Walter (1995) – In the Blink of an Eye, Los Angeles, Silman-James Press.
MURCH, Walter (s.d.) – «Dense Clarity – Clear Density» disponível em www.filmsound.org RONA, Jeff
(2000) – The Reel World, San Francisco, Miller Freeman Books.
YEWDALL, David L. (1999) – Practical Art of Motion Picture Sound, Boston, Focal Press.
BIBLIOGRAFIA
• É uma ferramenta poderosa.
• É gratuito.
• É distribuído livremente
• É multiplataforma.
• Não requer grandes recursos
de sistema (nem instalação).
• Possui uma interface simples.
• Está em constante
desenvolvimento colaborativo.
Audacity
A Interface do Audacity
Pistas de áudio
Mono e Estéreo
Ferramentas de
Edição
Controle de
entrada de áudio
Controle de
saída de
áudio
Monitor de
saída de áudio
Monitor de
saída de áudio
Botões de
gravação e
reprodução
seleção de entrada de áudio
Barra de menus
Atalhos
para
edição Marcador
de tempo
Barras de rolagem
Ferramentas de Edição
1 2 3
4 5 6
1. FERRAMENTA DE SELEÇÃO: permite
selecionar pistas ou trechos de áudio
específicos que serão editados.
2. CURVA DE VOLUME: permite definir as
variações de volume do áudio ao longo da
pista.
3. LÁPIS: permite interagir graficamente com o desenho das ondas sonoras.
4. LUPA: permite aumentar e diminuir a visualização gráfica das onds
sonoras.
5. FERRAMENTA DESLIZAR: permite deslocar os arquivos de áudio na
linha de tempo para frente ou para trás.
6. ASTERISCO: permite utilizar simultaneamente mais de uma ferramenta.
Controles de entrada e nível
1.NÍVEL DE SAÍDA – ajusta maior/menor volume
do sinal que vai para o monitor (caixas
acústicas ou fones).
2.NÍVEL DE ENTRADA – ajusta maior/menor
volume na entrada do sinal (gravação).
3.SELEÇÃO DE SINAL DE ENTRADA – escolhe
a fonte do sinal de áudio.
1 2 3
Botões de gravação e reprodução
1.REWIND – retrocede a gravação até o início.
2.PLAY – toca o trecho gravado.
3.RECORD – inicia a gravação criando uma nova pista.
4.PAUSE – interrompe e retoma a mesma gravação.
5.STOP – para a gravação
6.FORWARD – adianta a gravação até o final.
1 2 3 4 5 6
Monitores de entrada e saída
1.Monitor de saída, canais Esquerdo (E) e Direito (D)
.
2.Monitor de entrada, canais Esquerdo (E) e Direito
(D).
OBS.: o limite do volume da gravação é assinalado
como “0 dB” (zero decibéis).
1 2
Ferramentas
de Edição
Controle de volume
de entrada e saída
de áudio
Monitor de
saída e entrada de áudio
Botões de
gravação e
reproduçã
o
Marcador
de tempo
Barras de rolagem
Barra de menus
Ferramentas de
recorte/copia/colar/inserç
ão de silêncio/ fazer e
desfazer/ zoom
Pistas de
áudio
Mono e
Estéreo
Área de
trabalho
Dispositivo
de entrada e
saída
Controle
de
velocidade
do som
Ondas
formadas
Vincular
faixas
Ao play
inicia
novament
e
Cria uma
nova faixa
de áudio
Gravação
programada
Adiciona a
gravação na
faixa atual
Adiciona nova faixa de áudio
Opções de análise de frequência
Iniciar um projeto
CRIAR PROJETO/ IMPORTAR
ARQUIVOS
Projeto -> Importar Áudio JANELA DE SELEÇÃO
Selecionar Arquivo -> Abrir
Abrir e selecionar arquivos
1. ABRIR UMA PISTA
2. SELECIONAR UMA PISTA
“Clicar” na área cinza
3. SELECIONAR TRECHO NUMA PISTA
Usar ferramenta de seleção
1
2
3
Gerenciar várias pistas
1. Botão Solo – para
escutar uma única pista
entre várias.
1
Gerenciar várias pistas
2. MUDO –
Eliminar uma
pista de
áudio entre
as várias.2
Utilizar a curva de volume
2. Além de abrir ou fechar o
cursor, é possível marcar pontos
de amarração ao longo da linha
de nível do volume (2a) e usá-
los para desenhar as variações
desejadas de volume no formato
de uma curva (2b).
1. Ao acionar a ferramenta, o nível
de volume da pista aparece como
área clara.
É possível reduzir o volume ao
mínimo fechando-se o cursor (1a),
ou aumentá-lo até o máximo,
abrindo O CURSOR (1b).
1
1a
1b
2a
2b
Utilizar a Lupa
A Lupa permite uma visualização
poderosa dos detalhes no gráfico
que representa a onda sonora.
O clique com o botão esquerdo do mouse aumenta a magnificação
enquanto o clique com o botão esquerdo a reduz.
Arrastar e reposicionar
Esta ferramenta permite arrastar, para frente ou para trás, os “blocos”
de áudio correspondentes à cada pista de gravação, dispondo-os ao
longo da linha de tempo, no ponto em que se desejar.
Editando
• Menu arquivo – importar áudio.
• Importar o arquivo “ áudio Carlos 2”.
• Eliminar os silêncios, impor ritmo e erros.
• Posso cortar e adicionar trechos
• Importar uma trilha sonora.
• Localizar o arquivo
• Ele cria um novo track ou pista
• Ajustar o tempo e apagar o trecho indesejado.
• Shift end seleciono até o final da trilha
• Deletar o ponto que não deseja.
• Ajustar volume
• Posso trabalhar no volume em cada faixa.
• Ferramenta ferramenta envelope: consegue trabalha no áudio de maneira
isolada. DAR DUPLO CLICK. CRIA UM PONTO DE EDIÇÃO.POR
EXEMPLO COLOCAR UM FADE
• Sempre bom salvar o projeto antes de exportar.
• Arquivo - exportar.
• Posso exportar apenas uma seleção do trabalho.
• Necessita Plugin Lame para mp3
EXERCÍCIO
• Editar o áudio, acrescentando trilha e efeitos.
• Salvar em mp3.
• Enviar por e-mail para adiçãoaudio@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho
[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho
[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho
lucit0208
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
Laércio Góes
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
Fátima Simões
 
Apostila musica ef 06
Apostila musica ef 06Apostila musica ef 06
Apostila musica ef 06
Elvis Live
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
Aline Raposo
 
Fotos
FotosFotos
Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2
Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2
Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2
Flora Menezes
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
Tauana Parreiras
 
Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014
Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014
Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014
Lismara de Oliveira
 
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes SonorosAula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
ismaelfurtado
 
Apostila musica ef 08
Apostila musica ef 08Apostila musica ef 08
Apostila musica ef 08
Elvis Live
 
Manual de som profissional
Manual de som profissionalManual de som profissional
Manual de som profissional
Fernando Santos
 
Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do Som
Luciano Dias
 
Apresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DADApresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DAD
acosta100
 
Espaço plástico
Espaço plásticoEspaço plástico
Espaço plástico
Marcio Duarte
 
"Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M...
"Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M..."Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M...
"Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M...
CarlosEdMusical
 
Apresentação tcc2 final
Apresentação tcc2 finalApresentação tcc2 final
Apresentação tcc2 final
luis84ra
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuais
Oswaldo Hernandez
 

Mais procurados (18)

[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho
[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho
[Cliqueapostilas.com.br] manual-pratico-de-violao-gaucho
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Apostila musica ef 06
Apostila musica ef 06Apostila musica ef 06
Apostila musica ef 06
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
 
Fotos
FotosFotos
Fotos
 
Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2
Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2
Didática Unirio Licenciatura em Música 2012.2
 
Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual Fundamentos da Linguagem Visual
Fundamentos da Linguagem Visual
 
Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014
Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014
Musicalização - Formação para RMDs - dia 24/04/2014
 
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes SonorosAula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
 
Apostila musica ef 08
Apostila musica ef 08Apostila musica ef 08
Apostila musica ef 08
 
Manual de som profissional
Manual de som profissionalManual de som profissional
Manual de som profissional
 
Parâmetros do Som
Parâmetros do SomParâmetros do Som
Parâmetros do Som
 
Apresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DADApresentação em power point 3 aula DAD
Apresentação em power point 3 aula DAD
 
Espaço plástico
Espaço plásticoEspaço plástico
Espaço plástico
 
"Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M...
"Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M..."Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M...
"Para uma educação sonora - 100 exercícios de audição e produção sonora" de M...
 
Apresentação tcc2 final
Apresentação tcc2 finalApresentação tcc2 final
Apresentação tcc2 final
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuais
 

Destaque

Dez principios para um som melhor
Dez principios para um som melhorDez principios para um som melhor
Dez principios para um som melhor
Neemias Moraes
 
Equallizacao
EquallizacaoEquallizacao
Estúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfonesEstúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfones
Thiago Aguiar
 
E O Mar Ali TãO Perto5
E O Mar Ali TãO Perto5E O Mar Ali TãO Perto5
E O Mar Ali TãO Perto5
guest0e9d0d
 
Audio
AudioAudio
História do Registro do Som: Áudio Digital
História do Registro do Som: Áudio DigitalHistória do Registro do Som: Áudio Digital
História do Registro do Som: Áudio Digital
Emanuel Limeira
 
A Arte Da Mixagem Em Portugues
A Arte Da Mixagem Em PortuguesA Arte Da Mixagem Em Portugues
A Arte Da Mixagem Em Portugues
Jaziel Carvalho Oliveira
 
Asp
AspAsp
Edicao de video em americana 2011
Edicao de video em americana 2011Edicao de video em americana 2011
Edicao de video em americana 2011
Fabio Rogerio Nepomuceno
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
UNIP. Universidade Paulista
 
Sonoplastia
SonoplastiaSonoplastia
Sonoplastia
Nuno Barros
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
Dênia Cavalcante
 
AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017
AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017
AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017
Carol Smith
 

Destaque (13)

Dez principios para um som melhor
Dez principios para um som melhorDez principios para um som melhor
Dez principios para um som melhor
 
Equallizacao
EquallizacaoEquallizacao
Equallizacao
 
Estúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfonesEstúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfones
 
E O Mar Ali TãO Perto5
E O Mar Ali TãO Perto5E O Mar Ali TãO Perto5
E O Mar Ali TãO Perto5
 
Audio
AudioAudio
Audio
 
História do Registro do Som: Áudio Digital
História do Registro do Som: Áudio DigitalHistória do Registro do Som: Áudio Digital
História do Registro do Som: Áudio Digital
 
A Arte Da Mixagem Em Portugues
A Arte Da Mixagem Em PortuguesA Arte Da Mixagem Em Portugues
A Arte Da Mixagem Em Portugues
 
Asp
AspAsp
Asp
 
Edicao de video em americana 2011
Edicao de video em americana 2011Edicao de video em americana 2011
Edicao de video em americana 2011
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
 
Sonoplastia
SonoplastiaSonoplastia
Sonoplastia
 
Passo a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slidesPasso a passo para baixar slides
Passo a passo para baixar slides
 
AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017
AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017
AI and Machine Learning Demystified by Carol Smith at Midwest UX 2017
 

Semelhante a Eav 4 edição de audio e audacity

Oficina de som
Oficina de somOficina de som
Linguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidneiLinguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidnei
sidtkt
 
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestreDesafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Renata Duarte
 
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical   8º ano ensino fundamentalApostila de educação musical   8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
Partitura de Banda
 
O Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdf
O Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdfO Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdf
O Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdf
JosFelipeDuarteFerre
 
9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completa9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completa
MAILSON2010
 
Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09
Elvis Live
 
Apostila completa musica
Apostila completa musicaApostila completa musica
Apostila completa musica
Luis Silva
 
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentlApostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Partitura de Banda
 
9ano 00 apostila completa
9ano 00 apostila completa9ano 00 apostila completa
9ano 00 apostila completa
Munique Silva
 
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Mauricio Fonteles
 
(2013) nascimento a. k. p. do linguística de corpus e legendagem para sur...
(2013)   nascimento a. k. p. do   linguística de corpus e legendagem para sur...(2013)   nascimento a. k. p. do   linguística de corpus e legendagem para sur...
(2013) nascimento a. k. p. do linguística de corpus e legendagem para sur...
LeadUece
 
APRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdf
APRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdfAPRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdf
APRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdf
Bruna Burlamaqui
 
Arte atividades complementares - 3 anos
Arte   atividades complementares - 3 anosArte   atividades complementares - 3 anos
Arte atividades complementares - 3 anos
Dilcea Lopes
 
Cinema E MúSica Trabalho Em Grupo
Cinema E MúSica   Trabalho Em GrupoCinema E MúSica   Trabalho Em Grupo
Cinema E MúSica Trabalho Em Grupo
MARCIA.UCPEL
 
elementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.pptelementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.ppt
BiancaVaz10
 
elementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.pptelementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.ppt
InternetApocalipsisS
 
Elementos básicos da linguagem da música
Elementos básicos da linguagem da músicaElementos básicos da linguagem da música
Elementos básicos da linguagem da música
profjuliaalvino
 
elementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.pptelementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.ppt
fagnerlopes11
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Thiago Assumpção
 

Semelhante a Eav 4 edição de audio e audacity (20)

Oficina de som
Oficina de somOficina de som
Oficina de som
 
Linguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidneiLinguagem e estrutura musical by sidnei
Linguagem e estrutura musical by sidnei
 
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestreDesafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
Desafio musical 1 aula 2 ano...primeiro bimestre
 
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical   8º ano ensino fundamentalApostila de educação musical   8º ano ensino fundamental
Apostila de educação musical 8º ano ensino fundamental
 
O Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdf
O Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdfO Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdf
O Papel da Música no Cinema Guia PorJosé Felipe Duarte Ferreira .pdf
 
9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completa9ano 00 QQ completa
9ano 00 QQ completa
 
Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09Apostila musica ef 09
Apostila musica ef 09
 
Apostila completa musica
Apostila completa musicaApostila completa musica
Apostila completa musica
 
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentlApostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
 
9ano 00 apostila completa
9ano 00 apostila completa9ano 00 apostila completa
9ano 00 apostila completa
 
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
 
(2013) nascimento a. k. p. do linguística de corpus e legendagem para sur...
(2013)   nascimento a. k. p. do   linguística de corpus e legendagem para sur...(2013)   nascimento a. k. p. do   linguística de corpus e legendagem para sur...
(2013) nascimento a. k. p. do linguística de corpus e legendagem para sur...
 
APRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdf
APRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdfAPRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdf
APRESENTACAO_BRUNA BURLAMAQUI_DA EM SONOPLASTIA.pdf
 
Arte atividades complementares - 3 anos
Arte   atividades complementares - 3 anosArte   atividades complementares - 3 anos
Arte atividades complementares - 3 anos
 
Cinema E MúSica Trabalho Em Grupo
Cinema E MúSica   Trabalho Em GrupoCinema E MúSica   Trabalho Em Grupo
Cinema E MúSica Trabalho Em Grupo
 
elementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.pptelementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.ppt
 
elementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.pptelementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.ppt
 
Elementos básicos da linguagem da música
Elementos básicos da linguagem da músicaElementos básicos da linguagem da música
Elementos básicos da linguagem da música
 
elementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.pptelementosbasicosdamusica.ppt
elementosbasicosdamusica.ppt
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisual
 

Mais de UNIP. Universidade Paulista

Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2
UNIP. Universidade Paulista
 
Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2
UNIP. Universidade Paulista
 
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
UNIP. Universidade Paulista
 
RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual aula 2
RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual  aula 2RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual  aula 2
RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual aula 2
UNIP. Universidade Paulista
 
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
UNIP. Universidade Paulista
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
UNIP. Universidade Paulista
 
CCM cultura e internet
CCM cultura e internet CCM cultura e internet
CCM cultura e internet
UNIP. Universidade Paulista
 
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interfaceABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
UNIP. Universidade Paulista
 
Artigo academico e plágio
Artigo academico e plágioArtigo academico e plágio
Artigo academico e plágio
UNIP. Universidade Paulista
 
TC ESCOLA FRANCESA
TC ESCOLA FRANCESATC ESCOLA FRANCESA
TC ESCOLA FRANCESA
UNIP. Universidade Paulista
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
UNIP. Universidade Paulista
 
CCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshareCCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshare
UNIP. Universidade Paulista
 
CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2
UNIP. Universidade Paulista
 
CCM - Sonho acordado 2
CCM - Sonho acordado 2CCM - Sonho acordado 2
CCM - Sonho acordado 2
UNIP. Universidade Paulista
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
UNIP. Universidade Paulista
 
Eav 6 holodock e transmídia 2
Eav 6  holodock e transmídia 2Eav 6  holodock e transmídia 2
Eav 6 holodock e transmídia 2
UNIP. Universidade Paulista
 
Eav 5 terror e suspense 2
Eav 5   terror e suspense 2Eav 5   terror e suspense 2
Eav 5 terror e suspense 2
UNIP. Universidade Paulista
 
TC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de FrankfurtTC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de Frankfurt
UNIP. Universidade Paulista
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
UNIP. Universidade Paulista
 
TC - ESCOLAS AMERICANAS
TC - ESCOLAS AMERICANASTC - ESCOLAS AMERICANAS
TC - ESCOLAS AMERICANAS
UNIP. Universidade Paulista
 

Mais de UNIP. Universidade Paulista (20)

Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2
 
Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2Hipermidia aula 2
Hipermidia aula 2
 
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
 
RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual aula 2
RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual  aula 2RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual  aula 2
RELAÇÕES PUBLICAS criação e produção audiovisual aula 2
 
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  aula 1
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual aula 1
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
 
CCM cultura e internet
CCM cultura e internet CCM cultura e internet
CCM cultura e internet
 
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interfaceABY WARBURG: Imagem, memória e interface
ABY WARBURG: Imagem, memória e interface
 
Artigo academico e plágio
Artigo academico e plágioArtigo academico e plágio
Artigo academico e plágio
 
TC ESCOLA FRANCESA
TC ESCOLA FRANCESATC ESCOLA FRANCESA
TC ESCOLA FRANCESA
 
TC - Estudos Culturais
TC - Estudos CulturaisTC - Estudos Culturais
TC - Estudos Culturais
 
CCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshareCCM etnocentrismo shideshare
CCM etnocentrismo shideshare
 
CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2
 
CCM - Sonho acordado 2
CCM - Sonho acordado 2CCM - Sonho acordado 2
CCM - Sonho acordado 2
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
 
Eav 6 holodock e transmídia 2
Eav 6  holodock e transmídia 2Eav 6  holodock e transmídia 2
Eav 6 holodock e transmídia 2
 
Eav 5 terror e suspense 2
Eav 5   terror e suspense 2Eav 5   terror e suspense 2
Eav 5 terror e suspense 2
 
TC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de FrankfurtTC - Escola de Frankfurt
TC - Escola de Frankfurt
 
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADECCM. CULTURA E IDENTIDADE
CCM. CULTURA E IDENTIDADE
 
TC - ESCOLAS AMERICANAS
TC - ESCOLAS AMERICANASTC - ESCOLAS AMERICANAS
TC - ESCOLAS AMERICANAS
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 

Eav 4 edição de audio e audacity

  • 1. EDIÇÃO DE ÁUDIO E VÍDEO DIGITAIS CURSO: TECNOLOGIA JOGOS DIGITAIS Prof° José Geraldo de Oliveira CONTEÚDO Edição de som: algumas perspectivas Audacity: Configuração Básicas. Gravação e edição de faixa de áudio no Audacity. Edição de efeitos especiais produzidos em sala de aula e criação de biblioteca sonora
  • 2. • Em um filme o conjunto de sons que ouvimos chamamos banda sonora. • É constituída por elementos distintos e um conjunto dos vários sons em relação entre si. Ou seja, tudo o que ouvimos: 1. DIÁLOGOS 2. MÚSICA 3. EFEITOS PERSPECTIVAS DA EDIÇÃO DE SOM
  • 3. • Diálogos: quase sempre gravados posteriormente em estúdio especialmente em cenas de exterior. • Efeitos Sonoros: tipicamente subdivididos em duas categorias: a paisagem sonora e os efeitos especiais. • Música: elemento criado com o objetivo de conduzir emocionalmente a audiência. PERSPECTIVAS DA EDIÇÃO DE SOM
  • 4. • Quando bem elaborados, os diálogos dos personagens são determinantes para a imersão do espectador na história, além de ajudar na identificação entre o público e os protagonistas. • Determinar o ritmo dos diálogos, escolher bem o vocabulário, dosar a quantidade de frases: tudo isso é de suma importância na confecção de um roteiro bem-sucedido. A construção das frases a serem ditas em cena merece tanta atenção quanto a elaboração dos elementos visuais 9...) Há de se ter um cuidado especial na redação. Não se trata apenas de reproduzir a fala coloquial do dia a dia – o chamado discurso naturalista – como muitos roteiristas supõem. É preciso algo mais: o diálogo tem de fazer mais sentido, comunicar mais Cada palavra conta ( Daniel Obeid). DIÁLOGOS
  • 5. • Os diálogos costumam ser a parte que, regra geral, centra a atenção do espectador. Mas se, no cinema, o som é vococêntrico e verbocêntrico, isso deve-se, desde logo, ao fato de as pessoas, no seu comportamento e reações quotidianas, também o serem. Se o ser humano ouvir vozes no meio de outros sons que o rodeiam (sopro do vento, música, veículos), são essas vozes que captam e concentram logo sua atenção (CHION, 2008, p.13). • Os diálogos são o centro das atenções do conjunto dos elementos sonoros; privilegiado e determinante para a compreensão narrativa do filme. • Muitos filmes se estruturam toda a construção narrativa em termos de diálogos. DIÁLOGOS
  • 6. • A utilização da voz pode também sofrer vários efeitos e manipulações para atingir determinados objetivos que façam parte da estratégia narrativa do filme. • Em Cidadão Kane, Orson Welles, quando Kane e Leland falam, manipula a tonalidade e o volume de modo a que estes sejam indicativos da relação de poder que está estabelecida entre esses dois personagens. • No caso de 2001: Odisseia no Espaço de Staney. Kubrick, a voz do computador HAL é processada de forma a acentuar a diferença em relação à voz mais grave e moderada dos astronautas. DIÁLOGOS
  • 7. • Como exceção temos os casos dos monólogos interiores (discurso meta diegético ou interior subjetivo) e da narração (discurso não diegético) que não necessitam de um sincronismo com a imagem no mesmo nível que os diálogos visualmente explícitos. • Genericamente é possível, com relativa facilidade modificar os parâmetros essenciais do formato sonoro de diálogos ou qualquer outro som, nos sistemas de pós produção de áudio atuais. DIÁLOGOS
  • 8. • volume com que percebemos um determinado som, que pode ser manipulado muito facilmente em cada som individual transformando a sua curva envolvente (a envolvente representa a variação de volume ao longo do tempo). AMPLITUDE
  • 9. • Corresponde à frequência fundamental do som que normalmente identificamos como a nota musical de determinado som. • Ao transformarmos a tonalidade tornamos o som mais grave ou mais agudo aproximadamente da mesma forma que transformamos o som de um registo em disco de vinil ao variarmos as rotações do gira discos. TONALIDADE
  • 10. • Característica que permite distinguir dois sons com a mesma tonalidade, mas originados por fontes com características físicas distintas (o som de uma flauta a tocar a nota Lá 440Hz é claramente diferente do som de um piano a tocar a mesma nota). • Podemos modificar o timbre de qualquer som através de filtros digitais como reverberação ou equalização transformando assim a noção do espaço físico em que o som ocorre. TIMBRE
  • 11. • Corresponde à simulação do posicionamento no espação físico da fonte sonora. • Em sistemas de som Stereo é possível a manipulação da panorâmica (desvio de um som para a esquerda ou direita da audiência) e a profundidade pode ser simulada variando apenas o volume de som (som mais distante tem um volume mais baixo que o som mais próximo). • Em sistemas de Som Surround a manipulação espacial é muito mais flexível sendo normalmente possível o recurso a dois monitores sonoros frontais (Esquerda e direita), dois laterais, dois na retaguarda e um subwoffer central (para amplificar som muito graves tipicamente abaixo dos 80hz). ESPACIALIZAÇÃO
  • 12. • Em sistemas não lineares digitais editar e transformar a duração de som ou o seu posicionamento temporal é extremamente simples e facilita toda a problemática do sincronismo entre o som e a imagem. • Em sistemas não lineares digitais editar e transformar a duração de som ou o seu posicionamento temporal é extremamente simples e facilita toda a problemática do sincronismo entre o som e a imagem. • Um outro aspecto muito importante do domínio da acústica, que não corresponde verdadeiramente a um fenômeno sonoro, mas sim a uma caraterística da percepção humana, é a audição seletiva. O POSICIONAMENTO TEMPORAL E DURAÇÃO
  • 13. • A música é um elemento da banda sonora indissociável do filme. • Raros filmes, sobretudo de ficção, que não utilizam a música. • Pode ser original, sujeita às determinações que o próprio filme apresenta, sobretudo no que se refere ao tempo e à sua relação com os momentos do filme que vão inclui-la. • Pode-se, também, recorrer a música já existente. • Os filmes de Quentin Tarantino. MÚSICA
  • 14. • Uma cena sem som fica abstrata. O som acrescenta valores expressivos e informativos a uma cena, neste sentido materializa aquela imagem. Em particular, tudo aquilo que na tela é choque, queda ou explosão mais ou menos simulados ou realizados com materiais pouco resistentes, adquire com o som uma consistência e uma materialidade que se impõem (CHION, 2008: 12). • Além de materializar, é importante notar que o efeito sonoro só funciona com uma sincronia entre a imagem e o som [Princípio da síncrise]. É estabelecer uma relação imediata e necessária entre qualquer coisa que se vê e qualquer coisa que se ouve (CHION, 2008: 12). MÚSICA
  • 15. • Funciona de forma contrária à música empática, assim “manifesta uma diferença ostensiva relativamente à situação […], o que tem por efeito não a suspensão da emoção, mas, pelo contrário, o seu reforço, inscrevendo-a num fundo cósmico.”(CHION,2008, p.14 e 15) MÚSICA ANEMPÁTICA
  • 16. • A música acompanha o ritmo e dinâmica da cena acentuando-o. Isso acontece de acordo com o valor cultural de cada sociedade. MÚSICA EMPÁTICA
  • 17. • Tipicamente ao longo da narrativa a música nunca é interrompida abruptamente (a menos que se pretenda um efeito especifico como a surpresa). • Mas continuamente pode ir modificando o seu teor de acordo com os pontos em que a narrativa visual é emocionalmente acentuada. • A música sofre acentuações sem interromper a fluxo contínuo. • Os Hit points existem em função da imagem e são utilizados para acentuar momentos mais fortes, ou para fazer a transição de uma forma suave entre momentos musicais distintos (por exemplo numa mudança de cena). MÚSICA – HIT POINTS
  • 18. MÚSICA – HIT POINTS
  • 19. • O Leit Motif corresponde a uma peça musical que é associada a um determinado personagem. • Depois de estabelecido o Leit Motiv (a música aparece simultaneamente com o personagem algumas vezes no início da narrativa), basta que este seja introduzido sonoramente na narrativa para que o público assuma a presença do personagem ainda que esta não esteja presente no enquadramento. MÚSICA – Leit Motiv
  • 20. • A narração ou voz em off, embora não se trate propriamente de diálogo, também é podemos colocar na dimensão específica da utilização de vozes. • A voz off pode desempenhar uma extrema importância na estrutura narrativa. • Veja-se o caso de Barry Lyndon de Kubrick DIÁLOGOS
  • 21. • Alfred Hitchcock utilizava a música de uma maneira bastante criativa. • Algumas das composições mais emblemáticas dos filmes de Hitchcock são de autoria de Bernard Herrmann (1911-1975), compositor americano que se notabilizou precisamente por possuir uma percepção aguda do papel que a música pode desempenhar em conjunto com as imagens. • Da sua colaboração com Hitchcock nasceram músicas como por exemplo: O Homem que Sabia Demais; Vertigo e Psico. MÚSICA
  • 22. • Os efeitos sonoros são uma parte igualmente poderosa a que se recorre. • Todos o conjunto de sons que permitem reforçar (ou contradizer) uma determinada ideia ou situação. • As vezes a separação entre música e e efeitos torna-se imperceptível : isto acontece quando a música perde as suas “qualidades musicais” propriamente ditas para, através da textura do próprio som, fazer valer uma ideia: utilizar glissandos de violino, com caráter aleatório para acompanhar uma situação de discussão e agressão, é um exemplo do tal efeito cuja relação com a música é muito próxima. EFEITOS SONOROS
  • 23. • Além do papel de simulação da realidade psico-acústica como a conhecemos, frequentemente são utilizados para a introdução de novas realidade e conceitos sonoros, sendo que neste momento, em que estão instituídas plataformas e edição não linear, as possibilidades criativas são maiores do que nunca. EFEITOS SONOROS
  • 24. Som Presente • Corresponde ao universo diegético e pode ocorrer dentro ou fora do enquadramento. Som ausente • Corresponde a uma situação em que no enquadramento temos a correspondência visual a um som, mas não o ouvimos. • Ex: Duas pessoas conversando dentro de um café, mas o nosso ponto de vista é no exterior. • Não ouvimos o diálogo por causa da barreira da janela e o ruído da rua, embora seja possível ver as pessoas conversando). EFEITOS SONOROS [Som Presente/Ausente ]
  • 25. MÁSCARA AUDITIVA • Efeito sonoro ou musical utilizado tipicamente para conceber a sonorização em excertos de avanço no tempo, condensando o tempo real, ou para ocultar informação redundante. IMPOSIÇÃO DO AMBIENTE • Um efeito sonoro é muitas vezes suficiente para estabelecer o ambiente de uma cena. • O som de uma gaivota é suficiente para criar no público a sensação de que a cena se passa perto do mar, ou um galo a cantar numa cena escura dá a ideia de ser madrugada. EFEITOS SONOROS [ Máscara auditiva]
  • 26. SOBREPOSIÇÃO • Sempre que na transição entre duas cenas o som se mantém em continuidade. • As vezes utilizado de forma irónica ou para para impor uma passagem temporal. ANTECIPAÇÃO • Sempre que num corte um som correspondente à cena seguinte começa a ser ouvido antes da transição, permitindo antecipar a ação que vai iniciar. SEGUNDO DE ANTECIPAÇÃO • Um segundo de silêncio antes de um evento de grande impacto, como uma explosão ou um tiro faz com que o efeito do evento seja muito mais EFEITOS SONOROS
  • 27. EXAGERO DE EFEITOS SONOROS • O exagero de fenômenos auditivos especialmente os diegéticos, pode ter um efeito dramático ou cômico. • Em geral ao criarmos diálogo ou efeitos sonoros, devemos ter em mente que o som na produção áudio visual tem o objetivo de criar uma experiência auditiva no público de forma a que este transcenda o suporte da narrativa emergindo-se o mais possível neste mundo virtual. EFEITOS SONOROS
  • 28. Pode existir eventuais ambiguidades entre estas três dimensões, o que só revela que não se trata de categorias absolutamente estáticas.As bandas sonoras mais eficientes são precisamente aquelas em que todos estes elementos fluem muito naturalmente, fazendo-nos passar a ideia de que tudo se encontra no lugar certo e de que não há nada nem a mais nem a menos, evidenciando uma unidade intrínseca ( JORGE: 2009). • A importância da música, diálogos e efeitos e a relação entre si, torna- se evidente quando equacionamos a dimensão espacial do som. • Todos os sons têm necessariamente uma fonte e o posicionamento dessa fonte no contexto do filme vai ser decisivo para a compreensão desses elementos no seu todo, bem como do modo como eles se ligam entre si.
  • 29. • Os sons cuja fonte é perceptível no espaço narrativo do filme. • Todos sons cuja fonte está no espaço contextual do filme [os diálogos, o som da chuva, o som dos objetos que estão no plano ou o som de uma banda a tocar no próprio local. • Não importa aqui se a fonte é visível no plano (in – no dizer de M. Chion, ou se a fonte não está visível no plano, mas é suposto fazer parte desse mesmo plano – fora-de-campo, segundo Chion). • O som de um carro que se aproxima, mas que o espectador ainda não vê não deixa de ser diegético . • O que conta é que é suposto fazer parte do enquadramento espacial da narração a possibilidade de surgir um automóvel ou de passar um avião. SONS DIEGÉTICOS
  • 30. • Som Diegético: sonoridades objetivas; todo o universo sonoro que é perceptível pelos personagens em cena, tais como a paisagem sonora (o som dos carros numa cidade, o ruído de uma multidão, os pássaros no campo, a música num bar, etc), ou o diálogo entre personagens. Os sons diegéticos podem decorrer dentro do enquadramento visual da cena ou não (on screen / off screen). • Som não Diegeético: sonoridades subjetivas; todo o som imposto na cena que não é percepcionado pelos personagens, mas que tem um papel muito importante na interpretação da cena, ainda que de uma forma quase subliminar para a audiência; sons não diegéticos são tipicamente, voz de narração, música de fundo ou efeitos sonoros especiais. SOM DIEGÉTICO e NÃO DIEGÉTICO
  • 31. • Som Meta Diegético: sonoridades subjetivas; sonoridade que traduz o imaginário de uma personagem normalmente com o seu estado de espírito alterado ou em alucinação. • Um dos primeiros exemplos de utilização do discurso meta diegético em cinema ocorre em Chantagens e confissões [Alfred Hitchock.1929] • A personagem Alice (Anny Ondra) após ter assassinado um atacante com uma faca se encontra à mesa na loja dos seus pais e ouve a conversa de uma personagem feminina também presente. Aos poucos a forma como Alice observa esta conversa vai-se alterando unicamente para a repetição consecutiva da palavras "Knife, Knife, Knife,...” [faca] como reflexo subjetivo do seu estado de espírito perturbado. SOM META DIEGÉTICO
  • 32.
  • 33.
  • 34. • Um outro aspecto muito importante do domínio da acústica, que não corresponde verdadeiramente a um fenômeno sonoro, mas sim a uma caraterística da percepção humana, é a audição seletiva. • É uma capacidade humana que permite, num ambiente ruidoso focar um determinado som e percebe-lo com mais clareza que o restante do som ambiente [Ex: uma festa]. • A simulação de audição seletiva em expressão cinematográfica pode ser atingida por simples manipulação dos volumes individuais dos vários sons, sendo que a opção da focagem sonora é do criador e não da audiência. AUDIÇÃO SELETIVA The Player [Robert Altman- 1992]
  • 35. AUDIÇÃO SELETIVA The Player [ Robert Altman- 1992] a focagem sonora é levada ao extremo. Um plano sequência de 5 minutos onde a câmera percorre um ambiente com muitos personagens que entram e saem de cena, sendo focados sucessivamente os diferentes diálogos dos personagens que passam.
  • 36. • A edição é um trabalho de tratamento de som que é determinante para a obtenção dos resultados desejados. • Uma etapa cuja tarefa fundamental é o tratamento e montagem dos sons em função da estratégia narrativa. • Embora pareça um “parceiro natural” da imagem, o som nem sempre vem atrelado à imagem ou consequência direta dela. • Na própria captação, há uma estratégia prévia envolvida: temos que saber o que captar e como vamos captar. • O processo de captação é seletivo e, como tal, sustentado num conjunto de opções previamente definidas pelos responsáveis.
  • 37. EDIÇÃO DE ÁUDIO • Um filme nunca é constituído só de sons diegéticos – e mesmo esses necessitam quase sempre de voltar a ser trabalhados. • A atividade de bruitage, como uma re- gravação para substituir sons diegéticos que, por um motivo ou por outro, não servem, é um bom exemplo de como o som requer invariavelmente um trabalho de edição. • Muitas vezes os próprios diálogos deve ser regravados. • ADR [automated dialog recording] é processo que visa substituir a gravação das vozes dos atores efetuada no local da filmagem.
  • 38. • A fase de edição não pretende apenas trabalhar ao nível dos sons diegéticos [ Efeitos, música ou narração]. • A edição é ferramentas a dispor de quem finaliza o filme e que devem ser passíveis de uso criativo. • Nesta fase da edição é determinante a ideia de sentido. • Que história estamos a contar? • O que é que queremos dizer? • Que sentido é que isto pode suscitar? • São algumas das questões que devem ser colocadas durante a fase de edição de modo a que haja um linha de orientação em relação ao som, uma vez que já vimos que ele não é nunca um simples acompanhante “neutro” da imagem. EDIÇÃO DE ÁUDIO
  • 39. • Ao assistir a um filme ouvimos vários tipos de sons. Somos capazes de ouvir diferentes sons simultaneamente, mas que só irá proporcionar um efeito positivo se conseguirmos perceber a sua diferença. • O ouvido humano tem limites quanto à capacidade de audição e discernimento dos sons. • O ruído branco [ luz branca] caracteriza-se por ser um excesso de frequências (de sons individuais) em que, como consequência desse excesso, já nenhum desses sons é distinguível. • O nosso ouvido é capaz, no conjunto, de distinguir os sons individuais. Mas isso tem limites. • Essa capacidade não é muito extensa. • Facilmente nos dispersamos quando somos colocados em situações de excesso de informação auditiva. EDIÇÃO DE ÁUDIO
  • 40. • Geralmente são cinco as camadas que o ouvido é capaz de compreender até que surja a tal incapacidade de distinção. • Num filme, o diálogo constitui uma camada, o telefone tocando, ao fundo, outra, o som de chuva e assim consecutivamente. • Mais do que cinco será, na prática uma situação de ruído: estamos ouvindo, mas não estamos retirando qualquer informação clara e distinta do que ouvimos. • É importante que cada um desses cinco sons ocupe um lugar distinto no espectro sonoro. O ouvido humano capta sons que se situam, grosso modo, entre os 20 e os 20 000 hz. • Esses sons precisam estar ao longo de todo o espectro de frequências. EDIÇÃO DE ÁUDIO
  • 41. • Ter capacidade de compreensão de cinco camadas não significa que se seja capaz de compreender cinco diálogos simultaneos. • Esta regra só funciona se os sons forem efetivamente distintos entre si: 1) diálogo; 2) som de chuva e vento; 3) Música; 4) carros passando na rua; 5) sons de pessoas que dialogam entre si, ao fundo. • Estes sons são substancialmente diferentes entre si e cobrem uma margem considerável do espectro de frequências. • Separadamente notamos que se se trata de sons que não suscitam confusão quanto à sua natureza. • TWO-AND-A-HALF - Cães ladrando ( confusão) EDIÇÃO DE ÁUDIO
  • 42. • No processo de edição, a obtenção de densidade: os sons devem estar lá e de modo convincente, o espaço cênico não pode estar despido de sons. • A mixagem também deve visar a clareza: todos os sons presentes têm que estar de modo que podem ser percebidos, separadamente, mesmo estando em conjunto com outros sons distintos. • Esta clareza e densidade é percebida quando a mixagem é bem realizada: Os sons marcam a sua presença não atrapalhando uns aos outros. • Quando a mixagem é bem feita temos a sensação de naturalidade. • O que é natural não suscita interrogações. EDIÇÃO DE ÁUDIO [ clareza sonora]
  • 43. • O som reforça a atenção visual. • O fato da imagem ser acompanhada de som reforça a compreensão dessa mesma imagem. • Por outro lado pode caracterizar e alterar o modo como interpretar essa mesma imagem. • A mesma sequência de imagens, com envolvimentos sonoros distintos, tem a capacidade de suscitar significações completamente distintas. FUNÇÃO DO SOM
  • 44. • O objetivo de todo o trabalho de som num filme [ da captação até a pós-produção] deve ter como objetivo tornar credível o som que se ouve. • O espectador não pode assistir um filme e, de repente, sentir desconfortável ao ouvir um som que não se se coadunar, de forma alguma, com o que está a ser visto. • Em qualquer que seja a opção narrativa, o som tem que ser claro e eficiente ao desempenhar o seu papel nesse contexto. • Ken Dancyger sobre esta dinâmica entre o som e a imagem no contexto da narrativa fílmica introduz duas noções: 1. Pontuação 2. Amplificação. FUNÇÃO DO SOM
  • 45. PONTUAÇÃO • A capacidade que o som tem de acentuar o objetivo, a ideia a ser transmitida pela imagem. • Tornar identificável, sem qualquer margem para dúvidas, o sentido narrativo em causa. • Se pretende demonstrar alegria, é para aí que todos os elementos sonoros do filme apontam. • A ideia central é a de que o som reforça o que a imagem pretende desenvolver. DIÁLOGOSFUNÇÃO DO SOM
  • 46. AMPLIFICAÇÃO • É a capacidade que o som tem de nos transportar para além da imagem, ou até, de alterar o próprio sentido da imagem. • Por exemplo: quando o som de um trem significa mais do que esse trem em andamento como em Os 39 Degraus de A. Hitchcock. • Quando à imagem de uma mulher que depara com um corpo morto se junta o silvo de um comboio, esse mesmo silvo dá uma dimensão extra ao fato de a mulher deparar com o corpo: pretende sugerir um impacto, como se o comboio gritasse por ela, como se o grito dela fosse insuficiente para transmitir aquilo que ela verdadeiramente sente, recorrendo para isso a um som muito mais forte do que um grito humano. • Ir além do significado que está na imagem. Não é mais amplificação como simples reforço expressivo, mas como alteração e introdução de um novo sentido, ficando o próprio realismo físico da cena colocado em causa. FUNÇÃO DO SOM
  • 47. • O ET de Steve Spielberg nos é apresentado como um ser misterioso e estranho. • Porém os sons que emanam dessa criatura são muito próximos do humano, infantis mesmo. • Não temos medo ou repulsa, mas uma certa simpatia e afetividade. • Se o ET fosse acompanhado de sons grotescos e ruídos estranhos, a nossa compreensão dela seria completamente diferente. • Contrário do Alien de James Cameron. • A simples manipulação do som possibilita uma dinâmica expandida de efeitos. FUNÇÃO DO SOM
  • 48. • Este asincronismo reforça as capacidades do som, na medida em que ele não tem que ser necessariamente apenas um reforço da imagem. • Uma discrepância, dissonância ou inconguência até, entre o som e a imagem pode permitir um caráter bastante revelador para o contexto da história. • Martin Scorsese em Taxi-Driver utiliza este recurso com base na música (Bernard Herrmann). Aquela música era uma forma de antecipação, um sinal que é dado ao espectador, e que ele apenas mais tarde resolve; trata-se de apontar para um sentido que só́ posteriormente vem a ser desenvolvido. FUNÇÃO DO SOM
  • 49. • O som cumpre um papel decisivo ao longo de todo o processo de criação. As suas possibilidades são imensas e mais serão se formos capazes de projetar e desenvolver um trabalho criativo e coerente em torno de todo o som do filme. As técnicas de edição de som e mixagem é portadora de sentido - e é um significado que não é absorvido pela ideologia do visível. A verdade ideológica da trilha sonora cobre o que escapa aos olhos. Para o ouvido, é precisamente esse órgão que se abre para a realidade interior do indivíduo - não exatamente invisível , mas irreconhecível dentro da garantia do puramente visível ( Doane, 1985: 61). FUNÇÃO DO SOM
  • 50. BARBOSA, Álvaro. O Som em Ficção Cinematográfica disponível em http://www.abarbosa.org/docs/som_para_ficcao.pdf BORDWELL, David & THOMPSON, Kristin (1985) – «Fundamental Aesthetics of the Sound in the Cinema» in WEIS, Elisabeth & BELTON, John [ed.] (1985) – Film Sound, Theory and Practice, New York, Columbia University Press. BORDWELL, David & THOMPSON, Kristin (1994) – Film History, an Introduction, New York, McGraw-Hill. BRESSON, Robert (1975) – Note sur le Cinématographe, Paris, Gallimard. CHION, Michel (1982) – La Voix au Cinéma, Paris, Éd de L’Étoile. CHION, Michel (1994) – Le Son au Cinéma, Paris, Éd de L’Étoile. COOPER, Pat & DANCYGER, Ken (2000) – Writing the Short Film, Boston, Focal Press. DANCYGER, Ken (1997) – The Technique of Film and Video Editing, Boston, Focal Press. DOANE, Mary A. (1985) – «The Voice in the Cinema: the Articulation of Body and Space» in WEIS, Elisabeth & BELTON, John [ed.] (1985) – Film Sound, Theory and Practice, New York, Columbia University Press. GRILO, João M. (1997) – A Ordem no Cinema, Lisboa, Relógio d’Água. MURCH, Walter (1995) – In the Blink of an Eye, Los Angeles, Silman-James Press. MURCH, Walter (s.d.) – «Dense Clarity – Clear Density» disponível em www.filmsound.org RONA, Jeff (2000) – The Reel World, San Francisco, Miller Freeman Books. YEWDALL, David L. (1999) – Practical Art of Motion Picture Sound, Boston, Focal Press. BIBLIOGRAFIA
  • 51. • É uma ferramenta poderosa. • É gratuito. • É distribuído livremente • É multiplataforma. • Não requer grandes recursos de sistema (nem instalação). • Possui uma interface simples. • Está em constante desenvolvimento colaborativo. Audacity
  • 52. A Interface do Audacity Pistas de áudio Mono e Estéreo Ferramentas de Edição Controle de entrada de áudio Controle de saída de áudio Monitor de saída de áudio Monitor de saída de áudio Botões de gravação e reprodução seleção de entrada de áudio Barra de menus Atalhos para edição Marcador de tempo Barras de rolagem
  • 53. Ferramentas de Edição 1 2 3 4 5 6 1. FERRAMENTA DE SELEÇÃO: permite selecionar pistas ou trechos de áudio específicos que serão editados. 2. CURVA DE VOLUME: permite definir as variações de volume do áudio ao longo da pista. 3. LÁPIS: permite interagir graficamente com o desenho das ondas sonoras. 4. LUPA: permite aumentar e diminuir a visualização gráfica das onds sonoras. 5. FERRAMENTA DESLIZAR: permite deslocar os arquivos de áudio na linha de tempo para frente ou para trás. 6. ASTERISCO: permite utilizar simultaneamente mais de uma ferramenta.
  • 54. Controles de entrada e nível 1.NÍVEL DE SAÍDA – ajusta maior/menor volume do sinal que vai para o monitor (caixas acústicas ou fones). 2.NÍVEL DE ENTRADA – ajusta maior/menor volume na entrada do sinal (gravação). 3.SELEÇÃO DE SINAL DE ENTRADA – escolhe a fonte do sinal de áudio. 1 2 3
  • 55. Botões de gravação e reprodução 1.REWIND – retrocede a gravação até o início. 2.PLAY – toca o trecho gravado. 3.RECORD – inicia a gravação criando uma nova pista. 4.PAUSE – interrompe e retoma a mesma gravação. 5.STOP – para a gravação 6.FORWARD – adianta a gravação até o final. 1 2 3 4 5 6
  • 56. Monitores de entrada e saída 1.Monitor de saída, canais Esquerdo (E) e Direito (D) . 2.Monitor de entrada, canais Esquerdo (E) e Direito (D). OBS.: o limite do volume da gravação é assinalado como “0 dB” (zero decibéis). 1 2
  • 57. Ferramentas de Edição Controle de volume de entrada e saída de áudio Monitor de saída e entrada de áudio Botões de gravação e reproduçã o Marcador de tempo Barras de rolagem Barra de menus Ferramentas de recorte/copia/colar/inserç ão de silêncio/ fazer e desfazer/ zoom Pistas de áudio Mono e Estéreo Área de trabalho Dispositivo de entrada e saída Controle de velocidade do som Ondas formadas Vincular faixas
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61. Ao play inicia novament e Cria uma nova faixa de áudio Gravação programada Adiciona a gravação na faixa atual
  • 62. Adiciona nova faixa de áudio
  • 63.
  • 64.
  • 65. Opções de análise de frequência
  • 66. Iniciar um projeto CRIAR PROJETO/ IMPORTAR ARQUIVOS Projeto -> Importar Áudio JANELA DE SELEÇÃO Selecionar Arquivo -> Abrir
  • 67. Abrir e selecionar arquivos 1. ABRIR UMA PISTA 2. SELECIONAR UMA PISTA “Clicar” na área cinza 3. SELECIONAR TRECHO NUMA PISTA Usar ferramenta de seleção 1 2 3
  • 68. Gerenciar várias pistas 1. Botão Solo – para escutar uma única pista entre várias. 1
  • 69. Gerenciar várias pistas 2. MUDO – Eliminar uma pista de áudio entre as várias.2
  • 70. Utilizar a curva de volume 2. Além de abrir ou fechar o cursor, é possível marcar pontos de amarração ao longo da linha de nível do volume (2a) e usá- los para desenhar as variações desejadas de volume no formato de uma curva (2b). 1. Ao acionar a ferramenta, o nível de volume da pista aparece como área clara. É possível reduzir o volume ao mínimo fechando-se o cursor (1a), ou aumentá-lo até o máximo, abrindo O CURSOR (1b). 1 1a 1b 2a 2b
  • 71. Utilizar a Lupa A Lupa permite uma visualização poderosa dos detalhes no gráfico que representa a onda sonora. O clique com o botão esquerdo do mouse aumenta a magnificação enquanto o clique com o botão esquerdo a reduz.
  • 72. Arrastar e reposicionar Esta ferramenta permite arrastar, para frente ou para trás, os “blocos” de áudio correspondentes à cada pista de gravação, dispondo-os ao longo da linha de tempo, no ponto em que se desejar.
  • 73. Editando • Menu arquivo – importar áudio. • Importar o arquivo “ áudio Carlos 2”. • Eliminar os silêncios, impor ritmo e erros. • Posso cortar e adicionar trechos • Importar uma trilha sonora. • Localizar o arquivo • Ele cria um novo track ou pista • Ajustar o tempo e apagar o trecho indesejado. • Shift end seleciono até o final da trilha • Deletar o ponto que não deseja. • Ajustar volume • Posso trabalhar no volume em cada faixa. • Ferramenta ferramenta envelope: consegue trabalha no áudio de maneira isolada. DAR DUPLO CLICK. CRIA UM PONTO DE EDIÇÃO.POR EXEMPLO COLOCAR UM FADE • Sempre bom salvar o projeto antes de exportar. • Arquivo - exportar. • Posso exportar apenas uma seleção do trabalho. • Necessita Plugin Lame para mp3
  • 74. EXERCÍCIO • Editar o áudio, acrescentando trilha e efeitos. • Salvar em mp3. • Enviar por e-mail para adiçãoaudio@hotmail.com