SlideShare uma empresa Scribd logo
MODELO BIOMÉDICOMODELO BIOMÉDICO
xx
MODELOMODELO
BIOPSICOSSOCIALBIOPSICOSSOCIAL
HISTÓRICOHISTÓRICO
PSICOLOGIA MÉDICAPSICOLOGIA MÉDICA
• Século XIX – O termo de psicologia médica foi
criado Ernst Feuchtersleben;
• 1918 – Maurice de Fleury publica o tratado
“Introdução a Medicina do Espirito”;
• 1918 – Ernest Kretschmer lança o tratado de
Psicologia Médica;
• 1957 – Foi criado o promeiro departamento de
psicologia médica na University of Oregon
Medical School;
• 1956 – Escola Paulista de Medicina e Faculdade
de Ribeirão Preto;
CONCEITOCONCEITO
A Psicologia Médica interessa-se pelas reações
psicológicas de todo enfermo acometido por uma
ou outra afecção e, sobretudo, tende a fornecer ao
clínico ou a qualquer especialista esclarecimentos
quanto ao que ocorre entre ele e seu paciente.
(De Marco, 2010)
Modelo BiomédicoModelo Biomédico
A tese de Darwin (1856):A tese de Darwin (1856):
– Incluiu o homem no Universo da Natureza:Incluiu o homem no Universo da Natureza:
SER BIOLÓGICOSER BIOLÓGICO
O Modelo biomédico estuda os SERESO Modelo biomédico estuda os SERES
VIVOS da mesma forma que estudaVIVOS da mesma forma que estuda
OUTROS ANIMAIS e/ou outros SERES DOOUTROS ANIMAIS e/ou outros SERES DO
MUNDO NATURAL.MUNDO NATURAL.
Modelo BiomédicoModelo Biomédico
• Constituído na transição do Século XVIII
para o XIX (há cerca de 200 anos);
• Conceito científico mecanicista baseado
no cartesianismo – Divisão do plano
mente e corpo.
PROBLEMA NA CONCEPÇÃOPROBLEMA NA CONCEPÇÃO
DO PARADIGMA BIOMÉDICODO PARADIGMA BIOMÉDICO
A lógica cartesiana:
•Conceber a mente como
processo cerebral separado
ou independente do corpo
•Levando à suposição de que
seria possível compreender a
biologia do ser humano,
através do estudo das suas
partes orgânicas, separadas
da das suas emoções, da sua
psique.
DEFINIÇÃO DE DOENÇADEFINIÇÃO DE DOENÇA
PARADIGMA BIOMEDICOPARADIGMA BIOMEDICO
• Conjunto de manifestações relacionadas
a alterações fisiopatológicas
• Provocadas por agentes específicos nos
órgãos e tecidos corporais (corpo).
O MODELO BIOMÉDICOO MODELO BIOMÉDICO
O QUE CAUSA A DOENÇA???O QUE CAUSA A DOENÇA???
•Advêm do exterior do corpo;Advêm do exterior do corpo;
•Mudanças físicas internas ou com origem emMudanças físicas internas ou com origem em
mudanças físicas internas involuntárias;mudanças físicas internas involuntárias;
•Desequilíbrios químicos, bactérias, vírus,Desequilíbrios químicos, bactérias, vírus,
predisposição genética;predisposição genética;
Modelo BiomédicoModelo Biomédico
Patologia Clínica médica
Saúde é definida negativamente:
Ausência de doença
Livre de valores
Aplica-se indiferentemente a todas as espécies
Ausência defeitos em um sistema físico
Modelo BiomédicoModelo Biomédico
QUEM É O RESPONSÁVEL PELAQUEM É O RESPONSÁVEL PELA
DOENÇA???DOENÇA???
•O indivíduo não é responsável pela suaO indivíduo não é responsável pela sua
doença: são vistos como vítimas de forçadoença: são vistos como vítimas de força
externa que provoca mudanças internas.externa que provoca mudanças internas.
Modelo Anátomo-Clínico e da Medicina das
Doenças
•O médico foca, ausculta, invade e perscruta o corpo
(e a doença), como (se estes pudessem ser) partes
isoladas e alijadas do homem
No seio da medicina das doenças, o homem passa à condição de
informante de um processo alijado da sua integralidade como pessoa.
•Ao desprezar o sujeito que sofre, a medicina abstrai a realidade e
afasta-se dos problemas históricos e concretos que afligem o homem e a
humanidade.
AVANÇOS NO CAMPOAVANÇOS NO CAMPO
BIOMÉDICOBIOMÉDICO
• Este paradigma pôde contribuir para o
diagnóstico, controle e correção de
alterações anatômicas e problemas
fisiopatológicos críticos (ou
agudos).
Séc XX início do modelo
BIOPSICOSSOCIAL
• A Medicina PsicossomáticaA Medicina Psicossomática
• Saúde ComportamentalSaúde Comportamental
• Medicina ComportamentalMedicina Comportamental
A Medicina PsicossomáticaA Medicina Psicossomática
• Primeiro desafio ao modelo biomédico;Primeiro desafio ao modelo biomédico;
• Resposta à análise freudiana da relaçãoResposta à análise freudiana da relação
entre mente e doença física: a paralisiaentre mente e doença física: a paralisia
histérica não apresentava uma causahistérica não apresentava uma causa
física clara –física clara – reflexo do estado mental doreflexo do estado mental do
indivíduo expressando sentimentos porindivíduo expressando sentimentos por
meio de problemas físicos.meio de problemas físicos.
Saúde ComportamentalSaúde Comportamental
• Disciplina preocupada com a manutençãoDisciplina preocupada com a manutenção
da saúde e a prevenção da doença emda saúde e a prevenção da doença em
indivíduos normalmente saudáveis, porindivíduos normalmente saudáveis, por
meio do uso de informações educativasmeio do uso de informações educativas
para modificar comportamentos e estilospara modificar comportamentos e estilos
de vida.de vida.
INTERAÇÃO MENTE E CORPOINTERAÇÃO MENTE E CORPO
Medicina ComportamentalMedicina Comportamental
• Outra disciplina que incidia sobre:Outra disciplina que incidia sobre:
- Os cuidados da saúde;- Os cuidados da saúde;
- Tratamentos;- Tratamentos;
- Prevenção da Saúde.- Prevenção da Saúde.
• Descrita em 1977 por Schwartz e Weiss –Descrita em 1977 por Schwartz e Weiss –
base de estudo era o comportamento,base de estudo era o comportamento,
com as disciplinas Psicologia, Sociologiacom as disciplinas Psicologia, Sociologia
e Educação para a Saúde;e Educação para a Saúde;
• Em 1979, Pomerleau e Brady, descreve a MedicinaEm 1979, Pomerleau e Brady, descreve a Medicina
Comportamental como a “Análise experimental doComportamental como a “Análise experimental do
comportamento”, como a terapia comportamental e acomportamento”, como a terapia comportamental e a
modificação do comportamento.modificação do comportamento.
• Compreende:Compreende:
– Avaliação;Avaliação;
– Tratamento;Tratamento;
– Prevenção das doenças físicas ou disfunçõesPrevenção das doenças físicas ou disfunções
fisiológicas (hipertensão, obesidade);fisiológicas (hipertensão, obesidade);
• Incluiu a Psicologia no estudo da Saúde.Incluiu a Psicologia no estudo da Saúde.
PSICOLOGIA DA SAÚDEPSICOLOGIA DA SAÚDE
““O Conjunto das contribuiçõesO Conjunto das contribuições
específicas, educacionais,específicas, educacionais,
científicas e práxicas da disciplinacientíficas e práxicas da disciplina
Psicologia, para a promoção ePsicologia, para a promoção e
manutenção da saúde, prevenção emanutenção da saúde, prevenção e
tratamento da doença e disfunçõestratamento da doença e disfunções
relacionadasrelacionadas””
(Matarazzo, 1980).(Matarazzo, 1980).
Modelo BioPsicoSsocialModelo BioPsicoSsocial
BIOBIO
• VírusVírus
• BactériasBactérias
• LesõesLesões
PSICOPSICO
• ComportamentoComportamento
• CrençasCrenças
• CopingCoping
• StressStress
• DorDor
SOCIALSOCIAL
• ClasseClasse
• EmpregoEmprego
• EtniaEtnia
• CondiçõesCondições
CulturaisCulturais
QUESTIONAMENTOSQUESTIONAMENTOS
1.1. O QUE CAUSA A DOENÇA???O QUE CAUSA A DOENÇA???
• Causada por uma multiplicidade deCausada por uma multiplicidade de
fatores e não por um único fator causal;fatores e não por um único fator causal;
• Origem sustentada em uma combinaçãoOrigem sustentada em uma combinação
de fatores biológicos, psicológicos ede fatores biológicos, psicológicos e
sociaissociais
– MODELO BIOPSICOSSOCIAL DEMODELO BIOPSICOSSOCIAL DE
SAÚDE E DOENÇA (Engel, 1977,SAÚDE E DOENÇA (Engel, 1977,
1980).1980).
Modelo BioPsicoSsocialModelo BioPsicoSsocial
2. QUEM É O RESPONSÁVEL PELA2. QUEM É O RESPONSÁVEL PELA
DOENÇA???DOENÇA???
• Os indivíduos são os própriosOs indivíduos são os próprios
responsáveis pelo seu estado de saúde eresponsáveis pelo seu estado de saúde e
pelas suas doenças;pelas suas doenças;
• Não é mais uma vítima passiva.Não é mais uma vítima passiva.
Modelo BioPsicoSsocialModelo BioPsicoSsocial
3. COMO DEVEM SER TRATADAS AS3. COMO DEVEM SER TRATADAS AS
DOENÇAS???DOENÇAS???
• O indivíduo deve ser tratado com um todo eO indivíduo deve ser tratado com um todo e
não apenas a “sua doença”;não apenas a “sua doença”;
• Mudanças de comportamento, estratégias deMudanças de comportamento, estratégias de
enfrentamento e adesão às recomendaçõesenfrentamento e adesão às recomendações
médicas.médicas.
• O doente é, em parte, responsável pelo seuO doente é, em parte, responsável pelo seu
tratamento;tratamento;
• Não são vítimas.Não são vítimas.
Modelo BioPsicoSocialModelo BioPsicoSocial
4. QUAL É A RELAÇÃO ENTRE4. QUAL É A RELAÇÃO ENTRE
SAÚDE E DOENÇA???SAÚDE E DOENÇA???
• Ambas são situadas numAmbas são situadas num continuum;continuum;
• Os indivíduos progridem da saúde para aOs indivíduos progridem da saúde para a
doença e vice-versa.doença e vice-versa.
Modelo BioPsicoSocialModelo BioPsicoSocial
5. QUAL O PAPEL DA PSICOLOGIA5. QUAL O PAPEL DA PSICOLOGIA
NA SAÚDE E NA DOENÇA???NA SAÚDE E NA DOENÇA???
• Os fatores psicológicos são vistos comoOs fatores psicológicos são vistos como
contributo para a sua etiologia e nãocontributo para a sua etiologia e não
apenas como possíveis consequências.apenas como possíveis consequências.
Modelo SistêmicoModelo Sistêmico
DOENÇA
A
DOENÇA
B
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
• De Marco, Alfredo. A face humana da medicina: do
modelo biomédico ao modelo biopsicossocial. São
Paulo: casa do psicólogo, 2010.
• CAPRARA, A.; RODRIGUES, J. A relação assimétrica
médico-paciente: repensando o vínculo terapêutico.
Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n.1, p.139-146, 2004.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
Joanna de Angelis lopes
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
Aroldo Gavioli
 
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
MarianaPerson
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Aroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
Aroldo Gavioli
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
joao hermano
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
Valdirene1977
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
Adriana Emidio
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidadoIntrodução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Proposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisado
Proposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisadoProposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisado
Proposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisado
closeny maria soares soares modesto
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Aroldo Gavioli
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Aula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitosAula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitos
Futuros Medicos
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
Alinebrauna Brauna
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
Maria Dias
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Lampsi
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
Jose Roberto
 

Mais procurados (20)

A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1História da Saúde Pública - Parte 1
História da Saúde Pública - Parte 1
 
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidadoIntrodução à psicologia aplicada ao cuidado
Introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 
Proposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisado
Proposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisadoProposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisado
Proposta de Roteiro para Visita Domiciliar elaborado poe Ornezídia revisado
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Aula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitosAula 1 introdução e conceitos
Aula 1 introdução e conceitos
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1Apresentação saude mental 1
Apresentação saude mental 1
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricasAula 05   curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
Aula 05 curso de psicopatologia - síndromes psiquiátricas
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 

Semelhante a Aula modelo biomedico biopsicossocial

Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
CarlaAlves362153
 
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Federal State University of Rio de Janeiro
 
Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019
LaraLopes42
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
lucassoares41810
 
Joana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoaJoana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoa
comunidadedepraticas
 
Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúde
Psicologia_2015
 
1 - Introdução à Homeopatia.pptx
1 - Introdução à Homeopatia.pptx1 - Introdução à Homeopatia.pptx
1 - Introdução à Homeopatia.pptx
LciaPaulaSchelbauerB
 
Resumo de saude publica
Resumo de saude publicaResumo de saude publica
Resumo de saude publica
AraujoAvelino
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
Rondinelli Salvador Silva
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
Universidade Federal do Maranhão
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
Denílson Maia
 
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Virgilio Garcia Moreira
 
Promoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúdePromoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúde
ValmirDornVasconcelo1
 
Seminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSE
Seminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSESeminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSE
Seminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSE
Joanna Moraes
 
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e EspiritualidadeIntegração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
GSArt Web Solutions
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
SAUDE E DOENÇA.pptx
SAUDE E DOENÇA.pptxSAUDE E DOENÇA.pptx
SAUDE E DOENÇA.pptx
SobeMaria1
 
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).pptaula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
SANDRAREIS96
 
Apresentação ma 1
Apresentação ma 1Apresentação ma 1
Abordagem socio antropologica da saude e da doença
Abordagem socio antropologica da saude e da doençaAbordagem socio antropologica da saude e da doença
Abordagem socio antropologica da saude e da doença
LarissaBorges258532
 

Semelhante a Aula modelo biomedico biopsicossocial (20)

Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
 
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
 
Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019Psicologia da saude_aula_1_2019
Psicologia da saude_aula_1_2019
 
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúdeTerapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
Terapia Cognitiva Comportamental para condições de saúde
 
Joana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoaJoana_Atenção_centrada_pessoa
Joana_Atenção_centrada_pessoa
 
Texto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúdeTexto 1 modelos em saúde
Texto 1 modelos em saúde
 
1 - Introdução à Homeopatia.pptx
1 - Introdução à Homeopatia.pptx1 - Introdução à Homeopatia.pptx
1 - Introdução à Homeopatia.pptx
 
Resumo de saude publica
Resumo de saude publicaResumo de saude publica
Resumo de saude publica
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
O psicólogo no sus
O psicólogo no susO psicólogo no sus
O psicólogo no sus
 
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
 
Promoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúdePromoção, prevenção e reabilitação em saúde
Promoção, prevenção e reabilitação em saúde
 
Seminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSE
Seminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSESeminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSE
Seminário de saúde coletiva e comportamento humano - DEPRESSÃO E ESTRESSE
 
Integração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e EspiritualidadeIntegração entre Medicina e Espiritualidade
Integração entre Medicina e Espiritualidade
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
SAUDE E DOENÇA.pptx
SAUDE E DOENÇA.pptxSAUDE E DOENÇA.pptx
SAUDE E DOENÇA.pptx
 
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).pptaula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
 
Apresentação ma 1
Apresentação ma 1Apresentação ma 1
Apresentação ma 1
 
Abordagem socio antropologica da saude e da doença
Abordagem socio antropologica da saude e da doençaAbordagem socio antropologica da saude e da doença
Abordagem socio antropologica da saude e da doença
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 

Aula modelo biomedico biopsicossocial

  • 2. HISTÓRICOHISTÓRICO PSICOLOGIA MÉDICAPSICOLOGIA MÉDICA • Século XIX – O termo de psicologia médica foi criado Ernst Feuchtersleben; • 1918 – Maurice de Fleury publica o tratado “Introdução a Medicina do Espirito”; • 1918 – Ernest Kretschmer lança o tratado de Psicologia Médica; • 1957 – Foi criado o promeiro departamento de psicologia médica na University of Oregon Medical School; • 1956 – Escola Paulista de Medicina e Faculdade de Ribeirão Preto;
  • 3. CONCEITOCONCEITO A Psicologia Médica interessa-se pelas reações psicológicas de todo enfermo acometido por uma ou outra afecção e, sobretudo, tende a fornecer ao clínico ou a qualquer especialista esclarecimentos quanto ao que ocorre entre ele e seu paciente. (De Marco, 2010)
  • 4. Modelo BiomédicoModelo Biomédico A tese de Darwin (1856):A tese de Darwin (1856): – Incluiu o homem no Universo da Natureza:Incluiu o homem no Universo da Natureza: SER BIOLÓGICOSER BIOLÓGICO O Modelo biomédico estuda os SERESO Modelo biomédico estuda os SERES VIVOS da mesma forma que estudaVIVOS da mesma forma que estuda OUTROS ANIMAIS e/ou outros SERES DOOUTROS ANIMAIS e/ou outros SERES DO MUNDO NATURAL.MUNDO NATURAL.
  • 5. Modelo BiomédicoModelo Biomédico • Constituído na transição do Século XVIII para o XIX (há cerca de 200 anos); • Conceito científico mecanicista baseado no cartesianismo – Divisão do plano mente e corpo.
  • 6. PROBLEMA NA CONCEPÇÃOPROBLEMA NA CONCEPÇÃO DO PARADIGMA BIOMÉDICODO PARADIGMA BIOMÉDICO A lógica cartesiana: •Conceber a mente como processo cerebral separado ou independente do corpo •Levando à suposição de que seria possível compreender a biologia do ser humano, através do estudo das suas partes orgânicas, separadas da das suas emoções, da sua psique.
  • 7. DEFINIÇÃO DE DOENÇADEFINIÇÃO DE DOENÇA PARADIGMA BIOMEDICOPARADIGMA BIOMEDICO • Conjunto de manifestações relacionadas a alterações fisiopatológicas • Provocadas por agentes específicos nos órgãos e tecidos corporais (corpo).
  • 8. O MODELO BIOMÉDICOO MODELO BIOMÉDICO O QUE CAUSA A DOENÇA???O QUE CAUSA A DOENÇA??? •Advêm do exterior do corpo;Advêm do exterior do corpo; •Mudanças físicas internas ou com origem emMudanças físicas internas ou com origem em mudanças físicas internas involuntárias;mudanças físicas internas involuntárias; •Desequilíbrios químicos, bactérias, vírus,Desequilíbrios químicos, bactérias, vírus, predisposição genética;predisposição genética;
  • 9. Modelo BiomédicoModelo Biomédico Patologia Clínica médica Saúde é definida negativamente: Ausência de doença Livre de valores Aplica-se indiferentemente a todas as espécies Ausência defeitos em um sistema físico
  • 10. Modelo BiomédicoModelo Biomédico QUEM É O RESPONSÁVEL PELAQUEM É O RESPONSÁVEL PELA DOENÇA???DOENÇA??? •O indivíduo não é responsável pela suaO indivíduo não é responsável pela sua doença: são vistos como vítimas de forçadoença: são vistos como vítimas de força externa que provoca mudanças internas.externa que provoca mudanças internas.
  • 11. Modelo Anátomo-Clínico e da Medicina das Doenças •O médico foca, ausculta, invade e perscruta o corpo (e a doença), como (se estes pudessem ser) partes isoladas e alijadas do homem No seio da medicina das doenças, o homem passa à condição de informante de um processo alijado da sua integralidade como pessoa. •Ao desprezar o sujeito que sofre, a medicina abstrai a realidade e afasta-se dos problemas históricos e concretos que afligem o homem e a humanidade.
  • 12. AVANÇOS NO CAMPOAVANÇOS NO CAMPO BIOMÉDICOBIOMÉDICO • Este paradigma pôde contribuir para o diagnóstico, controle e correção de alterações anatômicas e problemas fisiopatológicos críticos (ou agudos).
  • 13. Séc XX início do modelo BIOPSICOSSOCIAL • A Medicina PsicossomáticaA Medicina Psicossomática • Saúde ComportamentalSaúde Comportamental • Medicina ComportamentalMedicina Comportamental
  • 14. A Medicina PsicossomáticaA Medicina Psicossomática • Primeiro desafio ao modelo biomédico;Primeiro desafio ao modelo biomédico; • Resposta à análise freudiana da relaçãoResposta à análise freudiana da relação entre mente e doença física: a paralisiaentre mente e doença física: a paralisia histérica não apresentava uma causahistérica não apresentava uma causa física clara –física clara – reflexo do estado mental doreflexo do estado mental do indivíduo expressando sentimentos porindivíduo expressando sentimentos por meio de problemas físicos.meio de problemas físicos.
  • 15. Saúde ComportamentalSaúde Comportamental • Disciplina preocupada com a manutençãoDisciplina preocupada com a manutenção da saúde e a prevenção da doença emda saúde e a prevenção da doença em indivíduos normalmente saudáveis, porindivíduos normalmente saudáveis, por meio do uso de informações educativasmeio do uso de informações educativas para modificar comportamentos e estilospara modificar comportamentos e estilos de vida.de vida. INTERAÇÃO MENTE E CORPOINTERAÇÃO MENTE E CORPO
  • 16. Medicina ComportamentalMedicina Comportamental • Outra disciplina que incidia sobre:Outra disciplina que incidia sobre: - Os cuidados da saúde;- Os cuidados da saúde; - Tratamentos;- Tratamentos; - Prevenção da Saúde.- Prevenção da Saúde. • Descrita em 1977 por Schwartz e Weiss –Descrita em 1977 por Schwartz e Weiss – base de estudo era o comportamento,base de estudo era o comportamento, com as disciplinas Psicologia, Sociologiacom as disciplinas Psicologia, Sociologia e Educação para a Saúde;e Educação para a Saúde;
  • 17. • Em 1979, Pomerleau e Brady, descreve a MedicinaEm 1979, Pomerleau e Brady, descreve a Medicina Comportamental como a “Análise experimental doComportamental como a “Análise experimental do comportamento”, como a terapia comportamental e acomportamento”, como a terapia comportamental e a modificação do comportamento.modificação do comportamento. • Compreende:Compreende: – Avaliação;Avaliação; – Tratamento;Tratamento; – Prevenção das doenças físicas ou disfunçõesPrevenção das doenças físicas ou disfunções fisiológicas (hipertensão, obesidade);fisiológicas (hipertensão, obesidade); • Incluiu a Psicologia no estudo da Saúde.Incluiu a Psicologia no estudo da Saúde.
  • 18. PSICOLOGIA DA SAÚDEPSICOLOGIA DA SAÚDE ““O Conjunto das contribuiçõesO Conjunto das contribuições específicas, educacionais,específicas, educacionais, científicas e práxicas da disciplinacientíficas e práxicas da disciplina Psicologia, para a promoção ePsicologia, para a promoção e manutenção da saúde, prevenção emanutenção da saúde, prevenção e tratamento da doença e disfunçõestratamento da doença e disfunções relacionadasrelacionadas”” (Matarazzo, 1980).(Matarazzo, 1980).
  • 19. Modelo BioPsicoSsocialModelo BioPsicoSsocial BIOBIO • VírusVírus • BactériasBactérias • LesõesLesões PSICOPSICO • ComportamentoComportamento • CrençasCrenças • CopingCoping • StressStress • DorDor SOCIALSOCIAL • ClasseClasse • EmpregoEmprego • EtniaEtnia • CondiçõesCondições CulturaisCulturais
  • 20. QUESTIONAMENTOSQUESTIONAMENTOS 1.1. O QUE CAUSA A DOENÇA???O QUE CAUSA A DOENÇA??? • Causada por uma multiplicidade deCausada por uma multiplicidade de fatores e não por um único fator causal;fatores e não por um único fator causal; • Origem sustentada em uma combinaçãoOrigem sustentada em uma combinação de fatores biológicos, psicológicos ede fatores biológicos, psicológicos e sociaissociais – MODELO BIOPSICOSSOCIAL DEMODELO BIOPSICOSSOCIAL DE SAÚDE E DOENÇA (Engel, 1977,SAÚDE E DOENÇA (Engel, 1977, 1980).1980).
  • 21. Modelo BioPsicoSsocialModelo BioPsicoSsocial 2. QUEM É O RESPONSÁVEL PELA2. QUEM É O RESPONSÁVEL PELA DOENÇA???DOENÇA??? • Os indivíduos são os própriosOs indivíduos são os próprios responsáveis pelo seu estado de saúde eresponsáveis pelo seu estado de saúde e pelas suas doenças;pelas suas doenças; • Não é mais uma vítima passiva.Não é mais uma vítima passiva.
  • 22. Modelo BioPsicoSsocialModelo BioPsicoSsocial 3. COMO DEVEM SER TRATADAS AS3. COMO DEVEM SER TRATADAS AS DOENÇAS???DOENÇAS??? • O indivíduo deve ser tratado com um todo eO indivíduo deve ser tratado com um todo e não apenas a “sua doença”;não apenas a “sua doença”; • Mudanças de comportamento, estratégias deMudanças de comportamento, estratégias de enfrentamento e adesão às recomendaçõesenfrentamento e adesão às recomendações médicas.médicas. • O doente é, em parte, responsável pelo seuO doente é, em parte, responsável pelo seu tratamento;tratamento; • Não são vítimas.Não são vítimas.
  • 23. Modelo BioPsicoSocialModelo BioPsicoSocial 4. QUAL É A RELAÇÃO ENTRE4. QUAL É A RELAÇÃO ENTRE SAÚDE E DOENÇA???SAÚDE E DOENÇA??? • Ambas são situadas numAmbas são situadas num continuum;continuum; • Os indivíduos progridem da saúde para aOs indivíduos progridem da saúde para a doença e vice-versa.doença e vice-versa.
  • 24. Modelo BioPsicoSocialModelo BioPsicoSocial 5. QUAL O PAPEL DA PSICOLOGIA5. QUAL O PAPEL DA PSICOLOGIA NA SAÚDE E NA DOENÇA???NA SAÚDE E NA DOENÇA??? • Os fatores psicológicos são vistos comoOs fatores psicológicos são vistos como contributo para a sua etiologia e nãocontributo para a sua etiologia e não apenas como possíveis consequências.apenas como possíveis consequências.
  • 26. Referências BibliográficasReferências Bibliográficas • De Marco, Alfredo. A face humana da medicina: do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial. São Paulo: casa do psicólogo, 2010. • CAPRARA, A.; RODRIGUES, J. A relação assimétrica médico-paciente: repensando o vínculo terapêutico. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n.1, p.139-146, 2004.