CRIAÇÃO EMFILMES PUBLICITÁRIOS.Capítulo 4
TRÊSAntes de começar...   CONSIDERAÇÕES                      RELEVANTES.
DE ONDE VÊMOS JOBS?Antes mesmo de todo rough, brain-storming, insight ou plano sequên-cia, um job surge a partir das busca...
O REIDOPEDAÇO.“O principal decisorde todo o processo éo cliente, que sempredefine suas escolhasem parceria com aagência.”
O BRIEFÉ um documento que sintetiza as infor-mações relevantes do job de maneira quecontextualize a situação da forma mais...
ROTEIRO:CHEGA DEOLD SCHOOL.Nas gerações passadas dapublicidade, um roteiro eraum material muito denso tec-nicamente, era o...
DO QUE UMFILME PUBLICITÁRIOPRECISA PARA SERMAIS CRIATIVO?
SER AGRESSIVO, RÁPIDO, PERSUASIVO, OBJETIVO.
ORIGINAL,ATREVIDO,PROVOCANTE.
PRENDER A ATENÇÃO.
TER DOMÍNIO DE SÍNTESE.
A INTERATIVIDADE ÉINDISPENSÁVEL NODESENVOLVIMENTODE UM PENSAMENTO EMCRIAÇÃO EM QUE,PRINCIPALMENTE NACOMUNICAÇÃO, ACRIAÇÃO ...
A FÓRMULAÉ ABSORVERTUDO QUE ESTÁÀ NOSSA VOLTA.Leituras, filmes, músicas, debates, vivência,bobagens. Nada é bobagem.
MAS E O ROTEIRISTA?O roteirista precisa ver a produção em sua totalidade.Para ele tudo é roteiro. Tudo dá origem a uma cena.
*É IMPORTANTE LEMBRAR QUE UM PRODUTO EM CONSTRUÇÃO É UM SISTEMA ABERTO,QUE TROCA INFORMAÇÕES COM O SEU MEIO, E DETECTA IMP...
QUEM SÃO OS ART BUYERS?Eles desenvolvem a função de classificar os profissionais fornecedores dearte e linguagem – fotógra...
TER IDEIAS É UMA DASTAREFAS BÁSICASPARA A CONCEPÇÃODO FILME PUBLICITÁRIO.                         O processo criador tende...
A busca da criaçãoé muito mais queescrever o filme, édescrevê-lo.
Além do briefing e do roteiro...LIMITES E OBRIGATORIE-DADES NA CRIAÇÃO.Verbas, prazo, storyboard, shooting board.Nada pode...
VERBA vs. IDEIAS vs. PRAZOSA ideia é livre. Já a sua realização precisa se adaptar ao orçamento, ao prazo, eao número cada...
STORYBOARD                   SHOOTING BOARDTem o papel de antecipar     Detalha quadro a quadroa construção do filme ao   ...
A PRODUTORAE O DIRETOR.1. A agência e os RTVCs.2. Diretores e seus estilos e especialidades.3. Encaminhar o roteiro para a...
POPOSTAS DEORÇAMENTOA agência deve passar o máximo deinformações possíveis para as produ-toras: Estilo, tom, emoção, suges...
AH, O PRODUTOR EXECUTIVO.Ele apresenta a proposta de orçamento da produtora na agência, cabe ainda aele verificar todas as...
NO BRASIL, EMGERAL, DIVIDE-SEA PRODUÇÃO EMTRÊS EMPRESAS:1. Produtora2. Produtora de som3. Produtoras de computação gráfica.
CRIAÇÃO COLETIVA     (Cliente – Agência – Produtora)A criação do filme deve ‘falar’ a uma só vozpara que todos compreendam...
PUBLICIDADE NÃO É DE AUTORIAS,MAS DE COAUTORIAS DIVERSAS.(TIKHOMIROFF, 2006).A concepção, criação e produção de um filme é...
ESTRUTURA DETRABALHO.
CRIAÇÃO COLETIVA EA INTEGRAÇÃO ENTRECRIADOR DE ROTEIROE DIRETOR DE FILMESOU PRODUTORA.
RELAÇÃOAGÊNCIA X PRODUTORA.
Eis que surge uma tendência...COLABORAÇÃONO PROCESSOCRIATIVO.
A HORA DO CLIENTE.
DESCONTINUIDADEDO PROCESSO.
O DIRETORDE FILMES.É ele o responsável pela composiçãodas cenas e define, para aprovação daagência e do cliente, o enquadr...
ELEMENTOS QUE COMPÕEMAS ESPECIALIDADES DA LIN-GUAGEM VISUAL.
ASPECTOS RELE-VANTES BUSCADOSPELAS AGÊNCIASNOS DIRETORES DECOMERCIAL.1. Eficiência e Cuidado.2. Criatividade e Talento.3. ...
PRÉ-PRODUÇÃO
REUNIÃO DEPRÉ-PRODUÇÃO1. Apresentação das tarefas de forma detalhada.2. Visualização do projeto para checar as necessidade...
PROFISSIONAISCOMANDADOSE AUXILIADOSPELO DIRETOR NA   1. Planejador.PRODUÇÃO DE UM    Profissionais contratados.           ...
ETAPAS DA FILMAGEME OBJETIVOS DE CADAPROFISSIONAL.1. GRAVAÇÃO DO COMERCIAL.2. CENÓGRAFO.
SHOOTING BOARDAcompanha a produção de um filme, maispropriamente chamado “shooting board”.Sendo o storyboard utilizado na ...
PLANO DE FILMAGEM
“O DIRETOR CONTROLATUDO NO SET, COMO UMPINTOR DOMINA SEUSPINCÉIS...” (MANGAI, 1998)                             O diretor ...
PRODUÇÃOE DIRETORProdução é instruida para colaborarjunto com o diretor no processo maisburocratico, sempre participando d...
EFEITOS ESPECIAISOs efeitos especiais mais comuns como letteringspodem ser feitos pela produtora, já efeitos em largaescal...
TRILHA SONORAA trilha pode ser encomendada ou pertencer a umbanco de som, tudo dependerá da necessidade.
PÓS PRODUÇÃOA edição do vídeo.“A força da montagem esta no processo criativoincluindo emocoes e a mente do receptor, o que...
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do filme publicitário"
Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do filme publicitário"
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do filme publicitário"

4.059 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.059
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
210
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Criação em filmes publicitários - Capítulo 04: "O processo de criação do filme publicitário"

  1. 1. CRIAÇÃO EMFILMES PUBLICITÁRIOS.Capítulo 4
  2. 2. TRÊSAntes de começar... CONSIDERAÇÕES RELEVANTES.
  3. 3. DE ONDE VÊMOS JOBS?Antes mesmo de todo rough, brain-storming, insight ou plano sequên-cia, um job surge a partir das buscasmercadológicas do cliente e com asua evolução um número cada vezmaior de pessoas se envolve no pro-cesso de criação e produção de umfilme publicitário.
  4. 4. O REIDOPEDAÇO.“O principal decisorde todo o processo éo cliente, que sempredefine suas escolhasem parceria com aagência.”
  5. 5. O BRIEFÉ um documento que sintetiza as infor-mações relevantes do job de maneira quecontextualize a situação da forma maisobjetiva possível. O brief deve sempre di-namizar o processo de criação e direcionara equipe para a melhor abordagem cria-tiva.
  6. 6. ROTEIRO:CHEGA DEOLD SCHOOL.Nas gerações passadas dapublicidade, um roteiro eraum material muito denso tec-nicamente, era obrigado atédefinir quais ângulos seriamutilizados. Hoje isso não ac-ontece mais, pois o objetivodo roteiro é dar um norte decomo será o filme.
  7. 7. DO QUE UMFILME PUBLICITÁRIOPRECISA PARA SERMAIS CRIATIVO?
  8. 8. SER AGRESSIVO, RÁPIDO, PERSUASIVO, OBJETIVO.
  9. 9. ORIGINAL,ATREVIDO,PROVOCANTE.
  10. 10. PRENDER A ATENÇÃO.
  11. 11. TER DOMÍNIO DE SÍNTESE.
  12. 12. A INTERATIVIDADE ÉINDISPENSÁVEL NODESENVOLVIMENTODE UM PENSAMENTO EMCRIAÇÃO EM QUE,PRINCIPALMENTE NACOMUNICAÇÃO, ACRIAÇÃO ENCONTRA-SENESSE PROCESSORELACIONAL. Criação – Sistema aberto de trocas de informações com o ambiente, com as relações, com o tempo, com o social, com o individual.
  13. 13. A FÓRMULAÉ ABSORVERTUDO QUE ESTÁÀ NOSSA VOLTA.Leituras, filmes, músicas, debates, vivência,bobagens. Nada é bobagem.
  14. 14. MAS E O ROTEIRISTA?O roteirista precisa ver a produção em sua totalidade.Para ele tudo é roteiro. Tudo dá origem a uma cena.
  15. 15. *É IMPORTANTE LEMBRAR QUE UM PRODUTO EM CONSTRUÇÃO É UM SISTEMA ABERTO,QUE TROCA INFORMAÇÕES COM O SEU MEIO, E DETECTA IMPRESSÕES CULTURAIS.
  16. 16. QUEM SÃO OS ART BUYERS?Eles desenvolvem a função de classificar os profissionais fornecedores dearte e linguagem – fotógrafos, diretores cinematográficos, produtoras,ilustradores...
  17. 17. TER IDEIAS É UMA DASTAREFAS BÁSICASPARA A CONCEPÇÃODO FILME PUBLICITÁRIO. O processo criador tende para a construção de um objeto de determinada linguagem ou uma inter-relação delas, dependendo do modo de expressão que está em jogo.
  18. 18. A busca da criaçãoé muito mais queescrever o filme, édescrevê-lo.
  19. 19. Além do briefing e do roteiro...LIMITES E OBRIGATORIE-DADES NA CRIAÇÃO.Verbas, prazo, storyboard, shooting board.Nada pode ser feito como uma ‘aventura’.
  20. 20. VERBA vs. IDEIAS vs. PRAZOSA ideia é livre. Já a sua realização precisa se adaptar ao orçamento, ao prazo, eao número cada vez maior de pessoas envolvidas na pré-produção.
  21. 21. STORYBOARD SHOOTING BOARDTem o papel de antecipar Detalha quadro a quadroa construção do filme ao toda a interpretação visualcliente e ilustrar a apre- de um filme, pelo diretor.sentação da ideia.
  22. 22. A PRODUTORAE O DIRETOR.1. A agência e os RTVCs.2. Diretores e seus estilos e especialidades.3. Encaminhar o roteiro para as produtoras.4. ‘Pitacos’ da Criação.
  23. 23. POPOSTAS DEORÇAMENTOA agência deve passar o máximo deinformações possíveis para as produ-toras: Estilo, tom, emoção, sugestõesde set, locações, figurinos, elenco.Tudo isso auxilia a comunicação deque se imaginou para o filme.
  24. 24. AH, O PRODUTOR EXECUTIVO.Ele apresenta a proposta de orçamento da produtora na agência, cabe ainda aele verificar todas as atividades e necessidade que envolvem orçamentos para aprodução do filme: cenografia, locação, produção, transporte, viagens, alimentação...
  25. 25. NO BRASIL, EMGERAL, DIVIDE-SEA PRODUÇÃO EMTRÊS EMPRESAS:1. Produtora2. Produtora de som3. Produtoras de computação gráfica.
  26. 26. CRIAÇÃO COLETIVA (Cliente – Agência – Produtora)A criação do filme deve ‘falar’ a uma só vozpara que todos compreendam seu objetivo.Os envolvidos devem buscar soluções, paraque o produto final cumpra a sua proposta.
  27. 27. PUBLICIDADE NÃO É DE AUTORIAS,MAS DE COAUTORIAS DIVERSAS.(TIKHOMIROFF, 2006).A concepção, criação e produção de um filme é tão amplo ediversificado, que exige saberes, especificidades, linguagense conhecimentos que dificilmente um profissional únicopoderia dar conta de tal exercício.
  28. 28. ESTRUTURA DETRABALHO.
  29. 29. CRIAÇÃO COLETIVA EA INTEGRAÇÃO ENTRECRIADOR DE ROTEIROE DIRETOR DE FILMESOU PRODUTORA.
  30. 30. RELAÇÃOAGÊNCIA X PRODUTORA.
  31. 31. Eis que surge uma tendência...COLABORAÇÃONO PROCESSOCRIATIVO.
  32. 32. A HORA DO CLIENTE.
  33. 33. DESCONTINUIDADEDO PROCESSO.
  34. 34. O DIRETORDE FILMES.É ele o responsável pela composiçãodas cenas e define, para aprovação daagência e do cliente, o enquadramento,angulação, o foco e o movimento.
  35. 35. ELEMENTOS QUE COMPÕEMAS ESPECIALIDADES DA LIN-GUAGEM VISUAL.
  36. 36. ASPECTOS RELE-VANTES BUSCADOSPELAS AGÊNCIASNOS DIRETORES DECOMERCIAL.1. Eficiência e Cuidado.2. Criatividade e Talento.3. Experiência e Boa formação cinematográfica.4. Proatividade e Fidelidade ao brief.5. Saber relacionar-se.
  37. 37. PRÉ-PRODUÇÃO
  38. 38. REUNIÃO DEPRÉ-PRODUÇÃO1. Apresentação das tarefas de forma detalhada.2. Visualização do projeto para checar as necessidades.3. Planejamento, programação e coordenação.4. Muitos tópicos no documento (locação, atores, sequências, figurinos, cenografia).5. Apresentação do “shooting board” para toda a equipe.
  39. 39. PROFISSIONAISCOMANDADOSE AUXILIADOSPELO DIRETOR NA 1. Planejador.PRODUÇÃO DE UM Profissionais contratados. 2.1. Produtor de elenco/casting.COMERCIAL. 2.2. Produtor de locações. 2.3. Cenógrafo. 2.4. Produtores de objetos. 2.5. Figurinista. 2.6. Produtora de som (empresa). Produção. 3.1. Maquinista. 3.2. Maquiador e cabeleireiro.
  40. 40. ETAPAS DA FILMAGEME OBJETIVOS DE CADAPROFISSIONAL.1. GRAVAÇÃO DO COMERCIAL.2. CENÓGRAFO.
  41. 41. SHOOTING BOARDAcompanha a produção de um filme, maispropriamente chamado “shooting board”.Sendo o storyboard utilizado na fase decriação e no esforço de venda de um filme,mostrado e discutido junto a clientes e pa-trocinadores.
  42. 42. PLANO DE FILMAGEM
  43. 43. “O DIRETOR CONTROLATUDO NO SET, COMO UMPINTOR DOMINA SEUSPINCÉIS...” (MANGAI, 1998) O diretor tem todo o processo consigo e como funcionará junto a sua equipe.
  44. 44. PRODUÇÃOE DIRETORProdução é instruida para colaborarjunto com o diretor no processo maisburocratico, sempre participando dereuniões com o cliente e o filmmakerpara obter adequacões do tape.
  45. 45. EFEITOS ESPECIAISOs efeitos especiais mais comuns como letteringspodem ser feitos pela produtora, já efeitos em largaescala e de maior complexidade são encomendadosde estudios para serem aproveitados no video.
  46. 46. TRILHA SONORAA trilha pode ser encomendada ou pertencer a umbanco de som, tudo dependerá da necessidade.
  47. 47. PÓS PRODUÇÃOA edição do vídeo.“A força da montagem esta no processo criativoincluindo emocoes e a mente do receptor, o queremete a criação como processo comunicativo.”(EISENSTEIN, 1958)

×