SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
 
Antroposofia aplicada à saúde:
contexto histórico e panorama geral do
modelo de cuidados
Iracema de Almeida Benevides
 
CURSO INTRODUTÓRIO EM PRÁTICAS 
INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES: 
ANTROPOSOFIA APLICADA À SAÚDE
A humanidade enfrenta problemas de saúde desde os 
primórdios da nossa civilização.
As práticas que procuram promover, manter ou recuperar a 
saúde têm estreita relação com a cultura, os significados 
atribuídos ao corpo humano e o conhecimento disponível 
em cada época. 
Medicina e História I 
Fotos: wikimedia  
Medicina e saúde: 
Em cada época existiu uma forma de compreender saúde e doença 
Civilização 
chinesa:
1600 ac
Civilização 
mesopotâmica 
3500 ac
Civilização 
indiana:
2500 ac
Civilização 
greco -romana:
1200 ac
Civilização 
egípcia:
3000 ac
Civilização 
americana:
600 ac
 PORTER, 2002; MORAES, 2007
Foto: PORTER, 2002  
Modelos terapêuticos:
A visão de corpo no modelo biomédico
• No final do século XVIII os conhecimentos e 
descobertas tecnológicas influenciam o saber médico
• A ciência passa a ocupar-se e a valorizar a “matéria” 
concreta que pode ser medida, pesada e estudada em 
partes e detalhes
• O conceito de corpo é influenciado. A doença localiza-
se no corpo; para existir doença é preciso haver uma 
base no corpo (lesão). Basta remover a causa para 
que haja a cura da doença                     
              (GUEDES, CR; NOGUEIRA, MI;  CAMARGO Jr, KR., 2008) 
• A Medicina atual (chamamos também de “modelo 
biomédico”) baseia-se em máquinas, instrumentos e 
em substâncias que atuam quimicamente 
• Está embasada no empirismo, na observação 
sensorial e foi fortemente influenciada pelo 
materialismo do século XIX
• Tem o corpo como seu local de trabalho e entende 
as enfermidades como o resultado de forças físicas e 
a interação química entre substâncias
Medicina e Corpo I:
O materialismo do século XIX
 
• O modelo biomédico dedica-se centralmente à 
dimensão material, corporal, do ser humano
• Valoriza a especialização e os métodos diagnósticos 
complementares (exames)
• Tende a desconsiderar e não ser capaz de relacionar 
a complexidade humana com os processos de 
adoecimento e cura
NÃO SE TRATA DE DESCONSIDERAR O CORPO MAS 
DE NÃO CONSIDERÁ-LO COMO PARTE DE UM 
TODO.
Medicina e corpo II:
 A visão das partes separadas 
Medicina e História II:
Uma referência histórica da visão do “todo"
Paracelso, (Philippus Aureolus 
Theophrastus Bombastus von 
Hohenheim, 1493 - 1541) 
Médico, químico, alquimista, físico 
e astrólogo.  Relacionava a 
natureza com o universo, falando 
sobre a signatura das plantas. Seu 
pensamento e seus estudos vão 
influenciar o modelo vitalista
Foto: wikimedia  
Homeopatia e a dimensão vital:
Empirismo como base para o intangível 
Christian Friedrich Samuel 
Hahnemann (1755 – 1843) 
Médico fundador da Homeopatia (do 
grego "homoion", similar, e "pathos“, 
doença). Baseou-se em Hipócrates e 
Paracelsus sobre o princípio Similia
similibus curentur (cura pelo
semelhante). Surge o medicamento 
diluído e dinamizado e o conceito de 
corpo vital
Foto: wikimedia  
Outros modelos terapêuticos:
A visão de corpo no modelo vitalista
“Na condição de saúde do homem, a força vital espiritual,
(autocrata), a dinâmica que anima o corpo material
(organismo), governa com poder ilimitado, e mantém todas
as partes do organismo em funcionamento harmonioso e
admirável, com respeito tanto a sensações como a funções,
de modo a que o espírito dotado de razão que vive dentro de
nós, pode empregar livremente este instrumento vivo e são
nos mais elevados propósitos da nossa existência.”
(Parágrafo 9 do Organon ou Arte de Curar)
Uma ciência sobre o “todo”:
O surgimento da Antroposofia
Rudolf Steiner Joseph Lorenz
(1861 - 1925)
Professor e filósofo austríaco. Ele
fundou a Antroposofia – do grego
Anthropos, homem e Sophia,
sabedoria: sabedoria sobre o
Homem. Propôs iniciativas para
vários campos de atuação:
educação, medicina, arquitetura,
agricultura e outros.
Foto: Arquivos ABMA
Antroposofia e o ser humano I:
Microcosmo e macroscomo interligados
• Steiner valoriza o pensamento objetivo que permitiu o
desenvolvimento da ciência e o conhecimento profundo
dos processos corporais
• Aplica sua forma de pensar na direção não das partes,
mas de uma visão integrada do ser humano em si e do
ser humano com o mundo
• Uma visão que, internamente, relaciona e mostra a
interdependência entre os diversos órgãos do corpo.
Antroposofia e o ser humano II:
Microcosmo e macroscomo interligados
• Com relação ao mundo exterior mostra como a
organização humana engloba e unifica fenômenos que
ocorrem nos reinos animal, vegetal e mineral e
também as influências que partem do cosmos, as
estações do ano, e influências dos astros
TUDO ESTÁ INTERLIGADO, INCLUSIVE AS DIVERSAS
DISCIPLINAS OU ESPECIALIDADES MÉDICAS.
Antroposofia e Saúde I:
Nossa educação e nossa forma
de compreender e de atuar
• A dificuldade de entender que o homem não é, em sua
totalidade, o resultado de forças físicas e químicas é
fortalecida pelo fato de que desde crianças, muito
antes de nos depararmos com a necessidade de cuidar
de pessoas doentes, nosso pensamento é treinado a
medir e a contar
• Há uma tendência da educação contemporânea de
formar pessoas que possam ser inseridas na indústria,
na produção de tecnologia, daquilo que é novo
Antroposofia e Saúde II:
Nossa educação e nossa forma
de compreender e de atuar
• Nas áreas biomédicas nos dedicamos mais ao estudo
e desenvolvimento de máquinas e aparelhos, do que
ao conhecimento da vida e da natureza humana
• A dimensão espiritual do ser humano não é
considerada como importante
SOMOS EDUCADOS A NÃO PENSAR E CONHECER O
SER HUMANO EM SUA COMPLEXIDADE
Um poeta cientista I:
A fenomenologia de Goethe
Johann Wolfgang von Goethe
(1749 - 1832) Poeta, escritor e
cientista. Importante referência na
literatura romântica da Europa,
suas obras são mundialmente
conhecidas. No campo das
ciências, desenvolveu estudos na
área da física, especialmente da
ótica (Teoria das Cores) e das
ciências naturais
Foto: wikimedia
Uma poeta cientista II:
A fenomenologia de Goethe
Como cientista natural, seu lado menos conhecido, Goethe
desenvolveu um método de investigação compreensivo: a
fenomenologia goetheana ou Goetheanismo
Fotos: wikimedia
Steiner pensa Goethe:
A descoberta de um modelo de investigação da natureza
do ser humano
Em sua juventude Steiner trabalhou, durante um tempo,
organizando o arquivo de Goethe e maravilhou-se ao
descobrir como ele pensava: um pensar “vivo”, orgânico.
Goethe desenvolveu um caminho
de conhecimento para além dos
sentidos....e assim percebeu que
Acontece uma transformação das
Formas na natureza! Como será
isso nos seres humanos?
Foto: Arquvos ABMA
Ciência e Filosofia I:
O pensamento além do que é sentido
• A Antroposofia busca conhecer o ser humano
observando o corpo e pensando as leis que atuam
sobre o corpo e não podem ser observadas
sensorialmente
• O ser humano não é apenas constituído de corpo, mas
também de vida, emoções e espirito
• Não é o corpo que produz a psique, assim como não é
a vela que produz o fogo. Ao contrário, é o fogo que
desgasta a vela. Um depende do outro, mas a vela não
é capaz de produzir fogo
Ciência e Filosofia II:
O pensamento além do que é sentido
• O corpo não é capaz de produzir pensamentos e
emoções. Eles não são de natureza material. A
antroposofia aplicada à saúde correlaciona as
emoções e os pensamentos com o funcionamento e
com a estrutura corporal, na saúde e na doença
O HOMEM É UM SER FÍSICO, ANIMICO E ESPIRITUAL
Uma ampliação da Medicina:
O surgimento da Medicina Antroposófica
Ita Wegman (1876-1943), médica e
responsável pelo desenvolvimento das
bases da antroposofia aplicada à
saúde em conjunto com Steiner.
Escreveram juntos o livro “Elementos
fundamentais para uma ampliação da
arte de curar”. Propôs aplicações para
enfermagem, massagem e diversas
terapias antroposóficas
Foto: Arquvos ABMA
Antroposofia aplicada à saúde:
Integração e ampliação
• A antroposofia aplicada à saúde reconhece, estuda e
se baseia nos conhecimentos da Biomedicina
• O corpo humano está submetido a leis e forças que
interagem e respondem às leis da biologia, da física e
da química. Mas também possui suas forças internas
de auto-regulação e recuperação da saúde
• De acordo com a doença, será necessário usar sempre
as abordagens da alopatia com medicamentos,
cirurgia, radiação, etc
Antroposofia aplicada à saúde:
Forças de auto-regulação, vida de sentimentos e individualidade
• A antroposofia aplicada à saúde procura identificar e
apoiar as diversas dimensões geradoras de saúde no
ser humano
• Reconhece que os aspectos relacionados à esfera dos
sentimentos e da vida emocional estão implicados em
qualquer processo de adoecimento
• Enfatiza que cada ser humano é único e singular. Sua
essência mais profunda atua sobre o todo de sua vida
Antroposofia aplicada à saúde:
A busca pelo diagnóstico ampliado
• Diante de uma doença, o médico antroposófico vai
considerar o quadro clínico do paciente como qualquer
outro médico: sintomas, dados de anamnese, de
exame físico, exames laboratoriais ou de imagem
• Mas buscará também diagnosticar como está a
vitalidade desse paciente, o seu desenvolvimento
emocional e como ele tem conduzido sua vida através
dos anos, sua história de vida ou biografia. Busca-se
um diagnóstico mais profundo e individualizado
Antroposofia aplicada à saúde:
A busca pela terapêutica ampliada
• Diante de um diagnóstico o médico antroposófico
poderá prescrever ou indicar uma gama de recursos
medicamentosos ou não-medicamentosos
• Entre os recursos medicamentosos ele poderá
prescrever medicamentos alopáticos, se considerar
necessários ou homeopáticos, fitoterápicos e
antroposóficos
• Entre os recursos não medicamentosos poderá
recomendar uma ou mais das Terapias Antroposóficas
ou outras terapias não antroposóficas
Áreas da Saúde e Terapias:
Cuidado multidisciplinar ampliado pela Antroposofia
Enfermagem Antroposófica
Odontologia Integral Antroposófica
Psicologia Ampliada pela Antroposofia
Massagem Rítmica
Banhos e Aplicações Externas
Terapia Artística
Aconselhamento Biográfico
Euritmia
Quirofonética
Cantoterapia e Musicoterapia ...
Fotos: Arquvos ABMA
Medicamento Antroposófico:
Uma farmácia dinâmica
• Fórmula de medicamentos com substâncias da natureza e
inspirada em seus processos: minerais, plantas e até de alguns
animais (abelha, corais, etc)
• Os processos farmacêuticos ampliados pela Antroposofia
possuem técnicas semelhantes ao método homeopático (diluição
e dinamização), porém possui princípios e métodos específicos
como é o caso dos metais vegetabilizados e metais praeparatum
Fotos: Arquivos ABMA
Antroposofia aplicada
O conhecimento aplicado a algumas áreas
• Agricultura biodinâmica: compreende que a terra, as plantas, os
animais e os seres humanos estão interligados. Observa os ciclos da
natureza, estações do ano e as características próprias de cada
alimento
• Pedagogia Waldorf: Considera que a aprendizagem dá-se de
maneira integrada a todas as atividades infantis: cognitivas, artísticas
e corporais. Apoia o desenvolvimento global das crianças e com
base no respeito à individualidade e incentiva a criatividade
• Pedagogia Social: apoia o desenvolvimento humano e a organização
social com base na compreensão do potencial de cada indivíduo, de
cada grupo de trabalho ou campo de atuação de colaborar pelo bem
comum
Em resumo...
Um olhar para a integralidade e a complexidade
Vimos nessa apresentação que a Medicina e as Terapias
Antroposóficas surgiram na Europa no início do século XX,
baseadas na imagem do homem trazida pela Antroposofia. O
trabalho conjunto do filósofo Rudolf Steiner e da médica Ita
Wegman gerou um modelo de cuidados em saúde
contemporâneo e essencialmente integrativo. Atualmente a
antroposofia aplicada à saúde está presente em mais de
sessenta países, nos cinco continentes
Referências:
BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e
Complementares. Brasília, Ministério da Saúde, 2006
IBÁÑEZ, N. MARSIGLIA, R. Medicina e Saúde: um enfoque histórico. Em
CANESQUI, A.M (org.): Ciências sociais e Saúde para o Ensino Médico,
São Paulo, FAPESP, 2000, p.49-73.
Porter, R. Medicina: história da cura. Livros e Livros. Lisboa, 2002
GUEDES, CR; NOGUEIRA, MI; CAMARGO Jr, KR. "Os sintomas vagos
e difusos em biomedicina: uma revisão da literatura." Cienc Saude
Coletiva 13.1 (2008): 135-44.
MORAES, WA. Medicina Antroposófica: um paradigma para o século XII.
Associação Brasileira de Medicina Antroposófica. São Paulo, 2007
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências CientíficasAcupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Clínica de Acupuntura Dr. Hong Jin Pai
 
Apresentação sus
Apresentação susApresentação sus
Apresentação sus
ismar26
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
Tereza Cristina
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Tst fisiologia do trabalho - eduardo c. batiz
Tst   fisiologia do trabalho - eduardo c. batizTst   fisiologia do trabalho - eduardo c. batiz
Tst fisiologia do trabalho - eduardo c. batiz
Bolivar Motta
 

Mais procurados (20)

Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências CientíficasAcupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
 
Cromoterapia
CromoterapiaCromoterapia
Cromoterapia
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
Auriculoterapia
AuriculoterapiaAuriculoterapia
Auriculoterapia
 
Apresentação sus
Apresentação susApresentação sus
Apresentação sus
 
Florais de Bach
Florais de BachFlorais de Bach
Florais de Bach
 
Historico sus
Historico susHistorico sus
Historico sus
 
Auriculopuntura
AuriculopunturaAuriculopuntura
Auriculopuntura
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
 
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela NeurológicaAtenção ao Paciente com Sequela Neurológica
Atenção ao Paciente com Sequela Neurológica
 
Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUSPráticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
 
A morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrerA morte e o processo de morrer
A morte e o processo de morrer
 
Introdução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúdeIntrodução à psicologia da saúde
Introdução à psicologia da saúde
 
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTCConceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
Conceitos Fundamentais e diagnóstico em Acupuntura/MTC
 
Tst fisiologia do trabalho - eduardo c. batiz
Tst   fisiologia do trabalho - eduardo c. batizTst   fisiologia do trabalho - eduardo c. batiz
Tst fisiologia do trabalho - eduardo c. batiz
 
Educação e saúde
Educação e saúde Educação e saúde
Educação e saúde
 
Acupuntura aula
Acupuntura aulaAcupuntura aula
Acupuntura aula
 

Semelhante a Apresentação ma 1

Texto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúdeTexto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúde
Psicologia_2015
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
JessiellyGuimares
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
portustfs
 
Campanha da fraternidade na escola
Campanha da fraternidade na escolaCampanha da fraternidade na escola
Campanha da fraternidade na escola
Pablo Nascimento
 
AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........
AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........
AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........
LarissaAlmeida589396
 

Semelhante a Apresentação ma 1 (20)

Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptxAula 5- ser biopsicossocial.pptx
Aula 5- ser biopsicossocial.pptx
 
Texto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúdeTexto 1 introdução à psicologia da saúde
Texto 1 introdução à psicologia da saúde
 
Homeopatia
HomeopatiaHomeopatia
Homeopatia
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Aula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
Aula 01 - Saúde, Cultura e SociedadeAula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
Aula 01 - Saúde, Cultura e Sociedade
 
Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1
 
Bioetica e a fe crista
Bioetica e a fe cristaBioetica e a fe crista
Bioetica e a fe crista
 
1 - Conceitos de Saúde e Doença.pptx
1 - Conceitos de Saúde e Doença.pptx1 - Conceitos de Saúde e Doença.pptx
1 - Conceitos de Saúde e Doença.pptx
 
Determinantes Sociais da Saúde_processo saúde-doença
Determinantes Sociais da Saúde_processo saúde-doençaDeterminantes Sociais da Saúde_processo saúde-doença
Determinantes Sociais da Saúde_processo saúde-doença
 
Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
Teoria de enfermagem (Martha Rogers)Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
Teoria de enfermagem (Martha Rogers)
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
 
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicosAula 5 as doenças os doentes e os medicos
Aula 5 as doenças os doentes e os medicos
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
 
Campanha da fraternidade na escola
Campanha da fraternidade na escolaCampanha da fraternidade na escola
Campanha da fraternidade na escola
 
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
 
Saude coletiva aula 1
Saude coletiva aula 1Saude coletiva aula 1
Saude coletiva aula 1
 
AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........
AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........
AULA PROCESSO SAUDE E DOENÇA.pdf........
 
Autocuidado, alimentação e saúde integrais
Autocuidado, alimentação e saúde integraisAutocuidado, alimentação e saúde integrais
Autocuidado, alimentação e saúde integrais
 
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdfAULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
AULA 01 INTRODUÇÃO A PSI APLICADA.pdf
 

Mais de Plataforma Colaborativa Comunidade de Práticas

Mais de Plataforma Colaborativa Comunidade de Práticas (20)

Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Tutorial inscrição de relato para a 3 mostra eps
Tutorial inscrição de relato para a 3 mostra epsTutorial inscrição de relato para a 3 mostra eps
Tutorial inscrição de relato para a 3 mostra eps
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
 
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativaHistórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
Histórico dos conceitos: medicina complementar e integrativa
 
Paternidade e identidade de genero
Paternidade e identidade de generoPaternidade e identidade de genero
Paternidade e identidade de genero
 
Aumento da licença paternidade
Aumento da licença paternidadeAumento da licença paternidade
Aumento da licença paternidade
 
Remedio caseiros com plantas medicinais
Remedio caseiros com plantas medicinaisRemedio caseiros com plantas medicinais
Remedio caseiros com plantas medicinais
 
Inscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordeste
Inscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordesteInscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordeste
Inscrição de relato para a chamada iv congresso norte e nordeste
 
Tutorial inscrição de relato para a chamada
Tutorial inscrição de relato para a chamadaTutorial inscrição de relato para a chamada
Tutorial inscrição de relato para a chamada
 
(20) unidade 4 slide share
(20) unidade 4   slide share(20) unidade 4   slide share
(20) unidade 4 slide share
 
(19) unidade 4 slide share
(19) unidade 4   slide share(19) unidade 4   slide share
(19) unidade 4 slide share
 
(17) unidade 4 slide share-para as-os filhas-os
(17) unidade 4   slide share-para as-os filhas-os(17) unidade 4   slide share-para as-os filhas-os
(17) unidade 4 slide share-para as-os filhas-os
 
(17) unidade 4 slide share-mulheres
(17) unidade 4   slide share-mulheres(17) unidade 4   slide share-mulheres
(17) unidade 4 slide share-mulheres
 
(17) unidade 4 slide share-no seu tempo livre
(17) unidade 4   slide share-no seu tempo livre(17) unidade 4   slide share-no seu tempo livre
(17) unidade 4 slide share-no seu tempo livre
 
(20) unidade 4 slide share
(20) unidade 4   slide share(20) unidade 4   slide share
(20) unidade 4 slide share
 
(20) slide share
(20)   slide share(20)   slide share
(20) slide share
 
(13) slide share
(13)   slide share(13)   slide share
(13) slide share
 
(17) unidade 4 slide share-gestação e parto
(17) unidade 4   slide share-gestação e parto(17) unidade 4   slide share-gestação e parto
(17) unidade 4 slide share-gestação e parto
 
(17) unidade 4 slide share-benefícios para os pais
(17) unidade 4   slide share-benefícios para os pais(17) unidade 4   slide share-benefícios para os pais
(17) unidade 4 slide share-benefícios para os pais
 
(17) slide share
(17)   slide share(17)   slide share
(17) slide share
 

Apresentação ma 1

Notas do Editor

  1. Em cada tempo e civilização, o ser humano desenvolveu uma forma de compreender a doença e cuidar da saúde de acordo com a sua cultura, modelo de sociedade e conhecimento.